Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta


Baía do Tarrafal
Convívio Piscatório
A Câmara Municipal. Do Tarrafal
Mural “Nós é”
Sombra com Vista
Pelada de Praia
Rua a Descer
Salão DilmaKelly
Olhos Crioulos
Barcos em Porto Seguro
Descanso à Sombra
Tempo de Uril
Tarrafal, visto da Malagueta
Rampa para a praia
Mar di Baxu
A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.

Inesperado, o casario é o que mais se destaca no panorama desvendado pelas alturas ventosas da Serra da Malagueta (1063 m).

Espraia-se no fundo de uma planura quase nivelada com o mar que há muito não encontrávamos, em Santiago, a maior ilha de Cabo Verde.

Surge no fim de uma longa recta, ajustado a uma angra que um promontório protege do embalo do Atlântico. O promontório é conhecido por Ponta Preta.

Sob um feixe intermitente de luz, vemo-lo mais ocre que escuro, sobranceiro face à alvura da povoação.

Descemos, por sucessivos ziguezagues, na direcção do Contador, para a gentileza geológica do Chão Bom em que um dos vários sulcos fluviais vindos das alturas faz brotar vegetação.

A mesma recta que avistámos à distância, revela-nos os muros e vedações da antiga Colónia Penal do Tarrafal. Haveríamos de lá voltar. Antes disso, prosseguimos rumo à vila piscatória que lhe emprestou o nome.

Passamos a estrada perpendicular de Colonato. O domínio prisional dá lugar a uma grelha com perfil suburbano, já parte do concelho do Tarrafal, o mais setentrional de Santiago, onde habitam quase dezoito mil cabo-verdianos. A maioria deles concentra-se em Chão Bom.

Na vila do Tarrafal, contam-se menos de sete mil.

O Povoamento Colonial da Zona do Tarrafal

Estima-se que o assentamento neste norte inóspito de Santiago date do século XVII, pelo menos dois séculos depois do da Ribeira Grande, a actual Cidade Velha.

Em 1747, já um pequeno povoado surgia nos mapas de navegadores e exploradores, até estrangeiros, como foi o caso do criado pelo geógrafo francês Jacques-Nicolas Bellin que o marcou como Terrafal.

Se bem que, ao longo dos tempos, o lugar se confundiu com a Vila de Mangue, ainda hoje, o baptismo de um dos bairros históricos do Tarrafal e o nome mais popular do estádio de futebol do concelho, vizinho do campo penal.

Por fim, a grande recta dá de si. Desemboca numa tal Rua Macaco e na Praça Tarrafal, o âmago administrativo e religioso da povoação.

O Âmago Urbano do Tarrafal

Como esperado, benze-o uma igreja, a de Santo Amaro, lateralizado face a um rectângulo ajardinado e dotado de coreto.

Também a edilidade por ali se afirma.

O seu relógio redondo estacionou no meio-dia ou na meia-noite, como se queira. Aponta umas também fixas “Boas Festas” que coroam o frontão do edifício turquesa.

Estacionamos. Deambulamos sobre o empedrado da praça. Como sempre acontece em Cabo Verde, damos de imediato com expressões da portugalidade.

Um quiosque identificado como “Super Bar” exibe a imagem de uma das grandes cervejeiras lusas.

Logo ao lado, dois tarrafalenses defrontam-se em sucessivas partidas de uril. Um deles, homem de meia-idade, traja uma camisola do Benfica. Joga contra uma senhora da sua geração, equipada de bata, lenço e chinelos listados.

Assiste ao duelo um único espectador, composto numa calça de ganga escura e num polo, quase do mesmo azul da fachada da câmara municipal.

Aproximamo-nos. Mesmo sabendo que lhes prejudicaríamos a concentração, interpelamo-los. O jogo disputava-se, no entanto, a feijões.

Nem um nem outro se parecem importunar. Indagamos o jogador masculino sobre o seu grau de benfiquismo, partilhado por muitos dos moradores da vila, de tal maneira que um dos “bebedouros” de Strela, de grogue e de outras bebidas, preferidos do Tarrafal, se denomina “Bar Benfica”.

Quando damos por ela, estamos a falar da influência de Renato Sanches na equipa e da sua génese cabo-verdiana. “A família dele é daqui do Tarrafal, sabiam?”

Não fazíamos ideia. A revelação apanha-nos desprevenidos. E comove-nos.

Pedimos desculpa à parceira de jogo pela interrupção. Quando o fazemos, reparamos na cor dos seus olhos. São de um verde-azeitona translúcido que, em redor da pupila, se amarelava.

Voltamos a surpreender-nos. Elogiamo-los e à beleza crioula da senhora.

Voltam a assaltar-nos os remorsos por estarmos a interromper a partida pelo que agradecemos a simpatia e nos despedimos. Retomamos a deambulação em que andávamos.

Rumo à Baía e Porto do Tarrafal

Passamos junto a um tal de salão DilmaKelly, pintado a condizer com a edilidade.

Diante da Igreja Evangélica do Nazareno, uma área por urbanizar concede-nos um vislumbre da baía e porto do Tarrafal, anunciada pelo areal dourado da Praia do Mangue que, na realidade, uma pequena saliência rochosa divide em angras distintas.

A norte, o sopé do Monte Graciosa (642m) surge pejado de vegetação. Parte dela, poderia até ser de tarrafes, os arbustos tamarix senegalensis que por ali abundam e inspiraram o baptismo da povoação.

Quando percorremos o pontão que quebra a baía, vemo-la arredondada como nunca.

A água tom de esmeralda e cristalina do Atlântico afaga o areal com gentileza, o suficiente para agitar uma íris de areia vulcânica, mais escura.

Detemo-nos numa espécie de praceta-miradouro, elevada face à baía e ao molhe.

Ali, um mini-quiosque branco e vermelho abriga-se na sombra esparsa de duas acácias irmanadas.

Serve bebidas, mas, sobretudo, essa mesma sombra, a vista e o convívio descontraído que um grupo de moradores conhecidos da empregada aproveitam, divididos, por géneros, em mesas opostas, com vistas irrepreensíveis.

Saudamo-los. Debruçamo-nos sobre os bancos anichados no muro.

Pescadores em Tempo de Descanso e Conversa em Dia

E dali, continuamos a apreciar a enseada privilegiada do Tarrafal.

Admiramos barcos de pesca de todas as cores, lado a lado, no quase cimo do areal. Permanecem em doca seca, a salvo da subida da maré e das vagas.

Fazem de pouso e de encosto a um núcleo de pescadores, entregues a uma conversa tão acesa que chega a soar a discussão.

Sem aviso, uma jovem mulher aparece do meio dos barcos. Passa diante deles a exibir, sem complexos, as formas voluptuosas que Deus lhe concedeu.

Num ápice, os homens dão tréguas à questão. Viram as cabeças para norte e acompanham-lhe os passos elegantes, como se nada mais valesse a pena.

Como nela se inspiraram o(s) autor(es), um mural tríptico pintado no muro do pontão, pouco acima do Mar di Baxu, define a cisão de género do Tarrafal.

Uma das suas secções, revela um homem a suster um peixe, junto a uma embarcação.

Na oposta, várias mulheres seguram alguidares com cocos. No meio, um duo de músicos canta.

A pintura que os retrata, em particular, anuncia com “Nós é” as duas restantes “omis di mar” e “mudjeris di côco”.

Os Futebolistas e os Forasteiros Encantados do Tarrafal

Entre os barcos e o mar, a aproveitarem a descida da maré, jovens tarrafalenses em boa forma disputam uma pelada sobre a areia molhada.

A partida prova-se de tal maneira aguerrida que nem a passagem da donzela os demove da bola cor-de-laranja.

O  primor técnico e a entrega ao jogo dos santiaguenses produzem, há muito, craques incontornáveis.

Mesmo já nascido em Portugal, Renato Sanches revelou-se apenas um de muitos herdeiros da aptidão e paixão cabo-verdiana pelo futebol.

Malgrado o aparente predomínio de tarrafalenses, a Baía do Tarrafal atrai cada vez mais forasteiros.

Cruzamo-nos com franceses, italianos e alemães, branquelas de peles frágeis que o sol tropical castiga sem misericórdia.

Alguns, entregam-se a snorkelings entre as traineiras ancoradas ao largo.

Outros, a partidas de vólei de praia, na iminência da floresta de coqueiros abaixo do tarrafal vegetal da encosta.

A Subsistência Desafiante das Gentes do Tarrafal

Nos últimos tempos, estes visitantes têm garantido rendimentos complementares às remessas da diáspora cabo-verdiana e aos da agropecuária.

Bem mais fáceis que os da pesca, sobretudo nos meses de Inverno, Dezembro, Janeiro, quando os ventos alísios sopram vigorosos e tornam o Atlântico ao largo tempestuoso a dobrar.

Mesmo árdua, a pesca é fiável. Já a agropecuária, debate-se, há muito, com o clima árido do norte da ilha e com a crescente escassez de água.

Esta mesma aridez moldou a fama oscilante, durante muito tempo duvidosa, do norte de Santiago.

Como o viam as gentes de outras partes da ilha, o Tarrafal ficava nuns confins de terra seca e espinhosa, difícil de cultivar e ainda mais de colonizar.

Como se não bastasse, o estabelecimento, em 1936, do Campo de Concentração, tratado por Campo da Morta Lenta, só veio dramatizar o imaginário associado ao lugar, amaldiçoado pela imposição colonial do regime de Salazar.

Lugar de tortura, de abandono e de morte. Terá sido essa a realidade da colónia prisional a que em breve dedicaremos o seu próprio artigo.

O verdadeiro Tarrafal, o das enseadas no sopé do Monte Graciosa não só tem pouco que ver como o retemos na memória como um abrigo cabo-verdiano e macaronésio abençoado.

Santiago, Cabo Verde

Ilha de Santiago de Baixo a Cima

Aterrados na capital cabo-verdiana de Praia, exploramos a sua pioneira antecessora. Da Cidade Velha, percorremos a crista montanhosa e deslumbrante de Santiago, até ao topo desafogado de Tarrafal.
São Nicolau, Cabo Verde

Fotografia dess Nha Terra São Nicolau

A voz da saudosa Cesária Verde cristalizou o sentimento dos cabo-verdianos que se viram forçados a deixar a sua ilha. Quem visita São Nicolau ou, vá lá que seja, admira imagens que a bem ilustrem, percebe porque os seus lhe chamam, para sempre e com orgulho, nha terra.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
Chã das Caldeiras a Mosteiros, Ilha do Fogo, Cabo Verde

Chã das Caldeiras a Mosteiros: descida pelos Confins do Fogo

Com o cimo de Cabo Verde conquistado, dormimos e recuperamos em Chã das Caldeiras, em comunhão com algumas das vidas à mercê do vulcão. Na manhã seguinte, iniciamos o regresso à capital São Filipe, 11 km de caminho para Mosteiros abaixo.
Brava, Cabo Verde

A Ilha Brava de Cabo Verde

Aquando da colonização, os portugueses deparam-se com uma ilha húmida e viçosa, coisa rara, em Cabo Verde. Brava, a menor das ilhas habitadas e uma das menos visitadas do arquipélago preserva uma genuinidade própria da sua natureza atlântica e vulcânica algo esquiva.
Santo Antão, Cabo Verde

Porto Novo a Ribeira Grande pelo Caminho do Mar

Desembarcados e instalados em Porto Novo de Santo Antão, depressa constatamos duas rotas para chegar à segunda maior povoação da ilha. Já rendidos ao sobe-e-desce monumental da Estrada da Corda, deslumbramo-nos com o dramatismo vulcânico e atlântico da alternativa costeira.
Ponta do Sol a Fontainhas, Santo Antão, Cabo Verde

Uma Viagem Vertiginosa a Partir da Ponta do Sol

Atingimos o limiar norte de Santo Antão e de Cabo Verde. Em nova tarde de luz radiosa, acompanhamos a azáfama atlântica dos pescadores e o dia-a-dia menos litoral da vila. Com o ocaso iminente, inauguramos uma demanda sombria e intimidante do povoado das Fontainhas.
Mindelo, São Vicente, Cabo Verde

O Milagre de São Vicente

São Vicente sempre foi árida e inóspita a condizer. A colonização desafiante da ilha submeteu os colonos a sucessivas agruras. Até que, por fim, a sua providencial baía de águas profundas viabilizou o Mindelo, a urbe mais cosmopolita e a capital cultural de Cabo Verde.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Arquitectura & Design
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Salto para a frente, Naghol de Pentecostes, Bungee Jumping, Vanuatu
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Cidades
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Silhuetas Islâmicas
Cultura

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Em Viagem
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Étnico
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
História
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Lifou, Ilhas Lealdade, Nova Caledónia, Mme Moline popinée
Ilhas
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Natureza
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Avestruz, Cabo Boa Esperança, África do Sul
Parques Naturais
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
Património Mundial UNESCO
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Praias
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Arménia Berço Cristianismo, Monte Aratat
Religião
Arménia

O Berço do Cristianismo Oficial

Apenas 268 anos após a morte de Jesus, uma nação ter-se-á tornado a primeira a acolher a fé cristã por decreto real. Essa nação preserva, ainda hoje, a sua própria Igreja Apostólica e alguns dos templos cristãos mais antigos do Mundo. Em viagem pelo Cáucaso, visitamo-los nos passos de Gregório o Iluminador, o patriarca que inspira a vida espiritual da Arménia.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Vida Selvagem
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT