Circuito Annapurna: 6º – Braga, Nepal

Num Nepal Mais Velho que o Mosteiro de Braga


Cores de Buda
Trio Caprino
Cabras curiosas no solo pedregoso de Braga, uma aldeia na iminência de Manang
Ternura
Afazeres rurais
Mãe e Filho, a Caminho
Amuleto de Trilho
Lares Budistas
Estandartes budistas esvoaçam ao vento, sobre o casario de pedra e madeira abaixo do Mosteiro Budista de Braga.
Braga lá em baixo
Vista panorâmica de Braga, do trilho que sobe para o Ice Lake.
Cimo do Mosteiro de Braga
Os Annapurnas em fundo como visto do cimo do Mosteiro budista de Braka.
Recanto Garrido-Budista
Bandeiras budistas decoram o templo budista de Braga, no Nepal
Iaque em Recarga
Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.
Beijo equino
Cavalos sobre o prado ensopado em frente a Braga
Estandartes contraluz
Estandartes budistas esvoaçam ao vento
Iaque em Recarga
Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.
Ao Sol
Moradora de Braga sobre o terraço solarengo da sua velha casa.
À porta
Pormenor de uma porta do piso superior do Mosteiro Budista de Braga
Quatro dias de caminhada depois, dormimos aos 3.519 metros de Braga (Braka). À chegada, apenas o nome nos é familiar. Confrontados com o encanto místico da povoação, disposta em redor de um dos mosteiros budistas mais antigos e reverenciados do circuito Annapurna, lá prolongamos a aclimatização com subida ao Ice Lake (4620m).

O Abrigo Disputado do New Yak Hotel

O conforto. O bem-estar. O calor. Não serão os visitantes-caminhantes que estão mal habituados. A necessidade é universal.

Durante o circuito Annapurna, mal o sol se some para trás das montanhas, a vida parece girar em redor do fogo. No New Yak Hotel de Braga, repetiu-se a competição pelos lugares em redor do lume, naquele caso, alimentado a lenha na salamandra do estabelecimento.

Estandartes Budistas em Braga, Circuito Annapurna, Nepal

Estandartes budistas esvoaçam ao vento

Um grupo de alemães que despertava com as galinhas e com o dia já planeado de fio a pavio, voltou a vencer.

Saímos do quarto, de duche tomado e tralha mais ou menos arrumada. Quando entramos na sala de estar e de refeições da pousada, os jovens teutónicos monopolizavam o calor.

A sala estava disposta sob o comprido. Sobravam apenas uns poucos lugares no extremo oposto à salamandra, junto ao balcão e à saída da cozinha.

Sem alternativas, é lá que nos instalamos. Pedimos o jantar. Antes, durante e um bom tempo após a refeição, participamos num outro passatempo clássico das pousadas do Circuito Annapurna.

O New Yak carecia de tomadas nos quartos. Tudo o que eram carregamentos de baterias de dispositivos estava concentrado numa única torre com dezenas de entradas.

Estranho Passatempo Eléctrico

Fosse ou não propositado, as entradas dessa torre Made in China não seguravam a maior parte das fichas. O problema já seria sério com três ou quatro fichas por ligar.

Mas eram mais de trinta as que disputavam a torre. Mal lá colocámos os nossos dispositivos, percebemos o quão frágil era o contacto que obtínhamos. Bastava um outro hóspede tocar numa das suas fichas que fazia desligar duas ou três em volta.

Na prática, esta falha fazia com que nenhum deles ficasse tranquilo com os carregamentos. Em vez de conversarem à mesa, sossegados, repetiam vaivéns à torre de alimentação.

Mal uns a deixavam, apareciam logo outros preocupados com a possibilidade de os anteriores terem desligado os seus aparelhos.

Nós, estávamos sentados logo ao lado da torre. Até podíamos ter ficado em último na disputa pelo fogo mas, compensámos na intimidade que conseguimos com aquela caprichosa central eléctrica.

Outra consequência da sua disfuncionalidade foi que ninguém teve paciência para esperar até aos dispositivos ficarem carregados em pleno. Nessa noite, nós como os outros hóspedes, confiámos o seu funcionamento a powerbanks que trazíamos carregados para emergências.

Nem sequer o dono da pousada permitiria grandes noitadas. Feito o seu habitual lucro, na hora pós-refeição do costume, os funcionários do New Yak deixaram de colocar lenha na salamandra. A sala depressa ficou gelada. Era o sinal que todos conheciam de que chegara a hora de ir para a cama.

A entrada vespertina na povoação, tinha deixado antever uma Braga deslumbrante. De acordo, dormimos o melhor possível.

Moradora de Braga, Circuito Annapurna, Nepal

Moradora de Braga sobre o terraço solarengo da sua velha casa.

Novo Dia, Nova Braga

Pouco depois da alvorada, sentamo-nos na esplanada na companhia do compincha turco de caminhada Fevsi. Sob um sol uma vez mais radiante, devorámos as papas de aveia com maçã e mel do nosso contentamento.

O alemão Josh, que havia recuado uns bons quilómetros até Chame para recuperar o seu Permit do circuito, já ali surgia. Passada meia-hora, chegou um outro grupo de caminhantes que tanto Fevsi como Josh conheciam. Eram Bruno e Cris, ambos brasileiros.

E Lenka e Tatjana, alemãs, a primeira com ascendência russa. A segunda, filha de pai alemão e de mãe também alemã mas com origem meio cazaque, meio chinesa.

Confraternizamos por breves momentos. Após o que cada um segue no modo para que mais estava virado. Fevsi ficou a vegetar na esplanada. Nós, Josh, Bruno e Lenka saímos à descoberta de Braga.

Como acontecera no fim de dia anterior, alguns iaques pastavam a erva ensopada no declive suave entre os dois paredões de rocha calcária que encerravam a povoação a leste e a ocidente.

Não eram só iaques. Cinco ou seis potros que se tinham juntado ao pastorício, compunham o cenário bucólico com que a manhã nos prendava.

O Misticismo Sobranceiro do Mosteiro de Braga

Por mais que a natureza e a geologia do lugar ali resplandecessem, eram as componentes humanas que tornavam Braga especial: o seu mosteiro budista excêntrico, encaixado na base de uma miniatura de cordilheira repleta de picos afiados, uma gompa com história única e importância a condizer.

E o casario intrigante que, à vista, parecia quase troglodita instalado abaixo e em redor.

Kama Chhiring, um morador, concedeu um depoimento online ao site de repositórios culturais Mandala da Universidade da Virginia.

Nesse testemunho, explica em dialecto manange que um grande lama tibetano – Khatu Karma Lapsang, da décima primeira incarnação – passou por aquela zona há mais de meio milénio.

Decorrido algum tempo, esse Karmapa  mandou lá erguer o mosteiro de Braga para abrigar uns poucos ídolos tibetanos que, na actualidade, os religiosos budistas continuam a proteger e a preservar.

Nos dias que correm, o templo abriga muitos mais. Guarda centenas de estátuas de Buda, umas mais sagradas que outras, de acordo com a sua antiguidade.

Graças ao mosteiro, o budismo tibetano disseminou-se pelas aldeias e lugarejos da região. Mantem-se, hoje, a fé indisputada não só das povoações de língua manange como de muitas outras destas partes dos Himalaias.

A gompa de Braga não é, todavia, o tipo de mosteiro que receba, todos os dias, grandes comitivas de crentes. Apesar de contar com mais de trezentos moradores, Braka parece-nos deserta.

Tínhamos lido em qualquer lado que a visita do mosteiro implicava o pagamento de uma entrada. Mas, quando ascendemos para o tecto-terraço nas suas alturas, não encontrarmos vivalma a quem pagar o ingresso.

Uma Deslumbrante Cúpula Panorâmica

Subimos para o derradeiro andar por uma pequena escada de madeira esculpida.

Dali de cima, por uma boa meia-hora, deixamo-nos deslumbrar com a visão majestosa das montanhas Annapurna III (7.555m) e Gangapurna (7.455m) a sul, com os seus cumes altivos ainda bem nevados.

Cimo do Mosteiro de Braka, Circuito Annapurna, Nepal

Os Annapurnas em fundo como visto do cimo do Mosteiro budista de Braka.

Daquele cimo, examinamos ainda a leva de casas feitas de pedra cinza, adobe e madeira, umas encavalitadas sobre as outras, cada qual com o seu estandarte budista multicolor a esvoaçar, todas elas apoiadas na falda oposta em que se havia aninhado Braka.

Esta era a Braka secular e genuína. Aquela que os forasteiros como nós vasculhavam de passagem. Havia a outra, bem mais recente.

A instalada de ambos os lados da estrada Manang Sadak, com o rio Marsyangdi à vista, onde se sucediam as pousadas e casas de chá, nas posições mais convenientes para capturarem os caminhantes derreados e esfomeados. Primeiro a New Yak.

Logo, várias outras, alinhadas na direcção de Manang que já distava menos de quatro quilómetros. Manang é a maior das povoações das redondezas.

Os caminhantes lá tratam dos derradeiros preparativos e procedimentos para a travessia suprema do circuito: a do desfiladeiro Thorong La, a 5.416 metros de altitude, quase dois mil acima da Braga que continuávamos a explorar.

De Passagem, pela Vida Ténue de Braga

Deixamos Bruno e Lenka entregues a um momento de contemplação e meditação que requeria silêncio. Voltamos a descer para a base do templo. Vagueamos pelas ruelas da aldeia ainda cobertas de gelo ou neve nos recantos por que os raios solares não se haviam ainda aventurado.

Uns poucos lares estavam abandonados. As suas ruínas precipitavam-se sobre os becos estreitos. Obrigavam-nos a caminhar sobre pilhas de pedras resvalantes.

Esses lares, como os outros, contavam com janelas de madeira rendilhadas e, mesmo se sem a cor de outros tempos, elegantes.

Quase todas as casas incluíam currais na base. E, sobre estes currais, haviam alpendres que os moradores atafulhavam de lenha seca, em que instalavam os seus estendais de roupa e, aqui e ali, pequenas antenas discais de televisão.

Regressamos à orla deste casario, onde os lares raiavam com o prado ensopado que mantinha os animais de carga ocupados. Nessa zona, limítrofe, damos por fim com alguma vida humana.

Entre Cabras e Iaques

Uma família transportava grandes cestos a transbordar de uma mistura escurecida de palha com caruma. Faziam-no entre um monte escorado da substância e um curral a quem davam uma nova cama.

Mais abaixo, um rebanho de cabras regressava ao seu abrigo.

Pai, filho, cabritinho em Braga,Nepal

Pai de Braga passa um cabritinho felpudo ao seu filho bébé.

Para gáudio de Tenzin, um menino nepalês com os seus dois anos (ou menos) que se entretinha a tentar barrar a passagem aos cabritinhos e que vimos celebrar, sorridente, quando Sonan Tchincap, o seu jovem pai, lhe passou um deles, castanho-claro, bem felpudo, para o colo.

Voltamos a cruzar-nos com mais iaques. Dois deles, negros, já quase mais vacas que iaques de tantos cruzamentos passados, permaneciam junto a uma vedação de madeira, imóveis, com excepção para as bocas que pareciam mastigar e saborear o ar.

Tal como o percebíamos, só há pouco tempo os donos os tinham soltado da frigidez nocturna dos seus aposentos.

Enregelados, hirtos a condizer, os animais recarregavam-se com o calor solar da manhã, ainda mais lentamente que os telemóveis e powerbanks na New Yak.

Ainda nos virámos para trás duas ou três vezes. Nunca chegámos a ver os bovídeos mexer-se.

Iaque em Brag, Circuito Annapurna, Nepal

Iaque recarrega-se ao sol após um noite gelada passada no curral.

Naquelas deambulações e preparos, o dia ia quase a meio.

Estava na altura de regressarmos à base logística da pousada.

Havia muito mais que explorar nos arredores de Braga pelo que estendemos a estadia por outra noite. Manang e o temido Thorong Pass podiam perfeitamente esperar.

Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Circuito Annapurna: 7º - Braga - Ice Lake, Nepal

Circuito Annapurna - A Aclimatização Dolorosa do Ice Lake

Na subida para o povoado de Ghyaru, tivemos uma primeira e inesperada mostra do quão extasiante se pode provar o Circuito Annapurna. Nove quilómetros depois, em Braga, pela necessidade de aclimatizarmos ascendemos dos 3.470m de Braga aos 4.600m do lago de Kicho Tal. Só sentimos algum esperado cansaço e o avolumar do deslumbre pela Cordilheira Annapurna.
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
A Crucificação em Helsínquia
Cerimónias e Festividades
Helsínquia, Finlândia

Uma Via Crucis Frígido-Erudita

Chegada a Semana Santa, Helsínquia exibe a sua crença. Apesar do frio de congelar, actores pouco vestidos protagonizam uma re-encenação sofisticada da Via Crucis por ruas repletas de espectadores.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Cidades
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Capacete capilar
Cultura
Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Em Viagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Étnico
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Sensações vs Impressões

Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
História
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Ao fim da tarde
Ilhas
Ilha de Moçambique, Moçambique  

A Ilha de Ali Musa Bin Bique. Perdão, de Moçambique

Com a chegada de Vasco da Gama ao extremo sudeste de África, os portugueses tomaram uma ilha antes governada por um emir árabe a quem acabaram por adulterar o nome. O emir perdeu o território e o cargo. Moçambique - o nome moldado - perdura na ilha resplandecente em que tudo começou e também baptizou a nação que a colonização lusa acabou por formar.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Natureza
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Parques Naturais
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Cilaos, ilha da Reunião, Casario Piton des Neiges
Património Mundial UNESCO
Cilaos, Reunião

Refúgio sob o tecto do Índico

Cilaos surge numa das velhas caldeiras verdejantes da ilha de Reunião. Foi inicialmente habitada por escravos foragidos que acreditavam ficar a salvo naquele fim do mundo. Uma vez tornada acessível, nem a localização remota da cratera impediu o abrigo de uma vila hoje peculiar e adulada.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Pemba, Moçambique, Capital de Cabo Delgado, de Porto Amélia a Porto de Abrigo, Paquitequete
Religião
Pemba, Moçambique

De Porto Amélia ao Porto de Abrigo de Moçambique

Em Julho de 2017, visitámos Pemba. Dois meses depois, deu-se o primeiro ataque a Mocímboa da Praia. Nem então nos atrevemos a imaginar que a capital tropical e solarenga de Cabo Delgado se tornaria a salvação de milhares de moçambicanos em fuga de um jihadismo aterrorizador.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Sociedade
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES