Oulu, Finlândia

Oulu: uma Ode ao Inverno


Ponto de Encontro
Pikasaari
Encalho Gelado
Combustível para Gelo
Ciclista na Penumbra
Toripollisi
O Mercado Municipal
Oulu Nevada
Passagem do Tempo
Caminhada a Frio
Par a Par
Rio Oulu gelado
Frigidez sem Prioridade
Direcção de Pikisaari
Sku a 2
Tietomaa, o Centro de Ciência
Encontro com o Toripollisi
Catedral Luterana
Um Reflexo Solarengo
Monumento ao Frio
Situada no cimo nordeste do Golfo de Bótnia, Oulu é uma das cidades mais antigas da Finlândia e a sua capital setentrional. A meros 220km do Círculo Polar Árctico, até nos meses mais frígidos concede uma vida ao ar livre prodigiosa.

É sábado à tarde. Chegamos de Kemi e de uma curta, mas memorável viagem no seu reputado quebra-gelo “Sampo.

Nem sequer muito tarde, excepto para o grande astro que, nestas latitudes extremas da nação suomi, sem sinal da Primavera, se prepara para sair de cena.

Pelas quatro da tarde, o mercado municipal e histórico de Oulu está prestes a fechar.

Do outro lado da rua gelada, dois adolescentes aconchegados em parkas, aproveitam uma das raras ladeiras da cidade.

Repetem descidas de sku que os deixam a meio da praça em frente, a salvo do trânsito que por ali não passa ou, se passa, é velocípede e contido.

O Polícia e outras Estátuas de Bronze de Oulu

Nas imediações, destaca-se “Toripolliisi” um pitoresco polícia anafado de bronze, erguido por Kaarlo Mikkonen, em 1987, como homenagem das gentes de Oulu à patrulha policial que, de 1934 a 1979, manteve a ordem na Praça do Mercado circundante.

Oulu desenvolveu uma admiração particular por estátuas de bronze que, como tal, abundam.

Enquanto deambulamos pelo parque Maria Silfvan, deparamo-nos com uma outra: “Passagem do Tempo”.

Nesta, trinta e duas personagens semi-afundadas em neve e em fila sobre um pedestal de granito, simbolizam, como indica o nome da obra, a história e a evolução civilizacional de Oulu.

No extremo frontal, a seguir a um executivo de telemóvel no ouvido, detectamos uma criança sentada sobre o limiar do pedestal, pernas para baixo.

À boa maneira de Oulu, os moradores preocupam-se com a sua exposição ao Inverno frígido.

Alguém tricotou e lhe vestiu miniaturas de um gorro cinzento e de uma camisola de malha tradicional, vermelha e branca.

Com o passar do tempo, fruto da aspereza do clima, as gentes de Oulu tornaram-se hipercriativas e sérias apreciadoras de arte.

De que outra forma se explicaria que Oulu organiza, Agosto após Agosto, o mais notório campeonato mundial de Air Guitar à face da Terra?

Temperaturas Negativas, Gelo e Muito Ciclismo

As temperaturas negativas e o ocasional vento de que os moradores protegeram a criança de bronze até podem alisar e, aqui e ali, tornar o solo de Oulu escorregadio.

Estão longe de demover os milhares de ciclistas residentes de pedalar.

Andar de bicicleta advém, aliás, de uma já longa tradição local de simplicidade, modéstia e de contacto directo com a Natureza que envolve e, amiúde, intimida a cidade.

Oulu, a Cidade Fundada sobre a Foz do Rio Oulu

Situada onde o rio homónimo desagua no Golfo de Bótnia, o baptismo de Oulu terá tido inspiração no termo Sami que definia as águas fartas e rápidas que se seguiam ao degelo da Lapónia e que galgavam as margens vezes sem conta.

Oulu, a urbe, preserva, hoje, o fluxo do rio bem mais controlado, mas mantém-se plana. Tem o seu ponto sobranceiro em Yliliiminki, a meros 135 metros de altitude.

A maior parte do seu casario secular assenta uns poucos metros acima do caudal (então) semi-solidificado do rio, a torre da catedral luterana amarelo-torrada e a do centro de ciência Tietomaa, bem acima de qualquer outro telhado.

Uma série de ilhas servem de obstáculo ao caudal no seu caminho rumo ao Golfo de Bótnia. Contam-se, entre outras, Linnansaari e Lammassaari, Kuusisaari e Pikisaari.

Estas quatro, são complementos incontornáveis da Oulu continental. Ligam-nas pontes-estradas ou pontes simplificadas pensadas para o fluxo exclusivo de peões e suas bicicletas.

Ao cirandarmos pela orla da cidade, damos com uma bomba de combustível elementar, colocada no limiar de uma margem, de forma a abastecer, não carros, mas as embarcações que, na época apropriada, por ali navegam.

 

Nessa altura enrregelante, todos os barcos estavam guardados e protegidos em doca seca.

Todos, menos um veleiro esquecido, dignitário imobilizado da excepção.

Oulu cidade, Finlândia, veleiro no geloA temporalidade do gelo e do degelo de Oulu vem de há muito.

Não obstou a que a cidade se tornasse um dos polos comerciais fulcrais destas paragens, a quinta mais populosa da Finlândia e, ainda mais notório, com os seus 214 mil habitantes, a quarta maior cidade do Mundo na latitude a que se situa, ultrapassada apenas por três urbes russas, a começar pela inusitada Murmansk.

O delta do rio Oulu era há muito habitado e frequentado pelos povos Sami da Lapónia quando, em 1605, o rei Carlos IX da Suécia ditou que ali devia ser erguido um entreposto comercial, sob a proteção de um forte que defendia a ilha de Linnansaari.

Do Reino da Suécia à Independência de 1917

À época, o reino da Suécia tinha como principal rival o da Rússia. Ora, Carlos IX só deliberou pela fundação de Oulu após um tratado de paz lhe ter assegurado que, pelo menos tão cedo, os Russos não usariam o rio Oulu como via de ataque ao território sueco.

Durante mais de dois séculos, Oulu esteve a salvo dos Russos. Isto, se tivermos em conta que, malgrado o tal tratado de paz com a Suécia, os Russos submeteram a Finlândia a um Grande Ducado, no papel, autónomo, na prática, submisso à Coroa Russa.

Enquanto cidade desse Grande Ducado, Oulu veio a soçobrar face a outros riscos e ameaças.

Em 1822, numa altura em que quase todos os edifícios eram feitos de madeira e alcatrão, devastou-a um incêndio descontrolado.

A meio do século XIX, ainda a cidade sofria a renovação da sua grelha, voltou a ser destruída.

Desta feita, pela poderosa e já movida a vapor Armada Britânica que, no contexto da Guerra da Crimeia, a atacou e a várias outras cidades-porto finlandesas que então acolhiam a maioria da marinha-mercante russa.

Dos escombros do incêndio de 1822, aos poucos, Oulu tinha-se reerguido como grande exportadora de alcatrão vegetal.

Ora, durante o seu ataque à cidade, além das embarcações russas, os Britânicos arrasaram ainda as estruturas produtoras desse alcatrão, porque poluentes, concentradas na ilha de Pikisaari (ilha do Alcatrão), tal como várias outras indústrias e os estaleiros da cidade.

A devastação às mãos dos Britânicos votou Oulu a nova demorada recuperação. Nada que a determinação e espírito solidário da aventurosa nação suomi, não resolvessem.

Como veio a resolver, no contexto da conturbada Revolução Bolchevique de Outubro de 1917, a libertação do jugo russo e a sua independência.

Dupla Reconstrução e a Recente Modernização Exemplar

Uma vez mais, aos poucos, Oulu reconstruiu as serrações, os moinhos de celulose e de cereais, os estaleiros, armazéns de pesca, curtumes e fundições que lhe garantiam grandes lucros e a modernizavam.

Como acontece amiúde, na Finlândia, em tempos mais modernos, esse estímulo industrial multifacetado deu azo a um forte investimento em educação, ciência, nas novas tecnologias da informação.

Muitos dos jovens e menos jovens ciclistas com que nos cruzamos nas ruas e passadiços-ponte da cidade são alunos, professores, formadores, cientistas, especialistas em TIs e afins.

Entre os maiores empregadores de Oulu estão a universidade local, a Nokia Networks e o Nokia Group, por si só, sustento de mais de sete mil habitantes.

A sinergia destas empresas e grupos com a Universidade de Oulu é uma das razões mais óbvias para, a partir de 1980, a população local ter praticamente dobrado.

E isto, não será demais voltar a recordá-lo, às portas do Ártico, com temperaturas médias, em Janeiro e Fevereiro, de -12ºC mas que, a qualquer momento, podem descer aos trinta e muitos negativos.

E que, quando frentes polares realmente poderosas invadem o sul, mergulham para próximo do recorde absoluto de Oulu de -41.5º.

Uma Relação Íntima com o Inverno Gelado e com a Natureza

As gentes de Oulu dificilmente se intimidam.

Em vez, mantêm-se fiéis às suas incontáveis voltas de bicicleta, ao jogging, aos treinos de esqui nórdico, à natação de Inverno, aos convívios nas saunas aconchegantes, intercalados com o frio dos avantos (buracos em lagos, rios, mar gelados à superfície) que as complementam.

Pouco mais de 50km ao largo mas ainda dentro da região de Oulu, a grande ilha de Hailuoto proporciona uma deliciosa evasão para uma Finlândia rural e ainda mais natural, imensa e com meros mil habitantes. Também por lá passamos.

Pikisaari: um Reduto Histórico e Insular de Oulu

Verdade seja dita que nem sempre os Ouluenses sentem a necessidade de sair para tão longe.

A umas centenas de metros do cerne histórico da Capital do Norte, Pikisaari há muito que deixou para trás o seu passado industrial e poluente.

Os seus velhos armazéns abrigam, hoje, alguns dos restaurantes sofisticados da cidade.

É lá que almoçamos com Karoliina Pirhonen, anfitriã com visual de pequena boneca barbie, loira, como tantos outros finlandeses.

Karoliina confessa-nos que está com vontade de sair uns tempos para o Mediterrâneo, onde possa ir à praia e fazer umas compras diferentes do que está habituada.

Mesmo viajada, seria coisa de férias. Nascida e criada em Oulu, mais frio, menos frio, a privilegiada Oulu dá-lhe sempre vontade de regressar.

Estávamos a cinco meses do próximo campeonato de Air Guitar.

E em completa sintonia.

 

COMO IR

Reserve o voo Lisboa – Helsínquia, Finlândia com a TAP: flytap.com por a partir de 550€.

Avião TAP

De Helsínquia, poderá cumprir a ligação aérea para Oulu, com a Finnair.

 

 

Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum "Barco do Amor". Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Ilha Hailuoto, Finlândia

À Pesca do Verdadeiro Peixe Fresco

Abrigados de pressões sociais indesejadas, os ilhéus de Hailuoto sabem sustentar-se. Sob o mar gelado de Bótnia capturam ingredientes preciosos para os restaurantes de Oulu, na Finlândia continental.
Helsínquia, Finlândia

A Fortaleza em Tempos Sueca da Finlândia

Destacada num pequeno arquipélago à entrada de Helsínquia, Suomenlinna foi erguida por desígnios político-militares do reino sueco. Durante mais de um século, a Rússia deteve-a. Desde 1917, que o povo suómi a venera como o bastião histórico da sua espinhosa independência.
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Porvoo, Finlândia

Uma Finlândia Medieval e Invernal

Uma das povoações anciãs da nação suómi, no início do século XIV, Porvoo era um entreposto ribeirinho atarefado e a sua terceira cidade. Com o tempo, Porvoo perdeu a importância comercial. Em troca, tornou-se um dos redutos históricos venerados da Finlândia.  
Inari, Finlândia

O Parlamento Babel da Nação Sami

A Nação sami integra quatro países, que ingerem nas vidas dos seus povos. No parlamento de Inari, em vários dialectos, os sami governam-se como podem.
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Gelados, Festival moriones, Marinduque, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

Quando os Romanos Invadem as Filipinas

Nem o Império do Oriente chegou tão longe. Na Semana Santa, milhares de centuriões apoderam-se de Marinduque. Ali, se reencenam os últimos dias de Longinus, um legionário convertido ao Cristianismo.
Moscovo, Kremlin, Praça Vermelha, Rússia, rio Moscovo
Cidades
Moscovo, Rússia

A Fortaleza Suprema da Rússia

Foram muitos os kremlins erguidos, ao longos dos tempos, na vastidão do país dos czares. Nenhum se destaca, tão monumental como o da capital Moscovo, um centro histórico de despotismo e prepotência que, de Ivan o Terrível a Vladimir Putin, para melhor ou pior, ditou o destino da Rússia.
fogon de Lola, comida rica, Costa Rica, Guapiles
Comida
Fogón de Lola, Costa Rica

O Sabor a Costa Rica de El Fogón de Lola

Como o nome deixa perceber, o Fogón de Lola de Guapiles serve pratos confeccionados ao fogão e ao forno, segundo tradição familiar costarricense. Em particular, a família da Tia Lola.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Cultura
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Creel, Chihuahua, Carlos Venzor, coleccionador, museu
Em Viagem
Chihuahua a Creel, Chihuahua, México

A Caminho de Creel

Com Chihuahua para trás, apontamos a sudoeste e a terras ainda mais elevadas do norte mexicano. Junto a Ciudad Cuauhtémoc, visitamos um ancião menonita. Em redor de Creel, convivemos, pela primeira vez, com a comunidade indígena Rarámuri da Serra de Tarahumara.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Étnico
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
História
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Tambores e tatoos
Ilhas
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Luzes VIP
Natureza
Ilha Moyo, Indonésia

Moyo: Uma Ilha Indonésia Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Bwabwata Parque Nacional, Namíbia, girafas
Parques Naturais
PN Bwabwata, Namíbia

Um Parque Namibiano que Vale por Três

Consolidada a independência da Namíbia, em 1990, para simplificarem a sua gestão, as autoridades agruparam um trio de parques e reservas da faixa de Caprivi. O PN Bwabwata resultante acolhe uma imensidão deslumbrante de ecossistemas e vida selvagem, às margens dos rios Cubango (Okavango) e Cuando.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Património Mundial UNESCO
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
vista monte Teurafaatiu, Maupiti, Ilhas sociedade, Polinesia Francesa
Praias
Maupiti, Polinésia Francesa

Uma Sociedade à Margem

À sombra da fama quase planetária da vizinha Bora Bora, Maupiti é remota, pouco habitada e ainda menos desenvolvida. Os seus habitantes sentem-se abandonados mas quem a visita agradece o abandono.
Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Sociedade
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.