Osaka, Japão

O Japão Urbano-Jovial de Osaka


Pedra ante Pedra
Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.
Ginasta Dançarino
Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.
Por um Túnel Galeria
Transeuntes percorrem um tunel do metro de Osaka.
Adoração do Ídolo Billy Ken
Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.
Osaka Jo
O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.
Dotonbori
As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.
Things as They Are
Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.
Beicinhos
Amigas e um bebé num Dog Café de Osaka,
Jintan
Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.
Amigas de Ferrys
Amigas na fase da Ferrys Wheel da Bay Area.
O Oceanário de Osaka
O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.
Dotonbori
Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.
Asahi Lager
Outdoor vistoso promove a cerveja japonesa Asahi.
Recordação à moda Nipónica
Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.
Reflexos da Vida de Osaka
Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.
Osaka a (muitas) Cores
Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.
Salaryman
Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.
CBD de Osaka
O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.
Ensaios de Rua
Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.
Terceira cidade mais populosa do Japão e uma das mais antigas, Osaka não perde demasiado tempo com formalidades e cerimónias. A capital da região do Kansai é famosa pelas suas gentes extrovertidas sempre prontas a celebrar a vida.

Menos de duas horas. É quanto nos demora a viagem de 330km entre Hiroxima e Osaka.

Chegamos à estação de Shin Osaka, por volta das 17h30. Instalamo-nos num café das imediações de Osaka Jo Kitazume até à hora em que a jovem moradora nossa anfitriã connosco se podia encontrar.

Mayu chega em cima das 22h. Caminhamos com ela até casa. Quando chegamos ao seu apartamento no 10º andar, percebemos que, não só estamos próximos do castelo de Osaka, em pleno centro de Chuo-Ku, como temos uma vista privilegiada sobre a fortaleza, o lago em redor e os prédios alinhados do Central Business District.

Mayu põe-nos à vontade. Oferece-nos cervejas geladas que partilhamos numa amena cavaqueira em inglês. Até à meia-noite. Por essa hora, desculpa-se mas tem que se ir deitar. Do nosso lado, depois da longa jornada de baixo a meio da ilha de Honshu, o plano dela parecia-nos bem.

Só despertamos às 10 da manhã. Mayu tinha saído para o ginásio e só voltaria ao final do dia. Ainda estávamos algo confusos quanto ao plano para a exploração de Osaka.

À Conquista do Velho Castelo de Osaka

Com o castelo da cidade ali à mão de semear, apostamos em simplificar. Afinal de contas, mais que destacado acima do âmago da cidade, como seria de esperar, o Osaka Jo é indissociável da história desta que é agora a terceira urbe nipónica.

Castelo de Osaka, Japão

O Castelo de Osaka, destacado acima do centro da cidade.

Ergueu-o, em 1583, um dáimio que resistia ao domínio crescente de Ieyasu Tokugawa, este, o unificador do Japão, primeiro xógum do xogunato Tokugawa.

Quase o consumiu um incêndio provocado por um raio, cinquenta anos após Ieyasu o ter conquistado. E não obstante os bombardeamentos dos Aliados na 2ª Guerra Mundial o terem danificado, o Osaka Jo resistiu à destruição atroz que se verificou, sobretudo, numa área para sudoeste do bairro de Chuo-Ku.

De acordo, concretizada uma reabilitação que durou de 1995 a 1997, o castelo recuperou o esplendor medieval e uma imponência oriental que desde o dia anterior nos seduzia. Instantes depois de passarmos para o domínio interior do antigo fosso, damos com um pequeno exército de jovens alunos.

Apesar da formalidade de fato e gravata dos seus uniformes, tinham cedido à tentação de conquistarem o monumento, favorecidos pela ausência de autoridades do complexo e pelo tamanho das frechas entre os blocos de granito da estrutura.

Pé ante pé, pedra após pedra, os rapazes avançavam nessa base, mais avanço que subida já que a subida implicava desafiarem a gravidade.

E a vida.

Castelo de Osaka, Japão

Alunos brincam as escaladas na base do castelo de Osaka.

Por mais inconscientes e imaturas se revelassem as suas, os jovens sabiam que o castelo já tinha assistido a suficientes tragédias. Como tal, viraram-se para nós, concordantes com uma ou duas fotos cool. Após o que trataram de regressar ao solo sem espalho ou espalhafato.

Quando o conseguem, pedem-nos para espreitar as imagens. “Sugoi!” exclamam em jeito de aprovação do registo. Despedimo-nos do pequeno gang. Saímos em busca de outros japoneses e motivos fotografáveis.

A Evasão e Diversão Nipónica em redor do Osaka Jo

Uma guia turística de bandeirinha amarela em riste apela ao seu grupo de visitantes que a ela se reúnam. Logo ao lado, num estilo que contrastava com o uniformizado da senhora, um outro súbdito do imperador destacava-se pela sua exuberância.

Trajava botas de neve, calças púrpura, t-shirt verde e gorro rosa.

Dançarino, Osaka, Japão

Dançarino destoa dos visitantes do castelo medieval de Osaka.

De fones nos ouvidos e uma mini-máquina fotográfica pendurada ao pescoço para o que desse e viesse, este turista-dançante entregava-se a movimentos e coreografias ditadas pela música. Indiferente à audiência em redor e, sobretudo, ao que dele podiam achar, fazia do pátio de acesso ao Osaka Jo a sua pista particular.

Outros visitantes, enfiavam as cabeças em modelos de personagens medievais nipónicas, e fotografavam-se com o castelo em fundo.

Para cá, para lá, acima e abaixo dos sete pisos que abrigam o museu dedicado ao próprio castelo e a Toyotomi Hideyoshi, o senhor da guerra japonês que ordenou a sua construção, chegamos ao fim da tarde.

Recordação, castelo de Osaka, Japão

Visitantes fotografam-se com o castelo de Osaka em fundo.

Afastamo-nos para aquém do fosso e do lago e apreciamos a duplicidade de atmosferas nocturnas do bairro de Chuo-Ku. A do castelo amarelado que quase parecia pairar acima da mancha escura da floresta.

E a dos prédios altos e modernos do CBD, verdadeiras caixas de luz espetadas à beira do lago, cada qual, com a sua razão corporativa de ser. Ou melhor, com centenas delas.

OSaka, Japão

O casario moderno de Osaka, a terceira cidade japonesa.

O CBD de Osaka e relevância da cidade no Panorama Financeiro Nipónico

Osaka tornou-se um dos principais centros financeiros do Japão. Entre as multinacionais famosas à escala mundial que lá têm as suas sedes, contam-se a Panasonic e a Sharp.

Salaryman, Osaka, Japão

Salaryman passa num corredor de um edifício da Bay Area.

Malgrado a relevância empresarial, a cidade é conhecida pela sua cultura menos cerimoniosa, mais informal, espontânea e festiva, em comparação, por exemplo, com a capital Tóquio, com Yokohama e com a tradicionalista Quioto.

Até o próprio à vontade da nossa anfitriã Mayu parecia contribuir para o confirmar.

Situada na zona subtropical do Japão, Osaka tem um clima mais ameno mas também mais chuvoso ao longo do ano que estas vizinhas.

Para os dois dias seguintes, estava previsto céu cinzento e aguaceiros.

Dotonbori, o Coração e a Alma Cosmopolita de Osaka

Conformados com a sina meteorológica, informados da sua abundância de ruas arcadas, dedicamo-nos a explorar a zona de Dotonbori, a que se estendia entre duas das pontes que atravessam o canal do rio homónimo, um dos vários que sulcam a cidade, na iminência da grande Baía de Osaka.

Reflexos de Osaka, Japão

Edifício da Bay Area de Osaka gera um reflexo curiosos dos seus visitantes.

De facto, Dotonbori confirmou-se o coração e a alma da vida cosmopolita da cidade, a rede de ruas e ruelas que traduzem a sua riqueza cultural e comercial.

Passamos por incontáveis restaurantes, uns tradicionais, outros nem tanto. Espreitamos salões de pachinko (jogo de sorte electrónico japonês) e outros de purikura, versões hipermodernas da vulgar máquina de fotografias.

Tanto as ruas abertas como as arcadas estão pejadas de faixas publicitárias verticais, algumas em forma dos néones que carregam a noite de luz e de cor, várias acompanhadas de símbolos figurados sobre as suas portas.

Rua de Osaka, Japão

Decoração garrida de uma rua do centro de Osaka.

Num dos cruzamentos, surpreende-nos a estátua dourada de um grande bebé de sorriso trocista, sentado num trono em jeito de Buda pueril. Uma inscrição que o identificava como “Billiken – Things as They Ought to Be”, pouco ou nada nos esclarecia.

O Estranho Fenómeno Urbano do Bebé Grande Biliken

E, no entanto, adultos, adolescentes e crianças que por ali passavam homenageavam-no e repetiam, com o boneco, fotos e mais fotos.

Só muito mais tarde viemos a apurar de onde provinha a sua popularidade. E vinha de bem longe.

BilliKen, Osaka, Japão

Crianças detêm-se aos pés da estátua dourada de BilliKen.

Nos primeiros anos do século XX, a tal figura apareceu num sonho de Florence Pretz, uma professora de arte e ilustradora de Kansas City. Fretz atribuiu-lhe o nome Billiken que achou num poema de 1896, chamado “Mr. Moon: a Song of the Little People”.

Chegada a 1908, Pretz registou a patente do boneco que veio a fazer furor tanto no Canada como nos Estados Unidos, onde se tornou símbolo da Universidade de Saint Louis, não tarda, apodo de uma série de equipas menores de beisebol.

O boneco chegou ao Japão, levado pelas representações desportivas nipónicas que se deslocavam aos Estados Unidos. Uma das mais impressionantes representações do Billiken foi erguida, logo em 1912, no Luna Park de Osaka em representação de um sortido prolífico de Americana.

Billiken, Osaka, Japão

Duas amigas fazem-se fotografar aos pés da estátua de Billy Ken.

Em 1923, essa estátua de madeira sumiu com o fecho do parque. E, em 1980, uma réplica foi colocada numa das torres famosas da cidade, a Tsutenkaku. Daí em diante, o notório, já quase divino Billiken de Osaka como que andou em tournée dentro do Japão e até nos Estados Unidos.

Bastaram apenas alguns passos para encontrarmos outra das influências culturais com que os norte-americanos preencheram o vazio deixado pela derrota nipónica na 2ª Guerra Mundial.

O beisebol tornou-se o desporto número um do Japão. Movimenta biliões de ienes, parte deles em contratações de jogadores estrangeiros.

Logo ao lado, dois modelos, jogadores ou ex-jogadores, exibiam o equipamento de uma equipa de outros tempos, a Osaka Gold Vilignes.

Modelo de beisebol, Osaka, Japão

Modelo promove uma antiga equipa de beisebol de Osaka.

America-Mura. Onde a Cultura Nipónica se Funde com a Legada pelos Estados Unidos

Caminhamos ao longo do America-Mura, mais conhecida como Ame-Mura, um sector da área de Minami, fulcro da cultura e da moda jovem da região nipónica da região de Kansai, que a presença de uns poucos gaijin (estrangeiros) torna mais cosmopolita.

Dotonbori, Osaka, Japão

As margens iluminadas por neon do canal de Dotonbori.

Ame-mura estende-se pela Naga Hori Street, até ao culminar de néon de Dotonbori. Quando lá voltamos, ainda é de dia. Uma multidão percorre a viela às compras ou a saborear distintos petiscos, caso das okonomiyaki, as panquecas de couve que fazem japoneses e estrangeiros viajarem de longe, para as saborearem em Osaka.

Acima, imponentes, um a enfrentar o outro, impingem-se outdoors rivais das cervejas Kirin Lager e Asahi Super Dry, em qualquer caso, bebidas apropriadas para acompanhar a intrincada okonomiyaki que, convidados por Mayu, ainda nos viria a deliciar.

Outdoor, Osaka, Japão

Outdoor vistoso promove uma cerveja japonesa.

Sem deixarmos por completo o âmbito, quando escurece, destaca-se sobre o canal e nele reflectido o atleta vitorioso da marca de comida Glico, também ela de Osaka mas presente em mais de trinta países.

Não obstante a sua assinatura em inglês “Good Taste and Good Health”, esta multinacional exporta  chocolates, batatas-fritas, pastilhas elásticas, gelados e vários outros produtos destoantes.

Dotonbori, Osaka, Japão

Moradora de Osaka à sombra do neon garrido de Dotonbori.

Uma já inesperada chuva a potes atesta o canal de Dotonbori. Faz debandar a multidão para as ruas arcadas. Com o cansaço a adensar-se ao mesmo ritmo que a noite, recolhemos ao abrigo reconfortante de Mayu onde, até à hora de nos deitarmos, voltamos a beber Asahis geladas, à conversa.

Bay Area: a Versão Mais Marinha e Aberta de Osaka

O dia seguinte, dedicamo-lo à Bay Area, a zona do estuário que nos fez lembrar uma Expo 98 à moda de Osaka. Lá se encontra também um grande oceanário, o Osaka Aquarium. Nas imediações, os Universal Studios Japan e uma enorme Ferris Wheel.

Aquário Kaiyukan, Osaka, Japão

O aquário Kaiyukan iluminado na Bay Area de Osaka.

Nenhuma destas atracções se revelava prioritária se quiséssemos manter-nos fiéis à descoberta da exótica e criativa cultura nipónica.

Mesmo assim, desafogada à beira-mar, a Bay Area fez-nos caminhar mais do que contávamos e subirmos ao observatório do edifício Umeda de onde acompanhámos o acender das luzes urbanas.

Hip-hop. Osaka, Japão

Jovens praticam dança na base iluminada de um centro comercial.

Terminámos o périplo de Osaka num piso subterrâneo desse mesmo edifício. De rastos, sentámo-nos a assistir a uma comunidade bem-disposta de breakdancers e hip-hopers da cidade, a aperfeiçoarem as suas danças acrobáticas.

Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Quioto, Japão

Sobrevivência: A Última Arte Gueixa

Já foram quase 100 mil mas os tempos mudaram e as gueixas estão em vias de extinção. Hoje, as poucas que restam vêem-se forçadas a ceder a modernidade menos subtil e elegante do Japão.
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Tóquio, Japão

O Imperador sem Império

Após a capitulação na 2ª Guerra Mundial, o Japão submeteu-se a uma constituição que encerrou um dos mais longos impérios da História. O imperador japonês é, hoje, o único monarca a reinar sem império.
Tóquio, Japão

O Mercado de Peixe que Perdeu a Frescura

Num ano, cada japonês come mais que o seu peso em peixe e marisco. Desde 1935, que uma parte considerável era processada e vendida no maior mercado piscícola do mundo. Tsukiji foi encerrado em Outubro de 2018, e substituído pelo de Toyosu.
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo - Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Arquitectura & Design
Fortalezas

O Mundo à Defesa – Castelos e Fortalezas que Resistem

Sob ameaça dos inimigos desde os confins dos tempos, os líderes de povoações e de nações ergueram castelos e fortalezas. Um pouco por todo o lado, monumentos militares como estes continuam a resistir.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
cavaleiros do divino, fe no divino espirito santo, Pirenopolis, Brasil
Cerimónias e Festividades
Pirenópolis, Brasil

Cavalgada de Fé

Introduzida, em 1819, por padres portugueses, a Festa do Divino Espírito Santo de Pirenópolis agrega uma complexa rede de celebrações religiosas e pagãs. Dura mais de 20 dias, passados, em grande parte, sobre a sela.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
Cacau, Chocolate, Sao Tome Principe, roça Água Izé
Comida
São Tomé e Príncipe

Roças de Cacau, Corallo e a Fábrica de Chocolate

No início do séc. XX, São Tomé e Príncipe geravam mais cacau que qualquer outro território. Graças à dedicação de alguns empreendedores, a produção subsiste e as duas ilhas sabem ao melhor chocolate.
Mulheres com cabelos longos de Huang Luo, Guangxi, China
Cultura
Longsheng, China

Huang Luo: a Aldeia Chinesa dos Cabelos mais Longos

Numa região multiétnica coberta de arrozais socalcados, as mulheres de Huang Luo renderam-se a uma mesma obsessão capilar. Deixam crescer os cabelos mais longos do mundo, anos a fio, até um comprimento médio de 170 a 200 cm. Por estranho que pareça, para os manterem belos e lustrosos, usam apenas água e arrôz.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
A Toy Train story
Em Viagem
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Étnico
Grande Zimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Sigiriya capital fortaleza: de regresso a casa
História
Sigiriya, Sri Lanka

A Capital Fortaleza de um Rei Parricida

Kashyapa I chegou ao poder após emparedar o monarca seu pai. Receoso de um provável ataque do irmão herdeiro do trono, mudou a principal cidade do reino para o cimo de um pico de granito. Hoje, o seu excêntrico refúgio está mais acessível que nunca e permitiu-nos explorar o enredo maquiavélico deste drama cingalês.
Sol e coqueiros, São Nicolau, Cabo Verde
Ilhas
São Nicolau, Cabo Verde

São Nicolau: Romaria à Terra di Sodade

Partidas forçadas como as que inspiraram a famosa morna “Sodade” deixaram bem vincada a dor de ter que deixar as ilhas de Cabo Verde. À descoberta de Saninclau, entre o encanto e o deslumbre, perseguimos a génese da canção e da melancolia.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Caldeirão da Ilha do Corvo, Açores,
Natureza
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Terraços de Sistelo, Serra do Soajo, Arcos de Valdevez, Minho, Portugal
Parques Naturais
Peneda-Gerês, Portugal

Do “Pequeno Tibete Português” às Fortalezas do Milho

Deixamos as fragas da Srª da Peneda, rumo a Arcos de ValdeVez e às povoações que um imaginário erróneo apelidou de Pequeno Tibete Português. Dessas aldeias socalcadas, passamos por outras famosas por guardarem, como tesouros dourados e sagrados, as espigas que colhem. Caprichoso, o percurso revela-nos a natureza resplandecente e a fertilidade verdejante destas terras da Peneda-Gerês.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Património Mundial UNESCO
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
femea e cria, passos grizzly, parque nacional katmai, alasca
Personagens
PN Katmai, Alasca

Nos Passos do Grizzly Man

Timothy Treadwell conviveu Verões a fio com os ursos de Katmai. Em viagem pelo Alasca, seguimos alguns dos seus trilhos mas, ao contrário do protector tresloucado da espécie, nunca fomos longe demais.
Conversa ao pôr-do-sol
Praias
Boracay, Filipinas

A Praia Filipina de Todos os Sonhos

Foi revelada por mochileiros ocidentais e pela equipa de filmagem de “Assim Nascem os Heróis”. Seguiram-se centenas de resorts e milhares de veraneantes orientais mais alvos que o areal de giz.
ocupação Tibete pela China, Tecto do Mundo, As forças ocupantes
Religião
Lhasa, Tibete

A Sino-Demolição do Tecto do Mundo

Qualquer debate sobre soberania é acessório e uma perda de tempo. Quem quiser deslumbrar-se com a pureza, a afabilidade e o exotismo da cultura tibetana deve visitar o território o quanto antes. A ganância civilizacional Han que move a China não tardará a soterrar o milenar Tibete.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Fogo artifício de 4 de Julho-Seward, Alasca, Estados Unidos
Sociedade
Seward, Alasca

O 4 de Julho Mais Longo

A independência dos Estados Unidos é festejada, em Seward, Alasca, de forma modesta. Mesmo assim, o 4 de Julho e a sua celebração parecem não ter fim.
Retorno na mesma moeda
Vida Quotidiana
Dawki, Índia

Dawki, Dawki, Bangladesh à Vista

Descemos das terras altas e montanhosas de Meghalaya para as planas a sul e abaixo. Ali, o caudal translúcido e verde do Dawki faz de fronteira entre a Índia e o Bangladesh. Sob um calor húmido que há muito não sentíamos, o rio também atrai centenas de indianos e bangladeshianos entregues a uma pitoresca evasão.
Penhascos acima do Valley of Desolation, junto a Graaf Reinet, África do Sul
Vida Selvagem
Graaf-Reinet, África do Sul

Uma Lança Bóer na África do Sul

Nos primeiros tempos coloniais, os exploradores e colonos holandeses tinham pavor do Karoo, uma região de grande calor, grande frio, grandes inundações e grandes secas. Até que a Companhia Holandesa das Índias Orientais lá fundou Graaf-Reinet. De então para cá, a quarta cidade mais antiga da nação arco-íris prosperou numa encruzilhada fascinante da sua história.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.