Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal


Contra o vento
Sal de Cristo
Atlântico vs Pedra de Lume
Casas como Espargos
Deliciosas Flutuações
Margem salgada
Convívio caído do céu
Portinho colorido
Ruínas salgadas II
Sal aos montes
I Love Sal
Salinas: por aqui II
Salinas: por aqui
Retalhos de sal II
Salinização
Ruínas salgadas
Sal do Sal
O verde raro da Terra Boa
Retalhos de Salina
Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.

Deixamos a piscina natural da Buracona e o litoral castigado pelo vento e pelas vagas do noroeste da ilha do Sal. Confrontamo-nos com uma vastidão plana, árida e poeirenta. Uma amostra de vegetação rasa e ressequida disfarça o trilho que devíamos seguir.

A bruma seca torna difusos o horizonte e até as formas raras que se destacam daquela campina inóspita, varrida por ondas do calor refractido. Salpicam-na duas ou três árvores deitadas, submissas às ventanias alísias que o Saara há muito para ali envia.

Mais longe, vislumbramos ainda as silhuetas de elevações caprichosas da ilha do Sal: o Monte Grande – o supremo com 406 metros – e o Monte Curral. Conformadas com tal penúria climática e vegetal, as gentes chamaram a esta zona da ilha de Terra Boa. Assim dita uma placa saída do nada, tão gasta como a paisagem envolvente mas que, ainda assim, nos concede um rumo.

Árvore tombada pelos ventos alíseos, Terra Boa, ilha do Sal.

Árvore tombada pelos ventos alisios na Terra Boa da ilha do Sal.

À Descoberta da Terra (e Gente) Boa da Ilha do Sal

Avançamos pelo esboço de trilho, Terra Boa adentro. Não tarda, em áreas anda mais arenosas, damos com uma verdadeira estrada, se bem que asfalto, nem vê-lo. Um camião acabado de passar lega um rasto de pó que adensa a atmosfera.

Menos de 1km depois, um grupo de quatro nativos instalados junto a uma carrinha vermelha pedem para nos determos. “Amigos, ficámos sem gasosa. Não vale nem a pena empurrar. Dão-nos só uma boleia para o pé de Espargos ? ” Íamos nessa direcção. Recebida a nossa aprovação, enfiam-se os quatro no banco de trás. Com a sua ajuda, atravessamos o bairro de lata que se estende até à cintura da capital da ilha, Espargos.

Ainda no limiar da Terra Boa, os lares de lata convivem com pequenos hortos viçosos. Não escondemos aos passageiros a surpresa. “Então quase não se vê um arbusto verde e aqui nasce isto tudo?” “E querem saber mais?” respondem-nos. “Nasce isto tudo e são estas hortas que sustentam boa parte das famílias que cá se instalaram. É que sai muito mais barato aos hotéis e aos resorts lá de Santa Maria comprarem-lhes os produtos a eles que pagarem outros vindos de longe. Para nós, tem sido uma bênção. Como foi a vossa boleia. Olhem, saímos aqui.”

Despedem-se de nós agradecidos ao ponto de nos passarem um dos seus números de telefone e nos convidarem para uma cachupa à moda do Sal. Prometem-na “bem melhor que as que inventam nos hotéis e nos restaurantes lá de Portugal.” Despedimo-nos deles, enternecidos. Após o que continuamos a deambulação motorizada em que andávamos desde a hora do almoço.

O Caminho Extraterreno para Pedra de Lume

Contornamos a capital cada vez mais urbana que assim foi baptizada por ali proliferarem os espargos bravos durante a curta época em que chove sobre a ilha do Sal. Passamos entre o limiar sul do seu casario e o extremo norte da pista do Aeroporto Internacional Amílcar Cabral.

Lá permanece, em escala, uma gigantesca aeronave Antonov. Ao longe (mas bem longe) parece-nos um An 225. Mais tarde, os funcionários do aeroporto hão de tentar proibir que a fotografemos, “ordens dos Russos”, ainda e sempre com a mania dos segredos.

Tomamos uma longa recta que nos leva em direcção à costa leste, à Pedra de Lume e à principal razão histórica para a povoação e o desenvolvimento da ilha: as salinas homónimas.

Continuamos pelo norte da imensidão lunar do Feijoal, não tarda, com o Atlântico de novo à vista.

Avançamos lado a lado com uma enseada aberta e, por fim, o termino da via deixa-nos de frente para o pequeno porto local.

Uma comunidade de barcos de pesca salpicam-no de tons garridos que contrastam com o azul-petróleo do mar. Para o interior subido, um grande armazém e o esqueleto semi-desintegrado de uma outra estrutura em tempos recheada de roldanas conferem ao lugar uma aura misteriosa entre o faroeste e o extraterrestre.

barcos de pesca, Pedra de Lume, ilha do Sal, Cabo Verde

Barcos artesanais de pesca no porto de Pedra de Lume

Da Beira Atlântico ao Mar Interior de Pedra de Lume

Abençoa o lugar – e os seus moradores e visitantes – uma igreja branca e azul, com telhas do mesmo tom da paisagem circundante. Trata-se da capela de Nª Srª da Piedade, erguida em 1853 em honra daquela que é, ainda hoje, a Santa Padroeira de Pedra de Lume, celebrada com missa e procissão a cada 15 de Agosto.

Continuamos a ascender. Até que uma cancela nos força de uma vez por todas a estacionar. Metemo-nos por um túnel escuro sempre com a luz do fundo em vista e atravessamos a encosta terrosa do monte.

Ao sairmos do lado de lá, encaramos um brilho difuso que, por momentos, nos cega. Damos mais uns passos. Quando já nos refazemos do inesperado fulgor solar, a visão de um estranho cenário arredondado volta a ofuscar-nos.

Estamos no interior de uma velha caldeira, um dos resquícios pré-históricos do vulcanismo que deu origem à ilha do Sal e ao arquipélago de Cabo verde.

Com o tempo, a água do mar infiltrou-se na base da cratera abatida. Noutro tempo, boa parte dessa água evaporou sob o calor tropical permanente. Sobrou um vasto leito de sal em calda. Seria esta dádiva da Natureza a ditar o destino do Sal.

A História Salgada da Ilha do Sal

A segunda ilha do Barlavento cabo-verdiano terá sido descoberta a 3 de Dezembro de 1460. Segundo uma carta-régia de Afonso V, o seu descobridor foi o navegador de origem genovesa António da Noli. Da Noli estava ao serviço do Infante D. Henrique quando, no regresso de uma expedição ao Golfo da Guiné a detectou, já na sequência da ilha de Santiago onde seria fundada Ribeira Grande, a primeira cidade de Cabo Verde.

Impressionou Da Noli o perfil da ilha, lisa, ainda mais se em comparação com a montanhosa Santiago. Chamou-a de Llana.

Até, pelo menos 1720, manteve-se ínfima a população local, inaugurada por escravos chegados de outras ilhas do arquipélago, em pouco mais que o  lugarejo piscatório de Palmeira.

Uns anos mais tarde, um geógrafo holandês de nome Dapper descreveu ter encontrado uma aldeola com 72 marinheiros. Um outro forasteiro de passagem, um tal de aventureiro inglês Dampier, testemunhou que lá se deparou com uma meia dúzia de habitantes a viverem em condições miseráveis.

Que, ainda assim, sobreviviam com recurso ao sal abundante com que salgavam carne de cabra e das tartarugas que ali desovavam em grande número. Estes moradores pioneiros trocavam com frequência peles de cabra e sacas de sal por outros bens que outros marinheiros que lá aportavam traziam a bordo.

monte de sal, Salinas de Pedra de Lume, ilha do Sal

Monte de sal nas Salinas de Pedra de Lume

Os Tempos da Extracção e Exportação Pioneira

Por estranho que pareça, terá sido esta a origem do fulcro turístico de Santa Maria, hoje, repleto de hotéis sofisticados que abrigam quase metade dos visitantes-turistas de Cabo Verde.

Em 1796, Manuel António Martins, mercador milionário, governador português do arquipélago, entretanto apodado de Napoleão de Cabo Verde, replicou o que já há algum tempo se fazia na ilha da BoaVista. Instalou nas imediações de Pedra de Lume algumas famílias e escravos trazidos da costa oeste e encetou a exploração local do sal.

Passou a vender e a trocar a matéria-prima por outros bens. A exportação massiva e híperlucrativa para o Brasil – cerca de 30 mil toneladas por ano – durou até 1887. Nesse ano, o Brasil interditou o uso de sal estrangeiro. A extracção foi suspensa.

Só viria a ser retomada em 1919 quando um homem de negócios de Santa Maria e uma empresa de Bordéus adquiriram as salinas aos descendentes de Manuel António Martins e reinvestiram num sistema de transporte inovador que conduzia vinte e cinco toneladas de sal por hora até ao porto.

Desse pequeno porto, voltaram a exportar sal em enormes quantidades para países da África Ocidental e Central.  Isto, até 1985, quando a actividade deixou uma vez mais de ser viável.

O Mar Morto Cabo-Verdiano

Hoje, o sal extraído não chega sequer para as necessidades dos muitos lares, hotéis, restaurantes e outros negócios da ilha do Sal. As salinas têm, todavia, outras inusitadas utilidades.

Aproximamo-nos do fundo alagado da caldeira. Ali, dezenas de visitantes  convivem e relaxam. Boiam num pequeno retalho marinho com elevada concentração de sal, à laia de Mar Morto cabo-verdiano. Vários mais, chegam do túnel de acesso, ansiosos por se juntarem a estes privilegiados.

Salinas de Pedra de Lume, Ilha de Sal, Cabo Verde

Visitantes das Salinas de Pedra de Lume flutuam num retalho de água com grande densidade de sal.

Tínhamos experimentado recentemente tal flutuação no Mar Morto original. Como tal, apreciamos o seu deleite por alguns minutos e continuamos a explorar as salinas. Admiramos as diferenças de textura do sal nas distintas divisórias incluindo grandes calhaus cristalizados. Inspecionamos as  estranhas estruturas de processamento e transporte lá deixadas pelos recentes investidores e os montes de sal solidificados, às espera do trabalho das escavadoras por ali estacionadas.

Quando nos damos por satisfeitos, voltamos a atravessar o túnel no sentido contrário. Logo, ascendemos à orla da caldeira.

Desse cimo, contemplamos o panorama surreal a 360º, enquanto a ocidente, o sol se começava a esconder detrás do véu branco formado pela aliança da sua luz com a bruma seca.

Viagem Acelerada para Espargos

Conscientes de que, àquela latitude, anoitecia cedo e num ápice, regressamos ao carro e aceleramos rumo a Espargos. Espargos desenvolveu-se em função do aeroporto que Benito Mussolini lá mandou construir, em 1939, com permissão das autoridades portuguesas e que os portugueses compraram aos italianos, logo após a sua capitulação, na 2ª Guerra Mundial.

Aquando da passagem de meio da tarde, tínhamos já reparado em como o Monte Curral se elevava do meio da povoação. Procuramos pelo caminho que nos levaria ao cimo dos cento e poucos metros do monte e encontramo-lo com relativa facilidade.

Ao subirmos a rampa, passamos por uma jovem moradora entregue a um repetido sobe-e-desce. Estacionamos no topo, paredes meias com a vedação da torre de controlo aéreo usada pelo aeroporto internacional. Guardam-na uns poucos militares da mesma geração da atleta.

Ao chegar ao cume, esta, recupera o fôlego e alonga as pernas e as costas esforçadas. Para deleite dos militares, fartos do castigo do destacamento semi-solitário no alto do morro, saudosos das formas femininas e – é mais que certo – da companhia de donzelas cabo-verdianas.

Um dos soldados não resiste. Aborda a moça e inaugura uma conversa com tom de violino que estende o mais que pode.

Monte Curral, Espargos, Ilha do Sal, Cabo Verde

Jovem militar contempla uma jovem a alongar no cimo do Monte Curral

Fim de dia nas Alturas da Ilha do Sal

Nós, percebemos que o sol estava prestes a debandar. Metemo-nos por um trilho que dava a volta à grande torre. Tal como acontecera sobre a caldeira de Pedra de Lume, voltamos a deslumbrar-nos com o cenário tão ou mais inverosímil em redor, sobretudo o de norte.

Um casario de betão, aqui e ali pintado de cores vivas, surgia anichado na vastidão árida e ocre. Para lá desse casario humilde, elevavam-se outras colinas pontiagudas subsumidas na bruma seca. O contraste excêntrico entre o mundo geológico e o humano enfeitiçou-nos. Ficamos a apreciá-lo até que a noite se apresenta para o seu turno.

Quando regressamos ao carro, já não damos com a jovem de Espargos. Nem com os militares que se haviam já refugiado no conforto do aquartelamento.

De volta ao fundo da rampa, reparamos, sim, num grafiti vistoso pintado num muro. Lá constava a face de Amílcar Cabral. Tinha um 75 à sua frente, sob um limiar vermelho, amarelo e verde decorado com três minions intrigados. O mural incluía ainda um “I Love Sal” gráfico e exuberante. Não tínhamos nada a acrescentar.

A TAP – www.flytap.pt  voa todos os dias, excepto 3ª feira, de Lisboa para o aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal.

Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Alturas Tibetanas
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Glamour vs Fé
Cidades
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Comodidade até na Natureza
Comida

Tóquio, Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.

Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

A Toy Train story
Em Viagem
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Étnico
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Mosteiro de Tawang, Arunachal Pradesh, Índia
História
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Antes da chuva
Ilhas

Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.

Cavalos sob nevão, Islândia
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Devils Marbles
Natureza

Alice Springs a Darwin, Austrália

A Caminho do Top End

Do Red Centre ao Top End tropical, a Stuart Hwy percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, a grande ilha muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Foz incandescente
Património Mundial UNESCO

Big Island, Havai

À Procura de Rios de Lava

São 5 os vulcões que fazem a Big Island aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.

Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Hotel à moda Tayrona
Praias

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Em louvor do vulcão
Religião

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Noite Pachinko
Sociedade

Tóquio, Japão

O Vídeo-Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.