Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar


Viajem pelo grande Jossingfjord
Carrinha percorre a estrada que atravessa o Jossingfjord, no Magma Geopark, Noruega.
Entrada na sombra
Vulto na Strandgaten, a ruela principal de Sokndalstrand.
Pintado-de-fresco
Morador de Sokndalstrand re-pinta uma das portas tradicionais da aldeia.
Casas sobre a foz do Sokna
Casario tradicional semi-palafítico de Sokndalstrand, à beira do rio Sokna e do Mar do Norte.
Lares de Stornes
Casario de Stornes no coração do fiorde que faz de fronteira entre as regiões de Rogaland e de Vest-Agder.
Magma lacustre
Lago de montanha entre montanhas de rocha do Magma Geopark.
Abrigo na rocha
Duo de casas de Helleren abrigadas na base de um penhasco côncavo do Jossingfjord.
Vegetal sobre mineral
Tapetes de musgo sobre pedras de anortosito, numa encosta do Jossingfjord.
Um lar ancorado
Ancora pende de uma das casas históricas de Helleren, no Jossingfjord.
Riso troll
Estatueta de troll num jardim de Sogndalstrand.
À beira fiorde
Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord.
Descanso descansado
Visitante de Sokndalstrand num dos bancos da ruela principal da aldeia, a Strandgaten.
Olhos de lã
Ovelhas controlam os movimentos de visitantes humanos, junto ao farol de Eigerøy, próximo de Egersund.
Contornos de pedra
Fraga do cimo do Jossingfjord, como vista do túnel que dá acesso ao seu fundo.
À beira-lago
Lugarejo à beira lago no coração do Magma Geopark.
Viajem pelo grande Jossingfjord
Carrinha percorre a estrada que atravessa o Jossingfjord, no Magma Geopark, Noruega.
Uma ascenção ferroviária
Memórias de Guerra
Placa que evoca dois aviadores neozelandeses que perderam a vida no Jossingjord sobre o fim da 2ª Guerra Mundial.
Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.

Partimos de Stavanger rumo ao Magma Geopark, por um retalho de Noruega meridional que, no mapa, parece ter sido estraçalhado por um rolo compressor.

À imagem de boa parte da Escandinávia e da Finlândia, as eras glaciais e os seus profícuos glaciares, como os degelos que lhes sucederam, legaram uma vastidão de elevações e vales abruptos sulcados e salpicados de rios e riachos, de milhares de lagos, lagoas, pântanos, braços de mar, desfiladeiros inundados e afins.

O Caminho Bucólico para as Margens do Sokna

A estrada campestre que percorríamos evitava-os e usava as vantagens do terreno anfíbio com uma precisão e suavidade só ao alcance das melhores engenharias. Por altura de Egersund, por fim, ficamos com o Mar do Norte pela frente. Daí para baixo, seguimos pela Sokndalsveien, a via ainda mais retirada e tranquila que atravessa o derradeiro concelho do condado de Rogaland.

Conduzimos por prados que, para óbvio deleite dos rebanhos lãzudos, a chuva intermitente de Verão mantém ensopados, verdejantes e tenros. Não tarda, a Sokndalveien confronta-se com o Sokna, um rio sinuoso alimentado pelas torrentes libertadas pelos grandes lagos Steins e Eids.

Ovelhas junto ao farol de Eigeroy, Egersund, Noruega

Ovelhas controlam os movimentos de visitantes humanos, junto ao farol de Eigerøy, Egersund.

Em vez de nela continuarmos, cortamos para a Strandgaten, uma estradinha rural ainda mais exígua que emula os sucessivos contornos fluviais. Submisso à coerência semântica da região, aquele quase corredor asfaltado leva-nos à iminência de Sokndalstrand, uma aldeia de beira-rio e beira-mar que estimávamos poder traduzir como Praia de Sokndal, de acordo com o seu passado de estância balnear.

Sokndalstrand: uma aldeia à beira do Sokna e do Mar do Norte

Já em modo pedestre, avançamos ao longo da viela ladeada de casas pitorescas de madeira, na sua maioria brancas, que delimitam a artéria aorta da povoação. Mais para próximo do mar, vários destes lares foram convertidos em lojas, cafés e restaurantes que acolhem os visitantes e dão mais sentido às suas incursões.

Estão embelezadas por canteiros e vasos dependurados com flores garridas. Para nosso espanto, algumas delas contam com bancos de jardim colocados junto a estantes exteriores recheadas de livros de consulta grátis e imediata.

Cruzamo-nos com forasteiros que já não vão para novos. Sem pressas, aproveitam a benesse dos assentos mas, em vez de se dedicarem a leituras espontâneas, refastelam-se entregues à massagem do sol estival.

Visitante de Sokndalstrand descansa na Strandgaten, Rogaland, Noruega

Visitante de Sokndalstrand num dos bancos da ruela principal da aldeia, a Strandgaten.

Por estas paragens boreais da Europa, ninguém se atreve a dar o Verão e o sol como adquiridos. Nesta tarde, ao contrário de tantas outras, a bonança parecia ter chegado para ficar. Um morador com bicho-carpinteiro não resistiu à oportunidade.

Pegou em pincéis e tintas e meteu mãos à obra a pintar de fresco uma porta tradicional do seu estabelecimento, com um padrão geométrico caprichoso que lhe exigia toda a atenção possível. “Mas a pintura original é de quando? perguntamos-lhe após uma saudação introdutiva. “A porta já vem de há muito mas, aqui à beira-mar, a tinta dura o que dura.” responde-nos num tom diplomático. Percebemos que a conversa desconcentrava o artesão. Não querendo ser responsáveis por borrões desesperantes, agradecemos a paciência, despedimo-nos e seguimos caminho.

Morador pinta uma porta tradicional, Sokndalstrand, Rogaland, Noruega

Morador de Sokndalstrand re-pinta uma das portas tradicionais da aldeia.

A Estafeta do Salmão e o Sacrifício de um Dálmata Malfadado

Logo ali ao lado, uma ponte de pedra com vão em arco, provavelmente mais antiga que a porta, ligava as duas margens do rio Sokna. Cruzamo-la, descemos uma pequena ladeira para uma laje de rocha já sobre a água veloz do rio.

Daquele poleiro improvisado, avistamos a sequência branca-amarela-vermelha de fachadas traseiras semi-palafíticas que se tornou a imagem de marca da aldeia e, no prolongamento do casario, o seu limiar marcado pela baía mais ampla em que o Sokna se entrega ao mar do Norte.

Sentamo-nos por momentos a apreciar a correria e os remoinhos do caudal. Instantes depois, apercebemo-nos dos saltos de grandes peixes. Lembramo-nos que era Junho. Estávamos a presenciar a corrida dos salmões rumo às águas gélidas e doces de montante em que haviam sido gerados.

Sokndalstrand, Rogaland, Noruega

Casario tradicional semi-palafítico de Sokndalstrand, à beira do rio Sokna e do Mar do Norte.

Não seria essa a única surpresa. Duas meninas saem de uma casa do nosso lado do rio, a puxarem um dálmata pela trela. Ávidas de distração, levam o cão até a borda inclinada e dão-lhe um derradeiro empurrão. O animal vê-se forçado a um banho que não estaria nos seus planos.

Nada contra a corrente e sai uns metros mais acima. Sacode o máximo de água enregelante do corpo sarapintado e corre para o mais longe que pode das travessas donas. Regressamos ao aperto aconchegante da Strandgaten. Caminhamos até ao seu entroncamento com a paralela Ovregaten. Chegados à orla marinha da povoação, regressamos ao carro e à vastidão do Magma Geopark que nos tínhamos proposto a explorar.

Pelo Magma Geopark abaixo

Por não ser considerado parque nacional, o Magma Geopark carece das várias entradas com pórticos características dos parques nacionais. As suas principais atracções geológicas e históricas surgem assinaladas à beira das estradas, por tabuletas castanhas com nomes e símbolos próprios.

Povoado no Magma Geopark, Noruega

Lugarejo à beira lago no coração do Magma Geopark.

Retomamos a estrada 44 que havíamos deixado às portas de Sokndalstrand. Cumprimos um desvio largo que nos leva rios Sokna e – alguns quilómetros depois – Sirebekken acima. Já com o grande lago Stemmetjorna por diante, cercados de fragas massivas de pedra escura, flectimos de novo na direcção do mar, até ficarmos sobre o fundo continental do Jossingfjord, um fiorde tão emblemático como histórico destas paragens.

Ali, o cimo de um dos penhascos que delimitam o golfo estabelece um mirante natural. Além de assegurar a vista, formava os visitantes quanto à importância do abismo por diante.

A Faísca Marcial do “Altmark

Segundo lá apuramos, em plena 2ª Guerra Mundial, o navio-tanque alemão “Altmark” regressava à sua pátria através de águas norueguesas que eram ainda consideradas neutrais mas em que não parecia fazer qualquer lógica estar, desviado centenas de quilómetros da rota normal para o litoral germânico.

Por insistência de informadores britânicos que suspeitavam que a embarcação transportava prisioneiros de guerra aliados, a Marinha Real Norueguesa investigou-a por três vezes sem nunca ter detectado a presença desses cativos. Fazendo fé na palavra dos oficiais germânicos no comando do navio de que a viagem tinha apenas fins comerciais, deram-lhe passagem.

Ainda desconfiados, os britânicos resolveram levar a cabo a sua própria investigação. O destroyer HMS Cossack” tentou interceptar o “Altmark”. Como consequência, os oficiais do navio alemão procuraram esconder o barco nas profundezas do Jossingfjord. O “HMS Cossack” seguiu-o, entretanto, já com instruções de capturar o navio inimigo mesmo que, como viria a acontecer, o “Altmark” e as embarcações que o escoltavam ameaçassem ripostar com torpedos.

Temendo comprometer de vez a sua neutralidade, a Marinha Real Norueguesa recusou-se a participar na abordagem dos britânicos. O “Altmark” acabou por encalhar. Malgrado alguma resistência, os britânicos forçaram a sua captura após o que um oficial aliado gritou para o tanque: “are there any Englishmen there?”. Na sequência da resposta, os britânicos libertaram 299 prisioneiros aliados.

Sete marinheiros alemães foram abatidos e onze feridos. Os noruegueses, esses, ficaram sobretudo afectados por os britânicos terem colocado – de ânimo que os nórdicos consideraram leve – a sua neutralidade em risco.

Com certa razão.  O incidente terá convencido Adolf Hitler de que os Aliados nunca respeitariam a neutralidade norueguesa. Consciente da importância estratégica deste país escandinavo, decorridos apenas dois meses após o incidente do “Altmark” (em Abril de 1940), Hitler ordenou o desenrolar da operação Weserübung que viria a garantir a conquista não só da Noruega como da Dinamarca.

O Malfado de Quatro Pilotos e Navegadores Neozelandeses

Em 1945, já nos últimos tempos da 2ª Guerra Mundial, também  os neozelandezes John Mostyn Brightwell (23 anos), Edgar Joseph Foy (24 anos), Graham George Parkin (22 anos), Royden Leslie Nugent (26 anos) viriam a perder a vida no Jossingfjord.

Placa evocativa de pilotos neozelandes no Jossingfjord, Noruega

Placa que evoca dois aviadores neozelandeses que perderam a vida no Jossingjord sobre o fim da 2ª Guerra Mundial.

Em 14 de Abril, integravam o esquadrão “Dallachy Strike Wing“, formado por 20 caças Beaufighter com a missão de atacarem navios alemães: a vedeta rápida “Adolf Lüderitz” e os navios-tanque “Schleswig” UJ-1430 e M-496.

Dois dos caças Beaufighter em que, no exacto momento, voavam para fora do fiorde colidiram um com o outro e despenharam-se. No aperto do desfiladeiro, nenhum dos tripulantes teve tempo para se ejectar. Graham Parker e Royden Leslie Nugent conseguiram aterrar o RD463 no mar abaixo. Abandonaram o avião e subiram para um pequeno bote de emergência.

Pouco depois, outro avião de socorro largou um bote maior de pára-quedas. No entanto, o bote não se soltou do pára-quedas, como era suposto. Foi arrastado pelo vento para longe dos aviadores.

No dia seguinte, o esquadrão regressou e viu-se de imediato atacado por aviões alemães. Nenhum dos pilotos neozelandeses seria avistado.

Jossingfjord: grandiosidade Norueguesa de Pedra

Hoje, o memorial lá instalado contribui para a solenidade lítica do lugar, um desfiladeiro verdejante de 3km que se estende do Mar do Norte encosta acima, cercado por penhascos imponentes que nos remeteram vezes sem conta para o imaginário californiano de Yosemite.

Regressamos à estrada. Atravessamos o túnel conquistado ao colosso de anortosito abaixo do mirante. Da saída do túnel, contemplamos toda uma encosta coberta de incontáveis rochedos fragmentados do mesmo material que se pareciam equilibrar numa luta de pesos-pesados.

Um ziguezague íngreme leva-nos aos fundos do fiorde. Ali, com algum esforço, damos com um duo de casas instaladas sob o fundo côncavo de um dos penhascos, um conjunto há muito conhecido por Helleren.

Os Lares Oportunistas de Helleren

Casas de Helleren, Jossingfjord, Magma Geopark, Norugega

Duo de casas de Helleren abrigadas na base de um penhasco côncavo do Jossingfjord.

Estes lares convenientes foram erguidos por volta de 1920, pouco depois de a estrada ter chegado àquele fim do mundo. Construíram-nos famílias pobres que, malgrado os Invernos rigorosos, conseguiram sobreviver de uma combinação de cultivo, criação de ovelhas e de pesca.

Ao contrário do que se passa com a maior parte das casas norueguesas, os donos pouco se preocuparam com a qualidade dos tectos. A protecção da chuva, da neve e do vento garantida pelo encaixe do penhasco provou-se de tal forma funcional que os telhados de pouco adiantariam.

Do lado oposto do fiorde, junto a uma vertente coberta de rochas aguçadas mas, desta feita, atapetadas por um musgo viçoso, encontramos um estranho trecho de caminho-de-ferro, disposto em forma de rampa apontada ao céu. Pé ante pé, conquistamos o velho trallebanen.

Marco C. Pereira sobe a rampa de caminho-de-ferro que serve uma barragem no cimo do Jossingfjord.

O topo daquela excêntrica estrutura de madeira e ferro, concede-nos uma vista quase tão majestosa como a do mirante à entrada do fiorde.  Revela-nos ainda a lagoa de uma barragem que, em tempos, foi fornecida de peças e mantimentos pelo vagão para ali destacado.

Incursão de Toca-e-Foge na Província de Vest-Agder

Continuamos num reduto com forte fotogenia do imenso Magma Geopark norueguês, um domínio natural que se estende por centenas de quilómetros para todas as direcções, numa vastidão cinzenta e verde, ora litoral ora interior, de anortosito e rochas afins.

Seguimos para sul. Enfiamo-nos noutro fiorde, ainda mais longo, de tal forma comprido e profundo que os noruegueses o usaram para demarcar a fronteira entre duas das suas regiões: Rogaland e Vest-Agder.

Ao longo da estrada Midtbo que o serve, sucedem-se aldeolas e lugarejos ribeirinhos formados por casas de madeira vermelhas e brancas, servidas por lanchas e barcos a remos providenciais.

Casario de Stornes, Rogaland, Noruega

Casario de Stornes no coração do fiorde que faz de fronteira entre as regiões de Rogaland e de Vest-Agder.

Fim da linha no Término da Estrada Midtbo

Chegamos ao término litorâneo da Midtbo que, cientes do valor do seu retiro, os moradores marcam como privado para evitarem as sucessivas incursões dos turistas estivais. Ao darmos uma lenta meia-volta, observamos uma família a desembarcar de um desses barcos, munida de dezenas de sacos com compras.

Tendo em conta a morfologia excêntrica da zona, compensa aos residentes cruzar o fiorde em 5 minutos até uma povoação com supermercado do lado de lá, em vez de se meterem num carro e conduzirem meia-hora ou mais.

Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord, Magma Geopark, Rogaland, Noruega

Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord.

Tínhamos prolongado o dia de exploração a um limite algo insano. De tal maneira, que o ocaso tardio se fez anunciar e deu lugar a nuvens tão escuras como o quase breu porque que se fica a noite estival destas latitudes. Chegamos ao abrigo urbano de Egersund quase à meia-noite. Descansamos o que nos é possível descansar.

Na manhã seguinte, continuaríamos a descoberta. Do trollpiken, das grutas de Brufjell e de tantos outros caprichos destes confins magmáticos e lunares da Noruega.

Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Islândia

Ilha de Fogo, Gelo, Cascatas e Quedas de Água

A cascata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Parques nacionais
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Cansaço em tons de verde
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
mao tse tung, coracao dragao, praca tianamen, Pequim, China
Cidades
Pequim, China

O Coração do Grande Dragão

É o centro histórico incoerente da ideologia maoista-comunista e quase todos os chineses aspiram a visitá-la mas a Praça Tianamen será sempre recordada como um epitáfio macabro das aspirações da nação
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Moradora de Nzulezu, Gana
Étnico
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Moai, Rano Raraku, Ilha Pascoa, Rapa Nui, Chile
História
Rapa Nui - Ilha da Páscoa, Chile

Sob o Olhar dos Moais

Rapa Nui foi descoberta pelos europeus no dia de Páscoa de 1722. Mas, se o nome cristão ilha da Páscoa faz todo o sentido, a civilização que a colonizou de moais observadores permanece envolta em mistério.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
Ilhas
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Natureza
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Parques Naturais
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Wall like an Egyptian
Património Mundial UNESCO
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Mme Moline popinée
Praias

Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.

Via Conflituosa
Religião
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Parada e Pompa
Sociedade
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.