Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta


Gbadzeme
A povoação de Gbadzeme, no sopé do Monte Gemi.
Amedzofe E P Church
Visitante das quedas d'água de Wli, contempla o seu mergulho.
Amedzofe
Parte do casario de Amedzofe, no sopé do Monte Ganês de Gemi
Correria de miúdos
Crianças disputam a descida do cume para a base do Monte Gemi.
A Ver a Vista
Família contempla a vista abaixo e para diante do Monte Gemi.
Casario de Amedzofe
O casario de Amedzofe quebra o verde predominante em redor do Monte Gemi.
Momentos fotográficos
Família fotografa-se no cimo do Monte Gemi.
Estrada na névoa
Uma estrada destaca-se da vista a partir do cimo do Monte Gemi.
Caminho para a Cruz
Caminhante aproxima-se da cruz no cume do Monte Gemi, acima de Amedzofe.
Selfie Gemi
Visitante do Monte Gemi, tira uma selfie orgulhosa.
Wlis
Visitante das quedas d'água de Wli, contempla o seu mergulho.
A Ponte Adomi
A ponte que cruza o rio Volta nas imediações de Akwamufie.
Pesca de Volta
Pescadores manobram canoas ao longo do rio Volta.
Beira-Volta
Palhota de pescadores numa margem do rio Volta.
O Volta de Akwamu
Meandros e recortes do rio Volta, em território Akwamu.
O mergulho das quedas d’água de Wli
A última queda das Wli falls gera um borrifo generalizado que irriga a floresta em redor.
Riacho Wli
Torrente na continuação das Wli Falls.
Pequenas Grandes Wli
Vislumbre das quedas d'água de Wli, quase sobre a fronteira entre o Gana e o Togo.
Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.

Munido de várias pens repletas de ficheiros MP3, além de motorista, Frank desempenhava o papel de DJ da viatura.

Fazia rodar temas famosos da música ganesa, uns atrás dos outros. Passado, algum tempo, os mesmos, uns atrás dos outros, outra vez.

De tal maneira repetidos que, mesmo tendo-os ouvido, naquela viagem, pela primeira vez, começavam a gerar em nós alguma familiaridade.

Durante boa parte do tempo, limitamo-nos a escutá-los como mera música, mesmo se alguns tinham letras demasiado obscenas para o que estávamos habituados.

Com o desenrolar do tal repetir, as melodias mais orelhudas conquistaram-nos, uma delas em particular, de que Frank não conhecia nem o autor nem o nome.

Tentamos descobri-los com recurso à aplicação Shazam. Em vão. A App não parecia possuir, na sua base de dados, uma secção ganesa à altura, pelo que nos resignamos.

Assim mesmo, resignados, chegamos a Ho, a capital da região ganesa de Volta. A tempo de assistirmos a um dos festivais étnicos mais importantes da região, o Agbamevo, também chamado de Kente, por celebrar a profusão e exuberância deste tipo de tecido tradicional do Gana, durante o evento, acompanhado por ouro em doses industriais. O Agbamevo veio a provar-se de tal maneira exuberante que lhe dedicaremos, em breve, todo um artigo.

Vista do Monte Gemi, Amedzofe, Volta, Gana

Estradas da região ganesa de Volta.

Avançamos, assim, na narrativa ganesa, até à manhã seguinte.

Já em cima das dez da manhã, tarde e más horas, saímos para a estrada. Acompanha-nos, agora, Nii Tawiah, encarregue de nos mostrar o Volta para norte da capital Ho. Mal o vimos e ouvimos, temos a sensação de estarmos perante um sósia do actor norte-americano Chris Rock.

Sucesso na Demanda do DanceHall do Gana

Voltamos a instalar-nos no jipe. Frank reactiva o modo musical. Não tarda, o sortido de MP3 prenda-nos com um dos tais temas que nos havia deixado intrigado. Conscientes de que Nii pertencia a uma geração acima da de Frank, perguntamos-lhe se sabia do que se tratava.

“O quê, nem o Frank, nem o Kojo nem o Yosi vos diziam o que era isto?” responde-nos Nii espantado pela alienação musical da comitiva a bordo. “Este é o Vybrant Faya (nome artístico de Emmanuel Kojo Quayson, uma das novas estrelas do DanceHall do Gana. A música chama-se “Mampi”. O Vybrant Faya é um dos mais famosos do Shatta Movement Family que é liderado pelo Shatta Wale.”

Nii deslumbra-nos. Por fim, tínhamos quem nos formasse e informasse sobre a cena musical de Acra, do Gana em geral. Durante o resto da viagem, sobretudo após o regresso a casa, descobrimos mais autores e outros temas de Dancehall ganeses meritórios. E vídeos, quase todos algo mal-amanhados que, mesmo sem os devidos recursos, aspiravam ao glamour, complexidade e promiscuidade visual próprias dos canais dos Estados Unidos, como o MTV e o mais recente Trace.

Mais tarde, regressados a Portugal, inteirámo-nos que Vybrant Faya tinha falecido cerca de um mês após termos ouvido o contagiante “Mampi” pela primeira vez. Apesar da sua juventude, forma física e irreverência, não resistiu ao atropelo de um motociclista que circulava a alta velocidade numa das estradas mais frenéticas da capital Acra, a Tema Road.

A Caminho da Remota Amedzofe

Nessa manhã, a milhas de podermos imaginar tal tragédia, deixamos Ho apontados a uma tal de vila de Amedzofe, disposta no sopé de uma das elevações excêntricas do Gana, o monte Gemi.

Uma hora depois, damos entrada na povoação, um aglomerado de casas de tons pastel com telhados avermelhados de zinco ou outra chapa, assim descortinámos o panorama de um ponto mais alto.

Amedzofe, Volta, Gana

O casario de Amedzofe quebra o verde predominante em redor do Monte Gemi.

A diante e acima desse casario, destacava-se um grande morro verdejante com forma de mama. Uma névoa densa, entre o cinzento e o azulado, encerrava Amedzofe como uma estufa e parecia afagar o cimo do morro.

Os cicerones ganeses conduzem-nos às instalações do turismo local, quartel-general da ambição de tornar o Monte Gemi incontornável no turismo ganês, para começar.

Lá nos apresentam Satoshi Okubo, um jovem japonês destacado por uma organização de cooperação e voluntariado no estrangeiro. Satoshi fala-nos da sua experiência de vida em Amedzofe, de como se tinha integrado muito mais depressa do que esperava. De como achava que as pessoas de lá mereciam uma vida mais generosa que a que tinham, a razão porque tinham convencido a GTA (Ghana Tourism Authority) a lá levarem jornalistas de viagens estrangeiros.

O seu repto estimula-nos a fotografarmos a beleza natural e a alma daquele lugar.

Saímos numa pequena comitiva. Começamos por caminhar entre o casario. Até que Nii atalha para a base do monte, para o trilho que conduzia ao seu cimo de mamilo e aos prados generosos e ventosos que atrás se prolongavam até perder de vista.

Amedzofe, Monte Gemi, Gana

Casario de Amedzofe no sopé do Monte Gemi.

A Conquista Fácil do Monte Gemi

O trilho torna-se íngreme e perde-se na erva que a névoa fazia crescer em permanência. Um dos seus raros meandros revela-nos um crucifixo destacado do verde-amarelado. A cruz marcava o zénite do morro, 700 metros acima do nível do mar, menos de 100 metros abaixo da elevação suprema do Gana.

Cruz do Monte Gemi, Volta, Gana

Caminhante aproxima-se da cruz no cume do Monte Gemi, acima de Amedzofe.

Quando o atingem, mal preparados para tais esforços, Kojo e Yosi ocupam-no, um de cada lado, em modo de recuperação e contemplação sincronizadas. Nós, fotografamo-los aos dois no seu poleiro.

Ao passarmos para a parte de trás do cimo, surpreende-nos uma família dispersa ao longo do limiar marcado pela névoa, entusiasmada com as selfies e fotos de grupo especiais que ali faziam, com a névoa e a povoação vizinha de Gbadzeme em fundo.

Família, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Família fotografa-se no cimo do Monte Gemi.

Naquele cume, inteiramo-nos ainda das curiosidades coloniais do lugar. A forma como os alemães o colonizaram, no final do século XIX, em redor de uma Escola Missionária, diz-se que porque era um dos poucos da sua Togolândia que lhes concedia um clima fresco comparável ao da Alemanha.

Selfie, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Visitante do Monte Gemi, tira uma selfie orgulhosa.

A Génese Germânica do Baptismo do Monte

Em 1939, vinte anos após a derrota dos germânicos na 1ª Guerra Mundial e a perda da Togolândia, dividida entre franceses e britânicos, os Missionários Alemães foram autorizados a regressar e retomar o seu trabalho de evangelização.

Nessa ocasião, ergueram uma cruz no cimo do monte que ficou conhecida como Gayito. Uma vez que as suas instituições coloniais eram geridas por um tal de German Evangelical Missions Institute e porque esta sigla foi inscrita na base da cruz, com o tempo, o Monte ficou conhecido como GEMI.

Cruz, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Cruz de Amedzofe celebra um jubileu religioso da povoação.

O Gana e o Togo, este último país que, não fosse a névoa, avistaríamos também do cimo do monte só se tornaram independentes em 1957 e 1960, dos britânicos e dos franceses.

Com a névoa a descer a olhos vistos e uma chuva miudinha a instalar-se Nii e Kojo antecipam a partida ainda mais para norte, rumo às Wli Falls, imperdíveis, nem que fosse porque, com 80 metros, eram as mais longas do Gana e, assim nos asseguravam, da África Ocidental.

Volta Acima, em Busca das Quedas d’Água de Wli

Cumprimos quase todo o percurso por uma estrada de terra vermelha esburacada. Por volta das 15h, instalamo-nos num restaurante-esplanada à beira da estrada, a uns poucos quilómetros do território togolês.

O almoço tardio dá azo a conversas intrincadas que, a determinada altura, envolvem já a escravatura de que a região da Costa do Ouro se viu vítima, e o papel dos chefes tribais africanos e dos europeus, incluindo os portugueses. Nuvens escuras como breu, que aparecem, sem aviso, do lado de lá da fronteira, interrompem o debate.

Atalhamos o repasto. Saímos disparados rumo ao início do trilho de selva que conduzia às quedas de água. Percorremo-lo em menos que os 40 minutos, esperados, lado a lado com um rio que, a espaços, transbordava sem apelo.

Wli Falls, Volta, Gana

A última queda das Wli falls gera um borrifo generalizado que irriga a floresta em redor.

Por fim, saímos da floresta cerrada para a clareira que precedia a falésia da queda d’água. Uma mistura de chuva e dos borrifos do caudal vertical que o vento soprava na nossa direcção molhou-nos em três tempos. Manteve-nos encharcados por quase uma hora.

Molhados e com frio inesperado, lutamos para conseguir fotografar as Wli Falls naquele seu cenário fronteiriço grandioso, contra as inesgotáveis gotas e gotículas que nos manchavam as objectivas.

Retirada Forçada por uma Intempérie Chegada do Togo

No entretanto quase anfíbio, o Togo reforçou o batalhão de nuvens que enviava sobre o Gana. A bátega tornou-se tal que nos forçou a correr em retirada para o carro, receosos que uma enxurrada nos apanhasse nas margens ora enlameadas ora pantanosas do rio.

Torrente gerada pelas Wli Falls, Volta, Gana

Torrente na continuação das Wli Falls.

Regressamos a salvo. A chuva só deu de si à entrada de Ho.

De volta ao hotel, tomamos duches revigorantes. Jantamos sopas ainda mais picantes que o picante médio dos dias anteriores, caldos ganeses avermelhados que mais que a suar, nos deixaram a hiperventilar.

Na manhã seguinte, desgastados das comoções meteorológicas da véspera, dormimos em demasia. Quando saímos,  Frank, Kojo e Yosi conduzem-nos a um lodge resplandecente da zona, o Senchi Royal, de Akwamu, recém-erguido sobre a margem do rio Volta.

Senchi, a Garganta de Akwamu e o Majestoso Rio Volta

Fartos das nossas vontades de exploração, Kojo e Yosi lá se instalam e tudo fazem para passar a tarde a beber cocktails.

Pescadores em canoas, rio Volta, Gana

Pescadores manobram canoas ao longo do rio Volta.

Inconformados, nós, exigimos a volta de barco pelo Volta que estava programada. Kojo e Yosi cedem. Conscientes de que o faríamos a bordo de uma lancha hiperluxuosa, juntam-se a nós. Até perceberem que, no meio da confusão do programa e desprograma, tínhamos também reconfirmado uma caminhada complementar

Intimidado pelo esforço físico, o duo inseparável da GTA volta ao hotel e, assim estimamos, aos cocktails. Nós, seguimos um guia que o hotel nos havia conseguido até a um cimo da encosta da Garganta de Akwamu.

Meandros e recortes do rio Volta, Akwamu, Gana

Meandros e recortes do rio Volta, em território Akwamu.

Finalizamos o percurso uma vez mais ensopados, em vez de pela chuva, pela humidade e condensação agravadas pela vegetação acima do rio. Assim mesmo, feitos em água suada, admiramos o grande rio Volta e a cidade de Atimpoku, com o seu casario disposto a norte da ponte de Adomi.

Ponte Adomi sobre o rio Volta, Akwamu, Gana

A ponte que cruza o rio Volta nas imediações de Akwamufie.

No regresso ao nível do rio, visitamos o palácio Akwamufie (Bogyawe), trono actual de Odeneho Kwafo Akoto III, rei do estado de Akwamu, um dos muitos domínios tradicionais semi-tribais que, malgrado o seu estatuto de nação, subsistem no Gana.

Como subsistem no palácio os mais diversos testemunhos da grandiosidade do povo Akwamu, a começar pela chave do castelo de Christianborg, que os Akwamu conquistaram, em 1693, aos colonos também eles esclavagistas do reino Dano-Norueguês. Já após o período áureo português consolidado em redor do Forte de Elmina.

Por inverosímil que possa parecer, reza a história que Nana Asamani, rei Akwamu de então, vendeu o castelo de volta aos Dinamarqueses-Noruegueses por 12kg de ouro. Conservou, no entanto, as chaves do castelo. Hoje, são uma das principais atracções do palácio Bogyawe.

De regresso ao Senchi Hotel, Kojo e Yosi, queixaram-se que o nosso atraso nos faria apanhar o pior trânsito de Acra. Chegámos tarde.

Mas maravilhados com Volta.

Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.
Acra, Gana

A Capital no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.
Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
UNESCO
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Aventura
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Cerimónias e Festividades
Militares

Defensores das Suas Pátrias

Mesmo em tempos de paz, detectamos militares por todo o lado. A postos, nas cidades, cumprem missões rotineiras que requerem rigor e paciência.
Emma
Cidades
Melbourne, Austrália

Uma Austrália “Asienada”

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Verificação da correspondência
Cultura
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
História
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Barcos fundo de vidro, Kabira Bay, Ishigaki
Ilhas
Ishigaki, Japão

Inusitados Trópicos Nipónicos

Ishigaki é uma das últimas ilhas da alpondra que se estende entre Honshu e Taiwan. Ishigakijima abriga algumas das mais incríveis praias e paisagens litorais destas partes do oceano Pacífico. Os cada vez mais japoneses que as visitam desfrutam-nas de uma forma pouco ou nada balnear.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Em espera, Mauna Kea vulcão no espaço, Big Island, Havai
Natureza
Mauna Kea, Havai

Mauna Kea: um Vulcão de Olho no Espaço

O tecto do Havai era interdito aos nativos por abrigar divindades benevolentes. Mas, a partir de 1968 várias nações sacrificaram a paz dos deuses e ergueram a maior estação astronómica à face da Terra
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parques Naturais
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé
Património Mundial UNESCO
Kirkjubour, Streymoy, Ilhas Faroé

Onde o Cristianismo Faroense deu à Costa

A um mero ano do primeiro milénio, um missionário viquingue de nome Sigmundur Brestisson levou a fé cristã às ilhas Faroé. Kirkjubour, tornou-se o porto de abrigo e sede episcopal da nova religião.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Ulugh Beg, Astrónomo, Samarcanda, Uzbequistão, Um matrimónio espacial
Religião
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.