Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida


De regresso a casa
Cingaleses afastam-se do rochedo de Sigiriya, a velha capital-fortaleza do rei parricida Kashyapa.
Tons budistas
Monges budistas tailandeses exploram o cimo de Sigiriya.
Entre calhaus
Mulher muçulmana aguarda pela família à entrada do Boulder Arch.
Rumo ao cimo
Pequena comitiva de monges budistas avança ao longo dos jardins de água de Sigiriya.
Trânsito complicado
Grupo de cingaleses desce a vertente lateral de Sigiriya, a que permite o acesso ao topo através da escadaria dos leões.
À procura da melhor vista
Visitante explora um recanto repleto de socalcos do topo.
Missão cumprida
Casal regressa ao nível intermédio da fortaleza através da escadaria dos leões.
Outra perspectiva
Aluno interrompe os seus esboços e pinturas de Sigiriya para mudar de posição.
De novo os monges
Monges budistas entram no complexo do palácio real, após uma dolorosa ascenção ao topo de Sigiriya.
Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.

Calhou que, no velho Ceilão, distintos negócios instalados sobre tricycles do estilo APE-50 se passassem a identificar por viciantes melodias electrónicas.

Amanhecera há pouco. O sol esforçava-se por iludir o manto de nuvens que reclamava o firmamento.

Percorríamos a viela rural que ligava o Sigiriya Hostel às imediações da grande montanha de rocha quando uma versão fanhosa da bagatela para piano “Para Elisa” profanou a dedicatória de Beethoven. Cada vez mais intensa e perfurante, a melodia impingiu-se a nós e aos moradores daquelas redondezas tropicais.

Por todo o país, o trigo tem vindo a rivalizar com o arroz. Inúmeros padeiros-motoqueiros aproveitam a tendência e, como aquele que nos ultrapassava, fornecem os lares, casas de chá e restaurantes de pão fresco.

Detemo-nos à conversa com dois outros condutores.

Sigiriya capital fortaleza, Condutores Riquexó

Condutores de riquexó aguardam por clientes numa estação de riquexós próxima de Sigiriya.

Enquanto isso, vindos do sentido contrário, três enormes elefantes conduzidos pelos respectivos tratadores usurpam a estrada, mais altos que o autocarro garrido que ali aguardava por passageiros cingaleses.

A Visão Inaugural da Capital Fortaleza Sigiriya

Avançamos um pouco mais e temos a primeira visão de Sigiriya, da sua vertente sul, destacada no fim de uma longa avenida ladeada de vegetação.

Regressamos ao carro e dizemos a Ari, para nos levar à entrada do complexo. “Directos a Sigiriya, de certeza?” devolve-nos o condutor com o típico “eeh” com que costumava espancar as próprias frases, frustrado com o tempo que tínhamos “desperdiçado” naquela manhã e que lhe atrasara o pequeno-almoço.

Dez minutos depois, já atravessávamos os jardins sumptuosos da velha cidade, uns dos mais antigos espaços ajardinados à face da Terra, divididos em secções de água, de rochas e de terraços que contemplámos à medida que nos aproximávamos do sopé do colosso de granito.

À hora a que chegamos, são ainda poucos os visitantes. Cruzamo-nos com bandos de macacos rufias, com lagartos monitores e até com longas serpentes sibilantes, os répteis a atravessarem os relvados com todo o vagar do mundo.

Sigiriya capital fortaleza: noivos

Noivos em plena sessão fotográfica em frente da fortaleza de Sigiriya.

Para diante, passamos ainda por jovens casais ceilonenses, trajados com requinte e entregues a aprimoradas produções fotográficas.

Do Sopé ao Cimo Alisado do Rochedo Fortaleza de Sigiriya

Internamo-nos na pequena selva que envolve o sopé, passamos pelo Boulder Arch, um túnel natural formado por dois grandes calhaus. Do lado de lá, inauguramos a dolorosa ascensão ao topo.

Sigiriya capital fortaleza: entre calhaus

Mulher muçulmana aguarda pela família à entrada do Boulder Arch.

Por essa altura, tínhamos interrompido a caminhada por várias vezes, umas mais demoradas que outras. De acordo, quando nos fazemos às primeiras escadarias, já estamos na companhia de famílias do Sri Lanka, em êxtase pela descoberta do monumento mais notório do país.

Degrau após degrau, lá damos de cara com a falésia avermelhada e, pouco depois, surpreende-nos num plano acima um guarda que, com uma expressão ternurenta e pachorrenta, nos pede os bilhetes.

Desviamos da verdadeira ascensão por uma escada de caracol fechada por um gradeamento.

A Galeria de Frescos de Mulheres, Exposta na Parede Vermelha de Sigiriya

No fim da espiral, espera-nos uma pequena galeria histórica – noutros tempos terá coberto quase toda a vertente ocidental do rochedo – de frescos de mulheres que segundo teorias rivais podem ser concubinas de Kashyapa I, apsaras (ninfas celestiais).

Sigiriya capital fortaleza: Frescos que se estimam de concubias

Um de vários frescos que integram uma galeria exposta na parede do rochedo de Sigiriya

Ou ainda diversas ilustrações de Tara Devi, a consorte de Avalokitesvara, um ser divino do budismo que opta por se manter na esfera terrena para auxiliar os humanos a atingir a iluminação.

A fazer fé nos relatos do Culavamsa, o registo da vida dos monarcas do Sri Lanka compilado ao longo dos tempos por monges budistas, Kashyapa I precisava de distracções que o salvassem dos demónios do seu passado.

Terá sido de tal forma maquiavélica a sua ascensão ao trono que até Calígula se impressionaria.

A Ascensão ao Trono Maquiavélica do Patricida Kashyapa

Kashyapa era o filho do rei Dathusena e de uma consorte considerada não real. O herdeiro legítimo de Dathusena era o seu meio irmão Mugalan. Mas, em 477 d.C., Kashyapa decidiu adulterar a ordem dinástica. Obteve o apoio do sobrinho de Dathusena que, por conveniência, era um comandante do exército em conflito com o monarca.

Aliados, engendraram um golpe de estado.

Sigiriya capital fortaleza: tons budistas

Monges budistas tailandeses exploram o cimo de Sigiriya.

Ainda segundo o Culavamsa, este mesmo comandante levou Kashyapa a acreditar que Dathusena teria enormes tesouros escondidos. Kashyapa exigiu-os do pai. Dathusena conduziu-o a um grande tanque de irrigação que havia construído.

Ali, transmitiu ao filho que aquele era o único tesouro que possuía. Enfurecido, Kashyapa emparedou o pai até à morte, eventualmente numa das paredes desse mesmo tanque.

Receoso de um fim semelhante, Mugalan fugiu para o sul da Índia.

Sigiriya: uma Capital Fortaleza Assente no Medo

O novo rei, esse, temia o regresso vingativo do irmão. Kashyapa – que passou a ser conhecido pelo povo como o Patricida – mudou a capital da tradicional Anuradhapura para o cimo da rocha que continuávamos a conquistar.

A galeria de frescos está instalada numa zona côncava da vertente sem saída. É controlada por um outro funcionário sentado numa pequena secretária que impõe aos visitantes a proibição de fotografar as imagens.

Regressamos ao caminho principal e percorremos o que faltava da longa vertente oeste. Quando chegamos ao vértice com a face norte, cai água do topo. Esse inesperado chuveiro dinamiza o desafio de vencer nova escadaria de pedra.

Sigiriya capital fortaleza: trânsito complicado

Grupo de cingaleses desce a vertente lateral de Sigiriya, a que permite o acesso ao topo através da escadaria dos leões.

Como se não bastasse, a determinada altura deparamo-nos com uma placa que alerta para a presença de vespas nos paredões acima e roga aos visitantes que não criem agitação. O aviso é mais que justificado.

Num passado pouco distante e em várias ocasiões, visitantes irrequietos despertaram a ira daqueles insectos. As vespas responderam com ataques coordenados e causaram graves danos.

A vertente norte funciona como uma espécie de base intermédia para o assalto final ao topo. Concede a clemência de um descanso até então inconveniente devido à estreiteza dos trilhos e escadarias.

A Rampa que Sobe das Patas da Rocha do Leão Sigiriya

Um descanso que usufruímos de frente para as impressionantes patas de leão, o que sobra da enorme estátua-portal que deu origem ao actual nome cingalês do maciço, Sigiriya, a Rocha do Leão.

Antes da destruição da parte superior da estátua, o acesso para o cimo era feito com passagem pela boca de um leão de tijolo. Desde o século V, o leão foi-se desintegrando. Sobram os primeiros degraus da passagem e as suas patas.

Sigiriya capital fortaleza, Missão cumprida

Casal regressa ao nível intermédio da fortaleza através da escadaria dos leões.

É por entre elas que retomamos a lenta ascensão.

Seguimos na cauda de uma fila de cingaleses, alguns idosos que, mesmo ofegantes, convivem e apreciam a vista fabulosa da planície verdejante.

Vencidos os derradeiros degraus, já a 200 metros acima do solo, revela-se-nos, por fim, a estrutura com 1.6 hectares do que terá sido a cidade-fortaleza de Kashyapa.

Sigiriya capital fortaleza: outra perspectiva

Aluno interrompe os seus esboços e pinturas de Sigiriya para mudar de posição.

Sigiriya é um dos melhores exemplos de planeamento urbanístico do primeiro milénio, dotada dos seus próprios reservatórios de água que alimentavam complexos sistemas hidráulicos e ainda de cinco entradas, incluindo a do leão que terá sido usada apenas pela realeza.

As Ruínas da Capital Fortaleza do Reino Anuradhapura

Pouco resta dos edifícios que a compunham pelo que, como os restantes visitantes, depressa damos por nós a privilegiar a orla do cimo.

Sigiriya capital fortaleza: jardim

Pequena comitiva de monges budistas avança ao longo dos jardins de água de Sigiriya.

E, a partir dela, os cenários incríveis em volta, com destaque para os vastos jardins na base que tínhamos atravessado no início da manhã.

O cume de granito tinha-se já transformado num braseiro sob o sol tropical quando um grupo de monges budistas tailandeses trajados das habituais túnicas laranjas lá apareceu, acompanhado de outros crentes que os fotografavam e auxiliavam a desbravar os sucessivos altos e baixos.

Sigiriya capital fortaleza: de novo os monges

Monges budistas entram no complexo do palácio real, após uma dolorosa ascenção ao topo de Sigiriya.

Mais que turística, a sua presença e o esforço que faziam sob o calor atroz, eram parte de uma de muitas peregrinações a lugares sagrados do budismo.

Sigiriya e os seus rochedos e grutas terão sido usados como abrigos ou retiros religiosos desde três séculos antes de Cristo até à ocupação de Kashyapa.

De volta à narrativa do Culavamsa, os receios do rei patricida confirmaram-se. Em 495 d.C., Mugalan regressou com um exército recrutado na Índia.

A batalha entre ambas as forças dotadas de centenas de elefantes pendeu para o lado do pretendente.

Sigiriya capital fortaleza: À procura da melhor vista

Visitante explora um recanto repleto de socalcos do topo.

O Fim Temido e Trágico do Fundador Kashyapa

Enquanto montava o seu paquiderme, Kashyapa terá feito um movimento estratégico que foi (mal) interpretado pelos súbditos como uma retirada. Em apuros, o seu próprio exército levou Kashyapa ao desespero.

Demasiado orgulhoso para se render, o usurpador deposto cortou a garganta com um punhal.

Mugalan recuperou o reino que sempre lhe pertencera. Pouco depois, devolveu a capital a Anuradhapura, a par de Pollonnaruwa, uma das capitais históricas sumptuosas da nação.

Quanto a Sigiriya, Mugalan tê-la-á convertido num dos santuários budistas mais místicos de toda a Ásia. Mas, no século XIV, foi abandonada e gradualmente engolida pela vegetação que, nestas latitudes, cresce a grande ritmo.

Sigiriya capital fortaleza: selva em redor

A selva entre montanhas que envolve o rochedo de Sigiriya.

Só em 1898, o arqueológo HCP Bell a redescobriu.

Em 1907, John Still um outro explorador, plantador de chá e arqueólogo inglês prosseguiu as escavações e incentivou a recuperação do lugar sob os auspícios coloniais da sua coroa que desde o início do século XIX, já bem depois do período da supremacia portuguesa, controlava grande parte do Ceilão.

Por reverência à solenidade de Sigiriya, não é permitido qualquer negócio dentro do limite do complexo. Às três da tarde, vimo-nos de rastos, com a água prestes a esgotar-se sob uma temperatura destiladora e já sem qualquer snack que nos restabelecesse as energias.

Chegara a hora de regressarmos o que nos custou bem menos do que contávamos.

Fomos presenteados com a mesma perspectiva impressionante da vertente ocidental destacada da vegetação mas, desta feita, envolta de um céu azulão bem mais resplandecente e contagiante que o da manhã.

Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa

Cingaleses afastam-se do rochedo de Sigiriya, a velha capital-fortaleza do rei parricida Kashyapa.

Kashyapa tinha tido a sua era de Sigiriya. Inúmeros monges budistas partilharam desse privilégio.

O nosso tempo de descoberta da rocha mais fascinante do Ceilão também se findava.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.
Khiva, Uzbequistão

A Fortaleza da Rota da Seda que a União Soviética Aveludou

Nos anos 80, dirigentes soviéticos renovaram Khiva numa versão amaciada que, em 1990, a UNESCO declarou património Mundial. A URSS desintegrou-se no ano seguinte. Khiva preservou o seu novo lustro.
Fortalezas

O Mundo à Defesa - Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Cândia, Sri Lanka

Incursão à Raíz Dental do Budismo Cingalês

Situada no âmago montanhoso do Sri Lanka, no final do século XV, Cândia assumiu-se a capital do reino do velho Ceilão que resistiu às sucessivas tentativas coloniais de conquista. Tornou-se ainda o seu âmago budista, para o que continua a contribuir o facto de a cidade preservar e exibir um dente sagrado de Buda.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Baleias caçada com Bolhas, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca
Cidades
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Cultura
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Em Viagem
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
História
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Ilhas
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Mar Morto, Tona de água, Lugar Mais Baixo Terra, Israel, repouso
Natureza
Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parque Nacional Etosha Namíbia, chuva
Parques Naturais
PN Etosha, Namíbia

A Vida Exuberante da Namíbia Branca

Um salar vasto rasga o norte namibiano. O Parque Nacional Etosha que o envolve revela-se um habitat árido, mas providencial, de incontáveis espécies selvagens africanas.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
Páscoa Seurassari, Helsínquia, Finlândia, Marita Nordman
Religião
Helsínquia, Finlândia

A Páscoa Pagã de Seurasaari

Em Helsínquia, o sábado santo também se celebra de uma forma gentia. Centenas de famílias reúnem-se numa ilha ao largo, em redor de fogueiras acesas para afugentar espíritos maléficos, bruxas e trolls
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Sociedade
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.