Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação


Encontro de irmãos
Composições do Flam Railway encontram-se em sentidos contrários.
Rio deGelo
Curso de água alimentado pelo degelo flui ao longo do PN Hallingskarvet.
Panorama a bordo
Passageiros do Flam Railway convivem numa das carruagens.
Onde o Inverno resiste
Cenário nevado do PN Hallingskarvet, num domínio planáltico que antecede Myrdal.
Verde-espelho
Paisagem espelhada num dos muitos lagos entre Nesbyen e Myrdal.
Myrdal – Ti Flam/Rallarvegen
Placa identifica a estação de Myrdal e a sua altitude: 866.8 metros.
Malvin Midje ao seu dispôr
Malvin Midje, funcionário do Flam Railway.
A Poderosa Kjosfossen
Kjosfossen, a queda d'água mais íntima do Flam Railway.
Dança de huldra
Dançarina encarna o papel de uma huldra, à beira da queda d'água Kjosfossen. Uma huldra é uma criatura da mitologia norueguesa que atrai os homens à floresta.
Noruega dos pequeninos
Passageiros orientais admiram as casas miniatura de Myrdal.
Fiorde adentro
Composição do Flam Railway entra num dos vários túneis do caminho de ferro.
Véu de Noiva Norueguesa
Queda d'água flui do cimo de uma ravina verdejante, uma das visões comuns do do Flam Railway.
Flam à Vista
Panorâmica da zona velha de Flam, a anteceder a estação final de Flam.
Dança de huldra
Figurante de uma huldra dança sobre a floresta ensopada junto à queda d'água Kjosfossen.
Encontro de tugas
Sara Wong e Marco C. Pereira com João Carvalho, o "despachado" funcionário português do Flam Railway que põe os passageiros a mexer.
Entroncamento ferroviário-marinho de Flam
Linha do Flam Railway encontra a doca em que atracam os cruzeiros que sobem o Sognefjord.
Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.

É só em Nesbyen, já mais despertos sobre a plataforma da estação local do Flam Railway, que a jornada nos suscita as primeiras emoções.

Estamos em Junho. Choveu todo o percurso desde a capital. Tal como ansiávamos que sucedesse, mais para meio da manhã, as nuvens deram de si e permitiram um embarque seco e ordeiro tendo em conta que, nesta secção inicial da viagem, num comboio convencional, moderno e sem janelas que abrissem, os passageiros iam seguir com assentos marcados.

Mesmo assim, a entrada é disputada ao centímetro. No fim, vencem os sempre determinados e imbatíveis chineses.

Instalamo-nos o mais confortáveis possível mas, inquietos, saímos para uma ou outra foto à pressa e voltamos aos lugares sempre a controlar o momento da partida. Decorridos dez minutos, a composição põe-se em marcha connosco dentro, sem sobressaltos.

O Cenário Surpreendente que antecede o do Flam Railway

Íamos convencidos de que o trajecto que antecede o mais notório Flam Railway se revelaria banal. Não foi assim. Viajámos quase sempre ao longo do caudal serpenteante do rio Hallingdalselva e de lagos vizinhos encaixados em vales verdejantes, pejados de lares campestres.

PN Hallingskarvet, Noruega

Cenário nevado do PN Hallingskarvet, num domínio planáltico que antecede Myrdal.

Mais para a frente, entramos nas terras altas do PN Hallingskarvet, bem acima dos 1000 metros de altitude. Tudo muda de figura. Mesmo em Junho, este planalto esculpido por sucessivas idades do gelo continuava no seu Inverno à parte. O verde passa a surgir apenas a espaços e, a determinada altura, cede de vez a uma panorama acastanhado e branco dos retalhos de neve que resistem às intenções do estio.

Cascatas alimentadas pelo degelo desses nevados e de glaciares soberanos fluem penhascos abaixo e alimentam vários rios, riachos e lagos: o Tungevatnet, o Hestebotnvatnet, o Finsevatnet e outros – que por ali fluem. Os mais sérios são velozes e repletos de rápidos, uns correm na região de Buskerud, outros, na fronteiriça de Hordaland.

Numa e noutra, como cogumelos humanos, grandes cabanas-abrigo de madeira escura ornam o planalto. Enchem-nos o imaginário de deliciosos retiros divididos entre a beira-rio e a beira-lareira.

Não tarda, deixamos o domínio de Hallingskarvet. Prosseguimos para noroeste e para baixo dos mil metros. Aos 866, após mais de duas horas de ziguezagues, a composição dá entrada em Myrdal, um povoado disposto em redor da estação ferroviária homónima, ali presente como entroncamento da linha de Bergen e da de Flam.

Placa da estação do Flam Railway de Myrdal, Noruega.

Placa identifica a estação de Myrdal e a sua altitude: 866.8 metros.

João Carvalho na Liderança do Transbordo de Myrdal

É suposto tomarmos a última. Desembarcamos todos para uma plataforma central desafogada. Confrontados com duas linhas, algo distantes do pequeno edifício central, os passageiros rendem-se a uma desorientação momentânea.

Uns, deslocam-se para um lado, outros para o oposto, em busca do melhor lugar para se situarem na disputa dos assentos do comboio que se seguia, esse sim, conhecido por percorrer dos cenários mais impressionantes da Noruega e do mundo.

O desnorte pouco dura. Às tantas, um dos funcionários da estação, identificado com um colete verde-fluorescente, aparece e alto mas num tom paternal grita: “Follow me my children, follow me!”. Assim convoca e dispõe todos os passageiros em sua roda de forma a ouvirem o briefing que tinha para comunicar.

Ficamos a saber de onde surgiria a composição do Flam Railway, em que sentido seguiria e onde nos deveríamos posicionar face à composição iminente. Formam-se novas filas, com a comoção esperada. Uma passageira chinesa mais excitada com a evasão e a competição atropela uma outra norte-americana, já com alguma idade. Suscita um incidente de relações internacionais que a boa disposição dos demais depressa ajuda a sanar.

Entretanto, a composição do Flam Railway encosta na plataforma, liderada por uma locomotiva eléctrica cinzenta que puxa várias carruagens bem mais antigas que aquelas em que havíamos chegado a Myrdal.

Por Fim, a Bordo do Reputado Flam Railway

Este segundo e derradeiro comboio fazia já os primeiros dos seus 20 km de trajecto quando o funcionário que nos tinha orientado a todos na estação de partida nos aborda: “Esperem lá, vocês são portugueses, certo?”, questiona-nos imbuído de uma forte suspeita de nos ter ouvido a falar português.

Sara Wong, Marco C. Pereira & João Carvalho, Flam Railway, Noruega

Sara Wong e Marco C. Pereira com João Carvalho, o “despachado” funcionário português do Flam Railway que põe os passageiros a mexer.

Confirmamo-lo. Damos sequência a uma inesperada conversa de compatriotas. João Carvalho diz-nos que é da Margem Sul, onde também temos família. Cumpria a mais recente de várias épocas de Verão a trabalhar no Flam Railway.

Elogiamos-lhe o à vontade e a eficiência com que conduzia os passageiros e perguntamos se os funcionários noruegueses também os tratam daquela tarefa. “Bom tratar… tratam mas não o fazem assim como eu.” diz-nos para confirmar aquilo de que, de qualquer maneira, já não tínhamos grandes dúvidas: o à vontade mediterrânico do João era único e precioso.

Vasculhamos a mente. Ficamos com a impressão de já o ter visto em destaque num documentário francês ou alemão sobre aquele caminho-de-ferro. “É bem possível, confirma-nos o João. Já vieram aí filmar tantas vezes!” Trocamos contactos. João, regressa aos seus afazeres, carruagens fora.

Flam Railway: um Caminho-de-ferro Providencial Conquistado aos Fiordes

Nós, entregamo-nos às janelas que tínhamos conquistado. Dedicamo-nos a contemplar e a registar as paisagens de ambos os lados da linha, uma ramificação da Bergen Line, finalizada em 1941, após 20 anos de construção, no vale de Flamsdalen com o fim de abrir um acesso crucial ao Sognefjord, conhecido como o Rei dos Fiordes e o mais amplo e profundo da Noruega.

A Flam Line tem 20km, 10 túneis e uma ponte. Serpenteia 863 metros abaixo até aos 59m de elevação de Flam. Com um gradiente de 5,5%, é uma das linhas com maior declive à face da Terra. De acordo, as várias carruagens estão equipadas com distintos travões capazes de deter toda a composição.

Queda d'água, Flam Railway, Noruega

Queda d’água flui do cimo de uma ravina verdejante, uma das visões comuns do do Flam Railway.

Nesse trajecto, as janelas das carruagens prendam-nos com vistas incríveis: alguns picos e penhascos nevados mas, sobretudo, ravinas e desfiladeiros profundos e verdejantes com os fundos decorados por casinhas de madeira vermelhas, algumas, amarelas. Caem quedas d’água do cimo dessas ravinas, bem mais longas e caprichosas que as do PN Hallingskarvet.

O Encontro Mitológico com a queda d’água Kjosfossen

Uma delas, a Kjosfossen, precipita-se 90 metros, entre o cimo dissimulado do grande lago Reinungavatnet e o caudal do rio Flamselvi que acompanharíamos até à derradeira estação.

Cai tão volumosa, furiosa e próxima do comboio que parece inundá-lo a qualquer momento. Em vez, passa por baixo da plataforma ali instalada para a composição se deter e conceder aos passageiros uma contemplação despachada e muito borrifada. Da queda d’água. Mas não só.

Kjosfossen, Flam Railway Line, Noruega

Kjosfossen, a queda d’água mais íntima do Flam Railway.

Sem aviso, do cimo das ruínas de uma casa antiga, surge uma mulher loura misteriosa que traja um vestido vermelho. Dança. Move-se e continua a dançar em redor da casa e, logo, pela floresta ensopada contígua, ao som de uma música folk norueguesa.

Tendo o Flam Railway sido, a determinada altura, dedicado aos forasteiros turistas, pago com preços condizentes foi complementado com um acto de estudantes da Escola de Ballet Norueguesa. Lá encarnam, há já muito, a Huldra, uma criatura (mas também toda uma raça ou espécie) espiritual e esquiva da mitologia da Noruega.

Estabelece a mitologia escandinava que estas criaturas atraem os homens à floresta para os seduzir. E que são especialmente benévolas para com os carvoeiros, que se habituaram a contemplar quando estes repousam e enquanto as suas brasas incandescentes arrefecem.

Dança de huldra

Dançarina encarna o papel de uma huldra à beira da queda d’água Kjosfossen, Uma huldra é uma criatura da mitologia norueguesa que atrai os homens à floresta.

Rallarvegen e a Descida para Breikvam

Soa novo aviso a reclamar o reembarque. A composição retoma a descida. Uns poucos quilómetros para diante, quase a meio do percurso, ficamos de frente para outro cenário impressionante: Rallarvegen. O trecho de uma estrada estreita e de terra batida, ziguezagueia vinte uma vezes da base de uma nova queda d’água até ao seu cimo.

Na origem, esta estrada foi ali construída para facilitar os trabalhos hercúleos do Flam Railway, conduzidos pelos ralar (engenheiros de navegação). Finaliza uma via com mais de 120 km que, segundo apuramos mais tarde, vem das alturas de Hol, no condado de Buskerud.

Hoje, usam-na sobretudo os adeptos de BTT. Todos os anos, no curto período em que não está gelada – entre Julho e Setembro – percorrem-na mais de 20.000 ciclistas ansiosos por renovar a adrenalina.

Passamos por sucessivas povoações ribeirinhas, instaladas de forma harmoniosa numa ou noutra margem do rio Flamselvi. Parecem-nos frágeis as suas casas de madeira, insignificantes, naquele cenário feito de paredões de rocha cobertos em parte de árvores que vencem a gravidade.

As povoações são abençoadas por pequenas igrejas luteranas. Têm casas do povo com bandeiras da Noruega altivas. Dali até Flam, pouco divergem do padrão normativo vermelho-branco-amarelo.

Por altura de Breikvam, a linha do Flam Railway divide-se em dois, por forma a que as composições a viajar em sentidos opostos não tenham que parar. Vamos de cabeça quase de fora e assistimos a um desses encontros em que os dois comboios parecem espelhos um do outro.

Old Flam, Flam Railway, Noruega

Panorâmica da zona velha de Flam, a anteceder a estação final de Flam.

Flam. E o Sognefjord à Vista

Não tarda, o gradiente da linha suaviza-se e o vale do Flamselvi abre-se. Conseguimos vislumbrar a Flam antiga, também ela com a esperada disposição e organização norueguesa e uma igrejazinha de madeira escura diminuta a poucos metros do leito do rio.

O comboio vence mais um meandro. Do lado de lá, já sobre a foz do Flamselvi, entramos na Flam moderna, a justificada pela cada vez mais atarefada confluência do Flam Railway e do cais de Flam, no limiar do majestoso Sognefjord.

Funcionário do Flam Railway, Flam, Noruega

Malvin Midje, funcionário do Flam Railway.

A composição desacelera dos menos de 40 km/h a que seguia e detém-se. Os passageiros recuperam a sua bagagem. Aos poucos, descem para a última das estações.

Logo ali, a uns meros metros, esperam-nos merecidas estadias nos hotéis da vila, ou embarques nos navios que percorrem o Sognefjord.

Linha do Flam Railway chega a Flam, Noruega

Linha do Flam Railway encontra a doca em que atracam os cruzeiros que sobem o Sognefjord.

Por volta das três e meia da tarde, subimos a bordo de um dos Fjord Cruises entre Flam e Bergen, rumo à ainda longínqua segunda maior cidade da Noruega. Nessa tarde, no entanto, só navegámos até Balestrand, onde tivemos o privilégio de pernoitar. Balestrand e Bergen, ficam para próximos capítulos.

 

Mais Informações e reservas do comboio Flam Railway e de Tours “Sognefjord in a Nutshell” em www.fjordtours.com.

Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Cidades
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
voos baratos, comprar voos baratos, bilhetes de avião baratos,
Em Viagem
Viajar Não Custa

Compre Voos Antes de os Preços Descolarem

Conseguir voos baratos tornou-se quase uma ciência. Fique a par dos princípios porque se rege o mercado das tarifas aéreas e evite o desconforto financeiro de comprar em má hora.
Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Banco improvisado
História
Ilha Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.
Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
Ilhas
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Tambores e tatoos
Natureza
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Parques Naturais
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
no Palco, Antigua, Guatemala
Património Mundial UNESCO
Antigua, Guatemala

Guatemala Hispânica à Moda Antigua

Em 1743, vários sismos arrasaram uma das cidades coloniais pioneiras mais encantadora das Américas. Antigua regenerou-se mas preserva a religiosidade e o dramatismo do seu passado épico-trágico.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Teleférico que liga Puerto Plata ao cimo do PN Isabel de Torres
Praias
Puerto Plata, República Dominicana

Prata da Casa Dominicana

Puerto Plata resultou do abandono de La Isabela, a segunda tentativa de colónia hispânica das Américas. Quase meio milénio depois do desembarque de Colombo, inaugurou o fenómeno turístico inexorável da nação. Numa passagem-relâmpago pela província, constatamos como o mar, a montanha, as gentes e o sol do Caribe a mantêm a reluzir.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Vida Selvagem
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
EN FR PT ES