Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo


Xaman Adolfo
Xaman Adolfo leva a cabo uma cerimónia de purificação na aldeia maia de Pac-Chen.
Morte Maia II
Relevos de caveiras de Chichen Itza indiciam uma base para a realização de sacrifícios maias.
Morte Maia
Pormenor de uma das caveiras do templo maia de Chichen Itza, templo objecto de inúmeras previsões e professias.
Visão dos Céus
Homem contempla o complexo em redor do topo da pirâmide de Kukulcán
Velha Nova Era
Um outdoor faz humor com a Professia Maia do Fim do Mundo.
Sobre Carris
Guia conduz visitantes da hacienda Chunkanan numa charrete sobre carris.
Lagoa Protegida
Lagoa repleta de crocodilos da aldeia de Pac-Chen, no estado de Quintana Roo.
Representação Maia
Réplicas coloridas de artefactos maias decoram o parque Xcaret, na riviera Maia.
Fim do Mundo no Fundo
Banhistas refrescam-se nas águas frias de um dos cenotes da velha hacienda Chunkanan.
Calakmul
Sol põe-se sobre a selva que cobre a Península do Iucatão e ilumina uma das pirâmides de Calakmul.
Outra porta para o infra-mundo
Entrada de um Cenote nas imediações de Tulum, estado mexicano de Quintana Roo.
Escadaria para o Infra-Mundo
Uma de incontáveis entrada para o infra-mundo que salpicam a península tropical de Iucatão.
Reencenação Feitiçaria Maia
Um figurante de sacerdote maia anima o espectáculo temático do parque Xcaret, na província de Quintana Roo.
Quetzacoatl a dobrar
Cabeças do deus Quetzacoatl em Chichen Itza.
Professia ?
Abutres absorvem o calor solar no cimo de uma das pirâmides de Edzná
Xaman Adolfo
Xaman Adolfo leva a cabo uma cerimónia de purificação na aldeia maia de Pac-Chen.
O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.

Aproximava-se o meio de Dezembro.

Como era de esperar, aumentava o número de curiosos, estudiosos e de jornalistas a aportar em terras mexicanas do Iucatão.

A carrinha que nos devia transportar no estado de Quintana Roo chega atrasada. Estamos convencidos que, ainda assim, nos é exclusiva mas, quando abrimos a porta encontramos no interior uma figura tão insólita quanto reconhecível.

Paul Monzón, um colega peruano a residir em Madrid que tínhamos conhecido recentemente em Caracas, não perde tempo.

A brincadeira com o tema incontornável havia de se repetir vezes sem conta: “Não me digam que também vêm evitar o fim do mundo. Eu sou o eleito. Ando a ver se encontro uma pedra especial, a única que pode evitar a desgraça”.

Rio Secreto: uma de Inúmeras Entrada para o InfraMundo Maia.

Divertimo-nos com a sua introdução apatetada e pomos a conversa em dia enquanto somos conduzidos para o Rio Secreto, uma de tantas entradas não oficiais mas ainda assim fascinantes da região para o Xibalba, o inframundo maia.

Banhistas-Cenote de Cuzamá, Mérida, México

Banhistas refrescam-se nas águas frias de um dos cenotes da velha hacienda Chunkanan, uma das entradas para o Xibalba

Segundo rezam vários artigos científicos e a teoria predominante decorrente da descoberta, em 1978, de Glen Penfield, esta região já foi o cerne de uma espécie de fim anterior, ao contrário do caricaturado por Paul, real e imprevisível.

Enquanto procurava ouro negro para a companhia PEMEX – Petróleos Mexicanos, o geofísico encontrou uma cratera com 300km de diâmetro supostamente formada pela colisão de um meteorito há cerca 65 milhões de anos.

Ser-lhe-ia, mais tarde, atribuído o nome de uma povoação no seu centro geométrico, Chicxulub.

O Meteorito que Terá Levado os Dinossauros à Extinção

O impacto causou um dos maiores maremotos de sempre, com vários milhares de metros de altura. Uma nuvem de poeira super-aquecida, cinza e vapor espalhou-se a partir da cratera desde o momento em que o meteorito se afundou.

Materiais da superfície do planeta e fragmentos do asteróide foram projectados para fora da atmosfera e aquecidos até à incandescência à medida que reentravam torrando a superfície já em processo de combustão devido a incêndios possivelmente globais.

Enquanto isso, ondas de choque imensas despoletaram tremores de terra e erupções vulcânicas generalizados.

A emissão de poeiras e outras partículas bloquearam a passagem da luz solar. Causaram um forte arrefecimento e inviabilizaram a sobrevivência dos dinossauros e da maior parte dos seres.

Abutres, Cobá, Quintana Roo, México

Abutres absorvem o calor solar no cimo de uma das pirâmides de Edzná

Este fim arrastou-se por muitos milénios da pré-história mas, como já tinha acontecido, a resiliente  Terra e a sua milagrosa vida prevaleceram.

Os Cenotes, o Xibalba e As Remotes Origens Maias

Hoje, até nas profundezas calcárias esculpidas pelo abatimento das paredes da cratera – os incontáveis cenotes e cavernas da península – se encontram criaturas improváveis: grilos cegos e saltitantes com enormes antenas sensoriais até guias indígenas com discurso nasalado pela sinusite e forasteiros determinados mas pouco preparados para aqueles ambientes anfíbios.

É esse o caso de Paul que revela um pânico profundo de qualquer água menos rasa, recusa todas as tentativas de ajuda para atravessar galerias inundadas de azul turquesa e obriga os anfitriões a conduzi-lo por um percurso seco alternativo: “Por aqui, Paul! Por aí há mais uma lagoa, não te metas nisso!”

Nascido no Peru, mesmo que não o saiba, Paul pode ter sangue inca, Quechua ou de outra qualquer etnia da zona.

Nos dias que correm, devemos crer que os seus eventuais antepassados longínquos beneficiaram do frio da última era glaciar. Que sem qualquer tipo de natação, conseguiram cruzar o estreito de Bering da Ásia para as Américas, onde se distribuíram à medida que a Terra requentava.

Ali, adquiriram características ímpares resultantes da mutação da genética original por influência dos ecossistemas com que se depararam, da tundra alasquense à selva tropical a que o povo vizinho denominado maia se viria a adaptar em grande parte da América Central.

Lagoa Pac Chen, Quintana Roo, México

Lagoa repleta de crocodilos da aldeia de Pac-Chen, no estado de Quintana Roo.

Pac-Chen: a Lagoa Inclinada que os Maias Revelam ao Mundo

Mais tarde, visitamos juntos Pac-Chen (Lagoa Inclinada) onde uma comunidade daquela etnia se organizou para proporcionar aos estrangeiros experiências radicais.

Fazemos, ali, tirolesa sobre uma lagoa em que nadam crocodilos. Em seguida, somos abençoados pelo xamã residente Adolfo que, antes de nos autorizar a espreitar o grande cenote da aldeia nos purifica com fumos sagrados e rezas na língua nativa.

Xaman, Pac-chen Quintana Roo, México

Xaman Adolfo leva a cabo uma cerimónia de purificação na aldeia maia de Pac-Chen.

O colega peruano volta então ao ataque. Pede alguns minutos para uma pequena entrevista. As suas questões são simples e directas. Obtêm reacções díspares.

Como receávamos, a última aborda a credibilidade do badalado encerrar desta era e o respectivo fim do Mundo.

Adolfo mostra-se incomodado. Respira fundo e evade o tema. “A minha única crença é a de há que adorar o Deus poderoso que está nos céus.

Essa é a minha única crença.” Confirmamos que a repulsa pela pergunta vem já de longe e é partilhada pela maior parte dos seus congéneres.

A Civilização Mística e Adoradora da Terra dos Maias

Sabe-se que, durante algum tempo, o povo maia usufruiu de condições propícias e, repartido por polos tribais, numas vezes aliados noutras adversários.

Os maias falaram quase 50 dialectos, desenvolveram uma civilização avançada que tinha como deuses os elementos naturais, os fenómenos atmosféricos e os corpos celestes, sendo que tanto o Bem (dia, vida, sol) e o Mal (noite, morte, jaguar) eram considerados divinos.

De acordo, os maias foram astrónomos, astrólogos e numerólogos obstinados.

Quetzacoatl, Chichen Itza, México

Cabeças do deus Quetzacoatl em Chichen Itza.

“Bom, parece que já viram os complexos arqueológicos quase todos” atira Wilberth Salas Pech, o nosso guia semi-maia do estado de Campeche, na brincadeira. “Temos que passar por Tortuguero. Lá é que está o grande segredo, ironiza.”

As Estelas Maias e as Professias Apocalípticas Maias

Segundo apuramos, aquele sitio histórico foi diversas vezes pilhado e acolheu uma fábrica de cimento.

Apesar disso ou, quem sabe, devido a isso, três cientistas descobriram no seu Monumento 6 uma estela que se refere ao fim do 13º baktun (5125 anos do nosso calendário) verificado no solstício de Inverno que teria lugar a 21 de Dezembro de 2012.

Diz a tradução mais recente e possível de Sven Gronemeyer e Bárbara MacLeod (faltam vários pedaços à estela) que, além dessa informação, comunica ainda que “ocorrerá uma visão; o aparecimento (ou exibição?) público de B’Olon-Yookte por altura da sua investidura.

Arte Maia, Xcaret, México

Réplicas coloridas de artefactos maias decoram o parque Xcaret, na riviera Maia.

Segundo a mitologia maia, B’OlonYookte K’Uh’ referir-se-ia aos Nove Senhores da Noite, nove deuses cada um dos quais governante de ciclos de nove noites.

Por sua vez, a obra maia do grupo quiché, Popol Vuh afirma que os deuses criaram três mundos falhados. Que o quarto mundo prosperou, teve êxito e se converteu no lar do homem actual.

Segundo uma sua descrição, cada um dos mundos prévios terminou ao fim do 13º baktun.

Este encerrar de ciclo esteve na origem de uma das mais frívolas febres de premonições escatológicas dos últimos tempos.

As Inevitáveis Análises, Teorias e Contra Teorias

O escritor esotérico John Major Jenkins assegurou de que, naquela data, o Sol se iria posicionar sobre Xibalba Be, “O Caminho Negro” galáctico dos maias.

A partir desta e de outras conclusões, narrativas mitológicas e interpretações, inúmeras figuras, seitas e entidades surgiram com outras teorias apocalípticas invariavelmente desmentidas pela ciência.

Relevo Caveira, Chichen Itza, México

Pormenor de caveira de Chichen Itza, templo objecto de inúmeras previsões e professias, incluindo do Fim do Mundo.

Os canais norte-americanos History, Discovery e National Geographic estiveram na vanguarda da poluição mediática e emitiram um conjunto de séries que descreviam “fins” terrestres causados por tempestades solares para que a Terra não estaria preparada devido a uma súbita reversão geomagnética dos polos.

Ainda terramotos, super-vulcões, pragas, colisões com asteróides, secas, novos períodos glaciares, invasões extraterrestres ou o que quer que fosse suficientemente assustador.

No entanto, outra estela encontrada no Templo das Inscrições de Palenque contempla que a roda do templo continuará sempre a rodar e menciona inclusive a data de 4,722 d.C, quando se completarão 20 baktunes (1 piktun) desde a última criação do Cosmos.

Figurante Maia, Xcaret, México

Um figurante de sacerdote maia anima o espectáculo temático do parque Xcaret, na província de Quintana Roo.

Por sua vez, a estela 10 de Tikal (na Guatemala) contabiliza 20 piktunes e projecta, assim, um futuro planetário de milhões de anos.

Mas um pouco por todo o mundo e, claro está, principalmente nos Estados Unidos, milhares de Preps mantiveram-se alerta. Associaram-se em redor de crenças do Fim do Mundo maias ou não maias.

Construíram abrigos, acumularam comida enlatada e armas para se defenderem dos ataques de outros seres humanos. Muitos inscreveram-se em cursos de sobrevivência como os da empresa Sigma 3.

Espreitamos um desses programas num restaurante de Campeche.

Indignamo-nos quando constatamos como as referências ao inventado fim do calendário maia são gratuitamente intercaladas com imagens de cidadãos ianques agrupados no campo sob abrigos feitos de folhas secas e espingardas semi-automáticas em riste porque, nas palavras de um desses preps:

“Quando desesperadas, as pessoas fazem todo o tipo de coisas loucas” e, segundo um outro inscrito “As civilizações caem. É assim a História. As coisas não são tão seguras como gostávamos que fossem.”

Foi revelado recentemente que Nancy Lanza, a mãe do jovem assassino da escola de Newtown era uma destas personagens paranóicas, proprietária de cinco armas registadas.

O seu filho perturbado levou a cabo um sacrifício digno das piores chacinas perpetradas em nome dos deuses, sobre as torres de Chichen Itza ou Ek Balam. Estava visivelmente desesperado.

Pirâmide maia, Chichen Itza, México

Homem contempla o complexo em redor do topo da pirâmide de Kukulcán

Fartos de tanta deturpação e aproveitamento da sua cultura, os líderes maias da Guatemala deram-se ao trabalho de expressar que “são contra os enganos, as mentiras, as deformações, o folclore e a comercialização da sua cultura”.

Contra as interpretações que ”desvirtuam o verdadeiro sentido dos ciclos do tempo”.

Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Machu Picchu, Peru

A Cidade Perdida em Mistério dos Incas

Ao deambularmos por Machu Picchu, encontramos sentido nas explicações mais aceites para a sua fundação e abandono. Mas, sempre que o complexo é encerrado, as ruínas ficam entregues aos seus enigmas.
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Hinduismo Balinês, Lombok, Indonésia, templo Batu Bolong, vulcão Agung em fundo
Cerimónias e Festividades
Lombok, Indonésia

Lombok: Hinduísmo Balinês Numa Ilha do Islão

A fundação da Indonésia assentou na crença num Deus único. Este princípio ambíguo sempre gerou polémica entre nacionalistas e islamistas mas, em Lombok, os balineses levam a liberdade de culto a peito
Cidade sem lei, Transito de Hanoi, Sob a Ordem do Caos, Vietname
Cidades
Hanói, Vietname

Sob a Ordem do Caos

Hanói ignora há muito os escassos semáforos, outros sinais de trânsito e os sinaleiros decorativos. Vive num ritmo próprio e numa ordem do caos inatingível pelo Ocidente.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Danças
Cultura
Okinawa, Japão

Danças de Ryukyu: têm séculos. Não têm grandes pressas.

O reino Ryukyu prosperou até ao século XIX como entreposto comercial da China e do Japão. Da estética cultural desenvolvida pela sua aristocracia cortesã contaram-se vários estilos de dança vagarosa.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
kings canyon, Red centre, coracao, Australia
Em Viagem
Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália

O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Étnico
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Pitões das Júnias, Montalegre, Portugal
História
Montalegre, Portugal

Pelo Alto do Barroso, Cimo de Trás-os-Montes

Mudamo-nos das Terras de Bouro para as do Barroso. Com base em Montalegre, deambulamos à descoberta de Paredes do Rio, Tourém, Pitões das Júnias e o seu mosteiro, povoações deslumbrantes do cimo raiano de Portugal. Se é verdade que o Barroso já teve mais habitantes, visitantes não lhe deviam faltar.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Ilhas
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
Igreja Sta Trindade, Kazbegi, Geórgia, Cáucaso
Inverno Branco
Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbek (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Natureza
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Vai-e-vem fluvial
Parques Naturais
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Património Mundial UNESCO
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Vida Quotidiana
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Fazenda de São João, Pantanal, Miranda, Mato Grosso do Sul, ocaso
Vida Selvagem
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT