PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro


Normatior
Duas mulheres masai sobem ao cume da colina de Normatior, uma elevação com vista privilegiada sobre Amboseli e o Kilimanjaro.
Moda masai
Mulheres nativas desfilam durante um espectáculo de dança levado a cabo com o Kilimanjaro em fundo.
Colossos
Um elefante pasta na planície verdejante no sopé do monte Kilimanjaro.
Em sincronia
Elefante fêmea e cria um pouco afundados num pântano ervado e cercados de garças oportunistas.
À vez
Vários jipes alinhados observam manadas de elefantes num pântano junto à colina de Normatior
Pequeno confronto
Búfalos juvenis numa luta pouco séria, em plena savana de Amboseli.
Trio masai
Jovens masai nos seus trajes tradicionais vermelhos.
A caminho do Kilimanjaro
Jipe percorre a estrada de terra batida que passa entre o pântano de Enkongo e a colina de Normatior.
À conquista de Normatior
Jovens masai sobem a colina de Normatior, um dos seus pontos de observação da planície de Amboseli e do Monte Kilimanjaro favoritos.
Poder da cura
Sacerdote masai, com o ceptro que o identifica na tribo.
Simbiose africana
Jipe aproxima-se de uma manada de búfalos acompanhada por um bando de garças.
Uma savana dourada
Veículos atravessam o PN Amboseli durante um pôr-do-sol exuberante.
Normatior II
Jovens masai prestes a chegar ao cume da colina de Normatior.
Amboseli às Listas
Manada de zebras pasta com a silhueta do grande monte Kilimanjaro em fundo.
O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.

Já vínhamos algo massacrados das quase quatro horas de viagem pela Mombaça Road, pela C-102 e C-103, com partida madrugadora de Nairobi.

O aviso do condutor John soou com um misto de satisfação e surpresa: “Muito bem, chegámos ao desvio de terra bat

ida para a entrada do parque. As boas notícias são que já falta muito menos, as más são que vamos vibrar. Vamos vibrar e não vai ser pouco!”

Ficou para trás o trânsito errático sobre o asfalto aqui e ali repleto de crateras da via que ligava a capital queniana à segunda cidade do país e ao oceano Índico.

Por fim, deixámos de ultrapassar camiões e velhos autocarros e matutus sobrelotados, mesmo assim com dificuldade já que a empresa que empregava John mantinha limitada a 80km/h a velocidade máxima da sua frota de jipes.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, jipes

Vários jipes alinhados observam manadas de elefantes num pântano junto à colina de Normatior

Fim do Asfalto. A Estrada de Savana para o Parque Nacional Amboseli

Aos poucos, embrenhamo-nos numa savana de erva alta e amarelada.

Sempre a trepidar, avistamos os primeiros bandos saltitantes de impalas, pouco depois, avestruzes perdidas na paisagem sem fim e, logo, pequenas manadas de zebras. O padrão de código de barras daqueles asnos zurradores quebrou a palidez que se apoderara da viagem.

A espaços, perscrutamos o horizonte, entre as acácias e gramíneas afins. Tentamos descortinar a silhueta tão altiva quanto dúbia que se impunha a sul, por entre as nuvens carregadas que persistem como legado da época das chuvas.

Até atingirmos o destino final, em vão.

Entretanto, a estrada atravessa prados ensopados e devorados pelos primeiros de muitos elefantes e búfalos que haveríamos de avistar nos dias seguintes. E outros, aquáticos, repletos de velhas árvores apodrecidas, salpicados de aves pernaltas.

Contornamos mais um destes pauis algo tenebrosos e entramos na área florestada do lodge que nos ia acolher. Esticamos as pernas e tratamos do check in e de nos instalarmos numa das suas cabanas de madeira tribais. Pouco depois, também de jantar.

Entre os dois momentos, John pôs a conversa em dia com colegas guias e condutores, num intercâmbio animado das últimas peripécias dos seus itinerários e gamedrives, das observações e acções mais inauditas dos clientes que se viam obrigados a transportar e a apaparicar.

Mais para o fim da noite, negociamos um despertar consentâneo com os horários da bicharada que vínhamos de tão longe para apreciar. Com os geradores da estalagem desligados, ficámos entregues ao negrume africano.

Adormecemos a apreciar os sons distantes – ou nem tanto como isso – produzidos pelas criaturas em redor.

Aurora no Sopé Nevoento do Monte Kilimanjaro

A nova alvorada pouco tardou.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, elefante e Kilimanjaro

Um elefante pasta na planície verdejante no sopé do monte Kilimanjaro.

Obrigou-nos a um levantar contrariado e esforçado que só a água tépida sobre os corpos e o pequeno-almoço aconchegante atenuaram.

Pouco depois de saudarmos o guarda de serviço, transpusemos o portão do lodge e saímos debaixo das copas altivas que o protegia dos elementos.

Durante a noite, a maioria das nuvens do dia anterior tinham migrado para outras paragens. À medida que pulava para cá do horizonte, o sol esparramava-se nos tons quentes de que tínhamos sentido falta na tarde anterior. Estávamos a uma latitude quase equatorial.

Ainda assim, a 1200 metros de altitude, os seus raios de soslaio pouco disfarçavam o frio que se fazia sentir, para mais húmido, devido à muita água que encharcava a planície.

Demos connosco a esfregar as mãos. O frio inesperado poderá ter sido responsável. Mas é mais provável que o tenhamos feito por puro regozijo.

A Visão deslumbrante do Tecto de África

Para diante, a silhueta antes esquiva tinha-se transformado no cone bem definido do monte Kilimanjaro, com o seu cume altivo de 5896 metros salpicado de neve, acima de um aro de nebulosidade resistente.

“Ora, aí está ele!” confirma-nos John. “E logo na vossa primeira manhã! Sabem que há muita gente que aqui fica uma semana ou mais sem o conseguir ver em condições…?!”

Tínhamos o tecto de África pela frente. Nos tempos que passámos no Parque Nacional Amboseli, serviu-nos como principal referência geográfica e fotográfica.

Seguros da sua presença, prosseguimos em busca da fauna prolífica que vivia no vasto sopé norte da maior montanha isolada à face da Terra.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, zebras

Manada de zebras pasta com a silhueta do grande monte Kilimanjaro em fundo.

Joseph Thomson e os Pés de Vento que deram o nome ao Parque Nacional Amboseli

O europeu pioneiro nesta zona remota de África foi o explorador, geólogo e naturalista escocês Joseph Thomson, apelido que seria atribuído à gazela-de-Thomson, também presente em Amboseli.

Thomson tinha como mote “Quem viaja com suavidade, viaja em segurança; quem viaja em segurança, chega longe.”

Muito provavelmente por isso, em 1833, foi o primeiro protagonista da Partilha de África a conseguir entrar no território masai temido conhecido como Empusel, termo do dialecto local maa que definia as planícies salgadas e poeirentas ali encontradas.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, búfalos

Jipe aproxima-se de uma manada de búfalos acompanhada por um bando de garças.

John pertencia à etnia queniana predominante kikuyu mas estava habituado a contactar os masai e quis concretizar-nos melhor o conceito. “Estão a ver lá ao fundo?” pergunta-nos a apontar para uma série de pés-de-ventos perdidos na vastidão.  “É àquilo que os masai chamam Amboseli.”

Thomson avistou o estranho fenómeno vezes sem conta.

O escocês liderou uma expedição ao serviço da Royal Geographical Society que visava encontrar uma rota entre a costa leste de África e a costa setentrional do lago Victoria que evitasse tanto os ferozes masai como os mercadores alemães que competiam pelo domínio daquela região.

No cômputo geral, a expedição de Thomson teve enorme sucesso e as suas observações biológicas, geológicas e etnográficas foram consideradas um contributo significativo.

As Aventuras e Desventuras de Thomson à Conquista do Monte Kilimanjaro

No entanto, o intrépido escocês teve a sua dose de derrotas e desilusões. Foi demasiado ambicioso quando se propôs a conquistar o cume do Kilimanjaro (montanha branca no dialecto maa) em vinte e quatro horas e falhou.

Durante a jornada de regresso ao litoral africano, no último dia de 1883, um búfalo que tentava abater investiu sobre ele e perfurou-lhe uma coxa. Pelo caminho, ainda contraiu malária e padeceu de disenteria.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, búfalos

Búfalos juvenis numa luta pouco séria, em plena savana de Amboseli.

Em 1885, já de regresso à Grã-Bretanha, publicou “Through Masai Land”.

O livro tornou-se um best seller. Inspirou um jovem escritor também conhecedor de África de nome Henry Rider Haggard a escrever o seu próprio romance. “As Minas do Rei Salomão” – que se viria a tornar mundialmente famoso – enfureceu Thomson.

Fora o escocês o primeiro a descrever de forma credível a existência de montanhas nevadas sobre o equador e como ele próprio aterrorizara os guerreiros Masai ao remover os seus dentes falsos e a afiançar-lhes que era magia.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, feiticeiro masai

Sacerdote masai, com o ceptro que o identifica na tribo.

Qual não foi o espanto de Thomson quando, ao ler a obra de Rider Haggard, deu com a descrição de montanhas africanas nevadas.

E com a personagem de Captain Good a fazer o mesmo a uma tribo kukuana recém-imaginada.

Entre os Elefantes e os Hipopótamos do PN Amboseli

O kikuyo John não estava a par de toda esta comoção histórico-literária.

Conhecia o trajecto que as manadas de elefantes percorriam para chegarem à água e aos pastos. “Eles não ficam aqui de noite. Quando se aproxima o pôr-do-sol, juntam-se nos limites do parque. Depois, com a alvorada, regressam em caravanas para passar o dia.”

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, elefantes

Jipe percorre a estrada de terra batida que passa entre o pântano de Enkongo e a colina de Normatior.

Nenhuma outra região do Quénia permite uma aproximação e contemplação dos paquidermes tão recompensadora como Amboseli.

Ali, a quase ausência de vegetação elevada e densa e a abundância de pistas de terra batida permitiu-nos acompanhá-los e fotografá-los de perto, com o bónus de os podermos enquadrar com o Kilimanjaro como cenário de fundo.

Um dos lugares preferidos dos elefantes e hipopótamos são os pântanos de Olokenya e Enkongo Narok, ambos alimentados pelas águas dispersas do rio Sinet.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, elefantes

Elefante fêmea e cria um pouco afundados num pântano ervado e cercados de garças oportunistas.

Atravessamos o segundo a caminho da colina de observação Normatior. Lá os encontramos.

Enormes adultos com crias recém-nascidas, todos eles semi-afundados no lodo escuro a devorar erva em quantidades industriais, na companhia de dezenas de garças oportunistas.

Prosseguimos para o cimo de Normatior, um dos poucos lugares do PN de Amboseli em que é possível sair do veículo e usar as pernas.

Em redor, prevalece a ameaça latente de ataques dos animais selvagens.

O Convívio com o Povo Masai na Colina Normatior

Conquistamos a colina lado a lado com algumas mulheres Masai que, como é apanágio do seu povo, tudo fazem para que não as fotografemos sem antes pagar.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior

Duas mulheres masai sobem ao cume da colina de Normatior, uma elevação com vista privilegiada sobre Amboseli e o Kilimanjaro.

Já no topo, apreciamos a África surreal em redor, desdobrada dos pântanos e prados no sopé até à savana amarelada sem fim e ao maciço imponente do Kilimanjaro.

Entretanto, aproveitamos a oportunidade e convivemos com alguns jovens masai coloridos e elegantes que ali se tinham deslocado para um espectáculo de dança.

Como seria de esperar, também os fotografámos e com eles nos fotografámos.

Esse privilégio teve o seu preço, claro está.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, Mulheres masai

Mulheres nativas desfilam durante um espectáculo de dança levado a cabo com o Kilimanjaro em fundo.

E, por norma, os masai convertem-no em vacas, quantas mais melhor, ou não fossem as vacas a expressão de riqueza que este povo guerreiro e altivo continua a considerar sagrada e suprema.

Não tarda, começaria a escurecer. John deu o sinal e regressámos sem pressas ao lodge.

Chegámos sobre o lusco-fusco. O guia estava cansado da condução que vinha a acumular e recolheu aos seu quarto.

Nós, continuávamos com energia. Transmitimos-lhe que queríamos ficar à entrada do lodge a fotografar o Kilimanjaro durante o anoitecer. “Uhmm, sozinhos não vão ficar de certeza! respondeu-nos de imediato.

Vamos ver como resolvemos isso…”

E o Maratonista e Segurança Masai Philippe

Em três tempos, apareceu-nos com o guarda da entrada do lodge que se prontificou a nos fazer companhia o tempo que fosse necessário. “Na verdade, só vos agradeço, confessou-nos Philippe. Tenho que passar os meus turnos todos enfiado naquela cabine.

É um prazer vir cá para fora e ficar à conversa convosco. Enquanto isso, trato de que não vos aconteça nada. Ainda ontem andava um leopardo a sondar mesmo aqui à frente.”

Phillipe era masai. “Além de trabalhar no lodge, sou corredor. Já participei em várias maratonas. Agora estou lesionado e com grande ansiedade de voltar a treinar.

“Onde treino?” respondeu-nos satisfeito pelo interesse. “Costumo treinar aqui mesmo nestas estradas e trilhos em redor. A nós masais, os leões não nos costumam atacar. Eles temem-nos.”

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, silhuetas masai

Jovens masai sobem a colina de Normatior, um dos seus pontos de observação da planície de Amboseli e do Monte Kilimanjaro favoritos.

Antes que o frio e a fome nos vencessem, ainda continuámos uns bons quarenta minutos a falar da tribo corredora rival kalenjin, aquela que mais corredores de sucesso dá ao Quénia e cujo nome a cadeia Decathlon deu a uma das suas linhas de equipamento desportivo.

Já com o ocaso a sobrepor-se ao horizonte, falamos do predomínio queniano no atletismo de meio-fundo mundial e de tantos outros assuntos.

Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, pôr do sol

Veículos atravessam o PN Amboseli durante um pôr-do-sol exuberante.

Até que o firmamento se instalou em pleno sobre a savana e sobre o Kilimanjaro e a fome e o frio nos obrigaram a recolher ao interior da estalagem.

PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Cidades
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Cultura
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Em Viagem
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Silhuetas Islâmicas
Étnico

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
História
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Ilhas
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
vale profundo, socalcos arroz, batad, filipinas
Natureza
Batad, Filipinas

Os Socalcos que Sustentam as Filipinas

Há mais de 2000 anos, inspirado pelo seu deus do arroz, o povo Ifugao esquartejou as encostas de Luzon. O cereal que os indígenas ali cultivam ainda nutre parte significativa do país.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Casinhas miniatura, Chã das Caldeiras, Vulcão Fogo, Cabo Verde
Parques Naturais
Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã “Francês” à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Campeche, México, Península de Iucatão, Can Pech, Pastéis nos ares
Património Mundial UNESCO
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Praias
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Sociedade
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES