Vale de Ezulwini, eSwatini

Em Redor do Vale Real e Celestial de Eswatini


A Execution Rock
Arte em Mbabane, a capital
Mantenga Lodge
Igreja de Lobamba
Piscina na Floresta
O Parlamento de Lobamba
Símio na Reserva de Mantenga
Danças Vigorosas
Em redor do Almoço
Em Honra da Rainha-Mãe
Anfitrião Mbuluzi
Memorial de Sobhuza II, 2º
Memorial do Rei Sobhuza II
Quedas d’Água de Mantenga
A Rocha de Sibebe
Gado Real
O Vale de Ezulwini
Mantenga Cultural Village
Estendido por quase 30km, o vale de Ezulwini é o coração e a alma da velha Suazilândia. Lá se situa Lobamba, a capital tradicional e assento da monarquia, a pouca distância da capital de facto, Mbabane. Verdejante e panorâmico, profundamente histórico e cultural, o vale mantém-se ainda o cerne turístico do reino de eSwatini.

Estamos no fim de Fevereiro e a mais de mil metros de altitude.

Pela altura do ano, o Estio destas paragens já devia ter começado a baquear. Em vez, o Domingo desperta morno.

Numas poucas horas, devolve Mantenga, o vale de Ezulwini e a maior parte de eSwatini à estufa meteorológica que, assim nos afiançam distintos anfitriões, já se arrasta há uns dias.

Subimos até à varanda de madeira e estação de refeições desafogada do Mantenga Lodge.

Envolve-a uma floresta tropical que as chuvas fulminantes do fim de tarde e o rio Lusushwana irrigam quase em permanência.

Oposto àquela meia-encosta luxuriante, destaca-se um cabeço granítico que umas poucas nuvens solitárias parecem desafiar.

Ezulwini, a Montanha de Nyonyane e a Execution Rock

De visual dramático, conhecido como Execution Rock, é um dos picos que coroam Nyonyane, uma montanha há muito associada à realeza suazi e, por motivos díspares, à vida e ao seu fim.

Nos primórdios da região, os bosquímanos usaram grutas e reentrâncias de Nyonyane como abrigos. A sabedoria popular de eSwatini, reiterada, amiúde pelos guias locais, explica o nome do pico.

Noutros tempos de justiça inclemente, os perpetradores de crimes graves, incluindo bruxaria e afins, eram conduzidos ao topo do rochedo e de lá atirados sem apelo.

Em redor, Nyonyane acolhe ainda a realeza suazi falecida. Durante a sua vigência, os membros da família real Dlamini têm aposentos em Ngabezweni.

Uma vez defuntos, são sepultados em grutas das vertentes rochosas de Nyonyane, em áreas consideradas sagradas.

De acordo com Nsesi, um dos nativos que nos guia, o estádio em que se realizam os maiores eventos da nação pode receber quinze mil espectadores. Ficou, no entanto, desprovido de metade da sua estrutura de bancadas. Isto, para que, durante os eventos, os súbditos não virassem as costas à realeza ancestral.

Está longe de ser tudo. Segundo o mesmo guia, quando os súbditos têm necessidade de apontar a montanha de Nyonyane, devem fazê-lo com o dedo dobrado.

eSwatini, ex-Suazilândia:  a Derradeira Monarquia Absoluta de África

eSwatini preserva uma realeza secular e o derradeiro monarca absoluto (leia-se não constitucional) de África. Como, em Tonga, subsiste o da vasta Polinésia.

Fundou-a um tal de chefe Mtalatala que conduziu o povo suazi através da actual Tanzânia e de Moçambique até aos domínios em que se radicaram.

A sua antiguidade justifica um sem número de protocolos e mesuras, algumas, à luz dos nossos dias, consideradas excêntricas e que conferem ao reino boa parte do fascínio que desperta.

A Realeza de eSwatini e uma Histórica Poligamia

É, por exemplo, expectável que o rei suazi seja polígamo. Mswati III, tem, nem mais nem menos, que catorze mulheres. E, destas, mais de vinte cinco filhos.

A poligamia está de tal maneira implantada na história de eSwatini que, em 2019, o próprio Mswati III se viu obrigado a desmentir uma acusação tornada viral de que tinha decretado que todos os homens seus súbditos deveriam manter, pelo menos, duas mulheres, ou seriam presos.

Dias depois, cumprimos todo um périplo pela capital real de Lobamba.

Inteiramo-nos de muitas outras particularidades.

Eswatini, Ezulwini Valley, Mantenga Cultural VillageMantenga e a sua Mantenga Cultural Village

Esse dia inaugural e calorento, começamos por dedicá-lo à Mantenga Cultural Village.

Trata-se de uma povoação instalada às margens do rio Lusushwana.

Cumpre a finalidade de exibir aos visitantes os modos de vida tradicionais do povo suazi.

Lá nos serve de anfitrião Paul, assim se apresenta com a sua graça cristã e o cuidado de informar o verdadeiro nome:

Mbuluzi, o mesmo de um rio que flui mais para noroeste da nação, na iminência da fronteira com a África do Sul.

A aldeia agrupa cabanas elementares, protegidas por uma paliçada.

Antes de a percorrermos, Mbuluzi convoca-nos para uma apresentação de danças.

Ia ter lugar no interior de uma cabana comunal bem mais ampla, à sombra e a salvo da fornalha que, entretanto, se tinha intensificado.

As Danças que Espelham o Espírito Aguerrido do Povo Suáti

Lá se apresentam homens e mulheres suazis, os homens de tronco nu, acima de saiotes de pele, adornados ainda por caneleiras e pulseiras felpudas.

As mulheres, trajam as túnicas vermelhas, brancas e negras tradicionais de eSwatini, que vimos, noutras partes e ocasiões, decoradas com a imagem do rei.

Ambos os géneros brandem bastões de madeira e impressionam-nos e aos restantes espectadores com movimentos ora graciosos, ora bélicos e vigorosos que emulam a histórica aptidão suázi para as batalhas e a submissão dos inimigos.

Decorrida mais de meia-hora, comprovado em exibições de dias posteriores, concluímos que, entre uma panóplia de movimentos, se distinguem, nas danças suázis, as sucessivas elevações das pernas acima da cabeça.

Enquanto os dançarinos recuperam do esforço e limpam o suor, Mbuluzi conduz-nos ao interior da paliçada.

Instantes depois, guia-nos de cabana em cabana, cada qual meritória da sua narrativa, algumas, já com a presença dos dançarinos, convertidos em figurantes.

A Casa da Avó e as Cascatas do rio Lusushwana

Mbuluzi despende tempo adicional na denominada casa da avó, presente em todas as aldeias tradicionais de eSwatini e até mesmo nas já erguidas em pedra e materiais modernos.

“Onde quer que seja, em eSwatini, a casa da avó continua a ser vista como o “porto de abrigo” comunal, o lugar onde os membros da família se inteiram das novidades e onde procuram conselhos para momentos de indecisão e dificuldade.

Muitas coisas mudaram e mudam neste reino. Acreditem que o respeito pela casa da avó se mantém na base da nossa forma de ser.”

Mbuluzi preocupa-se ainda em, para lá da aldeia e da componente cultural, nos revelar paisagens incontornáveis que não a Execution Rock.

Cumprida uma viagem de jipe e a pé até à beira do rio, damos com as cascatas de Mantenga e com um bando de javalis-africanos sedentos, ansiosos por se meterem na água.

Por essa altura, o calor atingia o seu ápice. Gerava cumulus nimbus impressionantes que auguravam o dilúvio breve do dia.

Durante todo aquele périplo, tinha-se insinuado, acima, a Execution Rock. Haveríamos de a conquistar, dias mais tarde, a partir de uma vertente oposta de Mlilwane.

Nessa tarde, ainda nos rendemos a uma outra elevação emblemática da nação.

Cruzamos Mbabane, a capital executiva de eSwatini, morada de quase cem mil dos quase 1.3 milhões de súbditos, na sua grande maioria de etnia suázi, sendo que cerca de 15% são Zulus e de outras etnias.

 

A Monumental Sibebe Rock

De Mbabane, prosseguimos para norte, por um vale comparável ao de Ezulwini, aprofundado pelo tal rio Mbuluzi.

Às tantas, uma enorme falésia de pedra cinzenta-listada destaca-se da planura e das encostas verdejantes.

Por alguma razão, consta nos rótulos da cerveja mais popular do país.

Impressionante como a víamos, com os seus 800 metros de altura, a Sibebe rock define um dos monólitos superlativos de África, promovido, amiúde, como um dos maiores à face da Terra.

Lá tem lugar a competição Sibebe Survivor que envolve a escalada extenuante e, em boa parte, rastejante até ao cimo.

Uma lesão inesperada e o calor abrasivo impedem-nos de a tentarmos. Em vez, dedicamo-nos à cerveja, se bem que não a de Sibebe, a de marula.

Em eSwatini, era, naquela altura do ano, confeccionada e consumida em enormes quantidades. Justificava, até mesmo, todo um festival nacional, celebrado numa exuberante ebriedade.

Por sua culpa, um número substancial de súbditos ziguezagueava, em euforia, por caminhos rectos.

Lobamba: a Capital Real de eSwatini

A nossa introdução à cerveja de marula começou, com relativa pompa e circunstância, por uma visita a Lobamba.

Lobamba é a capital legislativa do Reino de eSwatini, sede do Parlamento, da Aldeia Real de Ludzidzini, a residência da Rainha-Mãe de eSwatini.

E ainda do King Sobhuza II Memorial Park, erguido em honra do rei que conduziu a então Suazilândia à independência do Reino Unido.

Sobhuza II orgulhou-se de ter conseguido a emancipação suazi dos colonos sem conflitos e sem gerar inimigos para a sua nação, a famosa citação “I Have no Enemies”.

Provou-se também o verdadeiro peso-pesado suázi da poligamia, chefe de uma família que se estimava contar com cerca de seiscentos descendentes crianças, supostamente todos de apelido Dlamini.

Finda essa incursão, em jeito de contraponto, Bongani Motsa (grato, no dialecto suáti), o guia designado, propõe-nos visitarmos o bairro em que tinha nascido, Txuluga.

Txuluga e a Prova da Cerveja de Marula

Descobrimo-lo feito de lares e outros edifícios pobres, numa discrepância polémica com o fausto esbanjador, inevitavelmente, gerador de frustração e protesto em que vive a Realeza.

Ironia das ironias: Bongani esclarece-nos que Txuluga também é o bairro de que provinha Sobhuza II, pai falecido da nação e do actual rei Mswati III.

Cirandamos entre casas abarracadas. Saudados com júbilo por sucessivos moradores alcoolizados. “Bom, com tanta pergunta sobre a marula e a cerveja, está na altura de a provarem!”

Seguimos o guia por duas ou três ruelas sinuosas. No fundo de uma delas, um grupo de nativos convive animado pela bebida. Vende-a, ao copo de plástico, uma fornecedora inesperada, Busi Mthembu, uma viúva idosa que se limita a cobrar, mas se mantém à margem da festa.

Provamos a cerveja, sob o esgar gozão dos convivas. Sabe-nos na mesma linha de bebidas artesanais que provámos noutras partes de África, por exemplo, os vinhos de palma e de caju.

Bebericamos um pouco mais, de maneira a justificarmos a aprovação e a atenção de Bongani Motsa. Após o que nos despedimos dos moradores e deixamos Txuluga, antes que a marula fermentada nos vitimasse.

Regressamos a Mantenga só ligeiramente zonzos,

Pelo caminho, uma manada de vacas detém-nos e ao restante trânsito.

Dizem-nos que o gado pertence ao rei Mswati III.

A bátega do dia não tardou a apoderar-se do vale e a refrear os ânimos no reino de eSwatini.

 

Como Ir

Voe para Mbabane via Maputo, com a TAP Air Portugal: flytap.com/ e a FlyAirlink.

Onde Ficar

Mantenga Lodge: mantengalodge.com; +268 2416 1049

Mais Informação e Apoio na Preparação da Sua Viagem

The Kingdom of Eswatini: www.thekingdomofeswatini.com

Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Cabo da Boa Esperança - Cape of Good Hope NP, África do Sul

À Beira do Velho Fim do Mundo

Chegamos onde a grande África cedia aos domínios do “Mostrengo” Adamastor e os navegadores portugueses tremiam como varas. Ali, onde a Terra estava, afinal, longe de acabar, a esperança dos marinheiros em dobrar o tenebroso Cabo era desafiada pelas mesmas tormentas que lá continuam a grassar.
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
Robben Island, África do Sul

A Ilha ao Largo do Apartheid

Bartolomeu Dias foi o primeiro europeu a vislumbrar a Robben Island, aquando da sua travessia do Cabo das Tormentas. Com os séculos, os colonos transformaram-na em asilo e prisão. Nelson Mandela deixou-a em 1982, após dezoito anos de pena. Decorridos outros doze, tornou-se o primeiro presidente negro da África do Sul.
Cidade do Cabo, África do Sul

Ao Fim e ao Cabo

A dobragem do Cabo das Tormentas, liderada por Bartolomeu Dias, transformou esse quase extremo sul de África numa escala incontornável. E, com o tempo, na Cidade do Cabo, um dos pontos de encontro civilizacionais e urbes monumentais à face da Terra.
Garden Route, África do Sul

O Litoral Jardim da África do Sul

Estendida por mais de 200km de costa natural, a Garden Route ziguezagueia por florestas, praias, lagos, desfiladeiros e parques naturais esplendorosos. Percorremo-la de leste para oeste, ao longo dos fundos dramáticos do continente africano.
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Grande Zimbabwe

Grande Zimbabué, Mistério sem Fim

Entre os séculos XI e XIV, povos Bantu ergueram aquela que se tornou a maior cidade medieval da África sub-saariana. De 1500 em diante, à passagem dos primeiros exploradores portugueses chegados de Moçambique, a cidade estava já em declínio. As suas ruínas que inspiraram o nome da actual nação zimbabweana encerram inúmeras questões por responder.  
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Cerimónias e Festividades
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Lençóis da Bahia, Diamantes Eternos, Brasil
Cidades
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Celebração Nahuatl
Cultura

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Santo Domingo, Cidade Colonial, República Dominicana, Diego Colombo
História
Santo Domingo, República Dominicana

A Mais Longeva Anciã Colonial das Américas

Santo Domingo é a colónia há mais tempo habitada do Novo Mundo. Fundada, em 1498, por Bartolomeu Colombo, a capital da República Dominicana preserva intacto um verdadeiro tesouro de resiliência histórica.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Ilhas
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Efate, Vanuatu, transbordo para o "Congoola/Lady of the Seas"
Natureza
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rede em Palmeiras, Praia de Uricao-Mar das caraibas, Venezuela
Parques Naturais
PN Henri Pittier, Venezuela

PN Henri Pittier: entre o Mar das Caraíbas e a Cordilheira da Costa

Em 1917, o botânico Henri Pittier afeiçoou-se à selva das montanhas marítimas da Venezuela. Os visitantes do parque nacional que este suíço ali criou são, hoje, mais do que alguma vez desejou
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Património Mundial UNESCO
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Fila Vietnamita
Praias

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Sociedade
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
saksun, Ilhas Faroé, Streymoy, aviso
Vida Quotidiana
Saksun, StreymoyIlhas Faroé

A Aldeia Faroesa que Não Quer ser a Disneylandia

Saksun é uma de várias pequenas povoações deslumbrantes das Ilhas Faroé, que cada vez mais forasteiros visitam. Diferencia-a a aversão aos turistas do seu principal proprietário rural, autor de repetidas antipatias e atentados contra os invasores da sua terra.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.