Couchsurfing (Parte 1)

Mi Casa, Su Casa


Tóquio, uma megalópole couchsurfer
Existem milhares de anfitriões em Tóquio, muito disputados pelos inúmeros visitantes da sempre dispendiosa capital nipónica.
Ogimachi, Hida, Japão
Uma das povoações tradicionais da comuna de Shirakawa-Go, uma das regiões mais nevosas do mundo. Ali, as habitações foram construídas com telhados em forma de A, por forma a impedir os desabamentos devidos à acumulação de neve.
Dhukurpokhari
As pousadas de Dhukurpokhari, providenciais mais ou menos a meio do caminho entre Chame e Pisang.
Ascensão em loop
Visitantes sobem a escadaria de acesso ao restaurante do Museo del Campesino.
Herança Colonial
Parcialmente isolada do mundo devido à rigidez do regime militar, Yangon é uma das cidades do Sudeste asiático com mais edifícios coloniais.
No conforto do Lar
Jovem família na sua casa nos arredores de Suva.
Varandas a cores
Varandas trabalhadas numa ruela do forte .
Casario cúbico
Cores e formas bem cúbicas do bairro de San Juan.
suzdal-anel-dourado-russia-moda-antiga-mil-anos-Irina-Zakharova
Dª Irina Zakharova prepara um pequeno-almoço na sua pousada familiar.
Afazeres rurais
Em 2003, uma nova comunidade online globalizou um antigo cenário de hospitalidade, convívio e de interesses. Hoje, o Couchsurfing acolhe milhões de viajantes, mas não deve ser praticado de ânimo leve.

Parece simples, o Couchsurfing.

Entra-se online, regista-se uma conta e preenche-se um perfil e fornecem-se mais alguns dados. A partir de então, torna-se possível dormir sem gastos com hostels ou hotéis em domicílios de milhões de anfitriões de literalmente todos os países do Mundo, Coreia do Norte incluída.

Em 2013, existia mais de um milhão de utilizadores registados, com uma média de 28 anos. Até Julian Assange da Wikileaks fazia parte da comunidade mas, agora, é a Embaixada do Equador – que saibamos, não registada no site – que o acolhe há um bom tempo.

De Movimento Espontâneo a Comunidade Online HiperOrganizada

De início, liderava esta comunidade, sem fins lucrativos e óptimas intenções, um grupo de voluntários idealistas mas a fama inesperada do projecto veio a corromper os ideais originais de partilha e convívio. Mesmo assim, inúmeras pessoas continuam a esforçar-se para fazerem mais feliz quem viaja.

Em troca do alojamento de que necessitamos, é suposto pelo menos um ou outro desses milhões de utilizadores registados também poderem ficar em nossa casa, algumas vezes por ano.

A partir daí, a relação estabelecida depende da boa vontade e abertura de espírito tanto do hóspede como do viajante mas, como nem sempre tudo corre como esperado, deixamos-lhe aqui um apanhado do melhor e pior do Couchsurfing, com alguns exemplos pessoais.

Santos da Casa nem sempre Fazem Milagres

Falsas Ofertas do Couchsurfing:

parte dos alegados hóspedes atraem viajantes para os seus perfis e até para as suas propriedades com o único intuito de lhes impingirem estadias a cobrar, com valores semelhantes aos de hostels e pousadas.

Por vezes, isso é declarado no perfil mas, noutras permitem uma primeira noite gratuita e anunciam que há um valor a pagar – por um motivo ou outro – na manhã seguinte. Esta foi uma questão com que nos deparámos dezenas de vezes em duas viagens de volta ao mundo e volta ao Pacífico.

Felizmente, com cuidado na leitura dos perfis e das mensagens trocadas, bem como atenção às conversas telefónicas, conseguimos geri-la com relativa facilidade.

Por vezes, mesmo contra os princípios fundadores da comunidade Couchsurfing, não conseguíamos alojamento a preços comportáveis num outro lugar e altura e, para sermos sinceros, acabamos por ficar em quartos/casas “anunciados” no site da Couchsurfing.

Diga-se de passagem que nos lembramos deste problema nos imensamente dispendiosos territórios ultramarinos franceses – Polinésia FrancesaAntilhas Francesas. É natural que aconteça um pouco por toda a parte.

O Hóspede Solitário e/ou com Interesses Pré-definidos do Couchsurfing: 

é uma das situações realmente comuns na comunidade Couchsurfing. Inúmeros anfitriões sentem-se sós ou por problemas psicológicos, familiares e de enquadramento social ou porque vivem expatriados, desenquadrados dos lugares e culturas para que mudaram e esperam que os hóspedes lhes apimentem a existência.

Esta realidade torna-se realmente desagradável quando já idealizaram que vão ter a companhia dos hóspedes 24 horas por dia e tolhem a sua liberdade ou os seus planos. Passámos por várias situações deste género, com vivências e resultados completamente distintos.

Correu Bem: nos arredores de Perth, Austrália OcidentalTim tinha-se recentemente divorciado. Vivia apenas com um filho que o ignorava por completo. 

Acolheu-nos e a um casal de alemães. Dormiu ele no sofá, ofereceu-nos o carro para explorarmos a Great Ocean Road e levou-nos a ver um jogo de futebol australiano entre várias outras incríveis simpatias. Apesar do seu trato algo coloquial, tivemos inúmeras conversas divertidas. 

Já o louvámos em vários artigos sobre Melbourne e nunca o esqueceremos. Se vier a Portugal, fazemos questão que fique connosco.

Correu Mal: em Utsunomya, no Japão, a meio caminho de Nikko e do seu complexo de templos, fomos acolhidos por um adolescente japonês obcecado por aprender inglês que, além disso, apesar de não o informar, vivia num T0 diminuto.

Como já chegámos à sua casa às tantas da noite e estávamos longe de qualquer alternativa, acabámos a dormir os três no chão, lado a lado com as pernas debaixo de uma mesa.

Mas nem sequer foi isso que mais nos incomodou. O pior foi que, no dia seguinte, se tentou colar a nós de forma tão declarada e opressiva que tivemos que inventar uma desculpa para o deixar a meio da tarde.

Lares Doces Lares ou Nem Tão Doces Quanto Isso

Também ficámos em domicílios sofisticados e imaculados e evitámos ou deixámos, assim que possível, lares, para nós, inabitáveis. Não é que o tenhamos conseguido sempre cumprir mas é importante ter sempre um plano alternativo de outros Couchsurfers ou, não sendo possível, de outro tipo de alojamento, para quando as coisas não correm como se esperava.

Correu bem: num dos bairros mais conceituados de Tóquio, o anfitrião americano, consultor numa multinacional recebeu-nos a dizer que tínhamos batido o recorde da demora a chegar da entrada do prédio à porta de sua casa, tal era a complexidade tecnológica do prédio em que vivia.

Como é de calcular, neste caso, sentimo-nos fisicamente confortáveis na sua casa moderna, quase futurista, mesmo se ele se veio a provar uma pessoa demasiado corporativa e “numérica” para os nossos padrões – o típico americano ansioso por se tornar no próximo “Lobo de Wall Street“.

Correu mal: em Christchurch, na ilha do Sul da Nova Zelândia, tivemos uma resposta de um estudante com vinte e tal anos.

Quando chegámos a sua casa, não estava. Mas estavam seis ou sete outras jovens, quase todas mulheres, também couchsurfers, disseminadas um pouco por toda a casa. Uma delas deu-nos as boas-vindas e disse-nos para nos instalarmos onde quiséssemos.

Em redor, tudo era um caos desarrumado, sujo e repulsivo e estamos muito longe de nos considerarmos mimados. Agradecemos mas transmitimos da forma o mais sensível possível àquela amiga que afinal não íamos ficar. Ainda hoje nos ocorre que, ou o anfitrião era, ele próprio mas só ele, irresistível, ou aquelas raparigas estavam realmente sem um tostão.

O SexSurfing e as Ciladas

Nem era preciso referir que, mesmo que alguns países praticamente não mereçam preocupações, ande por onde andar, a questão da segurança deve estar na mente de qualquer couchsurfer.

Uma das críticas mais apontadas recentemente à comunidade é que abriga demasiados hóspedes e também viajantes cujo interesse é meramente sexual. Se bem que quase todas as relações acabam por se dar de forma consensual, tornaram-se cada vez mais frequentes as notícias de relações sexuais forçadas, algumas com violência extrema.

São as próprias directivas do Couchsurfing a aconselhar que mulheres a viajar sozinhas ou até mesmo em pequenos grupos femininos evitem procurar e aceitar acolhimento de hóspedes masculinos.

Por último, em alguns países com reconhecidos problemas de criminalidade, até o Couchsurfing passou a ser usado como instrumento para roubos e raptos. Os procedimentos maldosos são simples de calcular, o anfitrião mal-intencionado cria um perfil falso e atrai vítimas onde lhe for mais conveniente, não necessariamente à sua casa.

Para evitar estes dois problemas acima, leia com extrema atenção os perfis e todas as referências das pessoas que contactar e lhe responderem. Não confie em hóspedes sem perfis completos.

Aliás, confie apenas em hóspedes com várias referências positivas de outros couchsurfers de distintas partes do mundo. Investigue também o máximo que puder da restante presença online da pessoa. Aqui, o Facebook tem, como é óbvio um papel de destaque.

O site Couchsurfing lançou ainda, há algum tempo, um sistema de verificação de cartão de crédito pago que permite associar de forma alegadamente segura (com envio de código) um nome e um e-mail a uma conta mediante um pagamento de cerca de 20€.

Esta verificação tornou-se na principal fonte de receita do Couchsurfing mas é muito criticada porque, na prática, é amplamente ignorado já que aquilo que se compromete a fazer não dá quaisquer garantias de real segurança.

Para mais informações e conselhos de segurança do próprio Couchsurfing, aceda a Dicas de Segurança do site Couchsurfing .

Viajar não custa

Sincronize-se com as Horas de Check In e Check Out

Após um longo voo ou sequência de voos, chega ao hotel de rastos mas tem que esperar para poder dar entrada no quarto. Saiba o que pode fazer para precaver ou suavizar esse drama.
Viajar não custa

Reserve Estadias Confortáveis Também para as Suas Finanças

Tal como acontece com os voos, marcar alojamento tem os seus segredos. Saiba quais as estratégias para garantir estadias acolhedoras e financeiramente recompensadoras.
Viajar Não Custa

Na próxima viagem, não deixe o seu dinheiro voar

Nem só a altura do ano e antecedência com que reservamos voos, estadias etc têm influência no custo de uma viagem. As formas de pagamento que usamo nos destinos pode representar uma grande diferença.
Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.
Music Theatre and Exhibition Hall, Tbilissi, Georgia
Arquitectura & Design
Tbilisi, Geórgia

Geórgia ainda com Perfume a Revolução das Rosas

Em 2003, uma sublevação político-popular fez a esfera de poder na Geórgia inclinar-se do Leste para Ocidente. De então para cá, a capital Tbilisi não renegou nem os seus séculos de história também soviética, nem o pressuposto revolucionário de se integrar na Europa. Quando a visitamos, deslumbramo-nos com a fascinante mixagem das suas passadas vidas.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Cidades
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Espectáculo Impressions Lijiang, Yangshuo, China, Entusiasmo Vermelho
Cultura
Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
mural de extraterrestre, Wycliffe Wells, Australia
Em Viagem
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Mural de Key West, Flórida Keys, Estados Unidos
História
Key West, E.U.A.

O Faroeste Tropical dos E.U.A.

Chegamos ao fim da Overseas Highway e ao derradeiro reduto das propagadas Florida Keys. Os Estados Unidos continentais entregam-se, aqui, a uma deslumbrante vastidão marinha esmeralda-turquesa. E a um devaneio meridional alentado por uma espécie de feitiço caribenho.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Ilhas
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Ilhéu do Farol, Porto Santo, Ilhéu de Cima, Porto Santo, de Frente para a Ponta do Passo.
Natureza
Ilhéu de Cima, Porto Santo, Portugal

A Primeira Luz de Quem Navega de Cima

Integra o grupo dos seis ilhéus em redor da Ilha de Porto Santo mas está longe de ser apenas mais um. Mesmo sendo o ponto limiar oriental do arquipélago da Madeira, é o ilhéu mais próximo dos portosantenses. À noite, também faz do fanal que confirma às embarcações vindas da Europa o bom rumo.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monte Denali, McKinley, Tecto Sagrado Alasca, América do Norte, cume, Mal de Altitude, Mal de Montanha, Prevenir, Tratar
Parques Naturais
Monte Denali, Alasca

O Tecto Sagrado da América do Norte

Os indígenas Athabascan chamaram-no Denali, ou o Grande e reverenciam a sua altivez. Esta montanha deslumbrante suscitou a cobiça dos montanhistas e uma longa sucessão de ascensões recordistas.
Jingkieng Wahsurah, ponte de raízes da aldeia de Nongblai, Meghalaya, Índia
Património Mundial UNESCO
Meghalaya, Índia

Pontes de Povos que Criam Raízes

A imprevisibilidade dos rios na região mais chuvosa à face da Terra nunca demoveu os Khasi e os Jaintia. Confrontadas com a abundância de árvores ficus elastica nos seus vales, estas etnias habituaram-se a moldar-lhes os ramos e estirpes. Da sua tradição perdida no tempo, legaram centenas de pontes de raízes deslumbrantes às futuras gerações.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Personagens
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Promessa?
Praias
Goa, Índia

Para Goa, Rapidamente e em Força

Uma súbita ânsia por herança tropical indo-portuguesa faz-nos viajar em vários transportes mas quase sem paragens, de Lisboa à famosa praia de Anjuna. Só ali, a muito custo, conseguimos descansar.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Religião
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Substituição de lâmpadas, Hidroelétrica de Itaipu watt, Brasil, Paraguai
Sociedade
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Vida Selvagem
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.