Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal


Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.

Chegamos a meio da semana. Por mais repletos que estejam os hotéis e resorts da grande enseada por que se espraia Santa Maria, a vida parece centrar-se no pontão da cidade. Com uma riqueza e diversidade para que não estávamos preparados.

Pescadores afluem ali, vindos do Atlântico translúcido e esmeralda ao largo e descarregam o peixe que capturaram para carrinhos de mão, baldes e grandes caldeiros.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, barco

Barco faz uma manobra derradeira antes de atracar no pontão de Santa Maria.

No cimo, peixeiras e peixeiros de há muito, recebem, amanham e pesam a pescaria para as vendas que hão de se seguir.

Parte da madeira do pontão fica escarlate da chacina que ali tem lugar. São esquartejados atuns médios e rolam cabeças de rabilhos.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, peixe

Um leque de peixes acabados de pescar, já amanhados e prontos para consumo.

Partes menos comestíveis de distintos peixes são convertidas em isco.

Geram um aroma piscícola a condizer. Num ciclo fechado de predado e predador em que quase tudo se aproveita, um séquito de jovens pescadores à linha, lança o isco ao mar, em busca de mais peixe.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pesca em grupo

Pequeno grupo de amigos pescam na extremidade do pontão de Santa Maria.

Fazem-no virados ao sul do arquipélago e ao norte selvagem da praia Atlântida da ilha da Boavista em que, mesmo demasiado distante para dali o vermos, permanece encalhado e castigado pelas ondas, o cargueiro “Cabo Santa Maria”.

Na paz e segurança de Santa Maria, a ilha, atracam outros barcos de passageiros, garridos e com nomes inusitados. Vemos o “Não é Brinquedo Não”. Em seguida, o “Deus Te Guia”. Fazem desembarcar gentes de outras partes do Sal para uma escadaria anfíbia que os eleva à azáfama acima.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, atum

Pescador segura um atum recém-pescado, sobre o pontão de Santa Maria.

Do extremo terrestre do pontão, chegam ainda funcionários dos muitos restaurantes e hotéis em redor. Examinam e negoceiam a pesca exposta com afinco e a concentração possível tendo em conta a abundância de distracções que têm que contornar.

Dezenas de turistas cirandam e metem os narizes e as pequenas máquinas fotográficas e smartphones em tudo o que tenha vida e cor. “Epá, vocês não param quietos!” diz-nos uma peixeira a quem a nossa hiperactividade e proximidade já fazia confusão. “Vocês querem essas fotos para quê mesmo, expliquem me lá que não está fácil perceber.” completa com um sorriso bem salense nos lábios.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, peixeira

Peixeira amanha peixe recém-desembarcado no pontão de Santa Maria.

Admiramos a paciência inesgotável que os pescadores e peixeiras dedicam aos intrusos, munidos de respostas práticas e sorrisos suaves para qualquer que seja a abordagem.

À margem da pesca e do negócio dela derivado, o pontão serve ainda os propósitos recreativos de uma comunidade inquieta de miúdos e adolescentes.

Vemos um deles, de t-shirt vestida, nadar na nossa direcção. Ao constatarem a atenção que lhe dávamos, um pequeno grupo de amigos atira-lhe os chinelos que tinha deixado sobre o pontão.

Primeiro um. Depois o outro. Espaçados, de maneira a atrapalharem a sua natação e o envergonharem.

Mais abaixo, malgrado uma quase total ausência de vagas, dois miúdos entretêm-se a dar rodagem às suas pranchas de bodyboard.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, body board

Rapaz de Santa Maria diverte-se com as ondas formadas junto ao pontão.

O Pontão e a Ponta de Vera Cruz: uma Fronteira no Litoral de Santa Maria

A quem, como nós, chega de longe, o pontão de Santa Maria tem uma função adicional que aprendemos a valorizar. Divide a baía ampla quase pelo meio.

No ponto em que nos entrega ao solo arenoso da ilha, ficamos com a casa branca e vermelha de Viana pela frente. Encontramo-la fechada, uma mera sombra de história que alguns vendedores aproveitam para se protegerem do braseiro seco e salgado da uma da tarde.

Dia após dia, passam por ela milhares de forasteiros que voam para o Sal em busca do oceano morno, do céu sempre azul e do sol que os afaga.

Poucos ficam a par da importância que aquela espécie de palacete avarandado e coroado por um telhado piramidal teve para a Santa Maria e para a ilha.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Casa Viana II

Transeuntes passam pela Casa Viana, um marco da história de sal e do Sal de Santa Maria.

A Casa Viana e a História de Sal de Santa Maria

Em tempos, a Casa Viana acolheu os escritórios da Companhia de Fomento que controlavam a exportação de sal. O sal era acumulado num barracão instalado por detrás.

Dali, os trabalhadores carregavam-no em vagões e, sobre carris que atravessavam um túnel no âmago do edifício, prosseguia para as embarcações ancoradas no pontão.

Foi o sal abundante do Sal que deu origem à povoação que continuávamos a descobrir.

Se estivermos a encarar o mar, é para oriente do pontão que se estende a verdadeira Santa Maria. Lá se situam a sua igreja do Nazareno e o Mercado Municipal da cidade, por conveniência, instalado a umas meras centenas de metros das plantações agrícolas forçadas a um paul mais vasto, concorrentes das da zona fértil da ilha, da Terra Boa.

À esquerda de quem contempla o oceano, situa-se a grelha geométrica de ruas que, quando por perto de casa, os nativos percorrem, para cá e para lá, entre vizinhos.

E que os forasteiros calcorreiam de olho nas lojinhas de artesanato, entre as esplanadas e bares que dão mais sentido ao calor da ilha.

O meteorológico. E o da Morabeza.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pintura

Pinturas do pontão de Santa Maria, à venda nesta cidade do sul da ilha do Sal.

Os nomes destas vias evocam o passado da ilha e de Cabo Verde, em várias das suas facetas. Há a Rua da Independência e, claro está, a Rua das Salinas, a inevitável homenagem às “minas de ouro branco” da ilha do Sal, na génese já secular de tudo o que vivíamos.

A Empreitada de Manuel António Martins e a Exportação de Sal a Partir de Santa Maria

Tudo começou com Manuel António Martins, bracarense, colono de Cabo Verde desde 1792, governador do arquipélago e da Guiné de 1833 a 1835 e o agente responsável pela extracção e venda do sal abundante da ilha do Sal.

Manuel António Martins também foi nomeado Conselheiro Real, vice-cônsul honorário dos Estados Unidos. Agraciado com o trunfo dessa relação diplomática, fez chegar da América um lote de casas pré-fabricadas.

Esses lares já prontos a morar permitiram-lhe pôr o seu plano em prática com grande celeridade. Começou por aliciar moradores da ilha vizinha da Boavista a mudarem-se para o Sal.

Na viragem para o século XIX, adquiriu escravos no litoral africano incumbidos do trabalho mais duro.

Ergueu marinas, bombas de vento e instalou o tal caminho-de-ferro que passava sob a Casa Viana e que assegurava a ligação ao ponto de embarque na zona da Ponta de Vera Cruz, junto ao pequeno farol agora incorporado no restaurante Farolim.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pontão

O Pontão de Santa Maria a entrar pelo Atlântico no sul da cidade adentro.

A partir de 1835, ano após ano, até 30.000 toneladas de sal foram enviadas de Santa Maria, quase na sua totalidade para o Brasil.

Em 1887, os governadores do Brasil decidiram proteger a sua própria produção e impuseram taxas pesadas sobre o sal que chegasse de fora. A ilha do Sal ressentiu-se de imediato.

Santa Maria, a sua grande povoação entrou num marasmo que se agravou até 1920, quando um investidor português retomou a produção e a venda da matéria-prima.

Esta retoma provou-se tão duradoura quanto proveitosa. Permitiu à povoação passar de pequena vila a cidade, o que aconteceu em 1935.

O Hotel Pioneiro e a Metamorfose de Santa Maria

A produção e exportação do sal prosseguiu até 1984. Nas décadas que decorreram, sem que nada o deixasse prever, a ilha viu aliviado o isolamento a que estava votada.

Em 1963, Gaspard Vynckier e a sua esposa Marguerite Massart, engenheiros e investidores belgas, sentiam-se saturados com o clima invernoso de Ghent, a cidade em que viviam.

Marguerite sofria de asma. Decidida a aliviar os sintomas sempre incómodos, precisava de se instalar num clima mais quente e seco. Através de amigos que o casal tinha em Portugal, descobriram o Sal.

Maravilhados com a ilha, lá construíram uma sua segunda casa. Pouco depois, decidiram abrir um resort pioneiro do Sal. De forma a promoverem, entre os visitantes, o espírito de amabilidade, afabilidade e acolhimento de Cabo Verde, chamaram-lhe “Morabeza”.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Praia

O areal farto que se espraia a sul da cidade de Santa Maria.

Revolucionário, o resort teve, a 13 de Maio de 1967, uma inauguração politizada. Contou com o governador de Cabo Verde e com o administrador da ilha, ladeados por um séquito de outras figuras proeminentes.

Os proprietários chegaram no dia seguinte, a tempo de um almoço oferecido pelo Governador Sacramento Monteiro ao casal belga, aos hóspedes do resort e a vários outros convidados.

Daí em diante, Gaspard e Marguerite passaram os invernos no Sal. Engenheiros como eram, envolveram-se na resolução da falta de água potável na ilha, como no seu saneamento, entre outras iniciativas.

Desde 1962 que o voo entre Joanesburgo e Frankfurt da South African Airways fazia escala no aeroporto de Espargos. Com os anos, várias outras companhias, entre as quais a TAP, a TAAG, a Cubana e a Aeroflot – as três últimas envolvidas na Guerra Civil de Angola – garantiram escalas na ilha.

O resort “Morabeza” expandiu-se de acordo com a procura. Em 1991, as tropas cubanas deixaram Angola. A Cubana, a Aeroflot e outras suspenderam as suas escalas no Sal.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, barco

Barco com passageiros prestes a atracar no pontão de Santa Maria.

Os Anos 90 e a Vaga Turística Que se Continua a Avolumar

Sempre precavido, desde 1986 que Gaspard Vynckier procurava aliciar os turistas europeus a fazerem férias na ilha do Sal. Os primeiros grupos de portugueses terão chegado via agência Abreu. As viagens dos primeiros alemães foram da responsabilidade de uma tal de agência Neckerman.

Com o propósito de solidificar o turismo do Sal, Vynckier fundou ainda agências em Paris e na Bélgica.

Os visitantes aumentaram de forma gradual. Chegados de Portugal e, não tarda, de um sortido de países europeus. A procura justificou a construção de novos hotéis e resorts.

Esta nova realidade leva-nos do Hotel Morabeza, uns meros metros areal afora, de volta ao pontão.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Ponta do Pontão

Silhuetas na ponta do pontão de Santa Maria.

E, logo, à secção para ocidente da estrutura, aquela que acolheu os estabelecimentos concorrentes, uns atrás dos outros, da Ponta de Vera Cruz, ao limiar arredondado da Ponta do Sinó.

É de um desses resorts que saímos de carro, apostados em desvendarmos outros litorais que não apenas o do sul. Espreitamos primeiro a praia de Ponta Preta que nos dizem ser há já muito um dos Kite Spots do Sal.

A Moda do Kite Surf Trazida pelos Ventos Alísios

Com o tempo, mudam-se as modas. À parte do seu sol, também os ventos alísios fortes e estáveis da ilha conquistaram adeptos. Como resultado, o Sal recebe, todos os anos, milhares de fãs de windsurf e, cada vez mais, de kitesurf.

Por um qualquer capricho meteorológico, só uns poucos praticantes, em óbvia aprendizagem, frequentavam a Ponta Preta. Mandamos um mergulho, que o Atlântico estava ali demasiado aliciante para o conseguirmos evitar.

Ainda por enxugar, regressamos ao carro e atravessamos para a costa oposta (a leste) o mais directo que conseguimos, tendo em conta que da artéria principal da ilha para oriente, o caminho se transforma num caos de estradas de terra e de areia indefinidas e em que nos receávamos atolar.

Interrompemos aquela espécie de Paris-Dakar umas centenas de metros acima da escola de kitesurf 100 Feet. Caminhamos entre dunas amareladas. Por fim, entre duas delas, avistamos o verde-azul do Atlântico, ali bem mais agitado e ventoso que na Ponta Preta.

Ao perscrutarmos a praia, deslumbramo-nos com a magnificência atlântica do cenário.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Praia Kitesurf

Multidão de kitesurfers preenche a baía a sul da Ponta da Fragata e da Serra Negra.

Do promontório da Serra Negra e da Ponta da Fragata, para sul, uma profusão multicolor de velas de kitesurf trepidavam no céu esbranquiçado e cruzavam-se para cá e para lá, vezes sem conta. No areal, alguns candidatos a praticantes mais sérios do desporto, ensaiavam a sua entrada em cena.

Refastelamo-nos por momentos contra uma duna e ficamos a assistir àquele estranho bailado.

Conformamo-nos com o facto de ali se exibirem inúmeras manifestações do milagre de Santa Maria do Sal. E desistimos de contar os kites.

Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boavista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
lagoas e fumarolas, vulcoes, PN tongariro, nova zelandia
Aventura
Tongariro, Nova Zelândia

Os Vulcões de Todas as Discórdias

No final do século XIX, um chefe indígena cedeu os vulcões do PN Tongariro à coroa britânica. Hoje, parte significativa do povo maori reclama aos colonos europeus as suas montanhas de fogo.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
city hall, capital, oslo, noruega
Cidades
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Festival MassKara, cidade de Bacolod, Filipinas
Cultura
Bacolod, Filipinas

Um Festival para Rir da Tragédia

Por volta de 1980, o valor do açúcar, uma importante fonte de riqueza da ilha filipina de Negros caia a pique e o ferry “Don Juan” que a servia afundou e tirou a vida a mais de 176 passageiros, grande parte negrenses. A comunidade local resolveu reagir à depressão gerada por estes dramas. Assim surgiu o MassKara, uma festa apostada em recuperar os sorrisos da população.
Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
Em Viagem
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Banhistas em pleno Fim do Mundo-Cenote de Cuzamá, Mérida, México
Étnico
Iucatão, México

O Fim do Fim do Mundo

O dia anunciado passou mas o Fim do Mundo teimou em não chegar. Na América Central, os Maias da actualidade observaram e aturaram, incrédulos, toda a histeria em redor do seu calendário.
luz solar fotografia, sol, luzes
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Torshavn, Ilhas Faroe, remo
História
Tórshavn, Ilhas Faroé

O Porto Faroês de Thor

É a principal povoação das ilhas Faroé desde, pelo menos, 850 d.C., ano em que os colonos viquingues lá estabeleceram um parlamento. Tórshavn mantém-se uma das capitais mais diminutas da Europa e o abrigo divinal de cerca de um terço da população faroense.
Geotermia, Calor da Islândia, Terra do Gelo, Geotérmico, Lagoa Azul
Ilhas
Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Mirador de La Peña, El Hierro, Canárias, Espanha
Natureza
El Hierro, Canárias

A Orla Vulcânica das Canárias e do Velho Mundo

Até Colombo ter chegado às Américas, El Hierro era vista como o limiar do mundo conhecido e, durante algum tempo, o Meridiano que o delimitava. Meio milénio depois, a derradeira ilha ocidental das Canárias fervilha de um vulcanismo exuberante.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Mini-snorkeling
Parques Naturais
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
Zanzibar, ilhas africanas, especiarias, Tanzania, dhow
Património Mundial UNESCO
Zanzibar, Tanzânia

As Ilhas Africanas das Especiarias

Vasco da Gama abriu o Índico ao império luso. No século XVIII, o arquipélago de Zanzibar tornou-se o maior produtor de cravinho e as especiarias disponíveis diversificaram-se, tal como os povos que as disputaram.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Cruzeiro Princess Yasawa, Maldivas
Praias
Maldivas

Cruzeiro pelas Maldivas, entre Ilhas e Atóis

Trazido de Fiji para navegar nas Maldivas, o Princess Yasawa adaptou-se bem aos novos mares. Por norma, bastam um ou dois dias de itinerário, para a genuinidade e o deleite da vida a bordo virem à tona.
Intervenção policial, judeus utraortodoxos, jaffa, Telavive, Israel
Religião
Jaffa, Israel

Protestos Pouco Ortodoxos

Uma construção em Jaffa, Telavive, ameaçava profanar o que os judeus ultra-ortodoxos pensavam ser vestígios dos seus antepassados. E nem a revelação de se tratarem de jazigos pagãos os demoveu da contestação.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Bufalos, ilha do Marajo, Brasil, búfalos da polícia de Soure
Sociedade
Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem uma das maiores manadas do mundo e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
EN FR PT ES