Nara, Japão

O Berço Colossal do Budismo Nipónico


Budas

Visitantes admiram a enorme estátua do buda Buda Vairocana, com 15 metros de altura e 500 toneladas.

Grande Salão de Buda

O maior edifício antigo de madeira do mundo, Daibutsuden, no centro do templo Todai-ji.

Hesitação

Visitante foge de um veado perseguidor para lá de um portal de acesso ao templo.

Ritual de Fumo

Casal coloca um pau de incenso à entrada do Grande Salão de Buda.

Multidão de Nara

Visitantes percorrem a alameda que conduz ao templo Todai-ji.

Curandeiro Divino

Fiéis afagam partes do corpo de Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão.

Condução Amplificada

Guia munido de um megafone conduz um grupo de visitantes asiático.

Guardião Budista

Estátua de um guardião nio, um dos protectores do buda Daibutsu.

Passagem Apertada

Aluna de colégio japonês atravessa o buraco num pilar do Grande Salão, um ritual incontornável do templo Todai-ji.

Curiosidade e indiferença

Homem japonês inspecciona a estátua de um guardião nio, ao lado de um veado letárgico.

Todai-ji Outonal

O Grande Salão Daibutsuden do lado de lá do lago do templo Todai-ji.

Em Apertos

Jovem japonês tenta passar pelo buraco no pilar do Grande Salão de Buda.

Pontas Douradas

Pormenor da arquitectura budista do Grande Salão de Buda.

Guardião Budista II

Estátua de um guardião nio, um dos protectores do buda Daibutsu.

Curiosidade e indiferença II

Casal espreita para dentro de uma vedação de madeira, ao lado de um veado que aguarda a sua oportunidade.

Nara deixou, há muito, de ser capital e o seu templo Todai-ji foi despromovido. Mas o Grande Salão mantém-se o maior edifício antigo de madeira do Mundo. E alberga o maior buda vairocana de bronze.

Dessi, uma anfitriã javanesa que se procurava adaptar à alma tradicionalista e fechada de Nara tinha-nos falado maravilhas do santuário Todai-ji, o Grande Templo do Leste.

Apesar de sensacionalista, a sua descrição só nos aumentou a curiosidade e fez-nos apressar a descoberta do monumento.

O Súbito Avistamento do Grande Todai-ji

Percorremos todo o vasto Nara Park. Passados os vários portais de acesso ao recinto, deparamo-nos com o enorme templo principal Daibutsuden (Grande Salão de Buda) que não desilude.

Templo todai-ji, Nara, Japão

O Grande Salão Daibutsuden do lado de lá do lago do templo Todai-ji.

Elegante e imponente, sobressaem nele as típicas linhas arquitecturais budistas, culminadas por um telhado duplo que se projecta lateralmente do corpo base como uma espécie de capelo asiático.

No centro do grande salão, protegida por dois guardiões nio ameaçadores, destaca-se a estátua colossal e também recordista (15 metros de altura, 500 toneladas) de bronze do Buda Vairocana – no Japão, Daibutsu.

Guardião Budista nio, templo Todai ji, em Nara, Japão

Estátua de um guardião nio, um dos protectores do buda Daibutsu.

Saúda os visitantes e crentes que, após se purificarem à entrada com o fumo do incenso admiram, agora, a sua magnificência.

Passados os Guardiões Nio, várias faces de Buda e do Budismo

A imensidão de madeira do edifício renova-se em espaços distintos. Em cada um deles, o budismo reclama distintas provas de fé. Uma delas revela-se um verdadeiro desafio contorcionista.

Ritual do templo Todai-ji, Nara, Japão

Aluna de colégio japonês atravessa o buraco num pilar do Grande Salão, um ritual incontornável do templo Todai-ji.

Forma-se uma fila em frente a um dos pilares que sustentam o Daibutsuden. Famílias inteiras e excursões escolares de jovens japoneses fotografam-se a passar para lá e para cá, através de um buraco apertado na sua base que se crê ter a mesma largura que as narinas de Daibutsu.

É suposto esta passagem conceder a libertação espiritual de quem a consegue, mas, quando chega a vez de alguns pretendentes do norte da Europa e da América do Norte, o desafio torna-se sério. Em vez de libertados, alguns têm que ser socorridos de um aflitivo sufoco.

Fazendo fé na mitologia budista, eventuais mazelas resultantes do aperto podem sempre ser resolvidas por Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão.

À saída do Daibutsuden, vemos vários fiéis idosos em simultâneo a tocar e a esfregam as mãos em diferentes partes da estátua desta divindade por forma a tentarem ultrapassar problemas de saúde que têm em zonas equivalentes dos corpos.

Fiéis budistas tocam Binzuru Sonja, junto ao templo de Todai ji, Nara, Japão

Fiéis afagam partes do corpo de Binzuru Sonja, deus japonês da cura e da boa visão

Com a mobilidade que a longevidade nipónica lhes concede, os pacientes apressam-se a seguir os seus guias, sempre bem identificados por bandeiras coloridas.

A Origem Milenar Chinesa da Arquitectura, da Escrita e de Tanto Mais

Malgrado a secular inimizade sino-nipónica, cada vez mais destas comitivas turísticas são também chinesas e os seus participantes deliciam-se com a exuberante cultura japonesa. Alguns deles, só descobrem in loco que foi a sua nação han que a inspirou.

Com menos de 400.000 habitantes, Nara revela-se, hoje, uma cidade insignificante para os padrões japoneses. Mas, de 710 a 784 d.C.., foi promovida a capital revolucionária. Por essa altura, a sociedade japonesa era predominantemente rural, assente em aldeias primitivas e constituída por comunidades que adoravam os kamis (espíritos) das forças naturais e dos seus antepassados.

Ritual budista com incenso, templo Todai ji, Nara, Japão

Casal coloca um pau de incenso à entrada do Grande Salão de Buda.

Mas a influência política e cultural da poderosa China fazia-se sentir como nunca. E, quando os imperadores ditaram a construção de Heijo-Kyo (antecessora de Nara), segundo a grelha e o modelo confucionista de Chang’an (a Xi’an actual), uma cidade de palácios, sedas, riqueza e opulência generalizada alteraram para sempre a paisagem local, até então formada por florestas e campos agrícolas.

Da China chegaram também a escrita (que os japoneses continuam a usar enquanto alfabeto kanji) e várias correntes artísticas.

E a Passagem do Budismo de um lado ao outro do Mar do Japão

O desenvolvimento cultural mais importante protagonizado por Nara foi, no entanto, o florescimento do Budismo, consolidado pela instalação de grandes mosteiros e das respectivas escolas de pensamento que se tinham distinguido o outro lado do Mar do Japão, durante a dinastia Tang.

A prática da nova religião começou por se cingir à capital mas, sob a regência do Príncipe Shotoku, influenciou em definitivo o governo nipónico que se deixou fascinar em especial pelo Sutra da Luz Dourada, segundo o qual Buda era definido não só como um ser humano histórico mas como a Lei e a Verdade do Universo.

Pontas Douradas do Grande Salão de Buda, templo Todai ji, Nara, Japão

Pormenor da arquitectura budista do Grande Salão de Buda.

A adopção pelos governantes e pela aristocracia palaciana, em geral, concedeu ao budismo uma vitalidade inédita e os seus ensinamentos – adaptados à realidade e cruzados com a mitologia milenar xintoísta – depressa contagiaram as ilhas japonesas.

Nos dias que correm, o budismo continua a reger a sua espiritualidade e a cultura, em sintonia com os preceitos bem mais antigos do xintoísmo. Em Nara, como um pouco por todo o país, esta dicotomia exibe-se nas mais variadas formas, das requintadas e sublimes às mais caricatas.

Visitantes vs Veados, a batalha incontornável de Todai-ji e do Nara Park

Uma multidão longitudinal percorre a avenida secular que conduz ao exterior do santuário Todai-ji e ao coração do vasto Nara Park.

Multidão de visitantes do Todai ji em Nara, Japão

Visitantes percorrem a alameda que conduz ao templo Todai-ji

O seu fluxo é perturbado apenas pela presença de esquadrões dos famosos veados da cidade (cervus nippon) que se mantêm de faro apurado e perscrutam os transeuntes para mendigarem ou lhes roubarem as iguarias que transportam, em especial, os biscoitos shika sembei, à venda em bancas distribuídas pelos jardins e concentradas à porta dos monumentos.

De início divertidos com as más experiências alheias, não tardamos a ver-nos também aflitos e a termos que correr para nos livrarmos das suas perseguições implacáveis.

Visitantes do templo Todai Ji e veado, Nara, Japão

Casal espreita para dentro de uma vedação de madeira, ao lado de um veado que aguarda a sua oportunidade.

De acordo com a mitologia xintoísta registada no santuário Kazuga de Nara, o deus Takemikazuchi teria chegado montado num veado branco para proteger a recém-construída capital.

Quando a lenda se popularizou, os animais passaram a ser considerados mensageiros sagrados dos deuses. Vários séculos depois, ainda vagueiam pelas ruas e parques, agora protegidos pela legislação da cidade.

Visitante acossado por veado, templo Todai-ji, Nara, Japão

Visitante foge de um veado perseguidor para lá de um portal de acesso ao templo

Um Providencial Refúgio nas Alturas

Desesperados para nos livrarmos do assédio dos cervídeos, subimos ao ponto mais elevado da povoação, o monte Kaigahira-yama (822m). Dali, desvendamos um panorama impressionante sobre a cidade em geral e alguns dos edifícios imponentes que dela se projectam.

Também observamos como o inevitável desenvolvimento urbanístico tinha invadido o vale contíguo, se estendia em redor do centro histórico e a partir do eixo urbanístico que é a Sanjo-dori, a mais importante das suas avenidas comerciais.

Essa era, todavia, a Nara contemporânea. Reservámo-la para os dias de Kansai que se seguiam.

Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Bingling Si, China

O Desfiladeiro dos Mil Budas

Durante mais de um milénio e, pelo menos sete dinastias, devotos chineses exaltaram a sua crença religiosa com o legado de esculturas num estreito remoto do rio Amarelo. Quem desembarca no Desfiladeiro dos Mil Budas, pode não achar todas as esculturas mas encontra um santuário budista deslumbrante.
Guwahati, India

A Cidade que Venera Kamakhya e a Fertilidade

Guwahati é a maior cidade do estado de Assam e do Nordeste indiano. Também é uma das que mais se desenvolve do mundo. Para os hindus e crentes devotos do Tantra, não será coincidência lá ser venerada Kamakhya, a deusa-mãe da criação.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Miyajima, Japão

Xintoísmo e Budismo ao Sabor das Marés

Quem visita a ilha de Itsukushima admira um dos três cenários mais reverenciados do Japão. Ali, a religiosidade nipónica confunde-se com a Natureza e renova-se com o fluir do Mar interior de Seto.

Lhasa, Tibete

Quando o Budismo se Cansa da Meditação

Nem só com silêncio e retiro espiritual se procura o Nirvana. No Mosteiro de Sera, os jovens monges aperfeiçoam o seu saber budista com acesos confrontos dialécticos e bateres de palmas crepitantes.

Takayama, Japão

Entre o Passado Nipónico e a Modernidade Japonesa

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.

Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Lhasa, Tibete

Sera, o Mosteiro do Sagrado Debate

Em poucos lugares do mundo se usa um dialecto com tanta veemência como no mosteiro de Sera. Ali, centenas de monges travam, em tibetano, debates intensos e estridentes sobre os ensinamentos de Buda.
Bagan, Myanmar

A Planície dos Pagodes, Templos e Redenções Celestiais

A religiosidade birmanesa sempre assentou num compromisso de redenção. Em Bagan, os crentes endinheirados e receosos continuam a erguer pagodes na esperança de conquistarem a benevolência dos deuses.
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Parques nacionais
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Pela sombra
Arquitectura & Design
Miami, E.U.A.

Uma Obra-Prima da Reabilitação Urbana

Na viragem para o século XXI, o bairro Wynwood mantinha-se repleto de fábricas e armazéns abandonados e grafitados. Tony Goldman, um investidor imobiliário astuto, comprou mais de 25 propriedades e fundou um parque mural. Muito mais que ali homenagear o grafiti, Goldman fundou o grande bastião da criatividade de Miami.
Aurora ilumina o vale de Pisang, Nepal.
Aventura
Circuito Anapurna: 3º- Upper Pisang, Nepal

Uma Inesperada Aurora Nevada

Aos primeiros laivos de luz, a visão do manto branco que cobrira a povoação durante a noite deslumbra-nos. Com uma das caminhadas mais duras do Circuito Annapurna pela frente, adiamos a partida tanto quanto possível. Contrariados, deixamos Upper Pisang rumo a Ngawal quando a derradeira neve se desvanecia.
Moa numa praia de Rapa Nui/Ilha da Páscoa
Cerimónias e Festividades
Ilha da Páscoa, Chile

A Descolagem e a Queda do Culto do Homem-Pássaro

Até ao século XVI, os nativos da Ilha da Páscoa esculpiram e idolatraram enormes deuses de pedra. De um momento para o outro, começaram a derrubar os seus moais. Sucedeu-se a veneração de tangatu manu, um líder meio humano meio sagrado, decretado após uma competição dramática pela conquista de um ovo.
Acolhedora Vegas
Cidades
Las Vegas, E.U.A.

Capital Mundial dos Casamentos vs Cidade do Pecado

A ganância do jogo, a luxúria da prostituição e a ostentação generalizada fazem parte de Las Vegas. Como as capelas que não têm olhos nem ouvidos e promovem matrimónios excêntricos, rápidos e baratos.
Comida
Margilan, Usbequistão

Um Ganha-Pão do Usbequistão

Numa de muitas padarias de Margilan, desgastado pelo calor intenso do forno tandyr, o padeiro Maruf'Jon trabalha meio-cozido como os distintos pães tradicionais vendidos por todo o Usbequistão
Indígena Coroado
Cultura

Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes Venezuelanos em Festa

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.

arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Do lado de cá do Atlântico
Étnico

Ilha de Goreia, Senegal

Uma Ilha Escrava da Escravatura

Foram vários milhões ou apenas milhares os escravos a passar por Goreia a caminho das Américas? Seja qual for a verdade, esta pequena ilha senegalesa nunca se libertará do jugo do seu simbolismo.​

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Dia escuro
História

Lago Cocibolca, Nicarágua

Mar, Doce Mar

Os indígenas nicaraos tratavam o maior lago da América Central por Cocibolca. Na ilha vulcânica de Ometepe, percebemos porque o termo que os espanhóis converteram para Mar Dulce fazia todo o sentido.

Àgua doce
Ilhas

Maurícias

Uma Míni-Índia nos Fundos do Índico

No século XIX, franceses e britânicos disputaram um arquipélago a leste de Madagáscar antes descoberto pelos portugueses. Os britânicos triunfaram, re-colonizaram as ilhas com cortadores de cana-de-açúcar do subcontinente e ambos admitiram a língua, lei e modos francófonos precedentes. Desta mixagem, surgiu a exótica Maurícia.    

Santas alturas
Inverno Branco

Kazbegi, Geórgia

Deus nas Alturas do Cáucaso

No século XIV, religiosos ortodoxos inspiraram-se numa ermida que um monge havia erguido a 4000 m de altitude e empoleiraram uma igreja entre o cume do Monte Kazbegi (5047m) e a povoação no sopé. Cada vez mais visitantes acorrem a estas paragens místicas na iminência da Rússia. Como eles, para lá chegarmos, submetemo-nos aos caprichos da temerária Estrada Militar da Geórgia.

De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Perigo de praia
Natureza

Santa Lucia, África do Sul

Uma África Tão Selvagem Quanto Zulu

Na eminência do litoral de Moçambique, a província de KwaZulu-Natal abriga uma inesperada África do Sul. Praias desertas repletas de dunas, vastos pântanos estuarinos e colinas cobertas de nevoeiro preenchem esta terra selvagem também banhada pelo oceano Índico. Partilham-na os súbditos da sempre orgulhosa nação zulu e uma das faunas mais prolíficas e diversificadas do continente africano.

Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Patrulha réptil
Parques Naturais
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Praia Islandesa
Património Mundial UNESCO

Islândia

O Aconchego Geotérmico da Ilha do Gelo

A maior parte dos visitantes valoriza os cenários vulcânicos da Islândia pela sua beleza. Os islandeses também deles retiram calor e energia cruciais para a vida que levam às portas do Árctico.

Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
Banhista, The Baths, Devil's Bay (The Baths) National Park, Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas
Praias
Virgin Gorda, Ilhas Virgens Britânicas

Os “Caribanhos” Divinais de Virgin Gorda

À descoberta das Ilhas Virgens, desembarcamos numa beira-mar tropical e sedutora salpicada de enormes rochedos graníticos. Os The Baths parecem saídos das Seicheles mas são um dos cenários marinhos mais exuberantes das Caraíbas.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Religião
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Sobre carris
Sobre Carris

Sempre Na Linha

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie cenários imperdíveis dos quatro cantos do mundo.
Uma espécie de portal
Sociedade

Little Havana, E.U.A.

A Pequena Havana dos Inconformados

Ao longo das décadas e até aos dias de hoje, milhares de cubanos cruzaram o estreito da Flórida em busca da terra da liberdade e da oportunidade. Com os E.U.A. ali a meros 145 km, muitos não foram mais longe. A sua Little Havana de Miami é, hoje, o bairro mais emblemático da diáspora cubana.

Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Geisers El Tatio, Atacama, Chile, Entre o gelo e o calor
Vida Selvagem
El Tatio, Chile

Géiseres El Tatio – Entre o Gelo e o Calor do Atacama

Envolto de vulcões supremos, o campo geotermal de El Tatio, no Deserto de Atacama surge como uma miragem dantesca de enxofre e vapor a uns gélidos 4200 m de altitude. Os seus géiseres e fumarolas atraem hordas de viajantes.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.