Stavanger, Noruega

A Cidade Motora da Noruega


O Fundo do Porto
Casario histórico colorido de Vagen, o porto de Stavanger.
Vagabjorn
Anfitrião do Museu Viking, em trajes históricos vikings.
Sombra de Kielland
Silhueta da estátua de Alexander L. Kielland um dos mais reputados escritores noruegueses.
Amigos no Geoparken
Amigos passam por um contentor decorativo do Geoparken.
A Velha Torre de Controle
A torre de observação de Valbergtarnet, antes usada para controlar o tráfego marítimo de entrada e saída no porto.
Subida para Gamle Stavanger-Noruega
Transeuntes sobem de Vagen na direcção do Gamle Stavanger, a Velha Stavanger.
Museu do Petróleo
Recanto do Museu do Petróleo.
Sverd i Fjell I
Vista do Sverd i Fjell, um monumento que comemora a vitória do Rei Haroldo I na Batalha de Hafrsfjord e que lhe permitiu unir toda a Noruega sob o seu poder.
Museo do Petróleo II
Secção do hiper-tecnológico Museu do Petróleo de Stavanger.
Banho Raso e Frio
Amigas banham-se no mar raso e gélido de Mollebukta, ao largo de Stavanger.
Sverd i Fjell II
Namorados fotografam-se no monumento comemorativo da Batalha de Hafrsfjord.
A abundância de petróleo e gás natural ao largo e a sediação das empresas encarregues de os explorarem promoveram Stavanger de capital da conserva a capital energética norueguesa. Nem assim esta cidade se conformou. Com um legado histórico prolífico, às portas de um fiorde majestoso, há muito que a cosmopolita Stavanger impele a Terra do Sol da Meia-Noite.

O sol da meia-noite é um. O do meio da tarde é outro.

Os noruegueses e estrangeiros instalados do lado de lá do fundo do porto Vagen, nas esplanadas da marginal Skagenkaien, absorvem a diferença nas faces e nos braços. Convertem-na em vitamina D e na sempre preciosa serotonina, isto, enquanto a clemência meteorológica o permite.

São poucos os portos de que nos lembramos com uma relação tão íntima com as cidades a que pertencem. O de Vagen abraça Stavanger com tanta força que quase a estrafega. O V com que a aperta revela-se de tal maneira profundo que quase se une ao Breiavatnet, o lago urbano em forma de coração a uns poucos metros para sul.

Vagen, Stavanger, Noruega

Casario histórico e colorido de Vagen, o porto de Stavanger.

Tal como os desvendamos, hoje, estes fundos do estuário aparentam ser mais recreativos que comerciais. As aparências iludem.

Um Legado da Lucrativa Indústria Conserveira

Durante os séculos XVIII e XIX, os edifícios seculares de madeira e tectos em A serviam de armazéns e outras estruturas de apoio à pesca e tráfico de mercancias e, a partir do meio do século XX, às para cima de cinquenta empresas conserveiras de peixe que disputaram a cidade, até que, em 2002, a última foi encerrada.

Mesmo sem a amplitude do Vagen de Bergen, a emergência de Stavanger enquanto cidade incontornável de negócios e de lazer, a determinada altura, habitada e frequentada por gente endinheirada, facilitou a conversão deste casario, numa sucessão colorida – bem mais garrida que a dos edifícios de Bergen – de restaurantes e bares.

Só o asfalto da Skagenkaien separava os edifícios elegantes do braço de mar e das lanchas e outras embarcações logo ali ancoradas. Alguns dos clientes, donos ou passageiros dos barcos, davam-se ao luxo de cruzarem a via, para cá e para lá, numa alternância conveniente e prazerosa entre o convívio com a família e amigos e um ou outro afazer a bordo.

Em certas efemérides náuticas, as docas e ancoradouros ficam sobrelotadas. Até à data, o evento mais exemplificativo provou-se as Tall Ships Races de 2018 mas, verdade seja dita, que não é preciso tanto.

Rampa em S-Stavanger-Noruega

Transeuntes sobem de Vagen na direcção do Gamle Stavanger, a Velha Stavanger.

Valbergtarnet e Gamle Stavanger: a Cidade de Outros Tempos

Para leste da Skagenkaien, Stavanger trepa às “terras altas”, da Valbergtarnet, uma torre de observação erguida entre 1850 e 1853 e habitada em permanência, por vigias incumbidos de alertar os habitantes em caso de fogo. Nos dias que correm, a torre aloja um museu.

Serve sobretudo de miradouro sobre o cenário urbano circundante. Uns meros metros para leste, entramos em Gamle Stavanger, o bairro mais antigo da cidade e, assim defendem as suas autoridades turísticas, o maior (173) conjunto de casas históricas de madeira da Europa.

Torre de Valbergtarnet, Stavanger, Noruega

A torre de observação de Valbergtarnet, antes usada para controlar o tráfego marítimo de entrada e saída no porto.

A partir de 1800, com a emergência da indústria conserveira, centenas de pescadores e outros trabalhadores das redondezas afluíram a Stavanger. Alguns, chegaram literalmente com as casas às costas. Feitos quase só de madeira, os lares eram fáceis de desmontar e de transportar em várias viagens em barcos a remos.

Antes do despontar da exploração petrolífera, Stavanger era a Capital das Sardinhas Enlatadas, para sermos mais científicos das Espadilhas (Sprattus sprattus) enlatadas, uma espécie da família do arenque então considerada das mais saborosas e cuja pesca e enlatamento, em molho de pimenta ou jalapeño, de tomate e em azeite, chegou a garantir o sustento de cerca de metade da população da cidade.

A restauração de Gamle resultou fidedigna excepto no que diz respeito à cor. Na origem, estas casas eram quase todas pintadas de vermelho ou amarelo, não por uma determinação da moda da época ou afirmação social. A tinta branca era de longe a mais dispendiosa.

Mesmo empregadas, as famílias humildes não se podiam dar ao luxo de comprar a cor norueguesa da sumptuosidade.

A Salvação à Tangente de Gamle Stavanger

Na ressaca da 2ª Guerra Mundial, os lares de Gamle tinham-se degradado. Formavam uma zona desvalorizada e mal vista. Um plano demasiado radical estipulou que deveriam ser arrasadas, substituídas por estruturas modernas de betão.

Este plano só foi abortado devido à oposição determinada de Einar Hedén, arquitecto da cidade, que conseguiu convencer o Concelho de Stavanger a salvar e a valorizar o seu âmago histórico.

Nos últimos anos, Stavanger rendeu-se a outras latas. À medida que percorremos as suas ruas e ruelas, cruzamo-nos com murais pintados por grafiters com a mente repleta de imagens surreais e cheios de talento para as ilustrarem.

Geoparken, Stavanger, Noruega

Amigos passam por um contentor decorativo do Geoparken.

Numa delas, a Ovre Holmegate, os murais voltam a dar lugar à mera cor. Há algum tempo, esta rua algo afastada da marginal Skagenkaien e demasiado semelhante às restantes, recebia poucos visitantes para as ambições dos donos dos negócios.

Inconformados, estes concordaram em pintar cada um dos edifícios em cores vistosas distintas. A ideia tornou a rua numa das mais frequentadas, lugar dos cafés e bares (além de um antiquário) mais na moda de Stavanger.

Uma Incrível Jazida de Informação e História sobre o Ouro Negro

Percorremo-la a caminho do litoral oriental da cidade, à procura do museu dedicado à era bem mais recente e próspera de Stavanger, a do Petróleo e Gás Natural.

Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega

Escadaria do Museu do Petróleo.

Nas imediações, distraímo-nos com as traquinices das crianças e adolescentes que partilham o Geoparken, um parque de diversões feito de um contentor também ele grafitado e de uma superfície irregular própria para acrobacias de bicicleta e de skate.

Logo em frente, um complexo futurista de edifícios inspirados em tanques de armazenamento e torres de extração petrolífera só podia ser o que procurávamos. Entramos. Cirandamos.

Na maior parte do tempo intrigados, entre a panóplia de ilustrações, de maquetas e modelos, uns, explicativos dos distintos tipos de crude, outros, da evolução das plataformas que o permitem extrair com destaque para o Mar do Norte ao largo.

Museu do Petróleo, Stavanger, Noruega

Secção do hiper-tecnológico Museu do Petróleo de Stavanger.

A Riqueza Fóssil que o Mar do Norte Concede à Noruega

Foi neste mar gélido e bravio que, 1969, a companhia norte-americana Phillips Petroleum Company (mais tarde, parte da ConocoPhillips) descobriu o Ekofisk, o primeiro dos vários campos de petróleo e de gás que tornariam a Noruega num dos principais produtores e exportadores de ambas as matérias-primas.

E num dos países mais ricos do mundo, se tido em conta o critério do Produto Interno bruto per capita.  Stavanger beneficiou desta descoberta como nenhuma outra cidade norueguesa.

Em 1972, o governo norueguês fez passar no parlamento Stortinget, uma lei que estabelecia a criação de uma empresa estatal que viabilizasse a participação directa da Noruega na exploração do petróleo do Mar do Norte. Assim foi fundada a StatOil, mais tarde renomeada Equinor.

Stavanger viu-se selecionada para acolher a sede da Equinor. Por simbiose, várias outras empresas, agências e instituições ligadas à prospeção petrolífera lá se instalaram. No centro de um ramo industrial multimilionário, a economia de Stavanger não tardou a assumir o dinamismo e poderio actual.

Como adiantámos na entrada deste artigo, à imagem do que se passou nos países petrolíferos do Médio Oriente durante décadas a fio, a cidade poderia ter-se conformado com a sorte grande que lhe saiu. Em vez, optou por explorar um outro filão norueguês, o turismo. Em Stavanger, não é só no Museu do Petróleo que ambos se intersectam.

Alexander L. Kielland: o famoso Escritor, Edil e Voraz de Stavanger

Noutro fim de tarde, deixamos o vértice de Vagen apontados ao jardim-parque Byparquen que envolve o lago de Breavatnet. Pelo caminho, gaivotas endiabradas partilham o tejadilho de duas roulottes de petiscos e sobrevoam-nas de olho em qualquer oferta ou distração dos clientes.

Estátua de Alexander L. Kielland, Stavanger, Noruega

Silhueta da estátua de Alexander L. Kielland um dos mais reputados escritores noruegueses.

Identificamos a Catedral de Stavanger, solarenga, e, em frente já por completo à sombra, a estátua de Alexander L. Kielland, ex-edil de Stavanger, considerado um dos quatro grandes escritores noruegueses, realista inveterado.

De tal maneira fiel ao realismo que muitos leitores creem que deixou de escrever (cedo demais) por se ter desiludido com o rumo neo-romântico que a literatura norueguesa tomava no final do século XIX. Isto, anos antes de falecer de obesidade agravada por uma intratável paixão por comida.

Desde 1880 que Kielland sofria de respiração encurtada e de sérios problemas cardíacos. Por fim, em 1906, as várias maleitas de que padecia acabaram por o vitimar. Os dramas em redor de Alexander L. Kielland estavam longe de se ficar pela sua morte.

Como forma de reconhecimento pela obra que o escritor deixara à cidade, à Noruega e ao mundo, a Stavanger Drilling Company resolveu baptizar uma plataforma semi-submersível de perfuração em sua honra.

O Drama Horrífico da Plataforma Kielland

Pois, no início de noite chuvosa e nevoenta de 27 de Março de 1980, a plataforma viu-se batida por ventos na ordem dos 74km/h e ondas de até 12 metros. Por volta das 18h30, os trabalhadores a bordo sentiram um estalar, seguido de um tremor.

Instantes depois, a plataforma inclinou cerca de 30º. Dos seis cabos que a estabilizavam, já só um resistia. A inclinação aumentou. Apenas três minutos depois do abanão, o derradeiro cabo cedeu e a plataforma adornou. Cento e trinta trabalhadores estavam na messe e no cinema. Os restantes, nos seus aposentos e postos de trabalho.

Das 212 pessoas a bordo, 123 pereceram. Estes números fizeram do incidente o desastre mais mortífero nos mares da Noruega desde a 2ª Guerra Mundial.

Uma catástrofe petrolífera e humana que, atrevemo-nos a dizê-lo, a ter-se dado na era correspondente, poderia ter inspirado em Kielland – além de escritor, patrão abastado mas defensor da classe operária – toda uma complexa e profunda abordagem da sociedade norueguesa.

No dia seguinte, a viagem curta que fazemos do centro litoral de Stavanger até à beira-mar do bairro de Hafrsjord prenda-nos com alguns deliciosos apontamentos.

Sverd i Fjell: uma Homenagem à União Norueguesa

É feriado. A meteorologia tinha regressado à frigidez algo ventosa mais expectável naquelas paragens. Um frio insuficiente para demover alguns adolescentes de se banharem no mar quase raso de Mollebukta que os obrigava a andar mais de cem metros até à água lhes passar dos joelhos.

Um grupo de amigos resolve caminhar ainda mais e subir a uma plataforma lúdica que lhes permitia divertir-se a mergulhar. Duas irmãs tão alvas quanto possível resolveram estender o seu programa ao dálmata da família. Malgrado incontáveis puxões e repelões de trela, o cão viu-se mesmo forçado a um longo e tortuoso baptismo.

Amigas banham, Mollebukta, Stavanger, Norueg

Amigas banham-se no mar raso e gélido de Mollebukta, ao largo de Stavanger.

Em terra, sobre um relvado salpicado de árvores, várias famílias e amigos piquenicavam e confraternizavam. Quem, como nós, ali desembocava pela primeira vez, chegava com outros propósitos.

Hafrsfjord foi palco de uma batalha homónima que, no ano 872, permitiu ao rei vitorioso Haroldo I, unir toda a Noruega sob o seu poder.

A comemorar a batalha, em 1983, o escultor Fritz Roed cravou num promontório rochoso três espadas de bronze com dez metros. A mais elevada (porque colocada mais acima) representa Haroldo. As duas outras, abaixo, os reis derrotados.

Fotografia em Sverd i Fjell, Stavanger, Noruega

Namorados fotografam-se no monumento comemorativo da Batalha de Hafrsfjord.

O monumento preserva forte simbolismo para os noruegueses e a perspectiva por que todos anseiam de paz duradoura, de tal maneira que as espadas foram cravadas na rocha para que essa paz não fosse perturbada.

Sobre o pôr-do-sol, Sverd i Fjell, assim se chama a obra, exibe-se, fortemente fotogénica, dourada pelo ocaso, refletida e algo distorcida na água abaixo.

Num, por vezes desesperante modo de turnos, partilhamo-lo com namorados, grupos de amigos, com visitantes e deambulantes solitários.

Fotografamos os momentos e movimentos que, entre todos aqueles fortuitos modelos, mais nos cativavam. Quando o breu assenta e nos enregela de vez, refugiamo-nos no âmago pacificado, acolhedor e sofisticado de Stavanger.

Magma Geopark, Noruega

Uma Noruega Algo Lunar

Se recuássemos aos confins geológicos do tempo, encontraríamos o sudoeste da Noruega repleto de enormes montanhas e de um magma incandescente que sucessivos glaciares viriam a moldar. Os cientistas apuraram que o mineral ali predominante é mais comum na Lua que na Terra. Vários dos cenários que exploramos no vasto Magma Geopark da região parecem tirados do nosso grande satélite natural.
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Flam a Balestrand, Noruega

Onde as Montanhas Cedem aos Fiordes

A estação final do Flam Railway, marca o término da descida ferroviária vertiginosa das terras altas de Hallingskarvet às planas de Flam. Nesta povoação demasiado pequena para a sua fama, deixamos o comboio e navegamos pelo fiorde de Aurland abaixo rumo à prodigiosa Balestrand.
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Parques nacionais
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Montanha da Mesa vista a partir de Waterfront, Cidade do Cabo, África do Sul
Cidades
Table Mountain, África do Sul

À Mesa do Adamastor

Dos tempos primordiais das Descobertas à actualidade, a Montanha da Mesa sempre se destacou acima da imensidão sul-africana e dos oceanos em redor. Os séculos passaram e a Cidade do Cabo expandiu-se a seus pés. Tanto os capetonians como os forasteiros de visita se habituaram a contemplar, a ascender e a venerar esta meseta imponente e mítica.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Transbordo
Cultura

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a “Survivor”

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Bark Europa, Canal Beagle, Evolucao, Darwin, Ushuaia na Terra do fogo
Em Viagem
Canal Beagle, Argentina

Darwin e o Canal Beagle: no Rumo da Evolução

Em 1833, Charles Darwin navegou a bordo do "Beagle" pelos canais da Terra do Fogo. A sua passagem por estes confins meridionais moldou a teoria revolucionária que formulou da Terra e das suas espécies
Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
História
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Um dos prédios mais altos de Valletta, Malta
Ilhas
Valletta, Malta

As Capitais Não se Medem aos Palmos

Por altura da sua fundação, a Ordem dos Cavaleiros Hospitalários apodou-a de "a mais humilde". Com o passar dos séculos, o título deixou de lhe servir. Em 2018, Valletta foi a Capital Europeia da Cultura mais exígua de sempre e uma das mais recheadas de história e deslumbrantes de que há memória.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Trio das alturas
Literatura

PN Manyara, Tanzânia

Na África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.

Natureza

Glaciares

Planeta Azul-Gelado

Formam-se nas grandes latitudes e/ou altitudes. No Alasca ou na Nova Zelândia, na Argentina ou no Chile, os rios de gelo são sempre visões impressionantes de uma Terra tão frígida quanto inóspita.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Enseada do Éden
Parques Naturais

Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.

Pastéis nos ares
Património Mundial UNESCO
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Personagens
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. O último obrigou-o a mudar-se para casa da mãe.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Praias
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Sociedade
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem

Iriomote, Japão

Uma Pequena Amazónia Japonesa

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.

Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.