Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo – Vício Que Deprime o Japão


Noite de Tóquio
Os arranha-céus iluminados da capital japonesa, uma das maiores cidades do mundo e um dos antros privilegiados dos jogadores de pachinko
Esferas do Azar
Receptáculos das esferas usadas e ganhas pelos jogadores de Pachinko.
Completa alienação
Jogadores embrenhados nos distintos ecrãs de um salão de Pachinko.
Linha da vida do Pachinko
São milhares os japoneses principalmente das grandes cidades que se deixam apanhar pelo vício do Pachinko
Viciados
Um longo corredor repleto de jogadores de um salão de Pachinko.
V
A vitória electrónica e o lucro em dinheiro formam uma ilusão que captura, todos os anos, milhares de nipónicos
Manga junto ao pachinko
Transeunte passa por um parede decorada com a imagem de uma das personagens de um tempo à frente com que crescem há muito os jovens nipónicos, nos livros manga, videojogos e também no pachinko
Salão de Pachinko
Transeuntes passam em frente da fachada de um casino de Shibuya, em Tóquio.
Noite de Tóquio
Transeuntes atravessam uma avenida ampla de Tóquio, cercada, como quase todas, por vários salões de pachinko
Os Jogadores
Jogadores lado a lado em assentos decorados e em frente a ecrãs electrónicos garridos de Pachinko
Mais um noite de pachinko
Trânsito flui numa avenida de Tóquio iluminada pela luz do crepúsculo e pela iluminação urbana da capital japonesa
De olho em Tóquio
Ciclista numa praça iluminada de Tóquio.
Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.

O dia aproxima-se do fim.

Tóquio continua entregue a uma Primavera com céu azul e sol radioso. Deambulamos pelas ruas de Shibuya. A caminho de casa, grupos de alunas de mini-saias axadrezadas e pulôveres cinzentos perdem-se em diabruras e travessuras, .

Lolitas garridas e gyarus glamorosas passam por assalariados cinzentões no cruzamento mais atravessado do mundo. Jovens sobre bicicletas modernas adiantam-se pelos espaços desaproveitados pelo fluxo e contra fluxo da multidão.

Já do outro lado, metemo-nos numa ruela comercial repleta de montras que atraem adolescentes sedentos das novidades da moda.

Chama-nos a atenção uma parede decorada com posters com personagens de manga e caracteres nipónicos sobre fundos amarelos. Examinamos o edifício de aparência algo Blade Runner.

Salão de Pachinko, video vício, Japão

Transeuntes passam em frente da fachada de um casino de Shibuya, em Tóquio.

Os Salões Barulhentos, Fumarentos e Alienantes de Pachinko

Damos com a sua entrada principal, barrada por uma porta que obedece a sensores. E com um antro tecnológico, barulhento e fumarento. Tratava-se de um dos milhares de salões de pachinko que infestam o Japão.

No interior, dezenas de almas desperdiçam horas da sua vida, em frente a aquários electrónicos multicolores em que soltam esferas reluzentes. A maior parte dos jogadores perde rasto da realidade e a muitos milhares de ienes.

Pachinko, video vício, Japão

Jogadores embrenhados nos distintos ecrãs de um salão de Pachinko.

A ironia das ironias está em que tudo começou com um simples brinquedo.

Corinthian Bagatelle: a Surpreendente Inspiração Ocidental

Em, 1920, os japoneses descobriram um jogo de crianças americano, o Corinthian Bagatelle. Criaram a sua versão a que chamaram de korinto gemu.

Dez anos depois, a engenhoca apaixonou os adultos de Nagoya. A partir desta cidade, o fenómeno contagiou o resto da nação.

Após a 2ª Guerra Mundial ter interrompido o seu alastramento, o passatempo não tardou a regressar ao Japão vencido e destruído. Então, os prémios do jogo eram produtos valiosos no mercado negro, como sabão e chocolate.

Jogadores, Pachinko, video vício, Japão

Jogadores lado a lado em assentos decorados e em frente a ecrãs electrónicos garridos de Pachinko

Do Mero Passatempo, à Rede Nipónica de Salões de Pachinko

Em 1948, na mesma Nagoya, surgiram os primeiros salões comerciais. Agrupavam máquinas que usavam campainhas para assinalar os estados do jogo e flippers que projectavam as esferas com impactos reguláveis.

Estas máquinas mantiveram-se no activo até ao virar dos anos 80. Daí em diante, a revolução electrónica japonesa garantiu modelos cada vez mais futuristas e sedutores.

De volta ao mesmo salão de Shibuya, jogadores compenetrados continuam a ignorar os inúmeros prazeres do ar livre.

É normal chegarem muito antes da abertura das casas para disputarem as máquinas mais familiares ou as menos sofisticadas, que acreditam poder manipular com mais facilidade.

Pachinko, video vício, Japão

Transeunte passa por um parede decorada com a imagem de uma das personagens de um tempo à frente com que crescem há muito os jovens nipónicos, nos livros manga, videojogos e também no pachinko

As Máquinas “de Crianças” Que Sugam a Vida aos Adultos do Japão

Depois, sentam-se lado a lado, pernas contra pernas. Durante horas a fio, sofrem a alienação digital de “Sea Story”, “Star Wars” ou “Mappy Park” – temas gráficos e de programação dos jogos.

É raro comunicarem entre si, ou sequer olharem para o lado. A mínima perda de concentração causa a derrota na partida em que estão envolvidos.

Haveríamos de explorar pachinkos em diferentes cidades. Sem grande conhecimento, limitamo-nos a inserir ienes sem fim.

Aborrecemo-nos mais depressa do que pensávamos, a vermos as esferas infernais seguir o seu próprio destino entre pinos e outras barreiras. Ao contrário do pensávamos, o pachinko concede-nos pouco ou nenhum controlo.

Para as vítimas do jogo, todavia, as luzes, os sons infantis e o circular das esferas revelam-se hipnóticos.

Tóquio, Pachinko video vício, Japão

Trânsito flui numa avenida de Tóquio iluminada pela luz do crepúsculo e pela iluminação urbana da capital japonesa

Pachinko: um Drama Social Há muito Latente

Mesmo se o jogo permite jackpots máximos de 40 euros e ritmos de perda nunca superiores a 1.5 euros por minuto, o pachinko tem o condão de mudar vidas. Quase sempre para pior, diga-se de passagem.

É a razão porque as empresas proprietárias protegem ao máximo as identidades dos jogadores. E porque nos obrigam a repetidos exercícios de gato e rato com os seus seguranças para conseguirmos fotografias decentes no interior dos salões.

Sentimos como muitos japoneses se refugiam da pressão esmagadora dos seus trabalhos em frente das máquinas. E como, ao fim de algum tempo, perdem empregos atrás de empregos. Arruinam-se e às suas famílias e veem-se forçados a juntar-se a grupos de jogadores compulsivos anónimos.

Tóquio, cidade do video vício do Pachinko, Japão

Transeuntes atravessam uma avenida ampla de Tóquio, cercada, como quase todas, por vários salões de pachinko

Por estranho que pareça, estas não são sequer as consequências mais dramáticas. Quase todos os anos, morrem duas ou três crianças devido ao excesso de calor quando os pais se esquecem delas nos carros depois de entrarem nos salões para jogarem “apenas alguns minutos”.

E, no entanto, quando os japoneses em geral são questionados sobre os hábitos de jogo da sua nação, a maior parte limita-se a dizer que é ilegal ou que os nipónicos não jogam. Estas respostas provam o grau de marginalidade tolerada ou camuflada do pachinko.

Na realidade, o Japão tem dez vezes mais máquinas de jogo que os Estados Unidos.

Viciados, Pachinko, video vício, Japão

Um longo corredor repleto de jogadores de um salão de Pachinko.

Um Vídeo-vício que Arruina Famílias e Enriquece Corporações

Trinta dos seus quase 130 milhões de habitantes frequenta os salões de pachinko onde deixam, todos os anos, mais de 150 milhares de milhões de euros. Causam perdas estimadas da ordem dos 40 milhares de milhões de euros.

Ameaçada pela indústria crescente dos videojogos e de outras formas de apostas, os promotores e proprietários de pachinkos optaram por se apresentarem como divertidos e emocionantes.

Tomaram inclusive de empréstimo para as suas decorações de fachadas e do interior, o tipo de personagens e de grafismo manga que os hipersofisticados videojogos nipónicos aperfeiçoaram.

Pachinko, video vício, Japão

A vitória electrónica e o lucro em dinheiro formam uma ilusão que captura, todos os anos, milhares de nipónicos

Os empresários nipónicos são tão obcecados por dinheiro como os jogadores de pachinko. Recorrem a truques ainda mais baixos. Chegamos a entrar em salões ainda de manhã.

Nessas ocasiões, o ruído da música e dos jogos revela-se exagerado face ao número de clientes. Não tardamos a apurar que os salões passam em contínuo uma banda sonora que simula casa cheia.

Essa música incita os recém-chegados a permanecer e a gastar. Quando as várias estratégias resultam, as casas de pachinko ficam lotadas num ápice.

Bem mais depressa que os cestos em que os apostadores guardam as esferas que conquistam.

A espaços, vemos os jogadores mais experientes ou felizardos levantarem-se e chamarem funcionários para os recolherem.

Estes, correm para satisfazer a vontade do freguês, despejam as esferas para um dispositivo contador e trazem de volta um recibo que o jogador troca por dinheiro.

Esferas do Azar, Pachinko, video vício, Japão

Receptáculos das esferas usadas e ganhas pelos jogadores de Pachinko.

O Jogo à Margem dos Prémios do Pachinko

Em teoria, os prémios do pachinko deveriam ser apenas produtos. Cada salão tem a sua boutique com perfumes Channel, despertadores Hello Kity e outros objectos quase insignificantes, pensos, canetas, revistas etc – que podem ser trocados por algumas centenas de esferas.

Na realidade, quase todos os jogadores preferem receber dinheiro. De maneira a contornarem a lei, os salões criaram “special prizes” fictícios e sem valor que os ganhadores levam a casas de troca sombrias situados na proximidade.

Nessas casas, outros funcionários trocam as esferas pelo desejado numerário nipónico.

Os ienes não tardam a entrar nas máquinas e a renovar o ciclo vicioso do pachinko.

Tóquio, Pachinko, video vício, Japão

Os arranha-céus iluminados da capital japonesa, uma das maiores cidades do mundo e um dos antros privilegiados dos jogadores de pachinko

Las Vegas, E.U.A.

Onde o Pecado tem Sempre Perdão

Projectada do Deserto Mojave como uma miragem de néon, a capital norte-americana do jogo e do espectáculo é vivida como uma aposta no escuro. Exuberante e viciante, Vegas nem aprende nem se arrepende.
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Tóquio, Japão

Ronronares Descartáveis

Tóquio é a maior das metrópoles mas, nos seus apartamentos exíguos, não há lugar para mascotes. Empresários nipónicos detectaram a lacuna e lançaram "gatis" em que os afectos felinos se pagam à hora.
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Tóquio, Japão

À Moda de Tóquio

No ultra-populoso e hiper-codificado Japão, há sempre espaço para mais sofisticação e criatividade. Sejam nacionais ou importados, é na capital que começam por desfilar os novos visuais nipónicos.
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Tóquio, Japão

Os Hipno-Passageiros de Tóquio

O Japão é servido por milhões de executivos massacrados com ritmos de trabalho infernais e escassas férias. Cada minuto de tréguas a caminho do emprego ou de casa lhes serve para o seu inemuri, dormitar em público.
Tóquio, Japão

Fotografia Tipo-Passe à Japonesa

No fim da década de 80, duas multinacionais nipónicas já viam as fotocabines convencionais como peças de museu. Transformaram-nas em máquinas revolucionárias e o Japão rendeu-se ao fenómeno Purikura.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Yak Kharka a Thorong Phedi, Circuito Annapurna, Nepal, iaques
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna 11º: Yak Karkha a Thorong Phedi, Nepal

A Chegada ao Sopé do Desfiladeiro

Num pouco mais de 6km, subimos dos 4018m aos 4450m, na base do desfiladeiro de Thorong La. Pelo caminho, questionamos se o que sentíamos seriam os primeiros problemas de Mal de Altitude. Nunca passou de falso alarme.
Escadaria Palácio Itamaraty, Brasilia, Utopia, Brasil
Arquitectura & Design
Brasília, Brasil

Brasília: da Utopia à Capital e Arena Política do Brasil

Desde os tempos do Marquês de Pombal que se falava da transferência da capital para o interior. Hoje, a cidade quimera continua a parecer surreal mas dita as regras do desenvolvimento brasileiro.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Indígena Coroado
Cerimónias e Festividades
Pueblos del Sur, Venezuela

Por uns Trás-os-Montes da Venezuela em Fiesta

Em 1619, as autoridades de Mérida ditaram a povoação do território em redor. Da encomenda, resultaram 19 aldeias remotas que encontramos entregues a comemorações com caretos e pauliteiros locais.
Catedral de Santa Ana, Vegueta, Las Palmas, Gran Canária
Cidades
Vegueta, Gran Canária, Canárias

Às Voltas pelo Âmago das Canárias Reais

O velho e majestoso bairro Vegueta de Las Palmas destaca-se na longa e complexa hispanização das Canárias. Findo um longo período de expedições senhoriais, lá teve início a derradeira conquista da Gran Canária e das restantes ilhas do arquipélago, sob comando dos monarcas de Castela e Aragão.
Singapura Capital Asiática Comida, Basmati Bismi
Comida
Singapura

A Capital Asiática da Comida

Eram 4 as etnias condóminas de Singapura, cada qual com a sua tradição culinária. Adicionou-se a influência de milhares de imigrados e expatriados numa ilha com metade da área de Londres. Apurou-se a nação com a maior diversidade gastronómica do Oriente.
Casal Gótico
Cultura

Matarraña a Alcanar, Espanha

Uma Espanha Medieval

De viagem por terras de Aragão e Valência, damos com torres e ameias destacadas de casarios que preenchem as encostas. Km após km, estas visões vão-se provando tão anacrónicas como fascinantes.

Natação, Austrália Ocidental, Estilo Aussie, Sol nascente nos olhos
Desporto
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Ocaso, Avenida dos Baobás, Madagascar
Em Viagem
Morondava, Avenida dos Baobás, Madagáscar

O Caminho Malgaxe para o Deslumbre

Saída do nada, uma colónia de embondeiros com 30 metros de altura e 800 anos ladeia uma secção da estrada argilosa e ocre paralela ao Canal de Moçambique e ao litoral piscatório de Morondava. Os nativos consideram estas árvores colossais as mães da sua floresta. Os viajantes veneram-nas como uma espécie de corredor iniciático.
Pequeno navegador
Étnico
Honiara e Gizo, Ilhas Salomão

O Templo Profanado das Ilhas Salomão

Um navegador espanhol baptizou-as, ansioso por riquezas como as do rei bíblico. Assoladas pela 2ª Guerra Mundial, por conflitos e catástrofes naturais, as Ilhas Salomão estão longe da prosperidade.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Estancia Harberton, Tierra del Fuego, Argentina
História
Terra do Fogo, Argentina

Uma Fazenda no Fim do Mundo

Em, 1886, Thomas Bridges, um órfão inglês levado pela família missionária adoptiva para os confins do hemisfério sul fundou a herdade anciã da Terra do Fogo. Bridges e os descendentes entregaram-se ao fim do mundo. Hoje, a sua Estancia Harberton é um deslumbrante monumento argentino à determinação e à resiliência humana.
Fiéis cristãos à saida de uma igreja, Upolu, Samoa Ocidental
Ilhas
Upolu, Samoa  

No Coração Partido da Polinésia

O imaginário do Pacífico do Sul paradisíaco é inquestionável em Samoa mas a sua formosura tropical não paga as contas nem da nação nem dos habitantes. Quem visita este arquipélago encontra um povo dividido entre sujeitar-se à tradição e ao marasmo financeiro ou desenraizar-se em países com horizontes mais vastos.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
Visitantes da casa de Ernest Hemingway, Key West, Florida, Estados Unidos
Literatura
Key West, Estados Unidos

O Recreio Caribenho de Hemingway

Efusivo como sempre, Ernest Hemingway qualificou Key West como “o melhor lugar em que tinha estado...”. Nos fundos tropicais dos E.U.A. contíguos, encontrou evasão e diversão tresloucada e alcoolizada. E a inspiração para escrever com intensidade a condizer.
Vista da Casa Iguana, Corn islands, puro caribe, nicaragua
Natureza
Corn Islands-Ilhas do Milho, Nicarágua

Puro Caribe

Cenários tropicais perfeitos e a vida genuína dos habitantes são os únicos luxos disponíveis nas também chamadas Corn Islands ou Ilhas do Milho, um arquipélago perdido nos confins centro-americanos do Mar das Caraíbas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Cahuita, Costa Rica, Caribe, praia
Parques Naturais
Cahuita, Costa Rica

Um Regresso Adulto a Cahuita

Durante um périplo mochileiro pela Costa Rica, de 2003, deliciamo-nos com o aconchego caribenho de Cahuita. Em 2021, decorridos 18 anos, voltamos. Além de uma esperada, mas comedida modernização e hispanização do pueblo, pouco mais tinha mudado.
Maksim, povo Sami, Inari, Finlandia-2
Património Mundial UNESCO
Inari, Finlândia

Os Guardiães da Europa Boreal

Há muito discriminado pelos colonos escandinavos, finlandeses e russos, o povo Sami recupera a sua autonomia e orgulha-se da sua nacionalidade.
Sósias dos irmãos Earp e amigo Doc Holliday em Tombstone, Estados Unidos da América
Personagens
Tombstone, E.U.A.

Tombstone: a Cidade Demasiado Dura para Morrer

Filões de prata descobertos no fim do século XIX fizeram de Tombstone um centro mineiro próspero e conflituoso na fronteira dos Estados Unidos com o México. Lawrence Kasdan, Kurt Russel, Kevin Costner e outros realizadores e actores hollywoodescos tornaram famosos os irmãos Earp e o duelo sanguinário de “O.K. Corral”. A Tombstone que, ao longo dos tempos tantas vidas reclamou, está para durar.
República Dominicana, Praia Bahia de Las Águilas, Pedernales. Parque Nacional Jaragua, Praia
Praias
Laguna Oviedo a Bahia de las Águilas, República Dominicana

Em Busca da Praia Dominicana Imaculada

Contra todas as probabilidades, um dos litorais dominicanos mais intocados também é dos mais remotos. À descoberta da província de Pedernales, deslumbramo-nos com o semi-desértico Parque Nacional Jaragua e com a pureza caribenha da Bahia de las Águilas.
Passagem, Tanna, Vanuatu ao Ocidente, Meet the Natives
Religião
Tanna, Vanuatu

Daqui se Fez Vanuatu ao Ocidente

O programa de TV “Meet the Natives” levou representantes tribais de Tanna a conhecer a Grã-Bretanha e os E.U.A. De visita à sua ilha, percebemos porque nada os entusiasmou mais que o regresso a casa.
Comboio do Fim do Mundo, Terra do Fogo, Argentina
Sobre Carris
Ushuaia, Argentina

Ultima Estação: Fim do Mundo

Até 1947, o Tren del Fin del Mundo fez incontáveis viagens para que os condenados do presídio de Ushuaia cortassem lenha. Hoje, os passageiros são outros mas nenhuma outra composição passa mais a Sul.
Bar de Rua, Fremont Street, Las Vegas, Estados Unidos
Sociedade
Las Vegas, E.U.A.

O Berço da Cidade do Pecado

Nem sempre a famosa Strip concentrou a atenção de Las Vegas. Muitos dos seus hotéis e casinos replicaram o glamour de néon da rua que antes mais se destacava, a Fremont Street.
Amaragem, Vida à Moda Alasca, Talkeetna
Vida Quotidiana
Talkeetna, Alasca

A Vida à Moda do Alasca de Talkeetna

Em tempos um mero entreposto mineiro, Talkeetna rejuvenesceu, em 1950, para servir os alpinistas do Monte McKinley. A povoação é, de longe, a mais alternativa e cativante entre Anchorage e Fairbanks.
savuti, botswana, leões comedores de elefantes
Vida Selvagem
Savuti, Botswana

Os Leões Comedores de Elefantes de Savuti

Um retalho do deserto do Kalahari seca ou é irrigado consoante caprichos tectónicos da região. No Savuti, os leões habituaram-se a depender deles próprios e predam os maiores animais da savana.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES