Iraklio, Grécia

De Minos a Menos


Cnossos
Visitantes fotografam a secção mais popular das ruínas do Palácio de Cnossos.
Elegância minoica
Reconstituição de frescos minoicos, no palácio de Cnossos.
Barco ou casa ?
Pescador a bordo do seu pequeno barco de pesca, no porto de Iraklio.
Pura Curiosidade
Duas crianças espreitam o interior do sebil (quiosque de fornecimento de água) otomano de Iraklio.
Agios Titos
Sol doura a fachada superior da igreja bizantina de Agios Titos.
Coca-Cola, versão minoica
Painel publicitário da Coca-Cola com cena de Teseu e o minotauro, junto ao Palácio de Cnossos.
“Nikolaos”
Pormenor de um barco de pesca ancorado em Iraklio, Creta.
Falsa Lua sobre o Loggia
Transeuntes passam em frente ao Loggia, um edifício erguido pelos venezianos em Iraklio para convívio dos seus nobre endinheirados.
O Trono
O trono de alabastro de Minos da Sala do Trono do Palácio de Cnossos.
Sol cretense
Visitante da fortaleza veneziana de Koules aprecia o ondular da bandeira helénica.
Velho porto
Lusco-fusco dá mais cor ao porto de Iraklio, com a fortaleza veneziana de Koules em fundo.
Chegamos a Iraklio e, no que diz respeito a grandes cidades, a Grécia fica-se por ali. Já quanto à história e à mitologia, a capital de Creta ramifica sem fim. Minos, filho de Europa, lá teve tanto o seu palácio como o labirinto em que encerrou o minotauro. Passaram por Iraklio os árabes, os bizantinos, os venezianos e os otomanos. Os gregos que a habitam falham em lhe dar o devido valor.

Foi em Iraklio que deixámos de vez o cruzeiro “Celestyal Crystal”. Os restantes passageiros explorariam a cidade e as suas atracções em modo de toca e foge. Nós, ao nos confrontarmos com o tamanho e a grandiosidade da maior das ilhas gregas, há muito tínhamos decidimos ficar.

Por volta das 9h30, desembarcamos. Esperamos no terminal de passageiros. Decorridos dez minutos, o telefona toca. “É, Adónis. Estou aqui à frente!”  Encontramo-nos com o funcionário da Crete Royal Rentals encarregue de nos entregar o carro.

É sábado de manhã. Adónis já não vai para novo mas recebe-nos com um sorriso e gentileza que nos contagiam. Passa-nos o briefing burocrático da viatura. “Então e cá de Creta, o que é que não podemos perder?” perguntamos-lhe em modo de tagarelice gratuita.

“Olhem, em Creta, à parte de Iraklio, é tudo uma maravilha!” responde-nos saturado da capital, lugar emblemático da sua malfadada rotina laboral. “Para mim, Chania é o mais bonito!” acrescenta, algo equivalente a um lisboeta afiançar que o Porto é que vale a pena. Despedimo-nos e metemo-nos no carro. Conduzimos cidade acima, até à casa em que iríamos ficar.

De acordo com os números de 2017 do Euromonitor, os 3.2 milhões de visitantes da capital cretense e da região representavam um aumento de 11% de turistas. Faziam de Iraklio a segunda cidade mais visitada da Grécia. A 20ª da Europa, e 66ª do mundo. O significado real daqueles números permanece, no entanto, envolto em polémica.

Porto de Iraklio, Creta, Grécia

Lusco-fusco dá mais cor ao porto de Iraklio, com a fortaleza veneziana de Koules em fundo.

O Menosprezo Cretense de Iraklio

Os donos de restaurantes, hotéis e outros negócios turísticos queixam-se de que se devem apenas às incursões de toca e foge dos passageiros dos cruzeiros e recém-aterrados ao palácio de Cnossos e ao Museu Arqueológico. Lamentam-se de que os visitantes tenham de Iraklio a ideia de uma urbe suja e barulhenta.

De que não valorizem a genuinidade das avenidas amplas de asfalto e das ruelas apertadas de betão (nem sequer a da marginal portuária e histórica) por lhes faltar o perfil fotogénico da vizinha do oeste… Chania.

Habituados a apreciar belezas mais rudes e decadentes, compreendemos a sua frustração e, como se poderá depreender deste artigo, esforçamo-nos para reverter tal noção.

Nos dias que se seguem, despertamos num segundo andar da rua Zacharioudaki, no lar emprestado de um jovem casal grego, ele arquitecto, ela pediatra, com um filho de dois anos, os três desprezadores da alienação televisiva.

Em sucessivos pequenos-almoços, entretém-nos a banda sonora do infantário logo em frente, feita de cantorias que as educadoras vão ensinando às crianças.

Amigas sobre a fortaleza de Koules, Iraklio, Creta, Grécia

Amigas conversam no topo da fortaleza veneziana de Koules.

Uma Agradável Atmosfera Mediterrânea

Saímos o mais cedo possível para o afago estival, quente e seco de Creta. Tal como acontecera em Atenas, depressa o ambiente livre – passam-se cinco dias sem vermos um polícia ou carro da polícia – mas não anarca, individualista mas, à sua maneira, altruísta da cidade nos faz sentir em casa.

Em Creta, depressa nos tornamos cretenses. Criamos e consumimos saladas e mais saladas com queijo feta. Sempre que o calor nos amolece e prejudica o trabalho, comprarmos cafés gelados que saboreamos a caminhar pelas ruas e nas deslocações de carro.

Como tantas ex-crianças portuguesas e do mundo, confrontámo-nos na nossa infância com a lenda do minotauro. O imaginário e fascínio que, volvidos todos estes anos, dela preservamos foi, aliás, uma das razões para desembarcarmos em Creta e querermos explorar a ilha sem pressas.

Pois, ali estávamos. As indicações rodoviárias que nos assistiam nas ruas e ruelas de Iraklio eram escassas mas, entre elas, contavam-se algumas, diminutas, do Palácio de Cnossos, situado a pouco mais de 10km do centro histórico.

Sala do Trono, Palácio de Cnossos, Creta, Grécia

O trono de alabastro de Minos da Sala do Trono do Palácio de Cnossos.

Cnossos, o Trono de Minos

Quando, no início do sec. XX, Sir Arthur Evans desvendou as ruínas do palácio, repletas de motivos taurinos, a vastidão intrincada do complexo fez com que o arqueólogo britânico se atrevesse a sugerir que incluía o labirinto encomendado pelo rei Minos a Dédalo.

De acordo com a mitologia grega, Minos foi o primeiro rei de Creta, filho de Zeus e de Europa. Arthur Evans baptizou, aliás, a civilização minoica de acordo com este rei. Pois, entre 2700 e 1450 a.C., a civilização minoica alastrou a outras ilhas do sul do Egeu, incluindo a actual Santorini.

Tornou-se mais e mais poderosa. A determinada altura, rivalizou e combateu a civilização micénica que aumentava o seu território do continente grego em direcção aos confins insulares helénicos. Os historiadores tendem em concordar com o facto de estas duas civilizações rivais estarem na origem da Europa em que hoje vivemos.

Se virmos bem as coisas, até o nome do continente lhes tomámos de empréstimo.  E, se são demasiados os passageiros dos cruzeiros e aviões que cruzam Iraklio da beira-mar ao grande olival do interior de Creta sem ligarem a mais nada na capital, o motivo está na importância fundadora deste povo. Como está no dramatismo mitológico da vida e morte do Rei Minos.

Na época alta estival, dia após dia, a abertura do complexo de Cnossos faz-se com uma longa fila de visitantes já à porta, composta por seguidores multinacionais atentos ao que os guias de bandeirola em riste lhes transmitem com um orgulho entusiasmado.

Reconstituição do fresco "Charging Bull", palácio de Cnossos, Creta, Grécia

Reconstituição do fresco “touro ao ataque”, no bastião norte do palácio de Cnossos.

A Devoção Taurina do Povo Minóico

Umas poucas dezenas de metros após a entrada, à sombra de pinheiros mansos, deparamo-nos com um grande símbolo minóico de cimento, que emula os cornos de touro. À esquerda, espreitamos uma parede com a reconstituição do fresco do “Salto sobre o Touro”, uma pintura em que dois homens – um branco, outro bronzeado – se dedicam a uma tourada minóica acrobática.

Por mais difícil de provar que seja, certos historiadores defendem que a variante forcada da tourada portuguesa, foi trazida para a Ibéria pelos Romanos que se habituaram a admirá-la depois de Roma se ter apoderado das ilhas helénicas.

Espreitamos ainda a Sala do Trono, disposta em redor de um pequeno sólio de alabastro. Mesmo não sendo o único assento nobre do palácio, Arthur Evans identificou-o como trono. Logo ao lado, contemplamos a esquina mais famosa do complexo, o que resta do seu bastião norte, embelezado por colunas vermelhas que dissimulam um fresco de um touro ao ataque. A prolífica mitologia grega não demorou a explorar as loucuras taurinas de Creta.

O Drama Mitológico do Minotauro

Após ocupar o trono de Creta – não necessariamente o da Sala do Trono – Minos viu-se ameaçado pelas pretensões usurpadoras dos seus irmãos. Rogou a Poseidon que lhe enviasse um touro branco que sacrificaria em honra deste que era o deus do Mar. Só que, ao contrário do prometido, deslumbrado pela beleza do animal, Minos decidiu mantê-lo e, em vez, sacrificar um dos seus touros banais.

Como deus que era, Poseidon descobriu a esperteza. Para punir Minos, fez com que Pasífae, a esposa do monarca, se apaixonasse pelo touro. Pasífae ordenou a Dédalo, um artesão conceituado da ilha que construísse uma vaca de madeira oca.

Entrou nesse modelo e permitiu que o touro com ela copulasse. Desta rebuscada relação sexual, nasceu o minotauro, uma criatura meio-humana, meio taurina que, malgrado os cuidados maternais de Pasífae, se tornou feroz e passou a alimentar-se de pessoas. Embaraçado pela atroz traição da esposa, pior, confrontado com o agravar da tragédia, Minos seguiu o conselho do oráculo de Delfos: mandou Dédalo construir um enorme labirinto destinado a conter e esconder o minotauro.

Painel publicitário da Coca-Cola, Palácio de Cnossos, Creta, Grécia

Painel publicitário da Coca-Cola com cena de Teseu e o minotauro, junto ao Palácio de Cnossos.

Mais tarde, Minos viu o seu filho Androgeus ser morto ou pelos atenienses invejosos do seu sucesso ou pelo próprio minotauro (coexistem distintas versões). Seja qual for a prevalente, Minos entregou-se a uma guerra furiosa contra os atenienses.

E o Sucesso Dramático de Teseu

Triunfante, exigiu a Egeu, rei de Atenas, que lhe enviasse, a cada período de sete (ou nove anos) sete jovens e sete donzelas para serem devorados pelo minotauro. No terceiro desses sacrifícios, Teseu, um filho de Egeu confiante ofereceu-se para matar o minotauro. Estabeleceu com o pai que içaria uma vela branca no seu barco caso o conseguisse.

Já em Creta, Ariadne, filha de Minos apaixonou-se de Teseu e ajudou-o a orientar-se no labirinto. Teseu abateu o minotauro e ajudou os outros atenienses aprisionados a escaparem. De regresso a Atenas, esqueceu-se do combinado, e içou uma vela negra em vez de branca. À sua espera, o rei Egeu avistou o navio aproximar-se com a vela negra e atirou-se do cimo do penhasco para uma morte certa no mar que o continua a honrar.

Símbolo da civilização minóica, Palácio de Cnossos, Creta, Grécia

Símbolo taurino da civilização minóica no Palácio de Cnossos.

A Erupção de Fira e a Aniquilação da Civilização Minoica

Por mais atroz que se revele a lenda, não chega aos calcanhares do que se crê ter sido o fim da civilização minoica. Entre 1550 e 1500 a.C. o vulcão de Fira deu origem a uma das erupções vulcânicas mais poderosas de que há registo. Fez colapsar a maior parte da ilha em redor.

Deu origem ao resto de caldeira excêntrica que nos havia deslumbrado dias antes em Santorini. Gerou ainda um maremoto que devastou o litoral de Creta e arrasou muitas das suas povoações resplandecentes, hoje, com ruínas disseminadas pela ilha.

A história de Creta e de Iraklio não se ficaram por aí. Malgrado o maremoto, o passado e a vida menosprezada da capital centram-se na mesma beira-mar de que os minoicos terão visto as vagas descomunais aproximar-se. Creta foi árabe, bizantina, veneziana e otomana até que, enfim, se tornou grega como hoje o é.

Silhuetas junto da fortaleza de Koules, Iraklio, Creta, Grécia

Visitantes apreciam a marina do porto de Iraklio na sombra da fortaleza veneziana de Koules.

A Iraklio Animada dos Nossos Tempos

Com o fim da tarde, os moradores e os forasteiros mais interessados afluem à Cidade Velha. Percorrem a Rua 25 Avgoustou para cima e para baixo. Falam e discutem em alta voz, de olho nas promoções das lojas, nas esplanadas arejadas ou nos aconchegos dos muitos ouzeris, assim se chamam as tavernas tradicionais e derivadas.

As que servem os idolatrados licores ouzo e raki ou, vá lá que seja, cerveja e uma panóplia de pequenas mas deliciosas tapas gregas (mezedes) que dão mais sabor tanto à bebida como à conversa.

Ao longo da 25 Avgostou, Iraklio mostra-nos o encanto que tanto se diz em falta. Revela-nos a igreja bizantina de Agios Titos. O Loggia, um edifício da era veneziana erguido com fausto para que lá convivessem os nobres de Veneza, hoje a câmara municipal. Logo acima, a fonte dos “Leões” da praça Eleftheriou Venizelou, o ponto de encontro mais usado da cidade.

Fonte dos "Leões", Iraklio, Creta, Grécia

A fonte dos “Leões”, o ponto de encontro favorito dos moradores de Iraklio.

E, numa secção não tão popular ao fim da tarde, destaca-se ainda a fonte Bembo e o sebil (espécie de quiosque) em que, durante o período otomano, era fornecida água aos moradores.

O Velho Porto e a Fortaleza Veneziana de Koules

Regressamos ao velho porto ainda protegido pela fortaleza de Koules, erguida pelos venezianos no século XVI, imagem de marca de Iraklio e a razão de ser de inúmeras pescarias e passeatas. Vemos os ferries zarparem para outras paragens do Egeu e os pescadores tagarelarem sobre as suas traineiras garridas, ancoradas nas profundezas quase rodoviárias da marina.

Pescador no porto de Iraklio, Creta, Grécia

Pescador a bordo do seu pequeno barco de pesca, no porto de Iraklio.

Por volta das nove da noite, o ocaso desfaz-se na névoa, para ocidente do Golfo de Iraklio. À boa-moda grega e mediterrânea, a capital entrega-se de vez à celebração da vida de Creta. Iraklio pode não transbordar de forasteiros endinheirados como Chania. Mas, por alguma razão é há muito a capital da ilha.

Visitante na fortaleza veneziana de Koules, Iraklio, Creta, Grécia

Visitante da fortaleza veneziana de Koules aprecia o ondular da bandeira helénica.

Ibo, Moçambique

Ilha de um Moçambique Ido

Foi fortificada, em 1791, pelos portugueses que expulsaram os árabes das Quirimbas e se apoderaram das suas rotas comerciais. Tornou-se o 2º entreposto português da costa oriental de África e, mais tarde, a capital da província de Cabo Delgado, Moçambique. Com o fim do tráfico de escravos na viragem para o século XX e a passagem da capital para Porto Amélia, a ilha Ibo viu-se no fascinante remanso em que se encontra.

Uplistsikhe e Gori, Geórgia

Do Berço da Geórgia à Infância de Estaline

À descoberta do Cáucaso, exploramos Uplistsikhe, uma cidade troglodita antecessora da Geórgia. E a apenas 10km, em Gori, damos com o lugar da infância conturbada de Joseb Jughashvili, que se tornaria o mais famoso e tirano dos líderes soviéticos.

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Galle, Sri Lanka

Nem Além, Nem Aquém da Lendária Taprobana

Camões eternizou o Ceilão como um marco indelével das Descobertas onde Galle foi das primeiras fortalezas que os portugueses controlaram e cederam. Passaram-se cinco séculos e o Ceilão deu lugar ao Sri Lanka. Galle resiste e continua a seduzir exploradores dos quatro cantos da Terra.

Tulum, México

A Mais Caribenha das Ruínas Maias

Erguida à beira-mar como entreposto excepcional decisivo para a prosperidade da nação Maia, Tulum foi uma das suas últimas cidades a sucumbir à ocupação hispânica. No final do século XVI, os seus habitantes abandonaram-na ao tempo e a um litoral irrepreensível da península do Iucatão.
Luxor, Egipto

De Luxor a Tebas: viagem ao Antigo-Egipto

Tebas foi erguida como a nova capital suprema do Império Egípcio, o assento de Amon, o Deus dos Deuses. A moderna Luxor herdou a sua sumptuosidade. Entre uma e a outra fluem o Nilo sagrado e milénios de história deslumbrante.
Míconos, Grécia

A Ilha Grega em Que o Mundo Celebra o Verão

Durante o século XX, Míconos chegou a ser apenas uma ilha pobre mas, por volta de 1960, ventos cicládicos de mudança transformaram-na. Primeiro, no principal abrigo gay do Mediterrâneo. Logo, na feira de vaidades apinhada, cosmopolita e boémia que encontramos quando a visitamos.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Visitantes nas ruínas de Talisay, ilha de Negros, Filipinas
Arquitectura & Design
Talisay City, Filipinas

Monumento a um Amor Luso-Filipino

No final do século XIX, Mariano Lacson, um fazendeiro filipino e Maria Braga, uma portuguesa de Macau, apaixonaram-se e casaram. Durante a gravidez do que seria o seu 11º filho, Maria sucumbiu a uma queda. Destroçado, Mariano ergueu uma mansão em sua honra. Em plena 2ª Guerra Mundial, a mansão foi incendiada mas as ruínas elegantes que resistiram eternizam a sua trágica relação.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Bom conselho Budista
Cerimónias e Festividades
Chiang Mai, Tailândia

300 Wats de Energia Espiritual e Cultural

Os tailandeses chamam a cada templo budista wat e a sua capital do norte tem-nos em óbvia abundância. Entregue a sucessivos eventos realizados entre santuários, Chiang Mai nunca se chega a desligar.
Bar sobre o grande estuário
Cidades

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam. 

Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Fogo-de-artifício branco
Desporto

Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos E.U.A. é festejada, em Seward, de forma modesta. Para compensar, na cidade que honra o homem que prendou a nação com o seu maior estado, a data e a celebração parecem não ter fim.

Em Viagem
Chefchouen a Merzouga, Marrocos

Marrocos de Cima a Baixo

Das ruelas anis de Chefchaouen às primeiras dunas do Saara revelam-se, em Marrocos, os contrastes bem marcados das primeiras terras africanas, como sempre encarou a Ibéria este vasto reino magrebino.
Épico Western
Étnico

Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos E.U.A. Hoje, na Navajo Nation, os navajos também vivem na pele dos velhos inimigos.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Buda Vairocana, templo Todai ji, Nara, Japão
História
Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.
Chocolate hills
Ilhas

Bohol, Filipinas

Filipinas do Outro Mundo

O arquipélago filipino estende-se por 300.000 km2 de oceano Pacífico. No grupo Visayas, Bohol abriga pequenos primatas com aspecto alienígena e colinas extraterrenas a que chamaram Chocolate Mountains

Verificação da correspondência
Inverno Branco

Rovaniemi, Finlândia

Árctico Natalício

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar. 

Baie d'Oro
Literatura

Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.

Cavalos sob nevão, Islândia
Natureza
Husavik a Myvatn, Islândia

Neve sem Fim na Ilha do Fogo

Quando, a meio de Maio, a Islândia já conta com o aconchego do sol mas o frio mas o frio e a neve perduram, os habitantes cedem a uma fascinante ansiedade estival.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Manatee Creek, Florida, Estados Unidos da América
Parques Naturais
Overseas Highway, E.U.A.

A Alpondra Caribenha dos E.U.A.

Os Estados Unidos continentais parecem encerrar-se, a sul, na sua caprichosa península da Flórida. Não se ficam por aí. Mais de cem ilhas de coral, areia e mangal formam uma excêntrica extensão tropical que há muito seduz os veraneantes norte-americanos.
Património Mundial UNESCO
Circuito Annapurna: 5º- Ngawal-Braga, Nepal

Rumo a Braga. A Nepalesa.

Passamos nova manhã de meteorologia gloriosa à descoberta de Ngawal. Segue-se um curto trajecto na direcção de Manang, a principal povoação no caminho para o zénite do circuito Annapurna. Ficamo-nos por Braga (Braka). A aldeola não tardaria a provar-se uma das suas mais inolvidáveis escalas.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Brigada incrédula
Praias

La Digue, Seichelles

Monumental Granito Tropical

Praias escondidas por selva luxuriante, feitas de areia coralífera banhada por um mar turquesa-esmeralda são tudo menos raras no oceano Índico. La Digue recriou-se. Em redor do seu litoral, brotam rochedos massivos que a erosão esculpiu como uma homenagem excêntrica e sólida do tempo à Natureza.

Num equilíbrio fluvial
Religião

Chiang Kong - Luang Prabang, Laos

Por Esse Mekong Abaixo

Os custos mais baixos e a beleza dos cenários são as principais razões para fazer esta viagem. Seja como for, a descida pelo rio "mãe de todas as águas" pode ser tão pitoresca como incómoda.

Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Autoridade bubalina
Sociedade

Ilha do Marajó, Brasil

A Ilha dos Búfalos

Uma embarcação que transportava búfalos da Índia terá naufragado na foz do rio Amazonas. Hoje, a ilha de Marajó que os acolheu tem a maior manada bubalina e o Brasil já não passa sem estes bovídeos.

Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
Os sounds
Voos Panorâmicos

The Sounds, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o subdomíno retalhado entre Te Anau e o Mar da Tasmânia.