Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais


Crepúsculo Real
Saltadora de bungy jumping balança pendurada de uma plataforma, enquanto a noite cai sobre Queenstown
Alpes do Sul dourados
Sol poente doura dos cumes semi-nevados dos Alpes do Sul.
Grande Leito, pequeno Rio
Rio alimentado pelo degelo dos Alpes do Sul flui em direcção ao lago Wakatipu.
Queenstown-digna-rainha-nova-zelandia-alpes-sul
Montanhas dos Alpes do Sul em redor de Queenstown, cenário de várias passagens da saga "Senhor dos Anéis"
De volta a the Ledge
Encarregados de uma empresa de actividades radicais puxam uma saltadora de bungee jumping de volta para a plataforma de saltos The Ledge.
A dois
Visitantes de Queenstown preparam-se para andar de caiaque no lago Wakatipu
Travessia Rápida
Lancha cruza o lago Wakatipu na direcção do centro de Queenstown.
Paraflying
Aventureiro é puxado num voo de paraflying, um dos muitos desportos radicais praticados em Queenstown.
Vale de Pasto
Vale verdejante nas imediações de Queenstown.
Lago glaciar
Lago alimentado pelo gelo dos Alpes do Sul preenche um vale glaciar.
No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.

Nova Zelândia Majestosa

Antes de dar início à descolagem do aeródromo de Queenstown, Peter, o piloto destacado, avisa com um sotaque kiwi cerrado: «Não vos vou perguntar o que querem sobrevoar. Vão ver que é tudo especial.»

Mal o pequeno Cessna ganha altitude, começa a desvendar-se o vale verdejante em redor de Queenstown. Com ele, a  vastidão azulada do lago Wakatipu. Aos poucos, os picos gelados dos Remarkables definem-se contra o céu.

Do interior, em direcção ao Pacífico, sucedem-se mais e mais montanhas e lagos em que o sol, demasiado ténue para degelar a neve dos picos, reforça os tons dourados.

Cumes nevados, Queenstown, Nova Zelândia,

Montanhas dos Alpes do Sul em redor de Queenstown, cenário de várias passagens da saga “Senhor dos Anéis”

Surge, por fim, o Mar da Tasmânia. Invade o espaço até então absoluto da cordilheira. Em braços profundos dos quais se projectam penhascos verticais. Uns surgem cobertos de vegetação rasa, outros demasiado polidos para acolher qualquer forma visível de vida.

Quedas de água gentis que se adiam por centenas de metros precipitam-se do topo das ravinas até se dissiparem nas rajadas de vento ou se afundarem no mar.

Estamos no sudoeste da ilha do sul da Nova Zelândia. Durante quase uma hora, este voo arrojado de avioneta revelou-nos as paisagens únicas em redor de Queenstown.

Queenstown, Nova Zelândia,

Lago alimentado pelo gelo dos Alpes do Sul preenche um vale glaciar.

O Período Aurífero de Queenstown

Não foram só os cenários imponentes que tornaram esta cidade famosa.

Até à moda do radical pegar, a maior emoção proporcionada pela pequena colónia tinha sido a partilhada por dois tosquiadores de ovelhas quando, em 1862, encontraram ouro nas margens do rio Shotover e provocaram um forte influxo de prospectores profissionais.

Um ano depois, o ajuntamento tinha-se tornado numa vila mineira com uma população de vários milhares. Algures por essa altura, o governo da Nova Zelândia vistoriou-a e proclamou-a “fit for a Queen”. Dessa forma oficial, deu o mote para o seu nome definitivo.

Nos dias que correm, mais que pronta para acolher qualquer realeza, Queenstown transformou-se num domínio indisputado da adrenalina adolescente.

Queenstown, Nova Zelândia,

Visitantes de Queenstown preparam-se para andar de caiaque no lago Wakatipu

A Mina Contemporânea de Queenstown: o Bungee Jumping

O bungee jumping ali nasceu em termos comerciais. Desenvolveu-o, nos anos 80, um kiwi irrequieto de nome Alan John Hackett. AJ cresceu em Auckland, a capital da ilha do norte, onde frequentou a Westlake Boys High School.

Aos 16 anos deixou de vez esta escola. Dedicou-se a tempo quase inteiro ao snowboard, ao esqui e tantas outras actividades radicais por que se via atraído.

Inspirado na cerimónia Naghol da ilha de Pentecostes, em Vanuatu e nos saltos praticados na década de 1970 pelo Oxford University Dangerous Sports Club, AJ desenvolveu uma espécie de super-elástico.

Demonstrou-o com impacto apenas mediático, quando se lançou do interior da torre Eiffel, em 1987, sem qualquer aviso ou autorização, para logo ser detido pela polícia, de blazer e calças camufladas.

Já algemado, AJ foi interpelado por um repórter gaulês que lhe perguntou se achava que ia ter problemas com as autoridade francesas. Tranquilo e sorridente, respondeu: “Não me parece. Acho que eles são pessoas muito razoáveis. Tenho a certeza que vão ver isto como uma inspiração para o povo de França e do Mundo”.

Não podia estar mais certo. Daí em diante, a prática seria repetida vezes sem conta, de alturas sempre assustadoras e, por vezes, adornada por artifícios que garantiram uma permanente inovação, como saltos sobre monociclos, piruetas introdutórias, entre outros.

Ao contrário dos cordões de que foi feito, hoje, o império de AJ Hackett só se expande. Aj opera saltos de Bungee um pouco por todo o Mundo.

Os Saltos Já Históricos de Karawau e The Ledge

Para os aficionados mais conhecedores, no entanto, os mergulhos a partir da ponte histórica de Karawau (43 metros de altura) e diurnos e nocturnos da plataforma panorâmica The Ledge (47 metros) continuam a ter significados – e preços – muito especiais. As almas aventureiras com mais de 65 anos, em particular, podem fazer estes saltos de graça.

The Ledge, Queenstown, Nova Zelândia,

Encarregados de uma empresa de actividades radicais puxam uma saltadora de bungee jumping de volta para a plataforma de saltos The Ledge.

Quando passamos pelas margens elevadas do rio Karawau, o leito abaixo flui a grande velocidade. Arrasta botes de rafting manobrados por tripulações em êxtase. Mais à frente, adolescentes em série lançam-se da famosa ponte suspensa que atravessa a garganta homónima, de braços abertos sobre as águas frígidas e azuladas.

São seguidores da adaptação do velho culto melanésio que AJ e o parceiro Henry van Asch ali testaram, pela primeira vez, em 1988.

Mesmo depois de experimentadas todas as variedades de bungee, Queenstown reserva um manancial inesgotável de outras actividades extremas.

É outro dos motivos porque os seus youth hostels e pousadas estão quase sempre repletos. Em época alta, chegam a juntar-se aos meros 9.000 habitantes da cidade vários milhares de visitantes e trabalhadores sazonais.

Para lá do Bungee Jumping

Enquanto as energias e a disposição não se esgotam, além do bungee jumping e do rafting, Queenstown alicia-os com o seu jetboating, o river-surfing e o white-water sledging, o canyoning, o paraflying, o gliding, o skydiving e o mountain biking.

Paraflying, Queenstown, Nova Zelândia,

Aventureiro é puxado num voo de paraflying, um dos muitos desportos radicais praticados em Queenstown.

Assim que o Inverno e a neve tomam conta da região, ainda há o esqui e o snowboard que preservam também em Queenstown e na vizinha Wanaka as suas capitais neozelandesas e, isto, para mencionar apenas os desportos mais populares e convencionais.

Já tínhamos tido a nossa dose de experiências radicais na costa leste da Austrália. Nem o facto de apreciarmos tantas alheias neste confins interiores da ilha kiwi do sul nos demoveu de darmos finalmente algum descanso aos corpos desgastados.

Assim, em vez de ascendermos a pé, metemo-nos numa das cabines da Skyline Gondola. Chegamos num ápice ao cimo da colina que acolheu o parque e complexo radical do The Luge, uma espécie de kartódromo de montanha adaptado para trenós.

Àquela hora, o circuito estava já encerrado. Não demoramos a achar um miradouro que nos revela o casario de Queenstown. E os cenários imponentes em volta. Aos poucos, o crepúsculo instala-se. Faz sobressair a iluminação quente da cidade contra a água azul escura do lago Wakatipu e as montanhas mais próximas dos Alpes do Sul.

Um Bungee Inesperado

Reinava uma paz que há muito não sentíamos por aqueles lados e aproveitámos para desfrutar. Por pouco tempo.

Anoitecer sobre Queenstown, Nova Zelândia,

Saltadora de bungy jumping balança pendurada de uma plataforma, enquanto a noite cai sobre Queenstown

Sem que tivéssemos ainda detectado a sua presença, uma adolescente lança-se subitamente da plataforma iluminada e cercada de pinheiros a que os nativos chamaram The Ledge. Ouvimos o grito estridente que a jovem não evita e o eco produzido pelo anfiteatro em redor. Só a voltamos a ver, semi-anestesiada pelo pânico, quando a içam de volta.

Foi o último salto de bungee-jumping do dia. Por algumas horas, Queenstown recuperou energias.

Na manhã seguinte, bem cedo, haveria de regressar à sua rotina destemida.

Bay of Islands, Nova Zelândia

O Âmago Civilizacional da Nova Zelândia

Waitangi é o lugar chave da Independência e da já longa coexistência dos nativos maori com os colonos britânicos. Na Bay of Islands em redor, celebra-se a beleza idílico-marinha dos antípodas neozelandeses mas também a complexa e fascinante nação kiwi.
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.

Ilha do Norte, Nova Zelândia

A Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia. 

Península de Banks, Nova Zelândia

O Estilhaço de Terra Divinal da Península de Banks

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Nissan, Moda, Toquio, Japao
Cidades
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

As Cores da Ilha Elefante
Em Viagem

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
História
Viti Levu, Fiji

A Partilha Improvável da ilha Viti Levu

Em pleno Pacífico Sul, uma comunidade numerosa de descendentes de indianos recrutados pelos ex-colonos britânicos e a população indígena melanésia repartem há muito a ilha chefe de Fiji.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Ilhas
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Inverno Branco
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Natureza
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Enseada do Éden
Parques Naturais

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Forte de São Filipe, Cidade Velha, ilha de Santiago, Cabo Verde
Património Mundial UNESCO
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
Religião
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.