Volta, Gana

Uma Volta pelo Volta


Gbadzeme
A povoação de Gbadzeme, no sopé do Monte Gemi.
Amedzofe E P Church
Visitante das quedas d'água de Wli, contempla o seu mergulho.
Amedzofe
Parte do casario de Amedzofe, no sopé do Monte Ganês de Gemi
Correria de miúdos
Crianças disputam a descida do cume para a base do Monte Gemi.
A Ver a Vista
Família contempla a vista abaixo e para diante do Monte Gemi.
Casario de Amedzofe
O casario de Amedzofe quebra o verde predominante em redor do Monte Gemi.
Momentos fotográficos
Família fotografa-se no cimo do Monte Gemi.
Estrada na névoa
Uma estrada destaca-se da vista a partir do cimo do Monte Gemi.
Caminho para a Cruz
Caminhante aproxima-se da cruz no cume do Monte Gemi, acima de Amedzofe.
Selfie Gemi
Visitante do Monte Gemi, tira uma selfie orgulhosa.
Wlis
Visitante das quedas d'água de Wli, contempla o seu mergulho.
A Ponte Adomi
A ponte que cruza o rio Volta nas imediações de Akwamufie.
Pesca de Volta
Pescadores manobram canoas ao longo do rio Volta.
Beira-Volta
Palhota de pescadores numa margem do rio Volta.
O Volta de Akwamu
Meandros e recortes do rio Volta, em território Akwamu.
O mergulho das quedas d’água de Wli
A última queda das Wli falls gera um borrifo generalizado que irriga a floresta em redor.
Riacho Wli
Torrente na continuação das Wli Falls.
Pequenas Grandes Wli
Vislumbre das quedas d'água de Wli, quase sobre a fronteira entre o Gana e o Togo.
Em tempos coloniais, a grande região africana do Volta foi alemã, britânica e francesa. Hoje, a área a leste deste rio majestoso da África Ocidental e do lago em que se espraia forma uma província homónima. E um recanto montanhoso, luxuriante e deslumbrante do Gana.

Munido de várias pens repletas de ficheiros MP3, além de motorista, Frank desempenhava o papel de DJ da viatura.

Fazia rodar temas famosos da música ganesa, uns atrás dos outros. Passado, algum tempo, os mesmos, uns atrás dos outros, outra vez.

De tal maneira repetidos que, mesmo tendo-os ouvido, naquela viagem, pela primeira vez, começavam a gerar em nós alguma familiaridade.

Durante boa parte do tempo, limitamo-nos a escutá-los como mera música, mesmo se alguns tinham letras demasiado obscenas para o que estávamos habituados.

Com o desenrolar do tal repetir, as melodias mais orelhudas conquistaram-nos, uma delas em particular, de que Frank não conhecia nem o autor nem o nome.

Tentamos descobri-los com recurso à aplicação Shazam. Em vão. A App não parecia possuir, na sua base de dados, uma secção ganesa à altura, pelo que nos resignamos.

Assim mesmo, resignados, chegamos a Ho, a capital da região ganesa de Volta. A tempo de assistirmos a um dos festivais étnicos mais importantes da região, o Agbamevo, também chamado de Kente, por celebrar a profusão e exuberância deste tipo de tecido tradicional do Gana, durante o evento, acompanhado por ouro em doses industriais. O Agbamevo veio a provar-se de tal maneira exuberante que lhe dedicaremos, em breve, todo um artigo.

Vista do Monte Gemi, Amedzofe, Volta, Gana

Estradas da região ganesa de Volta.

Avançamos, assim, na narrativa ganesa, até à manhã seguinte.

Já em cima das dez da manhã, tarde e más horas, saímos para a estrada. Acompanha-nos, agora, Nii Tawiah, encarregue de nos mostrar o Volta para norte da capital Ho. Mal o vimos e ouvimos, temos a sensação de estarmos perante um sósia do actor norte-americano Chris Rock.

Sucesso na Demanda do DanceHall do Gana

Voltamos a instalar-nos no jipe. Frank reactiva o modo musical. Não tarda, o sortido de MP3 prenda-nos com um dos tais temas que nos havia deixado intrigado. Conscientes de que Nii pertencia a uma geração acima da de Frank, perguntamos-lhe se sabia do que se tratava.

“O quê, nem o Frank, nem o Kojo nem o Yosi vos diziam o que era isto?” responde-nos Nii espantado pela alienação musical da comitiva a bordo. “Este é o Vybrant Faya (nome artístico de Emmanuel Kojo Quayson, uma das novas estrelas do DanceHall do Gana. A música chama-se “Mampi”. O Vybrant Faya é um dos mais famosos do Shatta Movement Family que é liderado pelo Shatta Wale.”

Nii deslumbra-nos. Por fim, tínhamos quem nos formasse e informasse sobre a cena musical de Acra, do Gana em geral. Durante o resto da viagem, sobretudo após o regresso a casa, descobrimos mais autores e outros temas de Dancehall ganeses meritórios. E vídeos, quase todos algo mal-amanhados que, mesmo sem os devidos recursos, aspiravam ao glamour, complexidade e promiscuidade visual próprias dos canais dos Estados Unidos, como o MTV e o mais recente Trace.

Mais tarde, regressados a Portugal, inteirámo-nos que Vybrant Faya tinha falecido cerca de um mês após termos ouvido o contagiante “Mampi” pela primeira vez. Apesar da sua juventude, forma física e irreverência, não resistiu ao atropelo de um motociclista que circulava a alta velocidade numa das estradas mais frenéticas da capital Acra, a Tema Road.

A Caminho da Remota Amedzofe

Nessa manhã, a milhas de podermos imaginar tal tragédia, deixamos Ho apontados a uma tal de vila de Amedzofe, disposta no sopé de uma das elevações excêntricas do Gana, o monte Gemi.

Uma hora depois, damos entrada na povoação, um aglomerado de casas de tons pastel com telhados avermelhados de zinco ou outra chapa, assim descortinámos o panorama de um ponto mais alto.

Amedzofe, Volta, Gana

O casario de Amedzofe quebra o verde predominante em redor do Monte Gemi.

A diante e acima desse casario, destacava-se um grande morro verdejante com forma de mama. Uma névoa densa, entre o cinzento e o azulado, encerrava Amedzofe como uma estufa e parecia afagar o cimo do morro.

Os cicerones ganeses conduzem-nos às instalações do turismo local, quartel-general da ambição de tornar o Monte Gemi incontornável no turismo ganês, para começar.

Lá nos apresentam Satoshi Okubo, um jovem japonês destacado por uma organização de cooperação e voluntariado no estrangeiro. Satoshi fala-nos da sua experiência de vida em Amedzofe, de como se tinha integrado muito mais depressa do que esperava. De como achava que as pessoas de lá mereciam uma vida mais generosa que a que tinham, a razão porque tinham convencido a GTA (Ghana Tourism Authority) a lá levarem jornalistas de viagens estrangeiros.

O seu repto estimula-nos a fotografarmos a beleza natural e a alma daquele lugar.

Saímos numa pequena comitiva. Começamos por caminhar entre o casario. Até que Nii atalha para a base do monte, para o trilho que conduzia ao seu cimo de mamilo e aos prados generosos e ventosos que atrás se prolongavam até perder de vista.

Amedzofe, Monte Gemi, Gana

Casario de Amedzofe no sopé do Monte Gemi.

A Conquista Fácil do Monte Gemi

O trilho torna-se íngreme e perde-se na erva que a névoa fazia crescer em permanência. Um dos seus raros meandros revela-nos um crucifixo destacado do verde-amarelado. A cruz marcava o zénite do morro, 700 metros acima do nível do mar, menos de 100 metros abaixo da elevação suprema do Gana.

Cruz do Monte Gemi, Volta, Gana

Caminhante aproxima-se da cruz no cume do Monte Gemi, acima de Amedzofe.

Quando o atingem, mal preparados para tais esforços, Kojo e Yosi ocupam-no, um de cada lado, em modo de recuperação e contemplação sincronizadas. Nós, fotografamo-los aos dois no seu poleiro.

Ao passarmos para a parte de trás do cimo, surpreende-nos uma família dispersa ao longo do limiar marcado pela névoa, entusiasmada com as selfies e fotos de grupo especiais que ali faziam, com a névoa e a povoação vizinha de Gbadzeme em fundo.

Família, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Família fotografa-se no cimo do Monte Gemi.

Naquele cume, inteiramo-nos ainda das curiosidades coloniais do lugar. A forma como os alemães o colonizaram, no final do século XIX, em redor de uma Escola Missionária, diz-se que porque era um dos poucos da sua Togolândia que lhes concedia um clima fresco comparável ao da Alemanha.

Selfie, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Visitante do Monte Gemi, tira uma selfie orgulhosa.

A Génese Germânica do Baptismo do Monte

Em 1939, vinte anos após a derrota dos germânicos na 1ª Guerra Mundial e a perda da Togolândia, dividida entre franceses e britânicos, os Missionários Alemães foram autorizados a regressar e retomar o seu trabalho de evangelização.

Nessa ocasião, ergueram uma cruz no cimo do monte que ficou conhecida como Gayito. Uma vez que as suas instituições coloniais eram geridas por um tal de German Evangelical Missions Institute e porque esta sigla foi inscrita na base da cruz, com o tempo, o Monte ficou conhecido como GEMI.

Cruz, Monte Gemi, Amedzofe, Gana

Cruz de Amedzofe celebra um jubileu religioso da povoação.

O Gana e o Togo, este último país que, não fosse a névoa, avistaríamos também do cimo do monte só se tornaram independentes em 1957 e 1960, dos britânicos e dos franceses.

Com a névoa a descer a olhos vistos e uma chuva miudinha a instalar-se Nii e Kojo antecipam a partida ainda mais para norte, rumo às Wli Falls, imperdíveis, nem que fosse porque, com 80 metros, eram as mais longas do Gana e, assim nos asseguravam, da África Ocidental.

Volta Acima, em Busca das Quedas d’Água de Wli

Cumprimos quase todo o percurso por uma estrada de terra vermelha esburacada. Por volta das 15h, instalamo-nos num restaurante-esplanada à beira da estrada, a uns poucos quilómetros do território togolês.

O almoço tardio dá azo a conversas intrincadas que, a determinada altura, envolvem já a escravatura de que a região da Costa do Ouro se viu vítima, e o papel dos chefes tribais africanos e dos europeus, incluindo os portugueses. Nuvens escuras como breu, que aparecem, sem aviso, do lado de lá da fronteira, interrompem o debate.

Atalhamos o repasto. Saímos disparados rumo ao início do trilho de selva que conduzia às quedas de água. Percorremo-lo em menos que os 40 minutos, esperados, lado a lado com um rio que, a espaços, transbordava sem apelo.

Wli Falls, Volta, Gana

A última queda das Wli falls gera um borrifo generalizado que irriga a floresta em redor.

Por fim, saímos da floresta cerrada para a clareira que precedia a falésia da queda d’água. Uma mistura de chuva e dos borrifos do caudal vertical que o vento soprava na nossa direcção molhou-nos em três tempos. Manteve-nos encharcados por quase uma hora.

Molhados e com frio inesperado, lutamos para conseguir fotografar as Wli Falls naquele seu cenário fronteiriço grandioso, contra as inesgotáveis gotas e gotículas que nos manchavam as objectivas.

Retirada Forçada por uma Intempérie Chegada do Togo

No entretanto quase anfíbio, o Togo reforçou o batalhão de nuvens que enviava sobre o Gana. A bátega tornou-se tal que nos forçou a correr em retirada para o carro, receosos que uma enxurrada nos apanhasse nas margens ora enlameadas ora pantanosas do rio.

Torrente gerada pelas Wli Falls, Volta, Gana

Torrente na continuação das Wli Falls.

Regressamos a salvo. A chuva só deu de si à entrada de Ho.

De volta ao hotel, tomamos duches revigorantes. Jantamos sopas ainda mais picantes que o picante médio dos dias anteriores, caldos ganeses avermelhados que mais que a suar, nos deixaram a hiperventilar.

Na manhã seguinte, desgastados das comoções meteorológicas da véspera, dormimos em demasia. Quando saímos,  Frank, Kojo e Yosi conduzem-nos a um lodge resplandecente da zona, o Senchi Royal, de Akwamu, recém-erguido sobre a margem do rio Volta.

Senchi, a Garganta de Akwamu e o Majestoso Rio Volta

Fartos das nossas vontades de exploração, Kojo e Yosi lá se instalam e tudo fazem para passar a tarde a beber cocktails.

Pescadores em canoas, rio Volta, Gana

Pescadores manobram canoas ao longo do rio Volta.

Inconformados, nós, exigimos a volta de barco pelo Volta que estava programada. Kojo e Yosi cedem. Conscientes de que o faríamos a bordo de uma lancha hiperluxuosa, juntam-se a nós. Até perceberem que, no meio da confusão do programa e desprograma, tínhamos também reconfirmado uma caminhada complementar

Intimidado pelo esforço físico, o duo inseparável da GTA volta ao hotel e, assim estimamos, aos cocktails. Nós, seguimos um guia que o hotel nos havia conseguido até a um cimo da encosta da Garganta de Akwamu.

Meandros e recortes do rio Volta, Akwamu, Gana

Meandros e recortes do rio Volta, em território Akwamu.

Finalizamos o percurso uma vez mais ensopados, em vez de pela chuva, pela humidade e condensação agravadas pela vegetação acima do rio. Assim mesmo, feitos em água suada, admiramos o grande rio Volta e a cidade de Atimpoku, com o seu casario disposto a norte da ponte de Adomi.

Ponte Adomi sobre o rio Volta, Akwamu, Gana

A ponte que cruza o rio Volta nas imediações de Akwamufie.

No regresso ao nível do rio, visitamos o palácio Akwamufie (Bogyawe), trono actual de Odeneho Kwafo Akoto III, rei do estado de Akwamu, um dos muitos domínios tradicionais semi-tribais que, malgrado o seu estatuto de nação, subsistem no Gana.

Como subsistem no palácio os mais diversos testemunhos da grandiosidade do povo Akwamu, a começar pela chave do castelo de Christianborg, que os Akwamu conquistaram, em 1693, aos colonos também eles esclavagistas do reino Dano-Norueguês. Já após o período áureo português consolidado em redor do Forte de Elmina.

Por inverosímil que possa parecer, reza a história que Nana Asamani, rei Akwamu de então, vendeu o castelo de volta aos Dinamarqueses-Noruegueses por 12kg de ouro. Conservou, no entanto, as chaves do castelo. Hoje, são uma das principais atracções do palácio Bogyawe.

De regresso ao Senchi Hotel, Kojo e Yosi, queixaram-se que o nosso atraso nos faria apanhar o pior trânsito de Acra. Chegámos tarde.

Mas maravilhados com Volta.

Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias diversificaram-se, tal como os povos que o disputaram.

São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Elmina, Gana

O Primeiro Jackpot dos Descobrimentos Portugueses

No séc. XVI, Mina gerava à Coroa mais de 310 kg de ouro anuais. Este proveito suscitou a cobiça da Holanda e da Inglaterra que se sucederam no lugar dos portugueses e fomentaram o tráfico de escravos para as Américas. A povoação em redor ainda é conhecida por Elmina mas, hoje, o peixe é a sua mais evidente riqueza.

Acra, Gana

A Cidade que Nasceu no Berço da Costa do Ouro

Do desembarque dos navegadores portugueses à independência em 1957, sucederam-se as potências que dominaram a região do Golfo da Guiné. Após o século XIX, Acra, a actual capital do Gana, instalou-se em redor de três fortes coloniais erguidos pela Grã-Bretanha, Holanda e Dinamarca. Nesse tempo, cresceu de mero subúrbio até uma das megalópoles mais pujantes de África.

Cape Coast, Gana

O Festival da Divina Purificação

Reza a história que, em tempos, uma praga devastou a população da Cape Coast do actual Gana. Só as preces dos sobreviventes e a limpeza do mal levada a cabo pelos deuses terão posto cobro ao flagelo. Desde então, os nativos retribuem a bênção das 77 divindades da região tradicional Oguaa com o frenético festival Fetu Afahye.
Nzulezu, Gana

Uma Aldeia à Tona do Gana

Partimos da estância balnear de Busua, para o extremo ocidente da costa atlântica do Gana. Em Beyin, desviamos para norte, rumo ao lago Amansuri. Lá encontramos Nzulezu, uma das mais antigas e genuínas povoações lacustres da África Ocidental.

Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.

Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Parques nacionais
Valdez, Alasca

Na Rota do Ouro Negro

Em 1989, o petroleiro Exxon Valdez provocou um enorme desastre ambientai. A embarcação deixou de sulcar os mares mas a cidade vitimada que lhe deu o nome continua no rumo do crude do oceano Árctico.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Dotonbori, Osaka, Japão
Cidades
Osaka, Japão

O Japão Urbano-Jovial de Osaka

Terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais antigas, Osaka não perde demasiado tempo com formalidades e cerimónias. A capital da região do Kansai é famosa pelas suas gentes extrovertidas sempre prontas a celebrar a vida.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Em Viagem
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Étnico
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Visitantes em caminhada, Fortaleza de Massada, Israel
História
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Ilhas
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Nuvem lenticular, Mount Cook, Nova Zelândia
Natureza
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Parques Naturais
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Catedral São Paulo, Vigan, Asia Hispanica, Filipinas
Património Mundial UNESCO
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Religião
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.