Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal


Contra o vento
Sal de Cristo
Atlântico vs Pedra de Lume
Casas como Espargos
Deliciosas Flutuações
Margem salgada
Convívio caído do céu
Portinho colorido
Ruínas salgadas II
Sal aos montes
I Love Sal
Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.

Deixamos a piscina natural da Buracona e o litoral castigado pelo vento e pelas vagas do noroeste da ilha do Sal. Confrontamo-nos com uma vastidão plana, árida e poeirenta. Uma amostra de vegetação rasa e ressequida disfarça o trilho que devíamos seguir.

A bruma seca torna difusos o horizonte e até as formas raras que se destacam daquela campina inóspita, varrida por ondas do calor refractido. Salpicam-na duas ou três árvores deitadas, submissas às ventanias alísias que o Saara há muito para ali envia.

Mais longe, vislumbramos ainda as silhuetas de elevações caprichosas da ilha do Sal: o Monte Grande – o supremo com 406 metros – e o Monte Curral. Conformadas com tal penúria climática e vegetal, as gentes chamaram a esta zona da ilha de Terra Boa. Assim dita uma placa saída do nada, tão gasta como a paisagem envolvente mas que, ainda assim, nos concede um rumo.

Árvore tombada pelos ventos alíseos, Terra Boa, ilha do Sal.

Árvore tombada pelos ventos alisios na Terra Boa da ilha do Sal.

À Descoberta da Terra (e Gente) Boa da Ilha do Sal

Avançamos pelo esboço de trilho, Terra Boa adentro. Não tarda, em áreas anda mais arenosas, damos com uma verdadeira estrada, se bem que asfalto, nem vê-lo. Um camião acabado de passar lega um rasto de pó que adensa a atmosfera.

Menos de 1km depois, um grupo de quatro nativos instalados junto a uma carrinha vermelha pedem para nos determos. “Amigos, ficámos sem gasosa. Não vale nem a pena empurrar. Dão-nos só uma boleia para o pé de Espargos ? ” Íamos nessa direcção. Recebida a nossa aprovação, enfiam-se os quatro no banco de trás. Com a sua ajuda, atravessamos o bairro de lata que se estende até à cintura da capital da ilha, Espargos.

Ainda no limiar da Terra Boa, os lares de lata convivem com pequenos hortos viçosos. Não escondemos aos passageiros a surpresa. “Então quase não se vê um arbusto verde e aqui nasce isto tudo?” “E querem saber mais?” respondem-nos. “Nasce isto tudo e são estas hortas que sustentam boa parte das famílias que cá se instalaram. É que sai muito mais barato aos hotéis e aos resorts lá de Santa Maria comprarem-lhes os produtos a eles que pagarem outros vindos de longe. Para nós, tem sido uma bênção. Como foi a vossa boleia. Olhem, saímos aqui.”

Despedem-se de nós agradecidos ao ponto de nos passarem um dos seus números de telefone e nos convidarem para uma cachupa à moda do Sal. Prometem-na “bem melhor que as que inventam nos hotéis e nos restaurantes lá de Portugal.” Despedimo-nos deles, enternecidos. Após o que continuamos a deambulação motorizada em que andávamos desde a hora do almoço.

O Caminho Extraterreno para Pedra de Lume

Contornamos a capital cada vez mais urbana que assim foi baptizada por ali proliferarem os espargos bravos durante a curta época em que chove sobre a ilha do Sal. Passamos entre o limiar sul do seu casario e o extremo norte da pista do Aeroporto Internacional Amílcar Cabral.

Lá permanece, em escala, uma gigantesca aeronave Antonov. Ao longe (mas bem longe) parece-nos um An 225. Mais tarde, os funcionários do aeroporto hão de tentar proibir que a fotografemos, “ordens dos Russos”, ainda e sempre com a mania dos segredos.

Tomamos uma longa recta que nos leva em direcção à costa leste, à Pedra de Lume e à principal razão histórica para a povoação e o desenvolvimento da ilha: as salinas homónimas.

Continuamos pelo norte da imensidão lunar do Feijoal, não tarda, com o Atlântico de novo à vista.

Avançamos lado a lado com uma enseada aberta e, por fim, o termino da via deixa-nos de frente para o pequeno porto local.

Uma comunidade de barcos de pesca salpicam-no de tons garridos que contrastam com o azul-petróleo do mar. Para o interior subido, um grande armazém e o esqueleto semi-desintegrado de uma outra estrutura em tempos recheada de roldanas conferem ao lugar uma aura misteriosa entre o faroeste e o extraterrestre.

barcos de pesca, Pedra de Lume, ilha do Sal, Cabo Verde

Barcos artesanais de pesca no porto de Pedra de Lume

Da Beira Atlântico ao Mar Interior de Pedra de Lume

Abençoa o lugar – e os seus moradores e visitantes – uma igreja branca e azul, com telhas do mesmo tom da paisagem circundante. Trata-se da capela de Nª Srª da Piedade, erguida em 1853 em honra daquela que é, ainda hoje, a Santa Padroeira de Pedra de Lume, celebrada com missa e procissão a cada 15 de Agosto.

Continuamos a ascender. Até que uma cancela nos força de uma vez por todas a estacionar. Metemo-nos por um túnel escuro sempre com a luz do fundo em vista e atravessamos a encosta terrosa do monte.

Ao sairmos do lado de lá, encaramos um brilho difuso que, por momentos, nos cega. Damos mais uns passos. Quando já nos refazemos do inesperado fulgor solar, a visão de um estranho cenário arredondado volta a ofuscar-nos.

Estamos no interior de uma velha caldeira, um dos resquícios pré-históricos do vulcanismo que deu origem à ilha do Sal e ao arquipélago de Cabo verde.

Com o tempo, a água do mar infiltrou-se na base da cratera abatida. Noutro tempo, boa parte dessa água evaporou sob o calor tropical permanente. Sobrou um vasto leito de sal em calda. Seria esta dádiva da Natureza a ditar o destino do Sal.

A História Salgada da Ilha do Sal

A segunda ilha do Barlavento cabo-verdiano terá sido descoberta a 3 de Dezembro de 1460. Segundo uma carta-régia de Afonso V, o seu descobridor foi o navegador de origem genovesa António da Noli. Da Noli estava ao serviço do Infante D. Henrique quando, no regresso de uma expedição ao Golfo da Guiné a detectou, já na sequência da ilha de Santiago onde seria fundada Ribeira Grande, a primeira cidade de Cabo Verde.

Impressionou Da Noli o perfil da ilha, lisa, ainda mais se em comparação com a montanhosa Santiago. Chamou-a de Llana.

Até, pelo menos 1720, manteve-se ínfima a população local, inaugurada por escravos chegados de outras ilhas do arquipélago, em pouco mais que o  lugarejo piscatório de Palmeira.

Uns anos mais tarde, um geógrafo holandês de nome Dapper descreveu ter encontrado uma aldeola com 72 marinheiros. Um outro forasteiro de passagem, um tal de aventureiro inglês Dampier, testemunhou que lá se deparou com uma meia dúzia de habitantes a viverem em condições miseráveis.

Que, ainda assim, sobreviviam com recurso ao sal abundante com que salgavam carne de cabra e das tartarugas que ali desovavam em grande número. Estes moradores pioneiros trocavam com frequência peles de cabra e sacas de sal por outros bens que outros marinheiros que lá aportavam traziam a bordo.

monte de sal, Salinas de Pedra de Lume, ilha do Sal

Monte de sal nas Salinas de Pedra de Lume

Os Tempos da Extracção e Exportação Pioneira

Por estranho que pareça, terá sido esta a origem do fulcro turístico de Santa Maria, hoje, repleto de hotéis sofisticados que abrigam quase metade dos visitantes-turistas de Cabo Verde.

Em 1796, Manuel António Martins, mercador milionário, governador português do arquipélago, entretanto apodado de Napoleão de Cabo Verde, replicou o que já há algum tempo se fazia na ilha da BoaVista. Instalou nas imediações de Pedra de Lume algumas famílias e escravos trazidos da costa oeste e encetou a exploração local do sal.

Passou a vender e a trocar a matéria-prima por outros bens. A exportação massiva e híperlucrativa para o Brasil – cerca de 30 mil toneladas por ano – durou até 1887. Nesse ano, o Brasil interditou o uso de sal estrangeiro. A extracção foi suspensa.

Só viria a ser retomada em 1919 quando um homem de negócios de Santa Maria e uma empresa de Bordéus adquiriram as salinas aos descendentes de Manuel António Martins e reinvestiram num sistema de transporte inovador que conduzia vinte e cinco toneladas de sal por hora até ao porto.

Desse pequeno porto, voltaram a exportar sal em enormes quantidades para países da África Ocidental e Central.  Isto, até 1985, quando a actividade deixou uma vez mais de ser viável.

O Mar Morto Cabo-Verdiano

Hoje, o sal extraído não chega sequer para as necessidades dos muitos lares, hotéis, restaurantes e outros negócios da ilha do Sal. As salinas têm, todavia, outras inusitadas utilidades.

Aproximamo-nos do fundo alagado da caldeira. Ali, dezenas de visitantes  convivem e relaxam. Boiam num pequeno retalho marinho com elevada concentração de sal, à laia de Mar Morto cabo-verdiano. Vários mais, chegam do túnel de acesso, ansiosos por se juntarem a estes privilegiados.

Salinas de Pedra de Lume, Ilha de Sal, Cabo Verde

Visitantes das Salinas de Pedra de Lume flutuam num retalho de água com grande densidade de sal.

Tínhamos experimentado recentemente tal flutuação no Mar Morto original. Como tal, apreciamos o seu deleite por alguns minutos e continuamos a explorar as salinas. Admiramos as diferenças de textura do sal nas distintas divisórias incluindo grandes calhaus cristalizados. Inspecionamos as  estranhas estruturas de processamento e transporte lá deixadas pelos recentes investidores e os montes de sal solidificados, às espera do trabalho das escavadoras por ali estacionadas.

Quando nos damos por satisfeitos, voltamos a atravessar o túnel no sentido contrário. Logo, ascendemos à orla da caldeira.

Desse cimo, contemplamos o panorama surreal a 360º, enquanto a ocidente, o sol se começava a esconder detrás do véu branco formado pela aliança da sua luz com a bruma seca.

Viagem Acelerada para Espargos

Conscientes de que, àquela latitude, anoitecia cedo e num ápice, regressamos ao carro e aceleramos rumo a Espargos. Espargos desenvolveu-se em função do aeroporto que Benito Mussolini lá mandou construir, em 1939, com permissão das autoridades portuguesas e que os portugueses compraram aos italianos, logo após a sua capitulação, na 2ª Guerra Mundial.

Aquando da passagem de meio da tarde, tínhamos já reparado em como o Monte Curral se elevava do meio da povoação. Procuramos pelo caminho que nos levaria ao cimo dos cento e poucos metros do monte e encontramo-lo com relativa facilidade.

Ao subirmos a rampa, passamos por uma jovem moradora entregue a um repetido sobe-e-desce. Estacionamos no topo, paredes meias com a vedação da torre de controlo aéreo usada pelo aeroporto internacional. Guardam-na uns poucos militares da mesma geração da atleta.

Ao chegar ao cume, esta, recupera o fôlego e alonga as pernas e as costas esforçadas. Para deleite dos militares, fartos do castigo do destacamento semi-solitário no alto do morro, saudosos das formas femininas e – é mais que certo – da companhia de donzelas cabo-verdianas.

Um dos soldados não resiste. Aborda a moça e inaugura uma conversa com tom de violino que estende o mais que pode.

Monte Curral, Espargos, Ilha do Sal, Cabo Verde

Jovem militar contempla uma jovem a alongar no cimo do Monte Curral

Fim de dia nas Alturas da Ilha do Sal

Nós, percebemos que o sol estava prestes a debandar. Metemo-nos por um trilho que dava a volta à grande torre. Tal como acontecera sobre a caldeira de Pedra de Lume, voltamos a deslumbrar-nos com o cenário tão ou mais inverosímil em redor, sobretudo o de norte.

Um casario de betão, aqui e ali pintado de cores vivas, surgia anichado na vastidão árida e ocre. Para lá desse casario humilde, elevavam-se outras colinas pontiagudas subsumidas na bruma seca. O contraste excêntrico entre o mundo geológico e o humano enfeitiçou-nos. Ficamos a apreciá-lo até que a noite se apresenta para o seu turno.

Quando regressamos ao carro, já não damos com a jovem de Espargos. Nem com os militares que se haviam já refugiado no conforto do aquartelamento.

De volta ao fundo da rampa, reparamos, sim, num grafiti vistoso pintado num muro. Lá constava a face de Amílcar Cabral. Tinha um 75 à sua frente, sob um limiar vermelho, amarelo e verde decorado com três minions intrigados. O mural incluía ainda um “I Love Sal” gráfico e exuberante. Não tínhamos nada a acrescentar.

A TAP – www.flytap.pt  voa todos os dias, excepto 3ª feira, de Lisboa para o aeroporto Internacional Amílcar Cabral, na ilha do Sal.

Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha. 

São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

Uma volta a esta ilha revela uma aridez tão deslumbrante como inóspita. Contra todas as probabilidades, por um capricho da história, São Vicente viu o Mindelo prosperar como a segunda cidade mais populosa de Cabo Verde e a sua indisputada capital cultural.
Chã das Caldeiras, Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia: Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Go Go
Cidades
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Muito que escolher
Comida

São Tomé e Príncipe

Que Nunca Lhes Falte o Cacau

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.

Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
Cultura
Castro Laboreiro, Portugal  

No Cimo Raiano-Serrano de Portugal

Chegamos à eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Digna de uma Raínha

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Memorial USS Arizona
História

Pearl Harbour, Havai

O Dia em que o Japão foi Longe Demais

A 7 de Dezembro de 1941, a Marinha Imperial Japonesa atacou a base militar de Pearl Harbour. Partes do Havai parecem colónias nipónicas mas os E.U.A nunca esquecerão a afronta.

Casario de São Lourenço, ilha de Santa Maria, Açores
Ilhas
Santa Maria, Açores

Ilha-Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Recta Final
Inverno Branco

Inari, Lapónia, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final Kings Cup, confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.

Sombra vs Luz
Literatura

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Lagoas fumarentas
Natureza

Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões de Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori continua a reclamar aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Normatior
Parques Naturais

PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.

Rio Matukituki, Nova Zelândia
Património Mundial UNESCO
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Casario de Gangtok, Sikkim, Índia
Religião
Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Aos repelões
Sociedade

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.

O projeccionista
Vida Quotidiana

Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.

Refeição destemida
Vida Selvagem

Norte de Queensland, Austrália

Uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.