Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar


Viajem pelo grande Jossingfjord
Carrinha percorre a estrada que atravessa o Jossingfjord, no Magma Geopark, Noruega.
Entrada na sombra
Vulto na Strandgaten, a ruela principal de Sokndalstrand.
Pintado-de-fresco
Morador de Sokndalstrand re-pinta uma das portas tradicionais da aldeia.
Casas sobre a foz do Sokna
Casario tradicional semi-palafítico de Sokndalstrand, à beira do rio Sokna e do Mar do Norte.
Lares de Stornes
Casario de Stornes no coração do fiorde que faz de fronteira entre as regiões de Rogaland e de Vest-Agder.
Magma lacustre
Lago de montanha entre montanhas de rocha do Magma Geopark.
Abrigo na rocha
Duo de casas de Helleren abrigadas na base de um penhasco côncavo do Jossingfjord.
Vegetal sobre mineral
Tapetes de musgo sobre pedras de anortosito, numa encosta do Jossingfjord.
Um lar ancorado
Ancora pende de uma das casas históricas de Helleren, no Jossingfjord.
Riso troll
Estatueta de troll num jardim de Sogndalstrand.
À beira fiorde
Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord.
Descanso descansado
Visitante de Sokndalstrand num dos bancos da ruela principal da aldeia, a Strandgaten.
Olhos de lã
Ovelhas controlam os movimentos de visitantes humanos, junto ao farol de Eigerøy, próximo de Egersund.
Contornos de pedra
Fraga do cimo do Jossingfjord, como vista do túnel que dá acesso ao seu fundo.
À beira-lago
Lugarejo à beira lago no coração do Magma Geopark.
Viajem pelo grande Jossingfjord
Carrinha percorre a estrada que atravessa o Jossingfjord, no Magma Geopark, Noruega.
Uma ascenção ferroviária
Memórias de Guerra
Placa que evoca dois aviadores neozelandeses que perderam a vida no Jossingjord sobre o fim da 2ª Guerra Mundial.
Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.

Partimos de Stavanger rumo ao Magma Geopark, por um retalho de Noruega meridional que, no mapa, parece ter sido estraçalhado por um rolo compressor.

À imagem de boa parte da Escandinávia e da Finlândia, as eras glaciais e os seus profícuos glaciares, como os degelos que lhes sucederam, legaram uma vastidão de elevações e vales abruptos sulcados e salpicados de rios e riachos, de milhares de lagos, lagoas, pântanos, braços de mar, desfiladeiros inundados e afins.

O Caminho Bucólico para as Margens do Sokna

A estrada campestre que percorríamos evitava-os e usava as vantagens do terreno anfíbio com uma precisão e suavidade só ao alcance das melhores engenharias. Por altura de Egersund, por fim, ficamos com o Mar do Norte pela frente. Daí para baixo, seguimos pela Sokndalsveien, a via ainda mais retirada e tranquila que atravessa o derradeiro concelho do condado de Rogaland.

Conduzimos por prados que, para óbvio deleite dos rebanhos lãzudos, a chuva intermitente de Verão mantem ensopados, verdejantes e tenros. Não tarda, a Sokndalveien confronta-se com o Sokna, um rio sinuoso alimentado pelas torrentes libertadas pelos grandes lagos Steins e Eids.

Ovelhas junto ao farol de Eigeroy, Egersund, Noruega

Ovelhas controlam os movimentos de visitantes humanos, junto ao farol de Eigerøy, Egersund.

Em vez de nela continuarmos, cortamos para a Strandgaten, uma estradinha rural ainda mais exígua que emula os sucessivos contornos fluviais. Submisso à coerência semântica da região, aquele quase corredor asfaltado leva-nos à iminência de Sokndalstrand, uma aldeia de beira-rio e beira-mar que estimávamos poder traduzir como Praia de Sokndal, de acordo com o seu passado de estância balnear.

Sokndalstrand: uma aldeia à beira do Sokna e do Mar do Norte

Já em modo pedestre, avançamos ao longo da viela ladeada de casas pitorescas de madeira, na sua maioria brancas, que delimitam a artéria aorta da povoação. Mais para próximo do mar, vários destes lares foram convertidos em lojas, cafés e restaurantes que acolhem os visitantes e dão mais sentido às suas incursões.

Estão embelezadas por canteiros e vasos dependurados com flores garridas. Para nosso espanto, algumas delas contam com bancos de jardim colocados junto a estantes exteriores recheadas de livros de consulta grátis e imediata.

Cruzamo-nos com forasteiros que já não vão para novos. Sem pressas, aproveitam a benesse dos assentos mas, em vez de se dedicarem a leituras espontâneas, refastelam-se entregues à massagem do sol estival.

Visitante de Sokndalstrand descansa na Strandgaten, Rogaland, Noruega

Visitante de Sokndalstrand num dos bancos da ruela principal da aldeia, a Strandgaten.

Por estas paragens boreais da Europa, ninguém se atreve a dar o Verão e o sol como adquiridos. Nesta tarde, ao contrário de tantas outras, a bonança parecia ter chegado para ficar. Um morador com bicho-carpinteiro não resistiu à oportunidade.

Pegou em pincéis e tintas e meteu mãos à obra a pintar de fresco uma porta tradicional do seu estabelecimento, com um padrão geométrico caprichoso que lhe exigia toda a atenção possível. “Mas a pintura original é de quando? perguntamos-lhe após uma saudação introdutiva. “A porta já vem de há muito mas, aqui à beira-mar, a tinta dura o que dura.” responde-nos num tom diplomático. Percebemos que a conversa desconcentrava o artesão. Não querendo ser responsáveis por borrões desesperantes, agradecemos a paciência, despedimo-nos e seguimos caminho.

Morador pinta uma porta tradicional, Sokndalstrand, Rogaland, Noruega

Morador de Sokndalstrand re-pinta uma das portas tradicionais da aldeia.

A Estafeta do Salmão e o Sacrifício de um Dálmata Malfadado

Logo ali ao lado, uma ponte de pedra com vão em arco, provavelmente mais antiga que a porta, ligava as duas margens do rio Sokna. Cruzamo-la, descemos uma pequena ladeira para uma laje de rocha já sobre a água veloz do rio.

Daquele poleiro improvisado, avistamos a sequência branca-amarela-vermelha de fachadas traseiras semi-palafíticas que se tornou a imagem de marca da aldeia e, no prolongamento do casario, o seu limiar marcado pela baía mais ampla em que o Sokna se entrega ao mar do Norte.

Sentamo-nos por momentos a apreciar a correria e os remoinhos do caudal. Instantes depois, apercebemo-nos dos saltos de grandes peixes. Lembramo-nos que era Junho. Estávamos a presenciar a corrida dos salmões rumo às águas gélidas e doces de montante em que haviam sido gerados.

Sokndalstrand, Rogaland, Noruega

Casario tradicional semi-palafítico de Sokndalstrand, à beira do rio Sokna e do Mar do Norte.

Não seria essa a única surpresa. Duas meninas saem de uma casa do nosso lado do rio, a puxarem um dálmata pela trela. Ávidas de distração, levam o cão até a borda inclinada e dão-lhe um derradeiro empurrão. O animal vê-se forçado a um banho que não estaria nos seus planos.

Nada contra a corrente e sai uns metros mais acima. Sacode o máximo de água enregelante do corpo sarapintado e corre para o mais longe que pode das travessas donas. Regressamos ao aperto aconchegante da Strandgaten. Caminhamos até ao seu entroncamento com a paralela Ovregaten. Chegados à orla marinha da povoação, regressamos ao carro e à vastidão do Magma Geopark que nos tínhamos proposto a explorar.

Pelo Magma Geopark abaixo

Por não ser considerado parque nacional, o Magma Geopark carece das várias entradas com pórticos características dos parques nacionais. As suas principais atracções geológicas e históricas surgem assinaladas à beira das estradas, por tabuletas castanhas com nomes e símbolos próprios.

Povoado no Magma Geopark, Noruega

Lugarejo à beira lago no coração do Magma Geopark.

Retomamos a estrada 44 que havíamos deixado às portas de Sokndalstrand. Cumprimos um desvio largo que nos leva rios Sokna e – alguns quilómetros depois – Sirebekken acima. Já com o grande lago Stemmetjorna por diante, cercados de fragas massivas de pedra escura, flectimos de novo na direcção do mar, até ficarmos sobre o fundo continental do Jossingfjord, um fiorde tão emblemático como histórico destas paragens.

Ali, o cimo de um dos penhascos que delimitam o golfo estabelece um mirante natural. Além de assegurar a vista, formava os visitantes quanto à importância do abismo por diante.

A Faísca Marcial do “Altmark

Segundo lá apuramos, em plena 2ª Guerra Mundial, o navio-tanque alemão “Altmark” regressava à sua pátria através de águas norueguesas que eram ainda consideradas neutrais mas em que não parecia fazer qualquer lógica estar, desviado centenas de quilómetros da rota normal para o litoral germânico.

Por insistência de informadores britânicos que suspeitavam que a embarcação transportava prisioneiros de guerra aliados, a Marinha Real Norueguesa investigou-a por três vezes sem nunca ter detectado a presença desses cativos. Fazendo fé na palavra dos oficiais germânicos no comando do navio de que a viagem tinha apenas fins comerciais, deram-lhe passagem.

Ainda desconfiados, os britânicos resolveram levar a cabo a sua própria investigação. O destroyer HMS Cossack” tentou interceptar o “Altmark”. Como consequência, os oficiais do navio alemão procuraram esconder o barco nas profundezas do Jossingfjord. O “HMS Cossack” seguiu-o, entretanto, já com instruções de capturar o navio inimigo mesmo que, como viria a acontecer, o “Altmark” e as embarcações que o escoltavam ameaçassem ripostar com torpedos.

Temendo comprometer de vez a sua neutralidade, a Marinha Real Norueguesa recusou-se a participar na abordagem dos britânicos. O “Altmark” acabou por encalhar. Malgrado alguma resistência, os britânicos forçaram a sua captura após o que um oficial aliado gritou para o tanque: “are there any Englishmen there?”. Na sequência da resposta, os britânicos libertaram 299 prisioneiros aliados.

Sete marinheiros alemães foram abatidos e onze feridos. Os noruegueses, esses, ficaram sobretudo afectados por os britânicos terem colocado – de ânimo que os nórdicos consideraram leve – a sua neutralidade em risco.

Com certa razão.  O incidente terá convencido Adolf Hitler de que os Aliados nunca respeitariam a neutralidade norueguesa. Consciente da importância estratégica deste país escandinavo, decorridos apenas dois meses após o incidente do “Altmark” (em Abril de 1940), Hitler ordenou o desenrolar da operação Weserübung que viria a garantir a conquista não só da Noruega como da Dinamarca.

O Malfado de Quatro Pilotos e Navegadores Neozelandeses

Em 1945, já nos últimos tempos da 2ª Guerra Mundial, também  os neozelandezes John Mostyn Brightwell (23 anos), Edgar Joseph Foy (24 anos), Graham George Parkin (22 anos), Royden Leslie Nugent (26 anos) viriam a perder a vida no Jossingfjord.

Placa evocativa de pilotos neozelandes no Jossingfjord, Noruega

Placa que evoca dois aviadores neozelandeses que perderam a vida no Jossingjord sobre o fim da 2ª Guerra Mundial.

Em 14 de Abril, integravam o esquadrão “Dallachy Strike Wing“, formado por 20 caças Beaufighter com a missão de atacarem navios alemães: a vedeta rápida “Adolf Lüderitz” e os navios-tanque “Schleswig” UJ-1430 e M-496.

Dois dos caças Beaufighter em que, no exacto momento, voavam para fora do fiorde colidiram um com o outro e despenharam-se. No aperto do desfiladeiro, nenhum dos tripulantes teve tempo para se ejectar. Grahan Parker e Royden Leslie Nugent conseguiram aterrar o RD463 no mar abaixo. Abandonaram o avião e subiram para um pequeno bote de emergência.

Pouco depois, outro avião de socorro largou um bote maior de pára-quedas. No entanto, o bote não se soltou do pára-quedas, como era suposto. Foi arrastado pelo vento para longe dos aviadores.

No dia seguinte, o esquadrão regressou e viu-se de imediato atacado por aviões alemães. Nenhum dos pilotos neozelandeses seria avistado.

Jossingfjord: grandiosidade Norueguesa de Pedra

Hoje, o memorial lá instalado contribui para a solenidade lítica do lugar, um desfiladeiro verdejante de 3km que se estende do Mar do Norte encosta acima, cercado por penhascos imponentes que nos remeteram vezes sem conta para o imaginário californiano de Yosemite.

Regressamos à estrada. Atravessamos o túnel conquistado ao colosso de anortosito abaixo do mirante. Da saída do túnel, contemplamos toda uma encosta coberta de incontáveis rochedos fragmentados do mesmo material que se pareciam equilibrar numa luta de pesos-pesados.

Um ziguezague íngreme leva-nos aos fundos do fiorde. Ali, com algum esforço, damos com um duo de casas instaladas sob o fundo côncavo de um dos penhascos, um conjunto há muito conhecido por Helleren.

Os Lares Oportunistas de Helleren

Casas de Helleren, Jossingfjord, Magma Geopark, Norugega

Duo de casas de Helleren abrigadas na base de um penhasco côncavo do Jossingfjord.

Estes lares convenientes foram erguidos por volta de 1920, pouco depois de a estrada ter chegado àquele fim do mundo. Construíram-nos famílias pobres que, malgrado os Invernos rigorosos, conseguiram sobreviver de uma combinação de cultivo, criação de ovelhas e de pesca.

Ao contrário do que se passa com a maior parte das casas norueguesas, os donos pouco se preocuparam com a qualidade dos tectos. A protecção da chuva, da neve e do vento garantida pelo encaixe do penhasco provou-se de tal forma funcional que os telhados de pouco adiantariam.

Do lado oposto do fiorde, junto a uma vertente coberta de rochas aguçadas mas, desta feita, atapetadas por um musgo viçoso, encontramos um estranho trecho de caminho-de-ferro, disposto em forma de rampa apontada ao céu. Pé ante pé, conquistamos o velho trallebanen.

Marco C. Pereira sobe a rampa de caminho-de-ferro que serve uma barragem no cimo do Jossingfjord.

O topo daquela excêntrica estrutura de madeira e ferro, concede-nos uma vista quase tão majestosa como a do mirante à entrada do fiorde.  Revela-nos ainda a lagoa de uma barragem que, em tempos, foi fornecida de peças e mantimentos pelo vagão para ali destacado.

Incursão de Toca-e-Foge na Província de Vest-Agder

Continuamos num reduto com forte fotogenia do imenso Magma Geopark norueguês, um domínio natural que se estende por centenas de quilómetros para todas as direcções, numa vastidão cinzenta e verde, ora litoral ora interior, de anortosito e rochas afins.

Seguimos para sul. Enfiamo-nos noutro fiorde, ainda mais longo, de tal forma comprido e profundo que os noruegueses o usaram para demarcar a fronteira entre duas das suas regiões: Rogaland e Vest-Agder.

Ao longo da estrada Midtbo que o serve, sucedem-se aldeolas e lugarejos ribeirinhos formados por casas de madeira vermelhas e brancas, servidas por lanchas e barcos a remos providenciais.

Casario de Stornes, Rogaland, Noruega

Casario de Stornes no coração do fiorde que faz de fronteira entre as regiões de Rogaland e de Vest-Agder.

Fim da linha no Término da Estrada Midtbo

Chegamos ao término litorâneo da Midtbo que, cientes do valor do seu retiro, os moradores marcam como privado para evitarem as sucessivas incursões dos turistas estivais. Ao darmos uma lenta meia-volta, observamos uma família a desembarcar de um desses barcos, munida de dezenas de sacos com compras.

Tendo em conta a morfologia excêntrica da zona, compensa aos residentes cruzar o fiorde em 5 minutos até uma povoação com supermercado do lado de lá, em vez de se meterem num carro e conduzirem meia-hora ou mais.

Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord, Magma Geopark, Rogaland, Noruega

Lugarejo vermelho e branco à beira do Jossingfjord.

Tínhamos prolongado o dia de exploração a um limite algo insano. De tal maneira, que o ocaso tardio se fez anunciar e deu lugar a nuvens tão escuras como o quase breu porque que se fica a noite estival destas latitudes. Chegamos ao abrigo urbano de Egersund quase à meia-noite. Descansamos o que nos é possível descansar.

Na manhã seguinte, continuaríamos a descoberta. Do trollpiken, das grutas de Brufjell e de tantos outros caprichos destes confins magmáticos e lunares da Noruega.

Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.

Oslo, Noruega

Uma Capital Sobrecapitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de dog sledding do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas do país mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf

Lapónia, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.

Islândia

Ilha de Fogo, Gelo e Quedas d'água

A catarata suprema da Europa precipita-se na Islândia. Mas não é a única. Nesta ilha boreal, com chuva ou neve constantes e em plena batalha entre vulcões e glaciares, despenham-se torrentes sem fim.
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Sombra vs Luz
Arquitectura & Design

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Aterragem sobre o gelo
Aventura

Mount Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.

Sombra de sucesso
Cerimónias e Festividades

Champotón, México

Rodeo debaixo de Sombreros

Com o fim do ano, 5 municípios mexicanos organizam uma feira em honra da Virgén de La Concepción. Aos poucos, o evento tornou-se o pretexto ideal para os cavaleiros locais exibirem as suas habilidades

Luzes aussies da Ribalta
Cidades

Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.

Basmati Bismi
Comida

Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade e qualidade de víveres do Oriente. 

Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Cultura
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

De partida
Étnico

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
À boleia do mar
História
Maui, Havai

Divino Havai

Maui é um antigo chefe e herói do imaginário religioso e tradicional havaiano. Na mitologia deste arquipélago, o semi-deus laça o sol, levanta o céu e leva a cabo uma série de outras proezas em favor dos humanos. A ilha sua homónima, que os nativos creem ter criado no Pacífico do Norte, é ela própria prodigiosa.
Em louvor do vulcão
Ilhas

Lombok, Indonésia

Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito

Doca gelada
Inverno Branco

Ilha Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Natureza
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Caminhada Solitária
Parques Naturais

Mérida, Venezuela

Nos Confins Andinos da Venezuela

Nos anos 40 e 50, a Venezuela atraiu 400 mil portugueses mas só metade ficou em Caracas. Em Mérida, encontramos lugares mais semelhantes às origens e a geladaria excêntrica dum portista imigrado.

Victoria falls
Património Mundial UNESCO

Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As quedas d'água que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua raínha

Verificação da correspondência
Personagens

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Insólito Balnear
Praias

Sul do Belize

A Estranha Vida ao Sol do Caribe Negro

A caminho da Guatemala, constatamos como a existência proscrita do povo garifuna, descendente de escravos africanos e de índios arawaks, contrasta com a de vários redutos balneares bem mais airosos.

Templo Kongobuji
Religião

Monte Koya, Japão

A Meio Caminho do Nirvana

Segundo algumas doutrinas do budismo, são necessárias várias vidas para atingir a iluminação. O ramo shingon defende que se consegue numa só. A partir de Koya San, pode ser ainda mais fácil.

A Toy Train story
Sobre carris
Darjeeling Himalayan Railway, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Ijen-Inferno
Sociedade

Vulcão Ijen, Indonésia

Escravos do Enxofre

Centenas de javaneses entregam-se ao vulcão Ijen onde são consumidos por gases venenosos e cargas que lhes deformam os ombros. Cada turno rende-lhes menos de 30€ mas todos agradecem o martírio.

Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Perigo de praia
Vida Selvagem

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos

Glaciar de Godwin, Alasca

Dog mushing estival

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, os cães e os trenós não podem parar.