Perth a Albany, Austrália

Pelos Confins do Faroeste Australiano


Surfspotting
Grupo de amigos acompanha o surf no oceano Índico abaixo, nas imediações do Cape Naturaliste.
Grande decisão
Uma encruzilhada verdejante nos confins do sudoeste da Austrália.
Mares azuis, mares frios
A Little Beach do PN Two Peoples, uma das praias frígidas e, só por isso, quase perfeitas da região de Albany.
A caminho do swell
Surfista desce para a praia de Smiths, um litoral selvagem e sagrado para os surfistas australianos.
Vendaval de kitesurf
Dois kitesurfers quase se emaranham sobre o mar raso e turquesa de uma praia de Gnarabup.
Colónia canguru
Cangurus observam humanos recém-chegados às imediações de um grande prado dourado.
Valley of the Giants
Um dos passadiços elevados do Valley of the Giants, uma floresta de eucaliptos gigantes anciã do sul da Austrália, situada na zona de Nornalup.
Do Outback ao Índico
Estrada de terra do tom usual do interior australiano conduz a uma grande enseada azul.
Bedtime Stories
Entrada de um drive in nas imediações de Busselton.
De pé atrás
Manada de vacas apreensivas num prado junto a uma das muitas vinhas de Margaret River.
Elephant rocks
Rochas arredondadas e com o tom de elefantes, um atributo geológico predominante do Parque Nacional William Bay.
Brincadeiras balneares
Dona e cão numa praia nas imediações de Yallingup.
Floresta salina
Vegetação ressequida nas margens de um braço de rio junto a Albany.
Primeiras impressões
Surfista contempla a Smiths Beach de um miradouro de madeira.
Dourado ozzie
Sol põe-se e define as silhuetas formadas por eucaliptos altivos, as árvores dominantes no grande sudoeste australiano.
Poucos povos veneram a evasão como os aussies. Com o Verão meridional em pleno e o fim-de-semana à porta, os habitantes de Perth refugiam-se da rotina urbana no recanto sudoeste da nação. Pela nossa parte, sem compromissos, exploramos a infindável Austrália Ocidental até ao seu limite sul.

O calor aperta mas, chega a sexta-feira, Perth abstrai-se da fornaça e espairece.

É vasto o espaço de fuga em redor. Surge preenchido por uma natureza crua e resplandecente, na prática tudo aquilo de que um australiano true blue precisa para ser feliz, se lhe juntarmos, claro está, a camaradagem, a companhia da prancha de surf durante o dia e da cerveja preferida a partir do fim da tarde.

Alguns residentes rumam à linha de areal que dota a costa do Índico para norte e para sul da foz do rio Swan. Outros, afluem à vizinha Freemantle e à sua alma gémea insular, a Rottnest Island, Rotto, como preferem abreviar os visitantes mais íntimos.

Outros ainda aventuram-se às profundezas da província sem fim ansiosos por respirar os ares puros combinados do Índico e do mais longínquo oceano Antártico. Depois de quase um mês de deliciosa permanência na capital da Austrália Ocidental, juntamo-nos à evasão.

As primeiras dezenas de quilómetros do percurso dividem-se entre as ruas dos arredores e as auto-estradas de saída da metrópole. Com a distância, começam a suceder-se os primeiros refúgios veraneantes.

À velocidade permitida, sem paragens dignas de registo, no fim da mesma tarde estamos em Bunbury. A povoação não nos enche as medidas pelo que nos limitamos a lá dormir.

Grande decisão

Uma encruzilhada verdejante nos confins do sudoeste da Austrália.

O Litoral Bravio e Surfista de Yallingup

Retomamos a Bussel Highway em direcção à Bunker Bay e ao Cabo Naturaliste.

No pino do Verão austral, grassam por ali incêndios florestais e o acesso permanece bloqueado pelas autoridades. Sem alternativas válidas, atalhamos para Yallingup.

Dona e cão numa praia nas imediações de Yallingup.

No dialecto local aborígene Noongar, Yallingup significa “Lugar do Amor”.

Não nos custa perceber porque os australianos mais abastados – incluindo, assim nos dizem, vários jogadores profissionais de críquete – se apaixonaram pelo lugar e ali têm casas de férias.

Surfspotting

Grupo de amigos acompanha o surf no oceano Índico abaixo, nas imediações do Cape Naturaliste.

A estrada termina num parque de estacionamento minimal.

Quando saímos do carro alugado, deparamo-nos com a Smiths Beach, uma enorme baía selvagem, forrada de vegetação costeira verdejante e um areal desafogado que o Índico verde-azul invade.

Taj Burrow: um quase-Mito do Surf Mundial

O cenário é grandioso. Inspira um exército de surfistas determinados como o faz a figura lendária e residente de Taj Burrow. Taj é filho de pais americanos.

Em 1988, aos 17 anos, tornou-se no competidor mais jovem a qualificar-se para o ASP World Tour, mas adiou a sua participação para o ano seguinte – quando se voltou a qualificar – por se achar demasiado jovem para passar tanto tempo em redor do mundo.

Desde então, triunfou em diversas provas de renome e derrotou concorrentes bem mais cotados, caso do agora onze vezes campeão do mundo Kelly Slater.

Os seus discípulos chegam em campervans e carrinhas envelhecidas. Vemo-los vestirem os fatos e prepararem as pranchas para logo percorrerem o longo trilho que conduz ao mar, apressados, como se receassem que se pudesse sumir de um momento para o outro.

Surfista desce para a praia de Smiths, um litoral selvagem e sagrado para os surfistas australianos.

Observamo-los também ao longe, a vencer a primeira rebentação branca para atingirem as ondas ideais que, destemidos e por vezes inconscientes, partilham com tubarões, incluindo grandes brancos.

Gnarabup, a praia que se segue, tem um mar demasiado raso para que estes portentosos predadores se acerquem mas é desprezada pela comunidade surfista.

As suas águas mais depressa fazem correr os banhistas convencionais, desejosos de relaxarem no cenário idílico antes de se perderem nos mil e um sabores e aromas de Margaret River.

Margaret River: a Capital Vinícola da Austrália Ocidental

Mags – o diminutivo afectuoso – é a povoação vinícola e gastronómica por excelência do sudoeste da Austrália Ocidental. Em nenhuma outra zona a grande ilha se revela tão mediterrânica como ali.

Do litoral para o interior, ao longo do rio epónimo, a vegetação evolui dos arbustos de arriba das praias para bolsas de sobrais e eucaliptais que remetem para o sul português, ainda mais quando abrem espaço às famosas vinhas da região, aos pastos do gado australiano e aos seus cowboys aussies.

Manada de vacas apreensivas num prado junto a uma das muitas vinhas de Margaret River.

Cento e quarenta adegas, na sua maioria diminutas, ocupam cerca de 5500 hectares e produzem vinhos cada vez mais enormes a nível mundial. Margaret River só assegura cerca de 3% da uva australiana.

Ainda assim, 20% da produção Premium do país tem ali origem, com destaque para o Sauvignon Blanc que todos os anos ajuda a atrair um milhão de visitantes.

Deixamos Mags entregue à sua maturação enóloga e turística.

Para Sul do Cabo Leeuwin. O Domínio das Grandes Florestas de Eucaliptos Australianas

Continuamos a descer a longa Bussel Highway com passagem por Karridale e por Augusta. Fica por estes lados a porta de entrada para o Cabo Leeuwin, o ponto limiar ocidental do Sudoeste, onde os aussies crêem que colidem os oceanos Índico e Antárctico.

Prosseguimos para a região das grandes florestas australianas, um domínio místico e poderoso que leva à lágrima os ozzies mais patriotas e sentimentalistas, comovidos pelo cheiro quente da terra, rendidos à imponência dos troncos gigantescos das jarrah, marri e karri trees, as espécies de eucaliptos que ali proliferam.

Ao longo de centenas de quilómetros, esta floresta majestosa rouba-nos a visão aberta do céu e deixa-nos apreensivos. As distâncias australianas são intermináveis. Não as podemos percorrer devagar.

Só que, por aqueles lado, os wallabies e cangurus de maior porte cruzam a estrada com frequência.

Sol põe-se e define as silhuetas formadas por eucaliptos altivos, as árvores dominantes no grande sudoeste australiano.

Qualquer colisão poderia provocar danos irreparáveis de parte a parte, ainda mais grave num domínio que os ambientalistas inveterados têm como sagrado.

“We Love Music” repete, a espaços, com sotaque ozzie, a voz feminina no éter. Para compensarmos a monotonia da paisagem e das rectas sem fim, mantemos o rádio sintonizado na Triple J, uma das estações mais jovens e irreverentes da Austrália.

A determinada altura, somos prendados com uma entrevista a dois membros dos Buraka Som Sistema que, na altura, animavam um dos principais festivais de Verão australianos ao som do contagiante “Wegue Wegue” e outros temas do seu progressive kuduro.

Enquanto os quilómetros e os marsupiais por nós passam, não conseguimos deixar de rir com a discussão de Lil John, Kalaf e DJ Riot sobre as virtudes e desvirtudes musicais do sempre prepotente norte-americano Kanye West.

Quase uma hora depois, permanecemos subsumidos na floresta e a visão inesperada de várias lonas e cartazes de protesto confirma-nos a presença latente dos ambientalistas.

Até há algum tempo, as árvores da região – muitas delas seculares – alimentaram uma indústria madeireira próspera sediada em Nannup, Bridgetown, Pemberton e Northcliffe.

A pressão dos ambientalistas nunca parou de aumentar. Como resultado, o governo limitou o abate a um mínimo essencial.

À Descoberta do Majestoso Valley of the Giants

Hoje, estas pequenas povoações procuram compensar o corte no seu velho e fácil sustento com lucros de actividades ecológicas recém-geminadas.

Por fim, chegamos ao Grande Sul australiano. Ainda cercados de árvores e mais árvores, planeamos deter-nos no Valley of the Giants, ansiosos por trocarmos o carro pela mais impressionante dessas emendas ambientais.

Estrada de terra do tom usual do interior australiano conduz a uma grande enseada azul.

Passamos por Walpole. Após Nornalup, flectimos para o interior até que chegámos à área protegida que lhe dá o nome.

Exclusivas desta pequena região do Grande Sul da Austrália Ocidental, as árvores tingle tingle (Eucalyptus jacksonii) que ali abundam podem viver mais de 400 anos e crescer 60 metros enquanto os seus troncos chegam aos 16 metros de diâmetro nas bases.

Durante décadas, os locais e visitantes entusiastas da natureza percorreram o trajecto que atravessa o vale para verem o “Velho Império” vegetal que se havia instalado naquele lugar muito antes de os europeus ancorarem na grande ilha austral.

Hoje, graças ao pensamento ecológico da população e das autoridades, mais que admirar a partir do chão, podemos caminhar pelo cimo da floresta ao longo de uma estrutura com cerca de 600 metros.

O vento faz oscilar as passadeiras e agrava uma vertigem controlada mas o mar de clorofila em redor deixa-nos deslumbrados.

Um dos passadiços elevados do Valley of the Giants, uma floresta de eucaliptos gigantes anciã do sul da Austrália, situada na zona de Nornalup.

Uma Dinamarca Perdida na Austrália Ocidental

Denmark é conhecida como a vila em que aquela mesma floresta aparentemente sem fim encontra o mar e os hippies se encontram uns aos outros.

Como tantas povoações pela Austrália Ocidental fora, revela-se um refúgio de campo marcadamente residencial mas repleto de galerias e lojinhas de arte alimentadas pelos estilos de vida alternativos de muitos moradores.

Ao contrário do que toda a gente e nós próprios pudéssemos pensar, o seu nome tem pouco que ver com o país nórdico. Foi-lhe atribuído, em 1829, pelo médico naval Thomas Braidwood Wilson, o primeiro homem branco a explorar a zona e que baptizou o rio que ali corria com o apelido de um dos seus melhores amigos, o doutor Alexander Denmark.

Mais que a povoação, são as redondezas que nos atraem.

Apelam-nos, em particular, o litoral excêntrico do PN William Bay, repleto de enseadas perfeitas em que as marés cobrem e descobrem curiosas rochas arredondadas – as Elephant Rocks – e piscinas naturais com uma água tão gélida que só verdadeiros masoquistas nelas se banham.

Rochas arredondadas e com o tom de elefantes, um atributo geológico predominante do Parque Nacional William Bay.

Estamos já na costa meridional da Austrália.

Para sul no mapa, resta apenas a Antárctida e, a condizer, sopram ventos furiosos que, além de baixarem adicionalmente a temperatura do ar e do oceano, parecem querer arrancar os grandes calhaus de granito dispersos pela praia.

South Coast Highway Fora, até ao Destino Final de Albany

A leste, ao longo da South Coast Highway, sucedem-se dois tipos de beira-mar extremos e imaculados, ora rochoso e dramático, ora dominado pela vegetação costeira verdejante e embelezado por areais que mais parecem neve.

Mares azuis

A Little Beach do PN Two Peoples, uma das praias frígidas e, só por isso, quase perfeitas da região de Albany.

Mesmo se é apenas a sexta cidade do estado, com 34.000 habitantes, Albany é a maior que visitamos desde que deixámos Busselton, onde acompanhámos uma prova maritima de natação.

Também é a colónia permanente mais antiga da Austrália Ocidental, fundada em 1826, três anos antes de Perth. Nos dias que correm, exibe visuais contrastantes.

O do velho centro histórico com os seus edifícios coloniais relativamente bem preservados junto à marginal e o da zona nova que se desenvolve a olhos vistos para o interior e que aumenta uma extensão americanizada de centros comerciais e de restaurantes de fast-food.

O charme do antigo agrada-nos. Mantemo-nos entre as ruas e cafés do centro, a longa marginal do Princess Royal Harbour e a reputada Middleton beach.

Sol põe-se e define as silhuetas formadas por eucaliptos altivos, as árvores dominantes no grande sudoeste australiano.

Nove dias e 543 km após a partida de Perth, tínhamos chegado ao ponto final do itinerário.

Pouco tempo depois, apanhamos a Albany Highway e regressamos à capital pelo interior do grande sudoeste australiano.

Busselton, Austrália

2000 metros em Estilo Aussie

Em 1853, Busselton foi dotada de um dos pontões então mais longos do Mundo. Quando a estrutura decaiu, os moradores decidiram dar a volta ao problema. Desde 1996 que o fazem, todos os anos. A nadar.
Great Ocean Road, Austrália

Oceano Fora, pelo Grande Sul Australiano

Uma das evasões preferidas dos habitantes do estado australiano de Victoria, a via B100 desvenda um litoral sublime que o oceano moldou. Bastaram-nos uns quilómetros para percebermos porque foi baptizada de The Great Ocean Road.
À Descoberta de Tassie, Parte 1 - Hobart, Austrália

A Porta dos Fundos da Austrália

Hobart, a capital da Tasmânia e a mais meridional da Austrália foi colonizada por milhares de degredados de Inglaterra. Sem surpresa, a sua população preserva uma forte admiração pelos modos de vida marginais.
Perth, Austrália

A Cidade Solitária

A mais 2000km de uma congénere digna desse nome, Perth é considerada a urbe mais remota à face da Terra. Apesar de isolados entre o Índico e o vasto Outback, são poucos os habitantes que se queixam.
Perth, Austrália

Cowboys da Oceania

O Texas até fica do outro lado do mundo mas não faltam vaqueiros no país dos coalas e dos cangurus. Rodeos do Outback recriam a versão original e 8 segundos não duram menos no Faroeste australiano.
Perth, Austrália

Dia da Austrália: em Honra da Fundação, de Luto Pela Invasão

26/1 é uma data controversa na Austrália. Enquanto os colonos britânicos o celebram com churrascos e muita cerveja, os aborígenes celebram o facto de não terem sido completamente dizimados.
À Descoberta de Tassie, Parte 4 -  Devonport a Strahan, Austrália

Pelo Oeste Selvagem da Tasmânia

Se a quase antípoda Tazzie já é um mundo australiano à parte, o que dizer então da sua inóspita região ocidental. Entre Devonport e Strahan, florestas densas, rios esquivos e um litoral rude batido por um oceano Índico quase Antárctico geram enigma e respeito.
À Descoberta de Tassie, Parte 3, Tasmânia, Austrália

Tasmânia de Alto a Baixo

Há muito a vítima predilecta das anedotas australianas, a Tasmânia nunca perdeu o orgulho no jeito aussie mais rude ser. Tassie mantém-se envolta em mistério e misticismo numa espécie de traseiras dos antípodas. Neste artigo, narramos o percurso peculiar de Hobart, a capital instalada no sul improvável da ilha até à costa norte, a virada ao continente australiano.
Sydney, Austrália

De Desterro de Criminosos a Cidade Exemplar

A primeira das colónias australianas foi erguida por reclusos desterrados. Hoje, os aussies de Sydney gabam-se de antigos condenados da sua árvore genealógica e orgulham-se da prosperidade cosmopolita da megalópole que habitam.
Michaelmas Cay, Austrália

A Milhas do Natal (parte I)

Na Austrália, vivemos o mais incaracterístico dos 24os de Dezembro. Zarpamos para o Mar de Coral e desembarcamos num ilhéu idílico que partilhamos com gaivinas-de-bico-laranja e outras aves.
Atherton Tableland, Austrália

A Milhas do Natal (parte II)

A 25 Dezembro, exploramos o interior elevado, bucólico mas tropical do norte de Queensland. Ignoramos o paradeiro da maioria dos habitantes e estranhamos a absoluta ausência da quadra natalícia.
Melbourne, Austrália

Uma Austrália "Asienada"

Capital cultural aussie, Melbourne também é frequentemente eleita a cidade com melhor qualidade de vida do Mundo. Quase um milhão de emigrantes orientais aproveitaram este acolhimento imaculado.
Rinoceronte, PN Kaziranga, Assam, Índia
Safari
PN Kaziranga, Índia

O Baluarte dos Monocerontes Indianos

Situado no estado de Assam, a sul do grande rio Bramaputra, o PN Kaziranga ocupa uma vasta área de pântano aluvial. Lá se concentram dois terços dos rhinocerus unicornis do mundo, entre em redor de 100 tigres, 1200 elefantes e muitos outros animais. Pressionado pela proximidade humana e pela inevitável caça furtiva, este parque precioso só não se tem conseguido proteger das cheias hiperbólicas das monções e de algumas polémicas.
Rebanho em Manang, Circuito Annapurna, Nepal
Annapurna (circuito)
Circuito Annapurna: 8º Manang, Nepal

Manang: a Derradeira Aclimatização em Civilização

Seis dias após a partida de Besisahar chegamos por fim a Manang (3519m). Situada no sopé das montanhas Annapurna III e Gangapurna, Manang é a civilização que mima e prepara os caminhantes para a travessia sempre temida do desfiladeiro de Thorong La (5416 m).
A pequena-grande Senglea II
Arquitectura & Design
Senglea, Malta

A Cidade Maltesa com Mais Malta

No virar do século XX, Senglea acolhia 8.000 habitantes em 0.2 km2, um recorde europeu, hoje, tem “apenas” 3.000 cristãos bairristas. É a mais diminuta, sobrelotada e genuína das urbes maltesas.
Totems, aldeia de Botko, Malekula,Vanuatu
Aventura
Malekula, Vanuatu

Canibalismo de Carne e Osso

Até ao início do século XX, os comedores de homens ainda se banqueteavam no arquipélago de Vanuatu. Na aldeia de Botko descobrimos porque os colonizadores europeus tanto receavam a ilha de Malekula.
auto flagelacao, paixao de cristo, filipinas
Cerimónias e Festividades
Marinduque, Filipinas

A Paixão Filipina de Cristo

Nenhuma nação em redor é católica mas muitos filipinos não se deixam intimidar. Na Semana Santa, entregam-se à crença herdada dos colonos espanhóis.A auto-flagelação torna-se uma prova sangrenta de fé
ora de cima escadote, feiticeiro da nova zelandia, Christchurch, Nova Zelandia
Cidades
Christchurch, Nova Zelândia

O Feiticeiro Amaldiçoado da Nova Zelândia

Apesar da sua notoriedade nos antípodas, Ian Channell, o feiticeiro da Nova Zelândia não conseguiu prever ou evitar vários sismos que assolaram Christchurch. Com 88 anos de idade, após 23 anos de contrato com a cidade, fez afirmações demasiado polémicas e acabou despedido.
Máquinas Bebidas, Japão
Comida
Japão

O Império das Máquinas de Bebidas

São mais de 5 milhões as caixas luminosas ultra-tecnológicas espalhadas pelo país e muitas mais latas e garrafas exuberantes de bebidas apelativas. Há muito que os japoneses deixaram de lhes resistir.
O projeccionista
Cultura
Sainte-Luce, Martinica

Um Projeccionista Saudoso

De 1954 a 1983, Gérard Pierre projectou muitos dos filmes famosos que chegavam à Martinica. 30 anos após o fecho da sala em que trabalhava, ainda custava a este nativo nostálgico mudar de bobine.
Desporto
Competições

Homem, uma Espécie Sempre à Prova

Está-nos nos genes. Pelo prazer de participar, por títulos, honra ou dinheiro, as competições dão sentido ao Mundo. Umas são mais excêntricas que outras.
Em Viagem
Estradas Imperdíveis

Grandes Percursos, Grandes Viagens

Com nomes pomposos ou meros códigos rodoviários, certas estradas percorrem cenários realmente sublimes. Da Road 66 à Great Ocean Road, são, todas elas, aventuras imperdíveis ao volante.
San Cristobal de Las Casas, Chiapas, Zapatismo, México, Catedral San Nicolau
Étnico
San Cristóbal de Las Casas, México

O Lar Doce Lar da Consciência Social Mexicana

Maia, mestiça e hispânica, zapatista e turística, campestre e cosmopolita, San Cristobal não tem mãos a medir. Nela, visitantes mochileiros e activistas políticos mexicanos e expatriados partilham uma mesma demanda ideológica.
arco-íris no Grand Canyon, um exemplo de luz fotográfica prodigiosa
Portfólio Fotográfico Got2Globe
Luz Natural (Parte 1)

E Fez-se Luz na Terra. Saiba usá-la.

O tema da luz na fotografia é inesgotável. Neste artigo, transmitimos-lhe algumas noções basilares sobre o seu comportamento, para começar, apenas e só face à geolocalização, a altura do dia e do ano.
Silhuetas Islâmicas
História

Istambul, Turquia

Onde o Oriente encontra o Ocidente, a Turquia Procura um Rumo

Metrópole emblemática e grandiosa, Istambul vive numa encruzilhada. Como a Turquia em geral, dividida entre a laicidade e o islamismo, a tradição e a modernidade, continua sem saber que caminho seguir

ilha Martinica, Antilhas Francesas, Caraíbas Monumento Cap 110
Ilhas
Martinica, Antilhas Francesas

Caraíbas de Baguete debaixo do Braço

Circulamos pela Martinica tão livremente como o Euro e as bandeiras tricolores esvoaçam supremas. Mas este pedaço de França é vulcânico e luxuriante. Surge no coração insular das Américas e tem um delicioso sabor a África.
lago ala juumajarvi, parque nacional oulanka, finlandia
Inverno Branco
Kuusamo ao PN Oulanka, Finlândia

Sob o Encanto Gélido do Árctico

Estamos a 66º Norte e às portas da Lapónia. Por estes lados, a paisagem branca é de todos e de ninguém como as árvores cobertas de neve, o frio atroz e a noite sem fim.
José Saramago em Lanzarote, Canárias, Espanha, Glorieta de Saramago
Literatura
Lanzarote, Canárias, Espanha

A Jangada de Basalto de José Saramago

Em 1993, frustrado pela desconsideração do governo português da sua obra “O Evangelho Segundo Jesus Cristo”, Saramago mudou-se com a esposa Pilar del Río para Lanzarote. De regresso a esta ilha canária algo extraterrestre, reencontramos o seu lar. E o refúgio da censura a que o escritor se viu votado.
Lago Manyara, parque nacional, Ernest Hemingway, girafas
Natureza
PN Lago Manyara, Tanzânia

África Favorita de Hemingway

Situado no limiar ocidental do vale do Rift, o parque nacional lago Manyara é um dos mais diminutos mas encantadores e ricos em vida selvagem da Tanzânia. Em 1933, entre caça e discussões literárias, Ernest Hemingway dedicou-lhe um mês da sua vida atribulada. Narrou esses dias aventureiros de safari em “As Verdes Colinas de África”.
Sheki, Outono no Cáucaso, Azerbaijão, Lares de Outono
Outono
Sheki, Azerbaijão

Outono no Cáucaso

Perdida entre as montanhas nevadas que separam a Europa da Ásia, Sheki é uma das povoações mais emblemáticas do Azerbaijão. A sua história em grande parte sedosa inclui períodos de grande aspereza. Quando a visitámos, tons pastéis de Outono davam mais cor a uma peculiar vida pós-soviética e muçulmana.
Praia de El Cofete do cimo de El Islote, Fuerteventura, ilhas Canárias, Espanha
Parques Naturais
Fuerteventura, Ilhas Canárias, Espanha

A (a) Ventura Atlântica de Fuerteventura

Os romanos conheciam as Canárias como as ilhas afortunadas. Fuerteventura, preserva vários dos atributos de então. As suas praias perfeitas para o windsurf e o kite-surf ou só para banhos justificam sucessivas “invasões” dos povos do norte ávidos de sol. No interior vulcânico e rugoso resiste o bastião das culturas indígenas e coloniais da ilha. Começamos a desvendá-la pelo seu longilíneo sul.
Solovestsky Outonal
Património Mundial UNESCO
Ilhas Solovetsky, Rússia

A Ilha-Mãe do Arquipélago Gulag

Acolheu um dos domínios religiosos ortodoxos mais poderosos da Rússia mas Lenine e Estaline transformaram-na num gulag. Com a queda da URSS, Solovestky recupera a paz e a sua espiritualidade.
Personagens
Sósias, actores e figurantes

Estrelas do Faz de Conta

Protagonizam eventos ou são empresários de rua. Encarnam personagens incontornáveis, representam classes sociais ou épocas. Mesmo a milhas de Hollywood, sem eles, o Mundo seria mais aborrecido.
Pescador manobra barco junto à Praia de Bonete, Ilhabela, Brasil
Praias
Ilhabela, Brasil

Em Ilhabela, a Caminho de Bonete

Uma comunidade de caiçaras descendentes de piratas fundou uma povoação num recanto da Ilhabela. Apesar do acesso difícil, Bonete foi descoberta e considerada uma das dez melhores praias do Brasil.
Composição sobre Nine Arches Bridge, Ella, Sri Lanka
Religião
PN Yala-Ella-Kandy, Sri Lanka

Jornada Pelo Âmago de Chá do Sri Lanka

Deixamos a orla marinha do PN Yala rumo a Ella. A caminho de Nanu Oya, serpenteamos sobre carris pela selva, entre plantações do famoso Ceilão. Três horas depois, uma vez mais de carro, damos entrada em Kandy, a capital budista que os portugueses nunca conseguiram dominar.
white pass yukon train, Skagway, Rota do ouro, Alasca, EUA
Sobre Carris
Skagway, Alasca

Uma Variante da Febre do Ouro do Klondike

A última grande febre do ouro norte-americana passou há muito. Hoje em dia, centenas de cruzeiros despejam, todos os Verões, milhares de visitantes endinheirados nas ruas repletas de lojas de Skagway.
city hall, capital, oslo, noruega
Sociedade
Oslo, Noruega

Uma Capital (sobre) Capitalizada

Um dos problemas da Noruega tem sido decidir como investir os milhares milhões de euros do seu fundo soberano recordista. Mas nem os recursos desmedidos salvam Oslo das suas incoerências sociais.
Vendedores de fruta, Enxame, Moçambique
Vida Quotidiana
Enxame, Moçambique

Área de Serviço à Moda Moçambicana

Repete-se em quase todas as paragens em povoações de Moçambique dignas de aparecer nos mapas. O machimbombo (autocarro) detém-se e é cercado por uma multidão de empresários ansiosos. Os produtos oferecidos podem ser universais como água ou bolachas ou típicos da zona. Nesta região a uns quilómetros de Nampula, as vendas de fruta eram sucediam-se, sempre bastante intensas.
Esteros del Iberá, Pantanal Argentina, Jacaré
Vida Selvagem
Esteros del Iberá, Argentina

O Pantanal das Pampas

No mapa mundo, para sul do famoso pantanal brasileiro, surge uma região alagada pouco conhecida mas quase tão vasta e rica em biodiversidade. A expressão guarani Y berá define-a como “águas brilhantes”. O adjectivo ajusta-se a mais que à sua forte luminância.
Bungee jumping, Queenstown, Nova Zelândia
Voos Panorâmicos
Queenstown, Nova Zelândia

Queenstown, a Rainha dos Desportos Radicais

No séc. XVIII, o governo kiwi proclamou uma vila mineira da ilha do Sul "fit for a Queen". Hoje, os cenários e as actividades radicais reforçam o estatuto majestoso da sempre desafiante Queenstown.
PT EN ES FR DE IT