Red Centre, Austrália

No Coração Partido da Austrália


À sombra da falésia
Guia Chief sobre um pequeno promontório do Kings Canyon.
Uluru-Ayers Rock
Sagrado para os aborígenes Anangu do Red Centre, o rochedo de arcose Uluru tem 873 metros de altura e uma circunferência de 9.4 km.
Caminhada sob ameaça
Grupo caminha num trilho de Kata Tjuta, protegido das moscas infernais por redes.
Sombra e sol no Outback
Contornos de rochas do Red Centre desenhados contra um rasto de sol poente.
Morro de Pedra
Mais uma estranha protuberância rochosa de Kata Tjuta.
Líder em caqui
Guia Chief conduz um grupo de visitantes do parque nacional Kata Tjuta.
Verdura e secura
Uma árvore morta sobressai do cenário inóspito de Kata Tjuta.
Melodia aborigene
Nativo toca didjeridu.
Fila Australiana
Grupo percorre a superfície aquecida e árdua do Kings Canyon.
Por fim, repouso
Amigas descansam junto à lagoa de Garden of Eden, num desfiladeiro interior do Kings Canyon.
The Olgas
Os rochedos de Kata Tjuta iluminados ao pôr-do-sol.
Barracão Camel Outback Safaris
Abrigo de camelos arejado, num bar de beira de estrada de Erdlunda.
Avistamento
Dois visitantes perscrutam os rochedos avermelhados de Kata Djuta.
Rumo incerto
Casal isolado ou perdido percorre uma plataforma ocre do Kings Canyon.
Deserto do Outback
Chief examina a paisagem sobre dunas à beira da estrada, nas imediações de Erdlunda.
Kata Tjuta ou The Olgas
Os rochedos imponentes de Kata Tjuta a partir de um desfiladeiro à sombra.
Acidente aussie
Viajantes examinam o que terá sido o resultado de um acidente rodoviário fenomenal.
Aureola e Silhueta
A sombra monumental do rochedo Uluru/Ayers Rock.
Chief em Erdlunda
Guia Chief sai de um bar de beira de estrada, em Erldunda.
Canyon Real
Um dos desfiladeiro avermelhados do Kings Canyon.
O Red Centre abriga alguns dos monumentos naturais incontornáveis da Austrália. Impressiona-nos pela grandiosidade dos cenários mas também a incompatibilidade renovada das suas duas civilizações.

Chief chega sobre a hora marcada.

Apressa-se a salvaguardar a integridade da sua imagem: “Disseram-me que vinham dois jornalistas. Que eu tinha que me apresentar e comportar em condições! Vamos lá ver o que se arranja”.

Apesar de originalmente da Nova Zelândia, a sua figura não podia ser mais ozzie. Ri-se sem complexo do topo do seu metro e noventa e pouco.

Veste uma camisa justa e uns mini-calções, ambos de caqui, gastos pelos quilómetros percorridos no deserto, sujos de nódoas que cabe ao tempo lavar. As botas de pele, amareladas, altas e poeirentas e um velho chapéu Akubra são os derradeiros apontamentos de um traje criado e retocado pelo Outback.

kings canyon, chief, promontorio, Red centre, coracao, Australia

Guia Chief sobre um pequeno promontório do Kings Canyon.

Se tivesse chegado na altura certa, Chief podia ter sido um dos pioneiros destemidos que desbravaram o interior da Austrália e ergueram a cidade de onde íamos partir à descoberta do Território do Norte.

Não foi por acaso que Alice Springs surgiu no centro geométrico da Austrália.

A Árdua Colonização do Red Centre Australiano

Na segunda metade do século XIX, grande parte do sul estava colonizado. O centro e parte do Norte eram ainda domínios incógnitos, ocupados em exclusivo pelos guardiões ancestrais aborígenes.

Em 1861-62, John McDouall Stuart liderou uma expedição ao coração do deserto. Acabaria por se tornar no primeiro europeu a atravessar a Austrália de sul a norte. E estabeleceu a rota que abriria caminho à linha de telégrafo programada para ligar Adelaide a Darwin e Darwin à Grã-Bretanha.

Mais tarde, a descoberta de ouro fluvial em grandes quantidades, a cerca de 100 km, deu origem a uma população fixa em redor de Stuart, como a colónia seria baptizada. O fim do ouro ditou que a povoação se deslocasse para próximo da estação do teleférico.

erdlunda, abrigo camelos, bar, estrada, Red centre, coracao, Australia

Abrigo de camelos arejado, num bar de beira de estrada de Erdlunda.

Essa povoação, por sua vez, foi chamada de Alice Springs, em honra da esposa do chefe dos correios e das nascentes que irrigavam o vasto oásis envolvente.

Eram tempos ásperos, dominados pela incerteza e em que a secura dominante da paisagem pedia soluções criativas. De acordo, as autoridades pioneiras resolveram importar camelos do noroeste da antiga Índia britânica – hoje Paquistão. Conduziam-nos, em longas caravanas, imigrantes das tribos Pathan, incorrectamente apelidados de cameleiros afegãos.

Estas caravanas resolveram por algum tempo o problema da falta de água. Com o passar dos anos, tornaram-se desnecessárias. Os camelos foram abandonados ou perdidos.

Multiplicaram-se e espalharam-se pelo deserto, de tal maneira que existem, hoje, em maior número, na Austrália, que em muitos países árabes.

Alice Springs: o Âmago Urbano do Red Centre

Alice – como é carinhosamente tratada – espraia-se ao longo do leito quase sempre seco do rio Todd. É feita de edifícios baixos, armazéns e complexos comerciais térreos que pouco ou nada bloqueiam o céu azul. Outros negócios dominantes são os bares, as agencias de turismo e as galerias de arte.

À primeira vista, tudo parece normal mas a presença aparentemente disfuncional da comunidade aborígene causa, neste entreposto turístico, mais desconforto que noutras localidades do Território do Norte.

nativo, aborigene, didjeridu, Red centre, coracao, Australia

Nativo toca didjeridu.

Prova-se difícil para os visitantes recém-chegados compreender porque passam o tempo sentados na relva dos jardins ou à frente de lojas e estações de serviço.

Custam a aceitar os modos primitivos e a sua incapacidade em lidar com a marginalização a que se viram votados pela civilização ocidental que os desenraizou sem retorno.

O Desenquadramento Aborígene na Sua Própria Terra

Aqui, como por toda a Austrália, o governo australiano desculpou-se e tenta redimir-se. Paga pelos pecados cometidos em dólares australianos e com a devolução de terras de que se apropriou durante o período em que manteve uma lei que equiparava os aborígenes à fauna e flora.

Aqui, como por toda a Austrália, as medidas estão longe de resolver o que quer que seja.

Durante o trecho inicial da viagem, Chief confessa: “… não faço sempre isto. Trabalho com a comunidade prisional aborígene de Alice Springs. Sou dos poucos que os conhece e aceita”.

Confessa ainda que, mesmo assim, tem dificuldade em responder às perguntas e observações preconceituosas dos turistas australianos e estrangeiros.

Tenta mentalizá-los do valor dos aborígenes explicando aos forasteiros, nos lugares mais emblemáticos, a fascinante cultura mitológica dos indígenas.

Uluru – Ayers Rock. A Sempre Controversa Questão da Ascensão

“Não posso acreditar nisto!”, repete Kevin uma última vez, após rogar uma série de pragas.

Assim que acorda e sai do seu swag (saco cama australiano), o pequeno coreano depara-se com a maior das frustrações. Depois de um ano a trabalhar em Sydney como um autómato, sonhava com o ponto alto da viagem: contemplar o Red Centre do topo do Uluru.

uluru, ayers rock, Red centre, coracao, Australia

Sagrado para os aborígenes Anangu do Red Centre, o rochedo de arcose Uluru tem 873 metros de altura e uma circunferência de 9.4 km.

Nessa manhã, o silvar estridente do bush australiano soava a más notícias.

Na tarde anterior, Chief, tinha sido bem claro. Em nome dos aborígenes Anangu, pedia a todos que não subissem.  Esclarecia ainda que só impediria quem o quisesse fazer caso as condições meteorológicas o determinassem.

Contra as previsões, em vez de acalmar, o vento aumentou durante a noite. Sobre a aurora, as autoridades do parque fecharam o acesso ao trilho e facilitaram a vida ao guia.

À primeira vista simples, o tema das ascensões ao Ayers Rock – como lhe chamaram os colonos de origem britânica em homenagem ao Chief Secretary da Austrália do Sul de 1873 – é, na realidade, bastante complexo.

Reflecte a relação melindrosa que os descendentes de colonos australianos mantêm com os indígenas.

bar, estrada, erdlunda, Red centre, coracao, Australia

Guia Chief sai de um bar de beira de estrada, em Erldunda.

Uluru – Ayers Rock: um Rochedo no Coração Partido da Austrália

Em 1983, o primeiro-ministro Bob Hawke prometeu devolver aquela terra em particular aos seus donos tradicionais. Concordou com um plano com dez pontos que incluía a proibição de escalada do Uluru.

À boa maneira política, a promessa depressa foi esquecida. Antes da restituição oficial, foram impostos noventa e nove anos de concessão em vez dos cinquenta pré-acordados com os aborígenes.

O acesso ao topo do Uluru acabou por ser permitido, por forma a não contrariar a vontade dos milhares de visitantes mais jovens ou simplesmente em boa forma física.

O Significado Espiritual de Uluru para os aborígenes Anangu

Os aborígenes Anangu, os protectores ancestrais do rochedo e do espaço circundante, não o escalam.

Evitam fazê-lo devido ao grande significado espiritual de Uluru. Segundo as suas crenças, passar no topo, um trilho do seu Dreamtime (o passado mitológico). Também proibiram a sua escaladas por uma questão de responsabilidade pela segurança de quem acolhem.

Ao longo dos anos, contra a vontade dos aborígenes, as subidas já causaram 35 vítimas. Em cada uma das fatalidades, os aborígenes manifestaram tristeza. Malgrado o pesar dos indígenas, os australianos são um povo habituado a conviver com a aventura e o risco. De acordo, à data, não estava prevista qualquer proibição total e absoluta que os rangers do parque pusessem em prática.

Situado no canto sudoeste do vasto Território do Norte, em pleno coração do Outback, este estranho monte-ilha de arcose, tão emblemático como homogéneo e compacto, sobreviveu a milhões de anos de erosão que apagaram do mapa um maciço envolvente gigantesco mas bem mais vulnerável ao desgaste.

Com 348m de altura máxima e 9.4km de circunferência, a formação é ainda mais intrigante por mudar de cor ao longo do dia e das estações do ano, à medida que diferentes espectros de luz nele incidem.

uluru, ayers rock, silhueta, Red centre, coracao, Australia

A sombra monumental do rochedo Uluru/Ayers Rock.

Negação da Superstição em redor de Uluru e o Arrependimento

Demasiados dos seus cerca de 400.000 visitantes anuais não resistem ao fascínio visual e mitológico do rochedo.

Mesmo alertados pelos guias sobre a maldição que assombra a vida de quem retira pedras do Uluru, preferem arriscar e cometem o delito.

Chief desenvolve-nos um dos seus temas preferidos, com um sarcasmo insuperável:  “… mais engraçado ainda é que, por descargo de consciência ou mera precaução, são vários os que se arrependem.

Depois, já nas suas casas, gastam mundos e fundos para as tentar devolver ao rochedo. Mandam-nas por correio para as agências com que viajaram e pedem-lhes que as reponham…”

Os obstáculos levantados pelas crenças aborígenes tjukurpa não se ficam, no entanto, por aí.

Em redor do monte de rocha sucedem-se as nascentes, cavernas, pequenos depósitos naturais de água e pinturas rupestres. Mas apesar da abundância de motivos, a fotografia é restringida em diversas secções em que os Anangu realizam rituais relacionados com o género e em que não admitem pessoas do sexo oposto.

erdlunda, chief, estrada, Red centre, coracao, Australia

Chief examina a paisagem sobre dunas à beira da estrada, nas imediações de Erdlunda.

O objectivo é evitar que se quebrem tabus milenares, por os indígenas virem inevitavelmente a encontrar imagens dos seus locais sagrados naquele a que chamam o mundo exterior.

Kata Djuta: o Outro Colosso Sagrado do Red Centre

A apenas 25km para oeste, acessível pela mesma Lasseter Highway que conduz ao Uluru/Ayers Rock e, depois, pela Luritja Road, impõe-se ao céu sempre azul do Red Centre um outro capricho da Terra Australis.

Trata-se de Kata Tjuta (dialecto aborígene pittjantjajara para “muitas cabeças”), uma sequência de enormes trinta e seis rochas vermelhas que cobrem uma área de quase 27 km² e têm como ponto mais alto os 1066m sobre o nível do mar do Monte Olga. 

Esta elevação, em particular, deu origem a “The Olgas”, o nome ocidental dado ao cenário.

No pico do Verão australiano, a meio da tarde, também aqui o sol castiga sem piedade.

kata tjuta, the olgas, por do sol, Red centre, coracao, Australia

Os rochedos de Kata Tjuta iluminados ao pôr-do-sol.

Contra toda o senso comum, revitaliza as infernais moscas do Outback que infernizam os visitantes durante as suas caminhadas por entre as rochas.

A fama dos insectos é tal que muitos chegam munidos de redes com que cobrem a cabeça e assim reforçam o exotismo marciano do lugar.

kata tjuta, moscas, proteccao, rede, grupo, Red centre, coracao, Australia

Grupo caminha num trilho de Kata Tjuta, protegido das moscas infernais por redes.

Dedicamos toda a manhã seguinte à exploração do Kings Canyon, um território escarpado e de visual Western situado na cordilheira George Gill, ainda a sudoeste de Alice Springs.

A nova caminhada começa com a conquista da Heart Attack Hill, assim baptizada devido à sua inclinação, imprópria para cardíacos.

Prossegue, por 5km, ao longo dos desfiladeiros, de mesetas labirínticas da “cidade” e das encostas e escadarias escavadas na rocha do Anfiteatro.

kings canyon, Red centre, coracao, Australia

Um dos desfiladeiro avermelhados do Kings Canyon.

Só a interrompemos, para descanso, à beira do Garden of Eden, um lago cercado de vegetação densa que quebra o domínio ocre da paisagem.

Dali, por fim, regressamos ao ponto de partida do circuito e a Alice Springs.

Na capital do Red Centre, esperava-nos outra longa mas fascinante etapa rodoviária: a metade norte da Stuart Highway.

acidente rodoviario, visitantes, Red centre, coracao, Australia

Viajantes examinam o que terá sido o resultado de um acidente rodoviário fenomenal.

Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
Wycliffe Wells, Austrália

Os Ficheiros Pouco Secretos de Wycliffe Wells

Há décadas que os moradores, peritos de ovnilogia e visitantes testemunham avistamentos em redor de Wycliffe Wells. Aqui, Roswell nunca serviu de exemplo e cada novo fenómeno é comunicado ao mundo.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Safari
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Fieis acendem velas, templo da Gruta de Milarepa, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 9º Manang a Milarepa Cave, Nepal

Uma Caminhada entre a Aclimatização e a Peregrinação

Em pleno Circuito Annapurna, chegamos por fim a Manang (3519m). Ainda a precisarmos de aclimatizar para os trechos mais elevados que se seguiam, inauguramos uma jornada também espiritual a uma caverna nepalesa de Milarepa (4000m), o refúgio de um siddha (sábio) e santo budista.
Igreja colonial de São Francisco de Assis, Taos, Novo Mexico, E.U.A
Arquitectura & Design
Taos, E.U.A.

A América do Norte Ancestral de Taos

De viagem pelo Novo México, deslumbramo-nos com as duas versões de Taos, a da aldeola indígena de adobe do Taos Pueblo, uma das povoações dos E.U.A. habitadas há mais tempo e em contínuo. E a da Taos cidade que os conquistadores espanhóis legaram ao México, o México cedeu aos Estados Unidos e que uma comunidade criativa de descendentes de nativos e artistas migrados aprimoram e continuam a louvar.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Via Conflituosa
Cerimónias e Festividades
Jerusalém, Israel

Pelas Ruas Beliciosas da Via Dolorosa

Em Jerusalém, enquanto percorrem a Via Dolorosa, os crentes mais sensíveis apercebem-se de como a paz do Senhor é difícil de alcançar nas ruelas mais disputadas à face da Terra.
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Cidades
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
Cultura
Cemitérios

A Última Morada

Dos sepulcros grandiosos de Novodevichy, em Moscovo, às ossadas maias encaixotadas de Pomuch, na província mexicana de Campeche, cada povo ostenta a sua forma de vida. Até na morte.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Desporto
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
Camboja, Angkor, Ta Phrom
Em Viagem
Ho Chi-Minh a Angkor, Camboja

O Tortuoso Caminho para Angkor

Do Vietname em diante, as estradas cambojanas desfeitas e os campos de minas remetem-nos para os anos do terror Khmer Vermelho. Sobrevivemos e somos recompensados com a visão do maior templo religioso
Moradora obesa de Tupola Tapaau, uma pequena ilha de Samoa Ocidental.
Étnico
Tonga, Samoa Ocidental, Polinésia

Pacífico XXL

Durante séculos, os nativos das ilhas polinésias subsistiram da terra e do mar. Até que a intrusão das potências coloniais e a posterior introdução de peças de carne gordas, da fast-food e das bebidas açucaradas geraram uma praga de diabetes e de obesidade. Hoje, enquanto boa parte do PIB nacional de Tonga, de Samoa Ocidental e vizinhas é desperdiçado nesses “venenos ocidentais”, os pescadores mal conseguem vender o seu peixe.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Casario de Balestrand, Noruega
História
Balestrand, Noruega

Balestrand: uma Vida Entre Fiordes

São comuns as povoações nas encostas dos desfiladeiros da Noruega. Balestrand está à entrada de três. Os seus cenários destacam-se de tal forma dos demais que atraíram pintores famosos e continuam a seduzir viajantes intrigados.
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores, quarto de arco-íris
Ilhas
Aldeia da Cuada, Ilha das Flores, Açores

O Éden Açoriano Traído pelo outro Lado do Mar

A Cuada foi fundada, estima-se que em 1676, junto ao limiar oeste das Flores. Já em pleno século XX, os seus moradores juntaram-se à grande debandada açoriana para as Américas. Deixaram para trás uma aldeia tão deslumbrante como a ilha e os Açores.
Auroras Boreais, Laponia, Rovaniemi, Finlandia, Raposa de Fogo
Inverno Branco
Lapónia, Finlândia

Em Busca da Raposa de Fogo

São exclusivas dos píncaros da Terra as auroras boreais ou austrais, fenómenos de luz gerados por explosões solares. Os nativos Sami da Lapónia acreditavam tratar-se de uma raposa ardente que espalhava brilhos no céu. Sejam o que forem, nem os quase 30º abaixo de zero que se faziam sentir no extremo norte da Finlândia nos demoveram de as admirar.
Casal de visita a Mikhaylovskoe, povoação em que o escritor Alexander Pushkin tinha casa
Literatura
São Petersburgo e Mikhaylovskoe, Rússia

O Escritor que Sucumbiu ao Próprio Enredo

Alexander Pushkin é louvado por muitos como o maior poeta russo e o fundador da literatura russa moderna. Mas Pushkin também ditou um epílogo quase tragicómico da sua prolífica vida.
Jipe cruza Damaraland, Namíbia
Natureza
Damaraland, Namíbia

Namíbia On the Rocks

Centenas de quilómetros para norte de Swakopmund, muitos mais das dunas emblemáticas de Sossuvlei, Damaraland acolhe desertos entrecortados por colinas de rochas avermelhadas, a maior montanha e a arte rupestre decana da jovem nação. Os colonos sul-africanos baptizaram esta região em função dos Damara, uma das etnias da Namíbia. Só estes e outros habitantes comprovam que fica na Terra.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Monte Lamjung Kailas Himal, Nepal, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Parques Naturais
Circuito Annapurna: 2º - Chame a Upper PisangNepal

(I)Eminentes Annapurnas

Despertamos em Chame, ainda abaixo dos 3000m. Lá  avistamos, pela primeira vez, os picos nevados e mais elevados dos Himalaias. De lá partimos para nova caminhada do Circuito Annapurna pelos sopés e encostas da grande cordilheira. Rumo a Upper Pisang.
Teleférico de Sanahin, Arménia
Património Mundial UNESCO
Alaverdi, Arménia

Um Teleférico Chamado Ensejo

O cimo da garganta do rio Debed esconde os mosteiros arménios de Sanahin e Haghpat e blocos de apartamentos soviéticos em socalcos. O seu fundo abriga a mina e fundição de cobre que sustenta a cidade. A ligar estes dois mundos, está uma cabine suspensa providencial em que as gentes de Alaverdi contam viajar na companhia de Deus.
Em quimono de elevador, Osaka, Japão
Personagens
Osaka, Japão

Na Companhia de Mayu

A noite japonesa é um negócio bilionário e multifacetado. Em Osaka, acolhe-nos uma anfitriã de couchsurfing enigmática, algures entre a gueixa e a acompanhante de luxo.
Espantoso
Praias

Ambergris Caye, Belize

O Recreio do Belize

Madonna cantou-a como La Isla Bonita e reforçou o mote. Hoje, nem os furacões nem as disputas políticas desencorajam os veraneantes VIPs e endinheirados de se divertirem neste refúgio tropical.

Queima de preces, Festival de Ohitaki, templo de fushimi, quioto, japao
Religião
Quioto, Japão

Uma Fé Combustível

Durante a celebração xintoísta de Ohitaki são reunidas no templo de Fushimi preces inscritas em tabuínhas pelos fiéis nipónicos. Ali, enquanto é consumida por enormes fogueiras, a sua crença renova-se.
A Toy Train story
Sobre Carris
Siliguri a Darjeeling, Índia

Ainda Circula a Sério o Comboio Himalaia de Brincar

Nem o forte declive de alguns tramos nem a modernidade o detêm. De Siliguri, no sopé tropical da grande cordilheira asiática, a Darjeeling, já com os seus picos cimeiros à vista, o mais famoso dos Toy Trains indianos assegura há 117 anos, dia após dia, um árduo percurso de sonho. De viagem pela zona, subimos a bordo e deixamo-nos encantar.
Salão de Pachinko, video vício, Japão
Sociedade
Tóquio, Japão

Pachinko: o Vídeo – Vício Que Deprime o Japão

Começou como um brinquedo mas a apetência nipónica pelo lucro depressa transformou o pachinko numa obsessão nacional. Hoje, são 30 milhões os japoneses rendidos a estas máquinas de jogo alienantes.
Cruzamento movimentado de Tóquio, Japão
Vida Quotidiana
Tóquio, Japão

A Noite Sem Fim da Capital do Sol Nascente

Dizer que Tóquio não dorme é eufemismo. Numa das maiores e mais sofisticadas urbes à face da Terra, o crepúsculo marca apenas o renovar do quotidiano frenético. E são milhões as suas almas que, ou não encontram lugar ao sol, ou fazem mais sentido nos turnos “escuros” e obscuros que se seguem.
Manada de búfalos asiáticos, Maguri Beel, Assam, Índia
Vida Selvagem
Maguri Bill, Índia

Um Pantanal nos Confins do Nordeste Indiano

O Maguri Bill ocupa uma área anfíbia nas imediações assamesas do rio Bramaputra. É louvado como um habitat incrível sobretudo de aves. Quando o navegamos em modo de gôndola, deparamo-nos com muito (mas muito) mais vida que apenas a asada.
Passageiros, voos panorâmico-Alpes do sul, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Aoraki Monte Cook, Nova Zelândia

A Conquista Aeronáutica dos Alpes do Sul

Em 1955, o piloto Harry Wigley criou um sistema de descolagem e aterragem sobre asfalto ou neve. Desde então, a sua empresa revela, a partir do ar, alguns dos cenários mais grandiosos da Oceania.
PT EN ES FR DE IT