São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade


Coração da Ribeira Brava
Igreja e pelourinho confirmam o âmago histórico da Ribeira Brava.
Orla da Ribeira
Um outdoor dá mais vida a uma rua da capital Ribeira Brava.
Comércio
Vendedora de tudo um pouco numa loja da Ribeira Brava.
Religião a Cores
Janela da igreja da Ribeira Brava emprestam cor à cidade.
Ribeira Brava
Casario da Ribeira Brava, estendido ao longo do leito afundado pelas chuvas.
Vale verde
Vista a partir do Monte Cintinho sobre o vale da Ribeira Brava.
Pico-Pirâmide
Um dos vários picos aguçados que dotam a ilha de São Nicolau.
Dragoeiro
Dragoeiro exuberante no PN Monte Gordo.
Arte Xávega
Pescadores do Tarrafal estendem uma rede xávega.
Jovem sobre “Viviano”
Jovem pescador sobre as redes usadas pelos adultos do Tarrafal.
As asas do peixe
Pequenos pescadores do Tarrafal mostram um peixe voador acabado de pescar.
Farol de Barril
O velho farol de Barril, na costa oeste de São Nicolau.
Norte Bravo
Trecho de estrada do norte de São Nicolau.
Top Matinho e Praia Branca
Duo de picos Top de Matinho, acima do casario de Praia Branca.
Praia Branca. A cores
O casario de Praia Branca, encavalitado na encosta abaixo do Top de Matinho.
Terra di Sodad
Pórtico de Sodad, à entrada da Praia Branca, a terra é o compositor do tema, Armando Zeferino Soares .
Confim de Ribeira da Prata
Povoação na extensão de Ribeira da Prata, num beco sem saída rodovíario de São Nicolau.
Grande Sol da Fajã
Sol resplandece atrás das montanhas em redor do vale da Fajã
Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.

Os Alísios, sempre os Alísios.

Não há como lhes fugir em Cabo Verde. Na travessia de São Vicente para Santo Antão, as vagas que geravam fizeram o ferry baloiçar como uma casca de noz. No voo entre Santiago e São Nicolau, sentimo-los na pele, em forma de arrepios, de cada vez que o avião da TACV saltava ao sabor das suas rajadas.

A aproximação final ao Aeroporto de Preguiça, em particular, revelou-se uma curta-metragem de verdadeiro terror aeronáutico. À medida que se alinhava com a direcção da pista, o vento incidia no avião lateralizado. Fá-lo descair sem aviso.

Uma vez atrás da outra, para sobressalto dos passageiros, como nós, estreantes naquela rota e que começámos a duvidar se a aeronave não se estatelaria sobre a pista, em vez de nela pousar. Por fim, o piloto concede um derradeiro grande salto ao Embraer. Completa a travagem num ápice e com uma estabilidade que nos devolve a confiança.

Enquanto aguardamos pela bagagem, conversa puxa conversa, desabafamos com um funcionário do aeroporto. Este trata de nos confirmar o extremismo do voo. “Pois amigos, por norma, cancelam-nos quando registam 40 nós. Hoje, estavam 36 mas não me admira que tenham apanhado umas rajadas superiores a 40.”

As malas chegam. Em boa hora. Mesmo em modo humorístico, a confissão tinha-nos tirado a vontade de apurarmos mais. Sabíamos já, em vez de o estimarmos, o quanto os Alísios contribuíam para a aspereza da vida de São Nicolau.

Do aeroporto, cumprimos uma curta viagem para a Ribeira Brava, a maior povoação da ilha. Lá nos instalamos. No que restava do dia, resolvemos a logística necessária à volta que tínhamos planeada.

Praça central, Ribeira Brava, Cabo Verde

Igreja e pelourinho confirmam o âmago histórico da Ribeira Brava.

Tal como tinha acontecido em Santo Antão, alugamos uma pick up robusta. Depois, almoçamos cachupa pobre no bar de um italiano expatriado e remediado na ilha.

O Encanto Tom de Pastel da Ribeira Brava

Recuperados das atribulações do voo, revigorados, deambulamos à descoberta dos recantos e encantos da Ribeira Brava.

Como o deixa perceber o seu nome, após o declínio de Preguiça, a povoação antes protagonista, adaptou-se aos meandros intermédios de uma ribeira que, em tempo de chuvas, flui com grande fúria pelas vertentes do ponto mais elevado da ilha, o Monte Gordo (1312m) abaixo.

Estávamos a meses dessa monção do Atlântico. Tanto a Ribeira Brava como a povoação viviam uma paz abençoada. Abençoada a dobrar ou não fosse a agora cidade a sede orgulhosa da diocese de Cabo Verde.

Apontamos à praça central. Do fundo da ruela que descemos escutamos o crioulo dos taxistas à conversa junto às suas Hiaces geminadas.

E, do lado oposto, ao sol que incide na igreja amarela, castanha e branca do Rosário, um outro núcleo de anciãos, diríamos que reformados, com tempo para se perderem nos assuntos do dia.

A essa hora encalorada, o jardim que se estende da meia-lua empedrada à frente à igreja, entre o velho pelourinho e a meia-encosta a que se ajeitaram a biblioteca, pertencia apenas à ave pernalta de pedra que ali coroa a fonte seca.

Espreitamos mercearias familiares clássicas, com mobiliário de madeira do antigo, bem sólido, e uma panóplia de embalagens e produtos coloridos, boa parte deles importados de Portugal e, como tal, familiares.

Toda essa tarde, continuamos a deambular sobre a calçada cinzenta da povoação, ruela após ruela, tranquilizados pela constância multicolor do casario pastel.

O Mote Musical Escutado na “Banana Secca”

Com a inevitabilidade da noite, do cansaço e da última fome série do dia, refugiamo-nos num restaurante “Banana Secca”. Lá devoramos nova cachupa enriquecida e uma ervilhada, adocicadas por pontches fortes e pelas inevitáveis mornas, coladeiras, funanás e outros ritmos das ilhas que aquecem Cabo Verde e o mundo.

Às tantas, soa “Sodade”. Uma versão distinta da que a diva dos pés descalços Cesária Évora eternizou. A letra volta a enquadrar o tema em São Nicolau. Estávamos no coração urbano da ilha. Ansiosos por a percorrermos em busca da quintessência de mar, de lava e de amor ao próximo que tanto custou a tantos sanicolauenses a deixar.

O sábado amanhece solarengo. Por uma ou duas das suas horas matinais, dá-nos a impressão que os Alísios se haviam mudado para outras paragens. É sol de pouca dura.

Com a pick up pronta a pegar, saímos para a ilha.

A Subida Monumental às Alturas do Monte Gordo

A inevitável ascensão para o cimo do vale em que expandiu a Ribeira Brava, desvenda-nos o todo do seu casario, acomodado na base de um cerro, quase meseta, com uma vertente preenchida por arbustos viçosos.

Invertemos rumo para um alto bem mais elevado: o do Cachaço.

Quando chegamos ao adro terroso da Capela Nª Srª Monte Cintinha, o vendaval aliseu ressuscita, mais poderoso do que alguma vez o tínhamos sentido.

Aventuramo-nos sobre o promontório rochoso e pejado de agaves nas imediações da igrejinha, de onde, quanto mais à frente, mais desimpedida se revelava sobre o talvegue nessa altura verdejante que descia para a quase cidade de que tínhamos partido.

As rajadas sacodem-nos como se nos quisessem impedir de fotografar tamanha beleza. Com cuidados redobrados e uma ínfima parte de inconsciência, estabilizamos os pés e as pernas em saliências das rochas.

O suficiente para cumprirmos a missão. Voltamos ao caminho.

Reverenciamos a exuberância geológica do Parque Natural Monte Gordo e os dragoeiros imponentes do vale da Fajã.

Surpreendemo-nos com o duo de coqueiros tresmalhado, mais abaixo, sobre uma profusão de milheiral e outros cultivos, contra o recorte caprichoso da cumeada em redor da Covoada.

A Caminho da Costa Norte

Por muito que tivéssemos viajado e subido, continuávamos nas imediações da Ribeira Brava. Com a manhã a sumir-se na névoa que irrigava aquele reduto virado a norte que era o mais luxuriante de São Nicolau, vemo-nos forçados a prosseguir no périplo, rumo à costa oeste, ao invés, estival a um grau que a tornava virtualmente desértica.

Dos minifúndios verdes e férteis, descemos por uma das várias cristas áridas que sulcam o ocidente. Vários quilómetros dessa vastidão poeirenta e ocre depois, avistamos o casario cinzento-cimento e branco do Tarrafal, estendido por uma longa beira-Atlântico, a encerrar um declive demasiado irregular para ser urbanizado.

A estrada faz-nos atravessar o casario de cima abaixo. Leva-nos à Avenida Assis Cadório e à Baia do Tarrafal de que faz de marginal.

Detemo-nos, seduzidos pela frota garrida de barcos de pesca, uns em doca seca a poucos metros do mar, outros ancorados sobre á água quase espelho, mais de lago que de mar, do oceano.

Estamos nessa contemplação quando um súbito frenesim piscatório toma conta da enseada.

Tarrafal. Festa Interrompida por um Cardume Passageiro

Relembramos que é sábado. Sobre a hora de almoço, os jovens pescadores do Tarrafal confraternizavam numa festa bem regada, a ter lugar do lado de lá da avenida, entre conversa, petiscos e danças descomprometidas. A pândega evoluía a bom ritmo quando o mar diante os convoca para o trabalho.

Malgrado a diversão, dois ou três deles avistam um cardume a fervilhar e a brilhar acima do azul da baía. Com as suas vidas dependentes da quantidade de peixe, não se fazem de rogados.

Correm para uma grande rede verde, aos poucos, ajudados por alguns miúdos determinados a comprovar a sua utilidade, enrolam-na bem enrolada. E depositam-na na popa do “Viviano” um dos barcos mais à mão.

Esta preparação toma-lhes um bom quarto de hora. Só que ao contrário do que desejavam, o cardume está de passagem. Nesse lapso, veem-no afastar-se para alto mar.

O suficiente para justificar o regresso à festança em detrimento da pescaria.

Nem todos o fazem de imediato. A nossa inesperada presença e a chegada de um outro barco do mar suscita momentos de convívio com alguns elementos mais novos, que posam em grupo sobre o amontoado da rede e nos exibem peixes-voadores recém-pescados e acrobacias amortecidas pela areia.

A Génese Piscatória do Tarrafal

Desta feita, o peixe fugiu às redes. Foi, todavia, a pesca que colocou o Tarrafal no mapa de São Nicolau. Durante o século XIX, a enseada tranquila a povoação tornou-se um ancoradouro de navios baleeiros. Mais tarde, foi complementada com uma unidade de processamento de peixe.

Essas estruturas e os empregos a que deram origem estiveram na base da promoção a um estatuto equivalente ao da Ribeira Brava, mesmo se com quase metade da população.

Prosseguimos a circundar a ilha, no sentido contrário aos ponteiros, pela orla marinha a que não chegavam os veios geológicos imponentes das vertentes. Passamos a Ponta do Portinho, a Ribeira das Pedras e o farol velho, manchado pelo tempo, do Barril. A estrada flecte para norte.

Logo, curva para o interior, na direcção do âmago mais húmido da ilha que tínhamos cruzado após a subida da Ribeira Brava.

A vastidão que percorríamos mantinha-se ressequida, forrada por uma palha quase rasa que dourava as abas à nossa direita. Embrenhamo-nos na quase elipse que percorríamos no mapa.

Top de Matinho, Uma Expressão Deslumbrante da Orografia de São Nicolau

A determinada altura, a trajectória desvenda-nos uma floresta íngreme de acácias e arbustos afins. E, muito acima, a visão de dois picos aguçados, lado a lado, como irmãos.

No processo de os circundarmos, avistamos um casario distante, disperso em mais que um núcleo, parte no sopé do duo de montes, outra parte, mais acima.

Sem aviso, a calçada negra põe-nos de frente com um pórtico enquadrado na perfeição com o tal pico duplo, Top de Matinho, informam-nos mais tarde que assim se chamava.

Pilares feitos de quadrados de basalto, a sustentarem uma trave dotada de um painel ferrugento. Uma clave de sol do mesmo material decorava o pilar direito.

Apesar de a ferrugem ter invadido as letras do painel superior, conseguíamos decifrar “Terra di Sodad”.

Sentimentos à parte, mesmo já algo distantes da beira-mar, estávamos à entrada de Praia Branca, a maior aldeia do noroeste de São Nicolau. Interrompemos a marcha para o fotografarmos.

No processo, passa um nativo daquelas paragens. Curioso com o afazer dos forasteiros, aborda-nos. “Ficou bonito, não ficou? Vocês sabem porque é que isso tá aí, certo?”

Praia Branca: a Terra di Sodade e da Sua Controvérsia

Cesária Évora cantou “Sodade” até à sua morte e à fama eterna da canção. Desde 1991 que a autoria do tema se mantinha como pertença da dupla de músicos Amândio Cabral e Luís Morais.

Assim foi até que, em 2002, Armando Zeferino Soares surgiu a reclamar a criação do tema, apoiado pelo músico Paulino Vieira.

Mesmo se em épocas distintas, tanto Armando Zeferino Soares como Paulino Vieira nasceram em Praia Branca, a povoação deslumbrante que tínhamos por diante. Orgulhosa do mérito de Zeferino Soares, que faleceu em Abril 2007, com 77 anos, e de ter sido o berço de “Sodade”, Praia Branca ergueu o pórtico evocativo e comemorativo “Terra di Sodad”.

Mas como nasceu “Sodade”? Recuemos até à década de 50, em plena era salazarista das colónias do Ultramar, era frequente os caboverdianos necessitados migrarem para São Tomé e Príncipe onde encontravam trabalho nas roças de cacau e café.

Uma vez para lá mudados, muitos deles ficaram para sempre e integram uma parte substancial da população santomense. Foi neste contexto que Armando Zeferino Soares compôs “Sodade”.

Corria o ano de 1954. Sem grandes alternativas e alguma esperança, quatro sanicolauenses: José Nascimento Firmino, José da Cruz Gomes e o casal Mário Soares e Maria Francisca Soares constituíram o grupo pioneiro de migrantes de São Nicolau destinados às ilhas do Equador.

Por essa altura, era tradição os conterrâneos que ficavam despedirem-se com música dos que partiam. A letra de “Sodade” traduz a dor de os ver partir sem se saber se alguma vez se voltariam a ver.

Com o passar dos anos e das audições, a genuinidade e a intensidade das emoções da partida e da migração de São Nicolau fizeram de “Sodade” o hino à emigração cabo-verdiana.

Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal

Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.
Santo Antão, Cabo Verde

Pela Estrada da Corda Toda

Santo Antão é a mais ocidental das ilhas de Cabo Verde. Lá se situa um limiar Atlântico e rugoso de África, um domínio insular majestoso que começamos por desvendar de uma ponta à outra da sua deslumbrante Estrada da Corda.
Ilha do Fogo, Cabo Verde

À Volta do Fogo

Ditaram o tempo e as leis da geomorfologia que a ilha-vulcão do Fogo se arredondasse como nenhuma outra em Cabo Verde. À descoberta deste arquipélago exuberante da Macaronésia, circundamo-la contra os ponteiros do relógio. Deslumbramo-nos no mesmo sentido.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Rabat, Malta, Mdina, Palazzo Xara
Cidades
Rabat, Malta

Um ex-Subúrbio no Âmago de Malta

Se Mdina se fez a capital nobiliárquica da ilha, os Cavaleiros Hospitalários decidiram sacrificar a fortificação da actual Rabat. A cidade fora das muralhas expandiu-se. Subsiste como um contraponto popular e rural do agora museu-vivo de Mdina.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
História
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Centro Cultural Jean Marie Tjibaou, Nova Caledonia, Grande Calhau, Pacifico do Sul
Ilhas
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
PN Timanfaya, Montanhas de Fogo, Lanzarote, Caldera del Corazoncillo
Natureza
PN Timanfaya, Lanzarote, Canárias

PN Timanfaya e as Montanhas de Fogo de Lanzarote

Entre 1730 e 1736, do nada, dezenas de vulcões de Lanzarote entraram em sucessivas erupções. A quantidade massiva de lava que libertaram soterrou várias povoações e forçou quase metade dos habitantes a emigrar. O legado deste cataclismo é o cenário marciano actual do exuberante PN Timanfaya.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Acre, Fortaleza dos Templários, Israel, Doces crocantes
Património Mundial UNESCO
São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Praias
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Sociedade
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT