Wala, Vanuatu

Cruzeiro à Vista, a Feira Assenta Arraiais


De partida
Habitantes de Malekula e outras ilhas em redor deixam Wala com o cruzeiro em fundo.
Um meio-amuo
Criança observa um grupo de mulheres nativas enquanto posam para a fotografia.
Arte balnear
Mulher presente na feira de Wala giza desenhos geométricos no areal da ilha.
Floresta melanésia
Selva encharcada de Malekula, uma das ilhas do grande arquipélago de Vanuatu.
Uma certa curiosidade
Crianças agrupadas sobre um abrigo enquanto uma chuva leve cai sobre a praia.
Um embarque ordeiro
Vendedores e outros participantes na feira preparam-se para navegar de Wala, arquipélago de Vanuatu.
Ursinho de Vanuatu
Mulher segura criança com traje felpudo de ursinho.
Ilhas da chuva
Névoa paira sobre pequenos ilhéus em redor de Malekula, Vanuatu.
Num caminho ensopado
Mulheres nativas numa clareira lamacenta nas imediações da feira.
Tempo de câmbio
Nativos fazem fila para trocar os dólares deixados pelos visitantes australianos, neozelandeses e outros por vatus, a moeda de Vanuatu.
Gerações de amarelo
Pai e filho alourado junto à beira-mar de Wala, Vanuatu.
Depois do fecho
Nativas com os seus grandes sacos com produtos que levam para o mercadinho de Wala, Vanuatu.
Bar Ser Ser
A banca do mercado encarregue de dar a provar a kava (a bebida tradicional das nações da Melanésia e de Vanuatu) aos passageiros dos ferries.
Chefes ni Vanuatu
Chefes Tribais de Malekula-Wala
Guerreiros ni Vanuatu
Dois jovens guerreiros exibem os trajes bélicos ni vanuatu.
Em grande parte de Vanuatu, os dias de “bons selvagens” da população ficaram para trás. Em tempos incompreendido e negligenciado, o dinheiro ganhou valor. E quando os grandes navios com turistas chegam ao largo de Malekuka, os nativos concentram-se em Wala e em facturar.

Por esses dias, andávamos a explorar a ilha de Malekula e o seu ex-canibalismo.

O guia que nos orientava na ilha vem com uma conversa de que devíamos visitar a sua Wala, que ficava a apenas 15 minutos de barco de Rose Bay, a povoação em que estávamos baseados. “Este fim-de-semana, é lá que tudo acontece!” alerta-nos. Mesmo sem percebermos nem como nem porquê, quem éramos nós para duvidar.

George concede-nos pouco mais que uma dezena de minutos: “Rapazes, sei que as pernas ainda vos devem arder mas o mercado já lá está há um bom tempo. Não tarda, começam a arrumar tudo”.

Deixamos a pousada e voltamos à marcha. Seguimos o guia por caminhos da orla da selva e vilarejos. Cruzamos campos improvisados de petanca em que alguns adolescentes acompanham o rolar criterioso das suas esferas.

Por fim, alcançamos um pequeno ancoradouro em que o barqueiro que assegurava as viagens entre Malekula e Wala aguardava por mais passageiros.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Mercadorias

Nativas com os seus grandes sacos com produtos que levam para o mercadinho de Wala, Vanuatu.

Wala. Uma Amostra de Ilha que Conquistou os Cruzeiros

Wala não passa de uma amostra de ilha. Por uma qualquer coincidência do destino, calhou que se visse na rota dos grandes cruzeiros que partem das maiores urbes australianas e neozelandesas rumo a leste.

Os roteiros destas autênticas cidades flutuantes levam os passageiros a desembarcar em Port Vila, a capital de Vanuatu, em Apia e Pago Pago, capitais das duas Samoas, ainda em lugares de Tonga, de Fiji e de outros arquipélagos-nação do Pacífico do Sul.

Em Vanuatu, os passageiros também são levados a desembarcar numa tal de Champagne Bay, na ilha de Espiritu Santo.

Trata-se de uma das praias realmente divinais do país. Várias empresas de turismo ofereceram já milhões ao seu proprietário secular para lá erguer infraestruturas de acolhimento aos seus clientes.

Por sorte, os ni-vanuatu com mais idade continuam a respeitar o amor supremo pela posse geracional de terras. As ofertas são rechaçadas uma atrás das outras.

Algo semelhante mas, à sua maneira, também distinto, se passa com Wala. Na Champagne Bay, o proprietário ou familiares permanecem à entrada de quem chega por terra e cobram os seus próprios ingressos.

O mesmo acontece quando as lanchas e bateis dos cruzeiros desembarcam centenas de passageiros ansiosos por se evadir de bordo e se banharem nas águas ali irresistíveis do Pacífico.

Já os habitantes de Wala e da ilha-mãe Malekula, continuam a queixar-se de que nunca viram qualquer benefício das taxas pagas pelas empresas ao governo de Vanuatu para poderem atracar ao largo da ilha.

São frequentes as reportagens de publicações australianas que abordam o tema e questionam porque os políticos da nação vivem no luxo quando as populações dos lugares visados não chegam a ter ideia de como se somem os proveitos originados com as visitas dos cruzeiros.

Um Deslumbre Étnico-Cultural

Enquanto aguardam pela resposta fazem o que podem para lucrar do contacto directo com os passageiros. Estes, por sua vez, veem-nos como autênticos fenómenos antropológicos, espécimes humanos, como pensavam já não existirem.

Uns poucos ni-vanuatu de Wala já estão na própria ilha, só têm que instalar as suas bancas ou afins. Outros, vêm de aldeias tribais dos confins luxuriantes e ensopados de Malekula.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Ilhas da chuva

Névoa paira sobre pequenos ilhéus em redor de Malekula, Vanuatu.

Chegam, aos poucos, às imediações de Walarano, uma comunidade tradicional da costa nordeste de Malekula próxima de Wala.

Por ali, tal como George nos instruiu a fazermos, entram a bordo de pequenos barcos que cumprem permanente vaivéns entre ambas as ilhas. Aliás, quando cumprimos a travessia para o destino final, temos a companhia de vários deles que nos observam intrigados por seguirmos aquela rota, por norma, não usada pelos estrangeiros.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Gerações de amarelo

Pai e filho alourado junto à beira-mar de Wala, Vanuatu.

O barqueiro dá sinal de partida bem antes de a lotação lotar. Assim que a embarcação contorna uma reentrância da ilha, abre-se a vista para um braço de mar de que se destaca um gigantesco navio-cruzeiro.

Inesperada no panorama civilizacional de Vanuatu, a visão afecta-nos como uma miragem em que somos forçados a acreditar.

“Agora, vêm cá quase todas as semanas!” adianta George satisfeito. “o pessoal de Malekula organiza-se para os receber … “ completa com recurso ao popular gesto do dinheiro. “Estão a compreender-me não estão?”

Pouco tempo depois de o confirmarmos, desembarcamos. A tarde mantém-se cinzenta e húmida. De quando em quando, cai uma chuva miudinha quente que volta a molhar a areia coralífera e satura a floresta tropical.

Périplo pela Feira de Beira-Mar de Wala

“Venham aqui primeiro! “convoca-nos George e desvia-nos do areal para caminhos internos mais que molhados, enlameados. “Eles aqui fazem exibições de danças tradicionais para os forasteiros apreciarem. Se nos despacharmos, consigo que vos mostrem algumas.” Andamos umas centenas de metros.

Chegamos a uma longa avenida aberta na selva, desafogada mas que, mesmo assim, os ramos mais altos das árvores limítrofes se apressaram a cobrir. Lá encontramos um grupo de nativos pouco trajados a rigor para os pequenos espectáculos ao ar livre de que nos falara o guia.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, mulheres trajes kastom

Criança observa um grupo de mulheres nativas enquanto posam para a fotografia.

Mulheres cobertas de enormes colares de missangas e outros adornos vegetais seguram grandes folhas de plantas e ramalhetes de outras mais diminutas. George apresenta-nos da forma cerimoniosa que a cultura kastom ni-vanuatu requer.

Uma Exibição Balnear da Cultura Kastom

Apesar de já algo desconfortáveis devido à temperatura algo mais baixa que se fazia sentir, as mulheres concordam em nos conceder uma derradeira dança. Dispõem-se a condizer e, ao sinal de uma com mais idade, levam a cabo uma graciosa coreografia ondulante que simbolizava a importância das suas aptidões na tribo.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Mulheres

Mulheres nativas numa clareira lamacenta nas imediações da feira.

Alguns metros ao lado, George volta a anunciar a nossa presença, desta feita, a um clã de jovens guerreiros armados com pagaias de madeira pintadas com motivos da tribo a que pertencem. Também eles se entregam às posições tantas vezes ensaiadas.

De pé, simulam que remam a bordo de uma canoa e movimentam as pagaias de acordo, gestos que acompanham com cânticos guerreiros.

Big Nambas vs Small Nambas

Um casal de idosos aparece do nada. George recebe-os com especial reverência. “São chefes Big Nambas (tribos em que os homens usam coberturas vegetais do pénis maiores, por contraponto aos Small Nambas) já há muito tempo.

Vanuatu, Cruzeiro em Malekula, Chefes

Chefes Tribais de Malekula-Wala

São eles que concedem a permissão final para tudo isto.” Cumprimentamos suas excelências que quase não falam inglês. George resume-lhes a missão que cumpríamos e o que nos diferenciava dos visitantes do cruzeiro. Volta a saudá-los e anuncia-lhes que vamos espreitar a feira.

Os chefes sorriem em aparente aprovação pelo que voltamos ao areal numa confortável harmonia diplomática.

O cruzeiro resiste, fundeado à saída para o grande Pacífico. Com o tempo para ali permanecerem contado, alguns dos seus passageiros em terra fotografam nativos com visível ansiedade.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Ursinho de Vanuatu

Mulher segura criança com traje felpudo de ursinho.

Ziguezagueamos entre eles e as bancas dos nativos. Encontramos um pouco de tudo naquela estranha feira balnear: artesanato, cerveja nacional e churrascos, fruta tropical pronta a comer e a já esperada kava, a bebida tradicional da Melanésia.

George lembra-se de oficializar as nossas boas-vindas a Wala.

O Ritual de Boas-Vindas Incontornável de Vanuatu: a Kava

Conduz-nos ao botequim residente da bebida, identificado como por todo o arquipélago por uma placa de SerSer. O barman de serviço aparece de óculos muito escuros, ou já inebriado pelo seu próprio produto ou por mera opção estética.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Bar Ser Ser

A banca do mercado encarregue de dar a provar a kava (a bebida tradicional das nações da Melanésia e de Vanuatu) aos passageiros dos ferries.

Fosse como fosse, serve-nos a kava a nós e a George, em metades de pequenos cocos. George abrevia os procedimentos de bem-vinda de estrangeiros, habituais em Vanuatu, como em Fiji e noutras partes da Melanésia.

Deitamos a bebida abaixo e arrepiamo-nos com a amargura das suas raízes esmagadas.

Seria só a primeira de outras más caras que nos viria a provocar durante o longo périplo por aquelas paragens.

Nos últimos tempos, a oferta mais lucrativa da feira parecia ser a cultural. As suas distintas modalidades estavam um pouco por toda a parte. Uma mulher cercada de curiosos, rabiscava grafismos geométricos na areia, a grande velocidade.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, Arte balnear

Mulher presente na feira de Wala giza desenhos geométricos no areal da ilha.

Outra, levava a cabo previsões místicas do futuro.

Outra ainda exibia um morcego da fruta dependurado num ramo apenas com uma pata, cuidadosamente agasalhado – outra pata incluída – dentro das asas membranosas enquanto captava no seu pequeno radar cerebral, a acção em redor.

Várias outras atracções se sucediam, numa abundância tal que mantinha os passageiros do cruzeiro fascinados e deleitados. Libertavam-se, assim, da monotonia da navegação.

Em simultâneo, alimentavam a frágil economia local.

O Banco-Palhota Instalado para Converter Moeda Estrangeira em Vatus

Quando terminavam de vender os seus produtos e serviços, os comerciantes de Malekula e Wala – que aceitavam tanto dólares australianos, neozelandeses e americanos como Euros – convertiam, de imediato, os proveitos do dia.

Faziam-no ao ritmo a que avançava uma fila alinhada em frente da agência local do “National Bank, Vanuatu’s Own Bank” assim versava placa amarela que o assinalava. Em mais de quatro décadas de vida, nunca tínhamos visto uma fila nem tão comprimida nem tão garrida.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala, National Bank

Nativos fazem fila para trocar os dólares deixados pelos visitantes australianos, neozelandeses e outros por vatus, a moeda de Vanuatu.

Mesmo se desnecessário, o aperto não parecia importunar os clientes que aguardavam colados, coladinhos aos vizinhos da frente. As mulheres, em particular, faziam-no dentro de vestidos de cores e padrões do mais vivo que se possa imaginar.

O alvo da sua espera, era a palhota bancária que lhes permitia trocar o numerário estrangeiro, por vatus, a bem mais familiar moeda oficial de Vanuatu.

Com o culminar do entardecer, a influência meteorológica do sol por detrás das nuvens enfraqueceu e a chuva voltou a apoderar-se de todo aquele cenário.

Vanuatu, Cruzeiro em Wala

Habitantes de Malekula e outras ilhas em redor deixam Wala com o cruzeiro em fundo.

Quando regressámos a Rose Bay, ainda vimos muitos dos participantes a cumprirem travessias para mais longe, acumulados em pequenas embarcações à pinha.

Os visitantes de Wala sumiram-se no interior do cruzeiro. O cruzeiro não tardou a sumir-se no horizonte longínquo do Pacífico do Sul.

Viti Levu, Fiji

Canibalismo e Cabelo, Velhos Passatempos de Viti Levu, ilhas Fiji

Durante 2500 anos, a antropofagia fez parte do quotidiano de Fiji. Nos séculos mais recentes, a prática foi adornada por um fascinante culto capilar. Por sorte, só subsistem vestígios da última moda.
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Espiritu Santo, Vanuatu

Os Blue Holes Misteriosos de Espiritu Santo

A humanidade rejubilou, há pouco tempo, com a primeira fotografia de um buraco negro. Em jeito de resposta, decidimos celebrar o que de melhor temos cá na Terra. Este artigo é dedicado aos blue holes de uma das ilhas abençoadas de Vanuatu.
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol de Pentecostes: Bungee Jumping para Homens a Sério

Em 1995, o povo de Pentecostes ameaçou processar as empresas de desportos radicais por lhes terem roubado o ritual Naghol. Em termos de audácia, a imitação elástica fica muito aquém do original.
Efate, Vanuatu

A Ilha que Sobreviveu a "Survivor"

Grande parte de Vanuatu vive num abençoado estado pós-selvagem. Talvez por isso, reality shows em que competem aspirantes a Robinson Crusoes instalaram-se uns atrás dos outros na sua ilha mais acessível e notória. Já algo atordoada pelo fenómeno do turismo convencional, Efate também teve que lhes resistir.
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Grande Terre, Nova Caledónia

O Grande Calhau do Pacífico do Sul

James Cook baptizou assim a longínqua Nova Caledónia porque o fez lembrar a Escócia do seu pai, já os colonos franceses foram menos românticos. Prendados com uma das maiores reservas de níquel do mundo, chamaram Le Caillou à ilha-mãe do arquipélago. Nem a sua mineração obsta a que seja um dos mais deslumbrantes retalhos de Terra da Oceânia.
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Lifou, Ilhas Lealdade

A Maior das Lealdades

Lifou é a ilha do meio das três que formam o arquipélago semi-francófono ao largo da Nova Caledónia. Dentro de algum tempo, os nativos kanak decidirão se querem o seu paraíso independente da longínqua metrópole.
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Circuito Annapurna, Manang a Yak-kharka
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 10º: Manang a Yak Kharka, Nepal

A Caminho das Terras (Mais) Altas dos Annapurnas

Após uma pausa de aclimatização na civilização quase urbana de Manang (3519 m), voltamos a progredir na ascensão para o zénite de Thorong La (5416 m). Nesse dia, atingimos o lugarejo de Yak Kharka, aos 4018 m, um bom ponto de partida para os acampamentos na base do grande desfiladeiro.
Bertie em calhambeque, Napier, Nova Zelândia
Arquitectura & Design
Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cerimónias e Festividades
Apia, Samoa Ocidental

Fia Fia – Folclore Polinésio de Alta Rotação

Da Nova Zelândia à Ilha da Páscoa e daqui ao Havai, contam-se muitas variações de danças polinésias. As noites samoanas de Fia Fia, em particular, são animadas por um dos estilos mais acelerados.
Vittoriosa, Birgu, Malta, Waterfront, Marina
Cidades
Birgu, Malta

À Conquista da Cidade Vittoriosa

Vittoriosa é a mais antiga das Três Cidades de Malta, quartel-general dos Cavaleiros Hospitalários e, de 1530 a 1571, a sua capital. A resistência que ofereceu aos Otomanos no Grande Cerco de Malta manteve a ilha cristã. Mesmo se, mais tarde, Valletta lhe tomou o protagonismo administrativo e político, a velha Birgu resplandece de glória histórica.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cansaço em tons de verde
Cultura
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Caiaquer no lago Sinclair, Cradle Mountain - Lake Sinclair National Park, Tasmania, Austrália
Em Viagem
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
Pequena súbdita
Étnico

Hampi, India

À Descoberta do Antigo Reino de Bisnaga

Em 1565, o império hindu de Vijayanagar sucumbiu a ataques inimigos. 45 anos antes, já tinha sido vítima da aportuguesação do seu nome por dois aventureiros portugueses que o revelaram ao Ocidente.

portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Embaixada, Nikko, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão
História
Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa

Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.
Teleférico Achadas da Cruz à Quebrada Nova, Ilha da Madeira, Portugal
Ilhas
Paul do Mar a Ponta do Pargo a Achadas da Cruz, Madeira, Portugal

À Descoberta da Finisterra Madeirense

Curva atrás de curva, túnel atrás de túnel, chegamos ao sul solarengo e festivo de Paul do Mar. Arrepiamo-nos com a descida ao retiro vertiginoso das Achadas da Cruz. Voltamos a ascender e deslumbramo-nos com o cabo derradeiro de Ponta do Pargo. Tudo isto, nos confins ocidentais da Madeira.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Cumbre Vieja, La Palma, erupção, Tsunami,Um Apocalipse Televisionado
Natureza
La Palma, CanáriasEspanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Parques Naturais
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Património Mundial UNESCO
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Cabo Ledo Angola, moxixeiros
Praias
Cabo Ledo, Angola

O Cabo Ledo e a Baía do Regozijo

A apenas a 120km a sul de Luanda, vagas do Atlântico caprichosas e falésias coroadas de moxixeiros disputam a terra de musseque. Partilham a grande enseada forasteiros rendidos ao cenário e os angolanos residentes que o mar generoso há muito sustenta.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Train Fianarantsoa a Manakara, TGV Malgaxe, locomotiva
Sobre Carris
Fianarantsoa-Manakara, Madagáscar

A Bordo do TGV Malgaxe

Partimos de Fianarantsoa às 7a.m. Só às 3 da madrugada seguinte completámos os 170km para Manakara. Os nativos chamam a este comboio quase secular Train Grandes Vibrations. Durante a longa viagem, sentimos, bem fortes, as do coração de Madagáscar.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Vida Selvagem
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.