Álamos, Sonora, México

Três Séculos entre Álamos e Portais Andaluzes


Álamos de Todas as Cores
Vermelho-Quinceñera
Álamos de Ouro
Outro Bar Pós-colonial
Sombra de Vaquero
Ligo em Movimento
Espécie de Troféus
Em Rota
Alto
VW Carocha Álamos Tour
Catedral Iluminada
Um Abarrote a Abarrotar
Palmeira a Palmeira
Frontão Católico
La Purísima Concepción
R.I.P. Amos Joseph
Beco d’Ouro
Verde-Deserto
Tons de Buganvília
Fé Espinhosa
Fundada, em 1685, após a descoberta de filões de prata, Álamos desenvolveu-se com base numa estrutura urbana e arquitectura da Andaluzia. Com o fim da prata, valeu-lhe a sua outra riqueza. Uma genuinidade e tranquilidade pós-colonial que a destaca do estado de Sonora e do vasto ocidente do México.

Accionado o modo de reconhecimento, deixamos o domínio do hotel Hacienda de Los Santos, em busca do trilho que levava ao principal miradouro sobre a cidade, situado no cimo de uma colina com vista a 360º.

Entregues a tal missão, cruzamos um riacho que devia passar tanto tempo seco que foi baptizado de arroyo Àgua Escondida. A margem oposta confronta-nos com o sopé da colina e com a escadaria longa que a servia.

Vencemos os derradeiros degraus, ofegantes.

Devíamo-lo ter previsto ou, no mínimo, suspeitado.

O topo revela-nos outro dos grandes letreiros multicolores que tomaram conta do México, como de boa parte das Américas.

Surge quase encostado a um muro baixo.

Identifica Álamos, virado para a mancha de casario disseminada pelo sudoeste de Sonora, o deserto que empresta o nome ao estado mexicano que explorávamos, por ali, com vista para umas poucas montanhas da cordilheira Sierra Madre Ocidental.

Recuperamos o fôlego. Duas crianças empregam os deles a criarem vagas de bolas de sabão que o vento caprichoso faz circularem antes de se sumirem na vastidão.

O miradouro é uma paragem predilecta de namorados e famílias da região. Javier e a esposa, os pais das crianças, tinham lá chegado a tempo do ocaso exuberante que se desenrolava a oeste, que tingia o céu de quase tantos tons como o letreiro de Álamos.

Curioso quanto ao que por ali fazíamos, em terras de cartéis, tráfico e histórias de amedrontar, Javier indaga-nos. A resposta deixa-o surpreendido:

“De Portugal? E vieram até aqui, Álamos? Por essa não esperava.” Bom, por estes lados, tão patrulhados pelo exército, estão em relativa segurança, mas, já sabem como anda o nosso México…. vejam onde se metem!”

A Riqueza que se Esconde nas Paredes de Álamos

Anuímos. Retribuímos-lhes o interesse. “Nós somos de Navajoa. Não é longe de aqui. Um amigo nosso de Álamos meteu na cabeça que podia haver tesouros escondido nas paredes da casa.

Fomos até lá com o nosso detector de metais. No caso dele, não havia nada.” Javier preocupa-se, de imediato, em defender a sanidade mental do amigo.

“Eu conheço um homem que ficou muito rico. Encontrou três caixas cheias de moedas d’ouro numa casa de banho! Álamos sempre teve riqueza em abundância, sobretudo prata.

De uma maneira ou outra, muitas pessoas continuam esperançadas em encontrar algo que lhes mude a vida.”

Finda-se o crepúsculo. Abaixo, aos poucos, a iluminação artificial deixa a cidade a dourar. Voltamos a descer a escadaria, mais aos tropeções do que estávamos a contar.

Passamos o refúgio da Hacienda de Todos os Santos e o cerne colonial da povoação, disposto em redor da Plaza de Álamos.

La Alameda, a Praça Gastronómica da Cidade

Logo à chegada, tínhamos apurado que o filão local da gastronomia popular se encontrava em volta de uma praça secundária, alongada e dotada de grandes árvores, de tal maneira que as gentes a conheciam por “La Alameda”.

Ora, preenchiam o interior dessa plaza, bancas e roulotes. Ofereciam as usuais especialidades nacionais mexicanas, com umas poucas variantes que nos dificultam a escolha. Por fim, assentamos no estabelecimento de Doña Conchita.

Pedimos tacos, quesadillas e gorditas, umas em farinha de trigo, outras de milho.

Enriquecemo-los na mesa de guarnições e molhos. Repetimos, com a desculpa do muito que tínhamos calcorreado e, sobretudo, da conquista esforçada do miradouro.

Dessa vez, como noutras, exageramos e esperamos que a caminhada seguinte nos socorra.

Passa das oito da noite.

Álamos rende-se à paz do fim do dia.

É por essa tranquilidade, ao longo das ruas, não tarda, desertas que regressamos ao quarto pitoresco da Hacienda de Los Santos.

Para lá chegar, de novo, cruzamos os diversos pátios, pórticos e salões das três mansões e um moinho de cana-de-açúcar que compõem a imensa propriedade, tal como Álamos, datada do século XVII.

Da Passagem dos Conquistadores Espanhóis, à Descoberta de Prata

Se, à imagem de várias outras, a fazenda é, hoje, pertença de gringos endinheirados, a origem colonial da povoação confirma-se hispânica, nem poderia ser de outra forma.

O primeiro não indígena a fazer referência a estas paragens remotas do México terá sido o conquistador salamanquense Francisco Vásquez de Coronado, responsável por desbravar e, mais tarde governar, uma vasta secção da América do Norte, o sudoeste do México e o dos Estados Unidos.

Crê-se que foi, por exemplo, o primeiro europeu a avistar o rio Colorado e o Grand Canyon.

Durante a sua expedição pioneira, Coronado terá acampado com os seus homens entre os dois cursos de água principais da zona, o Aduana e o Escondido.

Referiu esses riachos e duas formações rochosas próximas que, devido a uma presumida parecença, baptizou como Los Frailes.

O nome inicial de Álamos foi, assim, Real de Los Frailes.

Fundou o lugarejo, em 1565, Domingos Terán de Los Rios, um soldado espanhol, obcecado pela descoberta de prata abundante em redor.

Decorrido apenas um ano, De Los Rios, tornou-se governador dos actuais estados de Sinaloa e Sonora.

Assegurou o término dos ataques indígenas.

Em simultâneo, a sua Real de Los Frailes forneceu muitos dos homens da expedição financiada pelos recém-enriquecidos proprietários de minas da região, à descoberta da Alta Califórnia.

A mais setentrional das profícuas Cidades de Prata mexicanas, Real de Los Frailes tornou-se a capital do estado mexicano de Occidental.

Uma Cidade da Prata Faustosa e em Recuperação

A riqueza extraída dos seus filões financiou também os edifícios faustosos da actual Álamos.

Formam um conjunto arquitectónico andaluz-colonial que é partilhado pelas várias Cidades de Prata mexicanas: Real de Catorze, Taxco, San Miguel de Allende, Guanajuato, isto, para referir apenas umas poucas

E em função do clima quente e seco, repleta dos portales que nos habituámos a apreciar.

São varandas e arcadas amplas e arredondadas, aperfeiçoadas para permitir aos moradores caminharem à sombra, em vez de sobre os calçadões expostos ao Sol e abrasivos.

Os donos da prata endinheirados ergueram as suas mansões em volta da Plaza de Armas.

E do coreto sempre disputado por quinceñeras entregues a sessões fotográficas, e da igreja Parróquia da Purisima Concepción que continua a abençoar a cidade.

A prata durou o que durou. À passagem para o século XX, os filões estavam esgotados.

Aos poucos, os milionários partiram e geraram uma migração mais abrangente.

Os edifícios grandiosos depressa entraram em ruína.

Até que William Alcorn, um fazendeiro americano, adquiriu um deles, transformou-o num hotel e fez de Álamos uma povoação na moda, ansiada pelos gringos apreciadores do exotismo mexicano e ansiosos por evasão.

O empreendedorismo de Alcorn deu o exemplo a vários outros investidores.

Não tarda, quase todas as mansões tinham sido recuperadas e pertenciam a norte-americanos, fossem dos E.U.A. ou canadianos e, uma parte substancial dos 185 edifícios da cidade, entretanto, declarados monumento históricos e Património Mundial da UNESCO.

O relativo isolamento nos confins ocidentais mexicanos, evitou que Álamos fosse vítima das torrentes turísticas que assoberbaram, por exemplo San Miguel de Allende e Taxco.

Alámos, subsiste, tranquila, elegante e sofisticada.

Num retiro peculiar de tons pastel, adornada por uma profusão de buganvílias.

La Aduana, uma das Várias Minas que Enriqueceram a Cidade

Damos uma “quinquagésima” volta à sua plaza central, quando reparamos num anúncio que promove uma visita a La Aduana, uma das quatro maiores minas de prata na génese de Alámos.

Ligamos para o guia a perguntar se ainda era possível. “Bom…eu estava a dormir uma siesta mas se querem mesmo ir, estou aí em dez minutos.”

Dito e feito. Ligo – assim se chamava – aparece na sua carrinha de passeios. Pelo caminho, exibe-nos um conjunto de buzinas com distintas funções.

La Aduana fica entre encostas.

Quando chegamos, o sol quase deixa de a iluminar.

Uns derradeiros raios douram a igreja local, a chaminé e uns depósitos de escória legados pela mineração, junto a figueiras-da-Índia com grandes raízes.

Apreciamos tudo um pouco com a curiosidade que o lugar nos merecia.

Ligo, adiciona um ponto de interesse inesperado: “Antes de voltarmos, vamos só comprar qualquer coisa ali ao abarrote local!” Entramos. Damos de caras com Ismael Valenzuela e com a fonte inesgotável do termo português “a abarrotar”.

Ligo e Ismael ainda nos chamam a atenção para o mostrador da loja, um balcão amplo que Ismael afiança ter mais de 400 anos.

Nós, só tínhamos olhos para a imensidão de produtos sobre ele expostos e dependurados na parede atrás, a formarem um conjunto tão denso que nos parecia que o merceeiro neles se poderia afundar.

O sol fê-lo, para trás das vertentes que escondiam as minas.

Regressamos a Álamos com a cidade iluminada pelos seus candeeiros de estilo parisiense geminados.

A cidade só aparentemente silenciosa.

Comprometida com o seu passado de opulência que a História e uns poucos norte-americanos têm feito por louvar.

Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !

Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.
Chichen Itza, Iucatão, México

À Beira do Cenote, no Âmago da Civilização Maia

Entre os séculos IX a XIII d.C., Chichen Itza destacou-se como a cidade mais importante da Península do Iucatão e do vasto Império Maia. Se a Conquista Espanhola veio precipitar o seu declínio e abandono, a história moderna consagrou as suas ruínas Património da Humanidade e Maravilha do Mundo.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 5º - Ngawal a BragaNepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
hacienda mucuyche, Iucatão, México, canal
Arquitectura & Design
Iucatão, México

Entre Haciendas e Cenotes, pela História do Iucatão

Em redor da capital Mérida, para cada velha hacienda henequenera colonial há pelo menos um cenote. Com frequência, coexistem e, como aconteceu com a semi-recuperada Hacienda Mucuyché, em duo, resultam nalguns dos lugares mais sublimes do sudeste mexicano.

Pleno Dog Mushing
Aventura
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Cerimónias e Festividades
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
Cidades
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 – Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cultura
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a ChameNepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Étnico
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

A Vida Lá Fora

Selfie, Muralha da china, Badaling, China
História
Badaling, China

A Invasão Chinesa da Muralha da China

Com a chegada dos dias quentes, hordas de visitantes Han apoderam-se da Muralha da China, a maior estrutura criada pelo homem. Recuam à era das dinastias imperiais e celebram o protagonismo recém-conquistado pela nação.
Castelo de Shuri em Naha, Okinawa o Império do Sol, Japão
Ilhas
Okinawa, Japão

O Pequeno Império do Sol

Reerguida da devastação causada pela 2ª Guerra Mundial, Okinawa recuperou a herança da sua civilização secular ryukyu. Hoje, este arquipélago a sul de Kyushu abriga um Japão à margem, prendado por um oceano Pacífico turquesa e bafejado por um peculiar tropicalismo nipónico.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Natureza
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Vista Miradouro, Alexander Selkirk, na Pele Robinson Crusoe, Chile
Parques Naturais
Ilha Robinson Crusoe, Chile

Alexander Selkirk: na Pele do Verdadeiro Robinson Crusoe

A principal ilha do arquipélago Juan Fernández foi abrigo de piratas e tesouros. A sua história fez-se de aventuras como a de Alexander Selkirk, o marinheiro abandonado que inspirou o romance de Dafoe
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Verificação da correspondência
Personagens
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Montezuma e Malpaís, melhores praias da Costa Rica, Catarata
Praias
Montezuma, Costa Rica

De Volta aos Braços Tropicais de Montezuma

Passaram 18 anos desde que nos deslumbrámos com este que é um dos litorais abençoados da Costa Rica. Há apenas dois meses, reencontrámo-lo. Tão aconchegante como o  tínhamos conhecido.
Kremlin de Rostov Veliky, Rússia
Religião
Rostov Veliky, Rússia

Sob as Cúpulas da Alma Russa

É uma das mais antigas e importantes cidades medievais, fundada durante as origens ainda pagãs da nação dos czares. No fim do século XV, incorporada no Grande Ducado de Moscovo, tornou-se um centro imponente da religiosidade ortodoxa. Hoje, só o esplendor do kremlin moscovita suplanta o da cidadela da tranquila e pitoresca Rostov Veliky.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Walter Peak, Queenstown, Nova Zelandia
Sociedade
Nova Zelândia  

Quando Contar Ovelhas Tira o Sono

Há 20 anos, a Nova Zelândia tinha 18 ovinos por cada habitante. Por questões políticas e económicas, a média baixou para metade. Nos antípodas, muitos criadores estão preocupados com o seu futuro.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Pesca, Caño Negro, Costa Rica
Vida Selvagem
Caño Negro, Costa Rica

Uma Vida à Pesca entre a Vida Selvagem

Uma das zonas húmidas mais importantes da Costa Rica e do Mundo, Caño Negro deslumbra pelo seu ecossistema exuberante. Não só. Remota, isolada por rios, pântanos e estradas sofríveis, os seus habitantes encontraram na pesca um meio embarcado de fortalecerem os laços da sua comunidade.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.