Osaka, Japão

O Japão Urbano-Jovial de Osaka


Pedra ante Pedra
Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.
Ginasta Dançarino
Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.
Por um Túnel Galeria
Transeuntes percorrem um tunel do metro de Osaka.
Adoração do Ídolo Billy Ken
Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.
Osaka Jo
O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.
Dotonbori
As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.
Things as They Are
Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.
Beicinhos
Amigas e um bebé num Dog Café de Osaka,
Jintan
Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.
Amigas de Ferrys
Amigas na fase da Ferrys Wheel da Bay Area.
O Oceanário de Osaka
O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.
Dotonbori
Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.
Asahi Lager
Outdoor vistoso promove a cerveja japonesa Asahi.
Recordação à moda Nipónica
Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.
Reflexos da Vida de Osaka
Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.
Osaka a (muitas) Cores
Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.
Salaryman
Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.
CBD de Osaka
O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.
Ensaios de Rua
Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.
Terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais antigas, Osaka não perde demasiado tempo com formalidades e cerimónias. A capital da região do Kansai é famosa pelas suas gentes extrovertidas sempre prontas a celebrar a vida.

Menos de duas horas. É quanto nos demora a viagem de 330km entre Hiroxima e Osaka.

Chegamos à estação de Shin Osaka, por volta das 17h30. Instalamo-nos num café das imediações de Osaka Jo Kitazume até à hora em que a jovem moradora nossa anfitriã connosco se podia encontrar.

Mayu chega em cima das 22h. Caminhamos com ela até casa. Quando chegamos ao seu apartamento no 10º andar, percebemos que, não só estamos próximos do castelo de Osaka, em pleno centro de Chuo-Ku, como temos uma vista privilegiada sobre a fortaleza, o lago em redor e os prédios alinhados do Central Business District.

Mayu põe-nos à vontade. Oferece-nos cervejas geladas que partilhamos numa amena cavaqueira em inglês. Até à meia-noite. Por essa hora, desculpa-se mas tem que se ir deitar. Do nosso lado, depois da longa jornada de baixo a meio da ilha de Honshu, o plano dela parecia-nos bem.

Só despertamos às 10 da manhã. Mayu tinha saído para o ginásio e só voltaria ao final do dia. Ainda estávamos algo confusos quanto ao plano para a exploração de Osaka.

À Conquista do Velho Castelo de Osaka

Com o castelo da cidade ali à mão de semear, apostamos em simplificar. Afinal de contas, mais que destacado acima do âmago da cidade, como seria de esperar, o Osaka Jo é indissociável da história desta que é agora a terceira urbe nipónica.

Castelo de Osaka, Japão

O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.

Ergueu-o, em 1583, um dáimio que resistia ao domínio crescente de Ieyasu Tokugawa, este, o unificador do Japão, primeiro xógum do xogunato Tokugawa.

Quase o consumiu um incêndio provocado por um raio, cinquenta anos após Ieyasu o ter conquistado. E não obstante os bombardeamentos dos Aliados na 2ª Guerra Mundial o terem danificado, o Osaka Jo resistiu à destruição atroz que se verificou, sobretudo, numa área para sudoeste do bairro de Chuo-Ku.

De acordo, concretizada uma reabilitação que durou de 1995 a 1997, o castelo recuperou o esplendor medieval e uma imponência oriental que desde o dia anterior nos seduzia. Instantes depois de passarmos para o domínio interior do antigo fosso, damos com um pequeno exército de jovens alunos.

Apesar da formalidade de fato e gravata dos seus uniformes, tinham cedido à tentação de conquistarem o monumento, favorecidos pela ausência de autoridades do complexo e pelo tamanho das frechas entre os blocos de granito da estrutura.

Pé ante pé, pedra após pedra, os rapazes avançavam nessa base, mais avanço que subida já que a subida implicava desafiarem a gravidade.

E a vida.

Castelo de Osaka, Japão

Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.

Por mais inconscientes e imaturas se revelassem as suas, os jovens sabiam que o castelo já tinha assistido a suficientes tragédias. Como tal, viraram-se para nós, concordantes com uma ou duas fotos cool. Após o que trataram de regressar ao solo sem espalho ou espalhafato.

Quando o conseguem, pedem-nos para espreitar as imagens. “Sugoi!” exclamam em jeito de aprovação do registo. Despedimo-nos do pequeno gang. Saímos em busca de outros japoneses e motivos fotografáveis.

A Evasão e Diversão Nipónica em redor do Osaka Jo

Uma guia turística de bandeirinha amarela em riste apela ao seu grupo de visitantes que a ela se reúnam. Logo ao lado, num estilo que contrastava com o uniformizado da senhora, um outro súbdito do imperador destacava-se pela sua exuberância.

Trajava botas de neve, calças púrpura, t-shirt verde e gorro rosa.

Dançarino, Osaka, Japão

Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.

De fones nos ouvidos e uma mini-máquina fotográfica pendurada ao pescoço para o que desse e viesse, este turista-dançante entregava-se a movimentos e coreografias ditadas pela música. Indiferente à audiência em redor e, sobretudo, ao que dele podiam achar, fazia do pátio de acesso ao Osaka Jo a sua pista particular.

Outros visitantes, enfiavam as cabeças em modelos de personagens medievais nipónicas, e fotografavam-se com o castelo em fundo.

Para cá, para lá, acima e abaixo dos sete pisos que abrigam o museu dedicado ao próprio castelo e a Toyotomi Hideyoshi, o senhor da guerra japonês que ordenou a sua construção, chegamos ao fim da tarde.

Recordação, castelo de Osaka, Japão

Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.

Afastamo-nos para aquém do fosso e do lago e apreciamos a duplicidade de atmosferas nocturnas do bairro de Chuo-Ku. A do castelo amarelado que quase parecia pairar acima da mancha escura da floresta.

E a dos prédios altos e modernos do CBD, verdadeiras caixas de luz espetadas à beira do lago, cada qual, com a sua razão corporativa de ser. Ou melhor, com centenas delas.

OSaka, Japão

O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.

O CBD de Osaka e relevância da cidade no Panorama Financeiro Nipónico

Osaka tornou-se um dos principais centros financeiros do Japão. Entre as multinacionais famosas à escala mundial que lá têm as suas sedes, contam-se a Panasonic e a Sharp.

Salaryman, Osaka, Japão

Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.

Malgrado a relevância empresarial, a cidade é conhecida pela sua cultura menos cerimoniosa, mais informal, espontânea e festiva, em comparação, por exemplo, com a capital Tóquio, com Yokohama e com a tradicionalista Quioto.

Até o próprio à vontade da nossa anfitriã Mayu parecia contribuir para o confirmar.

Situada na zona subtropical do Japão, Osaka tem um clima mais ameno mas também mais chuvoso ao longo do ano que estas vizinhas.

Para os dois dias seguintes, estava previsto céu cinzento e aguaceiros.

Dotonbori, o Coração e a Alma Cosmopolita de Osaka

Conformados com a sina meteorológica, informados da sua abundância de ruas arcadas, dedicamo-nos a explorar a zona de Dotonbori, a que se estendia entre duas das pontes que atravessam o canal do rio homónimo, um dos vários que sulcam a cidade, na iminência da grande Baía de Osaka.

Reflexos de Osaka, Japão

Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.

De facto, Dotonbori confirmou-se o coração e a alma da vida cosmopolita da cidade, a rede de ruas e ruelas que traduzem a sua riqueza cultural e comercial.

Passamos por incontáveis restaurantes, uns tradicionais, outros nem tanto. Espreitamos salões de pachinko (jogo de sorte electrónico japonês) e outros de purikura, versões hipermodernas da vulgar máquina de fotografias.

Tanto as ruas abertas como as arcadas estão pejadas de faixas publicitárias verticais, algumas em forma dos néones que carregam a noite de luz e de cor, várias acompanhadas de símbolos figurados sobre as suas portas.

Rua de Osaka, Japão

Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.

Num dos cruzamentos, surpreende-nos a estátua dourada de um grande bebé de sorriso trocista, sentado num trono em jeito de Buda pueril. Uma inscrição que o identificava como “Billiken – Things as They Ought to Be”, pouco ou nada nos esclarecia.

O Estranho Fenómeno Urbano do Bebé Grande Biliken

E, no entanto, adultos, adolescentes e crianças que por ali passavam homenageavam-no e repetiam, com o boneco, fotos e mais fotos.

Só muito mais tarde viemos a apurar de onde provinha a sua popularidade. E vinha de bem longe.

BilliKen, Osaka, Japão

Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.

Nos primeiros anos do século XX, a tal figura apareceu num sonho de Florence Pretz, uma professora de arte e ilustradora de Kansas City. Fretz atribuiu-lhe o nome Billiken que achou num poema de 1896, chamado “Mr. Moon: a Song of the Little People”.

Chegada a 1908, Pretz registou a patente do boneco que veio a fazer furor tanto no Canada como nos Estados Unidos, onde se tornou símbolo da Universidade de Saint Louis, não tarda, apodo de uma série de equipas menores de beisebol.

O boneco chegou ao Japão, levado pelas representações desportivas nipónicas que se deslocavam aos Estados Unidos. Uma das mais impressionantes representações do Billiken foi erguida, logo em 1912, no Luna Park de Osaka em representação de um sortido prolífico de Americana.

Billiken, Osaka, Japão

Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.

Em 1923, essa estátua de madeira sumiu com o fecho do parque. E, em 1980, uma réplica foi colocada numa das torres famosas da cidade, a Tsutenkaku. Daí em diante, o notório, já quase divino Billiken de Osaka como que andou em tournée dentro do Japão e até nos Estados Unidos.

Bastaram apenas alguns passos para encontrarmos outra das influências culturais com que os norte-americanos preencheram o vazio deixado pela derrota nipónica na 2ª Guerra Mundial.

O beisebol tornou-se o desporto número um do Japão. Movimenta biliões de ienes, parte deles em contratações de jogadores estrangeiros.

Logo ao lado, dois modelos, jogadores ou ex-jogadores, exibiam o equipamento de uma equipa de outros tempos, a Osaka Gold Vilignes.

Modelo de beisebol, Osaka, Japão

Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.

America-Mura. Onde a Cultura Nipónica se Funde com a Legada pelos Estados Unidos

Caminhamos ao longo do America-Mura, mais conhecida como Ame-Mura, um sector da área de Minami, fulcro da cultura e da moda jovem da região nipónica da região de Kansai, que a presença de uns poucos gaijin (estrangeiros) torna mais cosmopolita.

Dotonbori, Osaka, Japão

As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.

Ame-mura estende-se pela Naga Hori Street, até ao culminar de néon de Dotonbori. Quando lá voltamos, ainda é de dia. Uma multidão percorre a viela às compras ou a saborear distintos petiscos, caso das okonomiyaki, as panquecas de couve que fazem japoneses e estrangeiros viajarem de longe, para as saborearem em Osaka.

Acima, imponentes, um a enfrentar o outro, impingem-se outdoors rivais das cervejas Kirin Lager e Asahi Super Dry, em qualquer caso, bebidas apropriadas para acompanhar a intrincada okonomiyaki que, convidados por Mayu, ainda nos viria a deliciar.

Outdoor, Osaka, Japão

Outdoor vistoso promove uma cerveja japonesa.

Sem deixarmos por completo o âmbito, quando escurece, destaca-se sobre o canal e nele reflectido o atleta vitorioso da marca de comida Glico, também ela de Osaka mas presente em mais de trinta países.

Não obstante a sua assinatura em inglês “Good Taste and Good Health”, esta multinacional exporta  chocolates, batatas-fritas, pastilhas elásticas, gelados e vários outros produtos destoantes.

Dotonbori, Osaka, Japão

Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.

Uma já inesperada chuva a potes atesta o canal de Dotonbori. Faz debandar a multidão para as ruas arcadas. Com o cansaço a adensar-se ao mesmo ritmo que a noite, recolhemos ao abrigo reconfortante de Mayu onde, até à hora de nos deitarmos, voltamos a beber Asahis geladas, à conversa.

Bay Area: a Versão Mais Marinha e Aberta de Osaka

O dia seguinte, dedicamo-lo à Bay Area, a zona do estuário que nos fez lembrar uma Expo 98 à moda de Osaka. Lá se encontra também um grande oceanário, o Osaka Aquarium. Nas imediações, os Universal Studios Japan e uma enorme Ferris Wheel.

Aquário Kaiyukan, Osaka, Japão

O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.

Nenhuma destas atracções se revelava prioritária se quiséssemos manter-nos fiéis à descoberta da exótica e criativa cultura nipónica.

Mesmo assim, desafogada à beira-mar, a Bay Area fez-nos caminhar mais do que contávamos e subirmos ao observatório do edifício Umeda de onde acompanhámos o acender das luzes urbanas.

Hip-hop. Osaka, Japão

Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.

Terminámos o périplo de Osaka num piso subterrâneo desse mesmo edifício. De rastos, sentámo-nos a assistir a uma comunidade bem-disposta de breakdancers e hip-hopers da cidade, a aperfeiçoarem as suas danças acrobáticas.

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e as gueixas estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão.
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo - Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Delta do Okavango, Nem todos os rios Chegam ao Mar, Mokoros
Safari
Delta do Okavango, Botswana

Nem Todos os Rios Chegam ao Mar

Terceiro rio mais longo do sul de África, o Okavango nasce no planalto angolano do Bié e percorre 1600km para sudeste. Perde-se no deserto do Kalahari onde irriga um pantanal deslumbrante repleto de vida selvagem.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Arquitectura & Design
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Aventura
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Cerimónias e Festividades
Pentecostes, Vanuatu

Naghol: O Bungee Jumping sem Modernices

Em Pentecostes, no fim da adolescência, os jovens lançam-se de uma torre apenas com lianas atadas aos tornozelos. Cordas elásticas e arneses são pieguices impróprias de uma iniciação à idade adulta.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Cidades
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Comida
Mercados

Uma Economia de Mercado

A lei da oferta e da procura dita a sua proliferação. Genéricos ou específicos, cobertos ou a céu aberto, estes espaços dedicados à compra, à venda e à troca são expressões de vida e saúde financeira.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Um Bingo tão lúdico que se joga com bonecos

Nas noites de sextas um grupo de senhoras ocupam mesas do Parque Independencia e apostam ninharias. Os prémios ínfimos saem-lhes em combinações de gatos, corações, cometas, maracas e outros ícones.
Corrida de Renas , Kings Cup, Inari, Finlândia
Desporto
Inari, Finlândia

A Corrida Mais Louca do Topo do Mundo

Há séculos que os lapões da Finlândia competem a reboque das suas renas. Na final da Kings Cup - Porokuninkuusajot - , confrontam-se a grande velocidade, bem acima do Círculo Polar Ártico e muito abaixo de zero.
formas de pagamento em viagem, fazer compras no estrangeiro
Em Viagem
Viajar Não Custa

Na próxima viagem, não deixe o seu dinheiro voar

Nem só a altura do ano e antecedência com que reservamos voos, estadias etc têm influência no custo de uma viagem. As formas de pagamento que usamo nos destinos pode representar uma grande diferença.
Telhados cinza, Lijiang, Yunnan, China
Étnico
Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Portfólio Fotográfico Got2Globe

Dias Como Tantos Outros

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
História
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Pequeno navegador
Ilhas
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
Barcos sobre o gelo, ilha de Hailuoto, Finlândia
Inverno Branco
Hailuoto, Finlândia

Um Refúgio no Golfo de Bótnia

Durante o Inverno, a ilha de Hailuoto está ligada à restante Finlândia pela maior estrada de gelo do país. A maior parte dos seus 986 habitantes estima, acima de tudo, o distanciamento que a ilha lhes concede.
silhueta e poema, cora coralina, goias velho, brasil
Literatura
Goiás Velho, Brasil

Vida e Obra de uma Escritora à Margem

Nascida em Goiás, Ana Lins Bretas passou a maior parte da vida longe da família castradora e da cidade. Regressada às origens, continuou a retratar a mentalidade preconceituosa do interior brasileiro
Visitante, Michaelmas Cay, Grande Barreira de Recife, Australia
Natureza
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Soufrière e Pitons, Saint Luci
Parques Naturais
Soufrière, Saint Lucia

As Grandes Pirâmides das Antilhas

Destacados acima de um litoral exuberante, os picos irmãos Pitons são a imagem de marca de Saint Lucia. Tornaram-se de tal maneira emblemáticos que têm lugar reservado nas notas mais altas de East Caribbean Dollars. Logo ao lado, os moradores da ex-capital Soufrière sabem o quão preciosa é a sua vista.
Igreja Ortodoxa de Bolshoi Zayatski, ilhas Solovetsky, Rússia
Património Mundial UNESCO
Bolshoi Zayatsky, Rússia

Misteriosas Babilónias Russas

Um conjunto de labirintos pré-históricos espirais feitos de pedras decoram a ilha Bolshoi Zayatsky, parte do arquipélago Solovetsky. Desprovidos de explicações sobre quando foram erguidos ou do seu significado, os habitantes destes confins setentrionais da Europa, tratam-nos por vavilons.
Vista do topo do Monte Vaea e do tumulo, vila vailima, Robert Louis Stevenson, Upolu, Samoa
Personagens
Upolu, Samoa

A Ilha do Tesouro de Stevenson

Aos 30 anos, o escritor escocês começou a procurar um lugar que o salvasse do seu corpo amaldiçoado. Em Upolu e nos samoanos, encontrou um refúgio acolhedor a que entregou a sua vida de alma e coração.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Rocha Dourada de Kyaikhtiyo, Budismo, Myanmar, Birmania
Religião
Monte Kyaiktiyo, Myanmar

A Rocha Dourada e em Equilíbrio de Buda

Andamos à descoberta de Rangum quando nos inteiramos do fenómeno da Rocha Dourada. Deslumbrados pelo seu equilíbrio dourado e sagrado, juntamo-nos à peregrinação já secular dos birmaneses ao Monte Kyaiktyo.
Comboio Kuranda train, Cairns, Queensland, Australia
Sobre Carris
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Maria Jacarés, Pantanal Brasil
Vida Selvagem
Miranda, Brasil

Maria dos Jacarés: o Pantanal abriga criaturas assim

Eurides Fátima de Barros nasceu no interior da região de Miranda. Há 38 anos, instalou-se e a um pequeno negócio à beira da BR262 que atravessa o Pantanal e ganhou afinidade com os jacarés que viviam à sua porta. Desgostosa por, em tempos, as criaturas ali serem abatidas, passou a tomar conta delas. Hoje conhecida por Maria dos Jacarés, deu nome de jogador ou treinador de futebol a cada um dos bichos. Também garante que reconhecem os seus chamamentos.
The Sounds, Fiordland National Park, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Fiordland, Nova Zelândia

Os Fiordes dos Antipodas

Um capricho geológico fez da região de Fiordland a mais crua e imponente da Nova Zelândia. Ano após anos, muitos milhares de visitantes veneram o sub-domínio retalhado entre Te Anau e Milford Sound.
PT EN ES FR DE IT