Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga


Cores de Buda
Trio Caprino
Cabras curiosas no solo pedregoso de Braga, uma aldeia na iminência de Manang
Ternura
Afazeres rurais
Mãe e Filho, a Caminho
Amuleto de Trilho
Lares Budistas
Estandartes budistas esvoaçam ao vento, sobre o casario de pedra e madeira abaixo do Mosteiro Budista de Braga.
Braga lá em baixo
Vista panorâmica de Braga, do trilho que sobe para o Ice Lake.
Cimo do Mosteiro de Braga
Os Annapurnas em fundo como visto do cimo do Mosteiro budista de Braka.
Recanto Garrido-Budista
Bandeiras budistas decoram o templo budista de Braga, no Nepal
Iaque em Recarga
Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.
Beijo equino
Cavalos sobre o prado ensopado em frente a Braga
Estandartes contraluz
Estandartes budistas esvoaçam ao vento
Iaque em Recarga
Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.
Ao Sol
Moradora de Braga sobre o terraço solarengo da sua velha casa.
À porta
Pormenor de uma porta do piso superior do Mosteiro Budista de Braga
Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).

O Abrigo Disputado do New Yak Hotel

O conforto. O bem-estar. O calor. Não serão os visitantes-caminhantes que estão mal habituados. A necessidade é universal.

Durante o circuito Annapurna, mal o sol se some para trás das montanhas, a vida parece girar em redor do fogo. No New Yak Hotel de Braga, repetiu-se a competição pelos lugares em redor do lume, naquele caso, alimentado a lenha na salamandra do estabelecimento.

Estandartes Budistas em Braga, Circuito Annapurna, Nepal

Estandartes budistas esvoaçam ao vento

Um grupo de alemães que despertava com as galinhas e com o dia já planeado de fio a pavio, voltou a vencer.

Saímos do quarto, de duche tomado e tralha mais ou menos arrumada. Quando entramos na sala de estar e de refeições da pousada, os jovens teutónicos monopolizavam o calor.

A sala estava disposta sob o comprido. Sobravam apenas uns poucos lugares no extremo oposto à salamandra, junto ao balcão e à saída da cozinha.

Sem alternativas, é lá que nos instalamos. Pedimos o jantar. Antes, durante e um bom tempo após a refeição, participamos num outro passatempo clássico das pousadas do Circuito Annapurna.

O New Yak carecia de tomadas nos quartos. Tudo o que eram carregamentos de baterias de dispositivos estava concentrado numa única torre com dezenas de entradas.

Estranho Passatempo Eléctrico

Fosse ou não propositado, as entradas dessa torre Made in China não seguravam a maior parte das fichas. O problema já seria sério com três ou quatro fichas por ligar.

Mas eram mais de trinta as que disputavam a torre. Mal lá colocámos os nossos dispositivos, percebemos o quão frágil era o contacto que obtínhamos. Bastava um outro hóspede tocar numa das suas fichas que fazia desligar duas ou três em volta.

Na prática, esta falha fazia com que nenhum deles ficasse tranquilo com os carregamentos. Em vez de conversarem à mesa, sossegados, repetiam vaivéns à torre de alimentação.

Mal uns a deixavam, apareciam logo outros preocupados com a possibilidade de os anteriores terem desligado os seus aparelhos.

Nós, estávamos sentados logo ao lado da torre. Até podíamos ter ficado em último na disputa pelo fogo mas, compensámos na intimidade que conseguimos com aquela caprichosa central eléctrica.

Outra consequência da sua disfuncionalidade foi que ninguém teve paciência para esperar até aos dispositivos ficarem carregados em pleno. Nessa noite, nós como os outros hóspedes, confiámos o seu funcionamento a powerbanks que trazíamos carregados para emergências.

Nem sequer o dono da pousada permitiria grandes noitadas. Feito o seu habitual lucro, na hora pós-refeição do costume, os funcionários do New Yak deixaram de colocar lenha na salamandra. A sala depressa ficou gelada. Era o sinal que todos conheciam de que chegara a hora de ir para a cama.

A entrada vespertina na povoação, tinha deixado antever uma Braga deslumbrante. De acordo, dormimos o melhor possível.

Moradora de Braga, Circuito Annapurna, Nepal

Moradora de Braga sobre o terraço solarengo da sua velha casa.

Novo Dia, Nova Braga

Pouco depois da alvorada, sentamo-nos na esplanada na companhia do compincha turco de caminhada Fevsi. Sob um sol uma vez mais radiante, devorámos as papas de aveia com maçã e mel do nosso contentamento.

O alemão Josh, que havia recuado uns bons quilómetros até Chame para recuperar o seu Permit do circuito, já ali surgia. Passada meia-hora, chegou um outro grupo de caminhantes que tanto Fevsi como Josh conheciam. Eram Bruno e Cris, ambos brasileiros.

E Lenka e Tatjana, alemãs, a primeira com ascendência russa. A segunda, filha de pai alemão e de mãe também alemã mas com origem meio cazaque, meio chinesa.

Confraternizamos por breves momentos. Após o que cada um segue no modo para que mais estava virado. Fevsi ficou a vegetar na esplanada. Nós, Josh, Bruno e Lenka saímos à descoberta de Braga.

Como acontecera no fim de dia anterior, alguns iaques pastavam a erva ensopada no declive suave entre os dois paredões de rocha calcária que encerravam a povoação a leste e a ocidente.

Não eram só iaques. Cinco ou seis potros que se tinham juntado ao pastorício, compunham o cenário bucólico com que a manhã nos prendava.

O Misticismo Sobranceiro do Mosteiro de Braga

Por mais que a natureza e a geologia do lugar ali resplandecessem, eram as componentes humanas que tornavam Braga especial: o seu mosteiro budista excêntrico, encaixado na base de uma miniatura de cordilheira repleta de picos afiados, uma gompa com história única e importância a condizer.

E o casario intrigante que, à vista, parecia quase troglodita instalado abaixo e em redor.

Kama Chhiring, um morador, concedeu um depoimento online ao site de repositórios culturais Mandala da Universidade da Virginia.

Nesse testemunho, explica em dialecto manange que um grande lama tibetano – Khatu Karma Lapsang, da décima primeira incarnação – passou por aquela zona há mais de meio milénio.

Decorrido algum tempo, esse Karmapa  mandou lá erguer o mosteiro de Braga para abrigar uns poucos ídolos tibetanos que, na actualidade, os religiosos budistas continuam a proteger e a preservar.

Nos dias que correm, o templo abriga muitos mais. Guarda centenas de estátuas de Buda, umas mais sagradas que outras, de acordo com a sua antiguidade.

Graças ao mosteiro, o budismo tibetano disseminou-se pelas aldeias e lugarejos da região. Mantem-se, hoje, a fé indisputada não só das povoações de língua manange como de muitas outras destas partes dos Himalaias.

A gompa de Braga não é, todavia, o tipo de mosteiro que receba, todos os dias, grandes comitivas de crentes. Apesar de contar com mais de trezentos moradores, Braka parece-nos deserta.

Tínhamos lido em qualquer lado que a visita do mosteiro implicava o pagamento de uma entrada. Mas, quando ascendemos para o tecto-terraço nas suas alturas, não encontrarmos vivalma a quem pagar o ingresso.

Uma Deslumbrante Cúpula Panorâmica

Subimos para o derradeiro andar por uma pequena escada de madeira esculpida.

Dali de cima, por uma boa meia-hora, deixamo-nos deslumbrar com a visão majestosa das montanhas Annapurna III (7.555m) e Gangapurna (7.455m) a sul, com os seus cumes altivos ainda bem nevados.

Cimo do Mosteiro de Braka, Circuito Annapurna, Nepal

Os Annapurnas em fundo como visto do cimo do Mosteiro budista de Braka.

Daquele cimo, examinamos ainda a leva de casas feitas de pedra cinza, adobe e madeira, umas encavalitadas sobre as outras, cada qual com o seu estandarte budista multicolor a esvoaçar, todas elas apoiadas na falda oposta em que se havia aninhado Braka.

Esta era a Braka secular e genuína. Aquela que os forasteiros como nós vasculhavam de passagem. Havia a outra, bem mais recente.

A instalada de ambos os lados da estrada Manang Sadak, com o rio Marsyangdi à vista, onde se sucediam as pousadas e casas de chá, nas posições mais convenientes para capturarem os caminhantes derreados e esfomeados. Primeiro a New Yak.

Logo, várias outras, alinhadas na direcção de Manang que já distava menos de quatro quilómetros. Manang é a maior das povoações das redondezas.

Os caminhantes lá tratam dos derradeiros preparativos e procedimentos para a travessia suprema do circuito: a do desfiladeiro Thorong La, a 5.416 metros de altitude, quase dois mil acima da Braga que continuávamos a explorar.

De Passagem, pela Vida Ténue de Braga

Deixamos Bruno e Lenka entregues a um momento de contemplação e meditação que requeria silêncio. Voltamos a descer para a base do templo. Vagueamos pelas ruelas da aldeia ainda cobertas de gelo ou neve nos recantos por que os raios solares não se haviam ainda aventurado.

Uns poucos lares estavam abandonados. As suas ruínas precipitavam-se sobre os becos estreitos. Obrigavam-nos a caminhar sobre pilhas de pedras resvalantes.

Esses lares, como os outros, contavam com janelas de madeira rendilhadas e, mesmo se sem a cor de outros tempos, elegantes.

Quase todas as casas incluíam currais na base. E, sobre estes currais, haviam alpendres que os moradores atafulhavam de lenha seca, em que instalavam os seus estendais de roupa e, aqui e ali, pequenas antenas discais de televisão.

Regressamos à orla deste casario, onde os lares raiavam com o prado ensopado que mantinha os animais de carga ocupados. Nessa zona, limítrofe, damos por fim com alguma vida humana.

Entre Cabras e Iaques

Uma família transportava grandes cestos a transbordar de uma mistura escurecida de palha com caruma. Faziam-no entre um monte escorado da substância e um curral a quem davam uma nova cama.

Mais abaixo, um rebanho de cabras regressava ao seu abrigo.

Pai, filho, cabritinho em Braga,Nepal

Pai de Braga passa um cabritinho felpudo ao seu filho bébé.

Para gáudio de Tenzin, um menino nepalês com os seus dois anos (ou menos) que se entretinha a tentar barrar a passagem aos cabritinhos e que vimos celebrar, sorridente, quando Sonan Tchincap, o seu jovem pai, lhe passou um deles, castanho-claro, bem felpudo, para o colo.

Voltamos a cruzar-nos com mais iaques. Dois deles, negros, já quase mais vacas que iaques de tantos cruzamentos passados, permaneciam junto a uma vedação de madeira, imóveis, com excepção para as bocas que pareciam mastigar e saborear o ar.

Tal como o percebíamos, só há pouco tempo os donos os tinham soltado da frigidez nocturna dos seus aposentos.

Enregelados, hirtos a condizer, os animais recarregavam-se com o calor solar da manhã, ainda mais lentamente que os telemóveis e powerbanks na New Yak.

Ainda nos virámos para trás duas ou três vezes. Nunca chegámos a ver os bovídeos mexer-se.

Iaque em Brag, Circuito Annapurna, Nepal

Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.

Naquelas deambulações e preparos, o dia ia quase a meio.

Estava na altura de regressarmos à base logística da pousada.

Havia muito mais que explorar nos arredores de Braga pelo que estendemos a estadia por outra noite. Manang e o temido Thorong Pass podiam perfeitamente esperar.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Safari
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Cidades
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha Pão do Uzbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Cultura
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Las Cuevas, Mendoza, de um lado ao outro dos andes, argentina
Em Viagem
Mendoza, Argentina

De Um Lado ao Outro dos Andes

Saída da Mendoza cidade, a ruta N7 perde-se em vinhedos, eleva-se ao sopé do Monte Aconcágua e cruza os Andes até ao Chile. Poucos trechos transfronteiriços revelam a imponência desta ascensão forçada
Tulum, Ruínas Maias da Riviera Maia, México
Étnico
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Mar Morto, Tona de água, Lugar Mais Baixo Terra, Israel, repouso
História
Mar Morto, Israel

À Tona d’água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.
Vista de La Graciosa de Lanzarote, Canárias, Espanha
Ilhas
La Graciosa, Ilhas Canárias

A Mais Graciosa das Ilhas Canárias

Até 2018, a menor das Canárias habitadas não contava para o arquipélago. Desembarcados em La Graciosa, desvendamos o encanto insular da agora oitava ilha.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Cilaos, ilha da Reunião, Casario Piton des Neiges
Natureza
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Os vulcões Semeru (ao longe) e Bromo em Java, Indonésia
Parques Naturais
PN Bromo Tengger Semeru, Indonésia

O Mar Vulcânico de Java

A gigantesca caldeira de Tengger eleva-se a 2000m no âmago de uma vastidão arenosa do leste de Java. Dela se projectam o monte supremo desta ilha indonésia, o Semeru, e vários outros vulcões. Da fertilidade e clemência deste cenário tão sublime quanto dantesco prospera uma das poucas comunidades hindus que resistiram ao predomínio muçulmano em redor.
Colonia del Sacramento, Uruguai
Património Mundial UNESCO
Colónia do Sacramento, Uruguai

Colónia do Sacramento: o Legado Uruguaio de um Vaivém Histórico

A fundação de Colónia do Sacramento pelos portugueses gerou conflitos recorrentes com os rivais hispânicos. Até 1828, esta praça fortificada, hoje sedativa, mudou de lado vezes sem conta.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Santo Sepulcro, Jerusalém, igrejas cristãs, sacerdote com insensário
Religião
Basílica Santo Sepúlcro, Jerusalém, Israel

O Templo Supremo das Velhas Igrejas Cristãs

Foi mandada construir pelo imperador Constantino, no lugar da Crucificação e Ressurreição de Jesus e de um antigo templo de Vénus. Na génese, uma obra Bizantina, a Basílica do Santo Sepúlcro é, hoje, partilhada e disputada por várias denominações cristãs como o grande edifício unificador do Cristianismo.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Parque Nacional Gorongosa, Moçambique, Vida Selvagem, leões
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT