Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina


Mar-de-Parra
Planície repleta de vinha entre a bodega Catena Zapata e a pré-cordilheira andina.
Aroma apurado
Jaquelina Ascoetti prova um vinho numa pequena loja de vinho do centro de Mendoza.
Anoitece no Cavas Wine Lodge
Lusco-fusco destaca a fachada virada para as montanhas da pré;-cordilheira andina do hotel de vinho Cavas Wine Lodge.
Matéria-Prima
Cacho volumoso numa vinha do Cavas Wine Lodge.
Caves Finca Flichman
Trabalhador solda na sala de barricas da adega Finca Flichman pertencente à portuguesa Sogrape.
Eno-Herança
Recanto envelhecido de uma adega de Lujan de Cuyo.
Escolha dificil
Visitante examina garrafas armazenadas na bodega.
Vinho, tapas e queijos
Tábua de queijos elaborada pelo hotel de vinho Cavas Wine Lodge.
Villa em vinha
Villa do hotel Cavas Wine Lodge, perdida numa vastidão de parra nos arredores de Lujan de Cuyo.
Estilo Finca Flichman
Decoração e iluminação requintada da adega Finca Flichman.
Conversa com sabor a acafrão
Amigos conversam numa mesa do Bar de Viño Azafran, em Mendoza.
Torre San Martin
Vista de Mendoza com a emblemática Torre del Pasaje San Martin em primeiro plano.
Vinhas Pré-Andinas
Vinha plantada no sopé das montanhas da pré-cordilheira andina, próximo de Lujan de Cuyo.
Círculo vinícola
Sala de barricas da bodega Catena Zapata.
Vinho envelhecido
Adega repleta de pó numa loja de provas da cidade de Mendoza.
Vinho em pesos e em saldo
Montra de vinhos do bar Azafran, em Mendoza.
Mesa para encontros vinícolas
Sala de reuniões da adega Catena Zapata.
Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.

“Bom, então já sabem. Atravessam o primeiro sector da vinha e vêem a vossa villa ao fundo à direita”!

Cecília Diaz Huit direcciona-nos, ainda algo apreensiva devido ao óbvio abismo visual que nos separava dos restantes hóspedes, quase todos executivos ou veraneantes sul-americanos abastados, entregues a repousos vinícolas.

Tinha decorrido apenas um ano e meio desde que conhecêramos esta argentina empreendedora. Na primeira passagem por Mendoza, encontrámo-la como responsável de Marketing do hotel Hyatt local. Já então nos sugerira que preparava voos mais ambiciosos.

Até à data, a maior parte dos visitantes da província de Mendoza alojavam-se na capital homónima. Saíam à descoberta do vasto domínio enólogo disseminado pelos arredores sem fim de Godoy Cruz, Maipu e Lujan de Cuyo. Áreas vastas, se tivermos em conta que a província de Mendoza tem quase a dimensão de Portugal.

Cecília e o marido enólogo Martin Rigal compreenderam a lacuna. Não hesitaram em resolvê-la.

Quando regressámos à zona, receberam-nos no seu recém inaugurado hotel de vinho, instalado num recanto do mar verde-parra de Lujan de Cuyo, isolada pela imensidão da paisagem. Na realidade, entre várias bodegas com arquitecturas caprichosas.

Villa do hotel Cavas Wine Lodge, perdida numa vastidão de parra nos arredores de Lujan de Cuyo.

E vista para as montanhas nevadas da pré-cordilheira andina.

Não foram, nem de longe, os primeiros a aproveitar a fertilidade solarenga daquelas paragens.

A História Já Longa da Enologia da Província de Mendoza

Os primeiros colonos espanhóis constataram, pouco depois de ali chegarem, a secura e aridez irrigável. Também repararam na grande amplitude térmica da região. Foram eles – sobretudo os missionários católicos – que plantaram os primeiros vinhedos experimentais.

A produção vinícola manteve-se por bastante tempo crioula e localizada. No século XIX, a intensificação da imigração de italianos e espanhóis – também de franceses e outros – fez com que a enologia começasse a ser levada a sério.

A partir de então, a competição entre bodegas familiares conduziu a um processo de maturação da indústria vinícola que a construção do caminho de ferro entre Mendoza e Buenos Aires, em 1884, favoreceu.

Malgrado este progresso, até há três décadas atrás, apesar de ser o quinto no Mundo em termos de quantidade, o vinho argentino não chegava a ser exportado. Era tido como demasiado inferior ao importado da Europa pelas mansões afrancesadas de Buenos Aires.

Eno-Herança

Recanto envelhecido de uma adega de Lujan de Cuyo.

Por essa altura, os proprietários de bodegas constataram que a cerveja ocupava já uma parte significativa do mercado nacional de bebidas alcoólicas. E que o consumo anual per capita de vinho tinha baixado de 25 litros, em 1960, para menos de 10.

Viram-se obrigados a redobrar esforços. Recorreram a investidores e enólogos estrangeiros. A sua entrada em cena fez com que, em pouco tempo, os melhores rótulos argentinos fossem avistados e reconhecidos em redor do Mundo.

Catena Zapata. Uma Família Eno-Produtora de Sucesso. Entre Tantas Outras

A família Catena Zapata, chegada de Itália em 1898, tornou-se uma das maiores proprietárias de vinhas da região e um caso de enorme sucesso.

Quando visitamos a sua adega e quartel-general, deslumbramo-nos com a imponência faustosa de que foi dotada, desenhada com influência das pirâmides maias de Tikal.

Também nos marca a postura acolhedora mas pragmática e o discurso pomposo de Nicholas, o herdeiro no trono desta dinastia vinícola.

Sala de barricas da bodega Catena Zapata.

Nicholas Catena Zapata senta-se, confortável, sobre uma das centenas de pipas da sua excêntrica adega. A figura delgada, elegante, enquadra-se, na perfeição, no ambiente de cave mas, ainda assim, requintado que nos rodeia.

“Ainda bem que vos impressiona!” segreda-nos, enquanto passeamos, incrédulos, pela sala de barricas circular e sumptuosa do edifício. “Não poupámos esforços para erguer uma sede digna da história da família. Como já devem saber, os meus antecessores têm grande responsabilidade em tudo aquilo em que Mendoza se tornou.”

O milagre que permitiu ao clã Catena Zapata e a tantos outros com origem europeia aproveitar um quase deserto de maneira a que passasse a gerar 70% da produção de vinho da Argentina tem, hoje, poucos segredos.

Matéria-Prima

Cacho volumoso numa vinha do Cavas Wine Lodge.

A Particularidade Geológica e Climática de Mendoza

A província de Mendoza está situada, na Argentina, aproximadamente à mesma latitude que a capital Buenos Aires mas no extremo longitudinal oposto do país.

Surge numa vastidão inóspita e arenosa, aos pés da cordilheira dos Andes que, aqui, partilhada com o vizinho Chile, se ergue mais imponente e colorida que noutra parte qualquer da América do Sul.

Culmina-a a maior elevação do Hemisfério Ocidental, o Monte Aconcágua (6962 m).

A localização continental de Mendoza abriga a região da humidade proveniente tanto do Pacífico como do Atlântico. Proporciona um predomínio absoluto dos dias de sol e fortes amplitudes térmicas diurnas.

Mas, se a água só muito raramente cai sobre as zonas planas da província – o que acontece com frequência nas montanhas mais elevadas- acaba por deslizar sobre elas em caudais alimentados pelo degelo e pelo declive, mais ou menos volumosos consoante a época do ano,

Foram estes rios e riachos que os colonos espanhóis aprenderam com os índios Huarpes a canalizar numa complexa rede de canais e aquedutos de maneira a irrigar um mar de vinhedos que aumentou ao longo dos séculos.

Mar-de-Parra

Planície repleta de vinha entre a bodega Catena Zapata e a pré-cordilheira andina.

Esta engenharia viabilizou também o desenvolvimento da capital homónima da região.

Cidade Homónima, Alma e Coração de Mendoza

Mendoza – a cidade – é famosa por uma incrível densidade de enormes plátanos que a protegem da rudez do clima contrastante. As suas árvores urbanas são irrigada por inúmeras acequias (canais a céu aberto) que acompanham as avenidas largas da baixa.

É o caso da pedestre Avenida Sarmiento, onde as esplanadas dominam a sombra e permitem aos moradores apreciar os inevitáveis picadillos e médias lunas (croissants) enquanto debatem os temas e traumas favoritos da nação.

As acequias nada podem, todavia, contra os movimentos tectónicos verificados na zona. Como precaução, a Mendoza cidade foi dotada de praças amplas.

A sua função primordial, o refúgio da população em caso de sismo, é algo desvanecida pelos piqueniques improvisados, pelas siestas e outras formas de ócio que os mendocinos aperfeiçoaram ao longo dos tempos.

Mendoza não é o que se espera de uma capital.

As videiras há muito que ficaram para trás mas o verde permanece e predomina. Assim ditou a concepção paisagística do francês Carlos Thays, autor de um trabalho surpreendente, reconhecido em todo o mundo como uma das mais brilhantes expressões urbanas de um oásis.

Fundada, em 1561, pelo espanhol Pedro del Castillo, como já vimos, numa zona de grande actividade sísmica, a cidade viria, pouco depois, a pagar pela ignorância ou, pior, pela displicência. Foi arrasada por um terramoto de forte intensidade e só em 1863, recebeu um novo traçado.

Hoje, são raros os seus edifícios e lares com mais de 4 ou 5 andares.

Vista de Mendoza com a emblemática Torre del Pasaje San Martin em primeiro plano.

Como não podia deixar de ser, a actividade comercial local está, também ela, organizada, em grande parte, em função do vinho.

As Bodegas e as Provas de Vinho da Eno-Província Argentina

Lá se situam muitas das agências que organizam as visitas às bodegas mais viradas para o turismo. Casos das Escorihuela ou La Colina de Oro.

Vinho

Tábua de queijos elaborada pelo hotel de vinho Cavas Wine Lodge.

Ou a La Rural, a adega que acolhe o maior museu vinícola da América do Sul, onde encontramos em exibição as ferramentas usadas pelos colonos da região na plantação dos vinhedos inaugurais.

São vários os edifícios térreos do centro que abrigam salas de prova exíguas, pouco preocupadas com a sua insignificância face à pompa das congéneres da planície.

Caminhamos por uma rua qualquer quando Jaquelina Ascoetti nos recruta para entrar na bodeguita em que trabalha. E a provar uma série de vinhos argentinos que está encarregue de promover e vender.

Aroma apurado

Jaquelina Ascoetti prova um vinho numa pequena loja de vinho do centro de Mendoza.

De forma suave e gentil, a jovem mendocina serve-nos um pouco de Malbec, de Cabernet, de Syrah, de Pinot e de Torrontés, em algumas das amostras, combinações apuradas destas castas.

“Que vos parece?? Por mais antiga que a Europa possa ser, já produzimos uns vinhitos à altura dos vossos, não?” Não temos como discordar. Agradecemos a dedicação da anfitriã.

Despedimo-nos para uma longa caminhada até ao famoso bar de viño Azafrán. Nessa noite, jantamos umas tapas com trejeitos culinários argentinos.

Amigos conversam numa mesa do Bar de Viño Azafran, em Mendoza.

E bebemos mais uns copos do revigorante néctar dos deuses de Mendoza.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani em missões jesuíticas. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus.
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Casa Menezes Bragança, Chandor, Goa, India
Cultura
Chandor, Goa, Índia

Uma Casa Goesa-Portuguesa, Com Certeza

Um palacete com influência arquitectónica lusa, a Casa Menezes Bragança, destaca-se do casario de Chandor, em Goa. Forma um legado de uma das famílias mais poderosas da antiga província. Tanto da sua ascensão em aliança estratégica com a administração portuguesa como do posterior nacionalismo goês.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Em Viagem
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Salto Negao, chapada diamantina, bahia gema, brasil
História
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Ilhas
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Pescadores em canoas, rio Volta, Gana
Natureza
Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta

Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Thingvelir, Origens Democracia Islândia, Oxará
Parques Naturais
PN Thingvellir, Islândia

Nas Origens da Remota Democracia Viking

As fundações do governo popular que nos vêm à mente são as helénicas. Mas aquele que se crê ter sido o primeiro parlamento do mundo foi inaugurado em pleno século X, no interior enregelado da Islândia.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Património Mundial UNESCO
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Avião em aterragem, Maho beach, Sint Maarten
Praias
Maho Beach, Sint Maarten

A Praia Caribenha Movida a Jacto

À primeira vista, o Princess Juliana International Airport parece ser apenas mais um nas vastas Caraíbas. Sucessivas aterragens a rasar a praia Maho que antecede a sua pista, as descolagens a jacto que distorcem as faces dos banhistas e os projectam para o mar, fazem dele um caso à parte.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Sociedade
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT