Espiritu Santo, Vanuatu

Os Blue Holes Misteriosos de Espiritu Santo


Sulcos do Ambrym
Lava solidificada do vulcão Ambrym, um de vários vulcões activos e inactivos do arquipélago melanésio de Vanuatu.
Atracção de Blue Hole
Passeio de caiaque no blue hole de Malo, ao largo da ilha homónima.
Sobrelotação
Barco carregado de nativos no caminho do blue hole de Malo
Coco aos molhos
Nativo num armazem de secagem de coco, a norte de Luganville, a capital de Espiritu Santo.
Braçadas em Matevulu
Sara Wong braceja nas águas azuladas do blue-hole de Matevulu.
Árvore-trampolim
Guia Rockys prepara-se para mergulhar nas águas profundas do Blue Hole de Malo.
Num pasto roubado à selva
Manada de vacas num pasto a norte de Luganville, a capital da ilha de Espiritu Santo.
Navegação com terra à vista
Barco sobrelotado sulca o mar entre Espiritu Santo e Malo.
Canal de Malo
Harry navega braço de mar
Nativo rema com um braço improvisado numa canoa tradicional melanésia equilibrada por braço.
Pacífico do Sul e Azul
Litoral coralífero de uma ilha de Vanuatu, visto do ar.
Nativo-em-braço-de-mar-de-Espiritu-Santo-Vanuatu
Harry numa canoa tradicional melanésia equilibrada por braço.
A humanidade rejubilou, há pouco tempo, com a primeira fotografia de um buraco negro. Em jeito de resposta, decidimos celebrar o que de melhor temos cá na Terra. Este artigo é dedicado aos blue holes de uma das ilhas abençoadas de Vanuatu.

Harry, o motorista e guia encarregue de nos revelar Espiritu Santo e alguns dos melhores blue holes de Vanuatu apanha-nos à entrada do Deco Stop Lodge da capital, Luganville.

Instalamo-nos na sua velha carrinha e preparamo-nos para uma jornada longa e aos solavancos para o norte. Uns momentos de tagarelice depois, percebemos que não era propriamente um nativo da ilha mas que, ao tempo que lá vivia, estava mais que apto para a missão. “Sou de Pentecostes”, informa-nos e deixa-nos de imediato em êxtase.

“Vamos para lá dentro de uns poucos dias, sabe? Já saltou no Naghol?” (cerimónia de iniciação em que os jovens se lançam de torres feitas de troncos) perguntamos-lhe ansiosos. “Saltei uma vez, aos meus 19 anos e chegou. Aquilo não é para todos nem para todos os meses. Se bem que agora parece que alguns rapazes saltam mais vezes, coitados.”

Esperavam-nos três horas de caminho entre coqueirais e floresta cerrada, numa via paralela ao litoral leste que, de estrada, só teria o título. Harry percorria-a vezes sem conta. Já quase não sentia a turbulência legada pela época das chuvas mas estava consciente o quanto os solavancos afectavam a coluna dos passageiros.

Vacas em Espiritu Santo, Vanuatu

Manada de vacas num pasto a norte de Luganville, a capital da ilha de Espiritu Santo.

Uma vez que a pressa era relativa, num confim do mundo melanésio excêntrico e exótico como aquele, tudo e mais alguma coisa nos deslumbrava. Ao mínimo pretexto, interrompemos a viagem para curtas escalas temáticas e fotográficas.

Pelo Litoral de Santo Acima

Tomamos a Canal Road. Passamos pelo aeroporto Santo-Peko em que tínhamos aterrado chegados de Port Villa. Avançamos ao longo da Baía de Palikulo até darmos com Surunda. Por altura de Saraotou, o canal há muito que ficou para trás e a estrada já não merece sequer um nome. Ou um código que seja.

A vegetação sortida cede lugar a grandes plantações de coqueiros plantados com geometria. Uns quilómetros depois, um cheiro a óleo de coco cozinhado empesta a atmosfera. A precisarmos de desentorpecer as pernas, apuramos com Harry o engenho que gerava o fumo e o odor.

Trabalhador mostra noz de coco, em Espiritu Santo, Vanuatu

Nativo num armazem de secagem de coco, a norte de Luganville, a capital de Espiritu Santo.

Harry lida o caminho até um armazém básico, semi-aberto, desprovido de iluminação artificial. Subimos uma escada mal-amanhada de madeira. No nível superior, vemos uma vastidão de noz de coco, já separada da casca e em secagem. Harry encontra o trabalhador da fabriqueta e este dá-nos as boas-vindas.

Explica-nos que lá processam tanto a copra – a fibra resistente produzida a partir das cascas – como polpa, neste caso, para os mais distintos fins alimentares.

A conversa flui mas Harry impede que se estenda em demasia. Satisfeito pela inesperada companhia, o trabalhador lava uns nacos de coco e oferece-os para a viagem. Àquela hora, entre o pequeno-almoço e um distante almoço, o presente tem óptima aceitação. Some-se em três tempos.

Despedimo-nos. Deixamo-lo entregue à sua labuta. Regressamos à via litorânea de Espiritu Santo. Aqui e ali, o oceano Pacífico forma braços de mar arenosos que enchem e vazam com as marés. Harry tinha em mente descontrairmos numa lagoa ainda melhor.

Guia Henry rema numa canoa, junto ao Blue Hole de Matevulu

Sara Wong braceja nas águas azuladas do blue-hole de Matevulu.

O Revivalismo Possível da Guerra do Pacífico

Antes disso, leva-nos a ver uma das muitas heranças deixadas pelos americanos quando a 2ª Guerra Mundial se travou contra os Japoneses por todo o Pacífico e também nestas paragens. “Reparem que apesar das décadas passadas e da invasão da vegetação, esta pista está em muito melhores condições que a estrada em que seguimos, quem nos dera que os americanos tivessem construído mais coisas” desabafa Harry.

A pista estava limitada a uma vastidão que, mesmo sendo de uma mistura de betão e asfalto, alguma vegetação tropical arbustiva já invadira. Tinha um interesse sobretudo histórico que Harry pouco ou nada nos conseguia explicar.

Na prática, Vanuatu e Espiritu Santo, em particular, provaram-se determinantes no sucesso dos Estados Unidos em barrar o avanço dos japoneses. Como parte do esforço logístico dos americanos, foram construídos na ilha quarenta cinemas, quatro hospitais militares, cinco aeródromos, uma base de torpedeiros, oficinas e aquartelamentos. Uma parte reduzida destas infra-estruturas continua a beneficiar a ilha.

O exército nipónico manteve-se inexorável até 1942, quando conquistou os territórios da Papua Nova Guiné e das ilhas Salomão. Foi finalmente travado nas Batalhas do Mar de Coral e de Midway e obrigado a recuar.

Por três anos, até Setembro de 1945, em certas ocasiões, cerca de cem navios e mais de meio milhão de militares esperaram, em Espiritu Santo, pela sua vez de participar.

Um deles foi James A. Michener, um escritor que aproveitou a inércia para escrever “Tales of the South Pacific”, uma sequência de histórias e peripécias parte delas vividas em Espiritu Santo. Esta obra que conquistou um Prémio Pulitzer inspirou o famoso musical “South Pacific”.

Terminado o conflito, vários navios naufragados incluindo o USS President Coolidge – um enorme paquete de luxo convertido que embateu numa mina “amiga” –  e as toneladas de material de guerra afundados no chamado Million Dollar Point, ainda contribuem para a crescente indústria do mergulho de Espiritu Santo.

Na Demanda dos Buracos Azuis

Na mesma estrada que conhecia de cor e salteado, Harry desvia e conduz-nos ao Blue Hole de Matevulu. Caminhamos por uma mancha de floresta tropical mais densa. Ao fim de algum tempo, uma abertura na profusão arbórea desvenda-nos uma lagoa com água cristalina, de um azul-turquesa escuro salpicado por folhas amareladas.

Além de árvores frondosas, envolve-a mais um dos paredões verde-claros de glória-da-manhã tão característicos de Vanuatu. Examinamos o buraco azul por algum tempo. Com a tarde no fim, o sol a pique, a torrar-nos a pele, não resistimos por muito tempo.

Despimos a pouca roupa que trazemos. Metemos o pé, só como descargo de consciência. Entramos cada um ao seu ritmo e descomprimimos os corpos e as mentes naquele enigmático SPA do Pacífico do Sul. Boiamos, nadamos. Voltamos a boiar. Inspeccionamos as margens pejadas de raízes e, em vão, o leito distante que não chegamos a avistar.

Banho refrescante no Blue-hole de Matevulu.

Sara Wong braceja nas águas azuladas do blue-hole de Matevulu.

A determinada altura, a Sara é picada num dedo por um insecto qualquer de aspecto vesposo. A dor não alastra muito mas intensifica-se. Torna-se suficiente para nos interromper o deleite. De qualquer maneira, aquele não seria o último Blue Hole de Espiritu Santo em que mergulharíamos.

Nascentes de Água Enigmáticas e Irresistíveis

Os Blue Holes de Santo formam-se quando lençóis de água subterrâneos originários das cordilheiras ocidentais da ilha emergem como nascentes poderosas.

Estas nascentes moldam o seu caminho para a superfície na rocha calcária suave. Por norma, talham as lagoas circulares ou quase circulares há muito abundantes. Em simultâneo, no seu percurso subterrâneo, a água é filtrada pelo calcário. Torna-se pura e cristalina. A profundidade e a incidência da luz, azula-a.

Quarenta quilómetros para norte de Matevulu, mas ainda na província de Sanma, existe ainda o Blue Hole de Nanda, preparado pelos donos tribais ni-vanuatu para acolher visitantes, com passadiços, um bar e cordas baloiço. O de Riri fica só uns poucos quilómetros para sul.

Desde que a maré esteja cheia, também é acessível de canoa tradicional, por um braço de mar inundado de mangues e em que pendem lianas humedecidas. Da beira-mar de Espiritu Santo em que começam tais aventuras, vislumbramos a silhueta de Ambae que inspirou a ilha fictícia e inalcançável de Bali Ha’i, também ela criação literária de James A. Michener.

Novo dia, Novos Cenários: Bokissa e Malo

Até ao fim dessa tarde, seguimos até à Champagne Beach e regressámos a Luganville. Na manhã seguinte, mudamo-nos para Bokissa, uma pequena ilha a sul de Espiritu Santo. Instalamo-nos num resort monopolista, gerido com mão-de-ferro por uma proprietária australiana austera.

O hotel em si pouco tem que nos interesse. Em vez de por lá nos arrastarmos, saímos bem cedo num percurso de caiaque, à descoberta dos canais e manguezais em volta.

Canal da ilha de Malo, Vanuatu

Canal de vegetação tropical e muito manguezal que conduz ao Blue Hole de Malo.

A leste, temos a ilha de Tutuba. A oeste, a de Aore. Rockys, o guia ni vanuatu desta empreitada, informa-nos com um grande sorriso alvo, quanto alvo podia ser, que íamos zarpar em direcção a sudoeste e que a distância era muita, pelo que começaríamos de barco.

Do Mar Aberto ao Mangue Cerrado

Dito e feito. Embarcamos numa lancha veloz, na companhia de Katie e Jamie, um casal aussie bem disposto, em lua de mel. Navegamos a grande velocidade sobre um mar ciano e liso que parece apertado pelo quase lilás do céu carregado de humidade.

Barco sobrelotado ao largo de Espiritu Santo, Vanuatu

Barco sobrelotado sulca o mar entre Espiritu Santo e Malo.

Durante um bom tempo, não vemos vivalma. Sem que o já esperássemos, passamos por uma embarcação amarela que mais nos parecia uma gaivota recreativa, daquelas a pedais.

O barco segue à pinha. Devagar e instável a condizer. Habituados a viagens naqueles preparos, os passageiros saúdam-nos com a alegria e boa-vontade que nenhum ni-vanuatu precisa de simular.

Do mar aberto, chegamos a um ponto em que Aore e Malo quase se tocam e formam um canal. Rockys aproxima-nos do litoral arenoso de Malo, de uma zona em que a ilha surge como que rasgada e tem ao largo uma pequena sub-ilha. A lancha fica ancorada por ali. Retiramos os caiaques.

Continuamos a jornada pelo rio Malo acima, desta feita, à pagaiada. Avançamos por um manguezal apertado envolto de selva densa, de tal forma intrincada que o matagal nos chega a barrar o progresso.

A espaços, o canal reabre. Numa destas secções desafogadas, a “gaivota amarela” que tínhamos cruzado, passa por nós e volta a saudar-nos como se fosse a primeira vez.

Barco sobrelotado entre Espiritu Santo e Malo, Vanuatu

Barco carregado de nativos no caminho do blue hole de Malo

O Blue Hole Furtivo de Malo

Rockys lidera a excursão com entusiasmo. Percebemos que é do seu agrado aquela evasão. Do céu aberto, regressamos a novo aperto vegetal claustrofóbico. “Preparem-se para o que aí vem!” avisa-nos o guia.”

Vencido um derradeiro conjunto, entramos numa  grande lagoa de águas similares às de Matevulu mas cercada de uma enorme muralha viçosa de glória-da-manhã. Damos uma volta lenta a repousarmos do esforço e reconhecermos o lugar.

Caiaquers no blue-hole de Malo, ao largo de Espiritu Santo.

Passeio de caiaque no blue hole de Malo, ao largo da ilha homónima.

Logo, Rockys convida-nos a segui-lo. Leva-nos até uma enorme árvore com troncos e ramos desdobrados na horizontal. O guia tira a t-shirt e exibe o seu portentoso físico melanésio.

Chega a um extremo estratégico de um tronco e mergulha para o azul da lagoa. Nós os quatro, nem sequer hesitamos. Rendemo-nos à gravidade e enfiamo-nos na água.

Nativo sobre uma árvore do Blue Hole de Malo.

Guia Rockys prepara-se para mergulhar nas águas profundas do Blue Hole de Malo.

Também o tempo jogava a nosso favor. Nadamos, chapinhamos, boiamos e conversamos naquele outro blue hole até as peles nos encarquilharem.

Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.

Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a "Survivor"

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.

Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais

Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
Picos florestados, Huang Shan, China, Anhui, Montanha Amarela dos Picos Flutuantes
Parques nacionais
Huang Shan, China

Huang Shan: as Montanhas Amarelas dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos das montanhas amarelas e flutuantes de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas da China sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
A pequena-grande Senglea
Arquitectura & Design

Senglea, Malta

A Cidade com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.

O pequeno farol de Kallur, destacado no relevo caprichoso do norte da ilha de Kalsoy.
Aventura
Kalsoy, Ilhas Faroé

Um Farol no Fim do Mundo Faroês

Kalsoy é uma das ilhas mais isoladas do arquipélago das faroés. Também tratada por “a flauta” devido à forma longilínea e aos muitos túneis que a servem, habitam-na meros 75 habitantes. Muitos menos que os forasteiros que a visitam todos os anos atraídos pelo deslumbre boreal do seu farol de Kallur.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cerimónias e Festividades
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Horta, Faial, Cidade que dá o Norte ao Atlântico
Cidades
Horta, Açores

A Cidade que Dá o Norte ao Atlântico

A comunidade mundial de velejadores conhece bem o alívio e a felicidade de vislumbrar a montanha do Pico e, logo, o Faial e o acolhimento da baía da Horta e do Peter Café Sport. O regozijo não se fica por aí. Na cidade e em redor, há um casario alvo e uma efusão verdejante e vulcânica que deslumbra quem chegou tão longe.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cultura
Espectáculos

O Mundo em Cena

Um pouco por todo o Mundo, cada nação, região ou povoação e até bairro tem a sua cultura. Em viagem, nada é mais recompensador do que admirar, ao vivo e in loco, o que as torna únicas.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Casal Gótico
Em Viagem

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Entusiasmo Vermelho
Étnico

Lijiang e Yangshuo, China

Uma China Impressionante

Um dos mais conceituados realizadores asiáticos, Zhang Yimou dedicou-se às grandes produções ao ar livre e foi o co-autor das cerimónias mediáticas dos J.O. de Pequim. Mas Yimou também é responsável por “Impressions”, uma série de encenações não menos polémicas com palco em lugares emblemáticos. 

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Hotel à moda Tayrona
História

Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.  

Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Ilhas
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Surfspotting
Natureza

Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Parques Naturais
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
As Cores da Ilha Elefante
Património Mundial UNESCO

Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.

Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Praias
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Religião
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
A Toy Train story
Sobre carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Acolhedora Vegas
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.