Santa Maria, Sal, Cabo Verde

Santa Maria e a Bênção Atlântica do Sal


Santa Maria foi fundada ainda na primeira metade do século XIX, como entreposto de exportação de sal. Hoje, muito graças à providência de Santa Maria, o Sal ilha vale muito que a matéria-prima.

Chegamos a meio da semana. Por mais repletos que estejam os hotéis e resorts da grande enseada por que se espraia Santa Maria, a vida parece centrar-se no pontão da cidade. Com uma riqueza e diversidade para que não estávamos preparados.

Pescadores afluem ali, vindos do Atlântico translúcido e esmeralda ao largo e descarregam o peixe que capturaram para carrinhos de mão, baldes e grandes caldeiros.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, barco

Barco faz uma manobra derradeira antes de atracar no pontão de Santa Maria.

No cimo, peixeiras e peixeiros de há muito, recebem, amanham e pesam a pescaria para as vendas que hão de se seguir.

Parte da madeira do pontão fica escarlate da chacina que ali tem lugar. São esquartejados atuns médios e rolam cabeças de rabilhos.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, peixe

Um leque de peixes acabados de pescar, já amanhados e prontos para consumo.

Partes menos comestíveis de distintos peixes são convertidas em isco.

Geram um aroma piscícola a condizer. Num ciclo fechado de predado e predador em que quase tudo se aproveita, um séquito de jovens pescadores à linha, lança o isco ao mar, em busca de mais peixe.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pesca em grupo

Pequeno grupo de amigos pescam na extremidade do pontão de Santa Maria.

Fazem-no virados ao sul do arquipélago e ao norte selvagem da praia Atlântida da ilha da Boavista em que, mesmo demasiado distante para dali o vermos, permanece encalhado e castigado pelas ondas, o cargueiro “Cabo Santa Maria”.

Na paz e segurança de Santa Maria, a ilha, atracam outros barcos de passageiros, garridos e com nomes inusitados. Vemos o “Não é Brinquedo Não”. Em seguida, o “Deus Te Guia”. Fazem desembarcar gentes de outras partes do Sal para uma escadaria anfíbia que os eleva à azáfama acima.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, atum

Pescador segura um atum recém-pescado, sobre o pontão de Santa Maria.

Do extremo terrestre do pontão, chegam ainda funcionários dos muitos restaurantes e hotéis em redor. Examinam e negoceiam a pesca exposta com afinco e a concentração possível tendo em conta a abundância de distracções que têm que contornar.

Dezenas de turistas cirandam e metem os narizes e as pequenas máquinas fotográficas e smartphones em tudo o que tenha vida e cor. “Epá, vocês não param quietos!” diz-nos uma peixeira a quem a nossa hiperactividade e proximidade já fazia confusão. “Vocês querem essas fotos para quê mesmo, expliquem me lá que não está fácil perceber.” completa com um sorriso bem salense nos lábios.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, peixeira

Peixeira amanha peixe recém-desembarcado no pontão de Santa Maria.

Admiramos a paciência inesgotável que os pescadores e peixeiras dedicam aos intrusos, munidos de respostas práticas e sorrisos suaves para qualquer que seja a abordagem.

À margem da pesca e do negócio dela derivado, o pontão serve ainda os propósitos recreativos de uma comunidade inquieta de miúdos e adolescentes.

Vemos um deles, de t-shirt vestida, nadar na nossa direcção. Ao constatarem a atenção que lhe dávamos, um pequeno grupo de amigos atira-lhe os chinelos que tinha deixado sobre o pontão.

Primeiro um. Depois o outro. Espaçados, de maneira a atrapalharem a sua natação e o envergonharem.

Mais abaixo, malgrado uma quase total ausência de vagas, dois miúdos entretêm-se a dar rodagem às suas pranchas de bodyboard.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, body board

Rapaz de Santa Maria diverte-se com as ondas formadas junto ao pontão.

O Pontão e a Ponta de Vera Cruz: uma Fronteira no Litoral de Santa Maria

A quem, como nós, chega de longe, o pontão de Santa Maria tem uma função adicional que aprendemos a valorizar. Divide a baía ampla quase pelo meio.

No ponto em que nos entrega ao solo arenoso da ilha, ficamos com a casa branca e vermelha de Viana pela frente. Encontramo-la fechada, uma mera sombra de história que alguns vendedores aproveitam para se protegerem do braseiro seco e salgado da uma da tarde.

Dia após dia, passam por ela milhares de forasteiros que voam para o Sal em busca do oceano morno, do céu sempre azul e do sol que os afaga.

Poucos ficam a par da importância que aquela espécie de palacete avarandado e coroado por um telhado piramidal teve para a Santa Maria e para a ilha.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Casa Viana II

Transeuntes passam pela Casa Viana, um marco da história de sal e do Sal de Santa Maria.

A Casa Viana e a História de Sal de Santa Maria

Em tempos, a Casa Viana acolheu os escritórios da Companhia de Fomento que controlavam a exportação de sal. O sal era acumulado num barracão instalado por detrás.

Dali, os trabalhadores carregavam-no em vagões e, sobre carris que atravessavam um túnel no âmago do edifício, prosseguia para as embarcações ancoradas no pontão.

Foi o sal abundante do Sal que deu origem à povoação que continuávamos a descobrir.

Se estivermos a encarar o mar, é para oriente do pontão que se estende a verdadeira Santa Maria. Lá se situam a sua igreja do Nazareno e o Mercado Municipal da cidade, por conveniência, instalado a umas meras centenas de metros das plantações agrícolas forçadas a um paul mais vasto, concorrentes das da zona fértil da ilha, da Terra Boa.

À esquerda de quem contempla o oceano, situa-se a grelha geométrica de ruas que, quando por perto de casa, os nativos percorrem, para cá e para lá, entre vizinhos.

E que os forasteiros calcorreiam de olho nas lojinhas de artesanato, entre as esplanadas e bares que dão mais sentido ao calor da ilha.

O meteorológico. E o da Morabeza.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pintura

Pinturas do pontão de Santa Maria, à venda nesta cidade do sul da ilha do Sal.

Os nomes destas vias evocam o passado da ilha e de Cabo Verde, em várias das suas facetas. Há a Rua da Independência e, claro está, a Rua das Salinas, a inevitável homenagem às “minas de ouro branco” da ilha do Sal, na génese já secular de tudo o que vivíamos.

A Empreitada de Manuel António Martins e a Exportação de Sal a Partir de Santa Maria

Tudo começou com Manuel António Martins, bracarense, colono de Cabo Verde desde 1792, governador do arquipélago e da Guiné de 1833 a 1835 e o agente responsável pela extracção e venda do sal abundante da ilha do Sal.

Manuel António Martins também foi nomeado Conselheiro Real, vice-cônsul honorário dos Estados Unidos. Agraciado com o trunfo dessa relação diplomática, fez chegar da América um lote de casas pré-fabricadas.

Esses lares já prontos a morar permitiram-lhe pôr o seu plano em prática com grande celeridade. Começou por aliciar moradores da ilha vizinha da Boavista a mudarem-se para o Sal.

Na viragem para o século XIX, adquiriu escravos no litoral africano incumbidos do trabalho mais duro.

Ergueu marinas, bombas de vento e instalou o tal caminho-de-ferro que passava sob a Casa Viana e que assegurava a ligação ao ponto de embarque na zona da Ponta de Vera Cruz, junto ao pequeno farol agora incorporado no restaurante Farolim.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, pontão

O Pontão de Santa Maria a entrar pelo Atlântico no sul da cidade adentro.

A partir de 1835, ano após ano, até 30.000 toneladas de sal foram enviadas de Santa Maria, quase na sua totalidade para o Brasil.

Em 1887, os governadores do Brasil decidiram proteger a sua própria produção e impuseram taxas pesadas sobre o sal que chegasse de fora. A ilha do Sal ressentiu-se de imediato.

Santa Maria, a sua grande povoação entrou num marasmo que se agravou até 1920, quando um investidor português retomou a produção e a venda da matéria-prima.

Esta retoma provou-se tão duradoura quanto proveitosa. Permitiu à povoação passar de pequena vila a cidade, o que aconteceu em 1935.

O Hotel Pioneiro e a Metamorfose de Santa Maria

A produção e exportação do sal prosseguiu até 1984. Nas décadas que decorreram, sem que nada o deixasse prever, a ilha viu aliviado o isolamento a que estava votada.

Em 1963, Gaspard Vynckier e a sua esposa Marguerite Massart, engenheiros e investidores belgas, sentiam-se saturados com o clima invernoso de Ghent, a cidade em que viviam.

Marguerite sofria de asma. Decidida a aliviar os sintomas sempre incómodos, precisava de se instalar num clima mais quente e seco. Através de amigos que o casal tinha em Portugal, descobriram o Sal.

Maravilhados com a ilha, lá construíram uma sua segunda casa. Pouco depois, decidiram abrir um resort pioneiro do Sal. De forma a promoverem, entre os visitantes, o espírito de amabilidade, afabilidade e acolhimento de Cabo Verde, chamaram-lhe “Morabeza”.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Praia

O areal farto que se espraia a sul da cidade de Santa Maria.

Revolucionário, o resort teve, a 13 de Maio de 1967, uma inauguração politizada. Contou com o governador de Cabo Verde e com o administrador da ilha, ladeados por um séquito de outras figuras proeminentes.

Os proprietários chegaram no dia seguinte, a tempo de um almoço oferecido pelo Governador Sacramento Monteiro ao casal belga, aos hóspedes do resort e a vários outros convidados.

Daí em diante, Gaspard e Marguerite passaram os invernos no Sal. Engenheiros como eram, envolveram-se na resolução da falta de água potável na ilha, como no seu saneamento, entre outras iniciativas.

Desde 1962 que o voo entre Joanesburgo e Frankfurt da South African Airways fazia escala no aeroporto de Espargos. Com os anos, várias outras companhias, entre as quais a TAP, a TAAG, a Cubana e a Aeroflot – as três últimas envolvidas na Guerra Civil de Angola – garantiram escalas na ilha.

O resort “Morabeza” expandiu-se de acordo com a procura. Em 1991, as tropas cubanas deixaram Angola. A Cubana, a Aeroflot e outras suspenderam as suas escalas no Sal.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, barco

Barco com passageiros prestes a atracar no pontão de Santa Maria.

Os Anos 90 e a Vaga Turística Que se Continua a Avolumar

Sempre precavido, desde 1986 que Gaspard Vynckier procurava aliciar os turistas europeus a fazerem férias na ilha do Sal. Os primeiros grupos de portugueses terão chegado via agência Abreu. As viagens dos primeiros alemães foram da responsabilidade de uma tal de agência Neckerman.

Com o propósito de solidificar o turismo do Sal, Vynckier fundou ainda agências em Paris e na Bélgica.

Os visitantes aumentaram de forma gradual. Chegados de Portugal e, não tarda, de um sortido de países europeus. A procura justificou a construção de novos hotéis e resorts.

Esta nova realidade leva-nos do Hotel Morabeza, uns meros metros areal afora, de volta ao pontão.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Ponta do Pontão

Silhuetas na ponta do pontão de Santa Maria.

E, logo, à secção para ocidente da estrutura, aquela que acolheu os estabelecimentos concorrentes, uns atrás dos outros, da Ponta de Vera Cruz, ao limiar arredondado da Ponta do Sinó.

É de um desses resorts que saímos de carro, apostados em desvendarmos outros litorais que não apenas o do sul. Espreitamos primeiro a praia de Ponta Preta que nos dizem ser há já muito um dos Kite Spots do Sal.

A Moda do Kite Surf Trazida pelos Ventos Alísios

Com o tempo, mudam-se as modas. À parte do seu sol, também os ventos alísios fortes e estáveis da ilha conquistaram adeptos. Como resultado, o Sal recebe, todos os anos, milhares de fãs de windsurf e, cada vez mais, de kitesurf.

Por um qualquer capricho meteorológico, só uns poucos praticantes, em óbvia aprendizagem, frequentavam a Ponta Preta. Mandamos um mergulho, que o Atlântico estava ali demasiado aliciante para o conseguirmos evitar.

Ainda por enxugar, regressamos ao carro e atravessamos para a costa oposta (a leste) o mais directo que conseguimos, tendo em conta que da artéria principal da ilha para oriente, o caminho se transforma num caos de estradas de terra e de areia indefinidas e em que nos receávamos atolar.

Interrompemos aquela espécie de Paris-Dakar umas centenas de metros acima da escola de kitesurf 100 Feet. Caminhamos entre dunas amareladas. Por fim, entre duas delas, avistamos o verde-azul do Atlântico, ali bem mais agitado e ventoso que na Ponta Preta.

Ao perscrutarmos a praia, deslumbramo-nos com a magnificência atlântica do cenário.

Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde, Praia Kitesurf

Multidão de kitesurfers preenche a baía a sul da Ponta da Fragata e da Serra Negra.

Do promontório da Serra Negra e da Ponta da Fragata, para sul, uma profusão multicolor de velas de kitesurf trepidavam no céu esbranquiçado e cruzavam-se para cá e para lá, vezes sem conta. No areal, alguns candidatos a praticantes mais sérios do desporto, ensaiavam a sua entrada em cena.

Refastelamo-nos por momentos contra uma duna e ficamos a assistir àquele estranho bailado.

Conformamo-nos com o facto de ali se exibirem inúmeras manifestações do milagre de Santa Maria do Sal. E desistimos de contar os kites.

Chã das Caldeiras, Ilha do Fogo Cabo Verde

Um Clã "Francês" à Mercê do Fogo

Em 1870, um conde nascido em Grenoble a caminho de um exílio brasileiro, fez escala em Cabo Verde onde as beldades nativas o prenderam à ilha do Fogo. Dois dos seus filhos instalaram-se em plena cratera do vulcão e lá continuaram a criar descendência. Nem a destruição causada pelas recentes erupções demove os prolíficos Montrond do “condado” que fundaram na Chã das Caldeiras.    
Ilha da Boa Vista, Cabo Verde

Ilha da Boa Vista: Vagas do Atlântico, Dunas do Sara

Boa Vista não é apenas a ilha cabo-verdiana mais próxima do litoral africano e do seu grande deserto. Após umas horas de descoberta, convence-nos de que é um retalho do Sara à deriva no Atlântico do Norte.
Cidade Velha, Cabo Verde

Cidade Velha: a anciã das Cidades Tropico-Coloniais

Foi a primeira povoação fundada por europeus abaixo do Trópico de Câncer. Em tempos determinante para expansão portuguesa para África e para a América do Sul e para o tráfico negreiro que a acompanhou, a Cidade Velha tornou-se uma herança pungente mas incontornável da génese cabo-verdiana.

Ilha do Sal, Cabo Verde

O Sal da Ilha do Sal

Na iminência do século XIX, Sal mantinha-se carente de água potável e praticamente inabitada. Até que a extracção e exportação do sal lá abundante incentivou uma progressiva povoação. Hoje, o sal e as salinas dão outro sabor à ilha mais visitada de Cabo Verde.
Mar Morto, Israel

À Tona d'água, nas Profundezas da Terra

É o lugar mais baixo à superfície do planeta e palco de várias narrativas bíblicas. Mas o Mar Morto também é especial pela concentração de sal que inviabiliza a vida mas sustém quem nele se banha.

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Safari
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Arquitectura & Design
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Aventura
Viagens de Barco

Para Quem Só Enjoa de Navegar na Net

Embarque e deixe-se levar em viagens de barco imperdíveis como o arquipélago filipino de Bacuit e o mar gelado do Golfo finlandês de Bótnia.
Verificação da correspondência
Cerimónias e Festividades
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Totem, Sitka, Viagem Alasca que já foi da Rússia
Cidades
Sitka, Alasca

Sitka: Viagem por um Alasca que Já foi Russo

Em 1867, o czar Alexandre II teve que vender o Alasca russo aos Estados Unidos. Na pequena cidade de Sitka, encontramos o legado russo mas também os nativos Tlingit que os combateram.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
Enseada, Big Sur, Califórnia, Estados Unidos
Em Viagem
Big Sur, E.U.A.

A Costa de Todos os Refúgios

Ao longo de 150km, o litoral californiano submete-se a uma vastidão de montanha, oceano e nevoeiro. Neste cenário épico, centenas de almas atormentadas seguem os passos de Jack Kerouac e Henri Miller.
Étnico
Gizo, Ilhas Salomão

Gala dos Pequenos Cantores de Saeraghi

Em Gizo, ainda são bem visíveis os estragos provocados pelo tsunami que assolou as ilhas Salomão. No litoral de Saeraghi, a felicidade balnear das crianças contrasta com a sua herança de desolação.
luz solar fotografia, sol, luzes
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
História
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Ilhas
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Inverno Branco
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Literatura
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Iguana em Tulum, Quintana Roo, México
Natureza
Iucatão, México

A Lei de Murphy Sideral que Condenou os Dinossauros

Cientistas que estudam a cratera provocada pelo impacto de um meteorito há 66 milhões de anos chegaram a uma conclusão arrebatadora: deu-se exatamente sobre uma secção dos 13% da superfície terrestre suscetíveis a tal devastação. Trata-se de uma zona limiar da península mexicana de Iucatão que um capricho da evolução das espécies nos permitiu visitar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Bandeiras de oração em Ghyaru, Nepal
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 4º – Upper Pisang a Ngawal, Nepal

Do Pesadelo ao Deslumbre

Sem que estivéssemos avisados, confrontamo-nos com uma subida que nos leva ao desespero. Puxamos ao máximo pelas forças e alcançamos Ghyaru onde nos sentimos mais próximos que nunca dos Annapurnas. O resto do caminho para Ngawal soube como uma espécie de extensão da recompensa.
Cataratas de Victoria, Zimbabwe, Zambia
Património Mundial UNESCO
Victoria Falls, Zimbabwe

O Presente Trovejante de Livingstone

O explorador procurava uma rota para o Índico quando nativos o conduziram a um salto do rio Zambeze. As cataratas que encontrou eram tão majestosas que decidiu baptizá-las em honra da sua rainha
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Santa Marta, Tayrona, Simón Bolivar, Ecohabs do Parque Nacional Tayrona
Praias
Santa Marta e PN Tayrona, Colômbia

O Paraíso de que Partiu Simón Bolívar

Às portas do PN Tayrona, Santa Marta é a cidade hispânica habitada em contínuo mais antiga da Colômbia.  Nela, Simón Bolívar, começou a tornar-se a única figura do continente quase tão reverenciada como Jesus Cristo e a Virgem Maria.
Religião
Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Tombolo e Punta Catedral, Parque Nacional Manuel António, Costa Rica
Vida Selvagem
PN Manuel António, Costa Rica

O Pequeno-Grande Parque Nacional da Costa Rica

São bem conhecidas as razões para o menor dos 28 parques nacionais costarriquenhos se ter tornado o mais popular. A fauna e flora do PN Manuel António proliferam num retalho ínfimo e excêntrico de selva. Como se não bastasse, limitam-no quatro das melhores praias ticas.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES