Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas


Amuletos
Chifres de iaque servem de amuletos à saída de Manang.
Fé de Penas
Ancião ora com uma roda de prece budista, à beira do trilho que segue para Yak Kharka.
Política Religiosa
Inscrição numa pedra polida reclama o nascimento de Buda no Nepal.
Bandeiras de Buda.
Estandartes coloridos assinalam a religião predominante em todo o Circuito Annapurna.
Meandros Paralelos
Linhas sinuosas de um afluente do rio Marsyangdy e do trilho que conduz a Yak Kharka.
Hóteis de Gunsang
Hotéis marcam a entrada de Gunsang.
Xadrês – Check
Dupla de caminhantes amigos e praticantes de xadres disputam uma partida ao ar livre.
Gado nepalês
Iaque repousa com o fundo grandioso de um dos cumes aguçados dos Annapurnas.
A Caminho
Caminhante turco Fevsi cruza uma ponte suspensa do percurso.
Ao sabor da gravidade
Rio com caudal diminuído desliza das terras mais altas dos Annapurnas.
Montada Nepalesa
Sela tradicional num cavalo usado por um morador de Manang.
Neon Versão Yak Kharka
Colecção de tabuletas promocionais à chegada de Yak Kharka.
Sombras ao Calhas
Caminhantes divertem-se sobre um morro nas imediações de Yak Kharka.
Cowboy Nepalês
Guia prepara-se para cavalgar a caminho de Manang.
Derradeiras Compras
Sara Wong e Josua compram queijo de iaque e outros bens numa loja de Manang.
Espera ao sol
Dona de uma tea house de beira de estrada aguarda por mais caminhantes.
Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.

A noite, a altitude e a ansiedade. A ansiedade, a altitude e a noite, fosse qual fosse a sequência, a partir de determinada altura, o trio caminhava de mãos dadas.

Pouco habituado aos 3500 metros e às incursões extenuantes aos 4500, durante o sono, os nossos organismos começaram a dar sinais.

Na derradeira dormida em Manang, com a partida combinada para as 8h, estranhámos o batimento cardíaco: as aparentes arritmias, o pulsar exacerbado, como que se o coração nos tentasse fugir pela boca. E o receio incontornável de um chilique qualquer nos vitimar.

Uma vez mais, a apreensão com a quantidade de água que tínhamos bebido e o reforço de última hora do líquido que, depois, não bastasse já o coração revolto, nos obrigava ir à casa de banho duas, três, quatro vezes adicionais.

Nesta amálgama de emoções e apreensões, pouco ou nada dormimos.

Despertamos às 6h30, a tempo de arrumar as mochilas para a caminhada e, logo, para o pequeno-almoço e para as últimas compras de Manang.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka, compras

Sara Wong e Josua compram queijo de iaque e outros bens numa loja de Manang.

Derradeiros Preparativos e um Inevitável Carregador

Deixamos o hotel Himalayan Singi às 8h. À saída, encontramos o carregador que tínhamos contratado na manhã anterior. Por princípio, éramos contra o recurso a carregador como mera facilitação do esforço requerido pelo Circuito Annapurna.

Devíamos, no entanto, ter em conta que só o equipamento fotográfico que carregávamos tinha mais de metade dos oito ou nove quilos considerados aconselhados.

Conscientes da tragédia ocorrida em Outubro de 2014 no desfiladeiro de Thorong La e que abordaremos no episódio que dedicarmos à sua travessia, estávamos também munidos de sacos-cama dos mais quentes, -20º (e mais pesados) a que planeávamos recorrer caso lá nos víssemos retidos por alguma intempérie.

Longe de sermos montanheiros inveterados, andávamos com demasiado peso, era essa a realidade.

Não contávamos com o carregador para nos levar toda a carga nem para a totalidade do percurso que faltava. A ideia era que nos ajudasse apenas com o peso que tínhamos em excesso e só de Manang até Muktinath, sobretudo na travessia de Thorong La.

Queríamos, por todos os meios, evitar desistirmos devido a um qualquer colapso hernial das costas. Aliás, levámos uma semana a tentar precavê-lo com longas sessões de alongamentos no final de cada caminhada, e sempre que nos lembrávamos de os reforçar.

De acordo, tínhamos previsto o carregador levar-nos uma mochila com esse peso que estava a mais. Nós, carregaríamos o equipamento fotográfico e, cada qual, a sua mochila com os nove, vá lá que fosse dez ou onze quilos, considerados seguros.

Na véspera, para contratarmos os serviços do carregador, limitámo-nos a perguntar num hotel em frente ao nosso se conheciam alguém. Ao que o rapaz de serviço nos respondeu: “Cheguem aqui. Tenho aqui um.” Seguimo-lo até passarmos por uma porta lateral. No exterior, damos com uma obra de extensão do edifício em que trabalhavam quatro ou cinco homens e mulheres.

O rapaz chamou um dos operários. Falou com ele breves instantes e apresentou-o.

Don. De Operário da Construção Civil a Sherpa dos Annapurnas em Cinco Minutos

Chamava-se Don. Era, de longe, o mais pequeno dos trabalhadores que ali víamos. Teria, aliás, que ser um dos moradores adultos mais baixo, pequeno – chamemos-lhe o que quisermos – da cidade de Manang.

Por fácil que fosse, não queríamos ceder à tentação de fazermos da sua estatura um preconceito ou motivo de desassossego.

Don recorreu a um inglês atabalhoado. Confirmou-nos a disponibilidade para os três dias de percurso seguintes, supusemos que, em detrimento do trabalho na construção em que iria ganhar bem menos que o que lhe pagaríamos. Mesmo que, à laia de comissão, o hotel para que trabalhava lhe ficasse com parte.

Regressemos à manhã da partida. Saudamos Don.

Informamo-lo de que, antes de deixarmos Manang, pararíamos numa ou duas lojas e bancas, de maneira a comprarmos mais alguns aquecedores químicos, providenciais contra frieiras e queimaduras, caso a temperatura descesse a pique em Thorong La, ou, se lá nos víssemos em piores apuros.

Quando lhe passamos a mochila que era suposto carregar, Don mal consegue disfarçar a surpresa. O normal era os mochileiros dividirem a despesa com carregadores e, como tal, passarem-lhes enormes volumes, com vinte e até trinta quilos.

Ao confrontar-se com uma mochila pouco mais repleta que as nossas, Don olha em volta em busca do paradeiro da restante carga. Em vão.

Despedida de Manang e o Encalço do Grupo na Dianteira

Fechamos as compras. O grupo em que seguíamos desde Brakka (Braga) já partira há algum tempo pelo que apontamos ao extremo oeste de Manang.

A despedida da cidade move-nos a fazermos algumas derradeiras fotos das suas ruas, das suas gentes. Uns poucos moradores despedem-se.

Quando passamos o pórtico budista-tibetano que abençoa a povoação prendia-nos sobretudo a visão do seu casario de terra a destacar-se acima do caudal do rio Marsyangdi. Fotografamo-lo de distintas perspectivas.

Até que, por fim, Manang se transformou numa visão difusa.

Um Batatal Pedregoso e uma Partida de Xadrez a Meio da Caminhada

A determinado ponto, passamos por um grupo de camponeses acocorados num campo ressequido e pedregoso. Espantamo-nos ao constatarmos que já tinham enchido dois grandes cestos tradicionais nepaleses de batatas dali colhidas.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka, prece budista

Ancião ora com uma roda de prece budista, à beira do trilho que segue para Yak Kharka.

Nas imediações, um ancião agasalhado em trajes de penas modernos, faz rodar um mani de oração, sentado sob o sol generoso dessa manhã e entretido a ver os forasteiros caminharem rumo a Thorong La.

Caminho fora, continuavam a abundar os artefactos da fé budista-tibetana dos nepaleses destas partes: estandartes multicolores que ondulavam ao vento, cornos de iaque na base de estupas seculares.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Chifres de iaque servem de amuletos à saída de Manang.

Nos seus sucessivos meandros na meia-encosta, o trilho Annapurna Parikrama Padmarga conduz-nos à segunda casa de chá daquele trecho, já com um tal de Chullu West Hotel em vista.

Ali mesmo, sobre uma mesa colocada numa extensão escorada do caminho, um casal alourado, com visual de algures do norte da Europa, disputava uma partida de xadrez, acompanhada pela bebida fetiche do Circuito Annapurna: chá de gengibre com mel.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Dupla de caminhantes amigos e praticantes de xadres disputam uma partida ao ar livre.

Saudamo-los. Continuamos a recuperar do atraso que levávamos em relação ao grupo. E a ganhar avanço face a Don que se detivera para cumprimentar uma família num negócio anterior, com a promessa de que não tardaria a apanhar-nos.

Por Fim, a Junção ao Grupo e a Caminhada que Restava para Yak Kharka

Juntamo-nos ao grupo junto ao Chullu West Hotel, no lugarejo de Gunsang. Desfrutamos de parte da sua pausa, ainda com vigor de sobra para precisarmos de estender a nossa.

Daí em diante, seguimos integrados no pelotão.  Embalados pela deliciosa cavaqueira em inglês e em português as línguas mais usadas pelos dois brasileiros, três alemães, um turco, uma espanhola e um italiano, os membros do grupo.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Caminhante turco Fevsi cruza uma ponte suspensa do percurso.

Cruzamos a primeira ponte suspensa do dia, para variar já não sobre o rio Marsyangdi que, após mais de uma semana a fazer-nos companhia, fiel ao seu curso, nos deixava.

Do lado de lá da ponte, um escrito a negro sobre uma pedra polida proclamava em inglês: “Buda nasceu no Nepal, não na Índia!”.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Inscrição numa pedra polida reclama o nascimento de Buda no Nepal.

Minutos depois, um outro, este, mais sinalizador que reivindicativo, indicava o caminho para o Lago Tilicho.

A Passagem Emblemática pelo Desvio para o Lago Tilicho

Este lago situado a oeste de Manang, a quase 5.000 metros de altitude é outro dos lugares mágicos que costumam desinquietar os caminhantes do Circuito Annapurna.

Emergiu por mais que uma vez nas conversas do grupo, como alternativa de aclimatização mais remoto e extremo que o Ice Lake e a Milarepa Cave a que todos ascendemos a partir de Brakka e de Manang.

Em cada uma dessas ocasiões, a incursão ao Tilicho Lake foi posta de lado. Estávamos em Março.

O Inverno do Nepal só por essa altura se desvanecia. O lago permanecia semi-gelado, envolto por vertentes nevadas que a subida gradual da temperatura tornava propícias a avalanches a que nem os iaques nativos sobreviveriam.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Iaque repousa com o fundo grandioso de um dos cumes aguçados dos Annapurnas.

Não obstante, naquele vale amplo em que nos embrenhávamos, entre as bases do grande Annapurna III (7555m) e da montanha Chullu East (6584m) já quase só víamos neve nos cumes longínquos a sul e a norte.

Prosseguimos rumo ao destino final, ao longo de um afluente do Marsyangdi e até Yak Kharka (4018m), sem sobressaltos.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Rio com caudal diminuído desliza das terras mais altas dos Annapurnas.

Josh e Bruno, um dos alemães e um dos brasileiros do grupo tinham-se adiantado e cumprido os 10km do trecho meia-hora mais cedo.

Entrada em Yak Kharka e no Hotel Tradicional que Nos Acolheu

Por volta da uma da tarde, quando damos entrada na povoação o duo já resolvera a escolha dos aposentos, pelo que nos limitámos a instalar num dos quartos humildes do Hotel Thorong Peak.

Com a estada resolvida, entregamo-nos a um almoço prazeroso e revigorante. De barriga cheia, sonolento, o grupo dispersa. Alguns, limitam-se a apanhar sol nos bancos em frente ao hotel.

Nós, cumprimos parte da sessão quase obrigatória de alongamentos e organizamos a roupa e o equipamento fotográfico para o trajecto em falta.

Ao fim da tarde, voltamos a juntar-nos todos para uma volta de aclimatização na direcção de Ledar, um lugarejo situado já aos 4219m. Sempre eram duzentos metros extra acima dos 4.000m a que, após o Ice Lake e a Milarepa Cave, voltávamos a habituar o organismo.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Caminhantes divertem-se sobre um morro nas imediações de Yak Kharka.

Por esta altura, Tatiana, uma das duas miúdas alemãs com ascendência russa do grupo, começava a queixar-se de dor de cabeça e outros sintomas ainda contidos mas clássicos do Mal de Montanha. No caso dela, urgia confirmar que recuperava para a manhã seguinte.

Até então, nós, continuávamos imunes à altitude mas não ao receio de que nos pudesse atingir sem aviso.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka, cavaleiro

Guia prepara-se para cavalgar a caminho de Manang.

Uma Extensão Quase Só porque Sim à vizinha Ledar

Caminhamos, assim, em direcção a Ledar, de novo com a Annapurna III a insinuar-se acima de dois outros vértices de vertentes mais baixas.

Passamos pelo Himalayan View, um hotel arredado do centro estratégico de Yak Kharka que a placa à entrada situava em Upper Koche, além de aliciar os caminhantes mais fatigados a completarem o percurso de cavalo, num inglês maculado: “You can get horse to ride from hear to Leader Base Camp & Throng Top.

Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka

Colecção de tabuletas promocionais à chegada de Yak Kharka.

O sol não tardou a abandonar o vale. Na sombra, batidos por um vento cada vez mais gélido que nos fazia doer as faces, antecipamos o regresso ao hotel de Yak Kharka.

À imagem do que acontecia todas as noites, sentámo-nos em redor da salamandra da sala de jantar, a partilhar os petiscos nepaleses do costume.

No entretanto, Don tinha reaparecido. Convivia com os empregados nepaleses do hotel. Apercebemo-nos que estava embriagado. Com a noção plena do quanto o álcool gerava e agravava Mal de Altitude, aí sim, receámos pelo que isso pudesse representar na sua capacidade de ascender e cruzar o desfiladeiro de Thorong La.

Em seu abono, tinha a benesse de há muito viver nos 3500 metros de Manang e de, por certo estar mais que habituado a viagens em altitudes superiores, supúnhamos que, em boa parte delas, com álcool à mistura.

Nós, não percebíamos palavra do inglês etílico que Don nos balbuciava.

Para compensar, os nossos corações pareciam ter andado sempre certinhos.

Sentíamo-nos em forma para enfrentarmos o percurso Yak Kharka – Thorong Pedi que se seguia, bem como a ascensão suprema a Thorong La.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga

Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Luderitz, Namibia
Arquitectura & Design
Lüderitz, Namibia

Wilkommen in Afrika

O chanceler Bismarck sempre desdenhou as possessões ultramarinas. Contra a sua vontade e todas as probabilidades, em plena Corrida a África, o mercador Adolf Lüderitz forçou a Alemanha assumir um recanto inóspito do continente. A cidade homónima prosperou e preserva uma das heranças mais excêntricas do império germânico.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
panorâmica, Saint Pierre, Martinica, antilhas francesas
Cidades
Saint-Pierre, Martinica

A Cidade que Renasceu das Cinzas

Em 1900, a capital económica das Antilhas era invejada pela sua sofisticação parisiense, até que o vulcão Pelée a carbonizou e soterrou. Passado mais de um século, Saint-Pierre ainda se regenera.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Cultura
Lagoa de Jok​ülsárlón, Islândia

O Canto e o Gelo

Criada pela água do oceano Árctico e pelo degelo do maior glaciar da Europa, Jokülsárlón forma um domínio frígido e imponente. Os islandeses reverenciam-na e prestam-lhe surpreendentes homenagens.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Natal na Austrália, Platipus = ornitorrincos
Em Viagem
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Étnico
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Mexcaltitán, Nayarit, México, do ar
História
Mexcaltitán, Nayarit, México

Uma Ilha entre o Mito e a Génese Mexicana

Mexcaltitán é uma ilha lacustre, arredondada, repleta de casario e que, durante a época das chuvas, só é transitável de barco. Crê-se ainda que possa ser Aztlán. A povoação que os Aztecas deixaram numa deambulação que terminou com a fundação de Tenochtitlan, a capital do império que os espanhóis viriam a conquistar.
Pequeno navegador
Ilhas
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Sombra vs Luz
Literatura
Quioto, Japão

O Templo de Quioto que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.
Luzes VIP
Natureza
Ilha Moyo, Indonésia

Moyo: Uma Ilha Indonésia Só Para Alguns

Poucas pessoas conhecem ou tiveram o privilégio de explorar a reserva natural de Moyo. Uma delas foi a princesa Diana que, em 1993, nela se refugiou da opressão mediática que a viria a vitimar.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Parques Naturais
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Património Mundial UNESCO
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Praias
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
Cortejo Ortodoxo
Religião
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Singapura, ilha Sucesso e Monotonia
Sociedade
Singapura

A Ilha do Sucesso e da Monotonia

Habituada a planear e a vencer, Singapura seduz e recruta gente ambiciosa de todo o mundo. Ao mesmo tempo, parece aborrecer de morte alguns dos seus habitantes mais criativos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Vida Selvagem
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Voos Panorâmicos
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
PT EN ES FR DE IT