Monteverde, Costa Rica

O Refúgio Ecológico que os Quakers Legaram ao Mundo


Tilaran na névoa
Névoa provinda do lado caribenho da Costa Rica cobre a floresta da Cordilheira de Tilaran.
Motmot molhado
Um motmot pousado à chuva.
Caminhada à Chuva
Visitantes percorrem um dos muitos trilhos da da Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Ponte Suspensa
Uma das pontes suspensas que cruzam a floresta nas encostas da Cordilheira de Tilaran.
Macacos-aranha
Macacos-aranha saltam de galho em galho, na Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Ancião Juvenil
Don Juan, proprietário de uma fazenda cafeeira de Monteverde.
Lianas
Lianas balançam ao vento, junto à entrada da Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Quetzal
Um quetzal repousa sobre um tronco musgoso da Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Ocaso sobre o Pacífico
Ocaso doura o panorama do lado Pacífico da Costa Rica.
Tarântula
Espécime exuberante de tarântula, uma espécie abundante na Costa Rica.
Veios da Floresta
Árvores musgosa fortemente irrigada pela humidade constante da floresta no cimo da Cordilheira de Tilaran.
Bromélia
Bromélia resplandecente desponta de um tronco da Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Bicho-pau
Um dos insectos mais excêntricos presentes na Costa Rica.
Ocaso
Visitantes de Monteverde fotografam o pôr-do-sol exuberante sobre o lado Pacífico da Costa Rica.
Degrau a Degrau
Caminhantes descem um dos muitos trilhos da Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde.
Desiludidos com a propensão militar dos E.U.A., um grupo de 44 Quakers migrou para a Costa Rica, nação que havia abolido o exército. Agricultores, criadores de gado, tornaram-se conservacionistas. Viabilizaram um dos redutos naturais mais reverenciados da América Central.

A viagem a partir do sopé oeste do vulcão Arenal teria levado metade do tempo não fosse a selva que se estende para sul da montanha, por centenas de quilómetros da província de Alajuela.

Até hoje, o asfalto está por a tocar. A existirem, as estradas de terra batida mal se percebem no mapa.

É a razão porque inauguramos a jornada pelo norte do lago, aos esses e aos altos e baixos a que o relevo das margens nos sujeitava.

A ruralidade dos cenários intensifica-se, aqui e ali, entrecortada por povoações desfasadas da modernidade.

Detidos numa operação stop, a conduzirmos de sorvete a derreter nas mãos, sentimos o quanto se acanhava a jovem agente por se confrontar com forasteiros sabe-se lá de onde. “Sigan, sigan!” despacha-nos em três tempos, ao verificar o exotismo dos passaportes.

Continuamos a ondular pelos prados ora verdejantes ora secos, dourados pela iminência do ocaso.

Cruzamo-nos com camponeses sobre grandes tractores e com os vaqueiros da Costa Rica, os seus pitorescos sabaneros.

À medida que nos acercamos de Santa Elena – a povoação que precedia o destino final – aproximamo-nos também do imaginário da era dos seus colonos pioneiros.

O Abandono dos Estados Unidos Militaristas

Na viragem para a segunda metade do século XX, viviam na região umas poucas famílias. Longe de o puderem supor, em 1950, receberam a companhia de um grupo de Quakers.

Durante a década de 40, confrontados com o alastrar da 2ª Guerra Mundial, os Estados Unidos desenvolveram a sua indústria bélica a um nível inaudito.

Contra a sua vontade, forçaram os homens Quaker ao serviço militar, aprisionando, inclusive, alguns dos que o recusavam.

Como resultado, num encontro no Alabama, uma comunidade de 44 elementos de uma povoação denominada Fairhope deliberou que, como objectores de consciência, deveriam abandonar os E.U.A.

Por essa altura, tinham-se inteirado, via imprensa, de que o Presidente da Costa Rica convidava estrangeiros motivados a desenvolverem o país, atractivo a dobrar para os Quakers, se tivermos em conta que a Costa Rica abdicara do seu exército.

Após seis meses a viverem na capital San José, em prospecção de um lugar para se instalarem, descobriram a zona de Santa Elena e do Cerro Plano, a mesma por que continuávamos a ziguezaguear, às tantas, por estradas cobertas de lama seca e avermelhada, disseminada por enxurradas.

Monteverde, o Refúgio Pacifista em que se Instalaram os Quakers do Alabama

Dos sucessivos altos e baixos, passamos a subir à séria. Mais e mais, para os 1400m de altitude de Monteverde, rumo às terras que os Quakers adquiriram acima das dos proprietários pioneiros, algumas, a eles compradas.

Os Amigos retalharam em redor de 1400 hectares em quintas familiares, ligadas por propriedades comunitárias, casos da escola, da Casa de Reunião (erguida em 1957) e de uma fábrica de queijos em que investiram.

Muitos deles não eram sequer agricultores no Alabama. Ainda assim, os seus esforços solidários asseguraram-lhes um ansiado sucesso.

Monteverde, Costa Rica, quakers, Reserva Biológica Bosque Nuboso, Don Juan

Don Juan, proprietário de uma fazenda cafeeira de Monteverde.

Não se ficaram por aí.

Estradas 606 e 620 acima, cruzamos Santa Elena.

Logo, ascendemos a Monteverde, hoje, uma povoação enfiada num vale profundo, com um casario pouco elegante que, justificado sobretudo pelo vigor do turismo, se expande pelas encostas envolventes.

A Monteverde Excêntrica dos Nossos Dias

Instalamo-nos num hotel cercado de floresta. Lá nos observam tucanos, motmots (no Brasil, udus), colibris e tantas outras aves.

Visitam-nos ainda mapaches, guaxinins determinados que, à hora do pequeno-almoço percorrem os terraços e varandas atraídos pelos distintos aromas.

Da nossa varanda, de outras partes da povoação, inteiramo-nos da peculiaridade orológica e meteorológica de Monteverde, de Santa Elena e da zona entre ambas.

Instalamo-nos numa esplanada humilde. Saboreamos mais um casado, o prato nacional da Costa Rica, composto de arroz, feijão, banana assada ou tostones, neste caso, banana em fatias fritas.

Durante o repasto, apreciamos como caravanas de nuvens fluíam a grande velocidade pela crista da Cordilheira de Tilaran e como, a espaços, as rajadas de vento se apoderavam das suas gotas e, malgrado a distância, nos borrifavam.

Cordilheira de Tilaran e a Crista que Separa as Caraíbas do Pacífico da Costa Rica

Percebemos, melhor, que estávamos a oeste e um pouco abaixo dessa mesma crista que, na prática, ali separa o lado caribenho da Costa Rica, do Pacífico.

Testemunhamos como as montanhas de Tiraran retinham os ventos húmidos soprados do Atlântico, transformados em tempestades ciclónicas ou em mera chuva.

À chegada da comunidade Quaker, já esse padrão meteorológico se provara determinante.

De tal maneira que, apesar de arrasarem vastas áreas de vegetação para pastos e cultivo, os Quakers compreenderam que deviam preservar a floresta nos cumes da cordilheira.

Era de lá que os cursos de água que usavam nas suas propriedades e casas fluíam para o rio Guacimal. Não se podiam dar ao luxo de os perder.

Watershed Property: a Reserva Quaker precursora das Reservas Costarriquenhas

De acordo, estabeleceram que cerca de um terço (554 hectares), dos que haviam adquirido, integrariam uma tal de Watershed Property, à época, uma das primeiras reservas das muitas actuais da Costa Rica.

A Watershed Property e a crista de Tilaran daquelas partes viriam a revestir-se de interesse adicional.

Decididos a irmos directo ao que mais interessava em Monteverde, na manhã seguinte, damos entrada na sua Reserva Biológica Bosque Nuboso. Lá nos recebe Juan Ramón Cano Corrales, um jovem guia.

Até quase à recepção, o tempo mantém-se estável. Quando nos internamos e subimos a encosta, intensificam-se a ventania e a chuvada que tínhamos constatado à distância.

Incursão na Reserva Biológica Bosque Nuboso de Monteverde

À conversa, embrenhamo-nos na floresta de chuva, enevoada, repleta de musgos ensopados, de lianas balouçantes e das raízes exuberantes com que as enormes figueira-da-índia e outras árvores gigantescas se agarravam ao solo saturado.

Detemo-nos num dos varandins instalados nos lugares em que se revela com frequência a ave estrela da reserva, uma das mais procuradas da Costa Rica.

Experiente nessa missão, Juan Ramon avista e revela-nos um quetzal, de plumagem exuberante e bico quase todo coberto pelas penas fartas. Fotografamo-lo, até mesmo a sacudir a água que sobre ele se acumulava.

Em seguida, prosseguimos para o Mirador da Ventana em que desembocava o trilho, em dias de bonança, revelador da vastidão da cordilheira a oriente, do vulcão Arenal e até dos contornos do Mar das Caraíbas.

Pelo caminho, passamos sob um gangue curioso de macacos-aranha que saltavam de galho em galho numa das suas abundantes rotas arbóreas.

Cruzamo-nos com mariquitas-de-crista-vermelha que nos acompanharam os passos por dezenas de metros a fio, a razão porque os ticos tratam a espécie por Amigo del Hombre.

Chegados à tal ventana destino final, tal como esperado, o panorama resume-se a névoa. Conversa puxa conversa, Juan Ramón surpreende-se com o nosso interesse com os colonos antepassados.

Explica-nos tudo o que pode sobre os quakeros, inclusive, a preponderância que tiveram na sua adorada profissão.

Da Watershed Property ao Conservacionismo de Monteverde

A partir de 1960, incitados pela presença de moradores anglófonos e pela riqueza biológica da Serra de Tilaran e da Costa Rica, afluíram a Monteverde biólogos e outros cientistas, apostados em avistarem espécies raras, exóticas ou simplesmente procuradas, casos do quetzal e do sapo-dourado.

Anos mais tarde, instalaram-se, em Monteverde, George e Harriett Powell, estudantes de biologia e conservacionistas.

O casal apercebeu-se da rapidez com que, malgrado o estabelecimento da Watershed Property, a floresta em redor desaparecia.

Harriett e George começaram a angariar dinheiro nos E.U.A., em parceria com uma organização de pesquisa científica de San José e até com World Wide Fund for Nature.

Tinham como objectivo comprarem o que restava da floresta, antes que os colonos a pudessem cortar.

Desse e doutros esforços, resultou uma nova reserva de 328 hectares.

Os Powell e o Quaker tornado conservacionista Wolf Guindon apostaram em sensibilizar e envolver a comunidade Quaker e outros agentes governamentais e privados.

Quando o conseguiram, a reserva aumentou de forma substancial. Hoje extravasa e muito a Reserva Biológica Bosque Nuboso que calcorreávamos.

 

Com cerca de 22.500 hectares, a tal vastidão que lograram proteger recebeu o nome de Bosque Eterno de Los Niños.

É, nem mais nem menos, que a grande floresta tropical intocada que nos obrigou a circundar o lago Arenal.

Artigo realizado com o apoio de:

JUMBO CAR COSTA RICA

https://en.jumbocar-costarica.com/?utm_source=got2globe

Código JUMBOCOSTARICA =  -10% em todas as reservas, até 31-12-2022

PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Miravalles, Costa Rica

O Vulcão que Miravalles

Com 2023 metros, o Miravalles destaca-se no norte da Costa Rica, bem acima de uma cordilheira de pares que inclui o La Giganta, o Tenório, Espiritu Santo, o Santa Maria, o Rincón de La Vieja e o Orosi. Inactivo no que diz respeito a erupções, alimenta um campo geotermal prolífico que amorna as vidas dos costarriquenhos à sua sombra.
PN Tortuguero, Costa Rica

Tortuguero: da Selva Inundada ao Mar das Caraíbas

Após dois dias de impasse devido a chuva torrencial, saímos à descoberta do Parque Nacional Tortuguero. Canal após canal, deslumbramo-nos com a riqueza natural e exuberância deste ecossistema flúviomarinho da Costa Rica.
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname
Cidades
Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos

Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Indígena Coroado
Cultura
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Em Viagem
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Étnico
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.
Ilhas
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Natureza
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mini-snorkeling
Parques Naturais
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Património Mundial UNESCO
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário
Religião
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.