À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo


Floresta Cerrada
Enormes fetos dominam a vegetação verdejante do PN Franklin-Gordon.
Calçado Arejado
Estendal de calçado velho aumentado por locais e viajantes num vedação na estrada a caminho do PN Frecynet.
Correio 26, correio 18
Caixas de correio tradicionais da velha vila de Ross, no coração das Midlands.
Pedra Quente
Luz ténue sob um manto de nuvens de tempestade ilumina a ponte de Ross.
Passagem de Equidnas
Sinal de trânsito alerta para a presença de equidnas, um de vários mamíferos austrais da Tasmânia.
Vida Marsupial
Canguru juvenil numa praia selvagem do PN Frecynet.
Mar Antárctico
Litoral selvagem do PN Frecynet, na costa leste da Tasmânia.
Maré de Arte
Listas de água e areia numa praia a sul de Hobart.
Ponte para outro dia
Sol põe-se sobre Ross, uma das povoações seculares das Midlands.
Natação de Águas Frias
Leão-marinho eleva-se do Mar da Tasmânia, nas imediações da ilha Brunet.
Ponte mais antiga
A velha ponte de Richmond, a mais antiga em uso na Austrália.
Florestas de Fetos
Fetos exuberante do PN Franklin-Gordon no interior leste chuvoso da Tasmânia.
Dali à Capital
Indicador histórico de distância para Hobart, destacado na ponte de Richmond.
Iluminação Providencial
Torre da Igreja anglicana de St. John, em Richmond.
Jardins British nos Antipodas
Gazebo elegante no Cataract Gorge Park de Launceston, a segunda cidade da Tasmânia.
Curiosidade Comunal
Colónia de Leões-marinhos ao largo da ilha Brunet na costa sudeste da Tasmânia.
Wineglass Bay
A baía quase perfeita de WineGlass, a mais visitada do Parque Nacional Frecynet.
Prados Sem Chuva
Terras secas das Midlands em pleno Verão austral da Tasmânia.
Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.

Ao fim de vários dias passados nos fundos da Tasmânia, saímos, por fim, apontados a norte.

Em jeito de despedida da cidade, decidimos subir aos 1271 metros do monte Wellington, o cume da cordilheira homónima que barra a expansão do casario da capital e a separa da vastidão insular acima no mapa.

Monte Wellington Acima

Vinte minutos de curvas e contracurvas num cenário meio silvestre, meio rochoso atingimos o cimo, bem identificado por um miradouro com arquitectura destemida. Deixamos o carro.

Subimos a um varandim de madeira sobranceiro. Dali, apreciamos a profusão de calhaus magmáticos rosados que se estende encosta abaixo.

Encosta do Monte Wellington, Hobart, Tasmânia

Laivos de nuvens surgem de mais abaixo da base da encosta do Monte Wellington, a sul norte de Hobart.

Vemos laivos de nuvens ascenderem, de mais abaixo na vertente, sub-reptícios, como que a quererem surpreender os intrusos da sua montanha. Mais que os novelos gasosos, é a meteorologia do monte que nos apanha desprevenidos. Percebemos, sem lugar para dúvidas, como era fulcral para Hobart o abrigo orográfico da cordilheira.

Sem ela, sobretudo durante o Inverno austral, Hobart ficaria exposta aos caprichos dos ventos de sul e sudoeste, provenientes do oceano Antárctico.

Mesmo se os ventos prevalentes sopram de norte, vindos do sempre amornado continente australiano, sempre que as excepções se dessem, os moradores da cidade enregelariam.

Era o que nos estava a acontecer aos poucos, a razão porque nos rendemos às evidências e aos tremeliques cada vez mais intensos. Recolhemos ao interior do edifício envidraçado.

Edifício do miradouro do Monte Wellington

Edifício envidraçado do miradouro do monte Wellington protege os visitantes do vento furioso que varre o cume.

Protegidos das rajadas frígidas e furiosas, apreciamos o panorama por algum tempo mais: o recorte do longo estuário do rio Derwent e, para diante, as terras mais lisas da Península de Tasman que tínhamos explorado por aqueles dias.

Miradouro do Monte Wellington, Hobart, Tasmânia, Austrália

Visitantes sobre o varandim do miradouro do Monte Wellington, bem acima de Hobart.

Das Alturas às Planuras das Midlands

Corremos de volta ao estacionamento. Enfiamo-nos no carro. Dali, descemos rumo às planícies de Midlands.

Tal como o nome deixava antever, identificamo-las na iminência do meio da ilha, dominadas pelos tons de verde e amarelo das plantações de cereais, compartimentadas por sucessivas sebes.

As Midlands tornaram-se rurais logo nos primeiros anos da colonização. Essa realidade e a opulência conseguida pelas famílias de colonos agricultores salta à vista no número de vilas e vilarejos de pedra e de antigas povoações guarnição e correio que ainda abundam.

Oatlands, por exemplo, abriga a maior colecção de arquitectura georgiana da Austrália, com 87 edifícios históricos só na rua principal. Algumas dezenas de quilómetros para norte, Ross irradia charme colonial.

E uma tranquilidade só quebrada pelo grasnar dos corvos e pelo soar do sino da igreja. Nem sempre assim foi.

Caixas de correio em Ross, Tasmânia, Austrália

Caixas de correio antigas de Ross, Midlands da Tasmânia.

A Guarnição Secular de Ross

Ross foi estabelecida por volta de 1812 para proteger dos aborígenes os viajantes que percorriam a ilha de alto a baixo. Nessa altura, a relação com os nativos mantinha-se mais conflituosa que nunca. A guarnição acolhia as carruagens durante a noite. Mantinha os passageiros em segurança.

Ross ainda abriga uma das pontes mais fotografadas da ilha da Tasmânia. À imagem de tantas outras estruturas da ilha, construíram-na os condenados. Até o supervisor dos pedreiros era um deles.

O Desterro e a Obra de Daniel Herbert

Ainda na Grã-Bretanha, Daniel Herbert tinha um pai militar e um emprego. Nem assim resistiu a um dos tachos bem mais lucrativos que lhe eram propostos. Durante um assalto numa estrada, acabou capturado. Reincidente em roubos violentos, foi condenado à morte. Viu a pena ser mudada para degredo para a vida.

Alguns anos de desterro tasmaniano depois, as autoridades decidiram recompensar o seu trabalho exaustivo nos 186 painéis que decoram os arcos da ponte de Ross. Concederam-lhe o perdão.

Mesmo se toda a vila nos parece pitoresca, animada por lojinhas de artesanato e casas de chá aconchegantes, a ponte com a arte de Daniel Herbert preserva-se o monumento dos monumentos.

Ocaso para lá da ponte de Ross, Tasmânia, Austrália

Sol doura a ponte mais emblemática de Ross, uma povoação histórica das Midlands da Tasmânia.

Ainda em Ross, deparamo-nos com um cruzamento com quatro possíveis sentidos para a vida: a Tentação, representada pelo hotel-pub Man O’Ross; a Salvação, oferecida pela igreja católica; a Recreação, proporcionada pelo edifício cultural da câmara local e, por fim, a Condenação da velha cadeia.

Na manhã seguinte, com o tempo para Taz a escoar-se, esquivamo-nos às quatro hipóteses.

Retomamos a estrada 1. Percorridos uns poucos quilómetros, desviamos para leste, apontados à costa oriental da Tasmânia, conhecida como Sun Coast graças ao seu clima suave.

Às Curvas, pela World Road Kill Capital

A estrada, estreita e sinuosa, ondula acima e abaixo de sucessivas colinas. Mas, mais que o seu traçado excêntrico de montanha-russa, é a quantidade de cadáveres animais sobre o asfalto que nos comove.

Árvores secas das Midlands, Tasmânia, Austrália

Árvores ressequidas numa encosta árida das Midlands da Tasmânia.

A proliferação de espécimes com hábitos nocturnos – com predomínio para os marsupiais – e a falta de protecções que barrem as suas travessias sobre o alcatrão, fez da ilha da Tasmânia a World Roadkill Capital, título atribuído e reconhecido entre os povos anglófonos.

As vítimas dos veículos tasmanianos podem, inclusive, ser divididas entre espécies e sub-espécies.

Reconhecemos cangurus, wallabies (pequenos cangurus) e pademelons (cangurus ainda mais pequenos) equidnas, raposas, e opossums (gambás), estes últimos dos mais temidos pelos condutores, por o seu físico robusto provocar enormes danos nos motores e carroçarias.

Sinal de alerta de passagem de equidnas, Tasmânia, Austrália

Sinal alerta para o cruzamento de equidnas, animais endémicos da Austrália demasiadas vezes vítimas dos carros.

A lista de vitimas não se fica por aí. Os atropelamentos são uma causa substancial para a quase extinção dos famosos Diabos da Tasmânia.

A Condenação Demoníaca do Diabo da Tasmânia

Num daqueles desenhos animados apresentados pelo saudoso Vasco Granja, Bugs Bunny é acossado por um deles. Recorre a um dicionário para perceber que estranha espécie o ameaça: “ … aqui está, Diabo da Tasmânia: besta forte, assassina, dotado de maxilares poderosos como uma armadilha de aço.

É insaciável, alimenta-se de tigres, leões, elefantes, búfalos, burros, girafas, polvos, rinocerontes, alces, patos … ao que o predador acrescenta: “E coelhos!”  “Coelhos? Não diz nada aqui.” responde Bugs Bunny.  Com a sua paciência a esgotar-se, o Taz decide-se a impor a sua vontade e completa o dicionário com um lápis.

No mundo real, o Diabo da Tasmânia revela-se um fraco caçador. Necrófago, omnívoro, alimenta-se sobretudo de animais já mortos.

Os seus atropelamentos acontecem, em grande parte, quando devoram os cadáveres sobre as estradas. Como se não bastasse o infortúnio, os “demónios” viram-se assolados por uma epidemia de tumores faciais que, em certas zonas da Tasmânia, os diminuíram em quase 80%.

Após intenso lobby, o governo da Tasmânia obteve autorização da Warner Bros para vender cinco mil peluches do Taz e usar o lucro no combate à epidemia do tumor facial.

Os cientistas e ambientalistas classificaram a oferta de sovinice. É algo de que é difícil discordar, se tivermos em conta que a imagem do animal rende, todos os anos, milhões de dólares à companhia.

Nos últimos tempos, foram feitos esforços adicionais para controlar o número de mortes. Ao mesmo tempo, este mamífero marsupial parece ter reagido ao tumor. Tudo indica que a criatura sobreviverá à sina a que parecia condenada.

E a Extinção Fulminante do Tigre da Tasmânia

O principal predador de outros tempos do Diabo Tasmaniano, o Tigre da Tasmânia, não teve a mesma sorte. O seu visual exótico seduzia os caçadores. Como se não bastasse, o thylacine predava o gado.

Os colonos vitimaram-no em sucessivas caçadas e vinganças. Em 1936, menos de um século após o início da povoação da Tasmânia, já o tinham extinguido.

Como é da praxe nestes casos, subsistem defensores de que alguns espécimes furtivos ainda se escondem na ilha da Tasmânia profunda. Prosseguimos o nosso itinerário de olhos bem abertos.

Condutor junto a estendal de calçado velho na beira da estrada, Tasmânia, Austrália

Condutor detém-se na berma de uma estrada do ocidente da Tasmânia para deixar mais um calçado velho num estendal há muito dedicado.

Do interior rural, avançamos para o litoral leste por um percurso sinuoso que desvenda apenas negócios caseiros de beira de estrada e – a mais inesperada das visões – uma secção de estendais de calçado velho instalados nas suas bermas que os condutores aumentam por piada, e por reverência à tradição inaugurada por um agricultor da região.

A estrada B34 prossegue para norte ao longo do litoral ventoso do leste. Quando chega ao meio da ilha, corta para uma península descaída no mapa.

O Domínio Peninsular de Freycinet

Entra no Parque Nacional Freycinet, um território protegido em que abundam tanto as praias selvagens de areia branca e mar revolto como enseadas tranquilas de águas azuladas que dão para penhascos imponentes e encostas florestadas. Duas destas enseadas quase se tocam na Wineglass Bay.

O duo transformou-se numa paisagem de eleição da ilha da Tasmânia. Determinados a investigar a sua proximidade turquesa, vencemos os mais de 600 degraus que conduzem a um miradouro dedicado. Em vão. Nos últimos tempos, a vegetação crescera.

Wineglass Bay, PN Freycinet, Tasmânia, Austrália

As águas azuladas e gélidas da baía mais arredondada e popular do PN Freycinet.

Daquele alto intermédio, só avistávamos a baía arredondada de Wineglass Bay. Em vez de nos arranharmos de morte a ascender a colina entre arbustos espinhosos, entregamo-nos ao trilho íngreme e longo que descia.

Na baía, deparamo-nos com um mar demasiado gélido e traiçoeiro para nos recompensarmos com um mergulho. E com um wallaby desconfiado.

Wallaby, Wineglass Bay, PN Frecynet, Tasmânia, Austrália

Wallaby intrigado sobre o areal da Wineglass Bay, PN Freycinet.

De Freycinet à Capital do Norte: Launceston

Recuperamos as forças a passearmos pelo limiar da rebentação. Quando o areal se rende às falésias rochosas, revertemos caminho para a via principal da ilha da Tasmânia. Uma vez mais a conduzirmos por ela acima, damos entrada em Launceston.

Chegamos já sobre o anoitecer, de rastos. Quando procuramos um Irish Pub local com alguns dos quartos mais baratos da cidade, um carro de polícia manda-nos encostar. Na atrapalhação de acharmos a morada, tínhamos falhado um pisca. O agente que nos aborda tem tudo menos cara de australiano.

Examina os nossos nomes e nacionalidade nos passaportes. Nós, inspeccionamos o seu baptismo na identificação do uniforme. A nosso pedido, informa-nos que nasceu em El Salvador. “Desculpem lá mas tenho que vos passar um bilhete de aviso. Não têm nada a pagar mas tentem não cometer mais infracções.”

Se tinha que ser, que fosse. Acabamos a falar espanhol e a rir à gargalhada. Ao virar da esquina, damos com o pub. Jantamos. Apesar de algum expectável ruído de convívio alcoolizado, dormimos a bem dormir. Chegada nova manhã, saímos à descoberta de Launceston.

Launceston é a segunda maior urbe da ilha. Ainda a anos luz da capital no que diz respeito ao desenvolvimento e ritmo de vida, a cidade só há pouco reagiu ao frenesim turístico do resto da ilha da Tasmânia.

As suas atracções resumem-se a alguns restaurantes regionais e ao chamariz injustificado de uma tal de Cataract Gorge que nem apreciada de cima, de teleférico, nos enche as medidas.

Gazebo na Cataract Gorge de Launceston, Tasmânia, Austrália

Gazebo integrado no cenário verdejante da Cataract Gorge, em Launceston.

A Costa da Desilusão

Sabíamos que a Tasmânia guardava lugares especiais. Desejosos de os antecipar, abandonamos Launceston.

Almejamos a costa norte da ilha, a virada à Grande Ilha aussie. Lá chegados, percorremos a estrada cimeira rumo a oeste. Umas dezenas de quilómetros depois, percebemos que a proximidade com a ilha-mãe fizera daquele litoral, o principal antro industrial de Taz.

Lá se sucediam enormes tanques de combustíveis e de outros químicos, refinarias e distintas unidades de armazenamento e processamento de produtos, todos à beira de um mar bem mais tranquilo que o da costa leste e o da sul.

Aguentamos aquele panorama repelente por uns quarenta minutos. Sem sinal de que viesse a mudar, por alturas de Devonport, flectimos para sul, na senda da Tasmânia selvagem de todos os sonhos.

Não estávamos longe. Fica para um próximo artigo.

À Descoberta de Tassie,  Parte 2 - Hobart a Port Arthur, Austrália

Uma Ilha Condenada ao Crime

O complexo prisional de Port Arthur sempre atemorizou os desterrados britânicos. 90 anos após o seu fecho, um crime hediondo ali cometido forçou a Tasmânia a regressar aos seus tempos mais lúgubres.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano

Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.
Cairns a Cape Tribulation, Austrália

Queensland Tropical: uma Austrália Demasiado Selvagem

Os ciclones e as inundações são só a expressão meteorológica da rudeza tropical de Queensland. Quando não é o tempo, é a fauna mortal da região que mantém os seus habitantes sob alerta.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
Alice Springs a Darwin, Austrália

Estrada Stuart, a Caminho do Top End da Austrália

Do Red Centre ao Top End tropical, a estrada Stuart Highway percorre mais de 1.500km solitários através da Austrália. Nesse trajecto, o Território do Norte muda radicalmente de visual mas mantém-se fiel à sua alma rude.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Cairns-Kuranda, Austrália

Comboio para o Meio da Selva

Construído a partir de Cairns para salvar da fome mineiros isolados na floresta tropical por inundações, com o tempo, o Kuranda Railway tornou-se no ganha-pão de centenas de aussies alternativos.
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Jovens percorrem a rua principal de Chame, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 1º - Pokhara a Chame, Nepal

Por Fim, a Caminho

Depois de vários dias de preparação em Pokhara, partimos em direcção aos Himalaias. O percurso pedestre só o começamos em Chame, a 2670 metros de altitude, com os picos nevados da cordilheira Annapurna já à vista. Até lá, completamos um doloroso mas necessário preâmbulo rodoviário pela sua base subtropical.
Sirocco, Arabia, Helsinquia
Arquitectura & Design
Helsínquia, Finlândia

O Design que Veio do Frio

Com boa parte do território acima do Círculo Polar Árctico, os finlandeses respondem ao clima com soluções eficientes e uma obsessão pela arte, pela estética e pelo modernismo inspirada na vizinha Escandinávia.
Alturas Tibetanas, mal de altitude, montanha prevenir tratar, viagem
Aventura

Mal de Altitude: não é mau. É péssimo!

Em viagem, acontece vermo-nos confrontados com a falta de tempo para explorar um lugar tão imperdível como elevado. Ditam a medicina e as experiências prévias com o Mal de Altitude que não devemos arriscar subir à pressa.
Parada e Pompa
Cerimónias e Festividades
São Petersburgo, Rússia

A Rússia Vai Contra a Maré. Siga a Marinha

A Rússia dedica o último Domingo de Julho às suas forças navais. Nesse dia, uma multidão visita grandes embarcações ancoradas no rio Neva enquanto marinheiros afogados em álcool se apoderam da cidade.
Assuão, Egipto, rio Nilo encontra a África negra, ilha Elefantina
Cidades
Assuão, Egipto

Onde O Nilo Acolhe a África Negra

1200km para montante do seu delta, o Nilo deixa de ser navegável. A última das grandes cidades egípcias marca a fusão entre o território árabe e o núbio. Desde que nasce no lago Vitória, o rio dá vida a inúmeros povos africanos de tez escura.
Comida
Comida do Mundo

Gastronomia Sem Fronteiras nem Preconceitos

Cada povo, suas receitas e iguarias. Em certos casos, as mesmas que deliciam nações inteiras repugnam muitas outras. Para quem viaja pelo mundo, o ingrediente mais importante é uma mente bem aberta.
Músicos de etnia karanga jnunto às ruínas de Grande Zimbabwe, Zimbabwe
Cultura
Grande ZimbabuéZimbabué

Grande Zimbabwe, Pequena Dança Bira

Nativos de etnia Karanga da aldeia KwaNemamwa exibem as danças tradicionais Bira aos visitantes privilegiados das ruínas do Grande Zimbabwe. o lugar mais emblemático do Zimbabwe, aquele que, decretada a independência da Rodésia colonial, inspirou o nome da nova e problemática nação.  
arbitro de combate, luta de galos, filipinas
Desporto
Filipinas

Quando só as Lutas de Galos Despertam as Filipinas

Banidas em grande parte do Primeiro Mundo, as lutas de galos prosperam nas Filipinas onde movem milhões de pessoas e de Pesos. Apesar dos seus eternos problemas é o sabong que mais estimula a nação.
Cruzeiro Navimag, Puerto Montt a Puerto-natales, Chile
Em Viagem
Puerto Natales-Puerto Montt, Chile

Cruzeiro num Cargueiro

Após longa pedinchice de mochileiros, a companhia chilena NAVIMAG decidiu admiti-los a bordo. Desde então, muitos viajantes exploraram os canais da Patagónia, lado a lado com contentores e gado.
Noiva entra para carro, casamento tradicional, templo Meiji, Tóquio, Japão
Étnico
Tóquio, Japão

Um Santuário Casamenteiro

O templo Meiji de Tóquio foi erguido para honrar os espíritos deificados de um dos casais mais influentes da história do Japão. Com o passar do tempo, especializou-se em celebrar bodas tradicionais.
Portfólio, Got2Globe, melhores imagens, fotografia, imagens, Cleopatra, Dioscorides, Delos, Grécia
Portfólio Fotográfico Got2Globe

O Terreno e o Celestial

Mulheres no forte de Jaisalmer, Rajastão, India
História
Jaisalmer, Índia

A Vida que Resiste no Forte Dourado de Jaisalmer

A fortaleza de Jaisalmer foi erguida a partir de 1156 por ordem de Rawal Jaisal, governante de um clã poderoso dos confins hoje indianos do Deserto do Thar. Mais de oito séculos volvidos, apesar da contínua pressão do turismo, partilham o interior vasto e intrincado do último dos fortes habitados da Índia quase quatro mil descendentes dos habitantes originais.
Marcha Patriota
Ilhas
Taiwan

Formosa mas Não Segura

Os navegadores portugueses não podiam imaginar o imbróglio reservado a Formosa. Passados quase 500 anos, mesmo insegura do seu futuro, Taiwan prospera. Algures entre a independência e a integração na grande China.
Verificação da correspondência
Inverno Branco
Rovaniemi, Finlândia

Da Lapónia Finlandesa ao Árctico, Visita à Terra do Pai Natal

Fartos de esperar pela descida do velhote de barbas pela chaminé, invertemos a história. Aproveitamos uma viagem à Lapónia Finlandesa e passamos pelo seu furtivo lar.
Recompensa Kukenam
Literatura
Monte Roraima, Venezuela

Viagem No Tempo ao Mundo Perdido do Monte Roraima

Perduram no cimo do Mte. Roraima cenários extraterrestres que resistiram a milhões de anos de erosão. Conan Doyle criou, em "O Mundo Perdido", uma ficção inspirada no lugar mas nunca o chegou a pisar.
São Jorge, Açores, Fajã dos Vimes
Natureza
São Jorge, Açores

De Fajã em Fajã

Abundam, nos Açores, faixas de terra habitável no sopé de grandes falésias. Nenhuma outra ilha tem tantas fajãs como as mais de 70 da esguia e elevada São Jorge. Foi nelas que os jorgenses se instalaram. Nelas assentam as suas atarefadas vidas atlânticas.
Estátua Mãe-Arménia, Erevan, Arménia
Outono
Erevan, Arménia

Uma Capital entre o Leste e o Ocidente

Herdeira da civilização soviética, alinhada com a grande Rússia, a Arménia deixa-se seduzir pelos modos mais democráticos e sofisticados da Europa Ocidental. Nos últimos tempos, os dois mundos têm colidido nas ruas da sua capital. Da disputa popular e política, Erevan ditará o novo rumo da nação.
Leão, elefantes, PN Hwange, Zimbabwe
Parques Naturais
PN Hwange, Zimbabwé

O Legado do Saudoso Leão Cecil

No dia 1 de Julho de 2015, Walter Palmer, um dentista e caçador de trofeus do Minnesota matou Cecil, o leão mais famoso do Zimbabué. O abate gerou uma onda viral de indignação. Como constatamos no PN Hwange, quase dois anos volvidos, os descendentes de Cecil prosperam.
Património Mundial UNESCO
Nikko, Japão

Nikko, Toshogu: o Santuário e Mausoléu do Xogum Tokugawa

Um tesouro histórico e arquitectónico incontornável do Japão, o santuário Toshogu de Nikko homenageia o mais importante dos xoguns nipónicos, mentor da nação japonesa: Tokugawa Ieyasu.
Ooty, Tamil Nadu, cenário de Bollywood, Olhar de galã
Personagens
Ooty, Índia

No Cenário Quase Ideal de Bollywood

O conflito com o Paquistão e a ameaça do terrorismo tornaram as filmagens em Caxemira e Uttar Pradesh um drama. Em Ooty, constatamos como esta antiga estação colonial britânica assumia o protagonismo.
Vista aérea de Moorea
Praias
Moorea, Polinésia Francesa

A Irmã Polinésia que Qualquer Ilha Gostaria de Ter

A meros 17km de Taiti, Moorea não conta com uma única cidade e abriga um décimo dos habitantes. Há muito que os taitianos veem o sol pôr-se e transformar a ilha ao lado numa silhueta enevoada para, horas depois, lhe devolver as cores e formas exuberantes. Para quem visita estas paragens longínquas do Pacífico, conhecer também Moorea é um privilégio a dobrar.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Religião
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
De volta ao sol. Cable Cars de São Francisco, Vida Altos e baixos
Sobre carris
São Francisco, E.U.A.

Cable Cars de São Francisco: uma Vida aos Altos e Baixos

Um acidente macabro com uma carroça inspirou a saga dos cable cars de São Francisco. Hoje, estas relíquias funcionam como uma operação de charme da cidade do nevoeiro mas também têm os seus riscos.
Casamentos em Jaffa, Israel,
Sociedade
Jaffa, Israel

Onde Assenta a Telavive Sempre em Festa

Telavive é famosa pela noite mais intensa do Médio Oriente. Mas, se os seus jovens se divertem até à exaustão nas discotecas à beira Mediterrâneo, é cada vez mais na vizinha Old Jaffa que dão o nó.
manada, febre aftosa, carne fraca, colonia pellegrini, argentina
Vida Quotidiana
Colónia Pellegrini, Argentina

Quando a Carne é Fraca

É conhecido o sabor inconfundível da carne argentina. Mas esta riqueza é mais vulnerável do que se imagina. A ameaça da febre aftosa, em particular, mantém as autoridades e os produtores sobre brasas.
Vai-e-vem fluvial
Vida Selvagem
Iriomote, Japão

Iriomote, uma Pequena Amazónia do Japão Tropical

Florestas tropicais e manguezais impenetráveis preenchem Iriomote sob um clima de panela de pressão. Aqui, os visitantes estrangeiros são tão raros como o yamaneko, um lince endémico esquivo.
Pleno Dog Mushing
Voos Panorâmicos
Seward, Alasca

O Dog Mushing Estival do Alasca

Estão quase 30º e os glaciares degelam. No Alasca, os empresários têm pouco tempo para enriquecer. Até ao fim de Agosto, o dog mushing não pode parar.
EN FR PT ES