Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda


Bici vs Bus
Ciclista passa entre autocarros numa estação de camionagem entre Rangum e Kin Pun.
Petiscos
Vendedoras de petiscos no exterior da zona de transbordo para a rocha dourada de Kyaikhtiyo.
Meia-carga
Monges na dianteira da caixa do camião que assegura as ligações entre Kin Pun e a meia encosta do monte Kyaikhtiyo.
Rocha em Equilíbrio
Perspectiva que revela o equilíbrio em que há muito se mantém a Rocha Dourada de Kyaikhtiyo.
Mulher não entra
Portinhola que efectiva a proibição de entrada de mulheres no recinto da rocha dourada de Kyaikhtiyo.
Orar a partir de fora
Mulheres acendem velas e oram do lado de fora do recinto da rocha dourada.
Conferência de Monges
Monges budistas agrupados sobre o solo polido do recinto da rocha dourada.
Dourado sobre dourado
Fieis colam películas de folha de ouro que renovam o revestimento da rocha dourada.
Ocaso Dourado
Sol desaparece atrás das nuvens, numa altura em que os fieis budistas adoram a rocha dourada, cada vez mais resplandecente.
Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.

À chegada madrugadora ao terminal de autocarro de Rangum, engasgamo-nos com a inesperada tabela dos bilhetes.

Já andávamos pelo Myanmar há vários dias. Nunca a diferença do que pagavam os birmaneses para o preço de “Foreigner” nos irritara como ali. Barafustamos o possível. Mais que o aconselhável.

Até que um jovem de ar frágil, incomodado com a nossa indignação, se presta a esclarecer: “não vale a pena desesperarem dessa maneira. Todos os mochileiros vêm com o dinheiro contado para as suas longas viagens.

E todos se frustram com essa exploração. Mas vocês têm que compreender que são ordens do governo. Todas as empresas as devem seguir. Caso contrário, se forem descobertos, fecham-nas para sempre.”

A intervenção do rapaz nunca iria resolver o dano que aquela discrepância e que os 15.000 kyats adicionais nos causariam. Ainda assim, teve o dom de nos tranquilizar e fazer resignar. Pegamos nas mochilas. Instalamo-nos nos assentos apertados do autocarro, entre jovens monges budistas e camponeses de olho nas cabras e galinhas que seguiam no tejadilho.

Por volta, das 10 da manhã, por fim, partimos.

Viagem Calorenta entre Rangum e o vilarejo de Kin Pun

Tranquilizados pelo vento quente que nos massajava as cabeças, deixamo-nos levar pelo embalo, pelos solavancos e pelas vendas relâmpago tentadas por sucessivos vendedores itinerantes, de cada vez que o autocarro se detinha o suficiente para os deixar entrar.

Durante as primeiras dezenas de quilómetros, a estrada segue os meandros do rio Rangum. Logo, entramos na chamada auto-estrada Rangum-Mandalay, a estrada número um do Myanmar. Seguimos apontados a Bago e lá fazemos uma curta escala. Uma meia-hora adicional para norte, atingimos Hpa Yar Gyi e entramos na estrada 8 que corta para o extremo sudeste da Birmânia.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania

À partida, poderíamos ter cumprido um itinerário bem mais curto e recto rumo a oriente. Todo aquele arco a que nos vimos obrigados devia-se ao espraiar de outro rio primordial do Myanmar: o Sittang.

À laia do desaguar bangladeshi do Ganges, o último estertor do Sittang gerava um delta imenso de pântano e prado ensopado que o oceano Índico invadia na forma do Golfo de Martaban.

De acordo, as cheias avassaladoras geradas pela monção das chuvas destas paragens, forçavam a via a cruzar o rio junto a Taung Tha Pyay Kan, já bem acima do delta.

Aquela travessia era de tal forma providencial que tinha direito a uma portagem. Mais que uma mera ponte, estávamos a cruzar a fronteira fluvial entre a região de Bago e o místico Mon State, o estado em que se situava o destino final da viagem.

Kin Pun: o Transbordo Sobrelotado para a Rocha Dourada de Kyaiktiyo

Por volta das três da tarde, quase cinco horas de sauna rodoviária depois, damos entrada em Kin Pun. Ali, juntamo-nos a uma pequena multidão apertada que aguardava o transporte para uma encosta intermédia que os forasteiros tratavam, em inglês, por Upper Level.

Um camião de caixa aberta aparece do nada. Aos poucos, o condutor e um auxiliar fazem sentar os passageiros, mais que apertados, comprimidos uns contra os outros sobre tábuas a fazer de bancos. Nem tudo era mau.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, BirmaniaSeguimos ao ar livre. Durante meia-hora, subimos por uma estrada de montanha cercada de vegetação tropical sulcada por quedas d´água mais longas que volumosas.

Um ou outro ponto teria dado fotografias enriquecedoras. Isto, caso conseguíssemos mexer os braços o suficiente para destacarmos as câmaras acima dos passageiros que nos apertavam.

Uma sucessão de bancas de recordações e relicário religioso, de restaurantes, casas de chá e outras repletas de essências, substâncias e produtos aconselhados pela medicina tradicional birmanesa confirmam-nos Upper Level.

Malgrado o nome do lugar, a epopeia não se ficaria por ali.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania

Os Serviços Pesados mas Providenciais dos Carregadores do monte Kyaiktiyo

O Golden Rock hotel esperava-nos mais acima. Esse acima era de tal maneira íngreme que dava trabalho a uma tropa de carregadores. A maior parte dos passageiros confia-lhes a bagagem. Estes sherpas do Mon State colocam-na em cestos amplos e às costas.

Recompostos de um inevitável descair, suam as estopinhas e fazem ranger ossos para cumprir as entregas à porta dos hotéis dos visitantes.

Os carregadores transportam mais que apenas bagagem. Quando chegam à base da montanha devotos idosos, incapacitados, demasiado obesos ou fracos para se poderem fazer à rampa, cabe aos carregadores levá-los até ao topo em macas feitas de bambu.

Cumprimos o registo no hotel. Demoramo-nos o suficiente para largarmos as mochilas grandes de que não iríamos já precisar. Àquelas latitudes, o ocaso não tardaria. Agarramos nas do equipamento. Saímos disparados rampa acima.

Passamos entre as estátuas espelhadas de dois grandes leões dourados. Logo após, na entrada da Golden Rock, um novo desvio de fundos em modo “Foreigner” multiplicado, mancha a espiritualidade que pensávamos imaculada do lugar. Deparamo-nos não só com uma Foreigner Entrance Fee, mas também com uma Foreigner Camera Fee.

Sem tempo para nos frustrarmos, tiramos e arrumamos o calçado. Assim mesmo, de pé descalço budista, sobre a pedra dura e quente, entre monges que supomos devotos, investigamos o complexo.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania

A Hora Mágica em que a Rocha Dourada mais Brilha

De um varandim privilegiado, assistimos ao lapso em que o sol alaranjou a orla de uma frente de nuvens, acima das montanhas. Essas nuvens altas, anularam a exuberância cromática que se esperava do pôr-do-sol. De acordo, concentramo-nos na subtileza crepuscular que se seguia.

Com o esvair da luz, o azul do firmamento intensifica-se. E rutila o ouro que envolvia a grande rocha, já da sua posição, inusitada.

Mesmo quase redonda, a uns 1.100 metros de altitude ventosos, a Golden Rock teima em resistir sobre a ponta de uma laje polida que se destaca de uma tal de crista Paung-Laung das montanhas de Eastern Yoma.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, BirmaniaEstamos na iminência da fronteira com a Tailândia de Mae Sot. Do lado de lá, o budismo em pouco difere do birmanês.

Coroa a Golden Rock o pequeno pagode de Kyaiktiyo (7.3 metros), também ele dourado. Em Bagan, mais a norte no Myanmar,  os crentes endinheirados mandam erguer grandes templos e estupas.

Já os que visitam Kyaiktiyo em peregrinação ajudam a manter o revestimento do conjunto ao desenrolarem e colarem na face daquele calhau espiritual pequenas folhas de ouro que compram na ladeira que precede a entrada.

Parte dessas folhas, cai sobre a laje. Fica a oscilar para cá e para lá, ao vento.

Algumas, permanecem coladas aos pés nus dos crentes, enquanto estes expressam a sua fé a sentirem e a abraçarem a superfície lustrosa da pedra, enquanto outros deixam oferendas de alimentos, de fruta e de incenso.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, BirmaniaDe onde admiramos os seus movimentos e o cair da noite, temos a sensação de que, pressionada pelos fiéis, a pedra poderia cair a qualquer momento. De acordo com a lenda, o que impede a gravidade de cumprir o seu papel é uma fina meda do cabelo de Buda.

A Lenda Budista que Há Muito Sustenta a Rocha Dourada

Como a Golden Rock ali foi parar tem explicação numa lenda intrincada. Narra que, em pleno século XI, o ascetismo puro de Taik Tha, um sacerdote eremita budista terá maravilhado Buda. Em jeito de recompensa, Buda ofereceu-lhe a tal meda de cabelo.

Ora, o eremita, por sua vez, ofereceu-a ao seu rei de então, Tissa, na condição que o consagrasse num pagode dedicado que deveria incluir uma pedra com a forma da cabeça de Taik Tha. O rei Tissa tentou por todos os meios.

Falhou na missão de encontrar uma pedra com o perfil adequado. Desesperado, implorou a ajuda de Thagyamin, o rei do céu da cosmologia budista.

Thagyamin tinha poderes sobrenaturais herdados do seu pai Zawgyi, um alquimista prodigioso, e da mãe, uma princesa Naga, que é como quem diz, um ser semi-divino, meio-humano, meio serpente que habita o submundo.

Thagyamin recorreu à sua força descomunal. Arrancou a pedra que Tissa buscava do fundo do oceano e empurrou-a sobre um barco, mar fora. Já em terra, colocou a pedra no lugar em que subsiste e a admirávamos.

De maneira a finalizar o seu trabalho sagrado, construiu o pequeno pagode no cimo da rocha em jeito de santuário do cabelo de Buda e para todo o sempre.

O termo mon kyaiktiyo por que é conhecido o santuário traduz-se, aliás, como pagode na cabeça de um eremita.

Com o tempo, esta cabeça de rocha tornou-se o terceiro lugar de peregrinação mais importante do Myanmar. Antecedem-no apenas o pagode de Shwedagon, em Rangum, e o de Mahamuni, situado a sudoeste de Mandalay, a segunda cidade do país.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania

Mulheres Não Entram: uma Inusitada Determinação Budista

Por determinação secular do budismo, é proibida a entrada de mulheres no complexo. Esta interdição advém de outra. Segundo os preceitos de Buda, as mulheres não podem tocar nos monges, já que vivem sob voto de castidade.

Tendo em conta que a própria pedra emula a cabeça de um monge-eremita, estão de igual maneira proibidas de se aproximarem ou de tocarem na Golden Rock.

Ainda assim, as mulheres mais devotas cumprem a sua própria peregrinação ao lugar. Em vez de lhe tocarem, louvam a Golden Rock de alguma distância.

Vemo-las sentadas no exterior do derradeiro muro-vedação que isola a rocha. Rezam e acendem velas atrás de velas.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, BirmaniaA determinada altura, constatamos que o dourado dos seus muitos pequenos fogos rivaliza com o do calhau santuário ainda que, com a metamorfose do crepúsculo para a noite, os focos que nele incidem o dourem a dobrar.

Naquela noite, os crentes que adoravam a Golden Rock pouco mais eram que umas dezenas.

Todos os anos, durante o dia de Lua Cheia de Tabaung que calha em Março, são acesas em redor de 90.000 velas. Iluminada pelas 90.000 chamas correspondentes, a rocha brilha mais que nunca.

Nesse dia, acorrem ao Monte Kyaiktiyo várias centenas, até uns poucos milhares de fiéis budistas. O seu acesso à base da Golden Rock obedece a um controlo rigoroso. Mesmo assim, o ansiado contacto com o calhau de Buda é disputado até ao derradeiro centímetro.

Reza a lenda que os crentes budistas que completem os 13km da peregrinação a partir de Kinpun pelo menos três vezes num ano se veem prendados com prosperidade e reconhecimento da comunidade.

As possibilidades de agradarem a Buda não se ficam por aí. A mesma lenda que até então nos tinha ilustrado e justificado a razão de ser budista e equilibrista da Golden Rock, explica que, à chegada ao Monte Kyaiktiyo, o barco usado pelo rei celestial Thagyami se tornou pedra.

Os crentes budistas aproveitam para louvarem também essa pedra, situada a meros 300 metros da Golden Rock e baptizada de estupa de Kyaukthanban.

Por volta das seis da tarde, a Golden Rock começar a ceder ao breu nocturno. Só uns poucos fiéis mais resilientes prolongavam a adoração da pedra dourada.

Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, BirmaniaA longa peregrinação desde Rangum começava a impor-nos o devido cansaço. Nestes assuntos das energias mundanas, Buda pouco nos ajudaria. Recolhemos ao hotel. Tratamos de nos reavivar.

Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Família em Hobart, Tasmânia, Austrália
Cidades
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Sombra de sucesso
Cultura
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
formas de pagamento em viagem, fazer compras no estrangeiro
Em Viagem
Viajar Não Custa

Na próxima viagem, não deixe o seu dinheiro voar

Nem só a altura do ano e antecedência com que reservamos voos, estadias etc têm influência no custo de uma viagem. As formas de pagamento que usamo nos destinos pode representar uma grande diferença.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Étnico
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Diego Colombo
História
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
São Tomé Ilha, São Tomé e Principe, Norte, Roça Água Funda
Ilhas
São Tomé, São Tomé e Príncipe

Pelo Cocuruto Tropical de São Tomé

Com a capital homónima para trás, rumamos à descoberta da realidade da roça Agostinho Neto. Daí, tomamos a estrada marginal da ilha. Quando o asfalto se rende, por fim, à selva, São Tomé tinha-se confirmado no top das mais deslumbrantes ilhas africanas.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Natureza
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Parques Naturais
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Palmeiras de San Cristobal de La Laguna, Tenerife, Canárias
Património Mundial UNESCO
Tenerife, Canárias

Pelo Leste da Ilha da Montanha Branca

A quase triangular Tenerife tem o centro dominado pelo majestoso vulcão Teide. Na sua extremidade oriental, há um outro domínio rugoso, mesmo assim, lugar da capital da ilha e de outras povoações incontornáveis, de bosques misteriosos e de incríveis litorais abruptos.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Religião
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Sociedade
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES