Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro


Lugarejo
O Mosteiro
Uma Estupa de Jarkhot
Portal para Jarkhot
Edifícios da Gompa
Kheni masculino
Quase Lá
Morador de Jarkhot
Jarkhot e a Cordilheira
A Grande Gompa
Convívio ao Sol
Edifícios Budista-Tibetanos de Jarkhot
Kagbeni à Vista
Kagbeni e o Reino de Mustang
Bob Marley Hotel
À Saída de Muktinath
Próxima Paragem:Jarkhot
A Majestosa Jarkhot
Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.

Por mais que o quiséssemos, não temos como evitar voltarmos ao tema dos banhos.

Na tarde em que completámos a travessia do desfiladeiro Thorong La, tinha passado uma semana sem duches, ou algo que pudéssemos sequer equiparar.

No Bob Marley Hotel de Muktinath, “One Love” era “One Love”. Vimo-nos prendados com duches fluídos, de início bem quentes, que um uso simultâneo excessivo, logo amornou.

Derreados das oito horas de caminhada, em boa parte acima dos cinco mil metros de altitude, quase sempre muito inclinada, reorganizamos o equipamento e a roupa à pressa.

Livres dessa chatice, mudamo-nos para o terraço, onde estava combinado encontrarmo-nos com o resto do grupo da travessia.

Em Muktinath, os 5410m de altitude do desfiladeiro, tinham passado para 3800m.

Mesmo se incomparável com o que sofremos no High Camp, o fim da tarde trouxe um frio que a pedra em que fora erguido o hotel parecia acentuar. Assim que o sol desapareceu para trás das montanhas, o terraço tornou-se desconfortável.

Já há muito habituados ao “jogo das cadeiras” das guest e tea houses dos Annapurnas, apressamo-nos a passar para a sala de refeições e a conquistarmos o entorno da salamandra. Lá nos reunimos a devorar os jantares que o metabolismo, aceleradíssimo de tanta caminhada e esforço, nos obrigou a antecipar.

Entregamo-nos a uma cavaqueira tão amena como a sala. Don, o nosso carregador, joga snooker com o pseudo-guia da Sara e do Manel. Quando terminam, o carregador irrompe convívio adentro, embriagado, como acontecia, noite após noite.

Temos que o convencer que não poderia regressar a Manang (a pelo menos um dia e meio de caminhada), àquela hora.

Que tinha que ir dormir e que sairia, recuperado, na madrugada seguinte. Apesar do seu alcoolismo e da estatura atarracada, pelo que tínhamos visto na ida, achávamos que, desde que não apanhasse tempo demasiado tempestuoso, Don voltaria a casa apenas num dia.

Por volta das 21h, alimentados e reconfortados, sentimos os corpos a darem de si. Fomo-nos todos deitar. Pensávamos que, após aqueles três dias desgastantes, dormiríamos até ao meio-dia. Ao invés, às 7h30 já estávamos a despertar, rejuvenescidos e uma vez mais esfomeados.

Devoramos o pequeno-almoço preferido do menu, entre as 8h30 e as 9h.

Meia-hora depois, espreitamos o principal santuário local, Mukti Kshetra (traduzível como “lugar da libertação”), vixnuíta e sagrado para os hindus mas que os budistas se habituaram a venerar.

Cumprida a curta peregrinação encosta acima, retornamos à rua ressequida dos hotéis. É entre bancas pejadas de roupa e de artesanato que inauguramos o trajecto para terras mais baixas.

Com Don a caminho de Manang, voltávamos a ter as duas mochilas grandes sobre nós. A readaptação àquele sobrepeso, custou-nos, mas, com os corpos massacrados de, não tarda, vinte dias de exercício intenso, depressa se cumpriu.

A primeira grande diferença que encontrámos no caminho esteve na paisagem. Já nos tínhamos habituado à neve que cobria as encostas e os cumes desde Thorong Pedi até às vertentes mais elevadas de Thorong La.

Ali, a norte de montanhas tão imponentes como a Annapurna III (7555m) e a Tilicho (7134m), entre a época das chuvas e o Inverno, a chuva e os nevões eram raros. O solo mantinha-se áspero e até poeirento, a vegetação, amarelada do frio e da secura.

Cursos de água vindouros abririam excepções exuberantes neste cenário. Faltava-nos lá chegar.

De Muktinath a Kagbeni, Quase Sempre a Descer

Despedimo-nos de Muktinath. Umas centenas de metros depois, percebemos que, salvo se o evitássemos, a continuação do Circuito Annapurna se faria sobre asfalto.

Num instante, concordamos que, sempre possível, encontraríamos atalhos e alternativas ainda imaculadas.

Nessa demanda, chegamos a um ponto com vista desafogada. Destacavam-se, ao longe, os picos aguçados e nevados da cordilheira Jakkriojagga (6402m).

Logo abaixo, um povoado extremo estendia-se sobre uma crista árida. Mal o detectámos, cortámos para o primeiro trilho campestre que nos parecia lá levar.

A obsessão por o fazermos, garantiu-nos a genuinidade himalaia e budista com que o Circuito Annapurna nos tinha prendado, até ao zénite de Thorong La.

O trilho entranha-se num reduto de socalcos que imaginávamos, de Maio a Setembro, ensopados e preenchidos por arrozais viçosos. Naquela altura, sustinham um qualquer outro cereal de sequeiro que tardava em despontar.

Um camponês incitava duas vacas a puxarem o arado com que, entre arbustos outonais, revolvia a terra.

De Entrada na Majestosa Jarkhot

Pouco depois de o saudarmos, damos com um sinal que, malgrado a forma de “proibido”, tinha, bem visível, um “Welcome to Jarkhot”.

Jarkhot foi, assim, a povoação que se seguiu, cerca de trezentos metros mais baixa que Muktinath, mais próxima do grande rio que por ali fluía, o Gandaki.

Ao cumprirmos os derradeiros passos, um grande bando de corvos descola não sabemos de onde. Uma súbita corrente ascendente convidara as aves negras a pairarem sobre o vale e sobre nós. Quando atingimos a entrada da aldeia e da sua longilínea gompa, já os tínhamos perdido de vista.

Após o hiato hindu do também conhecido por Shree Muktinath Temple, Jarkhot marcava um regresso em pleno à esfera budista-tibetana de quase todo o Circuito Annapurna, de povoações-santuário de que se destacaram Brakka e a bem mais vasta Manang.

Voltávamos a caminhar lado a lado com paredes de oração e a atravessar as estupas que serviam de portais de bênção à entrada e à saída, reforçadas por dois khenis, um masculino, outro feminino, duo de guardiães moldados em argila e incumbidos de devorarem os maus espíritos.

Bandeiras de oração destacavam-se dos telhados lisos dos vários edifícios da gompa.

Um morador vizinho do templo, aparece no terraço do seu lar e atira uma qualquer dádiva a galinhas que vasculhavam a ruela em frente.

Vista de sul e das suas traseiras, Jarkhot tinha-nos parecido uma coisa.

Depois de termos passado para o norte e dela nos distanciarmos, vemos definir-se a sua linha de edifícios, todos com fachadas alvas, com excepção para o edifício primordial, o palácio real sobranceiro e ocre.

Aos poucos, a povoação reveste-se de uma imponência condizente com o seu passado.

Jarkhot, um Passado entre a Realeza e a Medicina Tradicional Nepalesa

No século XVII, Jharkot, antes conhecida como Dzarkot, com frequência abreviado para Dzar, engrandeceu quando os reis da dinastia Gunthang se aperceberam da sua localização privilegiada.

Cercada de terra bem mais fértil que a que existia na região de Jhong, de que se apressaram a mudar.

A partir de Jharkot, a realeza continuou a reger um domínio vasto que, hoje, abarca doze baragaon, o equivalente a aldeias e às suas terras.

Nessa era, muito graças à fertilidade e abundância de plantas, as gentes de Jharkot especializaram-se em medicina e até veterinária naturais, nas suas mais diversas formas de cura.

Essa aptidão desenvolveu-se até hoje.

Na grande gompa de Jharkot, os monges budista-tibetanos preservam uma colecção profícua de remédios naturais a que os nepaleses das redondezas recorrem quando se veem aflitos.

O número de divisões e a grandiosidade do palácio real, em geral, atestam que os reis de Gunthang se mudaram para a velha Dzar com planos de por ali se manterem.

Apreciavam as perspectivas desafogadas sobre o vale de Muktinath, sobre Jhong, Putak e Khingar.

Kagbeni, a aldeia que tínhamos estabelecido como destino do dia, permanecia escondida pela encosta que se impunha a oeste e acima de Jharkot.

A Caminho de Kagbeni

O trilho que saía da aldeia descia em direção a um tributário do rio Gandaki. Uma vez que Kagbeni se situava noutra direcção, vimo-nos forçados a retomar o asfalto.

Instantes depois, um marco de distâncias plantado à beira da estrada informa-nos que Kagbeni distava cinco quilómetros.

Mesmo com as mochilas a pressionar-nos os ombros como nunca, era coisa pouca para o que nos tínhamos habituado a percorrer.

A estrada serpenteia, apontada às montanhas descomunais e pontiagudas de Jakkriojagga. Continuámos sem ter vista para ocidente. Até que atingimos a ponta rebaixada da encosta que dava passagem à via.

Aí, desvendámos todo um novo vale, bem mais plano e verdejante que o de Jharkot, assente em terras de aluvião acumuladas, ao longo dos tempos, pelo fluxo do Gandaki.

Um leito descomunal e pedregoso do rio antecedia a povoação e os muitos minifúndios que a cercavam e alimentavam. Uma nova encosta íngreme e barrenta fechava todo o cenário.

Kagbeni, o Portal para o Reino do Alto Mustang

Para norte, ficava o domínio durante muito tempo proibido de Alto Mustang que nos inspirou planos de futuras aventuras.

Quase 12 km e quatro horas de contemplação após a partida de Muktinath, estávamos às portas de Kagbeni.

Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Circuito Annapurna 12º: Thorong Phedi a High Camp

O Prelúdio da Travessia Suprema

Este trecho do Circuito Annapurna só dista 1km mas, em menos de duas horas, leva dos 4450m aos 4850m e à entrada do grande desfiladeiro. Dormir no High Camp é uma prova de resistência ao Mal de Montanha que nem todos passam.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Cidades
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Em Viagem
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
Cowboys basotho, Malealea, Lesoto
Étnico
Malealea, Lesoto

A Vida no Reino Africano dos Céus

O Lesoto é o único estado independente situado na íntegra acima dos mil metros. Também é um dos países no fundo do ranking mundial de desenvolvimento humano. O seu povo altivo resiste à modernidade e a todas as adversidades no cimo da Terra grandioso mas inóspito que lhe calhou.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

O Terreno e o Celestial

A pequena-grande Senglea II
História
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.
Ilhas
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Natureza
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
ilha de Praslin, cocos do mar, Seychelles, Enseada do Éden
Parques Naturais
Praslin, Seichelles

O Éden dos Enigmáticos Cocos-do-Mar

Durante séculos, os marinheiros árabes e europeus acreditaram que a maior semente do mundo, que encontravam nos litorais do Índico com forma de quadris voluptuosos de mulher, provinha de uma árvore mítica no fundo dos oceanos.  A ilha sensual que sempre os gerou deixou-nos extasiados.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Património Mundial UNESCO
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Glamour vs Fé
Religião
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Sociedade
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT