Guwahati a Sela Pass, Índia

Viagem Mundana ao Desfiladeiro Sagrado de Sela


Voltas de fé
Fiéis junto a pagodes budistas na beira da estrada que conduz ao Sela Pass, em Arunachal Pradesh.
Uma Crista militar
Linha de edifícios militares indianos no cimo de uma crista, a uns poucos kms do Desfiladeiro de Sela.
Curvas & Contracurvas
Curvas e contracurvas da estrada de montanha NH13, nas imediações do desfiladeiro de Sela.
Sela a 4
Camião percorre a estrada de montanha, a meros 4 km do Sela Pass.
Recordação sem expressão
Motociclista posa junto ao pórtico budista do desfiladeiro de Sela.
Budismo Tibetano ao vento
Pormenor do pórtico budista do Sela Pass.
Bro: Sela Pass
Sinais nas imediações do pórtico budista do desfiladeiro de Sela
Abrigo com chá
Clientes e dona no interior da tea house à beira do Sela lake.
Durante 25 horas, percorremos a NH13, uma das mais elevadas e perigosas estradas indianas. Viajamos da bacia do rio Bramaputra aos Himalaias disputados da província de Arunachal Pradesh. Neste artigo, descrevemos-lhe o trecho até aos 4170 m de altitude do Sela Pass que nos apontou à cidade budista-tibetana de Tawang.

Vários grupos iam sair de Guwahati, a capital do Nordeste Indiano, para distintos itinerários por diferentes províncias da região. Na noite anterior, John, o guia para o estado de Arunachal Pradesh informou-nos que, devido à exigência do nosso percurso apontado ao Sela Pass, tínhamos que sair do hotel às 5 da manhã, três horas antes das restantes comitivas.

Já andávamos com um bom défice de sono. Contemplámo-nos um ao outro numa partilha de pânico contido mas, à hora marcada, demos entrada no átrio e cumprimentámos pela primeira vez os quatro outros participantes da viagem: Annapurna, inglesa; Stephen e James dos E.U.A. e Peter, canadiano.

Às 6h da manhã continuávamos no lobby à espera não sabíamos bem do quê. Uma vez que o pequeno-almoço ia abrir, aproveitámos para o tomar. Só as 7h é que John deu sinal de vida. Explica que um dos motoristas não tinha aparecido e que tinha ido procurá-lo. Por fim, às 7h15, metemo-nos nos carros e partimos.

Serpenteamos pela vastidão urbana de Guwahati. Por pouco tempo. Todos precisamos de comprar cartões SIM. Nativo de Tawang, John estima que resolveria a questão pelo caminho. Mas, de cada vez que pára, dizem-lhe nas lojas que não conseguem. Paramos mais uma, duas, três, quatro vezes.

A GS Road, de Guwahati, Assam, Índia

Trânsito na GS Road, a estrada mais importante de Guwahati.

À quarta, numa lojinha mal-amanhada enfiada numa quase cave, dois jovens assameses lá aceitam a tarefa. Mas levam o seu tempo. Eram quatro os telefones dos estrangeiros, e quatro as activações necessárias, cada qual com intermináveis procedimentos.

Só nisto, foram-se quarenta minutos. Enquanto esperávamos, fotografámos a acção na barbearia logo ao lado e uma boa série de moradores das casas em redor.

Com os telefones operacionais, voltámos à estrada. Perdemos os arredores de Guwahati de vista e, aos poucos, ingressámos na planura aluvial e tropical do estado de Assam.

Preenchiam-na arrozais sem fim entrecortados por aldeias e lugarejos. Uns, hindus, outros muçulmanos. Muitos deles que as autoridades de Delhi considera habitados por imigrantes bangladeshis de várias gerações e que quer legalizar ou expulsar, uma polémica que sem têm revelado o principal barril de pólvora desta região.

Cruzamos o grande rio Bramaputra. Avançamos paralelos ao Kameng, um afluente vindo dos Himalaias que se entrega ao Bramaputra na perpendicular. Aproximamo-nos mais e mais do sopé tropical da cordilheira.

Os arrozais dão lugar a grandes plantações do famoso chá Assam. Vemos mulheres de saris coloridos trabalharem entre as fileiras do vegetal sob o olhar controlador dos capatazes. Outros funcionários pedalam pasteleiras ao longo da vereda de terra vertebral da plantação.

O exotismo daquela visão e a fama quase extraplanetária do chá Assam deixam-nos a todos em pulgas. Rogamos a John para pararmos. O cicerone responde-nos que tínhamos começado com duas horas de atraso e que o percurso até Dirang – onde iríamos dormir – era longo e complicado. Não nos fez à vontade então. No regresso, numa reacção algo sindicalista de fotógrafos, obrigámo-lo mesmo a ceder.

Prosseguimos pela Chariduar – Tawang Road, curva contra curva, a seguinte tão ou mais apertada que a anterior. Ascendemos ao longo da margem do Kameng que acompanhamos por incontáveis vertentes selvagens dos Himalaias.

De início, vemo-las forradas de pequenas palmas, ráfias, de sub-florestas de bambu, colónias de bananeiras, de uma bem mais prolífica fauna dos trópicos. Salta-nos à vista como se tornam menos densas, viçosas e luxuriantes à medida que a altitude aumenta.

Numa das inúmeras ladeiras que teve que vencer, um dos Toyotas Innova usados de que a companhia de John (como tantas outras da região) se orgulhava dá de si. Tivemos que que nos deter para que arrefecesse.

A paragem permitiu um convívio espontâneo na natureza por que vínhamos há muito a ansiar.

Meia hora depois, mecânica funcional – não propriamente recuperada – ascendemos mais umas boas centenas de metros dos Himalaias.

Abandonamos as vertentes íngremes tropicais e o Kamenga. Passamos a seguir o caudal amplo e o vale escavado por sucessivos anos e monções e inundações do Tenga, outro colosso fluvial destas paragens na iminência de Bondila.

Atrasos, paragens para Sim Cards e avarias, tudo junto, o tempo perdido tinha feito John esticar a corda da viagem a limites inconcebíveis. Tudo bem que em cada pausa forçada aproveitávamos para beber milktea ou mordiscar um qualquer petisco. Fosse como fosse, às quatro da tarde não tínhamos ainda almoçado.

Casario de Dirang, à beira do rio homónimo, Arunachal Pradesh, Índia

Panorama de Dirang no caminho entre Guwahati e o Sela Pass.

John encostou num nenhures qualquer de beira da estrada entre Bondilla e Dirang, a 2km de Kamalanchan – assim ditava um marco quilométrico. Ali nos concedeu a refeição e descanso por que já desesperávamos.

O estabelecimento revelou-se pitoresco, enfiado num barraco de tarja pintada por dentro em tons de azul, com mesas cobertas de linóleos com design despretensioso.

Uma jovem mãe e uma filha tomavam conta do negócio a partir do balcão à entrada, cercadas de garrafas de refrigerantes, pacotes de aperitivos, de caixas de ovos, de noodles instantâneos e ainda de grandes termos com chá e café. Acima das duas e da mercancia, uma fotografia emoldourada do Dalai Lama abençoava-lhes o negócio e as vidas.

Com a fome com que tínhamos chegado, todos nos limitámos a responder que sim à sugestão meio imposta de John de comermos dal bahts, o mais clássico dos pratos populares indianos, que combina arroz, lentilhas e outros vegetais.

Para Annapurna Mellor, a inglesa loura, branquinha de visual frágil mas muito aventureira que seguia no nosso carro, estava perfeito.

“Bom, chamo-me assim aparentemente porque os meus pais me conceberam durante o Annapurna Circuit, pelo menos foi o que me explicaram”. Pelo seu nome mas também pela atracção e pelo amor que sentia pela Ásia e pelo budismo em particular, Annapurna era vegetariana e uma apreciadora inveterada da gastronomia indiana, como da nepalesa e da tibetana.

Já fazia frio. Enquanto esperávamos, sentámo-nos uns breves minutos à conversa em volta de uma fogueira. Dali, para mal dos pecados de todos os outros, percebemos que Peter e James mantinham a mesma postura de divas ofendidas com que tinham partido de Guwahati. E que pouco mais faziam que se queixarem.

Os dal bhats chegaram. Cada qual coroado com a sua papad dourada e estaladiça. Para gáudio de John, sumiram-se num ápice.

Transeunte junto a pórtico budista-tibetano de Dirang, em Arunachal Pradesh, Índia

Transeunte passa por um pórtico budista-tibetano de Dirang.

Chegamos a Dirang às nove da noite, seis horas mais tarde do que havia sido programado.

Às onze, entramos em modo de recarregamento de baterias. As nossas e as da tralha electrónica toda que nos vemos forçados a transportar nas viagens.

O repouso dura o que dura. Voltamos a despertar antes das galinhas. Após o pequeno-almoço madrugador, John e os dois motoristas tratam de trocar o Toyota Innova problemático por um jipe.

Nós, aproveitamos a trégua rodoviária para explorar um pouco de Dirang. Acabamos seduzidos sobretudo pelo garrido religioso das suas ruas decoradas com sucessivos estendais de bandeiras tibetanas de oração que o vento faz tremelicar e que reluzem contra o sol já a espreitar sobre as montanhas.

Rua de Dirang, cidade de Arunachal Pradesh, Índia

Rua de Dirang decorada com estandartes budistas esvoaçantes.

Mal John surge com o jipe, voltamos à estrada. Desta feita, para variar, detemo-nos menos de 20km depois.

John planeara uma paragem estratégica no Nyukmadung War Memorial, erguido no local exacto de uma batalha do conflito sino-indiano de 1962, quando forças do exército chinês se infiltraram na Índia, devido a divergências que desde então se arrastam quanto à definição das fronteiras entre os dois países na região.

Durante os anos subsequentes, os nativos preservaram o costume de empilhar pedras em homenagem dos soldados indianos abatidos na batalha. Mais tarde, seria erguido o memorial que presenciávamos, sem qualquer dúvida budista, acessível por um pórtico e uma escadaria que conduzem a uma estupa no centro de uma profusão intrincada e colorida de bandeiras de oração.

Pagodas budistas no Nyukmadung War Memorial, Arunachal Pradesh, Índia

Pagodas budistas no Nyukmadung War Memorial, erguido em homenagem a soldados indianos perecidos naquele local conflito sino-indiano de 1964.

Não seria o último memorial de guerra do trajecto. Muito menos seria a sua única visão com génese bélica.

Estávamos a meros 45km do Sela Pass, ponto mais alto do itinerário, tanto devido aos 4170m cimeiros a que se situa mas também pelo significado religioso do lugar.

Em boa parte dessa distância, a NH13 ascende a bom ritmo e contorce-se em dezenas de meandros, alguns deles tão apertados que nos dão a sensação de estarmos a retroceder. A esta altitude, escasseia já a vegetação. Alguns iaques cruzados com vacas alimentam-se da pouca que encontram.

Iaque à beira da estrada, na iminência do desfiladeiro de Sela

Iaque à beira da estrada, na imediações do desfiladeiro de Sela.

Mas o que mais salta à vista, é a profusão de acampamentos militares e de paióis camuflados e disseminados pelos vales e encostas abaixo e até acima da estrada. E a quantidade de caravanas e camiões militares que nos obrigam a encostar à berma e ultrapassam a grande velocidade.

Casa assaltada, trancas à porta. Tal como testemunha há muito o memorial de Nyukmadung, em Novembro de 1962, foi exactamente pelo desfiladeiro de Sela que as forças chinesas invadiram e surpreenderam as indianas.

Com a fronteira sino-indiana do noroeste dos Himalaias ainda em disputa, a Índia não só não baixou a sua guarda como a reforçou de modo exponencial, tanto aquém como para lá do Sela Pass.

Complexo militar indiano à beira da estrada NH13

Edifícios militares indianos à beira da hipermilitarizada estrada NH13.

Como consequência, este desfiladeiro sagrado para os budistas-tibetanos que acreditam na sacralidade dispersa de mais de cem lagos da zona, permanece há muito cercado de tendas, material militar e soldados camuflados.

E, no entanto, o Sela Pass, em si, mantém-se um cenário à parte. Sopra um vento furibundo quando o alcançamos. Faz esvoaçar e estica sobre a estrada o emaranhado de bandeiras budistas de oração a partir do pórtico de passagem.

Mal sai do carro, John instala lá uma bandeira sua em jeito de agradecimento por a viagem até ali ter sido abençoada.

Motociclista no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia

Motociclista posa junto ao pórtico budista do desfiladeiro de Sela.

O Sela Pass marca uma espécie de linha de vida para boa parte dos habitantes do estado de Arunachal Pradesh, já que é a única passagem entre a região de Tawang ao resto da Índia.

Militares indianos no desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia

Soldados indianos de serviço no desfiladeiro de Sela.

A ventania frigida mantém dois soldados para ali destacados no conforto do edifício de acolhimento dos visitantes. Mais que meros soldados, estão de plantão no bar e são eles que nos servem milkteas providenciais. Voltamos ao exterior e apreciamos por mais algum tempo a beleza excêntrica do pórtico fustigado pelo vento e por alguma neve levantada do solo.

De quando em quando, viajantes de carro ou até de mota estacionam e fazem-se fotografar de frente para o portal. Depois, seguem o seu rumo. Uns na direççao de Dirang. Outros, na de Tawang. Foi nesta que continuámos.

Lago de Sela, Arunachal Pradesh, Índia

O lago semi-gelado de Sela, nas imediações do desfiladeiro homónimo.

Cruzamos o pórtico a pé. Do lado de lá, encontramos um dos 100 lagos sagrados do budismo tibetano, coberto de uma camada de gelo fina e envolto de um solo amarelo ensopado e endurecido o Inverno.

John conhecia uma senhora proprietária de uma casa de chá do outro lado da estrada que contornava o lago, Dima, assim se chamava a dona. Entrou, saudou-a com sentimento, pediu um milktea e ficaram uns minutos à conversa.

Interior de Tea House à beira do Sela Lake, desfiladeiro de Sela, Arunachal Pradesh, Índia

Clientes e dona no interior da tea house à beira do Sela lake.

Parecia estar-se melhor naquela teahouse que no carro e milkteas nunca são demais. De acordo, seguimos todos o exemplo do guia. Ao entrar, a Sara e Dima apercebem-se que vestem blusões para o frio praticamente iguais.

A Sara aponta-o e, ao sorrir, deixa a senhora à vontade para a reacção que lhe aprouvesse. Acabam as duas a rir à gargalhada enquanto as fotografo lado a lado.

Estávamos para lá do desfiladeiro de Sela. Quem cruza Sela quer chegar a Tawang. Só nos faltavam 70 km. Umas derradeiras meras três horas de caminho.

 

Os autores agradecem o apoio na realização deste artigo às seguintes entidades: Embaixada da Índia em Lisboa; Ministry of Tourism, Government of India.

Gangtok, Índia

Uma Vida a Meia-Encosta

Gangtok é a capital de Sikkim, um antigo reino da secção dos Himalaias da Rota da Seda tornado província indiana em 1975. A cidade surge equilibrada numa vertente, de frente para a Kanchenjunga, a terceira maior elevação do mundo que muitos nativos crêem abrigar um Vale paradisíaco da Imortalidade. A sua íngreme e esforçada existência budista visa, ali, ou noutra parte, o alcançarem.
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Tawang, Índia

O Vale Místico da Profunda Discórdia

No limiar norte da província indiana de Arunachal Pradesh, Tawang abriga cenários dramáticos de montanha, aldeias de etnia Mompa e mosteiros budistas majestosos. Mesmo se desde 1962 os rivais chineses não o trespassam, Pequim olha para este domínio como parte do seu Tibete. De acordo, há muito que a religiosidade e o espiritualismo ali comungam com um forte militarismo.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
PN Tortuguero, Costa Rica, barco público
Parque Nacional
PN Tortuguero, Costa Rica

A Costa Rica e Alagada de Tortuguero

O Mar das Caraíbas e as bacias de diversos rios banham o nordeste da nação tica, uma das zonas mais chuvosas e rica em fauna e flora da América Central. Assim baptizado por as tartarugas verdes nidificarem nos seus areais negros, Tortuguero estende-se, daí para o interior, por 312 km2 de deslumbrante selva aquática.
Picos florestados, Huang Shan, China, Anhui, Montanha Amarela dos Picos Flutuantes
Parques nacionais
Huang Shan, China

Huang Shan: as Montanhas Amarelas dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos das montanhas amarelas e flutuantes de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas da China sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cerimónias e Festividades
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Cidade dourada
Cidades
Jerusalém, Israel

Mais Perto de Deus

Três mil anos de uma história tão mística quanto atribulada ganham vida em Jerusalém. Venerada por cristãos, judeus e muçulmanos, esta cidade irradia controvérsias mas atrai crentes de todo o Mundo.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Chiang Khong a Luang prabang, Laos, Pelo Mekong Abaixo
Em Viagem
Chiang Khong - Luang Prabang, Laos

Barco Lento, Rio Mekong Abaixo

A beleza do Laos e o custo mais baixo são boa razões para navegar entre Chiang Khong e Luang Prabang. Mas esta longa descida do rio Mekong pode ser tão desgastante quanto pitoresca.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Étnico
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
António do Remanso, Comunidade Quilombola Marimbus, Lençóis, Chapada Diamantina
História
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Marcha Patriota
Ilhas
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Tempo de aurora
Natureza

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Parques Naturais
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Embaixada, Nikko, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Praias
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
Braga ou Braka ou Brakra, no Nepal
Religião
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com agrado.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Abastecimento
Vida Selvagem

PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.

Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.