Fazenda São João, Miranda, Brasil

Pantanal com o Paraguai à Vista


Travessia entre Jacarés
Três pantaneiros cruzam a lagoa infestada de jacarés da fazenda.
Jacaré Pouco Camuflado
O réptil mais temido do Pantanal a recarregar energias ao sol.
Boiada Intrigada
Vacas desconfiadas pela aproximação de forasteiros do seu pasto.
Pausa para Mate II
Pantaneiros convivem num descanso das tarefas da fazenda.
Mangas a Caminho de Maduras
Mangueira carregada de mangas que estarão maduras com a chegada da estação das chuvas.
Moda Pantaneira
Pantaneiro em trajes tradicionais de trabalho com gado no Pantanal.
Lagarto Camuflado
Outro réptil, semi-camuflado sobre a erva viçosa à beira da lagoa da Fazenda de São João.
fazenda-sao-joao-pantanal-miranda-mato-grosso-sul-brasil-ibises-rosa
Momento Pantaneiro
Pantaneiro da fazenda num momento de descanso e conversa.
Pitéus Pantaneiros
O buffet de comida regional da Fazenda São João.
Alinhamento Íbis
Íbis-escarlates voam a baixa altura, entre o verde do Pantanal.
O Cardeal do Pantanal
Uma das pequenas aves mais exuberantes do Pantanal.
Ocaso Escondido
Sol desce para o horizonte, atrás de galhos e de uma bruma densa causada pelo calor da tarde.
O Convívio das Araras
Araras-azuis convivem à sombra de uma grande árvore.
Um Ocaso Espelhado
Sol poente doura a lagoa da Fazenda de São João.
Sono de Angola
Galinhas-de-Angola dormem sob um telheiro da fazenda.
Quando a fazenda Passo do Lontra decidiu expandir o seu ecoturismo, recrutou a outra fazenda da família, a São João. Mais afastada do rio Miranda, esta outra propriedade revela um Pantanal remoto, na iminência do Paraguai. Do país e do rio homónimo.

Temos a primeira surpresa ainda antes de partirmos.

O guia encarregue de nos acompanhar falava português. Não o típico português “brasileiro”, muito menos o da região do Pantanal. Expressava-se num português africano.

Quando lhe perguntamos o que o tinha levado até aquele interior do Brasil, tão longe da sua Angola, Coutinho conta-nos que o facto de também falar inglês, lhe abriu a perspectiva de por ali trabalhar na fazenda e em turismo.

A oportunidade pareceu-lhe perfeita, até porque ia continuar a viver no calor.

Agarrou-a assim que pôde.

E continuava por ali, entre a Passo do Lontra e a São João. No caminho entre as duas, sentados na caixa de uma camioneta, conversamos um pouco mais.

Passo do Lontra à Fazenda São João: Viagem pelo Âmago Rural do Pantanal

De terra batida, a estrada provou-se poeirenta e recta, mas repleta de pequenas subidas e descidas forçadas nos lugares em que, durante a época das chuvas e do Pantanal alagado, havia que evitar a sua submersão, sobretudo em redor do grande curso de água mais próximo, o Corixo do Cerrado.

Cruzamo-nos com iguanas e com os inevitáveis carcarás, uma mera introdução à extensão faunística da Passo do Lontra que iríamos encontrar.

Damos entrada na propriedade por volta das onze da manhã, com o calor estival já a apertar. Os quartos, os redários, todos os aposentos privativos, aliás, estavam ocupados.

Instalamo-nos, assim, no dormitório masculino da fazenda, deu-nos ideia de que há muito por usar. Partilhamo-lo com dois grandes sapos que tinham reclamado o “banheiro” como um seu domínio refrescado.

Meia hora depois, Coutinho reaparece. Convoca-nos para uma volta guiada pela fazenda, na companhia de uma guia externa boliviana e dos seus clientes chilenos.

Sor João, o Ancião e Dono da Fazenda São João

Contornamos o pântano no âmago da fazenda quando nos surpreende um senhor já da sua idade, aos comandos de um tractor.

Coutinho informa-nos que se tratava de João Venturini, o dono da propriedade. Como se não bastasse, conduzia um Massey Ferguson, há muito a nossa marca de tractores preferida.

Rogamos-lhe algumas fotos sobre o seu veículo de trabalho. Apesar de pouco habituado a este tipo de atenções e de protagonismo, João Venturini acede.

Posicionamo-nos de maneira a lhe dar o destaque que merecia, e a evitarmos obstáculos de fundo indesejados.

Estamos nesse processo quando sentimos um ardor crescente. Num pé. Logo no outro. Pelos tornozelos acima.

No tempo de percebermos o que se passava, o ardor transforma-se numa aflição generalizada, uma espécie de incêndio biológico.

Estávamos há quase um minuto a fotografar sobre um enorme ninho de formigas-bala (paraponera clavata), assim tratada no Brasil por, com o devido exagero, a sua mordedura causar uma dor comparável à infligida pelos projécteis.

Sôr João Venturini e Coutinho esforçam-se por evitar risadas iminentes. Várias sacudidelas e praguejados depois, antecipamos o término da sessão fotográfica.

À Descoberta do Pantanal da Fazenda São João

Continuamos a afastar-nos dos edifícios da fazenda, ao longo das margens da sua lagoa, que vemos repleta de vegetação anfíbia, decorada por nenúfares, habitada por jacarés juvenis, engordados pela profusão de peixes com que a estiagem todos os anos os brindavam.

Passamos entre mangueiras hiperbólicas, por essa altura, carregadas com mangas ínfimas, miniaturas ainda verdes da fruta suculenta e deliciosa em que o calor abafado da época das chuvas os tornaria.

Enquanto isso, as árvores cumpriam uma outra função.

Araras, Ibis e Tantas outras Aves do Pantanal

Concediam pousos sombrios e protegidos aos bandos de araras que por ali esvoaçavam, entregues aos seus taramelares estridentes.

Ao passarmos sob uma dessas mangueiras, detectamos quatro ou cinco, das azuis, com as suas golas e aros dos olhos amarelos.

Observam-nos, intrigadas, mas menos apreensivas do que contávamos.

Quando, enfim, lhes passa a curiosidade, regressam ao mordiscar conflituoso em que andavam.

Em redor, bandos de íbis-escarlates, guarás-vermelhos, como preferem os brasileiros tratá-los, levam a cabo as suas próprias coreografias de voo, quase sempre ordeiros e bem agrupados.

Primeiro contra a folhagem tropical, logo, pelo firmamento que o calor parece deslavar.

Da comunhão de mangueiras, evoluímos para um pasto encharcado e vasto, sustento e modo de vida das manadas de cavalos que a fazenda fez por aumentar e da boiada que esteve na génese da propriedade.

Fazenda São João, a Fazenda Irmã da Passo do Lontra

Até à sua conversão, a Fazenda São João manteve-se como o retiro rural e pecuário da família Venturini.

Existia como contraponto à Passo do Lontra, uma fazenda fluvial que inauguraram, em 1979, às margens do Miranda para dar resposta a uma crescente procura deste rio e do Vermelho, por parte dos aficionados da pesca.

Com o passar do tempo, a família decidiu oferecer aos hóspedes da Passo do Lontra um dia à descoberta da sua outra fazenda.

Quando os visitantes com ela se encantavam, começaram a reclamar lá passarem noites. Os Venturini acederam. Adaptaram a propriedade a condizer.

Instalaram, por exemplo, o redário em que já não encontrámos vaga. E uma sala de refeições pitoresca, num edifício arredondado de que desponta uma das várias palmeiras do Pantanal, uma bocaiuva ou, pelo menos, assim nos parece.

A Sempre Fascinante Gastronomia Pantaneira

Nesse seu abrigo redado, cozinheiras com figuras e modos de Dª Benta, do velho “Sítio do Pica-Pau Amarelo”, confecionam, expõem e servem refeições típicas pantaneiras.

Arroz e feijão, macaxeira (mandioca) frita, empadões suculentos e galinha guisada, de tempos a tempos, sacrificadas do bando de galinhas-de-angola que, ao fim do dia, encontramos num sono comunitário sobre as tábuas mais altas do estábulo.

A noite, anunciou-a uma circunferência do sol perfeita, velada por um céu que o braseiro da tarde acinzentara e, assim o quisemos nas nossas fotografias, a ocultar-se atrás dos galhos de um qualquer arvoredo seco.

A noite encheu-se de sons e ruídos misteriosos e mágicos, mesmo ali em redor do dormitório a que chamámos casa.

Bufos de corujas e cantos de mães-da-lua, o coaxar das rãs na lagoa, passos furtivos de jaguatiricas e de antas, rastejares de anacondas. Tudo isto e muito mais ali era de esperar. Até ao despertar do grande pântano.

A aurora traz um alívio da fornalha e até algum orvalho que resiste às primeiras duas horas da ascensão solar. Na lagoa pantanosa, os nenúfares exibem uma frescura exuberante que só a aurora lhes concede.

Os Vaqueiros Pantaneiros da Fazenda São João

Saímos para nova caminhada, entre jacarés em plena recarga, tuiuiús a repararem os ninhos e a mesma boiada do dia anterior, intrigada pela nova invasão do seu pasto.

Ao regressarmos, damos com um trio de vaqueiros pantaneiros da fazenda a regressarem de uma qualquer tarefa a que o gado os tinha obrigado.

Aproximam-se num galope suave. Quando atingem a margem da lagoa, decidem-se pelo atalho e cruzam-na.

A travessia começa tranquila.

Até que, numa zona mais profunda, um cavalo se assusta com um jacaré. Empina e obriga o pantaneiro a dominá-lo, com a mestria dos anos passados sobre a sela.

Jesus e os seus auxiliares desmontam no estábulo. Retiram as selas aos cavalos, recompensam-nos com festas, sentam-se em cadeiras baixas e gozam um descanso ainda trajado.

De chapéus e botas de couro, calças de vaqueta. Cinto dotado de facas e bolsas com outros utensílios.

Descanso com Sabor a Chá-Mate

A conversa flui para um trabalho árduo de aí a uns dias e de como o mesmo labor gerou problemas inesperados numa fazenda vizinha.

Jesus não quer sequer pensar no que aí vem. Apostado em libertar-se do calor e da responsabilidade de ser o exemplo a seguir, enche um corno de mate de água a ferver.

Sorve o chá vitamínico com a leveza de espírito de quem já cavalgou milhentas atribulações daquelas.

Finda a trégua, remete-se à sombra do estábulo e a um estendal sem fim de correias, arreios, fitas e fivelas, alforges, esporas e itens afins.

Ainda tem por ali que fazer, mas o calor e a curiosidade dos forasteiros aliam-se num pretexto justo para adiar a faina.

Em vez, o pantaneiro elegante debruça-se sobre um dos barrotes que servem de cama às galinhas-de-angola.

Deslumbrado pelo lado de lá do Atlântico que lhe contamos, inverte os papéis.

Confronta-nos com duas ou três questões-observações que nos deixam a cogitar, a que responde com a sua forma pantaneira, terra-a-terra, mas tão honesta de ver o Mundo.

Naqueles confins quase paraguaios do Pantanal, o Brasil fazia mais sentido.

Passo do Lontra, Miranda, Brasil

O Brasil Alagado a um Passo da Lontra

Estamos no limiar oeste do Mato Grosso do Sul mas mato, por estes lados, é outra coisa. Numa extensão de quase 200.000 km2, o Brasil surge parcialmente submerso, por rios, riachos, lagoas e outras águas dispersas em vastas planícies de aluvião. Nem o calor ofegante da estação seca drena a vida e a biodiversidade de lugares e fazendas pantaneiras como a que nos acolheu às margens do rio Miranda.
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Manaus, Brasil

Os Saltos e Sobressaltos da ex-Capital Mundial da Borracha

De 1879 a 1912, só a bacia do rio Amazonas gerava o latex de que, de um momento para o outro, o mundo precisou e, do nada, Manaus tornou-se uma das cidades mais avançadas à face da Terra. Mas um explorador inglês levou a árvore para o sudeste asiático e arruinou a produção pioneira. Manaus voltou a provar a sua elasticidade. É a maior cidade da Amazónia e a sétima do Brasil.
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Chapada Diamantina, Brasil

Bahia de Gema

Até ao final do séc. XIX, a Chapada Diamantina foi uma terra de prospecção e ambições desmedidas.Agora que os diamantes rareiam os forasteiros anseiam descobrir as suas mesetas e galerias subterrâneas
Cataratas Iguaçu/Iguazu, Brasil/Argentina

O Troar da Grande Água

Após um longo percurso tropical, o rio Iguaçu dá o mergulho dos mergulhos. Ali, na fronteira entre o Brasil e a Argentina, formam-se as cataratas maiores e mais impressionantes à face da Terra.
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Hidroeléctrica Binacional de Itaipu, Brasil

HidroElétrica Binacional do Itaipu: a Febre do Watt

Em 1974, milhares de brasileiros e paraguaios confluíram para a zona de construção da então maior barragem do Mundo. 30 anos após a conclusão, Itaipu gera 90% da energia paraguaia e 20% da do Brasil.
Curitiba, Brasil

A Vida Elevada de Curitiba

Não é só a altitude de quase 1000 metros a que a cidade se situa. Cosmopolita e multicultural, a capital paranaense tem uma qualidade de vida e rating de desenvolvimento humano que a tornam um caso à parte no Brasil.

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

Morro de São Paulo, Brasil

Um Litoral Divinal da Bahia

Há três décadas, não passava de uma vila piscatória remota e humilde. Até que algumas comunidades pós-hippies revelaram o retiro do Morro ao mundo e o promoveram a uma espécie de santuário balnear.
Lençois da Bahia, Brasil

A Liberdade Pantanosa do Quilombo do Remanso

Escravos foragidos subsistiram séculos em redor de um pantanal da Chapada Diamantina. Hoje, o quilombo do Remanso é um símbolo da sua união e resistência mas também da exclusão a que foram votados.
Ilhabela, Brasil

Ilhabela: Depois do Horror, a Beleza Atlântica

Nocenta por cento de Mata Atlântica preservada, cachoeiras idílicas e praias gentis e selvagens fazem-lhe jus ao nome. Mas, se recuarmos no tempo, também desvendamos a faceta histórica horrífica de Ilhabela.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Goiás Velho, Brasil

Um Legado da Febre do Ouro

Dois séculos após o apogeu da prospecção, perdida no tempo e na vastidão do Planalto Central, Goiás estima a sua admirável arquitectura colonial, a riqueza supreendente que ali continua por descobrir.
Lençois da Bahia, Brasil

Lençois da Bahia: nem os Diamantes São Eternos

No século XIX, Lençóis tornou-se na maior fornecedora mundial de diamantes. Mas o comércio das gemas não durou o que se esperava. Hoje, a arquitectura colonial que herdou é o seu bem mais precioso.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Safari
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Ilha de Miyajima, Xintoismo e Budismo, Japão, Portal para uma ilha sagrada
Cerimónias e Festividades
Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita o tori de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Na ilha de Miyajima, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.
Fremantle porto e cidade da Austrália Ocidental, amigas em pose
Cidades
Fremantle, Austrália

O Porto Boémio da Austrália Ocidental

Em tempos o principal destino dos condenados britânicos desterrados na Austrália, Fremantle desenvolveu-se até se tornar o grande porto do Oeste da grande ilha. E, ao mesmo tempo, um abrigo de artistas aussies e expatriados em busca de vidas fora da caixa.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Kiomizudera, Quioto, um Japão Milenar quase perdido
Cultura
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Desporto
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Étnico
Pueblos del Sur, Venezuela

Os Pauliteiros de Mérida, Suas Danças e Cia

A partir do início do século XVII, com os colonos hispânicos e, mais recentemente, com os emigrantes portugueses consolidaram-se nos Pueblos del Sur, costumes e tradições bem conhecidas na Península Ibérica e, em particular, no norte de Portugal.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Porfólio Got2Globe

O Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

A inevitável pesca
História

Florianópolis, Brasil

O Legado Açoriano do Atlântico Sul

Durante o século XVIII, milhares de ilhéus portugueses perseguiram vidas melhores nos confins meridionais do Brasil. Nas povoações que fundaram, abundam os vestígios de afinidade com as origens.

ilha de Alcatraz, Califórnia, Estados Unidos
Ilhas
Alcatraz, São Francisco, E.U.A.

De Volta ao Rochedo

Quarenta anos passados sobre o fim da sua pena, a ex-prisão de Alcatraz recebe mais visitas que nunca. Alguns minutos da sua reclusão explicam porque o imaginário do The Rock arrepiava os piores criminosos.
Cavalos sob nevão, Islândia Neve Sem Fim Ilha Fogo
Inverno Branco
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Literatura
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Napali Coast e Waimea Canyon, Kauai, Rugas do Havai
Natureza
NaPali Coast, Havai

As Rugas Deslumbrantes do Havai

Kauai é a ilha mais verde e chuvosa do arquipélago havaiano. Também é a mais antiga. Enquanto exploramos a sua Napalo Coast por terra, mar e ar, espantamo-nos ao vermos como a passagem dos milénios só a favoreceu.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Foz incandescente, Grande Ilha Havai, Parque Nacional Vulcoes, rios de Lava
Parques Naturais
Big Island, Havai

Grande Ilha do Havai: À Procura de Rios de Lava

São cinco os vulcões que fazem da ilha grande Havai aumentar de dia para dia. O Kilauea, o mais activo à face da Terra, liberta lava em permanência. Apesar disso, vivemos uma espécie de epopeia para a vislumbrar.
Solovetsky, Ilhas, Arquipélago, Russia, Outono, UAZ, estrada de Outono
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Solovetsky, Rússia

Uma Celebração do Outono Russo da Vida

Na iminência do oceano Ártico, a meio de Setembro, a folhagem boreal resplandece de dourado. Acolhidos por cicerones generosos, louvamos os novos tempos humanos da grande ilha de Solovetsky, famosa por ter recebido o primeiro dos campos prisionais soviéticos Gulag.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Sesimbra, Vila, Portugal, Vista do alto
Praias
Sesimbra, Portugal

Uma Vila Tocada por Midas

Não são só a Praia da Califórnia e a do Ouro que a encerram a sul. Abrigada das fúrias do ocidente atlântico, prendada com outras enseadas imaculadas e dotada de fortificações seculares, Sesimbra é, hoje, um porto de abrigo piscatório e balnear precioso.
Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Magome a Tsumago, Nakasendo, Caminho Japão medieval
Sociedade
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Vida Selvagem
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.