La Palma, Canárias

A Isla Bonita das Canárias


O Bananal do Vale
Meandros de estrada através de um dos bananais de El Valle.
Casa do Cacto
Casa e cacto, um conjunto garrido de El Tablado.
Queda d’Água Los Tiloes
Visitante da Reserva Especial Los Tilos admira o salto da cascata homónima.
dragoeiro-el-tablado-la-palma-canarias
el-tablado-la-palma-canarias
Estrada para um bananal
Estrada vertiginosa abaixo de El Tablado
El Faro, o Farol
O Farol de Fuencaliente acima da costa vulcânica do sul de La Palma.
Lava Florida
Flores resplandecem no cimo rochoso de Roque de Los Muchachos.
Muchachos Espaciais
Cúpulas de Observatório Espacial no cimo de La Palma de Roque de los Muchachos.
playa-de-bujaren-la-palma-canarias
Baño (Fuen) Caliente
Banhista saboreia o derradeiro sol da tarde na praia contígua ao Farol de Fuencaliente.
Nogales
Visitante da Reserva Especial Los Tilos admira o salto da cascata homónima.
Salinas e o Farol
As salinas e, à distância, o farol de Fuencaliente, no extremo sul de La Palma.
El Valle de Aridane
Casario de El Valle, a maior povoação de La Palma, maior até que a capital Santa Cruz de la Palma.
Vulcão San Juan
Pinheiros despontam do solo vulcânico em redor do Vulcan San Juan.
Playa Nogales (lá em baixo)
Banhistas caminham sobre a areia negra da Playa Nogales.
Lar doce Lar de El Tablado
Telhado, terraço e chaminé de El Tablado.
Rua-de-San-Antóno-la-palma-canarias
Túnel para Los Tilos
Em 1986, Madonna Louise Ciccone lançou um êxito que popularizou a atracção exercida por uma isla imaginária. Ambergris Caye, no Belize, colheu proveitos. Do lado de cá do Atlântico, há muito que os palmeros assim veem a sua real e deslumbrante Canária.

Jonas Pérez aprecia a velocidade.

Não diríamos tanto como a sua ilha natal mas, dá-lhe especial prazer serpentear pelas curvas de La Palma com os pneus em suplício.

Depressa percebemos que o fazia com a experiência de anos de cima abaixo na ilha, a determinada altura, à frente da sua própria empresa de turismo, cargo que o ligou a nós e à nossa visita.

Como resposta ao repto de por onde a queríamos começar a explorar, disparamos para o seu norte, com o parque nacional de Los Tilos como destino.

O Reduto Laurisilval Prodigioso de Los Tilos

Los Tilos é especial por concentrar uma das áreas de floresta Laurisilva mais antigas e melhor preservadas do arquipélago canário e de toda a Macaronésia.

Verdejante, húmido, de vegetação sortida, musgoso e, à sua maneira, místico, Los Tilos é sulcado por inúmeros trilhos que atraem caminhantes de todas as partes. Em dias estivais e quentes, um deles, acessível e bem mais curto, revela-se um caso à parte.

Tunel de Los Tilos, La Palma, Canárias

Vulto percorre a levada que conduz

Como o encontrámos, não o classificaríamos bem como um convencional trilho. Nas imediações de um rio de nome Barranco del Água, uma levada canalizada acompanha um túnel escavado na encosta.

Deixamo-lo para a entrada de uma garganta apertada, sinuosa e pejada de fetos. Ali mesmo, uma queda d’água generosa, abastecia o Barranco del Água e deliciava uma pequena multidão de visitantes.

Cascada Los Tilos, La Palma, Canárias

Visitante da Reserva Especial Los Tilos admira o salto da cascata homónima.

Eram uns tantos turistas, fotógrafos de ocasião e uma minoria balnear de adolescentes deliciados com a frescura e excentricidade do duche vespertino. Sobrava-nos vontade para a eles nos juntarmos.

Se dependesse de Jonas, isso nunca aconteceria: “um lugar especial assim, devia estar fechado a estas invasões. Agora são estes três, mas às vezes são cinco vezes mais, percebem?” Claro que percebíamos.

Jonas era da ilha. E, em certa maneira, a ilha era de Jonas. Não tínhamos grande coisa acrescentar. Deixámos que nos guiasse a uma equivalente marinha da Cascata de Los Tilos.

Revertemos para sul. Deixamos a estrada principal para uma sua derivada repleta de esses íngremes algo assustadores.

Uma derradeira ladeira deixa-nos de frente para um promontório ressequido, pejado de cactos amarelos, na época certa, prendados com figos-da-Índia, higopicos ou tunos como, dependendo das ilhas, lhes chamam os Canários.

Nogales: uma Praia Crua e Deslumbrante de Areia Negra

Uma vedação de madeira protegia quem ali se aventurava a espreitar o abismo a norte, de uma longa e fatídica queda. Não obstante, a vista da Playa Nogales abaixo, de um esplendor marinho e vulcânico incomum, convidava-nos a prolongar a contemplação e a renovar os cliques das máquinas fotográficas vezes sem conta.

Playa Nogales, La Palma, Canárias

Figos-da-India no cimo da falésia da Playa Nogales.

O seu areal negro, com mais de 500 metros de comprimento e, dependendo da maré, até 25 de largura, encaixa no fundo de falésias que, nos meses mais chuvosos se tornam verdejantes e contrastam com o azulão-petróleo do oceano Atlântico.

Num cenário extremo como tal, pouco surpreende que o leito sofra mudanças bruscas de profundidade suscetíveis a correntes. Os banhos têm, assim, que se fazer com cuidados redobrados.

Fosse como fosse, os poucos banhistas privilegiados que vislumbrávamos nas profundezas, todos a salvo, jogavam raquetes, brincavam com um cão, dormitavam mesmo antes do limiar da rebentação.

Vagas na playa Nogales, La Palma, Canárias

Banhistas caminham sobre a areia negra da Playa Nogales.

De San Andrés ao Regresso à Capital Santa Cruz

Entre Los Tilos e Nogales, vimos boa parte do relevo de La Palma colonizado por bananais de encosta, já de considerável dimensão. Por aquela altura, mal sabíamos que, à escala de La Palma, se tratavam de meras amostras.

Esta secção inicial do périplo ocupou-nos até em cima da hora de almoço. Jonas Pérez alicia-nos a concordarmos com a ida a um restaurante seu familiar do pueblo de San Andrés, homónimo, dotado de uma esplanada à sombra de grandes palmeiras e abençoado pela Parróquia de San Andrés Apóstol.

Lá nos sentamos e saboreamos peixe grelhado, com papas arrugadas e, claro está, uma boa dose de gofio, uma papa amarelada feita de uma mistura de grãos e cereais que, se diz que já era consumida pelos indígenas das Canárias guanches, muito antes da chegada dos europeus.

Jonas incita-nos a prova-la com um orgulho genuíno de nativo de há menos tempo. Para seu contentamento, adoramos o petisco. Abusamos de o degustar até percebermos o seu peso e complexidade digestiva.

E, não tarda, a consequente dificuldade em explorarmos a colorida e pitoresca povoação à beira-mar plantada de San Andrés. Por essa tarde, ficamos por nossa conta a deambular pela capital Santa Cruz de La Palma.

Roque Los Muchachos Enevoado e o Encanto de El Tablado

Na manhã seguinte, bem cedo, saímos uma vez em modo de rali, com o fim de etapa no tecto da ilha de Roque de los Muchachos (2426m), o segundo pico mais elevado das Canárias e um ponto de observação privilegiado do Espaço, a razão de ser dos vários Observatórios Espaciais e das enormes antenas que víamos apontadas para os céus.

Observatório Espacial, Roque Los Muchachos, La Palma

Cúpulas de Observatório Espacial no cimo de La Palma de Roque de los Muchachos.

E, no entanto, à hora a que completamos a ascensão do monte, em vez de pairarem abaixo, envolviam-no nuvens de altitude que nos frustravam uma contemplação condigna da cratera e dos panoramas em redor.

De acordo, demoramos menos do que contávamos. Jonas aproveita a sequência da estrada.

Flores em Roque de Los Muchachos

Flores resplandecem no cimo rochoso de Roque de Los Muchachos.

Conduz-nos a uma das suas zonas preferidas de La Palma, a costa norte, retirada no tempo, isolada pelos recortes caprichosos de montanhas e vales e por um certo apego a um modo ancestral de vida.

Uma região cruzada por trilhos vertiginosos em que Jonas e a esposa Sarai acumularam grande experiência a guiar forasteiros.

Estrada, Costa Norte, La Palma.

Estrada vertiginosa abaixo de El Tablado

O acelera e gentil cicerone mostra-nos, em particular, a aldeia de El Tablado, assim chamada pela estrutura tradicional de madeira dos telhados, a culminarem casas mais antigas e humildes impostas às encostas.

El Tablado, La Palma,

Telhado, terraço e chaminé de El Tablado.

Boa parte das recentes, coloridas, com cimos rasos, chaminés algo mouriscas.

O Atlântico a norte e a companhia vegetal de uns tantos dragoeiros, muito mais anciãos que qualquer morador.

De El Tablado, serpenteamos até Santo Domingo, povoação com uma estrutura e visual de vila, com a sua praça, igreja e edifício senhoriais mas que encontramos quase deserta e em que, malgrado as vias bem menos extremas que as de acesso a El Tablado, o evento do dia era um condutor que tinha invadido e destruído um estabelecimento comercial.

Ao volante do seu carro, há que dizê-lo.

Pela Costa Oeste de La Palma Abaixo

Por nova ladeira ziguezagueante, chegamos à vista dos Roques de Santo Domingo e de Las Tabaidas e, mesmo se mais escondida, da Praia de Bujarén, da mesma laia vulcânica e de retiro nas profundezas das falésias, da de Nogales.

Apostado em perfazer a circum-condução da ilha, Jonas força um trecho adicional, agora pelo cimo da sua costa oeste, extenso que bastasse para nos convencer da dimensão de La Palma que os mapas não deixam compreender.

Voltamos a sobressaltar-nos com o dramatismo canário da Isla Bonita quando atingimos o cimo de El Valle de Aridane.

Fértil como poucos na ilha, El Valle acolhe uma imensa produção agrícola, ao ponto de acolher uma das zonas de bananal mais importantes das Canárias.

El Valle de Aridane, La Palma, Canárias

Casario de El Valle, a maior povoação de La Palma, maior até que a capital Santa Cruz de la Palma.

À medida que descemos para o seu âmago, os meandros da estrada LP-1, dos Barrancos Tenisca e do de Las Angustias enfiam-nos numa floresta de bananeiras muradas, explica-nos Jonas que assim eram protegidas do vento e melhor amaduradas.

Bananal de El Valle, La Palma, Canárias

Meandros de estrada através de um dos bananais de El Valle.

Tantos quilómetros de curvas, altos e baixos, tanto desvendar de novos panoramas, já justificavam nova experiência gastronómica.

Higopicos ou Tunos à Mesa e o Fundo Vulcânico de La Palma

À mesa do gastrobar El Duende del Fuego, de Los Llanos encantamo-nos com o Chef Pedro Castillo a descascar um figo-da-Índia à mão despida. E com os seu risoto e sorvete de higopico, entre outras delícias.

Os tunos continuaram a abundar. De El Valle para baixo, rumo à finisterra meridional pontiaguda de La Palma, em que o farol de Fuencaliente avisa da iminência da ilha à navegação.

Farol de Fuencaliente, La Palma, Canárias

O Farol de Fuencaliente acima da costa vulcânica do sul de La Palma.

Uma vez mais, por estes lados, vemo-nos num domínio de terra e lava escura, salpicado de vulcões assombrosos: o de San António e o de San Juan.

São ambos derradeiras crateras de uma longa crista vulcânica de que faz também parte o controverso Cumbre Vieja, gerador de uma teoria apocalíptica e viral de que um seu colapso sobre o Atlântico provocaria um gigantesco maremoto que destruiria parte do litoral das Américas e até alguns litorais europeus.

Vulcão San Juan, La Palma, Canárias

Pinheiros despontam do solo vulcânico em redor do Vulcan San Juan.

Menos intimidante, o vulcão San Juan é sobranceiro ao farol, às salinas contrastantes de Fuencaliente.

E à praia de grandes seixos em que, não obstante a crueza geológica dos cenários, vemos banhistas desfrutarem do derradeiro sol da tarde e do mar cálido, para suplício de um duo de pescadores saturados da sua faina.

Playa de Fuencaliente, La Palma, Canárias

Banhista saboreia o derradeiro sol da tarde na praia contígua ao Farol de Fuencaliente.

A noite não tardou a anunciar-se. Com quase dez horas de voltas pela Isla Bonita, chegara a hora de recolhermos a Santa Cruz, a capital palmera. 

A sua segunda maior povoação.

Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Tenerife, Canárias

O Vulcão que Assombra o Atlântico

Com 3718m, El Teide é o tecto das Canárias e de Espanha. Não só. Se medido a partir do fundo do oceano (7500 m), só duas montanhas são mais pronunciadas. Os nativos guanches consideravam-no a morada de Guayota, o seu diabo. Quem viaja a Tenerife, sabe que o velho Teide está em todo o lado.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Parques nacionais
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Danca dragao, Moon Festival, Chinatown-Sao Francisco-Estados Unidos da America
Cerimónias e Festividades
São Francisco, E.U.A.

Com a Cabeça na Lua

Chega a Setembro e os chineses de todo o mundo celebram as colheitas, a abundância e a união. A enorme sino-comunidade de São Francisco entrega-se de corpo e alma ao maior Festival da Lua californiano.
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Cultura
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Em Viagem
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Em manobras
Étnico

Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Passerelle secular
História

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

A pequena-grande Senglea
Ilhas

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Natureza
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Lago Tinquilco no PN Huerquehue, Pucón, La Araucania, Chile
Parques Naturais
Pucón, Chile

Entre as Araucárias de La Araucania

A determinada latitude do longilíneo Chile, entramos em La Araucanía. Este é um Chile rude, repleto de vulcões, lagos, rios, quedas d’água e das florestas de coníferas de que brotou o nome da região. E é o coração de pinhão da maior etnia indígena do país: a Mapuche.
Via Conflituosa
Património Mundial UNESCO
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Detalhe do templo de Kamakhya, em Guwahati, Assam, Índia
Religião
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Cabine lotada
Sociedade
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Trio das alturas
Vida Selvagem

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.