Chihuahua, México

¡ Ay Chihuahua !


Chihuahua Angelical
Passeio pela Catedral
Cantor Sombrio
História Reflectida
Pseudo-Artista de Rua
Moda Chihuahua II
Botas de Piton
Angel de la Libertad
Deza y Ulloa
Deza y Ulloa III
Moda Chihuahuense
Amigas Rarámuri
Mural Chihuahua
“Muralista en Llamas”
Pachucos Mi Barrio
Rico’s Tacos
Catedral Metropolitana
Mural Calle Guadalupe
Calhambeque Sancho Villa
Palácio Gobierno
Os mexicanos adaptaram a expressão como uma das suas preferidas manifestações de surpresa. À descoberta da capital do estado homónimo do Noroeste, exclamamo-la amiúde.

A antiga Casa Trias que nos acolhe é uma das haciendas mais antigas da cidade.

Não só. A sua fachada integra o limite sudeste da Plaza de Armas, o âmago de Chihuahua.

Abençoa-a, como é suposto em qualquer urbe de génese colonial hispânica, a catedral metropolitana, um templo católico majestoso e, durante séculos a fio, sobranceiro, há algumas décadas suplantado pelo edifício da Unidade de Informação do Congresso.

Malgrado o desaforo arquitectónico, a catedral preserva intacta a sua função nas vidas dos chihuahuaenses. Os sinos das duas torres gémeas marcam o tempo pelo tempo fora. Com tal afinco que, ali ao lado, nos servem de despertadores indesejados.

Bem cedo, mas com algum lapso, devido às elevações a leste, a luz solar morna incide no topo da catedral e recarrega a cidade para o dia que se segue.

As Emblemáticas Botas de Piton e os Engraxadores que as Cuidam

Aos poucos, os engraxadores ocupam os seus postos em redor do jardim no coração da praça, preparados para renovarem o brilho das botas de piton com que, a par dos chapéus, dos jeans e das camisas, boa parte dos homens da região compõem os visuais de vaqueros viris tradicionais do norte mexicano.

Chihuahua é, aliás, um dos principais polos fornecedores dessa moda regional. Mal deixamos a Plaza de Armas para as ruas comerciais em redor, vemos lojas repletas dessas botas e chapéus, expostos e promovidos como os itens idolatrados que se tornaram.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Moda Chihuahuense

As botas de piton em particular, são vendidas e usadas numa panóplia de materiais meritórios de um vigoroso ¡Ay Chihuahua.

Encontramo-las em couro, pele de avestruz, crocodilo, cobra, papa-formigas, tatu, enguia e mantas, entre outros.

Consoante os materiais, a arte empregue e, claro está, a notoriedade e solidez da marca, os preços podem ir de umas dezenas a mais de três mil euros o par.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, moda Chihuahua IIQuanto mais conceituados os modelos, mais os engraxadores neles se empenham.

Às vezes vinte minutos a fio, o suficiente para os donos do calçado se recostarem, lerem meio jornal e debaterem os temas do dia, os escândalos políticos, os confrontos entre cartéis e as repercussões da outra, mais recente e viral, pandemia.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, engraxador

Chihuahua: uma Cidade cada Vez Mais Mural do México

Prosseguimos pela Calle Guadalupe Victoria, para fora da Plaza de Armas, na direcção da Hidalgo, outro “quadrado” em redor de estátua e ajardinado, justificado pela presença do Palácio de Gobierno.

Dedicamos um derradeiro olhar às torres da Catedral Metropolitana. Quando o fazemos, descortinamos o primeiro chihuahua de Chihuahua.

Em vez do verdadeiro cachorrito portátil e de latir estridente que conquistou o mundo, uma sua pintura modernista, quase psicadélica, a preencher toda uma fachada de um prédio amarelado.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, mural Chihuahua

Ao mesmo tempo, por baixo, passa um dos trenzitos infantis que nos habituámos a ver nas povoações turísticas do norte mexicano.

Dias mais tarde, haveríamos de embarcar no El CHEPE, esse sim, um comboio a sério, repleto de história, meritório de uma das ferrovias mais aventureiras à face da Terra.

De ambos os lados da rua, sucedem-se lojas de tudo um pouco. A espaços, outras ilustrações díspares contribuem para a ambição dos governantes de fazerem de Chihuahua uma ciudad mural que se destaque de tantas outras do México.

 

A próxima por que passamos, à sombra de uma parede sob uma laje de betão, tem o título musical de “Qué Bonito es Chihuahua”. Promove alguns dos atractivos do estado.

Povoações mineiras, uma queda d’água que interpretamos como a de Basaseachi, situada nas Barrancas del Cobre, a segunda mais alta do México, com 246 metros.

No centro, um indígena da etnia predominante das serranias e barrancos do estado, a Rarámuri, toca violino, como que a musicar a obra d’arte.

Por mero acaso, quando a examinamos, duas amigas da mesma etnia aparecem do fundo da rua. Detêm-se, ali, a conversar no seu dialecto, cada qual num vestido folhado, garrido, longo, subido quase até à base do queixo.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, amigas Rarámuri

Homenagem a Alfaro Siqueiros e aos Muralistas Pioneiros

Prosseguimos por sentidos inversos.

Mais para o meio da rua, as pinturas murais repetem-se: o “Muralista en Llamas” de Lizeth Garcia Portillo, exibe um pintor aprisionado. Trata-se de David Alfaro Siqueiros, pioneiro do muralismo mexicano, a par de Diego de Rivera e de José Clemente Orozco.

Ao longo da sua vida e obra, David Siqueiros provou-se um anti-imperialista e anti-fascista, prodigioso, mas fogoso. Foi acusado de tentativa de assassínio de Leon Trotsky, pelo que se viu aprisionado e exilado no Chile.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, "Muralista en Llamas"

Após o regresso ao México, foi condenado a mais alguns anos de prisão, afinal de contas, o motivo principal e dramático que nos tinha chamado a atenção, sobre o branco-sujo da parede.

Por fim, a Calle Guadalupe Victoria deixa-nos com o Palácio del Gobierno em frente.

Quando nele entramos, damos com um grande palacete com três pisos avarandados, uma imensidão de arcos a abrirem vista para um pátio central ladrilhado em cinzento.

uahua, cidade do México, pedigree, Palácio del Gobierno

O Museu Histórico-Político do Palácio del Gobierno

Em redor do piso térreo, desdobra-se todo um museu de história mexicana e de Chihuahua que conta, até, com um Altar de la Patria dedicado àquele que é considerado seu pai, o padre Miguel Hidalgo.

Também por aqui abundam os murais, nem mais nem menos de 360m2 de pinturas da autoria de Aarón Piña Mora. Hidalgo surge noutra delas, no centro de um mural que eternizou o momento do seu fuzilamento, às mãos de um pelotão de soldados espanhóis, a 30 de Julho de 1811, precisamente em Chihuahua.

Deixamos o Palácio do Gobierno pela fachada oposta à da entrada, directos para a Calle Libertad que, ali, o separa de um outro edifício imponente, em tempos, o calabouço pré-fuzilamento de Miguel Hidalgo.

Hoje, o edifício acolhe a Casa Chihuahua, um museu dedicado a exposições itinerantes.

Como a vemos, à entrada, a escultura de bronze do gorila “Alter Ego”, de três metros e uma tonelada, parece invejar os sorvetes devorados por um jovem casal e seus dois filhos, sentados num muro em frente.

Continuamos em modo hiperbólico, na direcção da Plaza de la Grandeza e da sua cara-metade, a Plaza del Angel, de que se destaca contra o céu azulão, um anjo dourado.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Angel de la Libertad

A Última Morada de Francisco “Pancho” Villa

Metemo-nos na Av. V. Carranza. Ziguezagueamos em ângulos rectos pela grelha geométrica da cidade em busca da Casa de Pancho Villa, o derradeiro lar habitado pelo revolucionário mexicano, com aquela que foi considerada a sua esposa número vinte e três.

A contagem provou-se, de tal maneira creditada, que o actual museu faz questão de exibir uma lista das suas amadas.

Desafogada, a vivenda é, hoje, pertença do exército mexicano.

Tem soldados de vigia nas tropelias dos visitantes em redor dos inúmeros pertences de Villa, sobretudo, do carro em que seguia quando foi emboscado a mando do presidente mexicano de 1924-28, Elias Calles.

uahua, cidade do México, pedigree, carro de Pancho Villa

O calhambeque continua estacionado para história num pátio da mansão, esburacado pelas muitas balas disparadas sobre Villa quando este seguia para uma festa familiar a ter lugar na povoação de Parral.

É em festa que achamos a Plaza de Armas quando a ela regressamos, mais para o fim da tarde.

O cair do lusco-fusco reforça os contornos de Antonio de Deza y Ulloa, o fundador de Real de Minas de San Francisco de Cuéllar, a cidade que daria origem a Chihuahua

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Deza y UlloaA estátua em que o governante parece indicar o lugar em que mandou erguer o povoado, surge centrada entre o coreto no cerne do jardim e a Catedral Metropolitana, contra o rendilhado e minucioso da sua fachada.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Deza y Ulloa

Do lado oposto do jardim, centenas de moradores e visitantes partilham uma celebração pagã do dia e da vida que contrasta com a solenidade eclesiástica no interior da igreja.

Ao Ritmo dos Bailes Pachucos de Chihuahua

Lidera o movimento o duo de pachucos Mi Bárrio, activo e motivado como nunca, passados vários meses em que se viram barrados de animar a praça devido à pandemia.

Sergio Boy, gera e inspira passos de mambo e de outros ritmos, em trajes garridos e largueirões de moda zoot.

O Mi Bárrio e os pachucos em geral, são sobreviventes dos herdeiros mexicanos – sobretudo de El Paso – da subcultura de gangs que proliferou nos Estados Unidos durante a década de 30. Sergio Boy convida espectadores a participarem.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Pachucos

A espaços, interrompe as danças elegantes para produzir mais uma inusitada selfie, com uma pequena SLR apontada para si próprio. Enquanto isso, dançarinos de outros colectivos inauguram bailes paralelos.

A Doçura Incontrolável de Chihuahua

Circulamos em redor, entusiasmados pela inesperada exuberância popular da cidade. Passamos por bancas de elotes (espigas de milho cozinhadas) de churros, de tacos e outros petiscos.

Uma delas surge cercada por frutas cristalizadas de todas as cores e feitios, resplandecentes a dobrar devido à iluminação incandescente que emanava do interior. Quando nos aproximamos, percebemos que um enorme enxame de abelhas, atraídas pela doçura e inebriadas pela luz, se havia apoderado da banca, aparentemente deserta.

Ao perceber a nossa presença, Javier, o dono, interpela-nos. Educado, esforça-se por vender. Quando lhe perguntamos que fenómeno apícola era aquele, encolhe os ombros e desata-se a rir.

“Qué quieren que haga? Soy su esclavo. Vienen y ván cuando quieren. Aún solo me picaron una vez. Aqui!” e mostra-nos um inchaço na cabeça.

Uma família aparece, determinada a fazer a vontade aos miúdos. Pressionado a ganhar o dia, Javier reentra na banca. Para nosso espanto, serve-lhes os doces e passa-lhes o troco no meio de centenas de abelhas numa órbita tresloucada. Volta ao exterior incólume.

Ali, como na sua velha Plaza de Armas, Chihuahua rende-se à noite e aos passos de felicidade dos chihuahuaenses.

Chihuahua, cidade do México, pedigree, Catedral Metropolitana

Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Barrancas del Cobre, Chihuahua, México

O México Profundo das Barrancas del Cobre

Sem aviso, as terras altas de Chihuahua dão lugar a ravinas sem fim. Sessenta milhões de anos geológicos sulcaram-nas e tornaram-nas inóspitas. Os indígenas Rarámuri continuam a chamar-lhes casa.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Mérida, México

A Mais Exuberante das Méridas

Em 25 a.C, os romanos fundaram Emerita Augusta, capital da Lusitânia. A expansão espanhola gerou três outras Méridas no mundo. Das quatro, a capital do Iucatão é a mais colorida e animada, resplandecente de herança colonial hispânica e vida multiétnica.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cerimónias e Festividades
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Victoria, capital, ilhas Seychelles, Mahé, Vida da Capital
Cidades
Victoria, Mahé, Seychelles

De “Estabelecimento” Francófono à Capital Crioula das Seychelles

Os franceses povoaram o seu “L’Établissement” com colonos europeus, africanos e indianos. Dois séculos depois, os rivais britânicos tomaram-lhes o arquipélago e rebaptizaram a cidade em honra da sua rainha Victoria. Quando a visitamos, a capital das Seychelles mantém-se tão multiétnica como diminuta.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Cultura
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Em Viagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
tunel de gelo, rota ouro negro, Valdez, Alasca, EUA
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Sensações vs Impressões

Catedral São Paulo, Vigan, Asia Hispanica, Filipinas
História
Vigan, Filipinas

Vigan, a Mais Hispânica das Ásias

Os colonos espanhóis partiram mas as suas mansões estão intactas e as kalesas circulam. Quando Oliver Stone buscava cenários mexicanos para "Nascido a 4 de Julho" encontrou-os nesta ciudad fernandina
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Ilhas
Tongatapu, Tonga

A Última Monarquia da Polinésia

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e ao Havai nenhuma outra monarquia resistiu à chegada dos descobridores europeus e da modernidade. Para Tonga, durante várias décadas, o desafio foi resistir à monarquia.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Inverno Branco
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Natureza
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Salto Angel, Rio que cai do ceu, Angel Falls, PN Canaima, Venezuela
Parques Naturais
PN Canaima, Venezuela

Kerepakupai, Salto Angel: O Rio Que Cai do Céu

Em 1937, Jimmy Angel aterrou uma avioneta sobre uma meseta perdida na selva venezuelana. O aventureiro americano não encontrou ouro mas conquistou o baptismo da queda d'água mais longa à face da Terra
Torres del Paine, Patagónia Dramática, Chile
Património Mundial UNESCO
PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Mahé Ilhas das Seychelles, amigos da praia
Praias
Mahé, Seychelles

A Ilha Grande das Pequenas Seychelles

Mahé é maior das ilhas do país mais diminuto de África. Alberga a capital da nação e quase todos os seichelenses. Mas não só. Na sua relativa pequenez, oculta um mundo tropical deslumbrante, feito de selva montanhosa que se funde com o Índico em enseadas de todos os tons de mar.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Religião
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Vida Selvagem
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES