Tequila, JaliscoMéxico

Tequila: a Destilação do Oeste Mexicano que Anima o Mundo


Arquitectura de Tequila
Tequila Tours
O Zócalo de Tequila
Banda Jalisqueña
A Paróquia Santiago Apostol
Destilação
Sala de Barricas
Bar Hiperdecorado
Herradura Deco
Calle José Cuervo
Prova Rápida
El Cuervo José Cuervo
Tequilas Várias
Jima de um Agave-Azul
Homenagem de Bronze
Mural Tahona y Fiesta
A Paróquia Santiago Apostol
Hotel de Barricas
Um Anoitecer Embarricado II
Vista Interior
Desiludidos com a falta de vinho e de aguardente, os Conquistadores do México aprimoraram a aptidão indígena milenar de produzir álcool. No século XVII, os espanhóis estavam satisfeitos com a sua pinga e começaram a exportá-la. A partir de Tequila, o pueblo, hoje, centro de região demarcada. E nome por que se tornou famosa.

Sem dúvida alguma o aroma no ar.

Se nos perguntassem o que mais nos tinha surpreendido, à descoberta de Tequila, diríamos, em concordância, que o estranho cheiro adocicado que tantas vezes sentíamos.

Já tínhamos viajado vezes sem conta por domínios tropicais pejados de cana-de-açúcar, dotados de engenhos e unidades processadoras e que disseminavam a sua fragrância particular. Aquela era, todavia, outra. Aos poucos, entranhou-se-nos nas mentes.

Chegámos a Tequila extenuados de uma longa viagem, quase toda nocturna, com partida em Mexcaltitan, no norte do estado de Nayarit, vizinho do de Jalisco que continuávamos a explorar. Instalamo-nos numa casa alugada, a alguma distância do zócalo e do centro histórico.

Na manhã seguinte, tal como temíamos, começou por nos despertar o trânsito da rua empedrada em frente. Terminou o serviço, um coro gorgolejante de uma criação de perus logo ao lado.

Tequila também é isto. Mas tanto, tanto mais.

Em época alta, visitam-na e vivem-na milhares de forasteiros por dia, boa parte deles, gringos expatriados em Guadalajara, em Puerto Vallarta e redondezas.

Em qualquer noite, o seu nome é repetido vezes sem conta em redor da Terra.

A bebida, misturada e agitada em incontáveis Margaritas, Tequila Sunrises e Bloody Marias.

Não obstante, a cidade epónima preserva um recato, uma tradicionalidade e ruralidade que só lhe reforçam o encanto.

O termo “tequila” deriva da palavra nahuatl (dialecto azteca) “tecuilan”, traduzível como “lugar de tributos”.

Tequila: do Lugarejo Azteca à Fama Planetária

Com o passar dos séculos, a história indígena, colonial e mexicana transformou a cidade de Tequila no seu próprio tributo.

Uma homenagem jalisquense e mexicana ao engenho e à criatividade humana.

E, em jeito de recompensa, ao convívio e boa-disposição.

O zócalo de Tequila é, como quase todos no México, formado por uma igreja mandada erguer em pedra pelos colonos espanhóis, irmanada com uma praça com um coreto de ferro no centro.

O inevitável letreiro tridimensional e colorido identifica o pueblo e compõe o conjunto.

No caso de Tequila, o dito letreiro tornou-se de tal forma disputado que alguns jovens filhos da terra dele fizeram mister.

Promovem-se como fotógrafos experimentados e criativos e fotografam visitantes atrás de visitantes, de todos os ângulos e mais alguns, até mesmo deitados no chão ou quase a fazerem o pino.

Os pesos mexicanos com que as gentes de fora os recompensam estimulam-nos a perseverar.

Tequila e o seu Zócalo sempre Animado

Há algo mais no zócalo da cidade que o diferencia.

Ocupam-no dezenas de bares de rua, bancas e atrelados repletos de garrafas de tequila com rótulos notórios, dos mais clássicos e sérios da Tequila añeja – maturada e com qualidade superior – a outros, juvenis e na moda.

Estes bares servem as bebidas mexicanas predilectas, micheladas, botanas e afins.

Servem, sobretudo, cantaritos, pequenos potes de barro a transbordar de uma versão popularucha de cocktails, feitos de laranjada ou gasosa de toranja, sumo de lima e laranja, gelo e, claro está, tequila.

Como o veem os mexicanos, ir a Tequila e não beber um cantarito (melhor será dizer, vários) redunda numa heresia irreparável.

De acordo, na praça, nas calles em redor, cruzamo-nos com cantaritos sem conta, segurados, como dádivas, por almas ébrias, por mãos trémulas de felicidade convivial.

Amiúde, a bordo de veículos em forma de barricas em que guias credenciados lhes apresentam e explicam as peculiaridades e excentricidades do pueblo.

As Destiladoras que dão à Cidade Aroma de Agave

De tempos a tempos, volta a inebriar-lhes o olfacto o bálsamo de agave que envolve o casario multicolor, aqui e ali, embelezado por murais temáticos.

Da tequila, claro está.

Libertam o tal olor as chaminés das destiladoras seculares e conceituadas da cidade, a José Cuervo e a Sauza.

Estiveram ambas na génese da empreitada tequilera de Jalisco e do México.

São indissociáveis da fundação e notoriedade do povoado Tequila e da sua região demarcada.

Hoje, limitada ao estado de Jalisco e a umas poucas municipalidades dos de Guanajuato, Michoacán, Nayarit e Tamaulipas.

Ao longo da história, as duas famílias conviveram e enriqueceram do lucro da tequila.

As suas enormes fazendas e fábricas ainda se confrontam.

Separam-nas ruelas ou muros. As chaminés das suas destiladoras destacam-se acima do casario, como que a vigiarem a produção rival.

Incursões ao Mundo Cuervo e a Casa Sauza, as Produtoras Incontornáveis de Tequila

Visitar uma hacienda tequilera é outro dos rituais incontornáveis de Tequila. Temos a sorte de nos convidarem para périplos guiados tanto do Mundo Cuervo como no domínio vizinho e concorrente da Casa Sauza.

De ambos os lados da calle José Cuervo (promovida como a mais antiga da cidade) deslumbram-nos a colecção de calhambeques, a enorme sala de barricas e a fábrica La Rojena, (por sua vez, a mais antiga da América Latina)

E a enorme estátua do corvo negro, logo à entrada.

Ainda, a magnificência da hacienda complementar El Centenário, lugar do Museu de arte e cultura José Beckmann Gallardo.

Nesse intrincado e elegante Mundo Cuervo, prendam-nos também com uma prova aturada de tequila, em que aprendemos a destrinçar as variantes de sabor, cor e aroma entre as categorias de tequila, da mais à menos maturada: a Extra Añeja, a Añeja, a Reposada, a Joven u Oro e a Blanca, em qualquer caso, dependente da percentagem dos açucares do agave-azul empregues no fabrico.

Já nas mãos da Casa Sauza, temos o privilégio de acompanhar uma mostra de jima.

A Jima dos Agaves e a Opulência da Casa Sauza

Numa plantação de agaves-azuis nos arredores, espantamo-nos com a perícia de um jimador trajado e protegido a rigor que recorre a distintas ferramentas afiadas para colher e cortar a espinhosa (e perigosa) planta do agave-azul.

Fá-lo até que resta apenas o seu coração polpudo e açucarado que, depois de espremido, é deixado a fermentar e a destilar.

De regresso ao centro histórico de Tequila, mostram-nos os jardins e os edifícios seculares da Casa Sauza.

Incluindo o mural “Tahona y Fiesta” pintado, em 1969, por José Maria Servin e que dramatiza e surrealiza a longa e intrincada história da tequila.

Concedem-nos ainda uma passagem deslumbrante pelo interior da fábrica, com explicações meticulosas sobre os tratamentos dados em cada enorme depósito, consoante a desejada tequila final.

Trata-se de uma gestão complexa, se tivermos em conta que, com o tempo, a Casa Sauza se desdobrou em várias marcas e subnomes de produtos condizentes com a categoria da aguardente de agave-azul engarrafada.

A José Cuervo e a Casa Sauza até podem ser as produtoras mais antigas e renomeadas de Tequila.

Muitas mais ocuparam os solos ressequidos e vulcânicos em redor, cada qual com as suas próprias plantações de agave-azul.

Paisage Agavero de Tequila: Agaves a Perder de Vista

Nos derradeiros dias passados em Tequila, deixamo-nos perder na ruta del paisage agavero da região, de tal maneira pitoresca e única que a UNESCO a classificou e faz por proteger.

Deambulamos também pelas plantações José Cuervo, numa imensidão de filas pontiagudas estendida entre o Vulcão de Tequila e a estrada Federal 15D.

Quando nisso estamos, com o sol a assentar sobre o oceano Pacífico e a fazer reluzir os agaves-azuis, inquieta-nos o que teria gerado todo aquele excêntrico mar vegetal.

As Origens Nativas e Coloniais da Tequila

Sabe-se que os indígenas olmecas, astecas e de outras etnias e sub-etnias já fermentavam o agave para produzir pulque, uma bebida sagrada a que atribuíam o seu próprio deus, Patecatl.

Ora, consolidada a conquista do México, os espanhóis depressa angustiaram com a falta do vinho com que estavam habituados a regar as refeições, e com a da aguardente que bebiam, nas mais diversas ocasiões ou até sem ocasiões, por toda a Ibéria.

Ainda tentaram substituí-los com o pulque. Só que, ao contrário dos indígenas, os espanhóis desprezavam a bebida divina.

Avessos à desistência, os invasores resolveram fazer as suas próprias experimentações de fermentação e, mais tarde, de destilação do agave.

Começaram por improvisar, com a mistura de argila com a polpa dos agaves.

Esse processo que veio a dar origem ao não menos famoso Mezcal.

A determinada altura, aperceberam-se de que o agave-azul, em particular, lhes garantia uma aguardente, mesmo se destilada de uma espécie de cacto, tão boa ou melhor que as consumidas por em Espanha.

A Tequila que é um Mezcal mas o Mezal que não pode ser Tequila

A diferença entre o Mezcal e a Tequila tem imenso que se lhe diga.

Assenta, no entanto, em duas premissas:

  1. a tequila é considerada um Mezcal.
  2. o oposto não se aplica. O Mezcal pode ser obtido de diversos agaves. Caso a matéria-prima seja apenas o agave-azul, nesse caso, estaremos a provar uma tequila, já não um Mezcal.

No início do século XVII, o Marquês de Altamira, um colono abastado, resolveu erguer uma destilaria de aguardentes de grande escala, pioneira no México.

Ao fazê-lo nas terras actuais de Tequila semeou, assim, a produção e a tradição local.

E abriu portas a sucessivas outras iniciativas que a rota comercial entre Manila (Filipinas) e o México, aberta pela Coroa Espanhola, no século anterior, quase sempre garantiu lucrativas.

Hoje, as famílias Cuervo e Sauza, que lançaram as suas próprias produções, respectivamente em 1758 e 1873, são consideradas as anciãs ainda activas da mundialmente consumida e celebrada tequila.

 

ONDE FICAR EM TEQUILA

Hotel Posada Tierra Mágica

Tel.: +52 374 742 1414

Hotel Nueve Agaves

 Tel: +52 374 688 03 96

Mendoza, Argentina

Viagem por Mendoza, a Grande Província Enóloga Argentina

Os missionários espanhóis perceberam, no século XVI, que a zona estava talhada para a produção do “sangue de Cristo”. Hoje, a província de Mendoza está no centro da maior região enóloga da América Latina.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.
Champotón, México

Rodeo Debaixo de Sombreros

Champoton, em Campeche, acolhe uma feira honra da Virgén de La Concepción. O rodeo mexicano sob sombreros local revela a elegância e perícia dos vaqueiros da região.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
Izamal, México

A Cidade Mexicana, Santa, Bela e Amarela

Até à chegada dos conquistadores espanhóis, Izamal era um polo de adoração do deus Maia supremo Itzamná e Kinich Kakmó, o do sol. Aos poucos, os invasores arrasaram as várias pirâmides dos nativos. No seu lugar, ergueram um grande convento franciscano e um prolífico casario colonial, com o mesmo tom solar em que a cidade hoje católica resplandece.
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Uxmal, Iucatão, México

A Capital Maia que Se Empilhou Até ao Colapso

O termo Uxmal significa construída três vezes. Na longa era pré-Hispânica de disputa do mundo Maia, a cidade teve o seu apogeu, correspondente ao cimo da Pirâmide do Adivinho no seu âmago. Terá sido abandonada antes da Conquista Espanhola do Iucatão. As suas ruínas são das mais intactas da Península do Iucatão.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Safari
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Aventura
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
religiosos militares, muro das lamentacoes, juramento bandeira IDF, Jerusalem, Israel
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Em Festa no Muro das Lamentações

Nem só a preces e orações atende o lugar mais sagrado do judaísmo. As suas pedras milenares testemunham, há décadas, o juramento dos novos recrutas das IDF e ecoam os gritos eufóricos que se seguem.
Baleias caçada com Bolhas, Juneau a Pequena Capital do Grande alasca
Cidades
Juneau, Alasca

A Pequena Capital do Grande Alasca

De Junho a Agosto, Juneau desaparece por detrás dos navios de cruzeiro que atracam na sua doca-marginal. Ainda assim, é nesta pequena capital que se decidem os destinos do 49º estado norte-americano.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Cultura
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Em Viagem
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Champagne Beach, Espiritu Santo, Vanuatu
História
Espiritu Santo, Vanuatu

Divina Melanésia

Pedro Fernandes de Queirós pensava ter descoberto a Terra Australis. A colónia que propôs nunca se chegou a concretizar. Hoje, Espiritu Santo, a maior ilha de Vanuatu, é uma espécie de Éden.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Ilhas
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Inverno Branco
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Ilha de São Miguel, Acores Deslumbrantes por Natureza
Natureza
São Miguel, Açores

Ilha de São Miguel: Açores Deslumbrantes, Por Natureza

Uma biosfera imaculada que as entranhas da Terra moldam e amornam exibe-se, em São Miguel, em formato panorâmico. São Miguel é a maior das ilhas portuguesas. E é uma obra de arte da Natureza e do Homem no meio do Atlântico Norte plantada.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Parque Nacional Amboseli, Monte Kilimanjaro, colina Normatior
Parques Naturais
PN Amboseli, Quénia

Uma Dádiva do Kilimanjaro

O primeiro europeu a aventurar-se nestas paragens masai ficou estupefacto com o que encontrou. E ainda hoje grandes manadas de elefantes e de outros herbívoros vagueiam ao sabor do pasto irrigado pela neve da maior montanha africana.
Fortaleza de Massada, Israel
Património Mundial UNESCO
Massada, Israel

Massada: a Derradeira Fortaleza Judaica

Em 73 d.C, após meses de cerco, uma legião romana constatou que os resistentes no topo de Massada se tinham suicidado. De novo judaica, esta fortaleza é agora o símbolo supremo da determinação sionista
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
La Digue, Seychelles, Anse d'Argent
Praias
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Solovestsky Outonal
Religião
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sociedade
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Glaciar Meares
Vida Selvagem
Prince William Sound, Alasca

Viagem por um Alasca Glacial

Encaixado contra as montanhas Chugach, Prince William Sound abriga alguns dos cenários descomunais do Alasca. Nem sismos poderosos nem uma maré negra devastadora afectaram o seu esplendor natural.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT