Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas


Patrulha réptil
Jacaré mantém-se atento aos movimentos de capivaras e outras possíveis presas nas imediações.
Cardeal do Banhado
Uma das muitas aves garridas que habitam a lagoa de Iberá.
Capivara ou carpincho
Capivaras semi-mergulhadas na água repleta de vegetação anfíbia da lagoa de Iberá.
Iberá de Y Berá (águas brilhantes)
Sinalização oficial de identificação da Laguna Iberá, uma das maiores reservas de água doce da América do Sul.
Tom de Verão
Fim de dia amarelado encerra mais uma tarde estival escaldante da região da Laguna Iberá.
Por conta própria
Casal zarpa da Pousada Laguna de canoa para um passeio pelas imediações.
Chauna Torquata
Um trio de tachãs, também chamados no Brasil de inhuma-pocas, chajás, anhumas-do-pantanal, tarrã (Rio Grande do Sul) e tachãs-do-sul.
Sombras gémeas
Palmeiras formam silhuetas emblemáticas da paisagem sub-tropical da Laguna Iberá.
Camponeses das Pampas
Gaúchos trabalham na fazenda produtora de gado Swiss Agro.
Um canal natural
O braço da lagoa que conduz ao ancoradouro da Pousada Laguna, nas imediações de Colónia Pellegrini.
Ocaso em Iberá
Sol põe-se por detrás de um dos muitos palmares que preenchem ilhas no meio da Laguna Iberá.
Uma comunidade de mergulhões
Corvos-marinhos partilham a água cálida da vasta lagoa de Iberá.
Macacos-bugio, ou uivadores
Guia fotograda um bando de macacos-bugio, conhecidos pelo seu uivo.
Pouso-Perfeito
Corvos-marinhos secam-se ao sol sobre ramos projectados da lago de Iberá.
No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.

Amanheceu o Domingo na capital da derradeira província do nordeste argentino, Posadas.

O dia não foi propriamente de descanso. Ainda não eram oito da manhã quando saímos da cidade conduzidos por Sancho, um jovem motorista falador e amante de música pop latina.

Meia hora depois da partida, percebemos, em parte, porque nos tinha apanhado numa pick-up com visual rural, envelhecida e empoeirada.

O asfalto terminou. Passámos para uma uma recta de terra vermelha batida, perdida na imensidão plana da alta pampa, que nos pareceu ter mais de 100 km de extensão e que só os sucessivos altos, baixos e buracos e a charla contínua tornaram menos monótona.

Estávamos em pleno Verão do hemisfério sul.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, por do sol

Fim de dia amarelado encerra mais uma tarde estival escaldante da região da Laguna Iberá.

Esta região entalada entre o extremo meridional do Brasil e o misterioso Paraguai, aquecia a olhos vistos. “Acham que está quente agora?” alertou-nos o rapaz do volante quase indignado. “Isto não é nada. Por estes lados, em Dezembro e Janeiro, a temperatura galga os 50º”.

Quando chegámos a Colónia Pellegrini, pouco depois do meio-dia, tínhamos já cruzado das terras de Missiones para as menos verdejantes de Corrientes.

O calor continuava a aumentar. De tal maneira que percebíamos a forte irradiação elevar-se no ar e a letargia a que aquele forno votava os poucos moradores porque íamos passando.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Iberá de Y Berá (águas brilhantes)

Sinalização oficial de identificação da Laguna Iberá, uma das maiores reservas de água doce da América do Sul.

Check in em Colónia Pellegrini e à Beira dos Esteros del Iberá

Não era esse o caso da porteña Doña Elsa, proprietária da Posada de La Laguna que oscilou entre um acolhimento curioso mas efusivo e o desdobramento exigido pelas várias tarefas do seu estabelecimento plantado à beira da lagoa de Iberá.

Cumpridas as apresentações e explicações da praxe, instalámo-nos num quarto quase em cima da água doce. Um sino que soou da vivenda principal cumpriu o esperado sinal comunal para o almoço.

Tínhamos planeado trabalhar nos computadores após a refeição mas a intensidade estival daquelas paragens cobrou o seu preço.

Obrigou-nos a uma longa sesta de recuperação.

Por volta das cinco e quarenta da tarde, o braseiro já se havia atenuado. Uma empregada de metro e meio e face sardenta que nos fazia lembrar uma das personagens excêntricas de “Gato Preto, Gato Branco” bateu à porta.

Anunciou num hispânico suave:

“O senhor Máximo está à vossa espera para saírem para a lagoa. Mas, antes, passem pela vivenda. Têm lá um lanchinho.”

Entusiasmados pela incursão pioneira ao domínio lacustre que nos atraíra de tão longe, despachamos os chás e as fatias de bolo e fizemo-nos ao pontão de onde era suposto zarparmos.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, canoa de saída

Casal zarpa da Pousada Laguna de canoa para um passeio pelas imediações.

Primeira Incursão no Pantanal dos Esteros

Máximo já se encontrava de volta do motor.

Ao contrário do que esperávamos, tinha companhia. Um outro casal de hóspedes ainda mais ansioso havia dispensado o lanche mas não a dianteira da embarcação. Eram Fred e Lena. Ele austríaco, guia de viagens de grupo e fotógrafo de natureza, ela russa, modelo.

Quando nos instalámos, não tardámos a perceber a quantidade inflacionada de equipamento fotográfico que, em conjunto, levávamos a bordo.

O rechonchudo Máximo aproveitou a deixa para quebrar o gelo dos primeiros momentos: “com o que para aí trazem não vos vou sequer perguntar sobre expectativas. Imagino que se não virmos o melhor de tudo, me atiram aos jacarés.”

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré

Jacaré mantém-se atento aos movimentos de capivaras e outras possíveis presas nas imediações.

Depressa se confirmou que não seria necessário. A vastidão de pântanos, lamaçais, lagoas, lagos estagnados e leitos fluviais porque navegávamos estende-se por 20.000 km2, 13.000 dos quais (14% da área da província de Corrientes) fazem parte da Reserva Natural de Iberá.

Esteros del Iberá, o Grande Pantanal da Argentina

Trata-se da maior área protegida da Argentina e um dos reservatórios de água doce mais importantes da América do Sul.

Ora, toda esta água flanqueada pelas terras, por comparação, elevadas nas margens dos rios Paraná (a oeste) e Uruguai (a leste) é vida.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Corvos-Marinhos

Corvos-marinhos secam-se ao sol sobre ramos projectados da lago de Iberá.

Muita vida.

À medida que nos internámos na grande Iberá, os cenários salpicados de plantas e ervas aquáticas – nalguns casos, verdadeiras ilhas flutuantes de juncos, jacintos e nenúfares – provaram-se sumptuosos.

Abrigavam veados das pampas, bandos de capivaras e de lontras, estes controlados e perseguidos por jacarés, caimões e anacondas furtivas.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Capivara ou carpincho

Capivaras semi-mergulhadas na água repleta de vegetação anfíbia da lagoa de Iberá.

Avistámos ainda garças, colónias de mergulhões a secar ao sol e outras aves, de rapina, incontáveis peixes e anfíbios, entre tantas distintas espécies daquele prodigioso ecossistema lacustre.

Tal biodiversidade atrai e apaixona biólogos e fotógrafos de todo o mundo que regressam ano após ano. Era o caso de Fred que, como nós, apontava as suas teleobjectivas de forma frenética para os espécimes que mais o inspiravam a registar.

Esta hiperactividade contrastava com a contemplação descontraída e elegante de Lena, a Lolita loura acompanhante do rude, quase bruto, austríaco, ela que nos deslumbrara com uma confissão inesperada: “Eu nasci em Kamchatka, não sei se conhecem?

Regresso Quase Nocturno à Posada de la Laguna

Fica lá do outro lado da Rússia.”

Conhecer até conhecíamos, mas só de ver e de ler, nunca tínhamos era lá estado. Como qualquer viajante sempre insatisfeito com os lugares por que passou, sonhávamos explorá-la o quanto antes, ou não se tratasse de uma das regiões vulcânicas mais remotas, indómitas e majestosas à face da Terra.

Voltámos ao embarcadouro da Posada Laguna sobre o ocaso. O céu acima da Iberá ardia.

A água estava tingida de um azul quente, aqui e ali, salpicada pelos vultos irrequietos de centenas de corvos-marinhos à tona, assustados pela intrusão tardia e estridente da embarcação.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, corvos-marinhos

Corvos-marinhos partilham a água cálida da vasta lagoa de Iberá.

Uma hora depois do desembarque, voltamos a reunir-nos com Fred, Lena e outros hóspedes em redor de um jantar que Doña Elsa tinha mandado preparar ao estilo gastronómico que o filho Chef de um restaurante conceituado de Buenos Aires criara para a pousada da família.

Hoje, a Laguna é um de uns poucos negócios instalados nas margens vastas dos Esteros del Iberá, em grande parte em redor da aldeola com visual de parque de roulottes de Colónia Pellegrini.

Conquistadores, Missionários e Indígenas Guarani: a História Difusa dos Esteros del Iberá

Nem sempre a região foi erma. À chegada dos conquistadores espanhóis, no século XVI, povoavam estas paragens diversas sub-etnias guaranis ou “guaranizadas” à força após ataques avassaladores que terminavam com rituais canibais atemorizantes.

Segundo narram os anciãos de Mercedes e Colónia Pellegrini, até pouco depois da viragem para o século XX, ouviam-se gritos vindos das zonas mais recônditas e ainda por descobrir pelos colonos brancos da lagoa. Supunha-se, então, que ainda eram habitadas por descendentes desses nativos.

Fosse como fosse, devido à inacessibilidade da região dos Esteros del Iberá, foram raras as povoações que ali se instalaram. As missões jesuíticas chegaram a dominar e a operar em territórios com limites próximos mas a área alagada foi durante muito tempo considerada inabitável.

Nela se refugiavam foragidos. Dela viviam caçadores e pescadores sem outros recursos.

Nós continuávamos no encalço de expressões e imagens daquela impressionante natureza anfíbia.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Ocaso em Iberá

Sol põe-se por detrás de um dos muitos palmares que preenchem ilhas no meio da Laguna Iberá.

A Incursão Madrugadora aos Esteros del Iberá

No dia seguinte, madrugámos para nova rota embarcada na lagoa, em busca de mais e mais das espécies que ali continuavam a proliferar, sem grandes esperanças de encontrarmos algum dos papa-formigas e jaguares residentes que, além de escassos e esquivos, eram nocturnos.

Alcançámos zonas de grandes ilhas de terra firme preenchidas por palmares densos em que pulavam e ululuvam macacos-bugio agitados pela visita inesperada de um veado-das-pampas solitário.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, macacos-uivadores

Guia fotograda um bando de macacos-bugio, conhecidos pelo seu uivo.

As palmeiras pouco tinham que ver com as que nos habituámos a ver quando em Portugal.

Eram buritis, jataí e outras tão ou mais exóticas do tipo indaiá.

Algumas das mais altas serviam de poiso de observação para várias tachãs, aves endémicas destas partes da Argentina e sul do Brasil.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, tachãs, Chauna Torquata

Um trio de tachãs, também chamados no Brasil de inhuma-pocas, chajás, anhumas-do-pantanal, tarrã (Rio Grande do Sul) e tachãs-do-sul.

No regresso da última incursão, Doña Elsa recompensa-nos pelo entusiasmo que dedicávamos ao trabalho. Contempla-nos com uma noite extra na pousada.

Aproveitámos para investigar outros recantos ainda mais longínquos da lagoa, voltámos a espreitar a estranha Colónia Pellegrini e acompanhámos um veterinário e uma equipa de gaúchos durante uma longa vacinação de uma estância de gado chamada Swiss Agro.

Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, gaúchos

Gaúchos trabalham na fazenda produtora de gado Swiss Agro.

Entretanto, deixámos aquele pantanal argentino. Viajámos mais para sul da pampa sem fim.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani em missões jesuíticas. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Dotonbori, Osaka, Japão
Cidades
Osaka, Japão

O Japão Urbano-Jovial de Osaka

Terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais antigas, Osaka não perde demasiado tempo com formalidades e cerimónias. A capital da região do Kansai é famosa pelas suas gentes extrovertidas sempre prontas a celebrar a vida.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Conversa entre fotocópias, Inari, Parlamento Babel da Nação Sami Lapónia, Finlândia
Cultura
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Erika Mae
Em Viagem
Filipinas

Os Donos da Estrada Filipina

Com o fim da 2ª Guerra Mundial, os filipinos transformaram milhares de jipes norte-americanos abandonados e criaram o sistema de transporte nacional. Hoje, os exuberantes jeepneys estão para as curvas.
MAL(E)divas
Étnico
Malé, Maldivas

As Maldivas a Sério

Contemplada do ar, Malé, a capital das Maldivas, pouco mais parece que uma amostra de ilha atafulhada. Quem a visita, não encontra coqueiros deitados, praias de sonho, SPAs ou piscinas infinitas. Deslumbra-se com o dia-a-dia maldivano  genuíno que as brochuras turísticas omitem.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
real de Catorce, San Luís Potosi, México, sombras
História
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Ilhas
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Literatura
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Natureza
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Carrinha no Jossingfjord, Magma Geopark, Noruega
Parques Naturais
Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Património Mundial UNESCO
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Vegetais, Little India, Singapura de Sari, Singapura
Sociedade
Little India, Singapura

Little Índia. A Singapura de Sari

São uns milhares de habitantes em vez dos 1.3 mil milhões da pátria-mãe mas não falta alma à Little India, um bairro da ínfima Singapura. Nem alma, nem cheiro a caril e música de Bollywood.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES