Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia


Palestra
Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia, ora de cima de um escadote.
Estátua de Christchurch
Estátua de bronze confere algum mistério à cidade atormentada de Christchurch.
“These Are Parts of His Ways”
Moradores passam junto a uma das fachadas afectadas pelo tremor de terra de Fevereiro de 2011.
Palestra esotérica
Espectadores tentam acompanhar as premissas pouco mundanas do bruxo Ian Channel.
Xadrez de rua
Habitantes de Christchurch jogam xadrez num tabuleiro da Cathedral Square.
Torre catedral
Torre da catedral de Christchurch, danificada no tremor de terra de Fevereiro de 2011.
Oficial Contrariado
Um figurante histórico junto a um canal de Christchurch.
No Coração de Christchurch
Indicações apontam algumas das áreas de Christchurch em que o feiticeiro Ian Channel se costumava mover antes do sismo demolidor de 2011.
Clarividência Cosmológica
Ian Channel impinge uma das suas teorias e inclina-se na direcção da sua audiência.
Gôndola Kiwi
Punter conduz um passeio de "punting" no rio Avon, um dos passatempos mais famosos de Christchurch.
Bridge of Remembrance
A Ponte da Memória que homenageia os mortos neozelandeses nas duas guerras mundiais.
Manhã axadrezada
Jogadores disputam partidas de xadrez na Cathedral Square de Christchurch.
No Escadote
Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia durante uma das suas dissertações de rua.
City Tour
Eléctrico típico percorre uma avenida de Christchurch, parte do city tour da principal cidade da província neozelandesa de Canterbury
Richard, a bordo
Condutor de um dos eléctricos que percorre Christchurch com partida da Cathedral Square
Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.

A província neozelandesa de Canterbury vivia a sua habitual paz bucólica quando encontramos o Wizard pela primeira vez.

A vida já longa de Ian Channell tinha-o feito passar por vários recantos do mundo anglófono, da velha Álbion aos confins do downunder.

Era na Cathedral Square de Christchurch que mais se sentia em casa. A manhã solarenga favorecia o impacto da sua pregação.

xadrez, tabuleiro, catedral square, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Habitantes de Christchurch jogam xadrez num tabuleiro da Cathedral Square.

Na praça, duas rulotes coloridas disputavam os primeiros clientes do dia. Uma promovia comida chinesa. A outra, os seus wraps de kebab.

No extremo oposto, espectadores casuais acompanhavam os movimentos decididos por xadrezistas de rua em confronto, todos reunidos em volta de um enorme tabuleiro pintado no chão.

Enquanto isso, vários eléctricos número 18 coloridos chegavam e partiam da estação terminal.

electrico, city tour, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Eléctrico típico percorre uma avenida de Christchurch, parte do city tour da principal cidade da província neozelandesa de Canterbury

A Presença Elevada de Ian Channell, Feiticeiro da Nova Zelândia

Ian já nem precisava de chegar aos últimos degraus do seu escadote para se destacar na praça. O feiticeiro vestia uma túnica branca em que assentavam uma barba e cabelo compridos e grisalhos.

Apoiava-se na derradeira tábua do palco improvisado e enunciava as suas mais recentes teorias para uma pequena multidão de curiosos: “And ladies and gents … this is the eternal truth …”.

Insiste em como o tempo se cruza com o espaço e ambos se projectam num Universo Intencional da Vontade que converge para a identidade suprema de cada Eu que, reflecte, em cada pessoa, o Cosmos.

ora de cima escadote, audiencia, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia, ora de cima de um escadote.

À luz da sua existência esotérica, a conjectura parece fazer sentido.

O Vasto Currículo Internacional do Wizard

O feiticeiro nasceu em Londres, em 1932. Dez anos depois, graduou-se na Universidade de Leeds, em Psicologia e Sociologia. Mais tarde, aceitou integrar o Adult Education Board da Universidade de Western Australia onde geriu o programa de artes comunitárias.

Viria ainda a fazer parte da equipa de professores que dotou a recém-criada Escola de Sociologia da Universidade de Nova Gales do Sul, em Sydney.

Por essa altura, ganhou dimensão um movimento de protesto estudantil que, entre outros problemas, contestou o conservadorismo do ensino. Ian Channell sentiu as vibrações e interveio. Criou um movimento de acção directa a que chamou ALF (Action for Love and Freedom).

A sua implementação, por sua vez, passou pela que chamou “The Fun Revolution”.

E as duas reformas resultaram numa forte revitalização, de tal maneira que o conceituado jornal Sydney Morning Herald passou a chamar à instituição antes envelhecida “the university that swings”.

no escadote, dissertacao, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Ian Channel, feiticeiro da Nova Zelândia durante uma das suas dissertações de rua.

Tanto o movimento como o seu mentor enfrentaram reacções negativas e apoios inesperados.

O director do departamento a que pertencia Channell, convencido de que era louco, despediu-o sob o pretexto de não ver progressos na sua tese no campo da Sociologia da Arte.

Mas o Vice-Chanceler tinha-se tornado simpatizante e apoiou a continuação das suas experimentações sociais. O professor aproveitou. Convenceu-o a nomeá-lo Feiticeiro da Universidade e a atribuir-lhe uma pequena remuneração.

Assim teve início a sua longa carreira.

E a construção de uma personagem ficcional a que se entregou de corpo e alma e a que fez questão de sacrificar a carta de condução, identificação de segurança social, passaporte e restantes documentos.

Por fim, Feiticeiro a Tempo Inteiro

Assumindo-se como Wizard a tempo inteiro, Ian Channell promoveu-se e aos seus ideais como nunca e conseguiu novos cargos: cosmólogo, Obra de Arte Viva e Shaman da Universidade de Melbourne e ainda Professor de Cosmologia Sintética.

Channell usou ainda a fama conquistada em lutas ideológicas, políticas e até económicas. Algo desgastado pelo permanente confronto do conservadorismo académico aussie e a precisar de novos desafios, a meio da década de 70, mudou-se para a cidade kiwi de Christchurch.

Lá deu início a uma sequência duradoura de palestras sobre escadote, a que tivemos a fortuna de assistir.

O Palco Popular Privilegiado da Cathedral Square

De volta à Cathedral Square, as gaivotas invadem o espaço aéreo e até mesmo o solo. Como forças do mal asadas, debatem-se e soltam guinchos estridentes.

Perturbam a cadência de pensamentos do orador e a clareza das suas palavras que o vento nor’wester vinha a propagar pela praça, convocando mais e mais curiosos.

Nem sempre a presença da plateia foi um dado adquirido.

indicacoes, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Indicações apontam algumas das áreas de Christchurch em que o feiticeiro Ian Channel se costumava mover antes do sismo demolidor de 2011.

Nos primeiros tempos da sua experiência kiwi, as autoridades tentaram prendê-lo. Mas o feiticeiro conseguiu evitá-las. Regressou a horas diferentes trajando um fato de falso profeta da Igreja de Inglaterra e um chapéu pontiagudo.

Conquistou o apoio do público que se habituou a assistir às suas dissertações.

Depressa se tornou numa atracção da cidade, mencionado nos guias turísticos e com direito a opinar e actuar sobre os temas relevantes primeiro de Christchurch.

Depois, da província de Canterbury, de todo o país e até do downunder. 

A Promoção de Feiticeiro a Feiticeiro da Nova Zelândia

Em 1990, Mike Moore, um velho amigo, então primeiro-ministro, nomeou-o Feiticeiro Oficial da Nova Zelândia, com direito a honorários então ainda módicos.

Cinco anos depois, com o apoio do Mayor, Christchurch acolheu um Conclave de Feiticeiros a que compareceram vários colegas que ajudaram a construir um ninho de feiticeiros no topo da torre da biblioteca da universidade.

estatua, bronze, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Estátua de bronze confere algum mistério à cidade atormentada de Christchurch.

Ian Channell viria a sair de um ovo gigante posto numa galeria de arte local.

Cantou ainda um feitiço dedicado a uma das principais partidas de râguebi da época, enquanto fazia queda livre e, acompanhado por 42 assistentes, desceu o rio da cidade de gôndola, viagem excêntrica que aproveitou para exibir o URL do seu novo site em diversas tabuletas.

Apesar de todas as acções promocionais, o Wizard prestava a maior parte dos serviços de forma gratuita e os seus rendimentos eram parcos.

Os honorários atribuídos pela Câmara Municipal nunca foram suficientes mas o apoio financeiro prestado pelo amor da sua vida, Alice Flett, permitia-lhe prosseguir com o seu estilo de vida, conceptualmente arrojado e destemido.

Por fim, as autoridades de Christchurch contrataram-no com a missão de promover a cidade, alegadamente por meio de bruxaria e serviço afins. Com direito a um salário já mais a sério, de cerca de 13.500 euros anuais.

Malgrado este forte estímulo financeiro na sua vida, novos feitiços maléficos viriam a enfraquecer o bruxo da Nova Zelândia.

Quando o Feiticeiro da Nova Zelândia se Viu Amaldiçoado

Em 2003, a casa de madeira em que habitava foi arrasada por um incêndio que a polícia de Christchurch considerou fogo posto.

O Wizard, a sua companheira e dois inquilinos conseguiram escapar incólumes mas Ian Channell perdeu a sua colecção de vídeos e de livros.

Também o WizardMobile – construído com duas frentes de Volkswagens Carochas – foi vandalizado. Forças muito superiores entrariam ainda em acção.

Os Danos dos Sucessivos Sismos que Abalaram a Nova Zelândia

A Nova Zelândia está situada sobre o Anel de Fogo e a actividade tectónica nas imediações do país e da província de Canterbury é enérgica.

No ano seguinte a termos encontrado o Wizard, Christchurch recebia ameaças constantes das profundezas da Terra.

torre catedral, danificada tremor terra Fevereiro 2011, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Torre da catedral de Christchurch, danificada no tremor de terra de Fevereiro de 2011.

Vários sismos com altas intensidades – incluindo um de 7.1 – abalaram a região. Não causaram baixas mas os estragos foram consideráveis. Continuámos a viajar pelo Pacífico. Vários meses depois, regressámos a Portugal.

Em Fevereiro do ano seguinte, estávamos de novo a caminho da Nova Zelândia quando um abalo muito mais próximo da cidade que os anteriores a devastou.

Causou 185 mortes e uma das maiores catástrofes de que tinha sido vítima a nação kiwi. Acompanhámos os acontecimentos dramáticos e, desde então, que nos inteiramos das suas consequências na vida do Wizard com interesse redobrado.

O tremor de terra e as suas frequentes réplicas deixaram a catedral de Christchurch e vários outros edifícios em redor em ruínas.

Como se Não Bastasse, a Ordem de Demolição da Velha Cathedral Square

A Canterbury Earthquake Recovery Authority ordenou a sua demolição e suscitou a oposição de várias entidades incluindo da UNESCO World Heritage Center, de grupos de arquitectos e, como era de esperar, do Wizard.

espectadores, palestra, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Espectadores tentam acompanhar as premissas pouco mundanas do feitiçeiro da Nova Zelândia Ian Channel.

Em declarações à TV, no meio dos destroços, o feiticeiro manifestou preocupação por ser duvidoso que a população de Christchurch possa continuar a viver segura na cidade reconstruída.

Ian Channell também revelou a sua angustia particular: “Se a Cathedral Square for destruída, perco o meu espaço emblemático, o meu lar espiritual, o meu espaço de exibição, a minha instalação.

As pessoas que me seguem até podem ficar mas sem a minha praça não acho que faça muito sentido.”

Aconselhou ainda os habitantes de Canterbury a não se tornarem chorosos ou românticos como os italianos ou os gregos que dão abraços e beijos por tudo e por nada e apelou para o reforço do famoso stiff upper lip britânico, da sua solidariedade e bravura.

fachadas afectadas tremor terra fevereiro 2011, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia

Moradores passam junto a uma das fachadas afectadas pelo tremor de terra de Fevereiro de 2011.

Mais recentemente, o feiticeiro decidiu retirar-se e abandonar Christchurch de vez. Mudou-se para sul, para Oamaru, para casa da mãe.

Mais tarde regressou à capital de Canterbury para protestar de novo contra a demolição da sua catedral.

A Recuperação de Christchurch e o Regresso à Actividade

Algum tempo mais tarde, o bruxo voltou à carga. Nos últimos anos, as suas intervenções tornaram-se demasiado provocadoras e polémicas.

Numa altura de relevo crescente do feminismo e de movimentos como o Metoo e semelhantes, Ian Channell despertou a ira de um largo sector do seu público.

Durante uma sua participação do programa New Zealand Today, declarou que “gostava de irritar as mulheres dizendo-lhes que eram mal-intencionadas e que usam a astúcia para atrair homens estúpidos”.

Outra sua tirada provou-se ainda mais danosa: ” Eu amo as mulheres e perdoou-as a toda a hora. Nunca bati em nenhuma… Nunca bata numa mulher porque elas ficam com marcas no corpo facilmente, vão contar aos vizinhos e amigos e criar-vos problemas”, atreveu-se a acrescentar no mesmo programa.

O Despedimento Já Previsto 

Contados vinte e três anos de relação contratual, oitenta e oito de vida de Ian Channell e 350.000€ auferidos, o estado neozelandês fartou-se das tiradas machistas ou tão só idiotas do feiticeiro.

Despediu-o.

A imprensa perguntou-lhe se iria amaldiçoar as autoridades que o dispensavam. O bruxo respondeu que não, que preferia abençoá-las.

Napier, Nova Zelândia

De Volta aos Anos 30

Devastada por um sismo, Napier foi reconstruida num Art Deco quase térreo e vive a fazer de conta que parou nos Anos Trinta. Os seus visitantes rendem-se à atmosfera Great Gatsby que a cidade encena.
Nelson a Wharariki, PN Abel Tasman, Nova Zelândia

O Litoral Maori em que os Europeus Deram à Costa

Abel Janszoon Tasman explorava mais da recém-mapeada e mítica "Terra Australis" quando um equívoco azedou o contacto com nativos de uma ilha desconhecida. O episódio inaugurou a história colonial da Nova Zelândia. Hoje, tanto a costa divinal em que o episódio se sucedeu como os mares em redor evocam o navegador holandês.
PN Tayrona, Colômbia

Quem Protege os Guardiães do Mundo?

Os indígenas da Serra Nevada de Santa Marta acreditam que têm por missão salvar o Cosmos dos “Irmãos mais Novos”, que somos nós. Mas a verdadeira questão parece ser: "Quem os protege a eles?"
Samarcanda, Usbequistão

O Sultão Astrónomo

Neto de um dos grandes conquistadores da Ásia Central, Ulugh Beg preferiu as ciências. Em 1428, construiu um observatório espacial em Samarcanda. Os seus estudos dos astros levaram-lhe o nome a uma cratera da Lua.
Wanaka, Nova Zelândia

Que Bem que Se Está no Campo dos Antípodas

Se a Nova Zelândia é conhecida pela sua tranquilidade e intimidade com a Natureza, Wanaka excede qualquer imaginário. Situada num cenário idílico entre o lago homónimo e o místico Mount Aspiring, ascendeu a lugar de culto. Muitos kiwis aspiram a para lá mudar as suas vidas.
Ilha do Norte, Nova Zelândia

Viagem pelo Caminho da Maoridade

A Nova Zelândia é um dos países em que descendentes de colonos e nativos mais se respeitam. Ao explorarmos a sua lha do Norte, inteirámo-nos do amadurecimento interétnico desta nação tão da Commonwealth como maori e polinésia.
Península de Banks, Nova Zelândia

O Estilhaço de Terra Divinal da Península de Banks

Vista do ar, a mais óbvia protuberância da costa leste da Ilha do Sul parece ter implodido vezes sem conta. Vulcânica mas verdejante e bucólica, a Península de Banks confina na sua geomorfologia de quase roda-dentada a essência da sempre invejável vida neozelandesa.
Napier, Nova Zelândia

De volta aos Anos 30 - Calhambeque Tour

Numa cidade reerguida em Art Deco e com atmosfera dos "anos loucos" e seguintes, o meio de locomoção adequado são os elegantes automóveis clássicos dessa era. Em Napier, estão por toda a parte.
Mount Cook, Nova Zelândia

O Monte Fura Nuvens

O Aoraki/Monte Cook até pode ficar muito aquém do tecto do Mundo mas é a montanha mais imponente e elevada da Nova Zelândia.
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Reserva Masai Mara, Viagem Terra Masai, Quénia, Convívio masai
Safari
Masai Mara, Quénia

Reserva Masai Mara: De Viagem pela Terra Masai

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Dia da Austrália, Perth, bandeira australiana
Cerimónias e Festividades
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
muralha da fortaleza de Novgorod e da Catedral Ortodoxa de Santa Sofia, Rússia
Cidades
Novgorod, Rússia

A Avó Viking da Mãe Rússia

Durante quase todo o século que passou, as autoridades da U.R.S.S. omitiram parte das origens do povo russo. Mas a história não deixa lugar para dúvidas. Muito antes da ascensão e supremacia dos czares e dos sovietes, os primeiros colonos escandinavos fundaram, em Novgorod, a sua poderosa nação.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Cultura
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Cenário marciano do Deserto Branco, Egipto
Em Viagem
Deserto Branco, Egipto

O Atalho Egípcio para Marte

Numa altura em que a conquista do vizinho do sistema solar se tornou uma obsessão, uma secção do leste do Deserto do Sahara abriga um vasto cenário afim. Em vez dos 150 a 300 dias que se calculam necessários para atingir Marte, descolamos do Cairo e, em pouco mais de três horas, damos os primeiros passos no Oásis de Bahariya. Em redor, quase tudo nos faz sentir sobre o ansiado Planeta Vermelho.
Camponesa, Majuli, Assam, India
Étnico
Majuli, Índia

Uma Ilha em Contagem Decrescente

Majuli é a maior ilha fluvial da Índia e seria ainda uma das maiores à face da Terra não fosse a erosão do rio Bramaputra que há séculos a faz diminuir. Se, como se teme, ficar submersa dentro de vinte anos, mais que uma ilha, desaparecerá um reduto cultural e paisagístico realmente místico do Subcontinente.
portfólio, Got2Globe, fotografia de Viagem, imagens, melhores fotografias, fotos de viagem, mundo, Terra
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Got2Globe

Melhor do Mundo – Portfólio Got2Globe

Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
História
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Ilhas
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Passageiros sobre a superfície gelada do Golfo de Bótnia, na base do quebra-gelo "Sampo", Finlândia
Inverno Branco
Kemi, Finlândia

Não é Nenhum “Barco do Amor”. Quebra Gelo desde 1961

Construído para manter vias navegáveis sob o Inverno árctico mais extremo, o quebra-gelo Sampo” cumpriu a sua missão entre a Finlândia e a Suécia durante 30 anos. Em 1988, reformou-se e dedicou-se a viagens mais curtas que permitem aos passageiros flutuar num canal recém-aberto do Golfo de Bótnia, dentro de fatos que, mais que especiais, parecem espaciais.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
Natal na Austrália, Platipus = ornitorrincos
Natureza
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Parques Naturais
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
Património Mundial UNESCO
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Mangal entre Ibo e ilha Quirimba-Moçambique
Praias
Ilha do Ibo a Ilha QuirimbaMoçambique

Ibo a Quirimba ao Sabor da Maré

Há séculos que os nativos viajam mangal adentro e afora entre a ilha do Ibo e a de Quirimba, no tempo que lhes concede a ida-e-volta avassaladora do oceano Índico. À descoberta da região, intrigados pela excentricidade do percurso, seguimos-lhe os passos anfíbios.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Religião
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Chepe Express, Ferrovia Chihuahua Al Pacifico
Sobre Carris
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Sociedade
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Salvamento de banhista em Boucan Canot, ilha da Reunião
Vida Selvagem
Reunião

O Melodrama Balnear da Reunião

Nem todos os litorais tropicais são retiros prazerosos e revigorantes. Batido por rebentação violenta, minado de correntes traiçoeiras e, pior, palco dos ataques de tubarões mais frequentes à face da Terra, o da ilha da Reunião falha em conceder aos seus banhistas a paz e o deleite que dele anseiam.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES