Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil

No Coração Ardente da América do Sul


O Centro Geodésico da América do Sul
Cachoeira Véu de Noiva
O Bus do Circuito das Grutas
Gruta Lagoa Azul
O Fundo do Véu
Cores do Casario
Igreja Nª Srª Igreja Santana Sacramento
Cachoeirinha
Caverna Kiogo Brado
Outra Cachoeira
Selva Encharcada
Duches Naturais
Onça Estatual
Igreja Nª Srª Santana do Sacramento
Gruta Aroe Jari
Perus da Fazenda Buriti
O Pocinho do Amor
Força Descomunal
O Centro Geodésico II
Foi só em 1909 que o centro geodésico sul-americano foi apurado por Cândido Rondon, um marechal brasileiro. Hoje, fica na cidade de Cuiabá. Tem nas imediações, os cenários deslumbrantes mas demasiado combustíveis da Chapada dos Guimarães.

Em plena época seca e o calor a apertar, as chuvas tinham migrado para outras partes.

Diversas queimadas rurais alastravam à distância e os incêndios propagavam-se em áreas de que não deviam sequer aproximar-se.

Percorremos o trilho que conduz à cachoeira Véu de Noiva. Cruzamo-nos com bombeiros, uns, derreados, a regressarem da frente de chamas. Outros, enfiados no uniforme amarelo-algo-espacial em que combatem os soldados da paz brasileiros, a saudarem os colegas e a deles pedirem orientações para melhor lidarem com o inferno que os esperava.

Em boa parte do vasto Cerrado, os incêndios acontecem apenas e só porque sim. Ardem até Deus lhes por cobro, por exaustão ou uma chuva extemporânea.

Por estes lados que explorávamos, o Cerrado não podia ser deixado ao Deus-dará.

A cachoeira Véu de Noiva local é a vedeta paisagística de um domínio de tal maneira especial que as autoridades o decretaram parque nacional, com a responsabilidade de preservação que tal título acarreta.

Quando, após passarmos por vários bombeiros mais, chegamos por fim ao miradouro, deslumbramo-nos com a vista por diante.

Percebemos, de imediato, a reverência que conquistou.

A Visão Descomunal da Cachoeira Véu da Noiva

Do nada, o Cerrado surge encurralado num beco sem saída geológico, em forma de U aberto, feito de pedra rosada. Dali, o cenário torna-se tridimensional. Vemos o verdejante e frondoso no fundo do inesperado desfiladeiro.

Acima, entre o céu e o tecto rochoso, uma floresta mais rarefeita e ressequida que se estende até a névoa a engolir.

E a unir os dois níveis, uma torrente em queda de 86 metros, devido ao estio, com caudal reduzido, mas que o vento tornava ondulante.

Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil, cachoeira Véu de Noiva

Elias Silva, o guia anfitrião, faz-nos notar como o fumo se dispersava e sufocava a imensidão em redor.

“Num tempo normal, até poderíamos ir explorar a Cidade da Pedra que está lá longe. Assim, vamos antes caminhar pelo trilho das cachoeiras.“

Dito e feito. Mas insatisfeitos. Por comparação com o salto de água inicial, as quedas d’água e cascatas que se seguiram revelaram-se amostras de banalidade.

Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil, outra cachoeira

Aceleramos o passo. Deixamos o parque mais cedo que o previsto.

Rumo à cidade de Chapada de Guimarães que serve de polo urbano ao parque homónimo.

Ali, damos entrada numa pousada.

A Cidade de Chapada dos Guimarães, ex- Serra Acima

Voltamos a sair à descoberta da pequena povoação, que, tal como esperado, encontramos organizada em redor de uma praça frondosa e da igreja colonial azul e branca de Nª Srª de Santana do Sacramento, erguida, em 1726, agora, ladeada de um jacarandá frondoso.

Apreciamos o casario térreo multicolor, ocupado por lojinhas de artesanato e recordações, lanchonetes e estabelecimentos afins.

Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil

E uma série de “orelhões” em forma dos animais emblemáticos do cerrado, a arara, a onça e outros.

Nos seus primórdios coloniais, o esboço desta povoação existiu conhecido por “Serra Acima”, um acampamento de indígenas Chiquitos, situado a 800m de altitude.

O Passado Mineiro de Serra Acima, Aprimorada enquanto Chapada dos Guimarães

Fundou-o o primeiro conde da Azambuja e 10º vice-rei do Brasil, António Rolim Tavares. E administrou-o o jesuíta Estevão de Castro, apenas até que a expulsão dos Jesuítas dos territórios portugueses ditada pelo Marquês de Pombal, o forçou a debandar.

Serra Acima evoluiu. Em 1769, recebeu o nome bem mais pomposo de Santa Anna da Chapada dos Guimarães Miramar, em parte, como homenagem à família portuguesa que mais a ela se dedicou.

O povoado cresceu. Enriqueceu a olhos vistos. Fruto do lucro gerado pela prospecção de ouro, primeiro, levada a cabo pelos bandeirantes, logo, por garimpeiros determinados.

Aumentaram ainda os seus proveitos, a produção agrícola e pecuária e os vinte engenhos de aguardente, entretanto estabelecidos.

Em conjunto, a febre do ouro, a abundância de aguardente e a opressão sobre escravos negros e indígenas geraram uma comunidade instável e problemática que, recém-dotados do templo cristão de Santana do Sacramento, os religiosos se esforçavam por domar.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, Igreja Nª Srª Santana do Sacramento

A situação assim se mantinha quando, a partir de 1867, um surto de varíola parido pela Guerra do Paraguai, o intensificar dos ataques dos índios Coroados e, mais tarde, a Abolição da Escravatura, condenaram a Chapada dos Guimarães a um remanso.

A cidade recuperou. Chegou a ser o maior município à face da Terra, com um território de 270 mil km2, entretanto, retalhados entre vários municípios emergentes.

Chapada dos Guimarães, Cidade ainda com Muito de Portuguesa

Hoje, abriga quase vinte mil chapadenses. Até 2015, dois deles eram Vera Lúcia Ramalho (com pais leirienses) e Vinício Correia de Lima, filho de açorianos de Ponta Delgada.

Conheceram-se no Rio de Janeiro. Mais tarde, mudaram-se para a Chapada. Lá fundaram o actual “Estilo Bacalhau e Vinho”, restaurante em que só serviam pratos e especialidades à base do fiel amigo.

Em 2015, Vinício de Lima faleceu. De acordo, já só nos recebeu a sua viúva, contente por ter visitantes da “santa terrinha”, de tal maneira que nos mostra a cozinha e apresenta às empregadas que lá laboravam.

Deliciamo-nos com entradas de bolinhos de bacalhau. E com prato de bacalhau do mais tenro e suculento que alguma vez provámos.

Com o programa do dia seguinte a prever um despertar às sete, cumprida a despedida, regressámos directos à pousada.

O Circuito das Águas da Chapada dos Guimarães

Amanhece enevoado. Não obstante, o guia incumbido de nos abrir caminho e a Elias, Felipe Desidério, pouco se deixa intimidar. Conhecedor da zona, liga os quatro piscas do carro e acelera chapada acima e abaixo.

Em menos de duas horas sinuosas, chegamos a uma tal de Fazenda Buriti, perdida numa zona em tempos de Cerrado denso que, aos poucos, os pastos da boiada, as plantações de soja, de algodão e outras arrasaram.

Ficou a excepção refrescante da mata ciliar, adjacente a cursos e corpos d’água, protegida por lei da ganância e da devastação rural.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, perus

À chegada à fazenda, entre perus, galinhas-de-Angola, araras, cães e gatos, os guias apresentam-nos e a Regiani – uma cliente de Felipe – a Dª Márcia e a Paulo, ambos de apelido Santos, e aos seus filhos de quatro e cinco anos.

Tagarelamos um pouco. A família caipira fica encarregue de preparar um almoço churrasco.

Nós, saímos para o Circuito Águas do Cerrado, em redor do seu sítio, ao longo dos cursos de água e da floresta tropical que os fazendeiros se viram obrigados a poupar. As cascatas pouco nos entusiasmam.

Recompensa-nos o banho tonificante num poço de rio cristalino, em forma de coração e, como tal, conhecido por Pocinho do Amor.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, Pocinho do Amor

Regressamos, esfomeados, quando Márcia e Paulo aprimoravam o churrasco. Durante uma hora, deliciamo-nos com os seus petiscos.

E, em seguida, o Circuito das Cavernas

Em seguida, saímos para novo circuito, desta feita, delineado em função de várias cavernas hiperbólicas ou excêntricas da Chapada.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, autocarro do Circuito das Grutas

Um pequeno autocarro conduz-nos e a outros caminhantes ao início do trilho, arenoso e, a espaços, entregue a uma floresta prodigiosa.

A primeira gruta que encontramos denomina-se Aroe Jari.

Tornou-se a imagem de marca do circuito devido a uma faixa serpenteante de musgo humedecido que, devido à luz que penetra, dá a ideia de um rio superficial.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, Gruta Aroe Jari

Por volta das 4h30 da tarde, os raios solares incidem na entrada da gruta seguinte. Fazem resplandecer o tom turquesa da sua água e justificam o baptismo de Lagoa Azul.

A derradeira caverna, Kiogo Brado, revela-se massiva.

Esconde o seu próprio trilho interno de 764 metros que, percorremos, munidos de frontais, deslumbrados com o grande corredor de saída, apertado entre paredões que a erosão legou com distintos estratos musgosos.

Chapada dos Guimarães, Mato Grosso, Brasil, caverna Kiogo Brado

Regressamos ao ponto de partida com o arrebol a colorir o céu do Cerrado e, já de noite, à base logística de Chapada dos Guimarães.

Nos seus tempos áureos, as terras férteis em redor da Chapada dos Guimarães abasteciam outras cidades do vale do Mato Grosso, sobretudo, Cuiabá.

Nas imediações da Chapada, há um miradouro instalado sobre o lugar equidistante exacto entre os oceanos Atlântico e Pacífico.

Cuiabá e o Centro Geodésico da América do Sul

Em Cuiabá, no entanto, situa-se um ponto com uma importância geográfica superior. Também por lá passamos.

Uma agulha ladrilhada no âmago da Praça Pascoal Moreira Cabral aponta ao firmamento.

Marca o centro geodésico da América do Sul, tal como o determinou, em 1909, o Marechal brasileiro Cândido Rondon.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, centro geodésico da América do Sul

Rondon tornou-se uma figura de tal forma conceituada no Brasil que Rondônia, o estado a noroeste de Mato Grosso e abaixo do imenso Amazonas, foi baptizado em sua honra.

Em tempos, a Praça Pascoal Moreira Cabral foi conhecida como Campo d’Ourique. Lá eram chicoteados os escravos e lá tinham lugar as cavalhadas e touradas.

Muito mais tarde, acolheu a Câmara Municipal de Cuiabá e a Assembleia Legislativa de Mato Grosso.

Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, Marco do Centro Geodésico

O obelisco que examinávamos, surge tanto na bandeira de Cuiabá como no emblema do Cuiabá Esporte Clube.

Apenas uns meses antes da criação deste texto, António Oliveira foi contratado para treinador desse mesmo time. À data, tornou-se o quinto treinador português na época de 2021-2022 a disputar o campeonato principal do Brasil.

Assumiu, assim, o seu próprio papel de destaque no Brasileirão e no tão ou mais escaldante cerne sul-americano.

Serra Dourada, Goiás, Brasil

Onde o Cerrado Ondula Dourado

Um dos tipos de savana da América do Sul, o Cerrado estende-se por mais de um quinto do território brasileiro que abastece de boa parte da água doce. Situado no âmago do Planalto Central e do estado de Goiás, o do Parque Estadual Serra Dourada resplandece a dobrar.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Pirenópolis, Brasil

Uma Pólis nos Pirenéus Sul-Americanos

Minas de Nossa Senhora do Rosário da Meia Ponte foi erguida por bandeirantes portugueses, no auge do Ciclo do Ouro. Por saudosismo, emigrantes provavelmente catalães chamaram à serra em redor de Pireneus. Em 1890, já numa era de independência e de incontáveis helenizações das suas urbes, os brasileiros baptizaram esta cidade colonial de Pirenópolis.
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista

Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Thorong La, Circuito Annapurna, Nepal, foto para a posteridade
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 13º: High Camp - Thorong La - Muktinath, Nepal

No Auge do Circuito dos Annapurnas

Aos 5416m de altitude, o desfiladeiro de Thorong La é o grande desafio e o principal causador de ansiedade do itinerário. Depois de, em Outubro de 2014, ter vitimado 29 montanhistas, cruzá-lo em segurança gera um alívio digno de dupla celebração.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
cowboys oceania, Rodeo, El Caballo, Perth, Australia
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Cidades
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Cultura
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Homer, Alasca, baía Kachemak
Em Viagem
Anchorage a Homer, E.U.A.

Viagem ao Fim da Estrada Alasquense

Se Anchorage se tornou a grande cidade do 49º estado dos E.U.A., Homer, a 350km, é a sua mais famosa estrada sem saída. Os veteranos destas paragens consideram esta estranha língua de terra solo sagrado. Também veneram o facto de, dali, não poderem continuar para lado nenhum.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Étnico
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Ruínas, Port Arthur, Tasmania, Australia
História
À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
Santa Maria, Ilha mãe dos Açores
Ilhas
Santa Maria, Açores

Santa Maria: Ilha Mãe dos Açores Há Só Uma

Foi a primeira do arquipélago a emergir do fundo dos mares, a primeira a ser descoberta, a primeira e única a receber Cristovão Colombo e um Concorde. Estes são alguns dos atributos que fazem de Santa Maria especial. Quando a visitamos, encontramos muitos mais.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Almada Negreiros, Roça Saudade, São Tomé
Literatura
Saudade, São Tomé, São Tomé e Príncipe

Almada Negreiros: da Saudade à Eternidade

Almada Negreiros nasceu, em Abril de 1893, numa roça do interior de São Tomé. À descoberta das suas origens, estimamos que a exuberância luxuriante em que começou a crescer lhe tenha oxigenado a profícua criatividade.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Natureza
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Camiguin, Filipinas, manguezal de Katungan.
Parques Naturais
Camiguin, Filipinas

Uma Ilha de Fogo Rendida à Água

Com mais de vinte cones acima dos 100 metros, a abrupta e luxuriante, Camiguin tem a maior concentração de vulcões que qualquer outra das 7641 ilhas filipinas ou do planeta. Mas, nos últimos tempos, nem o facto de um destes vulcões estar activo tem perturbado a paz da sua vida rural, piscatória e, para gáudio dos forasteiros, fortemente balnear.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Património Mundial UNESCO
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Composição Flam Railway abaixo de uma queda d'água, Noruega
Sobre Carris
Nesbyen a Flam, Noruega

Flam Railway: Noruega Sublime da Primeira à Última Estação

Por estrada e a bordo do Flam Railway, num dos itinerários ferroviários mais íngremes do mundo, chegamos a Flam e à entrada do Sognefjord, o maior, mais profundo e reverenciado dos fiordes da Escandinávia. Do ponto de partida à derradeira estação, confirma-se monumental esta Noruega que desvendamos.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Vida Quotidiana
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Crocodilos, Queensland Tropical Australia Selvagem
Vida Selvagem
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT