Balos a Seitan Limani, Creta, Grécia

O Olimpo Balnear de Chania


A Cavalo
Vista de Balos
A Sombra Possível
O Areal Ideal
Deleite Mediterrâneo
O Painel de Balos
Praia Organizada
A Praia de Zorba
Lagoa Esmeralda
Recorte de Costa
Seitan Limiani

Não é só Chania, a pólis secular, repleta de história mediterrânica, no extremo nordeste de Creta que deslumbra. Refrescam-na e aos seus moradores e visitantes, Balos, Stavros e Seitan, três dos mais exuberantes litorais da Grécia.

Como se ainda fosse necessário, longe de o ser, Creta volta a provar-se a mais imensa ilha helénica.

O que começara como um mero plano de evasão matinal, revela-se uma verdadeira odisseia rodoviária.

Começamos por subir rumo à quase auto-estrada E65 que percorre o cimo de Creta, numa das raras linhas em que a orografia dramática da ilha o permitiu.

Percorremo-la entre o Golfo de Chania e as vertentes verdejantes a sul.

Por alguns quilómetros, na base de uma primeira península que se estende Mar Egeu adentro. Depois, pela beira de um novo golfo pronunciado, o de Kissamou.

O Caminho Árduo para o Extremo Noroeste de Creta

Encerra-o e à Creta continental, outra península, não tão longa, mas mais afiada que a anterior e que tinha como prolongamento insular um tal de arquipélago Gramvousa, abençoado por uma velha igreja ortodoxa.

Sem chegarmos a tanto, confrontados com a base do tal cabo, deixamos a via principal. Para uma outra desgastada, empoeirada e que, não tarda, se despromove a estrada terrosa repleta de sulcos, buracos e crateras que nos mantêm em constante trepidação e agitação.

Compensam o desconforto, os panoramas do mar arredondado do Golfo Kissamou. Aos poucos, subimos pelo cabo que o encerrava, pela base da crista de Platiskinos que nos barrava o acesso e a vista para ocidente.

Alguns meandros mais, e tanto a estrada como a crista se ficam por ali.

O Trilho para o Sopé de Platiskinos

Damos com um parque de estacionamento improvisado, patrulhado por um rebanho de cabras que, àquela hora, preferiam a sombra ao pasto.

Duas delas repousam contra uma venda de bebidas, submetidas à aresta que, por enquanto, o sol poupava. Outras, mantinham-se encostadas a carros mais altos ou disputavam os seus fundos oleosos.

Abandonamos o nosso em busca do trilho que conduzia ao lado oeste do cabo e ao destino final da expedição, Balos.

Percorremo-lo na companhia de banhistas ansiosos. 

Ultrapassam-nos outros, a cavalo de um sortido incaracterístico de equídeos, burros de distintos tamanhos, mulas e cavalos diminutos.

Praia Balos e um Deslumbre Turquesa-Esmeralda

O trilho desemboca numa espécie de socalco avançado. Por fim, para lá do fundo da encosta, vemos estender-se uma lagoa marinha de um ciano que o sol a pique acentuava e que só a profundidade longínqua transformava em turquesa.

Delimitavam-na, a oeste e a noroeste, ilhéus áridos, sarapintados de vegetação mediterrânica rasteira.

Um areal inesperado ligava o ilhéu mais próximo à vertente de que contemplávamos o cenário. As suas linhas caprichosas uniam distintas praias.

Uma, mais longa, ao longo do sopé de Platiskinos. Uma outra, arredondada, perpendicular a esta, já a meio da lagoa. E uma terceira, instalada contra a base do ilhéu.

Em todas elas, os banhistas dividiam o tempo entre conversas veraneantes e um arrefecimento custoso, num mar raso de leito bem alvo em que a água amornava ao ritmo a que o sol subia para o seu zénite.

Em certos trechos, a areia assumia uma enigmática dominante rosada gerada pela moagem natural de conchas por ali abundantes.

Balos: uma Lagoa Marinha Protegida mas Não o Suficiente

No exterior da lagoa, onde o mar se aprofunda e escurece ao tom do petróleo, do lado detrás, mais inacessível dos ilhéus, resiste uma fauna protegida pelo estatuto de reserva integrante do programa Natura 2000 e suas restrições.

Convivem, entre Balos e as ilhas de Gramvousa, tartarugas-careta, focas-monge, corvos-marinhos, falcões-da-rainha e painhos-de-cauda-quadrada.

Não obstante esta sua fauna diversificada, para o bem e para o mal, a notoriedade de Balos adveio das suas formas e, sobretudo, cores.

As gentes e, em especial, os guias de Chania e outras partes de Creta fazem questão de lembrar que, no seu tempo de casal funcional, o príncipe Carlos e a princesa Diana a frequentaram, a bordo dum iate real.

Afiançam ainda que Balos é a praia mais fotografada da Grécia.

Numa nação com mais de cinco mil ilhas e ilhéus, tantos deles repletos de litorais privilegiados e praias famosas, hesitamos em partilhar de tal certeza.

Caminhamos para a tarde. Aglomeram-se os pequenos barcos de excursões provenientes de Kissamos.

E a diminuí-los e às supostas regras Natura 2000, um navio de maior calado com música em altos berros que ancora além da lagoa e faz os passageiros desembarcarem para o areal na base do ilhéu central de Balos.

Com o calor a atingir o auge vespertino, o barco surgiu como o desmobilizador que nos faltava. Encetamos a ascensão de regresso ao cimo de Platiskinos e ao carro.

Regressamos a Chania.

Em redor da península de Akrotiri de que a cidade serve de pé, aguardavam-nos outras praias inverosímeis.

Stavros e as Praias do Norte de Akrotiri

Não chegamos a reentrar na capital do poente cretense. Em vez, subimos pelo lado oeste até a um quase cimo de Akrotiri e à povoação-retiro de Stavros.

Com menos de quinhentos habitantes permanentes, Stavros desenvolveu-se na iminência de uma enseada recortada e praia homónima, também ela aquém de um monte árido, um morro em forma de bossas de camelo, denominado Vardies.

O desenvolvimento de Stavros deve, todavia, ser relativizado.

O magnetismo e móbil deste arredor disputado assentou em dois atributos principais. A lagoa marinha tranquila e apelativa a leste do casario.

E os meros 15km de distância do domínio urbano de Chania, ainda menos do aeroporto internacional da cidade.

Quando lá damos entrada, percebemos que, em vez de se manter na sua torre de observação, o nadador-salvador convivia nos bares, esplanadas e outros negócios balneares em redor.

Ao nos fazermos ao mar encurralado da Golden Beach local, percebemos o quão difícil seria criticá-lo. Temos que andar muitas dezenas de metros para a água nos chegar à cintura. Com a maré a começar a encher, a única corrente que se esboçava, vinha do mar aberto para o interior arredondado da lagoa.

Mar e marés à parte, Stavros e a Golden Beach já tiveram os seus tempos inolvidáveis, de irradiação mundial da cultura cretense.

Stavros e a Golden Beach Eternizada em “Zorba o Grego

Recuemos até 1964. A povoação pouco passava de um lugarejo piscatório. O realizador grego-cipriota Michel Cacoyannis achou-a encantadora. Escolheu-a para uma das cenas mais memoráveis do clássico do cinema helénico “Zorba o Grego”.

Aquela em que, precisamente contra o recorte do monte Vardies e ao som de bouzoukis, Anthony Quinn dança uma dança sirtaki coreografada à medida para o filme, a melodia, crescente e contagiante, da autoria do não menos famoso compositor grego Mikis Theodorakis.

A longa-metragem baseou-se no romance homónimo do escritor cretense Nikos Kazantzakis, de 1946.

Aquém de uma música e dança tradicional grega, a cena combinou distintos ritmos lentos e acelerados de um tipo de música tradicional helénica denominado hasapiko. O nome Sirtaki, esse, foi adaptado da dança comunal e tradicional syrtos, em que os dançarinos dão as mãos, em círculo.

Mas voltemos à beira-mar que acolheu Michel Cacoyannis e Anthony Quinn.

A hoje conhecida tanto por Golden como por Zorba Beach não é a única praia de Stavros. Cerca de duzentos metros acima, encontramos uma outra mais exposta ao mar, agitada a condizer.

Trata-se Pachia Ammos, traduzível por “de areia grossa”.

Separa-as um cimo de península com vestígios de uma pedreira usada durante a Era Veneziana de Chania (sec. XIII a XVII), quando os colonos originários da Península Itálica extraíram as centenas de toneladas de pedra calcária, em boa parte, ainda empilhadas a formar as muralhas de Chania.

Em Busca da Furtiva Seitan Limiani

Com o fim do dia, haveríamos de lá nos refugiarmos. Enquanto isso, tínhamos uma derradeira e, assim esperávamos, impressionante praia de Chania e de Akrotiri para desvendar.

Atravessamos a península arredondada de oeste a leste, a determinada altura, entre o Mosteiro Ortodoxo de Agia Triada e a área vedada do aeroporto.

Pelo caminho, cruzamos as aldeias de Chordaki e de Akropoli. Quando deixamos Akropoli para trás, o novo destino final já pouco distava.

Encontramo-lo no cimo de uma espécie de rasgo geológico triplo na costa oriental de Akrotiri, uma sequência de braços de mar cavados na vertente abrupta e rochosa da península. Passamos por nova pedreira. Descemos.

E ainda mais.

Apesar de tanto descermos, é lá em baixo, ainda distante, que avistamos o meandro, de um tom turquesa, tão intenso que mais parece retroiluminado, de Seitan Limania, contrastante com o solo ferroso e ocre no cimo da falésia.

À medida que descemos, apercebemo-nos o deleite em que alguns banhistas flutuam naquela piscina natural, como deuses de folga, a recuperarem das atribulações e complicações terrenas.

Uma vez mais, a praia confirma-se divinal. E, no entanto, popularizou-se como demoníaca.

A Génese Otomana do Baptismo Balnear

O termo grego “limani” traduz o convencional “porto” ou “abrigo”. Já “Seitan” tem uma génese turca, do tempo que os Otomanos mantinham estas paragens no seu vasto império.

Diz-se que assim o baptizaram porque, em especial durante o Inverno, o seu visual apelativo encobria uma corrente traiçoeira, que terá provocado vítimas, tragédias atribuídas a um diabo marinho.

O mais demoníaco de que nos apercebemos foi o sol ter caído para o poente de Akrotiri.

De ter levado consigo o brilho do azul-turquesa. E nos deixado numa sombra decadente da glória balnear com que o dia e o recanto noroeste de Creta nos haviam prendado.

No recanto sudoeste ainda havia a famosa Elafonisi. E tantas outra menos notórias.

Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Chania, Creta, Grécia

Chania: pelo Poente da História de Creta

Chania foi minóica, romana, bizantina, árabe, veneziana e otomana. Chegou à actual nação helénica como a cidade mais sedutora de Creta.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Iraklio, CretaGrécia

De Minos a Menos

Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.
Nea Kameni, Santorini, Grécia

O Cerne Vulcânico de Santorini

Tinham decorrido cerca de três milénios desde a erupção minóica que desintegrou a maior ilha-vulcão do Egeu. Os habitantes do cimo das falésias observaram terra emergir no centro da caldeira inundada. Nascia Nea Kameni, o coração fumegante de Santorini.
Fira, Santorini, Grécia

Fira: Entre as Alturas e as Profundezas da Atlântida

Por volta de 1500 a.C. uma erupção devastadora fez afundar no Mar Egeu boa parte do vulcão-ilha Fira e levou ao colapso a civilização minóica, apontada vezes sem conta como a Atlântida. Seja qual for o passado, 3500 anos volvidos, Thira, a cidade homónima, tem tanto de real como de mítico.
Miami Beach, E.U.A.

A Praia de Todas as Vaidades

Poucos litorais concentram, ao mesmo tempo, tanto calor e exibições de fama, de riqueza e de glória. Situada no extremo sudeste dos E.U.A., Miami Beach tem acesso por seis pontes que a ligam ao resto da Florida. É parco para o número de almas que a desejam.
Ilhas Phi Phi, Tailândia

De regresso à Praia de Danny Boyle

Passaram 15 anos desde a estreia do clássico mochileiro baseado no romance de Alex Garland. O filme popularizou os lugares em que foi rodado. Pouco depois, alguns desapareceram temporária mas literalmente do mapa mas, hoje, a sua fama controversa permanece intacta.
La Digue, Seicheles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Atenas, Grécia

A Cidade que Perpetua a Metrópolis

Decorridos três milénios e meio, Atenas resiste e prospera. De cidade-estado belicista, tornou-se a capital da vasta nação helénica. Modernizada e sofisticada, preserva, num âmago rochoso, o legado da sua gloriosa Era Clássica.
hipopotamos, parque nacional chobe, botswana
Safari
PN Chobe, Botswana

Chobe: um rio na Fronteira da Vida com a Morte

O Chobe marca a divisão entre o Botswana e três dos países vizinhos, a Zâmbia, o Zimbabwé e a Namíbia. Mas o seu leito caprichoso tem uma função bem mais crucial que esta delimitação política.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Arquitectura & Design
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Aventura
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Big Freedia e bouncer, Fried Chicken Festival, New Orleans
Cerimónias e Festividades
New Orleans, Luisiana, Estados Unidos

Big Freedia: em Modo Bounce

New Orleans é o berço do jazz e o jazz soa e ressoa nas suas ruas. Como seria de esperar, numa cidade tão criativa, lá emergem novos estilos e actos irreverentes. De visita à Big Easy, aventuramo-nos à descoberta do Bounce hip hop.
Oulu Finlândia, Passagem do Tempo
Cidades
Oulu, Finlândia

Oulu: uma Ode ao Inverno

Situada no cimo nordeste do Golfo de Bótnia, Oulu é uma das cidades mais antigas da Finlândia e a sua capital setentrional. A meros 220km do Círculo Polar Árctico, até nos meses mais frígidos concede uma vida ao ar livre prodigiosa.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Cabine lotada
Cultura
Saariselka, Finlândia

O Delicioso Calor do Árctico

Diz-se que os finlandeses criaram os SMS para não terem que falar. O imaginário dos nórdicos frios perde-se na névoa das suas amadas saunas, verdadeiras sessões de terapia física e social.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Fim do dia no lago da barragem do rio Teesta, em Gajoldoba, Índia
Em Viagem
Dooars, Índia

Às Portas dos Himalaias

Chegamos ao limiar norte de Bengala Ocidental. O subcontinente entrega-se a uma vasta planície aluvial preenchida por plantações de chá, selva, rios que a monção faz transbordar sobre arrozais sem fim e povoações a rebentar pelas costuras. Na iminência da maior das cordilheiras e do reino montanhoso do Butão, por óbvia influência colonial britânica, a Índia trata esta região deslumbrante por Dooars.
Elalab, vista aérea, Guiné Bissau
Étnico
Elalab, Guiné Bissau

Uma Tabanca na Guiné dos Meandros sem Fim

São incontáveis os afluentes e canais que, a norte do grande rio Cacheu, serpenteiam entre manguezais e encharcam terras firmes. Contra todas as dificuldades, gentes felupes lá se instalaram e mantêm povoações prolíficas que envolveram de arrozais. Elalab, uma delas, tornou-se uma das tabancas mais naturais e exuberantes da Guiné Bissau.
Vista para ilha de Fa, Tonga, Última Monarquia da Polinésia
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Portfólio Got2Globe

Sinais Exóticos de Vida

Selfie, Hida do Japão Antigo e Medieval
História
Takayama, Japão

Takayama do Japão Antigo e da Hida Medieval

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.
Viagem São Tomé, Equador, São Tomé e Principe, Pico Cão Grande
Ilhas
São Tomé, São Tomé & Príncipe

Viagem até onde São Tomé Aponta o Equador

Fazemo-nos à estrada que liga a capital homónima ao fundo afiado da ilha. Quando chegamos à Roça Porto Alegre, com o ilhéu das Rolas e o Equador pela frente, tínhamo-nos perdido vezes sem conta no dramatismo histórico e tropical de São Tomé.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Literatura
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
Ilha do Principe, São Tomé e Principe
Natureza
Príncipe, São Tomé e Príncipe

Viagem ao Retiro Nobre da Ilha do Príncipe

A 150 km de solidão para norte da matriarca São Tomé, a ilha do Príncipe eleva-se do Atlântico profundo num cenário abrupto e vulcânico de montanha coberta de selva. Há muito encerrada na sua natureza tropical arrebatadora e num passado luso-colonial contido mas comovente, esta pequena ilha africana ainda abriga mais estórias para contar que visitantes para as escutar.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Namibe, Angola, Gruta, Parque Iona
Parques Naturais
Namibe, Angola

Incursão ao Namibe Angolano

À descoberta do sul de Angola, deixamos Moçâmedes para o interior da província desértica. Ao longo de milhares de quilómetros sobre terra e areia, a rudeza dos cenários só reforça o assombro da sua vastidão.
, México, cidade da prata e do Ouro, lares sobre túneis
Património Mundial UNESCO
Guanajuato, México

A Cidade que Brilha de Todas as Cores

Durante o século XVIII, foi a cidade que mais prata produziu no mundo e uma das mais opulentas do México e da Espanha colonial. Várias das suas minas continuam activas mas a riqueza de Guanuajuato que impressiona está na excentricidade multicolor da sua história e património secular.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Ilha Maurícia, viagem Índico, queda de água de Chamarel
Religião
Maurícias

Uma Míni Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre Carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Vida Quotidiana
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
Serengeti, Grande Migração Savana, Tanzania, gnus no rio
Vida Selvagem
PN Serengeti, Tanzânia

A Grande Migração da Savana Sem Fim

Nestas pradarias que o povo Masai diz siringet (correrem para sempre), milhões de gnus e outros herbívoros perseguem as chuvas. Para os predadores, a sua chegada e a da monção são uma mesma salvação.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.