Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada


Trólei Azul

Trólei passa em frente do City Hall de Oslo.

Fachadas

Fachadas elegantes do centro da capital norueguesa.

3 convidados

Convidados de uma cerimónia religiosa em trajes típicos à porta do City Hall.

Criança em estátua

Menina conquista o topo de uma das muitas esculturas do parque de Vigeland.

Problema de Penacho

Guarda do palácio real de Oslo em frente à sua guarida.

Esplanada

Habitantes convivem numa esplanada da capital, apesar da meteorologia pouco aconchegante.

Tempo Espacial

Pormenor do relógio astronómico do City Hall de Oslo.

Paternidade

Uma das muitas estátuas do parque de Vigeland, um retiro natural e artístico de eleição da capital norueguesa

Crisma

Convidados de uma cerimónia religiosa em trajes típicos à porta do City Hall.

Um prémio Nobel norueguês

Estátua do escritor Bjørnstjerne Martinius Bjørnson que recebeu, em 1903, o Prémio Nobel da Literatura.

Olso Medieval

O castelo Akeshus, um dos bastiões históricos da capital norueguesa, erguido em 1299 e usado mais tarde como residência real

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

A deslocação do aeroporto no ultra-tecnológico comboio FlyToGet só nos suscita elogios mas, Santiago Garrido, um amigo venezuelano que anda a explorar a Europa resumiu bem a frustração financeira que se pode sentir de imediato na Noruega, como na restante Escandinávia: “então mas eu voo do sul da Europa para lá por vinte euros e depois aterro e pago o dobro só para chegar ao centro da cidade?? Alguma coisa está mal neste vosso continente!”

Houve outro aspecto que estranhámos mais. Enquanto percorremos a estação a caminho da saída, temos uma sensação distinta da que esperávamos ao chegar à Noruega. Os transeuntes altos, de pele alva e louros ou ruivos parecem-nos uma pequena minoria no mosaico multi-étnico que atravessamos. Grupos de somalis destacam-se em absoluto do imaginário escandinavo pela sua tez escura e, acima de tudo, pelas vestes longas e exuberantes das mulheres. Mas, estes africanos não são os únicos habitantes a destoar. Passamos por clãs atarefados de homens curdos, provindos da Bósnia e do Kosovo bem como outras partes do leste europeu. Também por paquistaneses e vietnamitas. Nenhuns têm aspecto de turistas.

A sua presença é mais visível que nunca em frente à estação central e no bairro Gronland e deve-se, em parte, à tradição norueguesa de acolhimento de refugiados – apesar de apenas os já assim considerados pelas Nações Unidas – mas também numa recente maior abertura à emigração que a recorrente e grave falta de mão-de-obra exigiu.

Poucas nações contribuem como a Noruega para ajuda externa e programas de refugiados. Como resultado, os imigrantes de Oslo são agora de mais de 25% e o seu ritmo de reprodução, em conjunto com o dos próprios noruegueses fazem da população da cidade uma das que mais aumenta na Europa. Claro está que a prosperidade inacreditável da nação contribui para a quantidade de crianças recém-nascidas que também encontramos.

Perdura a noção de que os noruegueses são obcecados por poupar e bem investir. Em tempos idos da sua história, os ascendentes vikings norses passaram por carências atrozes e tiveram que recorrer a ataques e saques sistemáticos que aterrorizaram a Europa e lhes granjeou uma reputação pouco invejável de bárbaros incorrigíveis. Além da pilhagem medieval, mais tarde, a nação passou por outras fases difíceis que suscitaram um forte movimento de emigração para as Américas e – brinca-se com o assunto – geraram em Edvard Munch o desespero que o levou a pintar “O Grito”.

Nos tempos que correm, a economia europeia definha a olhos vistos mas foi noticiado há uns dias que o governo de Oslo tinha dificuldade em decidir como investir os 570 mil milhões de euros acumulados no seu gigantesco fundo soberano principalmente com a venda do petróleo e do gás natural obtidos nos Mares do Norte, da Noruega e de Barents.

Como seria de esperar, os habitantes da cidade não deixam transparecer apreensão. Nem com a solução para o problema do investimento nem com nenhum assunto financeiro da nação ou particular.

É sábado de manhã e a capital entregou-se de alma e coração ao ar livre e ao desporto. Nas ruas, prepara-se uma prova de atletismo em que participam vários milhares de escandinavos e que barra o trânsito em certas ruas fulcrais. Um pouco por toda a parte passam por nós patinadores a grande velocidade e, em trilhos de zonas verdejantes vastas, até esquiadores de cross-ski que, mesmo sem neve, continuam a manter-se em forma para as competições  que hão-de regressar com o Inverno.

Mas nem só de actividade física se faz o dia. Caminhamos tranquilamente pelo parque Slotts quando nos cruzamos com duas mulherzinhas e um rapaz, todos em trajes tradicionais. Além delas, vislumbramos ainda, à distância, muitas outras pessoas em vestes semelhantes. A descoberta intriga-nos. Não resistimos a meter conversa e a indagar. Amalie, a mais velha dos irmãos com 19 anos, prontifica-se a explicar: ”Viemos todos para cerimónias de profissão de fé luterana e os fatos são os típicos lá da região e aldeia em que vivemos que se chama Frank, tal como o nosso apelido, fica na costa oeste da Noruega. As cerimónias vão realizar-se no City Hall. Vários dos convidados são ateus ou agnósticos e, por isso, optaram por não as fazer em nenhuma igreja.”

É predominante, no país, o respeito pelas crenças alheias e uma forte tradição de intervenção na pacificação do Mundo e sua celebração, com quartel-general no famoso Instituto Nobel e no Nobel Peace Center por onde passamos após uma paragem estratégica à entrada do City Hall para contemplarmos e fotografarmos as dezenas de nativos pitorescos da zona de Frank que vão chegando e se cumprimentam com sentimento.

Mas nunca foi tão notório como agora que a Noruega e, Oslo, em específico, têm os seus problemas. Com os atentados tresloucados que perpetrou contra os edifícios governamentais do centro e, na ilha de Utoya, contra os jovens participantes do campo de Verão do AUF (Arbeidernes Ungdomsfylking ou Liga de Jovens Trabalhadores), Anders Breivik deu expressão a uma facção ínfima de noruegueses xenófobos e, em simultâneo, extremistas.

Mesmo se a polícia de Oslo declarou há algum tempo que a cidade era a mais segura da Europa, números surpreendentes demonstram que o crime aumentou, ultrapassou o de outras cidades do norte do velho continente, ao ponto de um guia de viagem alemão se ter atrevido a apelidar a cidade de “A Capital Escandinava do Crime”.

No dia-a-dia superficial de um visitante, esta realidade pouco ou nada transparece.

No Parque de Esculturas de Vigeland, uma multidão descontraída e divertida de residentes e turistas apreciam as estátuas excêntricas e fotografam-se a interagir com elas.

A meteorologia do dia de Verão não chega aos calcanhares da dos países do sul. Mas, bastam uns minutos adicionais de caminhada, desta feita, pelas docas de Stranden para constatar como os noruegueses de Oslo se habituaram compensar a falta de sol. Tranquilizados pela inquestionável prosperidade nacional, usufruem agora, de bem-estar acrescido, viajam com frequência para lugares distantes e exóticos, consomem muito mais e quase sempre mais caro. A austeridade deixou de fazer sentido por estes lados.

Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.

Melbourne, Austrália

Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.

Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Doca gelada
Aventura

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Cidades
Guilin, China

O Portal Para o Reino Chinês de Pedra

A imensidão de colinas de calcário afiadas em redor é de tal forma majestosa que as autoridades de Pequim a imprimem no verso das notas de 20 yuans. Quem a explora, passa quase sempre por Guilin. E mesmo se esta cidade da província de Guangxi destoa da natureza exuberante em redor, também lhe achámos os seus encantos.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Tribal
Cultura

Albuquerque, E.U.A.

Soam os Tambores, Resistem os Índios

Com mais de 500 tribos presentes, o "Gathering of the Nations" celebra o que de sagrado subsiste das culturas nativo-americanas. Mas também revela os danos infligidos pela civilização colonizadora.

Desporto
Competições

Uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Seja pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, os confrontos dão sentido à vida. Surgem sob a forma de modalidades sem conta, umas mais excêntricas que outras.
Promo Polynesian Blue
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir um bilhete de avião a baixo preço tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Épico Western
Étnico

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
The Rock
História

São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

40 anos passados sobre o fim da sua pena, o ex-presídio de Alcatraz recebe mais visitas que nunca.Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos

Passerelle secular
Ilhas

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Praia Islandesa
Inverno Branco

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Suspeitos
Literatura

São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Peterburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.

Caribe rosado
Natureza

PN Henri Pittier, Venezuela

Entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou

Filhos da Mãe-Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Observatório Dourado
Parques Naturais

Monte Mauna Kea, Havai

Um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra

Glamour vs Fé
Património Mundial Unesco
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a vetaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Acima de tudo e de todos
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Mme Moline popinée
Praia

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Budismo XXL
Religião
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Assento do sono
Sobre carris

Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para passarem pelas brasas

Sociedade
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Aterragem sobre o gelo
Voos Panorâmicos

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.