Xilitla, San Luís Potosi, México

O Delírio Mexicano de Edward James


Arcos do Coração
Arcos concebidos por Edward James.
Panoramica Xilitla
Rua de Xilitla e a casa em que habitou Plutarco Gastelum
Mural Musical
Pintura de um violinista decora uma fachada do centro histórico de Xilitla.
O Cinematógrafo
Um dos estranhos projectos arquitectónicos de Edward James.
O Dedo de Xilitla
Um capricho geológico acima de Xilitla.
Arco Refrescante
Arco que faz de moldura a uma pequena queda d'água de Las Pozas.
Mural Musical II
Casa de Don Eduardo
Pilares instáveis da suposta casa de Edward James.
Banheira Abacate
Uma banheira conceptual recebe água de uma cascata.
Flor
Outra escultura pictórica do jardim surrealista.
Casa de 3 Andares (que podiam ser 5)
Outra casa, outro delírio de Don Eduardo.
Biombo de Favos
Separador estrutural de Las Pozas em forma de favos.
Pórtico para o Caminho dos 7 Pecados Capitais
Um pórtico para uma via ladeada de serpentes de pedra.
Sotano de Las Golondrinas
Uma de várias cavernas profundas em redor de Xilitla.
Serpente dos Pecados
Serpentes verticalizadas, cada qual a simbolizar um pecado.
Cascata
O fim de uma longa cascata de Las Pozas.
Piriquitos
Grandes piriquitos sobrevoam, o sotano de las Golondrinas, em redor de Xilitla.
Na floresta tropical de Xilitla, a mente inquieta do poeta Edward James fez geminar um jardim-lar excêntrico. Hoje, Xilitla é louvada como um Éden do surreal.

Salvador Dali ainda não tinha visto tudo quando qualificou Edward James como “mais louco que todos os surrealistas juntos”. Nós, ao vivo, apreciámos apenas o seu jardim de Las Pozas, em Xilitla. Foi o suficiente para nos pormos de acordo.

Desde que chegámos à Xilitla que apaixonou James que sentíamos uma excentricidade luxuriante no ar, sublimada na névoa que cobria os vales na vertente leste da Sierra Gorda e que pareciam aconchegar a povoação para a noite.

Tão abrupta como se tinha estendido, a névoa debandou na companhia da aurora.

Quando despertámos, já o vale florestado por diante exibia o seu dedo em forma de OK destacado da crista das montanhas, contra o azulão celeste.

Cruzamos o centro da cidade, entregue a azáfama castigadora de qualquer manhã de segunda-feira. Por sucessivas ladeiras íngremes abaixo, não só nos safamos da confusão, como damos connosco envoltos de floresta clorofilina, grande intensidade arbórea e em que saltitavam esquilos e aves estridentes.

Tínhamos passado quatro meses, na Costa Rica, sob o feitiço do canto das oropéndulas de Moctezuma.

Decorrido menos de um ano, o seu reencontro intensificou o inevitável encanto de Xilitla, a mesma sedução pelo selvagem que deixou Edward James inebriado, numa altura em que a povoação era uma amostra da de hoje e a selva quase a engolia.

A Origem Aristocrata Inglesa de Edward James

Edward James nasceu num palacete de West Dean, uma vila do condado inglês de West Sussex. Foi o único filho homem (teve quatro irmãs mais velhas) de William James e de uma escocesa colunável, Evelyn Forbes.

Do pai e do tio, James veio a herdar o palácio e a fortuna gerada pelo avô, o mercador abastado Daniel James.

Essa fortuna permitiu-lhe ter uma educação nos melhores colégios ingleses (incluindo Oxford) e contactos e oportunidades de expressão artística ao alcance apenas de alguns privilegiados.

Em 1930, aos seus 27 anos, James esposou Tilly Losch, uma bailarina e coreógrafa austríaca a quem veio a dedicar várias produções. Decorridos quatro anos de matrimónio, James acusou a esposa de infidelidade. Tilly Losch contestou, em tribunal, que o marido era homossexual.

Perante a lei, a orientação sexual de Edward James ficou por provar. Divorciado, James viu reforçada a sua liberdade, sempre em comunhão com núcleos talentosos da aristocracia europeia.

Admirador da expressão artística irreverente, louvou e, com o seu desafogo financeiro e voluntarismo, apoiou o Surrealismo emergente na ressaca da 1ª Guerra Mundial.

O movimento surgiu como uma reacção conceptual aos valores burgueses, conservadores, ostentatórios e fanfarrões que muitos pensadores e artistas afiançavam terem conduzido ao conflito bélico, até então, mais mortífero da História.

A Ligação ao Surrealismo e a Migração para a América do Pós-Guerra

Neste contexto, de 1938 em diante, já com a 2ª Guerra Mundial à espreita, James tornou-se admirador e patrono de Salvador Dali. Dali, por sua vez, aprofundou o envolvimento de James no Surrealismo.

Apresentou-o a Magritte. Enquanto hóspede de James, o belga retratou-o. Edward James surge em duas obras de Magritte, “Not to Be Reproduced” e “The Pleasure Principle: Portrait of Edward James”.

Em 1940, já com a guerra em pleno, James cruzou o Atlântico. Aterrou em Taos, uma paragem improvável dos Estados Unidos, um pueblo de origem indígena anasazi, colonial hispânico, de adobe e recém-transformado em colónia de artistas.

Alguns anos mais tarde, do Novo México, atravessou a fonteira do Rio Bravo. Segundo narra a historiadora de arte Irene Herner, numa das suas deambulações pelo México, James necessitou de enviar um telegrama.

Entrou no balcão de telégrafos de Cuernavaca, estado mexicano de Morelos.

A Relação para a Vida com Plutarco Gastélum

Lá se deslumbrou com Plutarco Gastélum “um orgulhoso nortenho, filho de uma família de rancheiros de Álamos, Sonora,

bonito, alto, de corpo atlético e que aproveitava as entregas de telegramas para se treinar para a sua incipiente carreira de boxeur.”

Em 1945, a 2ª Guerra Mundial tinha por fim terminado. James procurava um lugar nas Américas em que pudesse reassentar, longe dos escombros terrenos e ideológicos do Velho Mundo.

Convenceu Plutarco a ser seu guia. Passados dois anos, a bordo de um Lincoln Continental vermelho, chegam juntos a Xilitla, no sudeste do estado de San Luís Potosi.

Ainda de acordo com Irene Herner “Plutarco manteve-se sempre um amante esquivo, desdenhoso, e a perspectiva de contrair matrimónio com outro homem parecia-lhe um inferno”. No entanto, Plutarco assinou várias cartas para Edward James como Palú.

Diz-se ainda que, quando se banhavam num rio, os envolveu uma nuvem de borboletas. James viu magia no ar.

Tal magia servir-lhe-ia de inspiração para o que se revelaria o seu “Jardim do Éden” particular, estendido a Xilitla e arredores, onde, mais tarde, seria visto, com frequência, a passear, como Deus o tinha trazido ao mundo.

A Vida Simples no Pueblo Pitoresco de Xilitla

Foram necessários quase seis anos para Edwards convencer Plutarco a radicar-se em Xilitla, de maneira a viverem a sua fantasia partilhada. Em 1952, por fim, Plutarco acedeu.

Tinha-se afeiçoado à vida simples e ao povo. Adorava banhar-se nos riachos com os amigos e com a criançada do pueblo que fazia questão de ensinar a mergulhar.

Quatro anos depois, Plutarco esposou Marina Llamazares, filha de um comerciante espanhol, num casamento apadrinhado por Edwards e com banquete faustoso por ele pago.

Plutarco e Marina teriam quatro filhos.

Nesse tempo, James vira as suas relações familiares britânicas cortadas. Em simultâneo, a lei mexicana impedia os estrangeiros de deter propriedades no México. James fez de Plutarco seu sócio.

Em seu nome, compraram as antigas plantações de café banhadas por cascatas e riachos de um tal de Coronel José Castillo, que Edwards, por confusão, tratava por general.

Nessas terras de quase nove hectares, desenvolveram uma plantação com cerca de cinco mil orquídeas e dezenas de aves selvagens.

A Plantação de Orquídeas de que Brotou um “Jardim do Éden” Escultórico

Em 1962, uma forte granizada destruiu-a. James persuadiu Plutarco a erguerem algo perene. Discordavam, tanto quanto possível quanto ao que seria. Plutarco reclamava uma rede de caminhos em que percorreria a selva no seu jipe.

De forma sub-reptícia, Edwards obtinha a aprovação de Plutarco para erguer escadarias que só serviam para barrar o jipe.

Durante longos trinta e seis anos, Edwards e Plutarco, com a participação entusiasta de Marina, dedicaram-se a dotar “Las Pozas” de estruturas inusitadas. Num total de vinte e sete.

À medida que subimos e serpenteamos, nos passos do jovem guia Fidel Cardenas, descobrimos as sucessivas obras surrealistas de “Las Pozas.

As Sucessivas Obras sem Aparente Nexo de Edward James

A primeira com que nos deparamos é o “Cinematógrafo” que James pensou com a função de “projectar” para os amigos visitantes, através de um arco, o cenário glorioso da selva.

Coroou-o de uma “Escadaria para os Céus” que, como o nome deixa transparecer, não leva a lado nenhum.Jardim Escultórico, Edward James, Xilitla, Huasteca Potosina, San Luis Potosi, México, CinematógrafoNas imediações, Fidel mostra-nos a “A Cabana de Don Eduardo” e as várias casas em que James chegou a manter os animais selvagens que lhe faziam companhia, ocelotes, cobras, veados, flamingos, periquitos, entre outros.

Passamos pelo, elegante, mas desabrigado “Palácio de Bambu”, condizente com a filosofia apreciada por James de viver o mais possível sem paredes e a que preferia chamar “Torre da Esperança”.

Surge destacado da encosta entre helicónias e bromélias encharcadas. Assente numa base que aparenta uma baleia, uma cabine de avião ou um submarino, dizem, alguns, tratar-se do “Náutilus” de Júlio Verne.

Pouco acima, a aproveitar o fluxo de um riacho, vemos uma banheira jacuzzi natural instalada em forma de metade de abacate.

Casas que nunca Chegavam a ser Bem Casas

No extremo oposto à “Cabana de Don Eduardo”, encontramos a “Casa de Três Pisos que Poderiam ser Cinco”. James concebeu-a para receber amigos.

Em particular, a família dona da famosa cerveja Guiness irlandesa, com quem tinha óptima relação.

Ladeou-a de mais escadarias apontadas ao céu.

Tudo interligado de forma tão precária que, de maneira a evitar quedas ou desmoronamentos, a Fundação Pedro y Elena Hernández que após a morte de Edward James passou a gerir “Las Pozas” se viu obrigada a proibir o acesso, antes abusivo, dos visitantes.

Espantamo-nos ainda com grandes flores, mesmo se de cimento, com coroas que nos fazem lembrar as orquídeas que James e Plutarco perderam.

E com uma espécie de biombo que emula os favos das colmeias.

Já no sentido descendente, cruzamos outro portal do seu “Jardim do Éden”.

Os turistas pioneiros baptizaram-no de “Anel da Rainha”. Nós, vemos uma maçã que dá passagem para o “Caminho dos Sete Pecados Capitais”, ladeado das respectivas serpentes.

A Obsessão de Edward James pelo Surreal no Natural

Frustrava Edward James que as suas criações resultassem demasiado lineares. Sempre que tal acontecia, mandava destruir e ditava nova construção do zero. Todo e cada recomeçar satisfazia os trabalhadores.

Empregados por Edwards, as tarefas surgiam-lhes em catadupa e eram mais bem pagas que noutros biscates. Como se não bastasse, em plena natureza e em convívio, eram mais agradáveis de cumprir.

James Edwards ia e voltava da Europa onde mantinha o seu círculo artístico de amigos. Com frequência, levava consigo o telegrafista-feito-artista Gastélum e a esposa Marina que já não dispensavam as incursões boémias ao Velho Mundo.

Assim foi, até que, em 1972, Plutarco se viu a braços com uma doença de Parkinson, uma provável consequência dos seus anos de boxeur. James viajou por várias vezes para a Europa, na demanda de uma cura.

Malgrado o mal de Parkinson, Plutarco viveu mais seis anos que Edward James (faleceu em 1984) e sete que Marina (1983).

James e Plutarco legaram o Éden surrealista de Xilitla para todo o sempre.

 

Como Reservar a sua Visita a Xilitla e à Huasteca Potosina: 

hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Cidades
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
mercado peixe Tsukiji, toquio, japao
Comida
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Celebração newar, Bhaktapur, Nepal
Cultura
Bhaktapur, Nepal

As Máscaras Nepalesas da Vida

O povo indígena Newar do Vale de Katmandu atribui grande importância à religiosidade hindu e budista que os une uns aos outros e à Terra. De acordo, abençoa os seus ritos de passagem com danças newar de homens mascarados de divindades. Mesmo se há muito repetidas do nascimento à reencarnação, estas danças ancestrais não iludem a modernidade e começam a ver um fim.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
viagem de volta ao mundo, símbolo de sabedoria ilustrado numa janela do aeroporto de Inari, Lapónia Finlandesa
Em Viagem
Volta ao Mundo - Parte 1

Viajar Traz Sabedoria. Saiba como dar a Volta ao Mundo.

A Terra gira sobre si própria todos os dias. Nesta série de artigos, encontra esclarecimentos e conselhos indispensáveis a quem faz questão de a circundar pelo menos uma vez na vida.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Casario de Balestrand, Noruega
História
Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes

São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Enriquillo, Grande lago das Antilhas, República Dominicana, vista da Cueva das Caritas de Taínos
Natureza
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Parques Naturais
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Património Mundial UNESCO
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Tambores e tatoos
Praias
Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.
Gravuras, Templo Karnak, Luxor, Egipto
Religião
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou o Templo de Karnak e a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Vida Selvagem
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT