Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt


A Grande Hidroelétrica
Vista aérea da hidroelétrica de Itaipu
Pedalada
Trabalhador pedala na vastidão coberta do interior da hidroelétrica.
Hidroeletrica Acima
Encarregado da Barragem de Itaipu conduz visitantes num dos elevadores da estrutura.
Descida sem fim
Operário desce uma enorme escadaria no interior da estrutura da barragem de Itaipu
Estrada para Itaipu
Auto-estrada nas imediações da Hidroelétrica de Itaipu e de Foz de Iguaçu.
Funcionários Paraguaios
Funcionários paraguaios conversam, um deles bebe chá mate.
Hidroeletrica-binaciona-itaipu-brasil-paraguai-items
Capacetes sobre armários de uma sala de operações da Barragem de Itaipu.
Arte Hidroelétrica
Amigos fotografam-se em frente ao Painel do Barrageiro.
Destino: Itaipu
Autocarro vindo da barragem de Itaipu percorre uma rua de Foz de Iguaçu.
Maquinaria
Máquinas que regulam a operação hidroelétrica da Barragem de Itaipu
Trabalho multiplicado
Perspectiva reflectida da sala de operações.
Sala de Controle
Funcionários trabalham numa das salas operacionais no interior da barragem.
Sobrevoo do rio Paraná
Fotógrafa Sara Wong voa sobre o rio Paraná a bordo de uma asa-delta motorizada.
Substituição de Luzes
Funcionário verifica as lampadas num corredor da hidroeléctrica Binacional de Itaipu.
Escritório com parking
Funcionário verifica dados num computador, com a sua bicicleta ao lado.
Trabalhadores Equipados a Rigor
Funcionários da hidroelétrica de Itaipu equipados a rigor para as suas funções.
Visita Guiada
Guia de Itaipu explica a visitantes a história e o funcionamento da hidroelétrica Binacional de Itaipu
Hidroeletrica-binaciona-itaipu-brasil-paraguai
Vista aérea de parte do enorme paredão da hidroelétrica de Itaipu que começa no Paraguai e termina no Brasil.
Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.

Os indígenas guarani chamavam Itaipú a uma ilha que existia no leito do antigo rio Paraná.

No seu dialecto, tratavam-na como “a pedra que canta”. Hoje, a ilha encontra-se submersa. Em vez de pedra, Itaipú é um monstro mudo da engenharia civil, feito com betão suficiente para erguer 210 Estádios do Maracanã e ferro e aço que chegariam para 380 Torres Eiffel.

Enquanto exploramos a zona da Tripla Fronteira e as Cataratas do Iguaçu, apuramos que a barragem se apoderou de bem mais que essa ilha e do seu nome.

“É isso mesmo: Guaíra!“ “Vocês não ouviram falar, não?” pergunta-nos, espantado, o taxista Sôr Esquerdinha, como se fossemos culpados da maior das heresias. “Era a coisa mais bacana que a gente tinha por aqui!”.

A Aprovação da HidroEléctrica e o Fim do Salto Guairá das Sete Quedas

Em 1973, apesar da desconfiança mutua dos seus governos ditadores, o Brasil e o Paraguai encerraram um longo período de declarações de interesse mútuo e negociações e assinaram um acordo de construção e exploração da hidroeléctrica.

Dois anos depois, um consórcio formado por uma empresa norte-americana e outra italiana deram início ao trabalho.

Em 1982, a obra estava completa. Devido a chuvas intensas na região, o enorme reservatório foi totalmente preenchido em apenas 14 dias. Deixou submersas o Salto Guaíra, também conhecido de Salto de Sete Quedas, as maiores cataratas do mundo em termos de volume, que suplantavam, em muito as vizinhas Iguaçú.

Vista aérea da hidroelétrica de Itaipu

Por opção do governo militar brasileiro, o Parque Nacional Guaíra foi destruído e a base de rochas em que as quedas assentavam dinamitada, para facilitar a navegação.

Esta medida em concreto, acabou com qualquer esperança de futura recuperação. Conscientes da perda, uns meses antes do enchimento do reservatório, centenas de pessoas concentraram-se para se despedirem do fenómeno natural.

Oitenta delas acabaram por perder a vida quando a ponte sobrelotada que os sustinha cedeu.

A Celebração Internacional da HidroEléctrica Binacional de Itaipu

Hoje, essa tragédia e o sacrifício de Guaíra têm pouca ou nenhuma importância nas locuções dos guias da Itaipú Binacional. À medida que os autocarros turísticos percorrem a base do paredão de 196 metros de altura, é realçada a imponência e a grandiosidade da estrutura – das mais dispendiosas do mundo e uma das suas Maravilhas Modernas.

Desde que a barragem chinesa das Três Gargantas entrou em operação, destacam, acima de tudo, aquele que permanece o grande recorde de Itaipu, como resume André, o eloquente anfitrião do grupo. “É isso aí, meus amigos, Itaipu continua a ser a hidroeléctrica mais produtiva.

Funcionários da hidroelétrica de Itaipu equipados a rigor para as suas funções.

Graças ao clima tropical daqui – que mantém quase estável o caudal do rio Paraná – Itaipu mantem uma capacidade anual de geração superior inclusivamente à da Barragem das Três Gargantas”.

Foram 94.7 GW, em 2008, o máximo conseguido. E são 14GW de capacidade de geração instalada, actualmente divididos por 20 unidades, cada uma a fornecer 700KW. Destas, dez geram a 50HZ para o Paraguai e, os outros dez, a 60hz para o Brasil.

Para produzir o total com recurso a geração térmica, seriam necessários 434.000 barris de petróleo, todos os dias. Ainda assim, a partilha desde cedo desagradou ao Paraguai que, após longa insistência, conseguiu, em 2009, uma renegociação.

Foi, então, concedido pelo Brasil um melhor pagamento da electricidade paraguaia excedente e a permissão da sua venda directamente a empresas brasileiras.

Em termos de espaço, a divisão da estrutura não tem suscitado tanta controvérsia. autorizam-nos a entrar na sala de operações, que vemos atravessada ao meio por uma linha amarela.

Funcionários trabalham numa das salas operacionais no interior da Hidroelétrica de Itaipu

A Fronteira de Betão que Separa (e Une) o Brasil e o Paraguai

De um lado, o território é paraguaio. Em silêncio, os funcionários saboreiam tereré (infusão de chá mate com outras ervas ou limão). Do outro, estamos no Brasil. Percebe-se uma disputa acesa sobre o desempenho dos Canarinhos na Copa América.

Funcionários paraguaios conversam, um deles bebe chá mate.

Destacam-se ali painéis, botões e visores sem fim. Formam um conjunto tecnológico visualmente ultrapassado, próprio da Guerra Fria ou do clássico kubrickiano “2010, Odisseia no Espaço”. Integram domínios com iluminação fluorescente que sobressaem na imensidão e que os trabalhadores percorrem de bicicleta.

Fotógrafa Sara Wong voa sobre o rio Paraná a bordo de uma asa-delta motorizada.

Depois de sobrevoarmos a hidroeléctrica de asa-delta, preparamo-nos para explorar outros redutos de betão, igualmente dignos de ficção científica. Sem aviso, a segurança da Itaipu Binacional detêm-nos.

Suspeitas Infundadas

Apesar da acreditação passada pela Secretaria de Turismo de Foz de Iguaçu, as autoridades mal avisadas não conseguem perceber porque, sendo meros Patrícios, já visitámos as instalações por duas vezes e porque queremos fazê-lo uma terceira.

Operário desce uma enorme escadaria no interior da estrutura da Hidroelétrica de Itaipu

Estranham que, ainda por cima, estejamos a pedir para voltar a ver as áreas tecnológicas nevrálgicas. Levantam-lhes também suspeitas o “calibre” das nossas câmaras e teleobjectivas.

E, mais que tudo, o sobrenome Wong e o visual oriental da repórter. Só após explicações exaustivas dos nossos defensores, somos ilibados de espiar para a China e podemos prosseguir a descoberta do complexo.

Capacetes sobre armários de uma sala de operações da Hidroelétrica de Itaipu.

Nas salas museológicas da hidroeléctrica, compreendemos como, em termos urbanísticos e económicos, Itaipu se provou revolucionária para a zona.

Aquando da construção da hidroeléctrica, milhares de pessoas oriundas de todos os recantos do Brasil e até do estrangeiro aumentaram a população de Foz do Iguaçu, a cidade brasileira mais próxima.

A Revolução Social Criada pela HidroEléctrica de Itaipu

Nos dias que correm, cerca de cinco mil iguaçuenses continuam a lucrar, directa ou indirectamente com a barragem que tem transportes públicos directos do centro e dos arredores para as suas instalações.

Autocarro destinado à Hidroelétrica Itaipu percorre uma rua de Foz de Iguaçu.

Do outro lado da Ponte da Amizade e do rio Paraná, a importância da hidroeléctrica provou-se semelhante para a, já então, marginal, Ciudad del Este, a entrada do Paraguai.

Vista aérea de parte do enorme paredão da hidroelétrica de Itaipu que começa no Paraguai e termina no Brasil.

Ao mesmo tempo, o dinheiro das indemnizações pagas a alguns dos 42.000 proprietários ou trabalhadores brasileiros expropriados permitiu-lhes comprar novas terras. Mas as terras do lado paraguaio do lago criado mantiveram-se mais baratas.

Atentos à promoção, milhares de brasileiros migraram para o Paraguai. Lá criaram o estranho fenómeno social da comunidade brasiguaia.

Enquanto isso, os mais desfavorecidos refugiaram-se na cidade de Medianeira. Parte deles vieram a engrossar as fileiras do cada vez mais poderoso MST, o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra.

Foi a um nível nacional que se potenciaram tanto os reais benefícios “compensatórios” de Itaipu como a dependência  associada à hidroeléctrica.

O Apagão que Alertou o Brasil e o Paraguai da Importância de Itaipu

Às 22h13 de 10 de Novembro de 2009, alegadamente devido a uma tempestade que poupou os equipamentos de geração mas danificou três linhas de alta-tensão, todo o Paraguai sofreu um apagão de quinze minutos. O mesmo aconteceu com parte substancial do Brasil.

Funcionário verifica as luzes num corredor da hidroeléctrica Binacional de Itaipu.

Rio de Janeiro e São Paulo ficaram às escuras durante mais de duas horas e o estado de Espírito Santo, interior de Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Bahia e Pernambuco viram-se privados de electricidade durante a noite e a manhã seguinte.

Verificou-se então o único período “seco” digno de registo num já longo historial de “extracção” eléctrica com a enorme atenuante de a origem se ter confirmado externa.

Desde 5 de Maio de 1984, quando entrou em funcionamento, Itaipu foi sempre, para o Brasil e para o Paraguai, uma verdadeira mina.

Passo do Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.

Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Cena de rua, Guadalupe, Caribe, Efeito Borboleta, Antilhas Francesas
Parques nacionais
Guadalupe, Antilhas Francesas

Guadalupe: Um Caribe Delicioso, em Contra-Efeito Borboleta

Guadalupe tem a forma de uma mariposa. Basta uma volta por esta Antilha para perceber porque a população se rege pelo mote Pas Ni Problem e levanta o mínimo de ondas, apesar das muitas contrariedades.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Cidades
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Saida Ksar Ouled Soltane, festival dos ksour, tataouine, tunisia
Cultura
Tataouine, Tunísia

Festival dos Ksour: Castelos de Areia que Não Desmoronam

Os ksour foram construídos como fortificações pelos berberes do Norte de África. Resistiram às invasões árabes e a séculos de erosão. O Festival dos Ksour presta-lhes, todos os anos, uma devida homenagem.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
História
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Ilhas
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Ilha da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antártico geram enigma e respeito a norte do Estreito de Bass. À descoberta da região mais acessível entre Devonport e Strahan, ficamos com uma leve ideia da sua excentricidade meridional.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Natureza
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Brincadeira ao ocaso
Parques Naturais
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Religião
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Sociedade
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.