Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais


Planície sagrada
Planície de Bagan repleta de templos e pagodes erguidos por crentes budistas ao longo dos séculos.
Terraço privilegiado
Visitantes de Bagan admiram a planície repleta de templos de Bagan, de cima de um deles.
Protecção Solar Natural
Jovem vendedora de Bagan mantém a face protegida com um protector solar natural feito da casca de uma árvore.
Templos sem conta
Silhuetas de templos e pagodas salpicam a planície de Bagan, ao pôr-do-sol.
Sem calçado
Sinal bilingue à porta de um templo pede a remoção do calçado dos fiéis.
Santuário Supremo
Templo de Thatbyinny Pahto, acima de outras estruturas religiosas secundárias.
Oração
Monge budista ora num templo de Bagan.
Pedra Testemunhal
Escritura em birmanês na base de um templo.
Nichos alinhados
Pequenos budas dourados do templo de Mahabohdi.
Monjes juvenis
Pequenos monges acabam de atravessar uma pequena pagoda de Bagan.
Sob um Céu Quebrado
Velhas pagodas partilham a planície com palmeiras-de-leque.
Pose budista
Detalhe de uma estátua de Buda no interior do templo de Ananda.
Carga de fiéis
Crentes budistas chegam às imediações de um templo de Bagan.
Cúpulas
Cúpulas de pagodes contra o pôr-do-sol sobre Bagan.
A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.

Exploramos a planície fluvial vasta porque se espraia Bagan, sobre pasteleiras velhas e rangedoras.

Pedalada após pedalada, deixamo-nos deslumbrar pelos templos grandiosos por lá erguidos, a começar pelo Ananda que foi construído pelo rei Kyazinttha em forma de crucifixo, baptizado com o nome de um dos primos veneráveis de Buda.

A beleza exótica de Ananda funde a arquitectura Mon com o estilo de construção hindu adaptado pelos birmaneses que contempla quatro Budas no seu âmago, virados para os diferentes pontos cardeais, com posições e expressões distintas granjeou-lhe o título colonial de Westminster Abbey de “Burma”.

Em frente do templo de Thatbyinnyu, o espanto renova-se. O mesmo volta a acontecer no sopé do impressionante Dhammayangyi que, de tão ambicioso, nunca chegou a ser terminado pelo rei Narathsu.

Narathsu procurava perdão divino por ter assassinado o pai e o irmão mais velho para ascender ao trono. A obra e o indulto ficaram a meio.

O templo continua a destacar-se como o maior de Bagan, com 61 metros de altura.

santuario, Templo de Thatbyinny Pahto, planicie, Bagan, Myanmar

Templo de Thatbyinny Pahto, acima de outras estruturas religiosas secundárias.

Quando a luz se começa a desvanecer, incontáveis ciclistas percorrem as estradas de terra batida que conduzem aos templos. Atrapalha-os o pó levantado pelos autocarros turísticos, pelos táxis e pela frota de carroças que circulam nas redondezas.

Ao chegarmos à base do pagode, damos com um exército de vendedores de recordações a acossar os estrangeiros armado de recordações e do mais genuíno charme birmanês.

Sem Rumo pela Planície dos Pagodes e Templos de Bagan

O sol cai sobre o horizonte. Os terraços mais elevados do templo ficam à pinha, preenchidos por dezenas de monges budistas e por uma multidão internacional que, a esforço, se coordena na partilha do monumento.

terracos, sagrados, visitantes, crentes, planicie, Bagan, Myanmar

Visitantes de Bagan admiram a planície repleta de templos de Bagan, de cima de um deles.

A iminência do ocaso, aumenta a urgência de subir a escadaria íngreme, de encontrar um espaço e apreciar a paisagem surreal. Coloca as compras em segundo plano até porque, no dia seguinte, os mesmos vendedores e produtos surgirão neste e noutros templos, tão disponíveis como sempre.

Do topo, as cores da planície de Bagan somem-se no crepúsculo e numa névoa difusa formado pela mescla da condensação tardia e do fumo libertado por fogueiras longínquas.

A visão revela-se quase extraterrestre. Em redor, para todas as direcções, centenas e centenas de templos vermelho-tijolo com pontas aguçadas, projectam-se do solo.

planicie sagrada, templos, santuarios, planicie, Bagan, Myanmar

Planície de Bagan repleta de templos e pagodes erguidos por crentes budistas ao longo dos séculos.

Geram uma atmosfera solene que cada uma das almas sobre os terraços e escadarias de Shwesandaw sorve no mais profundo espanto.

A Incompatibilidade de Bagan com os Preceitos da UNESCO

Até há algum tempo, esta reacção contrastava com a de qualquer interessado em história e arquitectura quando apurava que Bagan e esta sua esplendorosa herança não estavam sequer classificados pela UNESCO.

Tal como aconteceu em relação a tantos outros aspectos, o governo dictatorial do Myanmar isolou-se também quanto à recuperação do seu património. Em pouco tempo de sistemático desrespeito pelas regras vigentes no resto do Mundo, inviabilizou-a.

Em 1996, o governo do Myanmar chegou a apresentar uma candidatura de Bagan à UNESCO mas diversos danos já infligidos e a recusa em pactuar com as indicações dadas pela organização inviabilizaram o esforço.

Por essa altura, a junta militar tinha já restaurado o património de Bagan – stupas, pagodes, templos e outros edifícios seculares – sem qualquer critério e causando a profanação do estilo base dos monumentos com materiais modernos que destoavam dos originais.

sem calcado, proibido, planicie, Bagan, Myanmar

Sinal bilingue à porta de um templo pede a remoção do calçado dos fiéis.

Como se não bastasse, os governantes de Naypyidaw ergueram ainda na planície de Bagan um campo de golfe, uma via asfaltada e uma torre de vigia com 61 metros.

Malgrado este paradigma de sacrilégio, Bagan foi finalmente inscrita pela UNESCO como Património Mundial, em Julho de 2019. Vinte e quatro anos após a Junta Militar ter pedido a sua nominação.

E, no entanto, estas e outras atrocidades são insignificantes se comparadas com os crimes económicos e sociais cometidos para permitir a construção da nova capital do Myanmar, Naypyidaw.

Desde cedo, os birmaneses foram instruídos a confiar o seu destino a reis e divindades que reverenciavam com fervor. Algumas dessas personagens terrenas e celestiais destacaram das demais e fizeram história.

budas, nichos, templo mahabohdi, planicie, Bagan, Myanmar

Pequenos budas dourados do templo de Mahabohdi.

As Fundações Históricas da Planície dos Pagodes de Bagan

Em 1047, Anawratha, um rei precursor da nação birmanesa anexou Thaton, um domínio que lhe fazia sombra. A narrativa desta conquista explica, em parte, a espiritualidade e grandiosidade de Bagan.

Manuha, o todo-poderoso rei do povo rival de Mon tinha-lhe enviado um monge para o formar religiosamente. A determinada altura, Anawratha exigiu-lhe uma série de textos sagrados e de relíquias importantes, negadas por Manuha, que duvidava da seriedade da sua crença.

Anawratha enfureceu-se. Apoderou-se de Thaton e levou para Bagan tudo o que valia a pena pilhar, incluindo 32 exemplares das escrituras clássicas budistas, os monges e escolásticos de Thaton que as guardavam e estudavam e o próprio líder derrotado, Manuha.

Anawratha adoptou ainda o Budismo como religião única do reino.

monges, pagoda, planicie, Bagan, Myanmar

Pequenos monges acabam de atravessar uma pequena pagoda de Bagan.

Nos 230 anos seguintes, Anawratha e os reis bagari provaram-se devotos à religião que se havia alastrado ao Sudoeste Asiático a partir do território actual do Bangladesh.

Em nome daquela forma híbrida de Budismo Theravada – em parte Tântrica, em parte Mayahana – construíram uma média de 20 templos por ano, disseminados por uma área com 40 km².

A vitória militar estrondosa que lhes deu origem surpreendeu e inspirou a vida dos súbditos que se habituaram a mencionar Bagan como Arimaddanapura, A Cidade do Rei que Esmagou o Inimigo.

Anawratha, em particular, ergueu alguns dos mais grandiosos edifícios da planície, ainda hoje, destacados entre os milhares que sobreviveram às invasões tártaras de Kublai Khan – a quem os birmaneses recusaram pagar tributo – e ao longo abandono que se seguiu.

escritura, birmanesa, planicie, Bagan, Myanmar

Escritura em birmanês na base de um templo.

São os casos do Shwezigon, do Pitaka Taik (a biblioteca das escrituras) e da elegante Shwesandaw paya, construída após a conquista de Thaton.

Quase um milénio depois, a religiosidade dos birmaneses equipara-se a do resto do Mundo:  vai da mais pura fé à crendice superficial e interesseira.

Planície dos Templos. A Procura de Redenção dos Birmaneses

Um bom exemplo da última das modalidades foi narrado por George Orwell em “Dias na Birmânia”.

Surge na personagem de U Po Kyin, um magistrado nativo corrupto e ambicioso que conjura todas as intrigas possíveis para desgraçar a vida do Dr. Veraswami, este, um médico indiano que U Po Kyin abomina e a quem quer conquistar a única vaga não “british” no European Club de Kyauktada, o districto fictício da Birmânia Imperial em que a acção se desenrola.

Como descreveu Orwell, a determinada altura, “U Po Kin tinha feito tudo o que um homem mortal podia fazer. Era tempo de se preparar para o próximo mundo – em resumo, de começar a construir pagodas…”.

No seu caso particular, esse provou-se dos poucos planos que lhe correram mal. U Po Kyin sofreu um ataque cardíaco e morreu antes que mandasse assentar o primeiro tijolo.

palmeiras de leque, nuvens, pagoda, planicie, Bagan, Myanmar

Velhas pagodas partilham a planície com palmeiras-de-leque.

Não terá sido caso único mas, ao longo da história, milhares de birmaneses precaveram-se a tempo. As suas obras foram erguidas para a eternidade um pouco por toda a nação. Bagan – mais ou menos a meio do território actual do Myanmar, nas margens do grande rio Irrawaddy a norte das de Amarapura e da famosa ponte u-Bein – acolhe uma concentração única.

Verdade seja dita que ninguém sabe ao certo quantos edifícios religiosos abriga Bagan.

No final do século XIII, a contagem oficial indicava 4446. Por volta de 1901, estudos britânicos contabilizaram 2157 monumentos ainda de pé e identificáveis.

Mas, em 1978, apenas alguns anos depois do forte tremor de terra que abalou a região, um novo cálculo estimou que existiam mais que na contagem anterior: 2230.

A conclusão a que se chegou só espantou quem não conhecia o modo de vida birmanês: os templos de Bagan simplesmente não paravam de aumentar.

templo ananda, estatua, Buda, planicie, Bagan, Myanmar

Detalhe de uma estátua de Buda no interior do templo de Ananda.

Com tantos budistas ávidos por salvaguardar a sua próxima vida, os residentes mais ricos de Yangon, entre outros, (incluindo muitos oficiais do governo militar) continuam a acreditar que obra feita em Bagan, lhes garantirá a redenção.

Reconstroem e erguem novos pagodes ao seu critério e a um ritmo inesperado (cerca de trezentos só no princípio do século XX) demasiadas vezes indiferentes à arquitectura do património original.

Mesmo se indigna os técnicos da UNESCO, esta dinâmica faz parte da forma de vida birmanesa.

É vista, no país, como natural.

A Azáfama Também Espiritual de Nyang U, a Porta de Entrada em Bagan

Alvorada atrás de alvorada, novos dias abafados despertam em Nyang U.

O mercado da povoação entra em frenesim. Mulheres de rostos pintados de thanaka dourado – uma protecção natural contra o sol – gerem as suas bancas de fruta e vegetais coloridos.

crentes, budistas, planicie, Bagan, Myanmar

Crentes budistas chegam às imediações de um templo de Bagan.

Vendedores de bilhetes de autocarro, gritam os seus destinos entre a multidão e redobram esforços para completar lotações sem fim.

Quando menos se espera, autocarros bem mais modernos estacionam nas imediações e despejam hordas de turistas curiosos, quase todos de máquinas fotográficas em punho e carteiras recheadas de kyats voláteis.

Em absoluto contraste, na rua em frente, freiras budistas passam em fila pelas portas de domicílios e pequenos negócios.

Portam recipientes que os crentes lhes enchem de arroz e um ou outro complemento mais rico, alimentos que aliviam a sua árdua privação monástica.

monge budista, oracao, planicie, Bagan, Myanmar

Monge budista ora num templo de Bagan.

Para diante, o mercado transforma-se numa feira ainda mais barulhenta e poeirenta, animado por passatempos e jogos básicos promovidos com a ajuda de altifalantes.

Transaccionam-se vacas e cabras e muita malagueta que os potenciais compradores apanham à mão cheia e deixam cair como que para comprovar o potencial explosivo.

Logo ao lado, a azáfama é espiritual. Uma alameda coberta, ocupada por vendedores de artigos religiosos, conduz à entrada da Shwezigon paya, um dos templos budistas mais antigos e mais frequentados de Bagan, considerado o protótipo das milhares de estupas disseminadas pelo Myanmar.

Erguido até 1102, Shwezigon paya foi uma das primeiras obras do rei Anawaratha.

A importância que encerra vai muito para lá da antiguidade.

Os fiéis crêem que um dos seus túmulos conserva um osso e um dente do Buda Gautama e que um dos seus pilares de pedra contém inscrições ditadas em dialecto Mon pelo rei Kyazinttha, que se encarregou de acabar a obra, após a morte de Anawaratha.

Estamos num suposto “Inverno” do sudoeste asiático. Ainda assim, mal o Sol sobe no horizonte, brilha inclemente e incide nos crentes que circulam em redor do núcleo dourado do templo.

templos, pagodas, por do sol, planicie, Bagan, Myanmar

Silhuetas de templos e pagodas salpicam a planície de Bagan, ao pôr-do-sol.

Os fiéis rezam compenetrados, indiferentes ao burburinho gerado pelas primeiras excursões estrangeiras do dia.

Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Yangon, Myanmar

A Grande Capital da Birmânia (Delírios da Junta Militar à Parte)

Em 2005, o governo ditatorial do Myanmar inaugurou uma nova capital bizarra e quase deserta. A vida exótica e cosmopolita mantém-se intacta, em Yangon, a maior e mais fascinante cidade birmanesa.
Lago Inlé, Myanmar

Uma Agradável Paragem Forçada

No segundo dos furos que temos durante um passeio em redor do lago Inlé, esperamos que nos tragam a bicicleta com o pneu remendado. Na loja de estrada que nos acolhe e ajuda, o dia-a-dia não pára.
Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir do Monte Koya, pode ser ainda mais fácil.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Arquitectura & Design
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
Cidades
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Étnico
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Egipto Ptolomaico, Edfu a Kom Ombo, Nilo acima, guia explica hieróglifos
História
Edfu a Kom Ombo, Egipto

Nilo Acima, pelo Alto Egipto Ptolomaico

Cumprida a embaixada incontornável a Luxor, à velha Tebas e ao Vale dos Reis, prosseguimos contra a corrente do Nilo. Em Edfu e Kom Ombo, rendemo-nos à magnificência histórica legada pelos sucessivos monarcas Ptolomeu.
Mexcaltitán, Nayarit, México, do ar
Ilhas
Mexcaltitán, Nayarit, México

Uma Ilha entre o Mito e a Génese Mexicana

Mexcaltitán é uma ilha lacustre, arredondada, repleta de casario e que, durante a época das chuvas, só é transitável de barco. Crê-se ainda que possa ser Aztlán. A povoação que os Aztecas deixaram numa deambulação que terminou com a fundação de Tenochtitlan, a capital do império que os espanhóis viriam a conquistar.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Espargos, ilha do Sal, Cabo Verde
Natureza
Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Parques Naturais
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Património Mundial UNESCO
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Sombra vs Luz
Religião
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Vida Selvagem
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT