São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade


Coração da Ribeira Brava
Igreja e pelourinho confirmam o âmago histórico da Ribeira Brava.
Orla da Ribeira
Um outdoor dá mais vida a uma rua da capital Ribeira Brava.
Comércio
Vendedora de tudo um pouco numa loja da Ribeira Brava.
Religião a Cores
Janela da igreja da Ribeira Brava emprestam cor à cidade.
Ribeira Brava
Casario da Ribeira Brava, estendido ao longo do leito afundado pelas chuvas.
Vale verde
Vista a partir do Monte Cintinho sobre o vale da Ribeira Brava.
Pico-Pirâmide
Um dos vários picos aguçados que dotam a ilha de São Nicolau.
Dragoeiro
Dragoeiro exuberante no PN Monte Gordo.
Arte Xávega
Pescadores do Tarrafal estendem uma rede xávega.
Jovem sobre “Viviano”
Jovem pescador sobre as redes usadas pelos adultos do Tarrafal.
As asas do peixe
Pequenos pescadores do Tarrafal mostram um peixe voador acabado de pescar.
Farol de Barril
O velho farol de Barril, na costa oeste de São Nicolau.
Norte Bravo
Trecho de estrada do norte de São Nicolau.
Top Matinho e Praia Branca
Duo de picos Top de Matinho, acima do casario de Praia Branca.
Praia Branca. A cores
O casario de Praia Branca, encavalitado na encosta abaixo do Top de Matinho.
Terra di Sodad
Pórtico de Sodad, à entrada da Praia Branca, a terra é o compositor do tema, Armando Zeferino Soares .
Confim de Ribeira da Prata
Povoação na extensão de Ribeira da Prata, num beco sem saída rodovíario de São Nicolau.
Grande Sol da Fajã
Sol resplandece atrás das montanhas em redor do vale da Fajã
Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.

Os Alísios, sempre os Alísios.

Não há como lhes fugir em Cabo Verde. Na travessia de São Vicente para Santo Antão, as vagas que geravam fizeram o ferry baloiçar como uma casca de noz. No voo entre Santiago e São Nicolau, sentimo-los na pele, em forma de arrepios, de cada vez que o avião da TACV saltava ao sabor das suas rajadas.

A aproximação final ao Aeroporto de Preguiça, em particular, revelou-se uma curta-metragem de verdadeiro terror aeronáutico. À medida que se alinhava com a direcção da pista, o vento incidia no avião lateralizado. Fá-lo descair sem aviso.

Uma vez atrás da outra, para sobressalto dos passageiros, como nós, estreantes naquela rota e que começámos a duvidar se a aeronave não se estatelaria sobre a pista, em vez de nela pousar. Por fim, o piloto concede um derradeiro grande salto ao Embraer. Completa a travagem num ápice e com uma estabilidade que nos devolve a confiança.

Enquanto aguardamos pela bagagem, conversa puxa conversa, desabafamos com um funcionário do aeroporto. Este trata de nos confirmar o extremismo do voo. “Pois amigos, por norma, cancelam-nos quando registam 40 nós. Hoje, estavam 36 mas não me admira que tenham apanhado umas rajadas superiores a 40.”

As malas chegam. Em boa hora. Mesmo em modo humorístico, a confissão tinha-nos tirado a vontade de apurarmos mais. Sabíamos já, em vez de o estimarmos, o quanto os Alísios contribuíam para a aspereza da vida de São Nicolau.

Do aeroporto, cumprimos uma curta viagem para a Ribeira Brava, a maior povoação da ilha. Lá nos instalamos. No que restava do dia, resolvemos a logística necessária à volta que tínhamos planeada.

Praça central, Ribeira Brava, Cabo Verde

Igreja e pelourinho confirmam o âmago histórico da Ribeira Brava.

Tal como tinha acontecido em Santo Antão, alugamos uma pick up robusta. Depois, almoçamos cachupa pobre no bar de um italiano expatriado e remediado na ilha.

O Encanto Tom de Pastel da Ribeira Brava

Recuperados das atribulações do voo, revigorados, deambulamos à descoberta dos recantos e encantos da Ribeira Brava.

Como o deixa perceber o seu nome, após o declínio de Preguiça, a povoação antes protagonista, adaptou-se aos meandros intermédios de uma ribeira que, em tempo de chuvas, flui com grande fúria pelas vertentes do ponto mais elevado da ilha, o Monte Gordo (1312m) abaixo.

Estávamos a meses dessa monção do Atlântico. Tanto a Ribeira Brava como a povoação viviam uma paz abençoada. Abençoada a dobrar ou não fosse a agora cidade a sede orgulhosa da diocese de Cabo Verde.

Apontamos à praça central. Do fundo da ruela que descemos escutamos o crioulo dos taxistas à conversa junto às suas Hiaces geminadas.

E, do lado oposto, ao sol que incide na igreja amarela, castanha e branca do Rosário, um outro núcleo de anciãos, diríamos que reformados, com tempo para se perderem nos assuntos do dia.

A essa hora encalorada, o jardim que se estende da meia-lua empedrada à frente à igreja, entre o velho pelourinho e a meia-encosta a que se ajeitaram a biblioteca, pertencia apenas à ave pernalta de pedra que ali coroa a fonte seca.

Espreitamos mercearias familiares clássicas, com mobiliário de madeira do antigo, bem sólido, e uma panóplia de embalagens e produtos coloridos, boa parte deles importados de Portugal e, como tal, familiares.

Toda essa tarde, continuamos a deambular sobre a calçada cinzenta da povoação, ruela após ruela, tranquilizados pela constância multicolor do casario pastel.

O Mote Musical Escutado na “Banana Secca”

Com a inevitabilidade da noite, do cansaço e da última fome série do dia, refugiamo-nos num restaurante “Banana Secca”. Lá devoramos nova cachupa enriquecida e uma ervilhada, adocicadas por pontches fortes e pelas inevitáveis mornas, coladeiras, funanás e outros ritmos das ilhas que aquecem Cabo Verde e o mundo.

Às tantas, soa “Sodade”. Uma versão distinta da que a diva dos pés descalços Cesária Évora eternizou. A letra volta a enquadrar o tema em São Nicolau. Estávamos no coração urbano da ilha. Ansiosos por a percorrermos em busca da quintessência de mar, de lava e de amor ao próximo que tanto custou a tantos sanicolauenses a deixar.

O sábado amanhece solarengo. Por uma ou duas das suas horas matinais, dá-nos a impressão que os Alísios se haviam mudado para outras paragens. É sol de pouca dura.

Com a pick up pronta a pegar, saímos para a ilha.

A Subida Monumental às Alturas do Monte Gordo

A inevitável ascensão para o cimo do vale em que expandiu a Ribeira Brava, desvenda-nos o todo do seu casario, acomodado na base de um cerro, quase meseta, com uma vertente preenchida por arbustos viçosos.

Invertemos rumo para um alto bem mais elevado: o do Cachaço.

Quando chegamos ao adro terroso da Capela Nª Srª Monte Cintinha, o vendaval aliseu ressuscita, mais poderoso do que alguma vez o tínhamos sentido.

Aventuramo-nos sobre o promontório rochoso e pejado de agaves nas imediações da igrejinha, de onde, quanto mais à frente, mais desimpedida se revelava sobre o talvegue nessa altura verdejante que descia para a quase cidade de que tínhamos partido.

As rajadas sacodem-nos como se nos quisessem impedir de fotografar tamanha beleza. Com cuidados redobrados e uma ínfima parte de inconsciência, estabilizamos os pés e as pernas em saliências das rochas.

O suficiente para cumprirmos a missão. Voltamos ao caminho.

Reverenciamos a exuberância geológica do Parque Natural Monte Gordo e os dragoeiros imponentes do vale da Fajã.

Surpreendemo-nos com o duo de coqueiros tresmalhado, mais abaixo, sobre uma profusão de milheiral e outros cultivos, contra o recorte caprichoso da cumeada em redor da Covoada.

A Caminho da Costa Norte

Por muito que tivéssemos viajado e subido, continuávamos nas imediações da Ribeira Brava. Com a manhã a sumir-se na névoa que irrigava aquele reduto virado a norte que era o mais luxuriante de São Nicolau, vemo-nos forçados a prosseguir no périplo, rumo à costa oeste, ao invés, estival a um grau que a tornava virtualmente desértica.

Dos minifúndios verdes e férteis, descemos por uma das várias cristas áridas que sulcam o ocidente. Vários quilómetros dessa vastidão poeirenta e ocre depois, avistamos o casario cinzento-cimento e branco do Tarrafal, estendido por uma longa beira-Atlântico, a encerrar um declive demasiado irregular para ser urbanizado.

A estrada faz-nos atravessar o casario de cima abaixo. Leva-nos à Avenida Assis Cadório e à Baia do Tarrafal de que faz de marginal.

Detemo-nos, seduzidos pela frota garrida de barcos de pesca, uns em doca seca a poucos metros do mar, outros ancorados sobre á água quase espelho, mais de lago que de mar, do oceano.

Estamos nessa contemplação quando um súbito frenesim piscatório toma conta da enseada.

Tarrafal. Festa Interrompida por um Cardume Passageiro

Relembramos que é sábado. Sobre a hora de almoço, os jovens pescadores do Tarrafal confraternizavam numa festa bem regada, a ter lugar do lado de lá da avenida, entre conversa, petiscos e danças descomprometidas. A pândega evoluía a bom ritmo quando o mar diante os convoca para o trabalho.

Malgrado a diversão, dois ou três deles avistam um cardume a fervilhar e a brilhar acima do azul da baía. Com as suas vidas dependentes da quantidade de peixe, não se fazem de rogados.

Correm para uma grande rede verde, aos poucos, ajudados por alguns miúdos determinados a comprovar a sua utilidade, enrolam-na bem enrolada. E depositam-na na popa do “Viviano” um dos barcos mais à mão.

Esta preparação toma-lhes um bom quarto de hora. Só que ao contrário do que desejavam, o cardume está de passagem. Nesse lapso, veem-no afastar-se para alto mar.

O suficiente para justificar o regresso à festança em detrimento da pescaria.

Nem todos o fazem de imediato. A nossa inesperada presença e a chegada de um outro barco do mar suscita momentos de convívio com alguns elementos mais novos, que posam em grupo sobre o amontoado da rede e nos exibem peixes-voadores recém-pescados e acrobacias amortecidas pela areia.

A Génese Piscatória do Tarrafal

Desta feita, o peixe fugiu às redes. Foi, todavia, a pesca que colocou o Tarrafal no mapa de São Nicolau. Durante o século XIX, a enseada tranquila a povoação tornou-se um ancoradouro de navios baleeiros. Mais tarde, foi complementada com uma unidade de processamento de peixe.

Essas estruturas e os empregos a que deram origem estiveram na base da promoção a um estatuto equivalente ao da Ribeira Brava, mesmo se com quase metade da população.

Prosseguimos a circundar a ilha, no sentido contrário aos ponteiros, pela orla marinha a que não chegavam os veios geológicos imponentes das vertentes. Passamos a Ponta do Portinho, a Ribeira das Pedras e o farol velho, manchado pelo tempo, do Barril. A estrada flecte para norte.

Logo, curva para o interior, na direcção do âmago mais húmido da ilha que tínhamos cruzado após a subida da Ribeira Brava.

A vastidão que percorríamos mantinha-se ressequida, forrada por uma palha quase rasa que dourava as abas à nossa direita. Embrenhamo-nos na quase elipse que percorríamos no mapa.

Top de Matinho, Uma Expressão Deslumbrante da Orografia de São Nicolau

A determinada altura, a trajectória desvenda-nos uma floresta íngreme de acácias e arbustos afins. E, muito acima, a visão de dois picos aguçados, lado a lado, como irmãos.

No processo de os circundarmos, avistamos um casario distante, disperso em mais que um núcleo, parte no sopé do duo de montes, outra parte, mais acima.

Sem aviso, a calçada negra põe-nos de frente com um pórtico enquadrado na perfeição com o tal pico duplo, Top de Matinho, informam-nos mais tarde que assim se chamava.

Pilares feitos de quadrados de basalto, a sustentarem uma trave dotada de um painel ferrugento. Uma clave de sol do mesmo material decorava o pilar direito.

Apesar de a ferrugem ter invadido as letras do painel superior, conseguíamos decifrar “Terra di Sodad”.

Sentimentos à parte, mesmo já algo distantes da beira-mar, estávamos à entrada de Praia Branca, a maior aldeia do noroeste de São Nicolau. Interrompemos a marcha para o fotografarmos.

No processo, passa um nativo daquelas paragens. Curioso com o afazer dos forasteiros, aborda-nos. “Ficou bonito, não ficou? Vocês sabem porque é que isso tá aí, certo?”

Praia Branca: a Terra di Sodade e da Sua Controvérsia

Cesária Évora cantou “Sodade” até à sua morte e à fama eterna da canção. Desde 1991 que a autoria do tema se mantinha como pertença da dupla de músicos Amândio Cabral e Luís Morais.

Assim foi até que, em 2002, Armando Zeferino Soares surgiu a reclamar a criação do tema, apoiado pelo músico Paulino Vieira.

Mesmo se em épocas distintas, tanto Armando Zeferino Soares como Paulino Vieira nasceram em Praia Branca, a povoação deslumbrante que tínhamos por diante. Orgulhosa do mérito de Zeferino Soares, que faleceu em Abril 2007, com 77 anos, e de ter sido o berço de “Sodade”, Praia Branca ergueu o pórtico evocativo e comemorativo “Terra di Sodad”.

Mas como nasceu “Sodade”? Recuemos até à década de 50, em plena era salazarista das colónias do Ultramar, era frequente os caboverdianos necessitados migrarem para São Tomé e Príncipe onde encontravam trabalho nas roças de cacau e café.

Uma vez para lá mudados, muitos deles ficaram para sempre e integram uma parte substancial da população santomense. Foi neste contexto que Armando Zeferino Soares compôs “Sodade”.

Corria o ano de 1954. Sem grandes alternativas e alguma esperança, quatro sanicolauenses: José Nascimento Firmino, José da Cruz Gomes e o casal Mário Soares e Maria Francisca Soares constituíram o grupo pioneiro de migrantes de São Nicolau destinados às ilhas do Equador.

Por essa altura, era tradição os conterrâneos que ficavam despedirem-se com música dos que partiam. A letra de “Sodade” traduz a dor de os ver partir sem se saber se alguma vez se voltariam a ver.

Com o passar dos anos e das audições, a genuinidade e a intensidade das emoções da partida e da migração de São Nicolau fizeram de “Sodade” o hino à emigração cabo-verdiana.

Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Cidades
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Verificação da correspondência
Cultura
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Ilha do Norte, Nova Zelândia, Maori, Tempo de surf
Étnico
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Khiva, Uzbequistão, Fortaleza, Rota da Seda,
História
Khiva, Uzbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que a União Soviética Aveludou

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Ilhas
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Vai-e-vem fluvial
Natureza
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Património Mundial UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Aula de surf, Waikiki, Oahu, Havai
Praias
Waikiki, OahuHavai

A Invasão Nipónica do Havai

Décadas após o ataque a Pearl Harbor e da capitulação na 2ª Guerra Mundial, os japoneses voltaram ao Havai armados com milhões de dólares. Waikiki, o seu alvo predilecto, faz questão de se render.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Religião
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES