Mexcaltitán, Nayarit, México

Uma Ilha entre o Mito e a Génese Mexicana


Méxcaltitán do Ar
Aniversário Disney
Pesca sob Olhar Pelicano
Um Barqueiro
Conversa Discreta
Plaza Central
Fragatas vs Pelicanos
A Pequena Igreja
Almestrada Santos y Flavia Garcia
O Mural Aztlán
Chamada com História
Secagem, Modo Tropical
Pelicanos-Americanos
Drenagem Forçada
Restaurante “El Camarón”
Vida de Rua
Calle Venecia
Señor Cuauhtemoc
De Chegada
Mexcaltitán é uma ilha lacustre, arredondada, repleta de casario e que, durante a época das chuvas, só é transitável de barco. Crê-se ainda que possa ser Aztlán. A povoação que os Aztecas deixaram numa deambulação que terminou com a fundação de Tenochtitlan, a capital do império que os espanhóis viriam a conquistar.

A travessia do embarcadouro para a doca de entrada na ilha é tão rápida que ridiculariza a epopeia rodoviária que tínhamos enfrentado para ali chegar.

De San Blas para norte, sucederam-se auto-estradas recém-construídas.

A elas, um percurso labiríntico, por estradas e estradinhas cada vez mais estreitas, entre pueblos perdidos na planura ressequida do estado de Nayarit.

O derradeiro trecho sobre asfalto, com mais de 10 km, cumprimo-lo já por águas tresmalhadas da Laguna Grande de Mexcaltitán, uma lagoa na iminência do Pacífico, imensa, se bem que não tanto como outras a norte.

Nesse preâmbulo asfaltado, velam-na, de ambos os lados, sebes de mangues sem fim, altas e densas. A espaços, riachos, grandes poças e outros corpos de água menos definidos, quebram a ditadura do manguezal.

Alguns desses hiatos revelam-nos grupos e famílias de pescadores, munidos de linhas e redes, entretidos com o peixe que por ali abunda.

Sem aviso, a recta interminável dá de si. Para os fundos do Embarcadero de Tuxpan, uma margem terrosa que faz, ao mesmo tempo, de porto e de parque de estacionamento.

O arrumador de serviço indica-nos de onde zarpam os barcos. Aproximamo-nos do pontão convencidos de que iríamos esperar pela próxima saída.

O barqueiro apresta-se a explicar que os procedimentos eram outros: “Não amigos, isto aqui é mais passageiro chega, passageiro parte. A ilha está já ali.”

Mexcaltitán à Vista. Enfim.

Passamos para bordo da embarcação coberta. Nuns poucos minutos, cruzamo-nos com dois barcos quase iguais. Instantes depois, chegamos ao molhe mais próximo da ilha de Mexcaltitán.

Decora-o um mural em formato panorâmico, com o centro à sombra de um abrigo telhado que protege o desenho de um medalhão ancestral.

No extremo esquerdo, um indígena de tanga manobra uma canoa, em jeito de gondoleiro.

No oposto, destaca-se o que nos parece um rei, ou imperador, enfiado num elmo emplumado. Ainda estávamos por desembarcar. A ilha e os seus ilhéus já tratavam de nos convencer da sua magnitude histórica.

Passamos do barco para o molhe. Dois moradores carregam colchões prestes a ser mudados para outras paragens.

Um outro, debate-se com a rede telefónica instável da zona, numa chamada emocional que, como acontece com as suas saudades, vai e vem.

Avançamos para o âmago da ilha. Umas poucas dezenas de passos e damos entrada na Plaza Central.

Comprovamos, assim, a pequenez quase radial de Mexcaltitán, que tem um perímetro de cerca de mil metros, 400 m de norte a sul, 350 m de este a oeste.

Os Peregrinos Católicos de Mexcaltitán

A um Domingo à tarde, a povoação acolhe um bom número de forasteiros.

Uma parte são turistas.

Como viríamos a apurar, muitos mais eram Cristãos, ali reunidos em função das missas de um padre colombiano que conquistara o apreço e a simpatia de uma comunidade crescente de fiéis.

Tantos que não cabiam na igreja de San Pedro y San Pablo, o templo católico convencional da ilha, o mais antigo e diminuto, que encontramos frequentado por uma família compenetrada nas suas preces, mas não tanto como desejariam.

Um estranho murmurar ressoa nos fundos do altar. Vem do extremo oposto da praça, do lado de lá do coreto e da palmeira que lhe faz companhia, uma buriti, assim nos parece.

Durante a manhã, as várias comitivas cristãs desembarcadas na ilha tinham-se aglomerado no edifício mais desafogado do Museu del Origen.

Do interior, emanavam as palavras proféticas do tal padre colombiano idolatrado, Carlos Cancelado e os gritos e gemidos de fiéis comovidos, num estado de absoluto êxtase.

Na praça, outros nativos entregavam-se à prioridade mundana da sua subsistência.

Entre os devotos e os turistas, mais e mais visitantes desembarcavam na ilha.

Os ilhéus com olho para o negócio, esperavam-nos em bancas de recuerdos e do artesanato colorido huichol, uma etnia indígena dos estados ocidentais do México, incluindo o de Nayarit que continuávamos a descobrir.

Uma Ilha que Vive em Função do Camarão

Outros, expunham uma panóplia de petiscos e especialidades que os mexicanos tratam por antojitos, e as bebidas preferidas da nação. As micheladas e as cheladas, as especiais de Mexcaltitán, com sabor a camarão.

O artrópode avermelhado é, afinal de contas, o produto principal e a maior fonte de receita da ilha. Os pescadores capturam-no, sobretudo entre Maio e Agosto e das três da madrugada até de manhã.

Vemos o fruto do mar e do seu trabalho a secar ao sol tropical, sobre lonas de plástico verde.

Os restaurantes locais servem-no fresco e em abundância em ceviches gloriosos e noutros pratos incontornáveis, as albóndigas de camarón barbón e o tlaxtihuil, um caldo tradicional que resulta de uma cozedura de milho com camarão.

A loja domiciliar “Angélica” anuncia que vende gelatina, mas, com maior destaque, tamales de camarón.

Um dos restaurantes da Plaza Central, humilde, popular como nenhum outro e em que acabamos por almoçar, denomina-se, aliás, “El Camarón”.

As Chuvas que Tornam Mexcaltitán a Veneza do México,

Saímos à descoberta do resto da ilha.

Uma rua circular, a Venecia, permite-nos percorrê-la, em volta, por entre o casario térreo pintado de um sortido de tons vivos, à boa moda mexicana, já não no branco e vermelho que tinge boa parte da Plaza Central.

Em plena época seca deste ocidente do México, as águas da lagoa estão baixas. Descem de dia para dia.

Como nos explica, de tronco nu, o señor Cuauhtémoc, o perito em consertar ventoinhas da povoação, em Maio, o calor e a humidade tornam-se insuportáveis.

Assim que o sol sobe no horizonte, as pessoas quase não conseguem sair de casa.

É quando mais solicitam os seus serviços, quase sempre com urgência.

De Junho a Novembro, as chuvas constantes e fortes inflam a lagoa sem apelo. Em vez de caminharem pela povoação, os cerca de oitocentos moradores percorrem-na de barco.

A calle Venecia, como o apodo de Veneza mexicana de Mexcaltitán, ilustram a época anfíbia e ainda mais excêntrica da ilha.

No pré-estio que atravessamos, o caudal ao largo da ponta sudeste de Mexcaltitán e do seu embarcadouro revela uma língua de areia.

Tornou-se o pouso predilecto de dezenas de pelicanos-brancos-americanos e de umas poucas outras aves que estes toleram, sobrevoadas e atormentadas por fragatas oportunistas.

Enquanto secam as penas, as aves habitantes do ilhéu efémero, mantêm-se de olho nos peixes.

Nos que por ali nadam e nos que os pescadores descarregam quando regressam ao ancoradouro enlameado aquém da calle Miguel Hidalgo.

Foi essa a rua eleita para honrar o pai da independência do México.

O Mito eventualmente Real da Aztlán dos Aztecas

À imagem de milhares de outras ruas e avenidas dos quatro cantos da nação.

Segundo defendem vários historiadores, o papel de Mexcaltitán na formação da mexicanidade terá sido muito anterior. E, em termos históricos, tão ou mais crucial.

O termo azteca, mais tarde com sinónimo no mexica (de Vale de México), define o povo que partiu de Aztlán, sua uma terra ancestral. Aztlán seria uma ilha luxuriante situada num grande lago, repleta de aves e de animais em que os indígenas pescavam e caçavam a partir de canoas, entre jardins flutuantes de milheirais e plantações complementares.

Um sector dos historiadores defende que, apesar da sua menção em antigos escritos aztecas e da crença que nela coloca o já secular Movimento Chicano, Aztlán nunca passou de um lugar mitológico.

Alguns, com destaque para o político e arqueólogo Alfredo Chavero (1841-1906) e para Wigberto Jimenéz Moreno afirmaram-se apologistas da sua real existência.

Quem os contesta sublinha que torna a sua teoria mais suspeita o facto de se ter disseminado a partir de 1970.

Na década em que os mexicanos e os americanos “descobriram” as maravilhas do estado de Nayarit e as suas autoridades se começaram a esforçar para o promover.

Seja como for, Chavero, Moreno e adeptos das suas postulações afiançam que, com base nesses mesmo escritos e noutros dos conquistadores e cronistas espanhóis, Mexcaltitán teria sido a tal ilha que os Aztecas deixaram, em 1091.

Que de lá partiram para uma peregrinação rumo a sul, em busca de paragens apontadas pelas divindades, em que deviam assentar e fundar a sua própria nação.

Mexcaltitán, e a Tese do Ponto de Partida para Tenochtitlán

Sabe-se, hoje, sem grandes margens para dúvidas, que o lugar a que os Aztecas chegaram foi Tenochtitlán, uma ilha situada no lago de Texcoco, em pleno Vale do México.

Os escritos narraram que Tenochtitlán foi revelado, aos aztecas, por Huitzilopochtli, deus do Sol, através da visão de uma águia pousada que devorava uma cobra sobre um cacto. Essa cena animal consta, ainda hoje, centrada, na bandeira nacional vermelha, verde e branca do México.

Os aztecas transformaram Tenochtitlán numa cidade-estado poderosa, capital de um grande Império que expandiram para sul, até se depararem com o império rival dos Maias e até que, em 1521, Hernán Cortéz e os conquistadores a seu mando, apoiados por milhares de indígenas rivais, os derrotaram.

Por altura da nossa incursão a Mexcaltitán, não detectámos outros estrangeiros na ilha.

Todos os visitantes, incluindo as centenas que vimos de saída da missa do padre Cancelado, a zarparem para uma ilha secundária e rumo ao Embarcadero La Batanga, eram mexicanos de Nayarit, de outros estados e paragens.

A dúvida que subsiste e que, por certo, para sempre subsistirá está em se Mexcaltitán é ou não a terra de origem dos seus ancestrais.

Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
Creel a Los Mochis, México

Barrancas de Cobre, Caminho de Ferro

O relevo da Sierra Madre Occidental tornou o sonho um pesadelo de construção que durou seis décadas. Em 1961, por fim, o prodigioso Ferrocarril Chihuahua al Pacifico foi inaugurado. Os seus 643km cruzam alguns dos cenários mais dramáticos do México.
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

De Filão da Nova Espanha a Pueblo Mágico Mexicano

No início do século XIX, era uma das povoações mineiras que mais prata garantia à Coroa Espanhola. Um século depois, a prata tinha-se desvalorizado de tal maneira que Real de Catorce se viu abandonada. A sua história e os cenários peculiares filmados por Hollywood, cotaram-na uma das aldeias preciosas do México.
Real de Catorce, San Luís Potosi, México

A Depreciação da Prata que Levou à do Pueblo (Parte II)

Com a viragem para o século XX, o valor do metal precioso bateu no fundo. De povoação prodigiosa, Real de Catorce passou a fantasma. Ainda à descoberta, exploramos as ruínas das minas na sua origem e o encanto do Pueblo ressuscitado.
San Cristobal de las Casas a Campeche, México

Uma Estafeta de Fé

Equivalente católica da Nª Sra. de Fátima, a Nossa Senhora de Guadalupe move e comove o México. Os seus fiéis cruzam-se nas estradas do país, determinados em levar a prova da sua fé à patrona das Américas.

Cidade do México, México

Alma Mexicana

Com mais de 20 milhões de habitantes numa vasta área metropolitana, esta megalópole marca, a partir do seu cerne de zócalo, o pulsar espiritual de uma nação desde sempre vulnerável e dramática.

Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
Cobá a Pac Chen, México

Das Ruínas aos Lares Maias

Na Península de Iucatão, a história do segundo maior povo indígena mexicano confunde-se com o seu dia-a-dia e funde-se com a modernidade. Em Cobá, passámos do cimo de uma das suas pirâmides milenares para o coração de uma povoação dos nossos tempos.
Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Campeche, México

Campeche Sobre Can Pech

Como aconteceu por todo o México, os conquistadores chegaram, viram e venceram. Can Pech, a povoação maia, contava com quase 40 mil habitantes, palácios, pirâmides e uma arquitetura urbana exuberante, mas, em 1540, subsistiam menos de 6 mil nativos. Sobre as ruínas, os espanhóis ergueram Campeche, uma das mais imponentes cidades coloniais das Américas.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
bebe entre reis, cavalhadas de pirenopolis, cruzadas, brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cruzadas à Brasileira

Os exércitos cristãos expulsaram as forças muçulmanas da Península Ibérica no séc. XV mas, em Pirenópolis, estado brasileiro de Goiás, os súbditos sul-americanos de Carlos Magno continuam a triunfar.
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Cultura
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Étnico
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Barco no rio Amarelo, Gansu, China
História
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Dunas da ilha de Bazaruto, Moçambique
Ilhas
Bazaruto, Moçambique

A Miragem Invertida de Moçambique

A apenas 30km da costa leste africana, um erg improvável mas imponente desponta do mar translúcido. Bazaruto abriga paisagens e gentes que há muito vivem à parte. Quem desembarca nesta ilha arenosa exuberante depressa se vê numa tempestade de espanto.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Porto Santo, vista para sul do Pico Branco
Natureza
Vereda Terra Chã e Pico Branco, Porto Santo

Pico Branco, Terra Chã e Outros Caprichos da Ilha Dourada

No seu recanto nordeste, Porto Santo é outra coisa. De costas voltadas para o sul e para a sua grande praia, desvendamos um litoral montanhoso, escarpado e até arborizado, pejado de ilhéus que salpicam um Atlântico ainda mais azul.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Bando de flamingos, Laguna Oviedo, República Dominicana
Parques Naturais
Laguna de Oviedo, República Dominicana

O Mar (nada) Morto da República Dominicana

A hipersalinidade da Laguna de Oviedo oscila consoante a evaporação e da água abastecida pela chuva e pelos caudais vindos da serra vizinha de Bahoruco. Os nativos da região estimam que, por norma, tem três vezes o nível de sal do mar. Lá desvendamos colónias prolíficas de flamingos e de iguanas entre tantas outras espécies que integram este que é um dos ecossistemas mais exuberantes da ilha de Hispaniola.
Porto Rico, San Juan, Cidade muralhada, panoramica
Património Mundial UNESCO
San Juan, Porto Rico

O Porto Rico e Muralhado de San Juan Bautista

San Juan é a segunda cidade colonial mais antiga das Américas, a seguir à vizinha dominicana de Santo Domingo. Entreposto pioneiro da rota que levava o ouro e a prata do Novo Mundo para Espanha, foi atacada vezes sem conta. As suas fortificações incríveis ainda protegem uma das capitais mais vivas e prodigiosas das Caraíbas.
aggie grey, Samoa, pacífico do Sul, Marlon Brando Fale
Personagens
Apia, Samoa Ocidental

A Anfitriã do Pacífico do Sul

Vendeu burgers aos GI’s na 2ª Guerra Mundial e abriu um hotel que recebeu Marlon Brando e Gary Cooper. Aggie Grey faleceu em 1988 mas o seu legado de acolhimento perdura no Pacífico do Sul.
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde, Baía do Tarrafal
Praias
Tarrafal, Santiago, Cabo Verde

O Tarrafal da Liberdade e da Vida Lenta

A vila de Tarrafal delimita um recanto privilegiado da ilha de Santiago, com as suas poucas praias de areia branca. Quem por lá se encanta tem ainda mais dificuldade em entender a atrocidade colonial do vizinho campo prisional.
Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
Executivos dormem assento metro, sono, dormir, metro, comboio, Toquio, Japao
Sobre Carris
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Máquinas Bebidas, Japão
Sociedade
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Vida Selvagem
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
EN FR PT ES