Osaka, Japão

O Japão Urbano-Jovial de Osaka


Pedra ante Pedra
Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.
Ginasta Dançarino
Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.
Por um Túnel Galeria
Transeuntes percorrem um tunel do metro de Osaka.
Adoração do Ídolo Billy Ken
Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.
Osaka Jo
O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.
Dotonbori
As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.
Things as They Are
Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.
Beicinhos
Amigas e um bebé num Dog Café de Osaka,
Jintan
Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.
Amigas de Ferrys
Amigas na fase da Ferrys Wheel da Bay Area.
O Oceanário de Osaka
O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.
Dotonbori
Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.
Asahi Lager
Outdoor vistoso promove a cerveja japonesa Asahi.
Recordação à moda Nipónica
Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.
Reflexos da Vida de Osaka
Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.
Osaka a (muitas) Cores
Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.
Salaryman
Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.
CBD de Osaka
O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.
Ensaios de Rua
Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.
Terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais antigas, Osaka não perde demasiado tempo com formalidades e cerimónias. A capital da região do Kansai é famosa pelas suas gentes extrovertidas sempre prontas a celebrar a vida.

Menos de duas horas. É quanto nos demora a viagem de 330km entre Hiroxima e Osaka.

Chegamos à estação de Shin Osaka, por volta das 17h30. Instalamo-nos num café das imediações de Osaka Jo Kitazume até à hora em que a jovem moradora nossa anfitriã connosco se podia encontrar.

Mayu chega em cima das 22h. Caminhamos com ela até casa. Quando chegamos ao seu apartamento no 10º andar, percebemos que, não só estamos próximos do castelo de Osaka, em pleno centro de Chuo-Ku, como temos uma vista privilegiada sobre a fortaleza, o lago em redor e os prédios alinhados do Central Business District.

Mayu põe-nos à vontade. Oferece-nos cervejas geladas que partilhamos numa amena cavaqueira em inglês. Até à meia-noite. Por essa hora, desculpa-se mas tem que se ir deitar. Do nosso lado, depois da longa jornada de baixo a meio da ilha de Honshu, o plano dela parecia-nos bem.

Só despertamos às 10 da manhã. Mayu tinha saído para o ginásio e só voltaria ao final do dia. Ainda estávamos algo confusos quanto ao plano para a exploração de Osaka.

À Conquista do Velho Castelo de Osaka

Com o castelo da cidade ali à mão de semear, apostamos em simplificar. Afinal de contas, mais que destacado acima do âmago da cidade, como seria de esperar, o Osaka Jo é indissociável da história desta que é agora a terceira urbe nipónica.

Castelo de Osaka, Japão

O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.

Ergueu-o, em 1583, um dáimio que resistia ao domínio crescente de Ieyasu Tokugawa, este, o unificador do Japão, primeiro xógum do xogunato Tokugawa.

Quase o consumiu um incêndio provocado por um raio, cinquenta anos após Ieyasu o ter conquistado. E não obstante os bombardeamentos dos Aliados na 2ª Guerra Mundial o terem danificado, o Osaka Jo resistiu à destruição atroz que se verificou, sobretudo, numa área para sudoeste do bairro de Chuo-Ku.

De acordo, concretizada uma reabilitação que durou de 1995 a 1997, o castelo recuperou o esplendor medieval e uma imponência oriental que desde o dia anterior nos seduzia. Instantes depois de passarmos para o domínio interior do antigo fosso, damos com um pequeno exército de jovens alunos.

Apesar da formalidade de fato e gravata dos seus uniformes, tinham cedido à tentação de conquistarem o monumento, favorecidos pela ausência de autoridades do complexo e pelo tamanho das frechas entre os blocos de granito da estrutura.

Pé ante pé, pedra após pedra, os rapazes avançavam nessa base, mais avanço que subida já que a subida implicava desafiarem a gravidade.

E a vida.

Castelo de Osaka, Japão

Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.

Por mais inconscientes e imaturas se revelassem as suas, os jovens sabiam que o castelo já tinha assistido a suficientes tragédias. Como tal, viraram-se para nós, concordantes com uma ou duas fotos cool. Após o que trataram de regressar ao solo sem espalho ou espalhafato.

Quando o conseguem, pedem-nos para espreitar as imagens. “Sugoi!” exclamam em jeito de aprovação do registo. Despedimo-nos do pequeno gang. Saímos em busca de outros japoneses e motivos fotografáveis.

A Evasão e Diversão Nipónica em redor do Osaka Jo

Uma guia turística de bandeirinha amarela em riste apela ao seu grupo de visitantes que a ela se reúnam. Logo ao lado, num estilo que contrastava com o uniformizado da senhora, um outro súbdito do imperador destacava-se pela sua exuberância.

Trajava botas de neve, calças púrpura, t-shirt verde e gorro rosa.

Dançarino, Osaka, Japão

Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.

De fones nos ouvidos e uma mini-máquina fotográfica pendurada ao pescoço para o que desse e viesse, este turista-dançante entregava-se a movimentos e coreografias ditadas pela música. Indiferente à audiência em redor e, sobretudo, ao que dele podiam achar, fazia do pátio de acesso ao Osaka Jo a sua pista particular.

Outros visitantes, enfiavam as cabeças em modelos de personagens medievais nipónicas, e fotografavam-se com o castelo em fundo.

Para cá, para lá, acima e abaixo dos sete pisos que abrigam o museu dedicado ao próprio castelo e a Toyotomi Hideyoshi, o senhor da guerra japonês que ordenou a sua construção, chegamos ao fim da tarde.

Recordação, castelo de Osaka, Japão

Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.

Afastamo-nos para aquém do fosso e do lago e apreciamos a duplicidade de atmosferas nocturnas do bairro de Chuo-Ku. A do castelo amarelado que quase parecia pairar acima da mancha escura da floresta.

E a dos prédios altos e modernos do CBD, verdadeiras caixas de luz espetadas à beira do lago, cada qual, com a sua razão corporativa de ser. Ou melhor, com centenas delas.

OSaka, Japão

O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.

O CBD de Osaka e relevância da cidade no Panorama Financeiro Nipónico

Osaka tornou-se um dos principais centros financeiros do Japão. Entre as multinacionais famosas à escala mundial que lá têm as suas sedes, contam-se a Panasonic e a Sharp.

Salaryman, Osaka, Japão

Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.

Malgrado a relevância empresarial, a cidade é conhecida pela sua cultura menos cerimoniosa, mais informal, espontânea e festiva, em comparação, por exemplo, com a capital Tóquio, com Yokohama e com a tradicionalista Quioto.

Até o próprio à vontade da nossa anfitriã Mayu parecia contribuir para o confirmar.

Situada na zona subtropical do Japão, Osaka tem um clima mais ameno mas também mais chuvoso ao longo do ano que estas vizinhas.

Para os dois dias seguintes, estava previsto céu cinzento e aguaceiros.

Dotonbori, o Coração e a Alma Cosmopolita de Osaka

Conformados com a sina meteorológica, informados da sua abundância de ruas arcadas, dedicamo-nos a explorar a zona de Dotonbori, a que se estendia entre duas das pontes que atravessam o canal do rio homónimo, um dos vários que sulcam a cidade, na iminência da grande Baía de Osaka.

Reflexos de Osaka, Japão

Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.

De facto, Dotonbori confirmou-se o coração e a alma da vida cosmopolita da cidade, a rede de ruas e ruelas que traduzem a sua riqueza cultural e comercial.

Passamos por incontáveis restaurantes, uns tradicionais, outros nem tanto. Espreitamos salões de pachinko (jogo de sorte electrónico japonês) e outros de purikura, versões hipermodernas da vulgar máquina de fotografias.

Tanto as ruas abertas como as arcadas estão pejadas de faixas publicitárias verticais, algumas em forma dos néones que carregam a noite de luz e de cor, várias acompanhadas de símbolos figurados sobre as suas portas.

Rua de Osaka, Japão

Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.

Num dos cruzamentos, surpreende-nos a estátua dourada de um grande bebé de sorriso trocista, sentado num trono em jeito de Buda pueril. Uma inscrição que o identificava como “Billiken – Things as They Ought to Be”, pouco ou nada nos esclarecia.

O Estranho Fenómeno Urbano do Bebé Grande Biliken

E, no entanto, adultos, adolescentes e crianças que por ali passavam homenageavam-no e repetiam, com o boneco, fotos e mais fotos.

Só muito mais tarde viemos a apurar de onde provinha a sua popularidade. E vinha de bem longe.

BilliKen, Osaka, Japão

Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.

Nos primeiros anos do século XX, a tal figura apareceu num sonho de Florence Pretz, uma professora de arte e ilustradora de Kansas City. Fretz atribuiu-lhe o nome Billiken que achou num poema de 1896, chamado “Mr. Moon: a Song of the Little People”.

Chegada a 1908, Pretz registou a patente do boneco que veio a fazer furor tanto no Canada como nos Estados Unidos, onde se tornou símbolo da Universidade de Saint Louis, não tarda, apodo de uma série de equipas menores de beisebol.

O boneco chegou ao Japão, levado pelas representações desportivas nipónicas que se deslocavam aos Estados Unidos. Uma das mais impressionantes representações do Billiken foi erguida, logo em 1912, no Luna Park de Osaka em representação de um sortido prolífico de Americana.

Billiken, Osaka, Japão

Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.

Em 1923, essa estátua de madeira sumiu com o fecho do parque. E, em 1980, uma réplica foi colocada numa das torres famosas da cidade, a Tsutenkaku. Daí em diante, o notório, já quase divino Billiken de Osaka como que andou em tournée dentro do Japão e até nos Estados Unidos.

Bastaram apenas alguns passos para encontrarmos outra das influências culturais com que os norte-americanos preencheram o vazio deixado pela derrota nipónica na 2ª Guerra Mundial.

O beisebol tornou-se o desporto número um do Japão. Movimenta biliões de ienes, parte deles em contratações de jogadores estrangeiros.

Logo ao lado, dois modelos, jogadores ou ex-jogadores, exibiam o equipamento de uma equipa de outros tempos, a Osaka Gold Vilignes.

Modelo de beisebol, Osaka, Japão

Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.

America-Mura. Onde a Cultura Nipónica se Funde com a Legada pelos Estados Unidos

Caminhamos ao longo do America-Mura, mais conhecida como Ame-Mura, um sector da área de Minami, fulcro da cultura e da moda jovem da região nipónica da região de Kansai, que a presença de uns poucos gaijin (estrangeiros) torna mais cosmopolita.

Dotonbori, Osaka, Japão

As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.

Ame-mura estende-se pela Naga Hori Street, até ao culminar de néon de Dotonbori. Quando lá voltamos, ainda é de dia. Uma multidão percorre a viela às compras ou a saborear distintos petiscos, caso das okonomiyaki, as panquecas de couve que fazem japoneses e estrangeiros viajarem de longe, para as saborearem em Osaka.

Acima, imponentes, um a enfrentar o outro, impingem-se outdoors rivais das cervejas Kirin Lager e Asahi Super Dry, em qualquer caso, bebidas apropriadas para acompanhar a intrincada okonomiyaki que, convidados por Mayu, ainda nos viria a deliciar.

Outdoor, Osaka, Japão

Outdoor vistoso promove uma cerveja japonesa.

Sem deixarmos por completo o âmbito, quando escurece, destaca-se sobre o canal e nele reflectido o atleta vitorioso da marca de comida Glico, também ela de Osaka mas presente em mais de trinta países.

Não obstante a sua assinatura em inglês “Good Taste and Good Health”, esta multinacional exporta  chocolates, batatas-fritas, pastilhas elásticas, gelados e vários outros produtos destoantes.

Dotonbori, Osaka, Japão

Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.

Uma já inesperada chuva a potes atesta o canal de Dotonbori. Faz debandar a multidão para as ruas arcadas. Com o cansaço a adensar-se ao mesmo ritmo que a noite, recolhemos ao abrigo reconfortante de Mayu onde, até à hora de nos deitarmos, voltamos a beber Asahis geladas, à conversa.

Bay Area: a Versão Mais Marinha e Aberta de Osaka

O dia seguinte, dedicamo-lo à Bay Area, a zona do estuário que nos fez lembrar uma Expo 98 à moda de Osaka. Lá se encontra também um grande oceanário, o Osaka Aquarium. Nas imediações, os Universal Studios Japan e uma enorme Ferris Wheel.

Aquário Kaiyukan, Osaka, Japão

O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.

Nenhuma destas atracções se revelava prioritária se quiséssemos manter-nos fiéis à descoberta da exótica e criativa cultura nipónica.

Mesmo assim, desafogada à beira-mar, a Bay Area fez-nos caminhar mais do que contávamos e subirmos ao observatório do edifício Umeda de onde acompanhámos o acender das luzes urbanas.

Hip-hop. Osaka, Japão

Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.

Terminámos o périplo de Osaka num piso subterrâneo desse mesmo edifício. De rastos, sentámo-nos a assistir a uma comunidade bem-disposta de breakdancers e hip-hopers da cidade, a aperfeiçoarem as suas danças acrobáticas.

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e as gueixas estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão.
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo - Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Jabula Beach, Kwazulu Natal, Africa do Sul
Safari
Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Competição do Alaskan Lumberjack Show, Ketchikan, Alasca, EUA
Arquitectura & Design
Ketchikan, Alasca

Aqui Começa o Alasca

A realidade passa despercebida a boa parte do mundo, mas existem dois Alascas. Em termos urbanos, o estado é inaugurado no sul do seu oculto cabo de frigideira, uma faixa de terra separada dos restantes E.U.A. pelo litoral oeste do Canadá. Ketchikan, é a mais meridional das cidades alasquenses, a sua Capital da Chuva e a Capital Mundial do Salmão.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Glamour vs Fé
Cidades
Goa, Índia

O Último Estertor da Portugalidade Goesa

A proeminente cidade de Goa já justificava o título de “Roma do Oriente” quando, a meio do século XVI, epidemias de malária e de cólera a votaram ao abandono. A Nova Goa (Pangim) por que foi trocada chegou a sede administrativa da Índia Portuguesa mas viu-se anexada pela União Indiana do pós-independência. Em ambas, o tempo e a negligência são maleitas que agora fazem definhar o legado colonial luso.
jovem vendedora, nacao, pao, uzbequistao
Comida
Vale de Fergana, Usbequistão

Uzbequistão, a Nação a Que Não Falta o Pão

Poucos países empregam os cereais como o Usbequistão. Nesta república da Ásia Central, o pão tem um papel vital e social. Os Uzbeques produzem-no e consomem-no com devoção e em abundância.
Tombola, bingo de rua-Campeche, Mexico
Cultura
Campeche, México

Há 200 Anos a Brincar com a Sorte

No fim do século XVIII, os campechanos renderam-se a um jogo introduzido para esfriar a febre das cartas a dinheiro. Hoje, jogada quase só por abuelitas, a loteria local pouco passa de uma diversão.
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Horseshoe Bend
Étnico
Navajo Nation, E.U.A.

Por Terras da Nação Navajo

De Kayenta a Page, com passagem pelo Marble Canyon, exploramos o sul do Planalto do Colorado. Dramáticos e desérticos, os cenários deste domínio indígena recortado no Arizona revelam-se esplendorosos.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores, de capital histórica a Património Mundial, arte urbana
História
Angra do Heroísmo, Terceira, Açores

Heroína do Mar, de Nobre Povo, Cidade Valente e Imortal

Angra do Heroísmo é bem mais que a capital histórica dos Açores, da ilha Terceira e, em duas ocasiões, de Portugal. A 1500km do continente, conquistou um protagonismo na nacionalidade e independência portuguesa de que poucas outras cidades se podem vangloriar.
Parque Terra Nostra, Furnas, São Miguel, Açores, Portugal
Ilhas
Vale das Furnas, São Miguel

O Calor Açoriano do Vale das Furnas

Surpreendemo-nos, na maior ilha dos Açores, com uma caldeira retalhada por minifúndios agrícolas, massiva e profunda ao ponto de abrigar dois vulcões, uma enorme lagoa e quase dois mil micaelenses. Poucos lugares do arquipélago são, ao mesmo tempo, tão grandiosos e acolhedores como o verdejante e fumegante Vale das Furnas.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Barco e timoneiro, Cayo Los Pájaros, Los Haitises, República Dominicana
Natureza
Península de Samaná, PN Los Haitises, República Dominicana

Da Península de Samaná aos Haitises Dominicanos

No recanto nordeste da República Dominicana, onde a natureza caribenha ainda triunfa, enfrentamos um Atlântico bem mais vigoroso que o esperado nestas paragens. Lá cavalgamos em regime comunitário até à famosa cascata Limón, cruzamos a baía de Samaná e nos embrenhamos na “terra das montanhas” remota e exuberante que a encerra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Enriquillo, Grande lago das Antilhas, República Dominicana, vista da Cueva das Caritas de Taínos
Parques Naturais
Lago Enriquillo, República Dominicana

Enriquillo: o Grande Lago das Antilhas

Com entre 300 e 400km2, situado a 44 metros abaixo do nível do mar, o Enriquillo é o lago supremo das Antilhas. Mesmo hipersalino e abafado por temperaturas atrozes, não pára de aumentar. Os cientistas têm dificuldade em explicar porquê.
Viajante acima da lagoa gelada de Jökursarlón, Islândia
Património Mundial UNESCO
Lagoa Jökursarlón, Glaciar Vatnajökull, Islândia

Já Vacila o Glaciar Rei da Europa

Só na Gronelândia e na Antárctica se encontram geleiras comparáveis ao Vatnajökull, o glaciar supremo do velho continente. E no entanto, até este colosso que dá mais sentido ao termo Terra do Gelo se está a render ao cerco inexorável do aquecimento global.
Monumento do Heroes Acre, Zimbabwe
Personagens
Harare, Zimbabwe

O Último Estertor do Surreal Mugabué

Em 2015, a primeira-dama do Zimbabué Grace Mugabe afirmou que o presidente, então com 91 anos, governaria até aos 100, numa cadeira-de-rodas especial. Pouco depois, começou a insinuar-se à sua sucessão. Mas, nos últimos dias, os generais precipitaram, por fim, a remoção de Robert Mugabe que substituiram pelo antigo vice-presidente Emmerson Mnangagwa.
Parque Nacional Cahuita, Costa Rica, Caribe, Punta Cahuita vista aérea
Praias
Cahuita, Costa Rica

Uma Costa Rica de Rastas

Em viagem pela América Central, exploramos um litoral da Costa Rica tão afro quanto das Caraíbas. Em Cahuita, a Pura Vida inspira-se numa fé excêntrica em Jah e numa devoção alucinante pela cannabis.
planicie sagrada, Bagan, Myanmar
Religião
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Sobre Carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
Ilha Sentosa, Singapura, Família em praia artificial de Sentosa
Sociedade
Sentosa, Singapura

A Evasão e a Diversão de Singapura

Foi uma fortaleza em que os japoneses assassinaram prisioneiros aliados e acolheu tropas que perseguiram sabotadores indonésios. Hoje, a ilha de Sentosa combate a monotonia que se apoderava do país.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
Ovelhas e caminhantes em Mykines, ilhas Faroé
Vida Selvagem
Mykines, Ilhas Faroé

No Faroeste das Faroé

Mykines estabelece o limiar ocidental do arquipélago Faroé. Chegou a albergar 179 pessoas mas a dureza do retiro levou a melhor. Hoje, só lá resistem nove almas. Quando a visitamos, encontramos a ilha entregue aos seus mil ovinos e às colónias irrequietas de papagaios-do-mar.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
PT EN ES FR DE IT