Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina


Mar-de-Parra
Planície repleta de vinha entre a bodega Catena Zapata e a pré-cordilheira andina.
Aroma apurado
Jaquelina Ascoetti prova um vinho numa pequena loja de vinho do centro de Mendoza.
Anoitece no Cavas Wine Lodge
Lusco-fusco destaca a fachada virada para as montanhas da pré;-cordilheira andina do hotel de vinho Cavas Wine Lodge.
Matéria-Prima
Cacho volumoso numa vinha do Cavas Wine Lodge.
Caves Finca Flichman
Trabalhador solda na sala de barricas da adega Finca Flichman pertencente à portuguesa Sogrape.
Eno-Herança
Recanto envelhecido de uma adega de Lujan de Cuyo.
Escolha dificil
Visitante examina garrafas armazenadas na bodega.
Vinho, tapas e queijos
Tábua de queijos elaborada pelo hotel de vinho Cavas Wine Lodge.
Villa em vinha
Villa do hotel Cavas Wine Lodge, perdida numa vastidão de parra nos arredores de Lujan de Cuyo.
Estilo Finca Flichman
Decoração e iluminação requintada da adega Finca Flichman.
Conversa com sabor a acafrão
Amigos conversam numa mesa do Bar de Viño Azafran, em Mendoza.
Torre San Martin
Vista de Mendoza com a emblemática Torre del Pasaje San Martin em primeiro plano.
Vinhas Pré-Andinas
Vinha plantada no sopé das montanhas da pré-cordilheira andina, próximo de Lujan de Cuyo.
Círculo vinícola
Sala de barricas da bodega Catena Zapata.
Vinho envelhecido
Adega repleta de pó numa loja de provas da cidade de Mendoza.
Vinho em pesos e em saldo
Montra de vinhos do bar Azafran, em Mendoza.
Mesa para encontros vinícolas
Sala de reuniões da adega Catena Zapata.
Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.

“Bom, então já sabem. Atravessam o primeiro sector da vinha e vêem a vossa villa ao fundo à direita”!

Cecília Diaz Huit direcciona-nos, ainda algo apreensiva devido ao óbvio abismo visual que nos separava dos restantes hóspedes, quase todos executivos ou veraneantes sul-americanos abastados, entregues a repousos vinícolas.

Tinha decorrido apenas um ano e meio desde que conhecêramos esta argentina empreendedora. Na primeira passagem por Mendoza, encontrámo-la como responsável de Marketing do hotel Hyatt local. Já então nos sugerira que preparava voos mais ambiciosos.

Até à data, a maior parte dos visitantes da província de Mendoza alojavam-se na capital homónima. Saíam à descoberta do vasto domínio enólogo disseminado pelos arredores sem fim de Godoy Cruz, Maipu e Lujan de Cuyo. Áreas vastas, se tivermos em conta que a província de Mendoza tem quase a dimensão de Portugal.

Cecília e o marido enólogo Martin Rigal compreenderam a lacuna. Não hesitaram em resolvê-la.

Quando regressámos à zona, receberam-nos no seu recém inaugurado hotel de vinho, instalado num recanto do mar verde-parra de Lujan de Cuyo, isolada pela imensidão da paisagem. Na realidade, entre várias bodegas com arquitecturas caprichosas.

Villa do hotel Cavas Wine Lodge, perdida numa vastidão de parra nos arredores de Lujan de Cuyo.

E vista para as montanhas nevadas da pré-cordilheira andina.

Não foram, nem de longe, os primeiros a aproveitar a fertilidade solarenga daquelas paragens.

A História Já Longa da Enologia da Província de Mendoza

Os primeiros colonos espanhóis constataram, pouco depois de ali chegarem, a secura e aridez irrigável. Também repararam na grande amplitude térmica da região. Foram eles – sobretudo os missionários católicos – que plantaram os primeiros vinhedos experimentais.

A produção vinícola manteve-se por bastante tempo crioula e localizada. No século XIX, a intensificação da imigração de italianos e espanhóis – também de franceses e outros – fez com que a enologia começasse a ser levada a sério.

A partir de então, a competição entre bodegas familiares conduziu a um processo de maturação da indústria vinícola que a construção do caminho de ferro entre Mendoza e Buenos Aires, em 1884, favoreceu.

Malgrado este progresso, até há três décadas atrás, apesar de ser o quinto no Mundo em termos de quantidade, o vinho argentino não chegava a ser exportado. Era tido como demasiado inferior ao importado da Europa pelas mansões afrancesadas de Buenos Aires.

Eno-Herança

Recanto envelhecido de uma adega de Lujan de Cuyo.

Por essa altura, os proprietários de bodegas constataram que a cerveja ocupava já uma parte significativa do mercado nacional de bebidas alcoólicas. E que o consumo anual per capita de vinho tinha baixado de 25 litros, em 1960, para menos de 10.

Viram-se obrigados a redobrar esforços. Recorreram a investidores e enólogos estrangeiros. A sua entrada em cena fez com que, em pouco tempo, os melhores rótulos argentinos fossem avistados e reconhecidos em redor do Mundo.

Catena Zapata. Uma Família Eno-Produtora de Sucesso. Entre Tantas Outras

A família Catena Zapata, chegada de Itália em 1898, tornou-se uma das maiores proprietárias de vinhas da região e um caso de enorme sucesso.

Quando visitamos a sua adega e quartel-general, deslumbramo-nos com a imponência faustosa de que foi dotada, desenhada com influência das pirâmides maias de Tikal.

Também nos marca a postura acolhedora mas pragmática e o discurso pomposo de Nicholas, o herdeiro no trono desta dinastia vinícola.

Sala de barricas da bodega Catena Zapata.

Nicholas Catena Zapata senta-se, confortável, sobre uma das centenas de pipas da sua excêntrica adega. A figura delgada, elegante, enquadra-se, na perfeição, no ambiente de cave mas, ainda assim, requintado que nos rodeia.

“Ainda bem que vos impressiona!” segreda-nos, enquanto passeamos, incrédulos, pela sala de barricas circular e sumptuosa do edifício. “Não poupámos esforços para erguer uma sede digna da história da família. Como já devem saber, os meus antecessores têm grande responsabilidade em tudo aquilo em que Mendoza se tornou.”

O milagre que permitiu ao clã Catena Zapata e a tantos outros com origem europeia aproveitar um quase deserto de maneira a que passasse a gerar 70% da produção de vinho da Argentina tem, hoje, poucos segredos.

Matéria-Prima

Cacho volumoso numa vinha do Cavas Wine Lodge.

A Particularidade Geológica e Climática de Mendoza

A província de Mendoza está situada, na Argentina, aproximadamente à mesma latitude que a capital Buenos Aires mas no extremo longitudinal oposto do país.

Surge numa vastidão inóspita e arenosa, aos pés da cordilheira dos Andes que, aqui, partilhada com o vizinho Chile, se ergue mais imponente e colorida que noutra parte qualquer da América do Sul.

Culmina-a a maior elevação do Hemisfério Ocidental, o Monte Aconcágua (6962 m).

A localização continental de Mendoza abriga a região da humidade proveniente tanto do Pacífico como do Atlântico. Proporciona um predomínio absoluto dos dias de sol e fortes amplitudes térmicas diurnas.

Mas, se a água só muito raramente cai sobre as zonas planas da província – o que acontece com frequência nas montanhas mais elevadas- acaba por deslizar sobre elas em caudais alimentados pelo degelo e pelo declive, mais ou menos volumosos consoante a época do ano,

Foram estes rios e riachos que os colonos espanhóis aprenderam com os índios Huarpes a canalizar numa complexa rede de canais e aquedutos de maneira a irrigar um mar de vinhedos que aumentou ao longo dos séculos.

Mar-de-Parra

Planície repleta de vinha entre a bodega Catena Zapata e a pré-cordilheira andina.

Esta engenharia viabilizou também o desenvolvimento da capital homónima da região.

Cidade Homónima, Alma e Coração de Mendoza

Mendoza – a cidade – é famosa por uma incrível densidade de enormes plátanos que a protegem da rudez do clima contrastante. As suas árvores urbanas são irrigada por inúmeras acequias (canais a céu aberto) que acompanham as avenidas largas da baixa.

É o caso da pedestre Avenida Sarmiento, onde as esplanadas dominam a sombra e permitem aos moradores apreciar os inevitáveis picadillos e médias lunas (croissants) enquanto debatem os temas e traumas favoritos da nação.

As acequias nada podem, todavia, contra os movimentos tectónicos verificados na zona. Como precaução, a Mendoza cidade foi dotada de praças amplas.

A sua função primordial, o refúgio da população em caso de sismo, é algo desvanecida pelos piqueniques improvisados, pelas siestas e outras formas de ócio que os mendocinos aperfeiçoaram ao longo dos tempos.

Mendoza não é o que se espera de uma capital.

As videiras há muito que ficaram para trás mas o verde permanece e predomina. Assim ditou a concepção paisagística do francês Carlos Thays, autor de um trabalho surpreendente, reconhecido em todo o mundo como uma das mais brilhantes expressões urbanas de um oásis.

Fundada, em 1561, pelo espanhol Pedro del Castillo, como já vimos, numa zona de grande actividade sísmica, a cidade viria, pouco depois, a pagar pela ignorância ou, pior, pela displicência. Foi arrasada por um terramoto de forte intensidade e só em 1863, recebeu um novo traçado.

Hoje, são raros os seus edifícios e lares com mais de 4 ou 5 andares.

Vista de Mendoza com a emblemática Torre del Pasaje San Martin em primeiro plano.

Como não podia deixar de ser, a actividade comercial local está, também ela, organizada, em grande parte, em função do vinho.

As Bodegas e as Provas de Vinho da Eno-Província Argentina

Lá se situam muitas das agências que organizam as visitas às bodegas mais viradas para o turismo. Casos das Escorihuela ou La Colina de Oro.

Vinho

Tábua de queijos elaborada pelo hotel de vinho Cavas Wine Lodge.

Ou a La Rural, a adega que acolhe o maior museu vinícola da América do Sul, onde encontramos em exibição as ferramentas usadas pelos colonos da região na plantação dos vinhedos inaugurais.

São vários os edifícios térreos do centro que abrigam salas de prova exíguas, pouco preocupadas com a sua insignificância face à pompa das congéneres da planície.

Caminhamos por uma rua qualquer quando Jaquelina Ascoetti nos recruta para entrar na bodeguita em que trabalha. E a provar uma série de vinhos argentinos que está encarregue de promover e vender.

Aroma apurado

Jaquelina Ascoetti prova um vinho numa pequena loja de vinho do centro de Mendoza.

De forma suave e gentil, a jovem mendocina serve-nos um pouco de Malbec, de Cabernet, de Syrah, de Pinot e de Torrontés, em algumas das amostras, combinações apuradas destas castas.

“Que vos parece?? Por mais antiga que a Europa possa ser, já produzimos uns vinhitos à altura dos vossos, não?” Não temos como discordar. Agradecemos a dedicação da anfitriã.

Despedimo-nos para uma longa caminhada até ao famoso bar de viño Azafrán. Nessa noite, jantamos umas tapas com trejeitos culinários argentinos.

Amigos conversam numa mesa do Bar de Viño Azafran, em Mendoza.

E bebemos mais uns copos do revigorante néctar dos deuses de Mendoza.

Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
San Ignácio Mini, Argentina

As Missões Jesuíticas Impossíveis de San Ignácio Mini

No séc. XVIII, os jesuítas expandiam um domínio religioso no coração da América do Sul em que convertiam os indígenas guarani em missões jesuíticas. Mas as Coroas Ibéricas arruinaram a utopia tropical da Companhia de Jesus.
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cerimónias e Festividades
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Moradora de Dali, Yunnan, China
Cidades
Dali, China

A China Surrealista de Dali

Encaixada num cenário lacustre mágico, a antiga capital do povo Bai manteve-se, até há algum tempo, um refúgio da comunidade mochileira de viajantes. As mudanças sociais e económicas da China fomentaram a invasão de chineses à descoberta do recanto sudoeste da nação.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
formas de pagamento em viagem, fazer compras no estrangeiro
Em Viagem
Viajar Não Custa

Na próxima viagem, não deixe o seu dinheiro voar

Nem só a altura do ano e antecedência com que reservamos voos, estadias etc têm influência no custo de uma viagem. As formas de pagamento que usamo nos destinos pode representar uma grande diferença.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sensações vs Impressões

Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
História
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, lajes do Pico
Ilhas
Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico

Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Natureza
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Sombra vs Luz
Património Mundial UNESCO
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Personagens
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Estante Sagrada
Religião
Tsfat (Safed), Israel

Quando a Cabala é Vítima de Si Mesma

Nos anos 50, Tsfat congregava a vida artística da jovem nação israelita e recuperava a sua mística secular. Mas convertidos famosos como Madonna vieram perturbar a mais elementar discrição cabalista.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Sociedade
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Vida Selvagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES