Ilha do Pico, Açores

A Ilha a Leste da Montanha do Pico


Monumento ao Balaieiro
Estátua do baleeiro em frente ao museu dedicado à actividade de São Roque do Pico.
Lagoa do Capitão
Nuvens cobrem o cimo do Pico, além da lagoa do Capitão.
Igreja acima das Lajes do Pico
Igreja Matriz das Lajes do Pico, destacada acima da povoação.
Farol da Ponta
O Farol da Ponta da Ilha, que ilumina e sinaliza o sudeste do Pico à navegação.
Vista da Igreja de Lajes
O largo e rua em frente à igreja de Lajes do Pico.
Lajes do Pico, de longe
A povoação de Lajes do Pico, vista da encosta sul da ilha.
Caminho com vista para o Pico
Morador percorre a marginal de Lajes do Pico.
Missa em Lajes
Crentes reunidos numa missa da igreja de Lajes do Pico.
Moinho Mourricão
Um dos vários moinhos tradicionais da ilha do Pico.
O Museu da Indústria Baleeira
O actual Museu da Indústria Baleeira, na antiga fábrica de processamento.
Trilho da Lagoa do Capitão
Caminhantes percorrem um trilho nas imediações da Lagoa do Capitão.
Estátua do Balaieiro
Estátua de um Balaieiro em frente ao Museu da Indústria Baleeira.
São Roque do Pico
O casario de São Roque do Pico no fundo da encosta noroeste da Ilha do Pico.
Mar de São Roque
Onda rebenta contra um pontão de São Roque do Pico.
Gado & Nevoeiro
Sinal de Trânsito junto ao desvio para a Lagoa do Capitão.
Gado na neblina
Vaca num prado do oeste da ilha do Pico.
Vacas na Neblina
Vacas barram a passagem ao trânsito na neblina do cimo da ilha.
Pasto Íngreme
Gado a pastar equilibrado numa vertente íngreme da ilha.
Vinha e Bananal da Calheta
Muros, vinha e bananal junto a Calheta de Nesquim.
Lajes do Pico e o vulcão
Casario de Lajes do Pico, com a montanha em fundo.
Por norma, quem chega ao Pico desembarca no seu lado ocidental, com o vulcão (2351m) a barrar a visão sobre o lado oposto. Para trás do Pico montanha, há todo um longo e deslumbrante “oriente” da ilha que leva o seu tempo a desvendar.

Era a segunda vez que nos dedicávamos à ilha do Pico. Tal como na primeira, cumprimos a travessia de ferry a partir da cidade da Horta, do outro lado do canal.

Da primeira vez, sujeitos a apenas dois dias, concentramos esforços nas prioridades: conquistar o cume do vulcão Pico.

Com o tempo e energia que sobrasse, desvendaríamos as vinhas peculiares da ilha, as espraiadas entre o sopé oeste da montanha e o canal.

Sacrificámos algumas horas de sono e de recuperação do esforço de subir ao tecto de Portugal. Ainda conseguimos descer às profundezas de lava da Gruta da Torre e dar um ou dois outros pulos rápidos a lugares ausentes dos planos iniciais.

Dois dias não davam para mais. Partimos com uma noção frustrante do tanto que deixávamos por conhecer que embarcámos de volta ao Faial.

Quatro anos depois, regressamos. Com as prioridades da conquista do vulcão e as vinhas da ponta oeste da ilha já antes resolvidas, favorecidos por uma estadia bem situada, aproveitamos para explorar o “lado de lá” da montanha suprema de Portugal.

Encosta da Montanha do Pico Acima, em Busca da Lagoa do Capitão

De acordo com o novo itinerário, mal nos vimos com o carro alugado resolvido, apontamos à Lagoa do Capitão, um reduto natural tão emblemático como incontornável do Pico.

A estrada faz-nos ascender boa parte da vertente ocidental do vulcão e, depois, contorná-lo pelo seu norte.

A determinada altura, com o cume da montanha à direita, a EN 3 aplana. Submete-se a uma longa recta, a espaços, semi-afundada em prados que a chuva e a humidade trazida pela nortada ensopam e fazem viçosos.

O Verão tinha deixado os Açores havia quase um mês. No ainda mais imprevisível Outono do arquipélago, a meteorologia cumpria os seus preceitos. Molhava-nos uma chuva miúda.

Arrepiava-nos uma névoa grisalha e cerrada que fazia do caminho um mistério.

Percorremo-lo, assim, em câmara lenta.

Às tantas, retidos por um par de vacas, demasiado indolentes ou soberbas para nos darem passagem.

Decorridos quase cinco minutos, numa secção em que a berma da estrada baixava, suas excelências bovinas dignam-se, por fim, a desviar-se.

Umas centenas de metros adiante, detectamos a saída para a lagoa.

A via perpendicular estreita. Sulca um prado vasto preenchido por lombas, leito de riachos, de corgas, de poças e de musgos esponjas.

De formas de água mil que matam a sede à floresta residente de cedros-do-mato retorcidos e ao gado bovino que sarapinta o verde sem fim.

A via desemboca na beira da lagoa. Confronta-nos com um bando de patos negros em óbvio deleite balnear.

Dali, com uma brisa intensa a erradicar qualquer hipótese de espelho de água e o cimo do Pico coberto, examinamos as nuvens que o envolviam, na esperança de que, em breve, a caravana em que fluíam nos prendasse com uma aberta.

No entretanto, metemo-nos por um caminho de terra avermelhada.

Afastamo-nos no encalço de uma crista ervada de onde estimávamos conseguir uma boa perspectiva da lagoa com o Pico sobranceiro.

Quando lá chegamos, entre troncos e ramos dos prolíficos cedros-do-mato, confirmamos a vista desejada.

E uma outra, sobre o norte da ilha, o estreito abaixo e a longilínea vizinha São Jorge a abreviar o horizonte.

Naquele cimo limiar, castigados por um vento bastante mais forte, desvendamos o itinerário das nuvens noutra amplitude.  Concluímos, em três tempos, que só por milagre o cume do Pico se revelaria.

De acordo, viramo-nos para São Jorge.

Acompanhamos a navegação do ferry que liga as duas ilhas. Apreciamos o casario alvo de São Roque, destacado nuns fundos longínquos da vertente a nossos pés.

A Vila ex-Baleeira de São Roque

Quarenta minutos depois, damos entrada na vila.

Os colonos que a povoaram após a fundação do início do século XVI, aproveitaram o potencial agrícola de São Roque tanto quanto podiam.

De tal maneira que, decorridas algumas décadas, o concelho já exportava trigo e pastel para a Metrópole.

Com o passar do tempo, a caça baleeira conquistou o arquipélago açoriano. Em São Roque, em particular, tornou-se fulcral.

Marcou de tal maneira o concelho que as suas gentes lhe dedicaram todo um Museu da Indústria Baleeira, instalado na antiga Fábrica de Vitaminas, Óleos, Farinhas e Adubos.

Todos estes produtos eram gerados a partir de matéria-prima dos cetáceos, processada nas grandes caldeiras e fornalhas que vemos expostas e que fazem do de São Roque, um dos museus baleeiros mais conceituados do Mundo.

São Roque tem lugar para duas estátuas proeminentes. Uma delas, oferecida pela Câmara Municipal de Lisboa, homenageia D. Dinis.

A outra, de bronze pardo, encontramo-la em frente ao museu, quase sobre o mar.

Exibe um baleeiro na proa de um pequeno barco, a suster um arpão em riste, na direcção das águas do Atlântico em que os homens arpoavam o principal sustento da povoação.

 

Do Norte ao Sul da Ilha, à Descoberta de Lajes do Pico

Foi o que fizeram, com igual preponderância, os da vila antípoda da ilha, Lajes do Pico.

Lajes é detentora do seu próprio Museu dos Baleeiros e de um Centro de Artes e Ciências do Mar, ambos instalados na antiga Fábrica da Baleia local.

Coincidência ou não, é para lá que nos mudamos, numa viagem de monumental sobe e desce.

Por uma manta de retalhos de minifúndios murados, verdes e cada vez mais íngremes, onde as vacas frisias devoram erva numa espécie de tracção acrobática.

Por altura de Silveira, para lá de um desses muros e de uma sebe de Cedros do Mato juvenis, avistamos, por fim, Lajes.

Como o nome indicia, o seu casario surge organizado sobre uma superfície desafogada de lava quase anfíbia, parte de uma baía que termina numa tal de Ponta do Castelete.

Algures entre essa ponta e a derradeira ladeira para a povoação, recuperamos a visão da montanha do Pico.  aguçado e destacado como nunca o tínhamos visto, acima do recorte arredondado que a ilha ali assume.

À imagem do sucedido na Lagoa do Capitão, voltamos a fartar-nos de aguardar que o Pico nos revelasse o seu Pico.

Constatamos que, a espaços, o sol incidia nas fachadas brancas e telhados ocres da povoação, como ditavam os preceitos católicos, coroada pelas torres simétricas da Igreja da Santíssima Trindade, a igreja matriz da vila.

Quando por lá passamos, decorre uma missa.

A concentração de fiéis no templo contribui para a sensação de que, finda a época alta do estio, são poucos os forasteiros de visita, apenas uns poucos a cirandar pela grelha de ruas entre o Clube Náutico e a piscina natural.

Instalou-se, por ali, a nata dos negócios das Lajes, de empresas de observação de cetáceos, ao mais humilde restaurante.

A luz solar incidia, na esplanada avançada de um deles.

Resplandecente apesar de a hora de almoço ter há muito passado.

O estímulo desse aconchego térmico evita que nos percamos em hesitações. Sentamo-nos decididos a saborearmos a devida refeição.

“Olá, bom dia, tudo bom? Já vos trago um menu.” saúda-nos e sossega-nos, com forte sotaque afrancesado, uma jovem expatriada, pela correcção gramatical do português, diríamos que radicada há algum tempo.

Demoramos o tempo que nos levou o saborearmos as sopas, os peixes grelhados e o calor que, aos poucos, nos tostava a pele.

Conscientes de como o Pico era sempre demasiado extenso para os dias que lhe dedicávamos, passeamo-nos só um pouco pelas ruas e ruelas da vila.

A do Saco, a da Família Xavier. Já em busca do carro, a Rua dos Baleeiros, uma vez mais com o porto, a enseada e o vulcão Pico por diante.

De Lajes do Pico à Ponta Oriental da Ilha

Regressamos à estrada, então, apontados à espécie de seta geológica que encerra a ilha a oriente.

Contornamos a Ponta da Queimada, o ponto mais a sul do Pico, dotado de uma torre de vigia de baleias emblemática.

Passamos por Ribeiras. Uns meros quilómetros depois, na iminência da Cascalheira, cortamos na direcção do Atlântico. Sempre a descer, claro está, damos entrada na freguesia de Calheta de Nesquim.

Calheta de Nesquim, uma Povoação que se Impôs à Gravidade e à Lava

Já nos tinham gabado esta povoação, como uma das mais peculiares da ilha.

Ao admirarmos a harmonia com que os seus moinhos “flamengos”, o casario destemido na vertente e as vinhas e outras plantações se haviam adaptado ao cenário lávico rude, sentimo-nos na obrigação de concordar.

Essa anuência atingiu um pleno à entrada do porto diminuto da Calheta, ao apreciarmos como a igreja semi-barroca de São Sebastião se sobrepunha à doca.

Como assegurava uma bênção divina constante aos pescadores da aldeia que dali zarpam a arriscar as vidas.

Ilha do Pico, a oeste da montanha, Açores, Calheta de Nesqui,

A Igreja de Calheta de Nesquim a abençoar as embarcações que usam o pequeno porto da povoação.

Com o dia solar, não tarda a encerrar-se, seguimos viagem. Passamos Feteira. Progredimos pelo sul do Pico, logo acima das baías de Domingos Pereira e da Fonte.

O Farol que Sinaliza e Ilumina o Extremo Leste do Pico

À entrada desta última, apanhamos o Caminho do Farol.

Uns minutos depois, detectamos o Farol da Ponta da Ilha.

Revelava-se o único edifício digno desse nome.

Ermo num mar de verde arbustivo que despontava do solo vulcânico, até que a densidade da lava e as vagas e o sal da beira-mar lhe sabotavam a expansão, numa Paisagem envolvente que, por possuir elevado “Interesse Regional” conquistou o estatuto de Protegida.

Malgrado a sua localização emblemática, o farol de Manheda, foi um dos últimos a surgir na ilha, apenas em 1946.

Recebeu uma forma de U, com a torre branca e vermelha no fundo-central da letra. E, como é habitual nos Açores, a restante área concedida às famílias faroleiras que nele têm lar.

Examinamo-lo. Rendemo-nos à estranheza e fotogenia do cenário, também espantados pela abundância de coelhos a saltitar entre os arbustos.

Num ápice, o lusco-fusco apodera-se da ponta leste do Pico. Enquanto uma moradora resgatava roupa estendida do relento marinho, a lanterna no cimo da torre apresentou-se ao serviço da navegação.

ONDE FICAR NA ILHA DO PICO

Aldeia da Fonte Hotel

www.aldeiadafonte.com

Tel:  +351 292 679 500

Ilha do Pico, Açores

Ilha do Pico: o Vulcão dos Açores com o Atlântico aos Pés

Por um mero capricho vulcânico, o mais jovem retalho açoriano projecta-se no apogeu de rocha e lava do território português. A ilha do Pico abriga a sua montanha mais elevada e aguçada. Mas não só. É um testemunho da resiliência e do engenho dos açorianos que domaram esta deslumbrante ilha e o oceano em redor.
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Ilha Terceira, Açores

Ilha da Terceira: Viagem por um Arquipélago dos Açores Ímpar

Foi chamada Ilha de Jesus Cristo e irradia, há muito, o culto do Divino Espírito Santo. Abriga Angra do Heroísmo, a cidade mais antiga e esplendorosa do arquipélago. São apenas dois exemplos. Os atributos que fazem da ilha Terceira ímpar não têm conta.
Ilha das Flores, Açores

Os Confins Atlânticos dos Açores e de Portugal

Onde, para oeste, até no mapa as Américas surgem remotas, a Ilha das Flores abriga o derradeiro domínio idílico-dramático açoriano e quase quatro mil florenses rendidos ao fim-do-mundo deslumbrante que os acolheu.
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Vulcão dos Capelinhos, Faial, Açores

Na Pista do Mistério dos Capelinhos

De uma costa da ilha à opostoa, pelas névoas, retalhos de pasto e florestas típicos dos Açores, desvendamos o Faial e o Mistério do seu mais imprevisível vulcão.
Graciosa, Açores

Sua Graça a Graciosa

Por fim, desembarcarmos na Graciosa, a nossa nona ilha dos Açores. Mesmo se menos dramática e verdejante que as suas vizinhas, a Graciosa preserva um encanto atlântico que é só seu. Quem tem o privilégio de o viver, leva desta ilha do grupo central uma estima que fica para sempre.
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
Pico do Arieiro - Pico Ruivo, Madeira, Portugal

Pico Arieiro ao Pico Ruivo, Acima de um Mar de Nuvens

A jornada começa com uma aurora resplandecente aos 1818 m, bem acima do mar de nuvens que aconchega o Atlântico. Segue-se uma caminhada sinuosa e aos altos e baixos que termina sobre o ápice insular exuberante do Pico Ruivo, a 1861 metros.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Luderitz, Namibia
Cidades
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Verificação da correspondência
Cultura
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Em Viagem
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
História
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Cargueiro Cabo Santa Maria, Ilha da Boa Vista, Cabo Verde, Sal, a Evocar o Sara
Ilhas
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Natureza
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Parques Naturais
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
Em espera, Mauna Kea vulcão no espaço, Big Island, Havai
Património Mundial UNESCO
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Praias
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Sociedade
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.