Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros


Sombra de sucesso
Charro (vaqueiro mexicano) puxa um vitelo durante a prova de "colas en el lienzo" que consiste em derrubar um touro puxando-lhe a cauda.
Bancada improvisada
Amigas adelitas e um jovem charro acompanham a acção das "suertes charras" (provas) do cimo de um muro.
Treinos com laços
Charros praticam lançamento do laço para as provas prestes a começar que requerem o emprego desta perícia.
Nos bastidores
Adelita sob um sombrero segura um cavalo próximo de uma porta de acesso à arena do "lienzo de charro"
Duo charro
Vaqueros a cavalo nas imediações do "lienzo de charro" e junto a uma camioneta de transporte de animais.
Gerações Charreas
Pai segura um bebe vaquero sobre o muro do partidero (corredor de entrada) da arena de Champotón, enquanto os participantes se exercitam.
O centro da acção
Apresentador da prova fala ao microfone e duas adelitas acompanham os acontecimentos do cimo de um terraço com vista privilegiada sobre a arena.
O Olhar Criterioso do Juiz
Participante lida o seu cavalo para conseguir movimentos exigidos pela prova, sob a apreciação atenta do juiz e apresentador.
À Moda vaquera
Pormenor de um vaquero trajado segundo a tradição mexicana de Campeche.
Desfile de Vaqueros
Charros entram na arena principal para darem início às várias provas que formam as "suertes charras".
Aisse
Jovem adelita refugiada do calor excessivo provocado pelos trajes tradicionais ao volante da carrinha de familiares.
Sincronismo sombrero
Vaqueros percorrem o partidero, prestes a entrar na arena para uma volta de exibição.
Palavras sábias
Conversa entre mulher campechana e jovem charro num intervalo da acção a ter lugar no "lienzo de charro" (ao lado).
Meio Sombrero & Sorriso
Adelita segura o seu grande sombrero sobre um terraço com vista privilegiada para o lienzo charro.
Para a Posteridade
Grupo de charreos de várias as idades posa em linha momentos antes do início do charreo de Champotón.
Fronteira Ténue
Espectador e participante observam as provas do charreo vestidos cada um do seu lado do muro da arena.
Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.

Seguíamos no banco de trás. Ainda despertos e atentos aos cenários em redor, apesar da viagem longa desde as ruínas de Edzná e os confins trópico-selvagens da península de Iucatão.

Instalado no lugar do morto, Wilberth Alexandro Pech mantinha-se também alerta, entusiasmado por nos transmitir as peculiaridades dos lugares por que passávamos. “pois amigos, agora estamos a chegar a Champotón.

Pode parecer-vos difícil de acreditar mas, o mar do Golfo do México que aí vêem nem sempre está assim imóvel. Foi neste mesmo litoral que, em 1507, Francisco Hernández de Córdoba fez aqui, depois de Campeche, a segunda escala da incursão hispânica ao interior destas partes das Américas.

Os indígenas cocomes e tutul xiúes receberam-nos bem. Permitiram que se abastecessem de água e mantimentos e que prosseguissem à descoberta”.

Quando nada o parecia indicar e, chegados por terra, somos prendados com um acolhimento provavelmente ainda mais caloroso.

A tarde já ia a meio. A principal cidade do estado aproximava-se a olhos vistos. Mas um frenesim de beira-estrada desperta-nos a atenção e a curiosidade. “Ah, isto é uma das nossas feiras. Esta realiza-se em homenagem da Virgen de la Concépcion.” adianta-nos Wilberth.  Acho que vai haver mais uma charreada. Ainda estamos com tempo.

Querem lá ir espreitar?” Não pensamos duas vezes. Uns bons anos antes tínhamos assistido a um rodeo incrível, em Perth, na Austrália. Estávamos curiosos para ver o que nos reservava Campeche. Saltamos do carro, atravessamos a via e reassumimos um sempre bem-vindo modo de exploração.

O Inesperado Rodeo Charro Mexicano de Champotón

Do lado de lá, um grupo de señoritas a cavalo avança ao longo de um muro que estabelece a fronteira da rua para o evento. Trajam vestidos fartos e coloridos de adelitas ou rancheiras. Preparam-se para regressar ao recinto e pouco se importam – muito pelo contrário – que as sigamos.

Bancada improvisada

Amigas adelitas e um jovem charro acompanham a acção das “suertes charras” (provas) do cimo de um muro.

Damos com uma portão improvisado. Uma espécie de porteiro permite-lhes a passagem. Surpreso pela inesperada sequência, el charro de serviço pede a um colega que vá falar com alguém mais.

Quando o emissário trás a resposta, convida-nos a entrar e dá-nos as boas-vindas.

Depressa percebemos que tínhamos ingressado no partidero, a secção rectangular do lienzo charro (arena mexicana) em que a competição decorreria. Ali, dezenas de vaqueiros igualmente vestidos a rigor, confraternizam e ensaiam os passos e movimentos que estão prestes a exibir.

Treinos com laços

Charros praticam lançamento do laço para as provas prestes a começar que requerem o emprego desta perícia.

Um ou outro charros mais desinibidos abordam-nos com curtos diálogos de ocasião. Até que os congéneres os convocam para novos exercícios. Nesse momento, ficamos por conta própria, entre os muros brancos e os cavalos e cavaleiros ali encerrados.

A charreada está prestes começar.

Lugar à Competição das Suertes Charras do Rodeo Mexicano

Um vaqueiro mais velho com ar e postura de líder surge do nada e trata de nos acomodar de forma menos inconveniente. “Amigos, se querem fotografar isto o melhor sítio é a varanda lá à frente. Mas olhem que a escada se partiu. Tenham cuidado a subir.”

Fronteira Ténue

Espectador e participante observam as provas do charreo vestidos cada um do seu lado do muro da arena.

Passamos para o exterior e caminhamos ao longo do muro. Cruzamo-nos com vários outros participantes da charreada e com seus familiares e amigos. É então que começamos a sentir o espírito de comunidade de que se reveste o acontecimento.

Com a ajuda de duas madres expectantes, encontramos o tal ponto de acesso, menos problemático do que o organizador o havia feito.

Trepamos sem cerimónias e instalamo-nos no pequeno terraço de cimento já semi-ocupado por mais adelitas, por crianças e um anfitrião-apresentador-juiz do evento munido de uma prancha de notas e de um microfone.

O centro da acção

Apresentador da prova fala ao microfone e duas adelitas acompanham os acontecimentos do cimo de um terraço com vista privilegiada sobre a arena

“E aí esta Maz. Esse que vem para mais! Já está na porta. Carlos Maz, aí vem ele lá no fundo. Aí se aproxima Maz!”

Também de sombrero e uniforme charro, o apresentador, narra a acção das colas en el lienzo, uma das várias suertes charras em que são avaliados os concorrentes.

Nos bastidores

Adelita sob um sombrero segura um cavalo próximo de uma porta de acesso à arena do “lienzo de charro”

Um a um, estes, perseguem bezerros largados no início do partidero e tentam laçar-lhes as patas ou quartos traseiros de forma a imobiliza-los. O charro seguinte acerta apenas numa das patas e vê o vitelo fugir-lhe a espernear.

Sombra de sucesso

Charro (vaqueiro mexicano) puxa um vitelo durante a prova de “colas en el lienzo” que consiste em derrubar um touro puxando-lhe a cauda.

À parte desse erro, comete outras falhas técnicas. Num hispânico campechano cerrado, o juiz apresentador faz-lhe as contas sem cerimónias.

Do tagarelado amplificado, percebemos que tinha conseguido zero menos oito pontos e mais algumas desencorajadoras subtracções.

Prossegue o Rodeo Mexicano Debaixo de Sombreros de Campeche

A feira decorria havia alguns dias. O público escasseava nas bancadas. Ainda assim, os desfiles, as suertes charras e as escaramuzas (acrobacias femininas a cavalo) sucedem-se com as jovens competidoras a montarem à la mujeriegas – que é como dizer de lado – enquanto, sobre o terraço em que permanecemos, outras, admiram as exibições a decorrerem logo abaixo.

À Moda vaquera

Pormenor de um vaquero trajado segundo a tradição mexicana de Campeche.

Bem junto a nós, uma adelita mais nova irrompe num pranto birrento e gera uma discussão que o pai resolve sem grande apelo.

Entretanto, a charreada chega ao fim. Descemos para o solo. Ao passarmos por uma carrinha pick-up, ouvimos de novo o choro que havia começado no terraço.

Momentos Preciosos de Convívio Após o Rodeo Mexicano de Campeche

Espreitamos pela janela e damos com a jovenzita que o pai colocara de castigo. Tentamos animá-la e acabamos por compreender finalmente as suas razões: “É que faz muito calor e eu já estava farta de usar a saia e aquela roupa toda. Queria pôr-me mais fresca mas o meu pai dizia que hoje era um dia especial e que tinha que aguentar.”

Meio Sombrero & Sorriso

Adelita segura o seu grande sombrero sobre um terraço com vista privilegiada para o lienzo charro.

Conversa puxa conversa, lá conseguimos animá-la. Entre brincadeiras com o volante e muitas caretas, Aisse encanta-nos com a sua beleza mestiça e boa-disposição juvenil.

Lembramo-nos que temos Wilberth há muito à espera. Já nos dirigimos para a saída do lienzo charro nos chamam para uma mesa em que decorre um repasto improvisado. “ Sentem-se!” ordena o senhor que nos tinha dado concedido a entrada. “Já trabalharam muito. Agora descansem e comam!”

Servem-nos refrescos e mixiote (carne de borrego assada). Os convivas também satisfazem a sua curiosidade com inúmeras perguntas sobre de onde vimos e o que por ali fazemos.

Saboreamos a refeição e a agradável hospitalidade enquanto podemos. Até que o sol surge a rondar o horizonte e nos relembra que já estaríamos a abusar da paciência do guia e do motorista.

Gerações Charreas

Pai segura um bebe vaquero sobre o muro do partidero (corredor de entrada) da arena de Champotón, enquanto os participantes se exercitam.

Despedimo-nos daquela gente de coração quente e subimos mais um pouco pelo litoral oeste da Península de Iucatão, apontados a Campeche.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Muktinath a Kagbeni, Circuito Annapurna, Nepal, Kagbeni
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 14º - Muktinath a Kagbeni, Nepal

Do Lado de Lá do Desfiladeiro

Após a travessia exigente de Thorong La, recuperamos na aldeia acolhedora de Muktinath. Na manhã seguinte, voltamos a descer. A caminho do antigo reino do Alto Mustang e da aldeia de Kagbeni que lhe serve de entrada.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Corrida de camelos, Festival do Deserto, Sam Sam Dunes, Rajastão, Índia
Cerimónias e Festividades
Jaisalmer, Índia

Há Festa no Deserto do Thar

Mal o curto Inverno parte, Jaisalmer entrega-se a desfiles, a corridas de camelos e a competições de turbantes e de bigodes. As suas muralhas, ruelas e as dunas em redor ganham mais cor que nunca. Durante os três dias do evento, nativos e forasteiros assistem, deslumbrados, a como o vasto e inóspito Thar resplandece afinal de vida.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Cidades
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Djerbahood, Erriadh, Djerba, Espelho
Cultura
Erriadh, Djerba, Tunísia

Uma Aldeia Feita Galeria de Arte Fugaz

Em 2014, uma povoação djerbiana milenar acolheu 250 pinturas murais realizadas por 150 artistas de 34 países. As paredes de cal, o sol intenso e os ventos carregados de areia do Saara erodem as obras de arte. A metamorfose de Erriadh em Djerbahood renova-se e continua a deslumbrar.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Natal na Austrália, Platipus = ornitorrincos
Em Viagem
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Étnico
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
História
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Lançamento de rede, ilha de Ouvéa-Ilhas Lealdade, Nova Caledónia
Ilhas
Ouvéa, Nova Caledónia

Entre a Lealdade e a Liberdade

A Nova Caledónia sempre questionou a integração na longínqua França. Na ilha de Ouvéa, arquipélago das Lealdade, encontramos uma história de resistência mas também nativos que preferem a cidadania e os privilégios francófonos.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Caminhantes abaixo do Zabriskie Point, Vale da Morte, Califórnia, Estados Unidos da América
Natureza
Vale da Morte, E.U.A.

O Ressuscitar do Lugar Mais Quente

Desde 1921 que Al Aziziyah, na Líbia, era considerado o lugar mais quente do Planeta. Mas a polémica em redor dos 58º ali medidos fez com que, 99 anos depois, o título fosse devolvido ao Vale da Morte.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Rio Matukituki, Nova Zelândia
Parques Naturais
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Solovestsky Outonal
Património Mundial UNESCO
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Personagens
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Praias
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Cortejo Ortodoxo
Religião
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Sociedade
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.