Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta


Baía do Tarrafal
Convívio Piscatório
A Câmara Municipal. Do Tarrafal
Mural “Nós é”
Sombra com Vista
Pelada de Praia
Rua a Descer
Salão DilmaKelly
Olhos Crioulos
Barcos em Porto Seguro
Descanso à Sombra
Tempo de Uril
Tarrafal, visto da Malagueta
Rampa para a praia
Mar di Baxu
A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.

Inesperado, o casario é o que mais se destaca no panorama desvendado pelas alturas ventosas da Serra da Malagueta (1063 m).

Espraia-se no fundo de uma planura quase nivelada com o mar que há muito não encontrávamos, em Santiago, a maior ilha de Cabo Verde.

Surge no fim de uma longa recta, ajustado a uma angra que um promontório protege do embalo do Atlântico. O promontório é conhecido por Ponta Preta.

Sob um feixe intermitente de luz, vemo-lo mais ocre que escuro, sobranceiro face à alvura da povoação.

Descemos, por sucessivos ziguezagues, na direcção do Contador, para a gentileza geológica do Chão Bom em que um dos vários sulcos fluviais vindos das alturas faz brotar vegetação.

A mesma recta que avistámos à distância, revela-nos os muros e vedações da antiga Colónia Penal do Tarrafal. Haveríamos de lá voltar. Antes disso, prosseguimos rumo à vila piscatória que lhe emprestou o nome.

Passamos a estrada perpendicular de Colonato. O domínio prisional dá lugar a uma grelha com perfil suburbano, já parte do concelho do Tarrafal, o mais setentrional de Santiago, onde habitam quase dezoito mil cabo-verdianos. A maioria deles concentra-se em Chão Bom.

Na vila do Tarrafal, contam-se menos de sete mil.

O Povoamento Colonial da Zona do Tarrafal

Estima-se que o assentamento neste norte inóspito de Santiago date do século XVII, pelo menos dois séculos depois do da Ribeira Grande, a actual Cidade Velha.

Em 1747, já um pequeno povoado surgia nos mapas de navegadores e exploradores, até estrangeiros, como foi o caso do criado pelo geógrafo francês Jacques-Nicolas Bellin que o marcou como Terrafal.

Se bem que, ao longo dos tempos, o lugar se confundiu com a Vila de Mangue, ainda hoje, o baptismo de um dos bairros históricos do Tarrafal e o nome mais popular do estádio de futebol do concelho, vizinho do campo penal.

Por fim, a grande recta dá de si. Desemboca numa tal Rua Macaco e na Praça Tarrafal, o âmago administrativo e religioso da povoação.

O Âmago Urbano do Tarrafal

Como esperado, benze-o uma igreja, a de Santo Amaro, lateralizado face a um rectângulo ajardinado e dotado de coreto.

Também a edilidade por ali se afirma.

O seu relógio redondo estacionou no meio-dia ou na meia-noite, como se queira. Aponta umas também fixas “Boas Festas” que coroam o frontão do edifício turquesa.

Estacionamos. Deambulamos sobre o empedrado da praça. Como sempre acontece em Cabo Verde, damos de imediato com expressões da portugalidade.

Um quiosque identificado como “Super Bar” exibe a imagem de uma das grandes cervejeiras lusas.

Logo ao lado, dois tarrafalenses defrontam-se em sucessivas partidas de uril. Um deles, homem de meia-idade, traja uma camisola do Benfica. Joga contra uma senhora da sua geração, equipada de bata, lenço e chinelos listados.

Assiste ao duelo um único espectador, composto numa calça de ganga escura e num polo, quase do mesmo azul da fachada da câmara municipal.

Aproximamo-nos. Mesmo sabendo que lhes prejudicaríamos a concentração, interpelamo-los. O jogo disputava-se, no entanto, a feijões.

Nem um nem outro se parecem importunar. Indagamos o jogador masculino sobre o seu grau de benfiquismo, partilhado por muitos dos moradores da vila, de tal maneira que um dos “bebedouros” de Strela, de grogue e de outras bebidas, preferidos do Tarrafal, se denomina “Bar Benfica”.

Quando damos por ela, estamos a falar da influência de Renato Sanches na equipa e da sua génese cabo-verdiana. “A família dele é daqui do Tarrafal, sabiam?”

Não fazíamos ideia. A revelação apanha-nos desprevenidos. E comove-nos.

Pedimos desculpa à parceira de jogo pela interrupção. Quando o fazemos, reparamos na cor dos seus olhos. São de um verde-azeitona translúcido que, em redor da pupila, se amarelava.

Voltamos a surpreender-nos. Elogiamo-los e à beleza crioula da senhora.

Voltam a assaltar-nos os remorsos por estarmos a interromper a partida pelo que agradecemos a simpatia e nos despedimos. Retomamos a deambulação em que andávamos.

Rumo à Baía e Porto do Tarrafal

Passamos junto a um tal de salão DilmaKelly, pintado a condizer com a edilidade.

Diante da Igreja Evangélica do Nazareno, uma área por urbanizar concede-nos um vislumbre da baía e porto do Tarrafal, anunciada pelo areal dourado da Praia do Mangue que, na realidade, uma pequena saliência rochosa divide em angras distintas.

A norte, o sopé do Monte Graciosa (642m) surge pejado de vegetação. Parte dela, poderia até ser de tarrafes, os arbustos tamarix senegalensis que por ali abundam e inspiraram o baptismo da povoação.

Quando percorremos o pontão que quebra a baía, vemo-la arredondada como nunca.

A água tom de esmeralda e cristalina do Atlântico afaga o areal com gentileza, o suficiente para agitar uma íris de areia vulcânica, mais escura.

Detemo-nos numa espécie de praceta-miradouro, elevada face à baía e ao molhe.

Ali, um mini-quiosque branco e vermelho abriga-se na sombra esparsa de duas acácias irmanadas.

Serve bebidas, mas, sobretudo, essa mesma sombra, a vista e o convívio descontraído que um grupo de moradores conhecidos da empregada aproveitam, divididos, por géneros, em mesas opostas, com vistas irrepreensíveis.

Saudamo-los. Debruçamo-nos sobre os bancos anichados no muro.

Pescadores em Tempo de Descanso e Conversa em Dia

E dali, continuamos a apreciar a enseada privilegiada do Tarrafal.

Admiramos barcos de pesca de todas as cores, lado a lado, no quase cimo do areal. Permanecem em doca seca, a salvo da subida da maré e das vagas.

Fazem de pouso e de encosto a um núcleo de pescadores, entregues a uma conversa tão acesa que chega a soar a discussão.

Sem aviso, uma jovem mulher aparece do meio dos barcos. Passa diante deles a exibir, sem complexos, as formas voluptuosas que Deus lhe concedeu.

Num ápice, os homens dão tréguas à questão. Viram as cabeças para norte e acompanham-lhe os passos elegantes, como se nada mais valesse a pena.

Como nela se inspiraram o(s) autor(es), um mural tríptico pintado no muro do pontão, pouco acima do Mar di Baxu, define a cisão de género do Tarrafal.

Uma das suas secções, revela um homem a suster um peixe, junto a uma embarcação.

Na oposta, várias mulheres seguram alguidares com cocos. No meio, um duo de músicos canta.

A pintura que os retrata, em particular, anuncia com “Nós é” as duas restantes “omis di mar” e “mudjeris di côco”.

Os Futebolistas e os Forasteiros Encantados do Tarrafal

Entre os barcos e o mar, a aproveitarem a descida da maré, jovens tarrafalenses em boa forma disputam uma pelada sobre a areia molhada.

A partida prova-se de tal maneira aguerrida que nem a passagem da donzela os demove da bola cor-de-laranja.

O  primor técnico e a entrega ao jogo dos santiaguenses produzem, há muito, craques incontornáveis.

Mesmo já nascido em Portugal, Renato Sanches revelou-se apenas um de muitos herdeiros da aptidão e paixão cabo-verdiana pelo futebol.

Malgrado o aparente predomínio de tarrafalenses, a Baía do Tarrafal atrai cada vez mais forasteiros.

Cruzamo-nos com franceses, italianos e alemães, branquelas de peles frágeis que o sol tropical castiga sem misericórdia.

Alguns, entregam-se a snorkelings entre as traineiras ancoradas ao largo.

Outros, a partidas de vólei de praia, na iminência da floresta de coqueiros abaixo do tarrafal vegetal da encosta.

A Subsistência Desafiante das Gentes do Tarrafal

Nos últimos tempos, estes visitantes têm garantido rendimentos complementares às remessas da diáspora cabo-verdiana e aos da agropecuária.

Bem mais fáceis que os da pesca, sobretudo nos meses de Inverno, Dezembro, Janeiro, quando os ventos alísios sopram vigorosos e tornam o Atlântico ao largo tempestuoso a dobrar.

Mesmo árdua, a pesca é fiável. Já a agropecuária, debate-se, há muito, com o clima árido do norte da ilha e com a crescente escassez de água.

Esta mesma aridez moldou a fama oscilante, durante muito tempo duvidosa, do norte de Santiago.

Como o viam as gentes de outras partes da ilha, o Tarrafal ficava nuns confins de terra seca e espinhosa, difícil de cultivar e ainda mais de colonizar.

Como se não bastasse, o estabelecimento, em 1936, do Campo de Concentração, tratado por Campo da Morta Lenta, só veio dramatizar o imaginário associado ao lugar, amaldiçoado pela imposição colonial do regime de Salazar.

Lugar de tortura, de abandono e de morte. Terá sido essa a realidade da colónia prisional a que em breve dedicaremos o seu próprio artigo.

O verdadeiro Tarrafal, o das enseadas no sopé do Monte Graciosa não só tem pouco que ver como o retemos na memória como um abrigo cabo-verdiano e macaronésio abençoado.

Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol

Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Thorong Pedi a High Camp, circuito Annapurna, Nepal, caminhante solitário
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Aventura
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Verão Escarlate
Cidades

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Kigurumi Satoko, Templo Hachiman, Ogimashi, Japão
Cultura
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Fuga de Seljalandsfoss
Em Viagem
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Étnico
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
História
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
Mulheres na Missa. Bora Bora, Ilhas-Sociedade, Polinésia, Francesa
Ilhas
Bora-Bora, Raiatea, Huahine, Polinésia Francesa

Um Trio Intrigante de Sociedades

No coração idílico do vasto oceano Pacífico, o Arquipélago da Sociedade, parte da Polinésia Francesa, embeleza o planeta como uma criação quase perfeita da Natureza. Exploramo-lo durante um bom tempo a partir do Taiti. Os últimos dias, dedicamo-los a Bora Bora, Huahine e Raiatea.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Natureza
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Parques Naturais
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Património Mundial UNESCO
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES