Ogimashi, Japão

Uma Aldeia Fiel ao A


Luzes de Ogimachi
A aldeia de Ogimachi ilumina-se aos poucos à medida que a escuridão toma conta da região de Shirakawa-go.
Atalho rizícola
Visitantes e moradores percorrem um caminho entre arrozais secos e em frente a uma casa típica da aldeia.
“A” abrigado
Casa imponente de Ogimachi por detrás do arvoredo que envolve a aldeia, poucos dias antes dos primeiros nevões.
Tons de Outono
Cores outonais enfeitam a orla da floresta em redor da aldeia, junto a um abrigo agrícola.
Japão bucólico
Campos agrícolas com os primeiros tons de Outono, por detrás dos cedros típicos de Shirakawa-go.
Getas Baixas
Sandálias tradicionais nipónicas expostas para uso à entrada de uma pequena casa da povoação.
Água dos Deuses
Colheres colocadas numa fonte à entrada do templo xintoísta Hachiman-jinja.
Reverência xintoísta
Fiel ora em frente ao templo Hachiman-jinja, nas imediações de Ogimachi.
Coração de Ogimachi
Núcleo de edifícios centrais de Ogimachi, todos erguidos segundo os mesmos critérios arquitectónicos de resistência ao Inverno.
Sinal dos tempos
Letreiro nipónico com caracteres kanji em grande destaque na velha aldeia de Ogimachi.
No interior de Ogimachi
Morador e guia exemplifica a forma de vida tradicional dos habitantes de Ogimachi a um grupo de visitantes.
Aldeia com “A” grande
Casario em forma de A disperso no sopé das montanhas verdejantes de Ogimachi.
Estendal Picante
Malaguetas secam ao ar livre e dão mais cor a uma das casas típicas da aldeia.
Sem Pressas
Casal aguarda junto a um estendal de malaguetas no alpendre de madeira de uma das casas tradicionais de Ogimachi.
Tábuas Xintoístas
Mensagens em nipónico expostas num painel de madeira do templo Hachiman-jinja.
Ponte para lado nenhum
Velha ponte de ferro sobre um meandro do rio Shogawa, nas imediações de Ogimachi.
Requinte histórico
Recanto arquitectónico de um dos edifícios históricos de Ogimachi com a madeira esculpida em detalhes incríveis.
Rio de Outono
Meandro rochoso de um rio nas imediações de Shirakawa go, colorido pela folhagem outonal.
Alameda de todas as cores
Visitantes nipónicos cruzam-se na alameda principal de Ogimachi, sob as árvores coloridas pelo Outono.
Fogo Controlado
Casa gassho liberta fumo ao início da noite, provavelmente porque os moradores haviam começado a tratar do jantar.
Ogimashi revela uma herança fascinante da adaptabilidade nipónica. Situada num dos locais mais nevosos à face da Terra, esta povoação aperfeiçoou casas com verdadeiras estruturas anti-colapso.

Shirakawa-Go é, desde há muito, uma região eleita.

Começámos a descobri-la num documentário francês. Um comboio vencia o declive do percurso verdejante e solarengo da montanha. Logo, entrava num túnel, a meia-encosta.

Durante algum tempo, a imagem mantinha-se negra. A música que acompanhava o som do comboio parecia querer anunciar algo mas o narrador antecipa-se: “… et voilá … la vallée magique de Shirakawa-Go…”.

Saída do escuro, no outro lado da montanha, a composição revelava, então, o cenário encantador do vale do rio Sho-gawa, com as suas casitas longínquas em forma de A, semi-afundadas na neve.

O documentário manipulava a realidade. Apesar do crescimento inexorável das vias de comunicação japonesas, nenhum comboio dá ou alguma vez deu directamente para o vale mostrado a seguir ao túnel.

Aldeia com "A" grande, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Casas em forma de A gassho disperso no sopé das montanhas verdejantes de Ogimachi.

Ogimashi, Shirakawa-Go: um Refúgio Castigado pela Neve

Foi a inacessibilidade desta zona remota que atraiu os seus primeiros colonos, membros deslocados do clã Taira – praticamente aniquilado, em 1185, pelo clã rival Minamoto – que apostaram tudo em evitar novos confrontos mas tiveram que se defender do clima austero da região.

Isto, quase meio milénio antes da unificação do Japão conseguida pelo grande xógum do Japão, Ieyasu Tokugawa.

Shirakawa-Go continua a registar uma das maiores quedas anuais de neve do mundo. Com frequência, entre Dezembro e Abril, a intensidade e duração das tempestades isola-a do exterior do vale.

O clima impiedoso, a acumulação excessiva de neve que terá provocado o desabamento de várias das primeiras casas erguidas foram a inspiração forçada do estilo arquitectónico gassho-zukuri (mãos em oração).

Pintor, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Pintor aplica-se a retratar casas em A gassho de Ogimachi na sua tela.

As Casas Gassho-Zukuri que se Adaptaram aos Nevões

A construção gassho-zukuri foi aperfeiçoada com o passar dos séculos. Suporta, sobre estruturas fortes feitas de troncos de cedros, enormes telhados em V invertido e três ou quatro andares desenhados para alojar famílias extensas (às vezes de quase 30 pessoas).

Como é visível no maior de todos os gasshos de Shirakawa-Go, Wadanake – agora declarado Tesouro Nacional – as casas reservam ainda espaço para diversos tipos de armazenamentos e indústrias: sericultura no topo, produção de nitrato, (essencial para a produção de pólvora) abaixo do primeiro piso.

No interior de Ogimachi, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Morador e guia exemplifica a forma de vida tradicional dos habitantes nas casas A, em gassho, de Ogimachi a um grupo de visitantes.

Fazemos aqui um aparte para referir que a pólvora alterou uma balança de poder que era secular no Japão e se tornou vital para a sobrevivência dos xóguns (senhores feudais).

Começou a ser produzida em grande quantidade em Shirakawa-Go e restante província de Hida, pouco depois de as armas de fogo terem sido introduzidas no Japão, pelos mercadores portugueses, a partir de 1543.

Passado meio milénio, a história do país do sol nascente deu voltas e mais voltas. A mais importante de todas – também ela militar – acabou em tragédia. Melhor do que proclamou o ex-primeiro ministro Yoshida Shigeru, o Japão perdeu a 2ª Guerra Mundial mas ganhou a paz.

Por extensão, uma combinação entre prosperidade económica e equilíbrio social que é única à face da Terra.

Japão bucólico, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Campos agrícolas com os primeiros tons de Outono, por detrás dos cedros típicos de Shirakawa-go

A Invasão Nipónica e Fotográfica da Pitoresca Ogimashi

Não espanta, portanto, que, como os vemos, os senhores japoneses continuem bem armados.Na multidão que, aos fins de semana, flui entre os cento e dez gasshõs de Ogimachi, cruzam-se inúmeros de chefes de família abastados (muitos octogenários e nonagenários), munidos de modelos SLR Canon ou Nikon topo de gama.

Isto, apesar de os seus conhecimentos de fotografia pouco passarem da função On/Off.

Até nas mais paragens mais remotas deste bastião do consumismo se percebe que o dinheiro é abundante. Mesmo assim, a forma algo desalmada com que o Japão e os japoneses se habituaram a gerá-lo causou e continua a causar sérios revezes ambientalistas e paisagísticos.

A abrigado, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Casa imponente de Ogimachi por detrás do arvoredo que envolve a aldeia, poucos dias antes dos primeiros nevões

Nem Shirakawa-Go nem Hida, em geral, parecem estar a salvo.

Shirakawa já era um importante destino turístico antes de a UNESCO ter aceite Ogimachi e Ainokura na lista do Património Mundial. A partir da classificação, no entanto, a fama da região e o número de visitantes aumentaram de forma exponencial.

Contribuiu para o processo a conhecida predisposição social japonesa para os comportamentos de grupo.

Multidão, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Visitantes nipónicos cruzam-se na alameda principal de Ogimachi, sob as árvores coloridas pelo Outono.

À medida que os autocarros de excursão descarregavam mais e mais pessoas, aliciados pelo lucro, muitos dos proprietários de gasshos transformaram-nos em lojas de recordações. E, aos terrenos em redor, em pequenos parques de estacionamento pagos.

Estas e outras atrocidades culturais fizeram com que a UNESCO ameaçasse com a desclassificação que, à data da criação deste texto, estava em julgamento.

Tábuas Xintoístas, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Mensagens em nipónico expostas num painel de madeira do templo Hachiman-jinja.

O Encanto Outonal Alternativo de Ogimashi, em Dias Menos Populares

Apesar do revês, a região de Shirakawa-Go e, sobretudo, Ogimachi têm o seu indiscutível encanto. Esse encanto só aumenta se forem visitados de Segunda a Sexta enquanto os japoneses trabalham.

Se o quiser confirmar, experimente observar Ogimachi do alto do ponto de observação do casario de Ogimashi, o Shiroyama Tenbodai.

De preferência, bem cedo ou ao fim do dia quando as excursões estão ausentes e o cenário bucólico dos campos cultivados e da floresta em redor – possivelmente envolto numa névoa suavizante – exibe todo o seu esplendor.

Luzes de Ogimachi, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

A aldeia de Ogimachi ilumina-se aos poucos à medida que a escuridão toma conta da região de Shirakawa-go.

Durante o Outono, parte da área entre Gokayama e Tokayama, destaca-se pelo exotismo vermelho-amarelado das suas montanhas arborizadas, exuberantes quando os raios de sol nelas incidem, ou empasteladas quando está enevoado ou chove.

A paisagem só não é divinal porque foi vitima da mesma falta de sensibilidade que prejudicou Shirakawa Go, desta feita, a um nível governamental.

A Modernidade Estrutural que Afecta a Beleza do Japão Rural

Como explica Alex Kerr no seu livro “Lost Japan”, a determinação nacional de fazer o país “funcionar” e facturar, em conjunto com a grande densidade populacional – são 130 milhões de habitantes num país de montanhas –  tem causado a sua destruição.

Ao volante, ao longo da estrada 158 e entre incontáveis e intermináveis túneis, essa mácula surge-nos sob a forma de uma floresta de postes de alta tensão e cabos, sopés de encostas e margens de rios cimentadas, sequências surreais de barragens, plantações introduzidas de cedros etc. etc.

Rio de Outono, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Meandro rochoso de um rio nas imediações de Shirakawa go, colorido pela folhagem outonal.

Com o tempo, habituamo-nos a apreciar os cenários com uma espécie de filtro visual. No templo Hachiman Jinja, para cúmulo do inesperado, convivemos com os Kigurumis (personagens vivas) da saga vídeo-animé Higurashi No Naku Koro Ni

Quando partimos de volta a Takayama, os gasshos soltam fumo branco com cheiro a lenha.

Fogo Controlado, Shirakawa-go, Ogimachi, Japao, Aldeia das Casas em Gassho

Casa gassho liberta fumo ao início da noite, provavelmente porque os moradores haviam começado a tratar do jantar.

A noite cai de vez sobre o vale e os telhados em A de Shirakawa-go.

Quioto, Japão

O Templo que Renasceu das Cinzas

O Pavilhão Dourado foi várias vezes poupado à destruição ao longo da história, incluindo a das bombas largadas pelos EUA mas não resistiu à perturbação mental de Hayashi Yoken. Quando o admirámos, luzia como nunca.

Casario

Lares Doces Lares

Poucas espécies são mais sociais e gregárias que a humana. O Homem tende emular outros lares doces lares do mundo. Alguns desses casarios revelam-se impressionantes.
Takayama, Japão

Takayama do Japão Antigo e da Hida Medieval

Em três das suas ruas, Takayama retém uma arquitectura tradicional de madeira e concentra velhas lojas e produtoras de saquê. Em redor, aproxima-se dos 100.000 habitantes e rende-se à modernidade.
Quioto, Japão

Um Japão Milenar Quase Perdido

Quioto esteve na lista de alvos das bombas atómicas dos E.U.A. e foi mais que um capricho do destino que a preservou. Salva por um Secretário de Guerra norte-americano apaixonado pela sua riqueza histórico-cultural e sumptuosidade oriental, a cidade foi substituída à última da hora por Nagasaki no sacrifício atroz do segundo cataclismo nuclear.
Magome-Tsumago, Japão

Magome a Tsumago: o Caminho Sobrelotado Para o Japão Medieval

Em 1603, o xogum Tokugawa ditou a renovação de um sistema de estradas já milenar. Hoje, o trecho mais famoso da via que unia Edo a Quioto é percorrido por uma turba ansiosa por evasão.
Ogimashi, Japão

Um Japão Histórico-Virtual

Higurashi no Naku Koro ni” foi uma série de animação nipónica e jogo de computador com enorme sucesso. Em Ogimashi, aldeia de Shirakawa-Go, convivemos com um grupo de kigurumis das suas personagens.
Elafonisi, Creta, Grécia
Praia
Chania a Elafonisi, Creta, Grécia

Ida à Praia à Moda de Creta

À descoberta do ocidente cretense, deixamos Chania, percorremos a garganta de Topolia e desfiladeiros menos marcados. Alguns quilómetros depois, chegamos a um recanto mediterrânico de aguarela e de sonho, o da ilha de Elafonisi e sua lagoa.
Picos florestados, Huang Shan, China, Anhui, Montanha Amarela dos Picos Flutuantes
Parques nacionais
Huang Shan, China

Huang Shan: as Montanhas Amarelas dos Picos Flutuantes

Os picos graníticos das montanhas amarelas e flutuantes de Huang Shan, de que brotam pinheiros acrobatas, surgem em ilustrações artísticas da China sem conta. O cenário real, além de remoto, permanece mais de 200 dias escondido acima das nuvens.
Templo Nigatsu, Nara, Japão
Kikuno
Nara, Japão

Budismo vs Modernismo: a Face Dupla de Nara

No século VIII d.C. Nara foi a capital nipónica. Durante 74 anos desse período, os imperadores ergueram templos e santuários em honra do Budismo, a religião recém-chegada do outro lado do Mar do Japão. Hoje, só esses mesmos monumentos, a espiritualidade secular e os parques repletos de veados protegem a cidade do inexorável cerco da urbanidade.
Visitantes nos Jameos del Água, Lanzarote, Canárias, Espanha
Arquitectura & Design
Lanzarote, Ilhas Canárias

A César Manrique o que é de César Manrique

Só por si, Lanzarote seria sempre uma Canária à parte mas é quase impossível explorá-la sem descobrir o génio irrequieto e activista de um dos seus filhos pródigos. César Manrique faleceu há quase trinta anos. A obra prolífica que legou resplandece sobre a lava da ilha vulcânica que o viu nascer.
Aventura
Vulcões

Montanhas de Fogo

Rupturas mais ou menos proeminentes da crosta terrestre, os vulcões podem revelar-se tão exuberantes quanto caprichosos. Algumas das suas erupções são gentis, outras provam-se aniquiladoras.
Cena natalícia, Shillong, Meghalaya, Índia
Cerimónias e Festividades
Shillong, India

Selfiestão de Natal num Baluarte Cristão da Índia

Chega Dezembro. Com uma população em larga medida cristã, o estado de Meghalaya sincroniza a sua Natividade com a do Ocidente e destoa do sobrelotado subcontinente hindu e muçulmano. Shillong, a capital, resplandece de fé, felicidade, jingle bells e iluminações garridas. Para deslumbre dos veraneantes indianos de outras partes e credos.
Silhuetas Islâmicas
Cidades

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Comida
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
Cansaço em tons de verde
Cultura
Suzdal, Rússia

Em Suzdal, é de Pequenino que se Celebra o Pepino

Com o Verão e o tempo quente, a cidade russa de Suzdal descontrai da sua ortodoxia religiosa milenar. A velha cidade também é famosa por ter os melhores pepinos da nação. Quando Julho chega, faz dos recém-colhidos um verdadeiro festival.
Espectador, Melbourne Cricket Ground-Rules footbal, Melbourne, Australia
Desporto
Melbourne, Austrália

O Futebol em que os Australianos Ditam as Regras

Apesar de praticado desde 1841, o Futebol Australiano só conquistou parte da grande ilha. A internacionalização nunca passou do papel, travada pela concorrência do râguebi e do futebol clássico.
Sal Muito Grosso
Em Viagem
Salta e Jujuy, Argentina

Pelas Terras Altas da Argentina Profunda

Um périplo pelas províncias de Salta e Jujuy leva-nos a desvendar um país sem sinal de pampas. Sumidos na vastidão andina, estes confins do Noroeste da Argentina também se perderam no tempo.
Fila Vietnamita
Étnico

Nha Trang-Doc Let, Vietname

O Sal da Terra Vietnamita

Em busca de litorais atraentes na velha Indochina, desiludimo-nos com a rudeza balnear de Nha Trang. E é no labor feminino e exótico das salinas de Hon Khoi que encontramos um Vietname mais a gosto.

Crepúsculo exuberante
Fotografia
Luz Natural (Parte 2)

Um Sol, tantas Luzes

A maior parte das fotografias em viagem são tiradas com luz solar. A luz solar e a meteorologia formam uma interacção caprichosa. Saiba como a prever, detectar e usar no seu melhor.
Garranos galopam pelo planalto acima de Castro Laboreiro, PN Peneda-Gerês, Portugal
História
Castro Laboreiro, Portugal  

Do Castro de Laboreiro à Raia da Serra Peneda – Gerês

Chegamos à (i) eminência da Galiza, a 1000m de altitude e até mais. Castro Laboreiro e as aldeias em redor impõem-se à monumentalidade granítica das serras e do Planalto da Peneda e de Laboreiro. Como o fazem as suas gentes resilientes que, entregues ora a Brandas ora a Inverneiras, ainda chamam casa a estas paragens deslumbrantes.
Mulheres na Missa. Bora Bora, Ilhas-Sociedade, Polinésia, Francesa
Ilhas
Bora-Bora, Raiatea, Huahine, Polinésia Francesa

Um Trio Intrigante de Sociedades

No coração idílico do vasto oceano Pacífico, o Arquipélago da Sociedade, parte da Polinésia Francesa, embeleza o planeta como uma criação quase perfeita da Natureza. Exploramo-lo durante um bom tempo a partir do Taiti. Os últimos dias, dedicamo-los a Bora Bora, Huahine e Raiatea.
costa, fiorde, Seydisfjordur, Islandia
Inverno Branco
Seydisfjordur, Islândia

Da Arte da Pesca à Pesca da Arte

Quando armadores de Reiquejavique compraram a frota pesqueira de Seydisfjordur, a povoação teve que se adaptar. Hoje, captura discípulos da arte de Dieter Roth e outras almas boémias e criativas.
De visita
Literatura

Rússia

O Escritor que Não Resistiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.

Cabo da Cruz, colónia focas, cape cross focas, Namíbia
Natureza
Cape Cross, Namíbia

A Mais Tumultuosa das Colónias Africanas

Diogo Cão desembarcou neste cabo de África em 1486, instalou um padrão e fez meia-volta. O litoral imediato a norte e a sul, foi alemão, sul-africano e, por fim, namibiano. Indiferente às sucessivas transferências de nacionalidade, uma das maiores colónias de focas do mundo manteve ali o seu domínio e anima-o com latidos marinhos ensurdecedores e intermináveis embirrações.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Um Apocalipse Televisionado
Parques Naturais

La Palma, Espanha

O Mais Mediático dos Cataclismos por Acontecer

A BBC divulgou que o colapso de uma vertente vulcânica da ilha de La Palma podia gerar um mega-tsunami. Sempre que a actividade vulcânica da zona aumenta, os media aproveitam para apavorar o Mundo.

Comunismo Imperial
Património Mundial UNESCO

Hué, Vietname

A Herança Vermelha do Vietname Imperial

Sofreu as piores agruras da Guerra do Vietname e foi desprezada pelos vietcong devido ao passado feudal. As bandeiras nacional-comunistas esvoaçam sobre as suas muralhas mas Hué recupera o esplendor.

Era Susi rebocado por cão, Oulanka, Finlandia
Personagens
PN Oulanka, Finlândia

Um Lobo Pouco Solitário

Jukka “Era-Susi” Nordman criou uma das maiores matilhas de cães de trenó do mundo. Tornou-se numa das personagens mais emblemáticas da Finlândia mas continua fiel ao seu cognome: Wilderness Wolf.
Tambores e tatoos
Praias

Taiti, Polinésia Francesa

Taiti Para lá do Clichê

As vizinhas Bora Bora e Maupiti têm cenários superiores mas o Taiti é há muito conotado com paraíso e há mais vida na maior e mais populosa ilha da Polinésia Francesa, o seu milenar coração cultural.

Casario, cidade alta, Fianarantsoa, Madagascar
Religião
Fianarantsoa, Madagáscar

A Cidade Malgaxe da Boa Educação

Fianarantsoa foi fundada em 1831 por Ranavalona Iª, uma rainha da etnia merina então predominante. Ranavalona Iª foi vista pelos contemporâneos europeus como isolacionista, tirana e cruel. Reputação da monarca à parte, quando lá damos entrada, a sua velha capital do sul subsiste como o centro académico, intelectual e religioso de Madagáscar.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Ponte u bein, Amarapura, Myanmar
Sociedade
Ponte u-BeinMyanmar

O Crepúsculo da Ponte da Vida

Com 1.2 km, a ponte de madeira mais antiga e mais longa do mundo permite aos birmaneses de Amarapura viver o lago Taungthaman. Mas 160 anos após a sua construção, U Bein está no seu crepúsculo.
Vida Quotidiana
Profissões Árduas

O Pão que o Diabo Amassou

O trabalho é essencial à maior parte das vidas. Mas, certos trabalhos impõem um grau de esforço, monotonia ou perigosidade de que só alguns eleitos estão à altura.
Brincadeira ao ocaso
Vida Selvagem
PN Gorongosa, Moçambique

O Coração Selvagem de Moçambique dá Sinais de Vida

A Gorongosa abrigava um dos mais exuberantes ecossistemas de África mas, de 1980 a 1992, sucumbiu à Guerra Civil travada entre a FRELIMO e a RENAMO. Greg Carr, o inventor milionário do Voice Mail recebeu a mensagem do embaixador moçambicano na ONU a desafiá-lo a apoiar Moçambique. Para bem do país e da humanidade, Carr comprometeu-se a ressuscitar o parque nacional deslumbrante que o governo colonial português lá criara.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.