Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira


Bebé entre reis
Bebé assusta-se quando se vê elevado entre o rei mouro e o cristão, no encerramento das Cavalhadas.
Artesão do divino
Morador de Pirenópolis retoca parte da armadura a ser usada pelo rei Mouro durante as Cavalhadas.
Em cheio
Cavaleiro mouro espeta uma cabeça e ganha pontos durante uma das várias provas.
Vultos Curucucus
Silhuetas de mascarados em convívio nas ruas do centro histórico de Pirenópolis.
Capitulação
Cavaleiro mouro submete-se a um Cristão após a derrota dos mouros nas Cavalhadas.
Cavalhódromo de Pirenópolis
Mascarados cavalgam no Cavalhódromo de Pirenópolis.
Costura
Mãe do rei Cristão finaliza o traje usado pelo filho nas Cavalhadas que se aproximam.
Bebé e traje mouro
Bebé passa junto ao traje do rei Mouro na fazenda do pirenopolino escolhido para esse papel das Cavalhadas.
Mascarado a cavalo
Mascarado percorre as ruas do centro histórico de Pirenópolis.
Espera montada
Mascarado aguarda pelo regresso de um congénere durante as Cavalhadas de Pirenópolis.
Mascarado BR
Mascarado posa à entrada de um posto de abastecimento de Pirenópolis.
Mascarados ansiosos
Bando de mascarados aguarda por nova permissão para entrarem em cena nas Cavalhadas de Pirenópolis.
Público
Espectadores acompanham a acção das Cavalhadas numa cabine improvisada do Cavalhódromo de Pirenópolis.
Golo Excêntrico
Mascarado bebe cerveja por um dos orifícios do nariz da sua máscara.
Torneio
Público acompanha o galope de um cavaleiro mouro durante uma prova das Cavalhadas.
Sombra mascarados
Sombra de um grupo de mascarados nos bastidores do Cavalhódromo.
Sor Pompeu
Apresentador das Cavalhadas vê-se cercado de mascarados.
Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.

Chegamos à uma da tarde.

Os mascarados abrem alas para a cavalgada solene dos “exércitos” cristão e mouro que rumam ao recém-construído Cavalhódromo de Pirenópolis.

As bancadas estão à pinha. Ecoa a voz quase divina do produtor e apresentador Sôr Pompeu, em pleno anuncio do cortejo de inauguração. Composta de músicos e majorettes, a parada dá a volta ao relvado e saúda a assistência.

Lidera-a uma moça gostosa da terra enfeitada com faixas.

Cumprido o périplo, tem luz verde o ponto alto do evento das embaixadas e batalhas.

Percebemos, por fim, o porquê de tanto ensaio prévio. As coreografias revelam-se complexas e fastidiosas. Fazem-se de voltas e reviravoltas, também de confrontações súbitas, retiradas e diálogos intermináveis proferidos num playback trovejante que requer o acompanhamento gestual dos reis e embaixadores.

A Folia Desvairada dos Mascarados Curucucus

Para aligeirar o espectáculo, são abertas as portas à loucura dos mascarados. Estes, invadem a galope e, sempre que o seu tempo se esgota, resistem à expulsão do relvado como se de um terceiro exército se tratassem.

“Esses Mascarados vão ter que sair de qualquer jeito. Não dá p’rá ficar atrasando mais!” ressoa, dos altifalantes, o cada vez mais impaciente Sôr Pompeu.

cavalhodromo, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Mascarados cavalgam no Cavalhódromo de Pirenópolis.

Há muito que passaram os 20 minutos de cavalgada louca à volta do recinto por ele concedidos. Os exageros repetem-se desde o início do evento. Nada que perturbe a inconsciência colectiva dos também chamados curucucus.

O abuso delicia os espectadores. Afinal, a Festa do Divino e as Cavalhadas são feitas da entrega e devoção, tanto religiosa quanto profana dos seus intervenientes. Todos toleram que os cavaleiros mouros e cristãos brilhem demais.

À parte das batalhas travadas, em desafio do predomínio das faixas de saudação, vassalagem e auto-promoção das famílias mais importantes e dos políticos regionais, os mascarados aproveitam ainda o seu anonimato para exibir cartazes de contestação política: “As pessoas não mudam quando chegam ao poder, elas se revelam” versa um dos mais exuberantes.

A tradicional irreverência dos curucucus deriva da sua presença, tão bastarda como tardia, nas Cavalhadas.

espera montada, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Mascarado aguarda pelo regresso de um congénere durante as Cavalhadas de Pirenópolis.

Durante muitos anos, por não ter lugar nas batalhas travadas à laia de torneio medieval, o povão que representam foi mero espectador das cerimónias protagonizadas pelos abastados e poderosos.

Uma vez legitimada a sua participação, protegidos por disfarces caricatos e coloridos (cabeças de homem e de boi, unicórnios, onças etc.) e por cochichos quase imperceptíveis, os Mascarados provaram-se difíceis de controlar.

silhuetas de mascarados, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Silhuetas de mascarados em convívio nas ruas do centro histórico de Pirenópolis.

A Batalha em Modo de Torneio Medieval das Cavalhadas

As Cruzadas regressam ao Cavalhódromo. Em breve se constata que as embaixadas de tréguas e de mútua intimidação são infrutíferas. Resta o conflito. O povo rejubila mais que nunca.

Foram colocadas cabeças de bonecos para serem rebentadas e assim testarem a mestria dos cavaleiros no uso da lança e … da pistola, um anacronismo não detectado ou com que ninguém se importou.

Há ainda a prova das argolinhas, um clássico medieval que eleva o suspense de cada vez que os cavaleiros, a galope, erguem as suas lanças.

cavaleiro espeta cabeça, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Cavaleiro mouro espeta uma cabeça e ganha pontos durante uma das várias provas.

Os pontos são anotados. No fim, por uma questão de fidelidade histórica, vencem sempre os cristãos. A consumar o triunfo dos fiéis, os mouros rendem-se e submetem-se, ajoelhados, às espadas dos cruzados. Segue-se um alinhamento, a pé, dos cavaleiros que recebem os cumprimentos dos amigos e familiares.

Quando a Festa das Cavalhadas Regressa a Pirenópolis

Nisto, os passeios do centro da cidade enchem-se com o regresso da multidão do Cavalhódromo. A maioria dos forasteiros vêm de Brasília, de Goiânia e de outras povoações em redor. Alguns, chegam de bem mais longe.

De São Paulo, do Rio, até do estrangeiro. Todos comparecem em Pirenópolis atraídos pela beleza cada vez mais badalada da festa. Durante o evento, os carros são proibidos no centro histórico.

Esta benesse permite aos mascarados apoderar-se das ruas amplas.

Cavalgam por elas sem sentido. Detêm-se apenas para posar para as fotos do público e rogarem pequenas contribuições para a compra do seu combustível: a cervejinha gelada.

mascarado bebe cerveja, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Mascarado bebe cerveja por um dos orifícios do nariz da sua máscara.

É rara a recusa. Estamos na época seca da região Centro-Oeste brasileira. O calor aperta. Sobretudo quando se está horas dentro de um fato de fibra com a cabeça numa máscara de cartão.

Quando a noite cai, os cavaleiros recuperaram o protagonismo. Por essa altura, juntos, mouros e cristãos cavalgam e descarregam as suas pistolas para o ar. 

O derradeiro ritual – de longe o mais barulhento – estabelece o encerramento oficial das Cavalhadas e devolve Pirenópolis à paz de Deus.

Até ao mês de Maio do próximo ano. 

Origem das Cavalhadas: do Reino dos Francos ao Coração de Goiás

As Cavalhadas de Pirenópolis são uma reconstituição das investidas de Carlos Magno contra os Mouros que, por altura do século VIII ocupavam a Península Ibérica.

Ao longo da Idade Média, por meio dos cruzados e de trovadores, os seus feitos tornaram-se populares na Europa cristã. Deram origem a representações bem recebidas também em Portugal.

publico no torneio, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Público acompanha o galope de um cavaleiro mouro durante uma prova das Cavalhadas.

Os jesuítas levaram estas encenações para o Brasil, ainda na sua época áurea e com autorização da Coroa que nelas vislumbrou um instrumento eficaz de evangelização dos indígenas e escravos africanos.

A Encenação Popular do Padre Manuel Amâncio da Luz

Chegaram a Pirenópolis e à região circundante do actual estado de Goiás, em 1826, quando o Padre Manuel Amâncio da Luz integrou uma exibição denominada “O Batalhão de Carlos Magno” na Festa do Divino Espírito Santo, também ela antes trazida de Portugal.

A novidade teve uma aceitação milagrosa. Pirenópolis era, então, uma cidade de mineiros, na sua maioria oriundos do norte da Metrópole onde a longa resistência às invasões mouras e seguintes ataques e conquistas vieram a forjar a nação portuguesa.

bebe entre reis, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Bebé assusta-se quando se vê elevado entre o rei mouro e o cristão, no encerramento das Cavalhadas.

Por outro lado, o espectáculo desde cedo atribuiu personagens poderosas (reis e cavaleiros) aos cidadãos mais proeminentes da cidade. Eram personagens montadas.

A Promoção Controversa ao Novo Cavalhódromo de Pirenópolis

Essa realidade foi de encontro à paixão generalizada da população local pelos cavalos e cavalgadas. Tal paixão torna-se bem evidente durante a Festa do Divino, quando o som dos cascos contra as pedras das calçadas de Pirenópolis se torna ambiente.

No início, as Cavalhadas eram encenadas num campo de terra marcado a cal. Os participantes vestiam uniformes militares da época em vez dos trajes da época medieval actuais.

O empenho que os Pirenopolinos lhes dedicaram – como dedicaram à Festa do Divino, no geral –  fez com que fossem criadas roupas “medievais” para os cavaleiros e cavalos, incluindo armas e armaduras.

costureira, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Mãe do rei Cristão finaliza o traje usado pelo filho nas Cavalhadas que se aproximam.

Em 2012, o campo pelado deu lugar a um amplo Cavalhódromo, relvado, dotado de um pórtico cristão e outro mouro, com grandes bancadas de cimento e camarotes familiares, estes feitos de madeira. Diversos sectores da comunidade pirepolina acusaram os responsáveis de terem afastado o povo da festa.

publico e espectadores, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Espectadores acompanham a acção das Cavalhadas numa cabine improvisada do Cavalhódromo de Pirenópolis.

Quando falamos com a esposa de Toninho – um emblemático ex-rei Mouro – apuramos ainda que nem sempre a festa se confinou à cidade ou sequer ao estado brasileiro de Goiás.

A Embaixada dos Cavaleiros do Divino à França Grãfina de Chantilly

Dª Telma conta-nos que, em 2005, se celebrou o ano do Brasil em França. Por essa ocasião, a organização gaulesa convidou uma comitiva de 30 pirenopolinos, – para desgosto das esposas da cidade, todos homens – a Chantilly (uma vila histórica grãfina a pouca distância de Paris).

A ideia era apresentar aos franceses as Cavalhadas de Pirenópolis e a exibição final correu na perfeição. Já os preparativos incluíram peripécias hilariantes.

Vários dos cavaleiros nunca haviam saído do estado de Goiás quanto mais viajado de avião e mudado de continente para enfrentar a delicada etiquette française.

Por óbvias razões logísticas, os cavalos pirenopolinos ficaram em casa. E os cavaleiros das Cavalhadas tiveram que ensinar a montadas francesas as voltas e reviravoltas das batalhas entre Mouros e Cristãos.

capitulacao, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Cavaleiro mouro submete-se a um Cristão após a derrota dos mouros nas Cavalhadas.

O desafio revelou-se tudo menos pacífico. Por terras de “Piri”, os cavalos eram tratados à força, com chicotadas e picadas de esporas.

Em Chantilly, os cavaleiros brasileiros, habituados à superioridade do seu papel de reis e nobres, viam-se repreendidos ao mínimo toque que dessem nos animais franceses e indignavam-se sempre que os tratadores locais, à laia de prémio, beijavam as suas montadas na boca.

“Mas isso não foi o pior …”, continua a contar-nos Dª Telma: “Como se não bastasse, os franceses tentaram impor este método refinado aos cavaleiros de Pirenópolis a quem davam também torrões de açúcar para que, além dos beijos, os oferecessem aos cavalos quando os animais superavam provas…”

artesao, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil

Morador de Pirenópolis retoca parte da armadura a ser usada pelo rei Mouro durante as Cavalhadas.

Os pirenopolinos continuaram a resistir. E os franceses quase entraram em colapso quando constataram que não só insistiam nos seus procedimentos cruéis para com os equinos como devoravam os torrões de açúcar.

No regresso a casa, o tratamento “efeminado” dos europeus para com os animais manteve-se tema de conversa e de risada até às Cavalhadas seguintes, quando o exército poderoso e pirepolino de Carlos Magno, voltou a derrotar os infiéis.

Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Passo do Lontra, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.

São João de Acre, Israel

A Fortaleza que Resistiu a Tudo

Foi alvo frequente das Cruzadas e tomada e retomada vezes sem conta. Hoje, israelita, Acre é partilhada por árabes e judeus. Vive tempos bem mais pacíficos e estáveis que aqueles por que passou.

Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Parques nacionais
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
city hall, capital, oslo, noruega
Cidades
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Verão Escarlate
Em Viagem

Valência a Xàtiva, Espanha

Do outro Lado da Ibéria

Deixada de lado a modernidade de Valência, exploramos os cenários naturais e históricos que a "comunidad" partilha com o Mediterrâneo. Quanto mais viajamos mais nos seduz a sua vida garrida.

Maias de agora
Étnico

Cobá, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Guardiã, Museu Estaline, Gori, Georgia
História
Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Natureza
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
Parques Naturais
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Património Mundial UNESCO
Cascatas e Quedas de Água

Cascatas do Mundo: Impressionantes Rios Verticais

Dos quase 1000 metros de altura do salto dançante de Angel à potência fulminante de Iguaçu ou Victoria após chuvas torrenciais, abatem-se sobre a Terra cascatas de todos os tipos.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Mosteiro de Tawang, Arunachal Pradesh, Índia
Religião
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Autocarro garrido em Apia, Samoa Ocidental
Sociedade
Samoa  

Em Busca do Tempo Perdido

Durante 121 anos, foi a última nação na Terra a mudar de dia. Mas, Samoa percebeu que as suas finanças ficavam para trás e, no fim de 2012, decidiu voltar para oeste da LID - Linha Internacional de Data.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.