Nikko, Japão

O Derradeiro Cortejo do Xogum Tokugawa


Embaixada
Figurantes passam por baixo do tori (portal xintoísta) que abençoa os visitantes do santuário Futarasan e do mausoléu de Ieyasu Tokugawa.
Último olhar
Criança figurante contempla o cortejo majestoso que o segue.
Coração de Dragão
Figurantes do cortejo Shunki Reitaisai ajeitam um traje de dragão dourado.
Samurai de óculos
Rapaz encarna um dos muitos samurais a tomar parte na celebração.
Fim do Cortejo
Participante do festival Shunki Reitaisai carregam o caixão dourado, centro da simulação da transladação do xogum Ieyasu Tokugawa.
Benção dos falcoeiros
Sacerdote xintoísta abençoa um conjunto de falcoeiros prestes a exibirem a sua arte durante o festival Shunki Reitaisai de Nikko.
Hobby da Era Edo
Falcoeiro em trajes medievais segura o seu falcão durante uma exibição, trajado a rigor.
Ponte Shinkyo
Segundo a lenda, Shodo Shonin, um sacerdote budista, atravessou este rio sobre duas serpentes gigantes.
Espectadores pacientes
Público nipónico retido atrás de cordas aguardam a passagem da procissão do festival Shunki Reitaisai.
Procissão sem fim
O longo cortejo que re-encena a transladação do Xogum Ieyasu Tokugawa, o mais importante da história nipónica.
Em trajes medievais
Figurantes do festival Shunki Reitaisai, numa das secções mais coloridas do cortejo.
Em 1600, Ieyasu Tokugawa inaugurou um xogunato que uniu o Japão por 250 anos. Em sua homenagem, Nikko re-encena, todos os anos, a transladação medieval do general para o mausoléu faustoso de Toshogu.

A velocidade parcimoniosa, o número de paragens demoradas, a instabilidade na carruagem e a paisagem campestre atravessada pela linha JR Nikko não deixavam grande margem para dúvidas.

A grande e sofisticada Tóquio tinha ficado para trás.

Mais duas ou três estações e apeadeiros anunciados com som estridente e confirma-se a gare terminal de Nikko. Os passageiros confluem para o final da plataforma e afunilam-se na porta de saída. Pouco depois, disputam também um lugar nos autocarros que os irão poupar à ladeira que conduz ao complexo dos templos.

Continuamos sem pressas e desperta-nos curiosidade a vida local. Subimos, assim, ao ritmo marcado pelas pernas carregadas e vamos examinando a panóplia de estabelecimentos térreos, do restaurante que sugere o bife irrepreensível de Ishigaki a antiquários recatados e excêntricos.

Torna-se óbvio que, quanto mais nos afastamos da estação, mais dificuldade têm os negócios de prosperar, mesmo sendo Nikko um dos lugares predilectos entre os viajantes tanto os nipónicos como os forasteiros que se aventuram por estas terras sagradas do imperador.

Ponte Shinkyo e a Travessia para o Japão Medieval e UNESCO de Nikko

A estrada urbana 119 desemboca no rio Daiya. Submete-se a uma espécie de recuo forçado no tempo quando introduz a passagem pela ponte Shinkyo, laqueada a vermelhão.

Ponte Shinkyo

Segundo a lenda, Shodo Shonin, um sacerdote budista, atravessou este rio sobre duas serpentes gigantes.

O caudal desce de uma encosta verdejante e frondosa. Flui apressado e forma águas brancas que se debatem com rochas polidas e determinadas.

De acordo com a lenda, Shodo Shonin, um sacerdote budista que estabeleceu um retiro na zona no século VIII, atravessou este rio sobre duas serpentes gigantes.

Durante a época medieval, a ponte serviu apenas os membros da corte imperial e os generais. Já nos dias que correm, a pequena ponte faz parte do santuário Futarasan e podemos considerar que é para todos mesmo se cobra a cada transeunte uma portagem turística inflacionada de 500 ienes (quase 4 euros).

Do lado de lá do Daiya, impõe-se a sombra da encosta florestada que abriga o reduto histórico de Nikko. Vencemos as escadarias na companhia de alguns outros visitantes nipónicos idosos de perna curta mas vigor preservado. A meio do trilho, confrontamo-nos com um grupo de campesinos fora de tempo e contexto.

Percorremos toda uma rua ajardinada que esconde templos e estalagens e deparamo-nos com uma alameda de terra batida que serve o complexo dos principais monumentos.

Espectadores pacientes

Público nipónico retido atrás de cordas aguardam a passagem da procissão do festival Shunki Reitaisai.

Não somos propriamente os primeiros a chegar. Há uma multidão organizada e tranquila de ambos os lados, contida por linhas duplas de cordas esticadas e pela presença de agentes de autoridade austeros.

O Cortejo Grandioso Toshogu Nikko Festival

A espera prolonga-se. Intensifica a ansiedade e dá origem a pequenas contendas de cada vez que espectadores soberbos em lugares com visibilidade reduzida tentam instalar-se sobre os pequenos escadotes ou bancos trazidos de casa. Entretanto, é inaugurado o espectáculo e estas diferenças são debeladas.

A procissão tinha partido das imediações da ponte Shinkyo às dez da manhã em ponto. Vencida a primeira curva, surgem na dianteira religiosos que carregam três relicários com os espíritos dos três principais xoguns da era Tokugawa.

É, assim, reproduzida a cerimónia original em que, de acordo com a sua vontade em vida, a sepultura do fundador da dinastia Ieyasu Tokugawa (1543-1616) foi movida do monte Kuno para Nikko.

Dão seguimento ao séquito mais de mil outros participantes divididos por categorias. Vemos sacerdotes xintoístas a cavalo, centenas de samurais sob capacetes dourados e armaduras garridas e listadas, em tons combinados de amarelo e negro, também de azul e branco.

Samurai de óculos

Rapaz encarna um dos muitos samurais a tomar parte na celebração.

Integram ainda a parada figuras reais e imaginárias da época, membros das classes e posições mais humildes: simples soldados, arqueiros, falcoeiros, cortesãos, porta-estandartes, músicos

E … Tengu, um cão celestial semi-deus xintoísta, representado com a sua habitual face vermelha e nariz exagerado.

Coração de Dragão

Figurantes do cortejo Shunki Reitaisai ajeitam um traje de dragão dourado.

O cortejo prova-se tão pomposo quanto colorido. Move-se em jeito de câmara lenta até que passa sob o torii (portal) imponente de granito, ao lado de um pagode de cinco andares com 35 metros.

Entra, por fim, no santuário-mausoléu Tosho Gu com a bênção dos dois reis Deva escarlates que examinam cada um dos visitantes dos pés à cabeça.

Fim do Cortejo

Participante do festival Shunki Reitaisai carregam o caixão dourado, centro da simulação da transladação do xogum Ieyasu Tokugawa.

O Estatuto Quase Divino do Imperador Ieyasu Tokugawa

À sua maneira, Ieyasu Tokugawa fez por merecer toda esta reverência. Nascido em 1541, tornou-se num xógun temido e conquistador.

Os portugueses chegaram ao Japão em 1543. Relataram um arquipélago em que o Imperador tinha um poder quase simbólico, semelhante ao do Papa na Europa e em que a autoridade sobre território era disputada por vários clãs liderados por senhores da guerra.

Um conjunto de circunstâncias e ironias do destino fizeram com que, em 1600, o domínio do Japão fosse disputado na Batalha de Sekigahara, por dois exércitos desses clãs.

Ieyasu liderava o vitorioso.

Embaixada,

Figurantes passam por baixo do tori (portal xintoísta) que abençoa os visitantes do santuário Futarasan e do mausoléu de Ieyasu Tokugawa.

Apesar de terem passado mais três anos até que consolidasse o seu poder sobre o clã rival Toytomi e os restantes senhores feudais do Japão (os daimyo), esta batalha é reconhecida como o início oficioso do último xogunato supremo e indisputado.

Depois dela, até à restauração Meiji que, em 1868, pôs cobro ao período feudal Edo (ou Tokugawa) o Japão viveu em paz e viu reforçada a sua nacionalidade.

Ieyasu, o fundador da dinastia e principal responsável por esta mudança granjeou inúmeros tributos póstumos dos descendentes e súbditos, incluindo a dedicação de 15.000 artesãos vindos de todo o Japão para trabalhar durante dois anos na reconstrução do seu mausoléu.

Procissão sem fim

O longo cortejo que re-encena a transladação do Xogum Ieyasu Tokugawa, o mais importante da história nipónica.

O Reconhecimento e a Vassalagem do Povo Nipónico

Popularizou-se a noção de que tinha as qualidades ideais para ascender ao poder. Era corajoso mas, quando necessário, cuidadoso. Estabeleceu alianças calculistas sempre que sentiu que com elas poderia beneficiar.

Viveu numa era de brutalidade, violência e morte súbita mas foi fiel a quem o apoiou e recompensou, sem reservas, os vassalos que o seguiram.

Figurantes, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão

Figurantes do festival Shunki Reitaisai, numa das secções mais coloridas do cortejo.

Ieyasu teve dezanove esposas e concubinas que lhe concederam onze filhos e cinco filhas. Sabe-se que tinha sentimentos fortes pelos descendentes mas também podia ser cruel com quem o atraiçoava ou se lhe opunha.

Ordenou a execução da sua primeira mulher e do filho mais velho, alegadamente por motivos políticos.

Último olhar

Criança figurante contempla o cortejo majestoso que o segue.

O grande xógun também nadava com frequência. Sabe-se que, num período mais avançado da sua vida, o fazia no fosso no castelo de Edo (actual Tóquio).

A Falcoaria Real que o Festival de Nikko continua a Homenagear

Mas o seu passatempo favorito sempre foi a falcoaria que considerava um treino perfeito para a guerra. Ieyasu defendia que “quando se vai para o campo falcoar, aprende-se a compreender o espírito militar e também a vida dura das classes mais baixas.

Exercita-se os músculos e treina-se os membros. Caminha-se e corre-se. É-se indiferente ao calor e ao frio e é menos provável que se fique doente.” Também esta sua paixão é recuperada com frequência em Nikko.

Num dos dias em que exploramos a povoação, passamos por debaixo do torii e constatamos uma secção pré-delimitada para um outro qualquer evento.

Entramos na área do santuário Tosho Gu e vemos um grupo de falcoeiros trajados com elegância histórica e alinhados com as suas aves de rapina sobre os braços esquerdos.

Hobby da Era Edo

Falcoeiro em trajes medievais segura o seu falcão durante uma exibição, trajado a rigor.

Soa música xintoísta. A estranha melodia religiosa deixa pouco espaço para dúvidas sobre o cariz da cerimónia. Pouco depois, um sacerdote que empunha uma vara harai gushi purifica os falcoeiros brandindo as longas fitas shide em frente das suas cabeças e dos falcões.

Uma Vez Mais A Falcoaria Destaca-se

Findo o ritual, os falcoeiros descem as escadarias do recinto em fila, dirigem-se para a saída e ocupam os lugares respectivos. Já cercados por uma multidão entusiasta, dão início às suas exibições. Atam pedaços de carne a cordas e fazem-nas girar no ar em contínuo.

Então, soltam as aves que ganham altitude, preparam-se para a investida e, em quase todos os casos, capturam as presas a fingir em plena rotação, para sua recompensa imediata e sensação de dever cumprido dos mestres.

Benção dos falcoeiros, Spring Festival Shunki-Reitaisai, Cortejo Toshogu Tokugawa, Japão

Sacerdote xintoísta abençoa um conjunto de falcoeiros prestes a exibirem a sua arte durante o festival Shunki Reitaisai de Nikko.

O comboio JR Nikko para Tóquio partia dentro de três horas. Percorremos os derradeiros quilómetros no domínio póstumo de Tokugawa de regresso à estação da cidade.

Pouco depois, regressámos ao Japão futurista.

Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Caminhada Solitária, Deserto do Namibe, Sossusvlei, Namibia, acácia na base de duna
Parque Nacional
Sossusvlei, Namíbia

O Namibe Sem Saída de Sossusvlei

Quando flui, o rio efémero Tsauchab serpenteia 150km, desde as montanhas de Naukluft. Chegado a Sossusvlei, perde-se num mar de montanhas de areia que disputam o céu. Os nativos e os colonos chamaram-lhe pântano sem retorno. Quem descobre estas paragens inverosímeis da Namíbia, pensa sempre em voltar.
festa no barco, ilha margarita, PN mochima, venezuela
Parques nacionais
Ilha Margarita ao PN Mochima, Venezuela

Ilha Margarita ao Parque Nacional Mochima: um Caribe bem Caribenho

A exploração do litoral venezuelano justifica uma festa náutica de arromba. Mas, estas paragens também nos revelam a vida em florestas de cactos e águas tão verdes como a selva tropical de Mochima.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
Cortejo Ortodoxo
Cerimónias e Festividades
Suzdal, Rússia

Séculos de Devoção a um Monge Devoto

Eutímio foi um asceta russo do século XIV que se entregou a Deus de corpo e alma. A sua fé inspirou a religiosidade de Suzdal. Os crentes da cidade veneram-no como ao santo em que se tornou.
Telhados cinza
Cidades

Lijiang, China

Uma Cidade Cinzenta mas Pouco

Visto ao longe, o seu casario vasto é lúgubre mas as calçadas e canais seculares de Lijiang revelam-se mais folclóricos que nunca. Em tempos, esta cidade resplandeceu como a capital grandiosa do povo Naxi. Hoje, tomam-na de assalto enchentes de visitantes chineses que disputam o quase parque temático em que se tornou.

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Kente Festival Agotime, Gana, ouro
Cultura
Kumasi a Kpetoe, Gana

Uma Viagem-Celebração da Moda Tradicional Ganesa

Após algum tempo na grande capital ganesa ashanti cruzamos o país até junto à fronteira com o Togo. Os motivos para esta longa travessia foram os do kente, um tecido de tal maneira reverenciado no Gana que diversos chefes tribais lhe dedicam todos os anos um faustoso festival.
Sol nascente nos olhos
Desporto

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos, a nadar.

Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Em Viagem
Circuito Annapurna: 1º Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Encontro das águas, Manaus, Amazonas, Brasil
Étnico
Manaus, Brasil

Ao Encontro do Encontro das Águas

O fenómeno não é único mas, em Manaus, reveste-se de uma beleza e solenidade especial. A determinada altura, os rios Negro e Solimões convergem num mesmo leito do Amazonas mas, em vez de logo se misturarem, ambos os caudais prosseguem lado a lado. Enquanto exploramos estas partes da Amazónia, testemunhamos o insólito confronto do Encontro das Águas.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Fotografia
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Vista do John Ford Point, Monument Valley, Nacao Navajo, Estados Unidos
História
Monument Valley, E.U.A.

Índios ou cowboys?

Realizadores de Westerns emblemáticos como John Ford imortalizaram aquele que é o maior território indígena dos Estados Unidos. Hoje, na Nação Navajo, os navajo também vivem na pele dos velhos inimigos.
Caldeirão da Ilha do Corvo, Açores,
Ilhas
Corvo, Açores

O Abrigo Atlântico Inverosímil da Ilha do Corvo

17 km2 de vulcão afundado numa caldeira verdejante. Uma povoação solitária assente numa fajã. Quatrocentas e trinta almas aconchegadas pela pequenez da sua terra e pelo vislumbre da vizinha Flores. Bem-vindo à mais destemida das ilhas açorianas.
Tempo de aurora
Inverno Branco

Lapónia Finlandesa

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.

Na pista de Crime e Castigo, Sao Petersburgo, Russia, Vladimirskaya
Literatura
São Petersburgo, Rússia

Na Pista de “Crime e Castigo”

Em São Petersburgo, não resistimos a investigar a inspiração para as personagens vis do romance mais famoso de Fiódor Dostoiévski: as suas próprias lástimas e as misérias de certos concidadãos.
Convívio masai
Natureza

Masai Mara, Quénia

Um Povo Entregue à Bicharada

A savana de Mara tornou-se famosa pelo confronto entre os milhões de herbívoros e os seus predadores. Mas, numa comunhão temerária com a vida selvagem, são os humanos Masai que ali mais se destacam.

Aposentos dourados
Outono

Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.

Mulher atacamenha, Vida nos limites, Deserto Atacama, Chile
Parques Naturais
Deserto de Atacama, Chile

A Vida nos Limites do Deserto de Atacama

Quando menos se espera, o lugar mais seco do mundo revela novos cenários extraterrestres numa fronteira entre o inóspito e o acolhedor, o estéril e o fértil que os nativos se habituaram a atravessar.
Torres del Paine I
Património Mundial UNESCO

PN Torres del Paine, Chile

A Mais Dramática das Patagónias

Em nenhuma outra parte os confins austrais da América do Sul se revelam tão arrebatadores como na cordilheira de Paine. Ali, um castro natural de colossos de granito envolto de lagos e glaciares projecta-se da pampa e submete-se aos caprichos da meteorologia e da luz. 

Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Baie d'Oro, Île des Pins, Nova Caledonia
Praias
Île-des-Pins, Nova Caledónia

A Ilha que se Encostou ao Paraíso

Em 1964, Katsura Morimura deliciou o Japão com um romance-turquesa passado em Ouvéa. Mas a vizinha Île-des-Pins apoderou-se do título "A Ilha mais próxima do Paraíso" e extasia os seus visitantes.
Via Conflituosa
Religião
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
Sobre carris
Sobre Carris

Viagens de Comboio: O Melhor do Mundo Sobre Carris

Nenhuma forma de viajar é tão repetitiva e enriquecedora como seguir sobre carris. Suba a bordo destas carruagens e composições díspares e aprecie os melhores cenários do Mundo sobre Carris.
patpong, bar go go, banguecoque, mil e uma noites, tailandia
Sociedade
Banguecoque, Tailândia

Mil e Uma Noites Perdidas

Em 1984, Murray Head cantou a magia e bipolaridade nocturna da capital tailandesa em "One Night in Bangkok". Vários anos, golpes de estado, e manifestações depois, Banguecoque continua sem sono.
O projeccionista
Vida Quotidiana
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Ponte de Ross, Tasmânia, Austrália
Vida Selvagem
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.